MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA"

Transcrição

1 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR

2 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to HISTÓRICO: Em 1999, foi iniciada uma ação de análise e melhoria de processos relacionados ao uso de produtos fitossanitários (herbicidas, inseticidas e fungicidas) na Embrapa Soja. OBJETIVOS PRINCIPAIS: i) identificar os principais problemas existentes no processo de utilização de produtos fitossanitários em campos experimentais e casas-de-vegetação e; ii) propor e implementar ações de utilização racional dos agrotóxicos que pudessem eliminar ou minimizar os efeitos dos problemas encontrados.

3 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to PROBLEMAS LEVANTADOS: as operações de manuseio e preparo dos produtos fitossanitários, antes da aplicação, eram realizadas em locais inapropriados; verificou-se pouco conhecimento dos aplicadores de agrotóxicos sobre os devidos cuidados no manuseio desses produtos; havia ainda a necessidade de melhorias no que se refere aos equipamentos de aplicação (tratores e pulverizadores) e; a necessidade de uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPI).

4 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to PROBLEMAS LEVANTADOS (cont.): armazenamento incorreto de produtos e destino inadequado das sobras de caldas de pulverização; produtos vencidos e embalagens cuja tríplice-lavagem não era feita de forma correta; armazenamento e destino das embalagens vazias eram feitos de forma indevida; possíveis riscos de contaminação do usuário e do meio ambiente.

5 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES: a orientação dos empregados sobre as normas a serem seguidas para o bom andamento do processo; a realização de palestras, no sentido de sensibilizar os empregados da necessidade de melhorias, bem como alertá-los para os riscos à saúde humana e o impacto ao meio ambiente; a realização de cursos periódicos de treinamentos em tecnologia de aplicação de agrotóxicos (cursos de reciclagem); a centralização das atividades; a renovação e o reparo dos equipamentos para aplicação de produtos fitossanitários

6 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to RESULTADOS MAIS RELEVANTES: melhoria na qualidade dos serviços, em função da atualização dos conhecimentos dos empregados; a centralização das atividades relacionadas ao processo permitiu melhores condições de trabalho, facilitando o manuseio seguro dos agrotóxicos; as embalagens tríplice-lavadas, perfuradas e armazenadas em compartimento próprio são agora, sistematicamente, enviadas para galpões do Programa Terra Limpa; houve redução considerável dos restos de calda de pulverização e da lavagem dos tanques dos pulverizadores, evitando desperdício de produtos e produtos vencidos; uso correto dos equipamentos de proteção individual.

7 M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to AÇÕES DE MELHORIA GALPÃO DE APOIO

8 Planta baixa. Galpão de Apoio a Aplicação de Defensivos Agrícolas. 5, 00 m 4,00 m Rampa para abastecer 4,00 m WC Armário EPI 0m 4,00 m Embalagem vazia 500 cm Armário Varanda Calçada 1,00 m Fossa 17,00 m

9 Componentes do Galpão de Apoio

10 Componentes do Galpão de Apoio

11 Componentes do Galpão de Apoio

12 Componentes do Galpão de Apoio

13 ANTES - DEPOIS

14 ANTES - DEPOIS

15 ANTES - DEPOIS

16 ANTES - DEPOIS

17 ANTES - DEPOIS

18 Necessidades de melhoria Treinamentos periódicos dos empregados Alocar um empregado responsável pelas ações realizadas em todo o processo. Construção de uma sala para armazenamento de produtos dos laboratórios e casas-de-vegetação Melhorias na cabine fechada dos tratores Aquisição de trator com maior capacidade de pulverização e com cabine fechada

19 Obrigado a todos ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina, PR Tel: (43)

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP

Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas TÓPICO: Máquinas para Aplicação de Produtos Fitossanitários Prof. Dr. Casimiro Dias Gadanha Jr. DER/ESALQ/USP AGROTÓXICO Sinônimos: Produto Fitossanitário Pesticida

Leia mais

ANEXO II PRÉ TESTE

ANEXO II PRÉ TESTE ANEXO II PRÉ TESTE - 27 - PRÉ TESTE PROPRIETÁRIO CODIGO: - NOME: RG: CPF: ESTADO CIVIL: IDADE: SITUAÇÃO: Proprietário Arrendatário Meeiro Outra NOME DA ESPOSA: IDADE: Nº FILHOS: ENDEREÇO DA PROPRIEDADE:

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS A participação da Corol Cooperativa Agroindustrial juntamente com o Sistema OCB/SESCOOP na Campanha Nacional de Destinação Adequada das Embalagens Vazias

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ INSPEÇÃO PERIÓDICA DE PULVERIZADORES NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Lucas Renan EFFTING 1 ; João Pedro Fossa BERNARDY 2 ; Leonardo DÜSTERHOFT 3 ; Fabrício Campos MASIERO 4, Ricardo Kozoroski VEIGA 5

Leia mais

Módulo 5. Tecnologia de aplicação

Módulo 5. Tecnologia de aplicação Módulo 5 Tecnologia de aplicação Tecnologia de Aplicação Aldemir Chaim Embrapa Meio Ambiente Fernando Adegas Embrapa Soja Luiz Guilherme Rebello Wadt Embrapa Meio Ambiente Roberto Teixeira Alves Embrapa

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 Titulo do Procedimento: LAVAGEM DE EPI S DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Data de Versão: Autor: 18/01/2010 00 Alan Rígolo Geovana Timpani Elves Pinheiro Observações:

Leia mais

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA CONDOR. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650 17580000 Pompeia SP Tel. (14) 3405 2100 Fax. (14) 3452 1916 Email: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. www.jacto.com.br

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Definição: Ciência multidisciplinar Disciplina: Fitopatologia Agrícola TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS Objetivos: Destinada às pesquisas de equipamentos Processos e obtenção de resultados mais eficientes

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br

ARBUS 2000 TP. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) www. jacto.com.br Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - www. jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS. Imagens

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS NA LAVOURA DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE GARUVA- SC Dione Nery Cavalcanti Benevenutti (*),

Leia mais

Apresentação Aquisição do agrotóxico Cuidados no manuseio do agrotóxico...07

Apresentação Aquisição do agrotóxico Cuidados no manuseio do agrotóxico...07 Índice Apresentação...03 1. Aquisição do agrotóxico...04 1.1. Transporte do agrotóxico...04 1.2. Armazenamento do agrotóxico...06 2. Cuidados no manuseio do agrotóxico...07 2.1. Equipamentos de Proteção

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Esponja Bombril Códigos Internos: Antiaderente Superfícies Delicadas: Unitária 17014 / Embalagem Econômica 17023 Multiuso Limpeza

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Apresentação base - 2016 1 Sumário O que é o VALORFITO Como funciona Situação actual Evolução e desafios para o futuro Apresentação base

Leia mais

RELATÓRIO DO PRODUTO

RELATÓRIO DO PRODUTO Composição + Copolímero de poliéter e silicone 1000 g/l Grupo químico - Classe ESPALHANTE ADESIVO Modo de ação - Formulação DC - Concentrado Dispersível Classif. toxicológica II - Altamente tóxico Classif.

Leia mais

SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Documento Técnico elaborado por: Celestino Soares Setembro de 2014 Divisão de Sanidade O presente documento pretende

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus Baixada Santista

Universidade Federal de São Paulo Campus Baixada Santista REGULAMENTO DAS SALAS DE CULTURA DE CÉLULAS DO As salas de cultura compõem um laboratório multiusuário específico para condições para experimentação e manutenção de células vivas em ambiente adequado,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA.

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010 Introdução O entendimento

Leia mais

PROFESSOR (A): Fernando Joly Campos, Leandro Luiz Marcuzzo, Rosana Ceolin Meneghetti.

PROFESSOR (A): Fernando Joly Campos, Leandro Luiz Marcuzzo, Rosana Ceolin Meneghetti. CURSO: Bacharelado em Agronomia DISCIPLINA: Defensivos Agrícolas (AG-57) TURMA: 5ª Fase SEMESTRE LETIVO: 1º/2016 CARGA HORARIA SEMESTRAL: 60horas PRÉ-REQUISITO: Química Geral e Orgânica (AG-14) PLANO DE

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Nimbus SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 4997 60.744.463/0001-90 Classe Adjuvante Ingrediente Ativo (I.A.) óleo mineral Nome Químico Modo de Ação

Leia mais

POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Processo de Controle de Pragas / Dedetização

POP - PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Processo de Controle de Pragas / Dedetização 1 de 6 OBJETIVO Formalizar as atividades relacionadas ao processo de Controle de Pragas / Dedetização, conforme abaixo: 1. PROCEDIMENTO PARA RECEBIMENTO DOS PRODUTOS Receber e conferir os produtos com

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Kit de Formação VALORFITO - 2014 1 Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Kit de Formação VALORFITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Título da Apresentação USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Substítulo USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS IMPACTOS DA LEI Nº 26/2013 NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Produtos abrangidos

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA

CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA CONTROLE QUÍMICO DO PERCEVEJO Piezodorus guildinii (Westw.) NA CULTURA DA SOJA Fernando Alves de Albuquerque Luciana Maestro Borges Carlos Alberto Bastos Andrade RESUMO: O presente ensaio foi realizado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS O que são? Práticas e procedimentos estabelecidos para a produção de alimentos seguros Para que servem? Controle de perigos e garantia da qualidade dos alimentos

Leia mais

Ácaro-da-falsa-ferrugem (Phyllocoptruta oleivora)

Ácaro-da-falsa-ferrugem (Phyllocoptruta oleivora) PARTNER Ficha Técnica Nome Comum: Óxido de Fembutatina Nome Comercial: Partner Grupo Químico: Organoestânico Concentração: 500 g/l Formulação: SC - Suspensão Concentrada Classe tóxicológica: II - Altamente

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS COGAP COMITÊ DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DEFESA VEGETAL ANDEF Rua Capitão Antônio Rosa, 376, 13º andar 01443-010 -

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA

BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS. E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANiTÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, DA FLORA E DA FAUNA BOAS PRÁTICAS DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS E A PROTEçÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção a Saúde do Trabalhador da Saúde: O uso de Luvas e a lavagem correta das mãos entre os profissionais da

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL III - PRODUTO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL III - PRODUTO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE Aterbane BR 1608 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.513,57 R$ 1.611,79

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014 MATO GROSSO - Novembro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.437,49 R$ 1.612,95

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES Simone Aparecida de OLIVEIRA* Marco Eustáquio de SÁ Faculdade de Engenharia, UNESP - Câmpus

Leia mais

ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos. Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins

ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos. Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins ENFISA Encontro de Fiscalização e Seminário sobre Agrotóxicos Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins Histórico Lei Federal 7.802 Decreto 4.074 1989 2002 Art. 10: Compete aos Estados

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) EPI s dispositivos destinados a ser utilizados por uma pessoa para reduzir

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011

CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS. Campinas, 08 de novembro de 2011 CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES DA PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS Campinas, 08 de novembro de 2011 BOAS PRÁTICAS DE AUDITORIA NBR ISO 19011 Nívea Maria Vicentini, DSc. Pesquisadora

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE HERBICIDAS Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica,

Leia mais

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos

Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Cálculo do dano do amassamento, na cultura do trigo, pelo rodado do equipamento na primeira aplicação de defensivos Erlei Melo Reis e Mateus Zanatta Agrosservice Pesquisa e consultoria agrícola, Passo

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL: LABORATÓRIO EXPERIMENTAL DE DESIGN BAURU APRESENTAÇÃO Neste manual encontram-se as informações gerais do Laboratório de Experimental de Design, o horário

Leia mais

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009)

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009) Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009) Fortaleza - CE, Agosto de 2009 gcvitti@esalq.usp.br tvegetal@esalq.usp.br Foto: Corbis PROGRAMA INTERLABORATORIAL DE ANÁLISE DE

Leia mais

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

ARBUS Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

- PLANEJAMENTO ANUAL DE TRABALHO

- PLANEJAMENTO ANUAL DE TRABALHO Solicitações em ordem de prioridade - PLANEJAMENTO ANUAL DE TRABALHO 2017 Nome do Sindicato: SINDICATO RURAL DE TABAPORÃ Email: sindicatorural@icase.com.br Telefone:66.3557-1087 Endereço: Rua Oscar Kunio

Leia mais

Resumo. Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas

Resumo. Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas Saneantes Domissanitários Entidades Especializadas Resumo O Programa Cidade Sustentável livre de embalagens vazias é realizado pela ABAS. Este ano, o objetivo do programa é dar a destinação correta a 55

Leia mais

CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO. R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P.

CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO. R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P. CAFEICULTURA DE PRECISÃO POR AGRICULTURA DE PRECISÃO R. Santinato MAPA Procafé Campinas - S.P. PARTE I AGRICULTURA DE PRECISÃO O inicio => 1.920 (Aplicação / Acre) Conceitos Fundamentais Estação Experimental

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Coleta, transporte e destinação final de resíduos sólidos e manutenção de áreas verdes; Bases nas cidades de Campinas, Barueri, Arujá, Franco da Rocha e São José dos Campos; Mais

Leia mais

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Evitar contaminação e DTAs Qualidade do Alimento Proteção da Saúde Contaminação Física

Leia mais

Sistema Cultivance Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja.

Sistema Cultivance Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja. Sistema Cultivance Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja. 1 Índice Introdução...5 O herbicida do Sistema Cultivance...6 O grande diferencial...7 Os benefícios do sistema...7 Boas práticas

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ (PRÉ-PRODUÇÃO)

PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ (PRÉ-PRODUÇÃO) PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ (PRÉ-PRODUÇÃO) MATTOS, M.L.T. 1 ; MARTINS, J.F. da S 1.; BARRIGOSSI, A. 2.; NOLDIN, J.A. 3 ; SIMON, G. 4 1 Engo. Agro., Pesquisador, Embrapa Clima Temperado, BR 392 km 78, C.P.

Leia mais

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA

ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA ANÁLISE DE APLICATIVOS PARA REGULAGEM E CALIBRAÇÃO DE PULVERIZADORES NA CULTURA DA VIDEIRA PILETTI, P.L.²; FEIL, G.²; ZIMMERMANN, L.C.³; LUCCA FILHO, Z²; MACHADO, O. D. da C.¹ RESUMO Os agricultores encontram

Leia mais

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes

- FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CLORO (PÓ) Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Sapólio Radium Cloro (Pó) Código Interno: 14003 / 14016 Empresa: BOMBRIL S/A Telefone de Emergência: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari

CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH. Diana Palhano Ludmila Ventilari CERTIFICAÇÃO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ALYSSON DAROWISH MITRAUD Diana Palhano Ludmila Ventilari O que é Qualidade? Conceito de gestão: Conforme Deming: é a satisfação do cliente e melhoria contínua O que

Leia mais

Objetivo: Garantir a continuidade das ações de melhoria no ambiente de trabalho, visando a produtividade e bem estar dos colaboradores da Unidade.

Objetivo: Garantir a continuidade das ações de melhoria no ambiente de trabalho, visando a produtividade e bem estar dos colaboradores da Unidade. Definição: Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de manter padrões de organização e limpeza, agilizando atividades diárias e diminuindo tempo e custos. Objetivo: Garantir a continuidade das ações

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Workshop proteção das culturas, aplicação de produtos fitofarmacêuticos e inspeção de pulverizadores, Nelas,

Leia mais

Instrumentos Cirúrgicos

Instrumentos Cirúrgicos Instrumentos Cirúrgicos Manuseio, armazenamento e esterilização Manuseio, armazenamento e esterilização Víncula Índice 03 03 04 05 07 08 08 Introdução Aço Inoxidável Qualidade da Água e/ou Vapor Uso diário

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio A GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO A utilização do GIS como ferramenta de apoio na SLC Agrícola Paula Silvério Eng. Ambiental HISTÓRIA DA SLC AGRÍCOLA VISÃO GERAL DA SLC

Leia mais

BREAK THRU VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

BREAK THRU VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ BREAK THRU VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura e do Abastecimento sob n.º 03898 COMPOSIÇÃO: % g/l Copolímero poliéster-polimetil

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: SOLUÇÃO TAMPÃO ph 7 - Código interno de identificação do produto: S1036 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios Ltda

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 27 Julho de 2015 Periódico Semestral ANÁLISE E AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE DEFENSIVO AGRÍCOLA NA CULTURA DA LICHIA Jéssica

Leia mais

Página 1 GALPÃO DAS PANELEIRAS. Coordenadora: Berenice Correa Nascimento. Fundação: 21/11/2011

Página 1 GALPÃO DAS PANELEIRAS. Coordenadora: Berenice Correa Nascimento.   Fundação: 21/11/2011 GALPÃO DAS PANELEIRAS Coordenadora: Berenice Correa Nascimento Email: berenicepaneleira@hotmail.com Fundação: 21/11/2011 Endereço: Rua das Paneleiras, 55 Bairro Goiabeiras CEP: 29075-105 Telefone: (27)

Leia mais

Experimentação com herbicidas

Experimentação com herbicidas Eperimentação com herbicidas Princípio do delineamento eperimental: Delineamento eperimental mais simples possível desde que satisfaça coerência estatística e atenda os objetivos pretendido O objetivo

Leia mais

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Amauri Romani 1, Irineu Lorini 2 89 1 Pós-graduação em Qualidade no Armazenamento

Leia mais

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos

Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Chuveiro e lava-olhos de emergência: Equipamentos imprescindíveis para o manuseio de produtos químicos Esses equipamentos são destinados a eliminar ou minimizar os danos causados por acidentes nos olhos

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

BACULO SOJA VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

BACULO SOJA VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ BACULO SOJA VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 06897 Composição: Corpos poliédricos

Leia mais

Implementação e viabilidade econômica da substituição dos aparelhos com mercúrio na REDE FHEMIG

Implementação e viabilidade econômica da substituição dos aparelhos com mercúrio na REDE FHEMIG Implementação e viabilidade econômica da substituição dos aparelhos com mercúrio na REDE FHEMIG NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS FHEMIG A Rede FHEMIG A maior

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP Tupã, SP 2016 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Define as normas internas de utilização do Laboratório de Avaliação

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios (PCN)

Plano de Continuidade de Negócios (PCN) Plano de Continuidade de Negócios (PCN) KAETÉ INVESTIMENTOS LTDA. Órgão responsável: Comitê de Compliance e Controles Internos Data da atualização: 17 de junho de 2016 Aviso Legal: Este documento pode

Leia mais

Sistema Roundup Ready Plus

Sistema Roundup Ready Plus Sistema Roundup Ready Plus brasileiro a confiança necessária de uma recomendação que sustente os benefícios provenientes destas tecnologias inovadoras. O controle de plantas daninhas é uma prática de elevada

Leia mais

Break-Thru. CLASSE: Espalhante Adesivo não-iônico / Penetrante do grupo químico dos silicones

Break-Thru. CLASSE: Espalhante Adesivo não-iônico / Penetrante do grupo químico dos silicones Break-Thru Guia de Produtos Março de 2011 Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 03898 COMPOSIÇÃO: % g/l Copolímero poliéter - polimetil siloxano (Silicone)...100

Leia mais

A qualidade que você já conhece na quantidade que você precisa.

A qualidade que você já conhece na quantidade que você precisa. A qualidade que você já conhece na quantidade que você precisa. Troca Inteligente, a solução prática para você alcançar grandes resultados. Armazenagem 3no Distribuidor Os lubrificantes são armazenados

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO QUÍMICO I. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO. Nome comercial: Detergente Luna. Empresa: E.C Cassiolato Pinto Prod. Limpeza EPP. COMPOSIÇÃO: II. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES. Dodecil benzeno sulfonato

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Administração Logística

Administração Logística INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2010 2 Administração Logística Processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficaz em termos

Leia mais

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima

menu NISAM20 04 menu inic ial próxima menu NISAM20 04 menu inic ial Gerenciamento de resíduos químicos de laboratório Leny Borghesan Albertini Alberguini Maria Olímpia de O. Rezende próxima Gerenciamento de Resíduos Químicos de Laboratório

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60

Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60 Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60 LY41200 - Proteção Interiores LYNX 4 em 1 Integral 4 em 1 Proteção ideal para o interior do veículo As vantagens do Integral 4 em 1 LY41200

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco)

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) Página 1 de 5 LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do produto:lava Roupa Maltex 1.2. Aplicação:Lava sem deixar resíduos e com mais maciez, é a solução

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO. Adequação Física e estrutural

ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO. Adequação Física e estrutural ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO Adequação Física e estrutural A etapa mais demorada e com maior investimento de recursos é a adequação física e da estrutura da empresa. No Recreio da

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais