SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS"

Transcrição

1 SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Documento Técnico elaborado por: Celestino Soares Setembro de 2014 Divisão de Sanidade

2 O presente documento pretende fazer uma síntese das principais normas / condicionalismos relacionados com a utilização de produtos fitofarmacêuticos (PF) pelos Agricultores, estando toda esta matéria regulamentada pela Lei 26/2013, de 11 de Abril. Assim, faz-se a apresentação das referidas normas desde a aquisição dos PF até à sua aplicação, incluindo procedimentos a adotar após a referida aplicação: I Aquisição de produtos fitofarmacêuticos de uso profissional Os PF devem ser adquiridos em empresas com autorização de exercício para a venda ou distribuição, devendo estes estar devidamente homologados e com autorização de venda, autorização provisória de venda ou autorização de comércio paralelo concedida pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). Na compra, o agricultor deverá comprovar que lhe é emitido um documento onde conste a seguinte informação: o Número da autorização de exercício de atividade da empresa que comercializa o produto; o Data; o Nome do comprador; o Nome comercial e o número da autorização de venda do produto; o Respetivas quantidades e lotes; Ser detentor de habilitação aplicador especializado (cartão de aplicador especializado emitido pela DGAV), caso se trate dum PF de elevado risco; Solicitar a entrega de saco para recolha de embalagens vazias (saco valorfito). A partir de 26 de novembro de 2015, só poderá adquirir PF quem for detentor de habilitação própria para o efeito (cartão de aplicador emitido pela DRAP Algarve). II Transporte de produtos fitofarmacêuticos O transporte de PF deverá ser feito de forma segura, para evitar derrame em caso de acidentes, transportando os produtos bem acondicionados, sempre que possível em caixa estanque e o mais afastados possível de quaisquer alimentos para pessoas e animais. III Armazenamento de produtos fitofarmacêuticos O local escolhido para o armazenamento dos PF deverá ter em atenção os seguintes requisitos: o Estar em local isolado, em espaço fechado e exclusivamente dedicado ao armazenamento de PF, devidamente sinalizado, com piso impermeável e ventilação adequada (anexo I exemplos de armazéns de PF) e cumprir as seguintes condições: Situar-se à distância de pelo menos 10 metros de cursos de água, valas e nascentes; Situar-se à distância de pelo menos 15 metros de captações de água; Não estar situado em zonas inundáveis ou ameaçadas pelas cheias; Não estar situado na zona terrestre de proteção das albufeiras, lagoas e lagos de águas públicas; o Situar-se em local que permita acesso ao fornecimento de água; o Ser de acesso reservado a utilizadores profissionais e dispor no mínimo de um Equipamento de Proteção Individual (EPI) completo e acessível (guardado fora do armazém); o Estar fechado à chave, impedindo assim o acesso a crianças; o Ser construído com materiais resistentes e não combustíveis e dispor de sistemas de ventilação natural ou forçada; 2

3 o Dispor de prateleiras, para colocação dos PF, constituídas por material não combustível e facilmente lavável; o Dispor de meios adequados para conter derrames acidentais, preferencialmente, bacias de retenção; o Dispor, no mínimo, de um extintor de incêndio; o Estar, pelo menos, à distância de 2 metros de quaisquer alimentos para pessoas e animais; o Dispor de informação com conselhos de segurança e procedimentos em caso de emergência, bem como contatos de emergência. O armazém deverá dispor de condições para armazenar temporariamente as embalagens vazias, devendo o Responsável do Armazém proceder à sua entrega junto das empresas onde adquiriu os PF ou nos próprios Centros de Recolha de Embalagens Vazias. IV Gestão dos produtos fitofarmacêuticos em armazém No armazenamento deverá ter-se em atenção os seguintes aspetos: o Não arrumar os PF diretamente no pavimento; o Arrumação por grupo de PF (ex: insecticidas, fungicidas, herbicidas, etc ); o Existência de espaço identificado para armazenamento temporário de produtos obsoletos; o Os produtos em pó deverão ser sempre arrumados por cima dos líquidos; o Efetuar uma gestão de modo a que, os primeiros produtos a entrar no armazém devam ser os primeiros a sair, evitando assim a acumulação de produtos que já não possam ser utilizados (produtos obsoletos); o Dispor de listagem de produtos existentes em armazém, guardada fora do armazém; o A primeira prateleira de baixo deve estar a pelo menos 20 cm do pavimento, de modo a facilitar a limpeza. V Tomada de decisão de tratar A decisão para efetuar um tratamento fitossanitário deverá ser tomada após terem sido esgotadas todas as outras alternativas e deverá ser em função do inimigo a combater e do eventual risco de existência de prejuízos, suportada em fundamentos técnicos (solicitar orientações técnicas sempre que necessário). A aplicação dos princípios da proteção integrada na luta contra os inimigos das culturas passou a ser obrigatória a partir de 1 de Janeiro de Noção de Proteção Integrada - Estratégia de luta baseada em três princípios fundamentais: I. Estimativa do risco quantificação do inimigo da cultura; II. Nível económico de ataque nível do inimigo da cultura a partir do qual existem riscos de ocorrência de prejuízos; III. Seleção dos meios de luta utilização integrada de meios de luta alternativos (Ex: biológica, cultural, genética, biotécnica e química). Ao decidir pela utilização de um PF deverá observar-se a Boa Prática Fitossanitária, dando preferência aos PF que apresentem menor perigosidade toxicológica, ecotoxicológica e ambiental; Deverão respeitar-se as indicações e condições de utilização autorizadas e expressas no rótulo das respetivas embalagens, usando para o efeito o EPI adequado. Garantir que será assegurada a calibração e a verificação técnica dos equipamentos de aplicação com uma regularidade adequada (atender ao regime de inspeção obrigatória dos equipamentos de aplicação abrangidos pelo DL 86/2010, de 15 de julho). 3

4 VI Aplicação dos PF Na aplicação de PF deverão ser tomadas as seguintes medidas de redução do risco: Ser dada preferência à utilização de equipamentos de aplicação que minimizem o eventual risco de arrastamento de calda dos PF a aplicar; Ser previamente determinado um local, junto da área a tratar que reúna as condições de segurança mínimas, onde possa ser feita manipulação e preparação da calda do produto e a limpeza dos equipamentos de aplicação após a sua utilização, podendo resumir-se no seguinte: i. Manuseamento ou preparação de caldas de PF - os aplicadores deverão respeitar os seguintes requisitos de segurança: o Utilizar EPI adequado; o Escolher um local com tomada de água e afastado, pelo menos 10 m, dos cursos de água, poços, valas ou nascentes; o O local deverá estar preferencialmente sob cobertura, não dispor de paredes laterais e deve permitir a instalação de uma bacia de retenção, amovível ou não, concebida de forma a não ser suscetível de inundação e a facilitar a limpeza de eventuais derrames e recolha de efluentes, de modo a evitar a contaminação do solo, águas subterrâneas ou superficiais da área circundante, devendo: Os efluentes ser recolhidos num tanque coletor estanque, depósito ou aterro construído com material biologicamente ativo, de modo a promover a degradação dos resíduos do PF ou a sua concentração, por via da evaporação da componente líquida do efluente; ou Os efluentes ser recolhidos em recipiente próprio para o efeito e encaminhados para um sistema de tratamento, como previsto na subalínea anterior, de modo a promover a sua degradação biótica ou abiótica; Em alternativa ao previsto no ponto anterior, os efluentes provenientes de eventuais derrames e outros resíduos podem, ainda, ser encaminhados para um sistema de tratamento de efluentes licenciado para a gestão e valorização de resíduos perigosos; o Caso não seja possível dispor de um local como anteriormente referido, o local a utilizar deverá ter coberto vegetal e ser concebido de modo a poder reter e degradar biótica ou abioticamente quaisquer efluentes ou resíduos provenientes das operações com PF; o Deverá ser realizado um correto cálculo do volume de calda a aplicar, de modo a minimizar os volumes de calda excedentes; o Assegurar a instalação, no ponto de tomada de água, de um dispositivo de segurança destinado a impedir o retorno da água do depósito do pulverizador ao circuito de alimentação da água; o Tomar as medidas adequadas de modo a evitar o transbordo da calda do pulverizador, quando se proceda ao seu enchimento. ii. Excedentes de calda, quando existam: o Deverão ser aplicados, após diluição com água, sobre coberto vegetal não tratado de outras áreas não visadas pelo tratamento e afastadas de poços, cursos ou outras fontes de água; o Não sendo possível aplicá-los num coberto vegetal, deverão ser eliminados sem diluição nas instalações e condições referidas anteriormente, aplicando se os respetivos procedimentos. iii. Limpeza dos equipamentos de aplicação de PF, os aplicadores deverão respeitar os seguintes requisitos mínimos de segurança: o Utilizar EPI adequado; 4

5 o Proceder à lavagem exterior e interior do equipamento junto à área tratada e sobre uma superfície com coberto vegetal não destinado ao consumo humano ou animal, devendo a mesma ser realizada com o mínimo de volume de água possível; o Não sendo possível proceder à lavagem do equipamento junto à área tratada, deverá ser utilizado um local com as características acima referidas, aplicando-se os respetivos procedimentos. Informar os apicultores, com a antecedência de, pelo menos, 24 horas relativamente à aplicação, de modo a que os mesmos possam assegurar a proteção dos apiários, situados até 1500 m da parcela a tratar, particularmente quando sejam aplicados produtos perigosos para abelhas (sugerese comunicação à Direção de Serviços Veterinários da Região do Algarve). Na sementeira com sementes tratadas com PF deverão ser seguidas as condições de utilização e as precauções toxicológicas e ambientais constantes das respetivas etiquetas, embalagens ou documentos que obrigatoriamente acompanhem a semente. VI Registos das aplicações de PF Todos os aplicadores deverão efetuar e manter, durante pelo menos três anos, o registo de quaisquer tratamentos efetuados com PF, incluindo, a referência ao nome comercial e ao número de autorização de venda do produto, o nome e número de autorização de exercício de atividade do estabelecimento de venda onde o produto foi adquirido, a data e a dose ou concentração e volume de calda da aplicação, a área, culturas e respetivo inimigo, ou outra finalidade para que o produto foi utilizado (anexo II ficha de registo de aplicação de PF). 5

6 Anexo I Exemplos de armazéns de Produtos Fitofarmacêuticos Figura 1 Exemplo de armazém de produtos fitofarmacêuticos para uma exploração com alguma dimensão (fonte DGAV). Figura 2 Exemplo de armazém de produtos fitofarmacêuticos para uma exploração de pequena dimensão (fonte DGAV). 6

7 Anexo II - Ficha de registo de aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Identificação do Agricultor: Nome: Identificação da Exploração: Nome: Localização: Data de aplicação Produto fitofarmacêutico Nome comercial do PF N.º da AV, APV ou ACP Estabelecimento de Venda Nome N.º Aut. Exercício Dose ou concentração Volume de calda da aplicação (L) Área tratada (m 2 ou ha) Nome da parcela Cultura Inimigo da cultura AV autorização de venda; APV autorização provisória de venda; ACP autorização de comércio paralelo 7

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Workshop proteção das culturas, aplicação de produtos fitofarmacêuticos e inspeção de pulverizadores, Nelas,

Leia mais

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Mod 10-381 rev 0 Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária SITUAÇÃO

Leia mais

Aplicação do código de estrada

Aplicação do código de estrada Vias Públicas? Aplicação do código de estrada VIA PÚBLICA Via pública - via de comunicação terrestre afeta ao trânsito público O Código da estrada é aplicável ao trânsito nas vias do domínio público do

Leia mais

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Início Outubro Duração 35h Horário(s) (a definir) OBJECTIVOS GERAIS - Capacitar os participantes para a manipulação e aplicação segura de produtos, minimizando

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DOCUMENTO DE ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO MANUAL DOS PROCEDIMENTOS OPERATIVOS A APRESENTAR

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Título da Apresentação USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Substítulo USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS IMPACTOS DA LEI Nº 26/2013 NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Produtos abrangidos

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Kit de Formação VALORFITO - 2014 1 Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Kit de Formação VALORFITO

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MODULO - II.2 Sistemas regulamentares dos Produtos Fitofarmacêutico Fevereiro 2015 1. Homologação dos Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Apresentação base - 2016 1 Sumário O que é o VALORFITO Como funciona Situação actual Evolução e desafios para o futuro Apresentação base

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA Gilberto Vicente Lisboa, Dezembro de 2003 1 VERIFICAÇÃO INDEPENDENTE O cumprimento do referencial da Protecção Integrada exige o controlo e certificação realizado

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES HIGIENE DAS INSTALAÇÕES Os locais de preparação e serviço de refeições devem ser concebidos por forma a facilitar a sua limpeza e desinfecção adequadas, bem como, reduzir os

Leia mais

IARC. - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas Manual de Procedimentos e Especificações Técnicas Índice 1. Introdução 3 2. Localização do Traçado

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Seminário gorgulho do eucalipto, Arouca, 16 abril 2015. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Decreto-Lei n.º 187/2006,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Workshop Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica Resíduos Agrícolas Explorações Agrícolas Actualmente existem: 330 explorações na Ilha das Flores; 50 explorações na Ilha do Corvo Os agricultores das Flores e do Corvo, têm vindo a consciencializar-se

Leia mais

O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras

O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras Gabinete Técnico da CNA 2014 Produtos Fitofarmacêuticos Novas Regras Índice I - Introdução... 7 II - Segurança nos circuitos comerciais... 8 III -

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS PS 15 2 Segurança do Trabalho Diretor Técnico 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Definir sistemática para o gerenciamento dos produtos químicos utilizados nos processos da CASTILHO a fim de prevenir impactos ambientais

Leia mais

Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos

Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos Paula Cruz de Carvalho www.dgav.pt AUTORIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACEUTICOS Regulamento (EU) 1107/2009, de 21 de outubro «Garantir

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS Licenciamento mbiental viário Quinta da Póvoa DENTFCÇÃO MELHORES TÉCCS DSPONÍVES BREF LF Boas Práticas grícolas: 1. dentificar e implementar programas de formação teórica e prática para os trabalhadores

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO Gestão de Resíduos Hospitalares em Unidades de Saúde CONCELHO: DATA: / / IDENT IF ICAÇÃ O DA UN IDADE D E SAÚDE NOME DA UNIDADE DE SAÚDE: MORADA: TELEFONE: FAX: E-MAIL: SERVIÇO

Leia mais

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Cabe a cada estado membro preservar o seu ecossistema, de modo a promover a sua sustentabilidade e o bem-estar da população. Promover a implementação

Leia mais

Ibolimpa 1/7 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data Data da edição: Edição nº: 01

Ibolimpa 1/7 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data Data da edição: Edição nº: 01 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Limpeza de resíduos de cimento. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain WEBER CIMENFIX Zona Industrial

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Cálcio D-Gluconato 1-hidrato Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO

FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO FICHA DE REGISTO DE FAQ S DE ATENDIMENTO U. Orgânica (s): DSMDS - DGAPF TEMA: COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SUB-TEMA: FORMAÇÃO DE AGRICULTORES E OUTROS APLICADORES QUESTÃO:

Leia mais

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger)

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger) 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: Leca Mix (weber.floor light mix) 1.2. Aplicações: Enchimento de pisos térreos, pisos elevados, pisos técnicos e coberturas, em interior ou exterior.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOGEL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOGEL Adubo NK Empresa responsável pela comercialização: Casa

Leia mais

Dário Antunes Correia

Dário Antunes Correia 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 82/2012 (S09084-201207) Nos termos do Artigo 33º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida pelo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC)

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC) Página 1 de 5 Elaborado: Revisado: Aprovado: Vera Letticie de Azevedo Ruiz Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus 1. OBJETIVOS Estabelecer os procedimentos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO 1. Identificação da Preparação e da Empresa Identificação da Preparação Descrição e Campo de Aplicação Identificação da Empresa/Produtor Esta Ficha de Dados de Segurança (FSP) aplica-se a todos os produtos

Leia mais

1. Introdução. 2. Definição de Caso suspeito durante uma viagem marítima

1. Introdução. 2. Definição de Caso suspeito durante uma viagem marítima NÚMERO: 013/2014 DATA: 11/08/2014 ATUALIZAÇÃO 13/11/2015 ASSUNTO: Doença por vírus Ébola. Procedimentos de vigilância de viajantes por via marítima PALAVRAS-CHAVE: Ébola; Portos; Autoridades de Saúde;

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 DECISÃO DE DIRETORIA Nº 03, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2004 DOE SP DE 20/02/2004 A Diretoria Plena da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB, no uso das suas atribuições legais, especialmente

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) PROGESTERONA.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

COSMIC. Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio)

COSMIC. Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio) COSMIC Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio) Herbicida sistémico, de pós emergência, para combate às infestantes anuais e vivazes em

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Cartacoat AP1 liq 0050 nº Material: 236023 nº Material:236023 Código Interno de Produto : 000000362404 Identificação

Leia mais

Parafina em lentilhas P.F ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Parafina em lentilhas P.F ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança Parafina em lentilhas P.F. 56-58ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado

Leia mais

1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 93/2012 (S10463-201209) Nos termos do artigo 33º.do Decreto-Lei nº. 178/2006, de 5 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

Caolino Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Caolino Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança Caolino Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Alumínio Silicato 1.2 Utilização

Leia mais

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 Titulo do Procedimento: LAVAGEM DE EPI S DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Data de Versão: Autor: 18/01/2010 00 Alan Rígolo Geovana Timpani Elves Pinheiro Observações:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011

RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº XX, DE XX DE XXXXXXX DE 2011 O Diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S ) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S01678-201302) Nos termos do Artigo 35º do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO MEMBRANAS BETUMINOSOSAS

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO MEMBRANAS BETUMINOSOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO MEMBRANAS BETUMINOSOSAS 1.Identificação da preparação e da empresa Nome comercial: Membranas betuminosas comercializadas pela SOTECNISOL, S.A.: ECOPLAS 30 40 PY 30 40G PY

Leia mais

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII Prof.: Alessandra Miranda Substâncias Detergentes e Sanitizantes Substâncias Detergentes Uso geral Alcalinos ou clorados

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio A Portaria n.º 52-A/2001, de 19 de Julho, estabelece o regime de aplicação da intervenção Medidas Agro-Ambientais do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Parafina Líquida

Ficha de Dados de Segurança. Parafina Líquida Ficha de Dados de Segurança Parafina Líquida 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Óleo de Vaselina Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Leia mais

Laca Wideprint BOLETIM TÉCNICO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA COMPOSIÇÃO (%) CLASSIFICAÇÃO

Laca Wideprint BOLETIM TÉCNICO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA COMPOSIÇÃO (%) CLASSIFICAÇÃO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA PRODUTO BASE ÁGUA COMPOSIÇÃO (%) PROPRIETÁRIA CLASSIFICAÇÃO Não contém substâncias ou preparações perigosas, de acordo com as diretrizes

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO SANDOMIS Sabonete Líquido para mãos

SABONETE LÍQUIDO SANDOMIS Sabonete Líquido para mãos Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS SABONETE LÍQUIDO SANDOMIS Sabonete Líquido para mãos 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Sabonete

Leia mais

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6 Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: HCl Algicida Choque Aplicação: Eliminação de Algas Nome da Empresa: Hidroall

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Produto: Limpin SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Nome do Produto: Desengraxante Limpin Empresa: Garin & Cia

Leia mais

Lactato de Cálcio Pentahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Lactato de Cálcio Pentahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança Lactato de Cálcio Pentahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação:

Leia mais

Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco

Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco 1. Identificação do produto e da empresa Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco Nome comercial: LIMOSEPTIC CONCENTRADO Identificação

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE FACHADAS DOS EDIFÍCIOS DA FEUP PARA COLOCAÇÃO DE PAINÉIS PUBLICITÁRIOS

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE FACHADAS DOS EDIFÍCIOS DA FEUP PARA COLOCAÇÃO DE PAINÉIS PUBLICITÁRIOS FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Artº 1º Âmbito de aplicação Artº 2º O disposto no presente Regulamento aplica-se à colocação de painéis publicitários abrangendo zonas de fachada dos edifícios

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO SEPARADOR ÁGUA ÓLEO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO SEPARADOR ÁGUA ÓLEO MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO SEPARADOR ÁGUA ÓLEO Rua João Domingues de Oliveira, nº40 Bairro Centro Ribeirão Pires SP CEP. 09400-250 Tel.: (11) 4824.3675 Email: hertower@hertower.com.br / contato@hertower.com.br

Leia mais

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos)

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) (centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção de Serviços de Proteção Animal Largo da Academia Nacional de Belas Artes, 2

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Produção Integrada Animal Nº Local Duração 211 horas Data a Laboral Pós-Laboral Misto Formação-acção Formação à distância

Leia mais

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ )

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ ) Grau de (S) Recolha de Amostra Trasfega de slops e águas contaminadas do Navio Emissões de COV`s () Emissões de COV`s () Produção de Efluentes Contaminação de recursos E D N 5 3 1 9 Não Significativo PQAS

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos. Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração

Eco new farmers. Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos. Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração Eco new farmers Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos Sessão 2 - Procedimentos ao nível da exploração

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em aveleira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal

Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal Licença de Instalação Obras Serra do Cafezal Os documentos Nº 688 e 689/2010, expedidos em 5 de abril de 2010 pelo IBAMA, dizem respeito às licenças de instalação para as obras de duplicação da Serra do

Leia mais

1. Identificação da substância e da empresa

1. Identificação da substância e da empresa Ficha de Dados de Segurança Ácido Esteárico 95 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Ácido Esteárico 95 Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Esponja Bombril Códigos Internos: Antiaderente Superfícies Delicadas: Unitária 17014 / Embalagem Econômica 17023 Multiuso Limpeza

Leia mais

Dia de Campo sobre Olival Tradicional

Dia de Campo sobre Olival Tradicional Dia de Campo sobre Olival Tradicional Vila Verde de Ficalho, 23 de setembro de 2014 José Francisco Ferragolo da Veiga jfveiga@drapal.min-agricultura.pt DRAP Alentejo Direção Regional de Agricultura e Pescas

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE GLP-Transporte e Armazenamento-Disposições RESOLUÇÃO ANP nº

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral

DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DESENGRAXANTE SANDOMIS Limpador de Uso Geral 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desengraxante

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S ) 1 6 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 104/2012 (S11720-201210) Nos termos do artigo 33º.do Decreto-Lei nº. 178/2006, de 5 de Setembro, com as alterações introduzidas

Leia mais

Lactose Monohidratada

Lactose Monohidratada Ficha de Dados de Segurança Lactose Monohidratada 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Lactose 1-hidrato Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR :2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR :2009 Nome do Produto: CIPRONIL SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: CIPRONIL SOLUÇÃO Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão

Leia mais

D (+) Glucose Monohidratada Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

D (+) Glucose Monohidratada Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: D(+)-Glucose 1-hidrato D (+) Glucose Monohidratada Segundo Regulamento

Leia mais

SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SOJA PLUS Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia 1.500.000,00 PERÍODO: jul.2014 a dez.2016 CONTRAPARTIDA PRODUTORES RURAIS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM

GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA. Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Divisão de Controle da Poluição Industrial FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 19 /2013 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 19 /2013 (S ) 1 7 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 19 /2013 (S02180-201302) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

Sulfato de Magnésio heptahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Sulfato de Magnésio heptahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança Sulfato de Magnésio heptahidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação:

Leia mais

1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas:

1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas: SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 - Identificador do produto: REVISÃO: 29/09/2014 VERSÃO: 1 ŒNOBOIS STICK HIGHLIGHT, ŒNOBOIS STICK MEDIUM, ŒNOBOIS STICK MEDIUM +,

Leia mais

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores

Manual do Cliente. Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores Manual do Cliente Boas Práticas de Utilização e Resolução de Avarias - Purificadores 2 Conteúdos 1 Normas Gerais... 2. Normas de Segurança... 3. Normas de Utilização... 3.1 Instalação da Máquina... 3.2

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: H5 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação

Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação Ameaça de inundação: as medidas a serem tomadas horas antes de uma inundação INTRODUÇÃO Com a inundação iminente, quais são

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens

Leia mais

Produto: Amaciante de Roupa

Produto: Amaciante de Roupa 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP Telefone: (XX14) 3214-1874

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: SELATON SUPER Código do produto: 14000 Nome da empresa: Maxton Brasil Endereço: Rua Ivo lucchi,

Leia mais

EXTENSÃO DE USOS MENORES. - Estado da arte - Miriam Cavaco (Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural)

EXTENSÃO DE USOS MENORES. - Estado da arte - Miriam Cavaco (Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural) EXTENSÃO DE USOS MENORES - Estado da arte - Miriam Cavaco (Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural) INTERPERA Meeting, 12 de junho de 2014 Sumário: Definição de: Uso menor em cultura menor

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Denominação:

Leia mais