SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS"

Transcrição

1 SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Documento Técnico elaborado por: Celestino Soares Setembro de 2014 Divisão de Sanidade

2 O presente documento pretende fazer uma síntese das principais normas / condicionalismos relacionados com a utilização de produtos fitofarmacêuticos (PF) pelos Agricultores, estando toda esta matéria regulamentada pela Lei 26/2013, de 11 de Abril. Assim, faz-se a apresentação das referidas normas desde a aquisição dos PF até à sua aplicação, incluindo procedimentos a adotar após a referida aplicação: I Aquisição de produtos fitofarmacêuticos de uso profissional Os PF devem ser adquiridos em empresas com autorização de exercício para a venda ou distribuição, devendo estes estar devidamente homologados e com autorização de venda, autorização provisória de venda ou autorização de comércio paralelo concedida pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). Na compra, o agricultor deverá comprovar que lhe é emitido um documento onde conste a seguinte informação: o Número da autorização de exercício de atividade da empresa que comercializa o produto; o Data; o Nome do comprador; o Nome comercial e o número da autorização de venda do produto; o Respetivas quantidades e lotes; Ser detentor de habilitação aplicador especializado (cartão de aplicador especializado emitido pela DGAV), caso se trate dum PF de elevado risco; Solicitar a entrega de saco para recolha de embalagens vazias (saco valorfito). A partir de 26 de novembro de 2015, só poderá adquirir PF quem for detentor de habilitação própria para o efeito (cartão de aplicador emitido pela DRAP Algarve). II Transporte de produtos fitofarmacêuticos O transporte de PF deverá ser feito de forma segura, para evitar derrame em caso de acidentes, transportando os produtos bem acondicionados, sempre que possível em caixa estanque e o mais afastados possível de quaisquer alimentos para pessoas e animais. III Armazenamento de produtos fitofarmacêuticos O local escolhido para o armazenamento dos PF deverá ter em atenção os seguintes requisitos: o Estar em local isolado, em espaço fechado e exclusivamente dedicado ao armazenamento de PF, devidamente sinalizado, com piso impermeável e ventilação adequada (anexo I exemplos de armazéns de PF) e cumprir as seguintes condições: Situar-se à distância de pelo menos 10 metros de cursos de água, valas e nascentes; Situar-se à distância de pelo menos 15 metros de captações de água; Não estar situado em zonas inundáveis ou ameaçadas pelas cheias; Não estar situado na zona terrestre de proteção das albufeiras, lagoas e lagos de águas públicas; o Situar-se em local que permita acesso ao fornecimento de água; o Ser de acesso reservado a utilizadores profissionais e dispor no mínimo de um Equipamento de Proteção Individual (EPI) completo e acessível (guardado fora do armazém); o Estar fechado à chave, impedindo assim o acesso a crianças; o Ser construído com materiais resistentes e não combustíveis e dispor de sistemas de ventilação natural ou forçada; 2

3 o Dispor de prateleiras, para colocação dos PF, constituídas por material não combustível e facilmente lavável; o Dispor de meios adequados para conter derrames acidentais, preferencialmente, bacias de retenção; o Dispor, no mínimo, de um extintor de incêndio; o Estar, pelo menos, à distância de 2 metros de quaisquer alimentos para pessoas e animais; o Dispor de informação com conselhos de segurança e procedimentos em caso de emergência, bem como contatos de emergência. O armazém deverá dispor de condições para armazenar temporariamente as embalagens vazias, devendo o Responsável do Armazém proceder à sua entrega junto das empresas onde adquiriu os PF ou nos próprios Centros de Recolha de Embalagens Vazias. IV Gestão dos produtos fitofarmacêuticos em armazém No armazenamento deverá ter-se em atenção os seguintes aspetos: o Não arrumar os PF diretamente no pavimento; o Arrumação por grupo de PF (ex: insecticidas, fungicidas, herbicidas, etc ); o Existência de espaço identificado para armazenamento temporário de produtos obsoletos; o Os produtos em pó deverão ser sempre arrumados por cima dos líquidos; o Efetuar uma gestão de modo a que, os primeiros produtos a entrar no armazém devam ser os primeiros a sair, evitando assim a acumulação de produtos que já não possam ser utilizados (produtos obsoletos); o Dispor de listagem de produtos existentes em armazém, guardada fora do armazém; o A primeira prateleira de baixo deve estar a pelo menos 20 cm do pavimento, de modo a facilitar a limpeza. V Tomada de decisão de tratar A decisão para efetuar um tratamento fitossanitário deverá ser tomada após terem sido esgotadas todas as outras alternativas e deverá ser em função do inimigo a combater e do eventual risco de existência de prejuízos, suportada em fundamentos técnicos (solicitar orientações técnicas sempre que necessário). A aplicação dos princípios da proteção integrada na luta contra os inimigos das culturas passou a ser obrigatória a partir de 1 de Janeiro de Noção de Proteção Integrada - Estratégia de luta baseada em três princípios fundamentais: I. Estimativa do risco quantificação do inimigo da cultura; II. Nível económico de ataque nível do inimigo da cultura a partir do qual existem riscos de ocorrência de prejuízos; III. Seleção dos meios de luta utilização integrada de meios de luta alternativos (Ex: biológica, cultural, genética, biotécnica e química). Ao decidir pela utilização de um PF deverá observar-se a Boa Prática Fitossanitária, dando preferência aos PF que apresentem menor perigosidade toxicológica, ecotoxicológica e ambiental; Deverão respeitar-se as indicações e condições de utilização autorizadas e expressas no rótulo das respetivas embalagens, usando para o efeito o EPI adequado. Garantir que será assegurada a calibração e a verificação técnica dos equipamentos de aplicação com uma regularidade adequada (atender ao regime de inspeção obrigatória dos equipamentos de aplicação abrangidos pelo DL 86/2010, de 15 de julho). 3

4 VI Aplicação dos PF Na aplicação de PF deverão ser tomadas as seguintes medidas de redução do risco: Ser dada preferência à utilização de equipamentos de aplicação que minimizem o eventual risco de arrastamento de calda dos PF a aplicar; Ser previamente determinado um local, junto da área a tratar que reúna as condições de segurança mínimas, onde possa ser feita manipulação e preparação da calda do produto e a limpeza dos equipamentos de aplicação após a sua utilização, podendo resumir-se no seguinte: i. Manuseamento ou preparação de caldas de PF - os aplicadores deverão respeitar os seguintes requisitos de segurança: o Utilizar EPI adequado; o Escolher um local com tomada de água e afastado, pelo menos 10 m, dos cursos de água, poços, valas ou nascentes; o O local deverá estar preferencialmente sob cobertura, não dispor de paredes laterais e deve permitir a instalação de uma bacia de retenção, amovível ou não, concebida de forma a não ser suscetível de inundação e a facilitar a limpeza de eventuais derrames e recolha de efluentes, de modo a evitar a contaminação do solo, águas subterrâneas ou superficiais da área circundante, devendo: Os efluentes ser recolhidos num tanque coletor estanque, depósito ou aterro construído com material biologicamente ativo, de modo a promover a degradação dos resíduos do PF ou a sua concentração, por via da evaporação da componente líquida do efluente; ou Os efluentes ser recolhidos em recipiente próprio para o efeito e encaminhados para um sistema de tratamento, como previsto na subalínea anterior, de modo a promover a sua degradação biótica ou abiótica; Em alternativa ao previsto no ponto anterior, os efluentes provenientes de eventuais derrames e outros resíduos podem, ainda, ser encaminhados para um sistema de tratamento de efluentes licenciado para a gestão e valorização de resíduos perigosos; o Caso não seja possível dispor de um local como anteriormente referido, o local a utilizar deverá ter coberto vegetal e ser concebido de modo a poder reter e degradar biótica ou abioticamente quaisquer efluentes ou resíduos provenientes das operações com PF; o Deverá ser realizado um correto cálculo do volume de calda a aplicar, de modo a minimizar os volumes de calda excedentes; o Assegurar a instalação, no ponto de tomada de água, de um dispositivo de segurança destinado a impedir o retorno da água do depósito do pulverizador ao circuito de alimentação da água; o Tomar as medidas adequadas de modo a evitar o transbordo da calda do pulverizador, quando se proceda ao seu enchimento. ii. Excedentes de calda, quando existam: o Deverão ser aplicados, após diluição com água, sobre coberto vegetal não tratado de outras áreas não visadas pelo tratamento e afastadas de poços, cursos ou outras fontes de água; o Não sendo possível aplicá-los num coberto vegetal, deverão ser eliminados sem diluição nas instalações e condições referidas anteriormente, aplicando se os respetivos procedimentos. iii. Limpeza dos equipamentos de aplicação de PF, os aplicadores deverão respeitar os seguintes requisitos mínimos de segurança: o Utilizar EPI adequado; 4

5 o Proceder à lavagem exterior e interior do equipamento junto à área tratada e sobre uma superfície com coberto vegetal não destinado ao consumo humano ou animal, devendo a mesma ser realizada com o mínimo de volume de água possível; o Não sendo possível proceder à lavagem do equipamento junto à área tratada, deverá ser utilizado um local com as características acima referidas, aplicando-se os respetivos procedimentos. Informar os apicultores, com a antecedência de, pelo menos, 24 horas relativamente à aplicação, de modo a que os mesmos possam assegurar a proteção dos apiários, situados até 1500 m da parcela a tratar, particularmente quando sejam aplicados produtos perigosos para abelhas (sugerese comunicação à Direção de Serviços Veterinários da Região do Algarve). Na sementeira com sementes tratadas com PF deverão ser seguidas as condições de utilização e as precauções toxicológicas e ambientais constantes das respetivas etiquetas, embalagens ou documentos que obrigatoriamente acompanhem a semente. VI Registos das aplicações de PF Todos os aplicadores deverão efetuar e manter, durante pelo menos três anos, o registo de quaisquer tratamentos efetuados com PF, incluindo, a referência ao nome comercial e ao número de autorização de venda do produto, o nome e número de autorização de exercício de atividade do estabelecimento de venda onde o produto foi adquirido, a data e a dose ou concentração e volume de calda da aplicação, a área, culturas e respetivo inimigo, ou outra finalidade para que o produto foi utilizado (anexo II ficha de registo de aplicação de PF). 5

6 Anexo I Exemplos de armazéns de Produtos Fitofarmacêuticos Figura 1 Exemplo de armazém de produtos fitofarmacêuticos para uma exploração com alguma dimensão (fonte DGAV). Figura 2 Exemplo de armazém de produtos fitofarmacêuticos para uma exploração de pequena dimensão (fonte DGAV). 6

7 Anexo II - Ficha de registo de aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Identificação do Agricultor: Nome: Identificação da Exploração: Nome: Localização: Data de aplicação Produto fitofarmacêutico Nome comercial do PF N.º da AV, APV ou ACP Estabelecimento de Venda Nome N.º Aut. Exercício Dose ou concentração Volume de calda da aplicação (L) Área tratada (m 2 ou ha) Nome da parcela Cultura Inimigo da cultura AV autorização de venda; APV autorização provisória de venda; ACP autorização de comércio paralelo 7

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Workshop proteção das culturas, aplicação de produtos fitofarmacêuticos e inspeção de pulverizadores, Nelas,

Leia mais

O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar.

O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar. O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar. Risco = Toxicidade x Exposição O risco reflete a probabilidade de alguém sofrer danos quando exposto

Leia mais

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Mod 10-381 rev 0 Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária SITUAÇÃO

Leia mais

Aplicação do código de estrada

Aplicação do código de estrada Vias Públicas? Aplicação do código de estrada VIA PÚBLICA Via pública - via de comunicação terrestre afeta ao trânsito público O Código da estrada é aplicável ao trânsito nas vias do domínio público do

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DOCUMENTO DE ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO MANUAL DOS PROCEDIMENTOS OPERATIVOS A APRESENTAR

Leia mais

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Início Outubro Duração 35h Horário(s) (a definir) OBJECTIVOS GERAIS - Capacitar os participantes para a manipulação e aplicação segura de produtos, minimizando

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Título da Apresentação USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Substítulo USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS IMPACTOS DA LEI Nº 26/2013 NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Produtos abrangidos

Leia mais

Como funciona o sistema VALORFITO?

Como funciona o sistema VALORFITO? Como funciona o sistema VALORFITO? O Valorfito orgulha-se de ajudar os agricultores a encontrarem um destino adequado para os resíduos de embalagens de produtos fitofarmacêuticos, biocidas e sementes que

Leia mais

Boas práticas. para reduzir o risco de poluição por. fontes pontuais. e proteção da qualidade da água

Boas práticas. para reduzir o risco de poluição por. fontes pontuais. e proteção da qualidade da água Boas práticas para reduzir o risco de poluição por fontes pontuais e proteção da qualidade da água 1 O PROJETO TOPPS TOPPS é um projeto multissetorial, que começou em 2011, cobre vários países Europeus

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

Boas práticas para proteger a água. O Projecto TOPPS. Os Objectivos do TOPPS. As Dimensões do TOPPS e os Processos. As Ferramentas do TOPPS

Boas práticas para proteger a água. O Projecto TOPPS. Os Objectivos do TOPPS. As Dimensões do TOPPS e os Processos. As Ferramentas do TOPPS O Projecto TOPPS O TOPPS é um projecto a três anos, envolvendo várias entidades e 15 países europeus e cuja sigla significa Formação de Operadores para evitar a Contaminação de Pontos de Água. TOPPS é

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos. Paulo Cruz (Engº Agrónomo)

Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos. Paulo Cruz (Engº Agrónomo) Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz (Engº Agrónomo) Iniciado no Minho em 2005 7 demo farms em colaboração com Ministério Agric. e Escolas Agrícolas; Desenvolvimento de um fato de

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO

PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Kit de Formação VALORFITO PROCEDIMENTOS RELATIVOS A EMBALAGENS VAZIAS DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Kit de Formação VALORFITO - 2014 1 Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Kit de Formação VALORFITO

Leia mais

Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos

Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos 1 Curso de formação de Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo geral capacitar os

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MODULO - II.2 Sistemas regulamentares dos Produtos Fitofarmacêutico Fevereiro 2015 1. Homologação dos Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Lei n.º 26/2013 de 11 de abril

Lei n.º 26/2013 de 11 de abril Lei n.º 26/2013 de 11 de abril Regula as atividades de distribuição, venda e aplicação de produtos fitofarmacêuticos para uso profissional e de adjuvantes de produtos fitofarmacêuticos e define os procedimentos

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base

Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura. Apresentação base Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura Apresentação base - 2016 1 Sumário O que é o VALORFITO Como funciona Situação actual Evolução e desafios para o futuro Apresentação base

Leia mais

ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA - Nº /

ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA - Nº / ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA Nº / Algés, A Sigeru, Lda., entidade gestora do Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura, responsável pelo sistema VALORFITO,

Leia mais

Neste estabelecimento as melhores técnicas disponíveis para este sector adotadas incidiram sobre os seguintes aspetos:

Neste estabelecimento as melhores técnicas disponíveis para este sector adotadas incidiram sobre os seguintes aspetos: Este estabelecimento corresponde ao estado mais avançado de desenvolvimento da atividade e dos métodos de operação/fabrico, incluindo as tecnologias utilizadas e a forma como a instalação foi projetada

Leia mais

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Os 5 pontos críticos Transporte e Armazenamento Preparação da calda e Enchimento

Leia mais

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA Gilberto Vicente Lisboa, Dezembro de 2003 1 VERIFICAÇÃO INDEPENDENTE O cumprimento do referencial da Protecção Integrada exige o controlo e certificação realizado

Leia mais

6º Colóquio Nacional do Milho

6º Colóquio Nacional do Milho 6º Colóquio Nacional do Milho 11 de Fevereiro, 2011, Santarém Ana Bárbara Oliveira Divisão de Homologação e Avaliação Toxicológica, Ecotoxicológica, Ambiental e de Identidade de produtos Fitofarmacêuticos,

Leia mais

IARC. - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anexo 6 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas Manual de Procedimentos e Especificações Técnicas Índice 1. Introdução 3 2. Localização do Traçado

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Workshop Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES HIGIENE DAS INSTALAÇÕES Os locais de preparação e serviço de refeições devem ser concebidos por forma a facilitar a sua limpeza e desinfecção adequadas, bem como, reduzir os

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Seminário gorgulho do eucalipto, Arouca, 16 abril 2015. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Decreto-Lei n.º 187/2006,

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição e comercialização de Nº Local Duração 5 horas Data a Laboral Pós-Laboral Misto Formação-acção Formação à distância

Leia mais

O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras

O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras O Uso de Produtos Fitofarmacêuticos e as novas regras Gabinete Técnico da CNA 2014 Produtos Fitofarmacêuticos Novas Regras Índice I - Introdução... 7 II - Segurança nos circuitos comerciais... 8 III -

Leia mais

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica

Resíduos Agrícolas. SERVIÇO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DAS FLORES E CORVO Alice Correia da Rocha - Eng.ª Zootécnica Resíduos Agrícolas Explorações Agrícolas Actualmente existem: 330 explorações na Ilha das Flores; 50 explorações na Ilha do Corvo Os agricultores das Flores e do Corvo, têm vindo a consciencializar-se

Leia mais

Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos

Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos Perspetiva de evolução do quadro legal dos Produtos Fitofarmacêuticos Paula Cruz de Carvalho www.dgav.pt AUTORIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACEUTICOS Regulamento (EU) 1107/2009, de 21 de outubro «Garantir

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

Lavagem das embalagens vazias dos produtos fitofarmacêuticos

Lavagem das embalagens vazias dos produtos fitofarmacêuticos Lavagem das embalagens vazias dos produtos fitofarmacêuticos Lavagem das embalagens vazias dos produtos fitofarmacêuticos (pf) Lavagem adequada das embalagens vazias de produtos fitofarmacêuticos: Elimina

Leia mais

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha

Resumo Não Técnico CAS Barrocas S.A. Licença Ambiental da suinicultura da Herdade da Figueirinha CAS Barrocas S.A. Setembro 2016 Enquadramento A Suinicultura da Herdade da Figueirinha encontra-se em funcionamento desde 2014 e dispõe de título de exploração válido até 16 de janeiro de 2021 para 1980

Leia mais

Paula Mourão Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos

Paula Mourão Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Paula Mourão Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos 15.º ENCONTRO DE VERIFICADORES AMBIENTAIS EMAS, 6 de dezembro de 2016. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Decreto-Lei n.º 187/2006, de

Leia mais

A água captada no furo é apenas para o abeberamento animal e limpeza dos pavilhões.

A água captada no furo é apenas para o abeberamento animal e limpeza dos pavilhões. Agencia Portuguesa do Ambiente Processo de licenciamento PL20161122000994 do estabelecimento Herdade do Cortiço Projeto: Ampliação da uinicultura da Herdade do Cortiço Proponente: C.A.. BARROCA - ociedade

Leia mais

Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos. VILA REAL 29 de junho 2016

Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos. VILA REAL 29 de junho 2016 Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos Importância dos Produtos Químicos Os produtos químicos são essenciais à vida: fazem parte da constituição do ser humano

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS

IDENTIFICAÇÃO MELHORES TÉCNICAS DISPONÍVEIS Licenciamento mbiental viário Quinta da Póvoa DENTFCÇÃO MELHORES TÉCCS DSPONÍVES BREF LF Boas Práticas grícolas: 1. dentificar e implementar programas de formação teórica e prática para os trabalhadores

Leia mais

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Segurança Alimentar Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Direção Geral de Alimentação e Veterinária Esclarecimento 11 /2014 Resumo: O presente esclarecimento

Leia mais

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS

Planos de Gestão de Resíduos Hospitalares em UPCS Anabela Santiago Paulo Diegues Dezembro de 2007 Enquadramento Legislativo Principal Legislação aplicável aos Resíduos Hospitalares Despacho nº 242/96, de 13 de Agosto Portaria nº 174/97, de 10 de Março

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS

GERENCIAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS PS 15 2 Segurança do Trabalho Diretor Técnico 17/04/2017 1 1. OBJETIVO Definir sistemática para o gerenciamento dos produtos químicos utilizados nos processos da CASTILHO a fim de prevenir impactos ambientais

Leia mais

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006

Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Zulmira Lopes Divisão de Leite e Lacticínios 2006 Cabe a cada estado membro preservar o seu ecossistema, de modo a promover a sua sustentabilidade e o bem-estar da população. Promover a implementação

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS TECHLURE PALMARUM

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS TECHLURE PALMARUM FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ.60.00 TECHLURE PALMARUM 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Nome Comercial do Produto: Techlure Palmarum Código de identificação do Produto:

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

Ibolimpa 1/7 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data Data da edição: Edição nº: 01

Ibolimpa 1/7 REGISTO FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033. Revisão 01 Data Data da edição: Edição nº: 01 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: Limpeza de resíduos de cimento. 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Saint-Gobain WEBER CIMENFIX Zona Industrial

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/9 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/9 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Condições de Descarga Resíduos Verdes

Condições de Descarga Resíduos Verdes OBJECTIVO: Este documento tem como objetivo referenciar, não exaustivamente, o tipo de resíduos aceites e não aceites a valorização no Parque de Verdes. AMBITO: A LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão

Leia mais

Grânulos dispersiveis em água com 25,2 % (p/p) de boscalide e 12,8 % (p/p) de piraclostrobina

Grânulos dispersiveis em água com 25,2 % (p/p) de boscalide e 12,8 % (p/p) de piraclostrobina Bellis O BELLIS é um fungicida pertencente ao grupo químico das estrobilurinas (QoI), indicado para o controlo do pedrado (Venturia pirina) e estenfiliose (Stemphylium vesicarium) da pereira e doenças

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOGEL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOGEL Adubo NK Empresa responsável pela comercialização: Casa

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Produção Integrada Animal Nº Local Duração 211 horas Data a Laboral Pós-Laboral Misto Formação-acção Formação à distância

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

Grânulos dispersiveis em água com 26,7 % (p/p) de boscalide e 6.7 % (p/p) de piraclostrobina

Grânulos dispersiveis em água com 26,7 % (p/p) de boscalide e 6.7 % (p/p) de piraclostrobina SIGNUM Grânulos dispersiveis em água com 26,7 % (p/p) de boscalide e 6.7 % (p/p) de piraclostrobina O SIGNUM é um fungicida indicado para o controlo da moniliose (Monilia laxa e Monilia fructigena) e oídio

Leia mais

Condições de Entrega na Central de Valorização Orgânica Resíduos Verdes

Condições de Entrega na Central de Valorização Orgânica Resíduos Verdes 1. OBJETIVO: Este documento tem como objetivo definir as condições e os procedimentos que deverão ser realizados para se efetuar a entrega de resíduos verdes, assim como referenciar, não exaustivamente,

Leia mais

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 Titulo do Procedimento: LAVAGEM DE EPI S DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Data de Versão: Autor: 18/01/2010 00 Alan Rígolo Geovana Timpani Elves Pinheiro Observações:

Leia mais

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger)

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger) 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: Leca Mix (weber.floor light mix) 1.2. Aplicações: Enchimento de pisos térreos, pisos elevados, pisos técnicos e coberturas, em interior ou exterior.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em aveleira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

Licenciamento Ambiental - PCIP. Formulário LUA

Licenciamento Ambiental - PCIP. Formulário LUA Formulário LUA - Módulos Comuns IV - RH Índice Água de Abastecimento... 2 1- Breve descrição das origens da água com indicação das coordenadas no sistema de referência PTTM06/ ETRS89, respetivos consumos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: VERSÁTIL BECKSOAP CREMOSO Utilização: Sabonete líquido cremoso para lavagem das mãos em ambientes públicos / profissionais. (uso industrial/

Leia mais

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Cálcio D-Gluconato 1-hidrato Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo

Leia mais

COSMIC. Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio)

COSMIC. Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio) COSMIC Solução concentrada (SL) com 360 g/l ou 30,8 % (p/p) de glifosato (sob a forma de sal de isopropilamónio) Herbicida sistémico, de pós emergência, para combate às infestantes anuais e vivazes em

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) PROGESTERONA.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ------ Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC)

PROCEDIMENTO PARA ACONDICIONAMENTO E SEGREGAÇÃO DE RESÍDUOS DOS GRUPOS A e E Prefeitura do Campus USP Fernando Costa (PUSP-FC) Página 1 de 5 Elaborado: Revisado: Aprovado: Vera Letticie de Azevedo Ruiz Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus Grupo de Gestão Integrada de Resíduos do Campus 1. OBJETIVOS Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA DATA DA AUDITORIA: 24 de abril 2015 AUDITOR: Carlos César Fiocchi Farmacêutico RG:15.726.026-4 CRF-SP: 14093 EMPRESA: Razão Social: Mader Comercial Importadora Química e Farmacêutica Ltda Nome Fantasia:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página: 1 Data de compilação: 16/09/02 Nº de Revisão: 1 Secção 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Nome do produto: Código de stock: 1.2. Utilizações

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco

Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco 1. Identificação do produto e da empresa Identificação do produto: Limpeza e desinfecção de solos, e outras superfícies laváveis em zonas de alto risco Nome comercial: LIMOSEPTIC CONCENTRADO Identificação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO 1. Identificação da Preparação e da Empresa Identificação da Preparação Descrição e Campo de Aplicação Identificação da Empresa/Produtor Esta Ficha de Dados de Segurança (FSP) aplica-se a todos os produtos

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO EXEMPLOS TIPO DE REGISTOS DE SEGURANÇA Mapa dos relatórios de Vistorias, Inspeções e Fiscalizações Ref.ª relatório ¹ () Vistorias Inspeções Fiscalizações Outros anexos ² Vistorias/Inspeções/Fiscalizações

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio

S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS. Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio S.R. DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria Nº 44/2002 de 23 de Maio A Portaria n.º 52-A/2001, de 19 de Julho, estabelece o regime de aplicação da intervenção Medidas Agro-Ambientais do Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Ambiência: Manuseio do Lixo e Material de Descarte

Ambiência: Manuseio do Lixo e Material de Descarte NOV 2011 BLH-IFF/NT- 08.11 Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano PNQBLH Programa Nacional de Qualidade em Bancos de Leite Humano Sede: FIOCRUZ/IFF-BLH Av. Rui Barbosa, 716 Flamengo Rio de Janeiro CEP:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em figueira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) VITAMINA C.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA R. (CE) nº 1272/2008 modificado Anexo II directiva (CE) MANNOSTAB

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA R. (CE) nº 1272/2008 modificado Anexo II directiva (CE) MANNOSTAB FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA R. (CE) nº 1272/2008 modificado Anexo II directiva (CE) 1907-2006 MANNOSTAB Página: 1/2 Data: 12/05/2015 Ind. Rev.: 3 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 - Identificação da substância/preparação:

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança ACOFARMA

Ficha de Dados de Segurança ACOFARMA Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

Parafina em lentilhas P.F ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Parafina em lentilhas P.F ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança Parafina em lentilhas P.F. 56-58ºC (parafina sólida) Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S )

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S ) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº00017/2013 (S01678-201302) Nos termos do Artigo 35º do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

Dário Antunes Correia

Dário Antunes Correia 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 82/2012 (S09084-201207) Nos termos do Artigo 33º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida pelo

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) CICLOPIROXOLAMINA.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

ESTE PRODUTO DESTINA-SE AO USO PROFISSIONAL PARA EVITAR RISCOS PARA OS SERES HUMANOS E PARA

ESTE PRODUTO DESTINA-SE AO USO PROFISSIONAL PARA EVITAR RISCOS PARA OS SERES HUMANOS E PARA Cantus Fungicida para o combate à podridão cinzenta dos cachos da videira (Botrytis cinerea) e kiwi (Botrytis cinerea), moniliose (Monilia laxa e Monilia fructigena) pessegueiro, nectarinas, damasqueiro,

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação da sociedade ou empresa:

Leia mais

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ )

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ ) Grau de (S) Recolha de Amostra Trasfega de slops e águas contaminadas do Navio Emissões de COV`s () Emissões de COV`s () Produção de Efluentes Contaminação de recursos E D N 5 3 1 9 Não Significativo PQAS

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Parafina Líquida

Ficha de Dados de Segurança. Parafina Líquida Ficha de Dados de Segurança Parafina Líquida 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Óleo de Vaselina Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20

COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20 COMO ELABORAR UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS PRE PARA ATENDER AS EXIGÊNCIAS DA NOVA NR-20 A nova Norma Regulamentadora NR-20, em seu item 20.14.2, determina que a empresa deve elaborar o plano de resposta

Leia mais

CONTROLO DA VEGETAÇÃO CENTRAIS FOTOVOLTAICAS

CONTROLO DA VEGETAÇÃO CENTRAIS FOTOVOLTAICAS Página 1 de 7 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 6 RESPONSIBILIDADES... 6 7 FORMULÁRIOS... 7

Leia mais

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário Label for package size: 10 L PT Basix Biocida de Uso Veterinário Desinfectante bactericida de superfícies e equipamento nas indústrias agroalimentares. Para limpeza de máquinas de ordenha e tanques de

Leia mais

DOCUMENTOS DE REFERENCIA APLICÁVEIS, ATENDENDO ÀS ATIVIDADES DA INSTALAÇÃO

DOCUMENTOS DE REFERENCIA APLICÁVEIS, ATENDENDO ÀS ATIVIDADES DA INSTALAÇÃO Disponibilização de informação ao público, em cumprimento do Art.º 18.º do Decreto-Lei n.º 127/2013, de 30 de agosto, e Declaração de Retificação n.º 45 A/2013, de 29 de outubro Foi emitida a 10 de dezembro

Leia mais

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII Prof.: Alessandra Miranda Substâncias Detergentes e Sanitizantes Substâncias Detergentes Uso geral Alcalinos ou clorados

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO Gestão de Resíduos Hospitalares em Unidades de Saúde CONCELHO: DATA: / / IDENT IF ICAÇÃ O DA UN IDADE D E SAÚDE NOME DA UNIDADE DE SAÚDE: MORADA: TELEFONE: FAX: E-MAIL: SERVIÇO

Leia mais