CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA"

Transcrição

1 CONTROLO E CERTIFICAÇÃO NA PROTECÇÃO INTEGRADA Gilberto Vicente Lisboa, Dezembro de

2 VERIFICAÇÃO INDEPENDENTE O cumprimento do referencial da Protecção Integrada exige o controlo e certificação realizado por um Organismo Independente de Controlo e Certificação reconhecido pelo Ministério da Agricultura e que cumpra a Norma EN / ISO Guia 65. 2

3 A SATIVA está acreditada pelo IPQ para o para o Modo de Produção em Protecção Integrada, em Agricultura Biológica e para o Protocolo EUREPGAP para Frutas e Legumes, de acordo com a Norma EN / ISO Guia 65. 3

4 Principais problemas do controlo a unidades de produção 1. Caderno de Campo 2. Variedades PI e não PI 3. Técnicas de Protecção Integrada 4. Produtos fitofarmacêuticos 5. Intervalo de segurança 6. Equipamento de aplicação, armazenamento e embalagens 7. Rastreabilidade à parcela 4

5 1. O Caderno de Campo deve ser de campo... Não existe na exploração para ser verificado na inspecção. Existe mas está incompleto ou só é preenchido no fim da campanha com o que deveria ter sido feito e não com o que foi efectivamente feito. Deve estar actualizado e disponível para verificaçã ção o pelo técnico t da SATIVA. 5

6 1. Caderno de Campo Os registos são feitos por cultura mas não por parcela. Registar os dados por parcela. Manter as recomendaçõ ções escritas dos técnicos das OP e os comprovativos de compra dos produtos fitofarmacêuticos. 6

7 2. Mistura de variedades PI e não PI Mesmas variedades em Protecçã ção Integrada e em agricultura convencional. Mesma data de plantaçã ção. Mesma data de trat.. Fitossanitários. Mesma data de colheita. Armazenamento conjunto. 7

8 2. Se existem as mesmas variedades PI e não PI, é necessário: Separar as produçõ ções (com diferentes d datas plantaçã ção o e de colheita, identificaçã ção o das caixas na colheita e no armazém, m, armazenamento separado). Avisos de colheita, se solicitado. 8

9 3. Técnicas de Protecção Integrada Formação em PI e apoio técnico Meios de luta alternativos à luta química Rotaçõ ções/sucessão o de culturas Sistemas de avisos, factores climáticos e observaçõ ções visuais Estimativa do risco Nível económico de ataque (NEA) 9

10 4. Utilização incorrecta de produtos fitofarmacêuticos Não homologados em Portugal. Homologado em Portugal para outras culturas. Homologado em Portugal para a cultura mas não autorizado em Protecção Integrada. 10

11 4. Só podem ser usados Produtos fitofarmacêuticos homologados em Portugal para a cultura e incluídos nas Listas de produtos fitofarmacêuticos aconselhados em Protecçã ção o Integrada das culturas,, para essa cultura. 11

12 5. Intervalo de segurança Verificar sempre o Intervalo de Segurança a de um produto. Registar sempre as datas de tratamento e de colheita. O Intervalo de Segurança a deve ser cumprido até à data de colheita (e não n o até ao consumo). 12

13 6. Equipamento de aplicação Não utilização de equipamento protector na preparação e aplicação das caldas. Deve existir equipamento protector para preparaçã ção o e aplicaçã ção o das caldas (botas e luvas de borracha, máscara, m fato- macaco, impermeável). E deve ser utilizado... 13

14 6. Armazenamento de Prod. Fitofarmacêuticos Produtos armazenados em locais e de forma não segura. Guardar nas embalagens originais, em local seguro e fechado à chave. Armazenar em separado os produtos não n autorizados em PI. Armazenar os produtos em póp ou granulados nas prateleiras por cima dos líquidos l por causa de derrames acidentais. 14

15 6. Embalagens vazias Embalagens vazias reutilizadas e espalhadas pelas parcelas. Não devem ser reutilizadas. Não devem ser queimadas. Tripla lavagem e perfuração. Guardadas em local seguro até a sua eliminação. 15

16 7. Rastreabilidade à parcela O sistema de registos na exploraçã ção o deve existir para cada parcela. Identificar as caixas com o nome da parcela durante a colheita. 16

17 Principais problemas do controlo a unidades de acondicionamento/transformação A. Sistema de registos B. Armazenamento C. Laboração D. Produtos pós colheita, limpeza e desinfecção e água de lavagem E. Expedição F. Comercialização e rotulagem G. Rastreabilidade 17

18 A. Na unidade devem existir registos de ENTRADAS : origem, natureza (espécie/variedade/parcela) e quantidade dos produtos recebidos SAÍDAS: origem, natureza (espécie/variedade/parcela) quantidade e destino dos produtos expedidos em PI 18

19 B. Armazenamento Os produtos em armazém não se encontram identificados por produtor. Não se encontram identificados por lote. Identificar com produtor e lote. 19

20 B. Armazenamento Produtos PI e não PI armazenados em conjunto. Armazenar separadamente os produtos PI e não n o PI. Se forem armazenados no mesmo compartimento devem estar fisicamente separados e identificados. 20

21 C. O processamento ou laboração É realizado sem separação de lotes (por vezes a identificação perde-se na calibração). Os lotes não se encontram identificados. Manter os lotes identificados durante a laboraçã ção, de forma a conservar a rastreabilidade. 21

22 C. Quando a unidade não n o labora exclusivamente produtos em PI Existe risco de mistura entre produção controlada em PI e não controlada. Organizar a laboraçã ção o de forma a eliminar misturas entre produto PI e não n o PI. 22

23 D. Produtos pós-colheita Não o utilizaçã ção o de p. fitofarmacêuticos pós-p colheita que constam nas Listas de p.fitofarmacêuticos aconselhados em Protecçã ção o Integrada das culturas. Utilizar apenas produtos fitofarmacêuticos pós-colheita recomendados em PI. 23

24 D. Limpeza e desinfecçã ção Utilizaçã ção o de produtos não n o autorizados em PI para limpeza e desinfecçã ção o de armazéns e câmaras c frigoríficas. ficas. Usar hipoclorito de sódio, s ácido cítrico c ou ácido tartárico, rico, na limpeza e desinfecçã ção de armazéns e câmaras c frigoríficas. ficas. 24

25 D. Água de lavagem Não o utilizaçã ção o de água potável para lavagem dos produtos. Lavar os produtos com água que cumpra a Directiva 98/83/CE, quanto a aspectos microbiológicos. 25

26 E. Na expedição Não o existe separaçã ção o entre produtos PI e não o PI. Na expediçã ção, garantir sempre uma correcta identificaçã ção o e separaçã ção o entre produtos PI e não n o PI. 26

27 F. Não N o podem ser comercializados como PI produtos que não n o foram produzidos de acordo com as regras da PI. de produtores que que não n o pertencem a uma associaçã ção o reconhecida. cuja produçã ção, preparaçã ção o comercial, armazenagem e comercializaçã ção o não n o foi controlada por um OPC. não o embalados e/ou sem identificaçã ção. 27

28 F. SóS pode fazer-se referência a PI em produtos Vendidos em embalagens fechadas ou postos à venda como géneros g alimentícios pré-embalados. No caso de produtos vendidos à unidade em caixas abertas, a identificaçã ção o deve ser feita na caixa e em cada unidade. 28

29 F. Da rotulagem dos produtos PI deve constar Obtido(a)(s) em Protecçã ção o Integrada ou o respectivo símbolo s (logótipo da Protecçã ção o Integrada). o nome e a marca de certificaçã ção o do organismo de certificaçã ção o (SATIVA). o nº n de série s que permita rastrear o produto. 29

30 G. Rastreabilidade até ao produtor e à parcela Manter a identificaçã ção o do lote ao longo das várias operaçõ ções realizadas na Unidade. Constituir lotes de forma a garantir que se mantenha a rastreabilidade desde o produtor até à parcela. 30

31 OBTENÇÃO DE LICENÇA A LICENÇA é o documento que permite ao produtor demonstrar aos clientes que cumpre o referencial da Protecção Integrada. 31

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa Tel: 217991100 Fax: 217991119 sativa@sativa.pt www.sativa.pt

Leia mais

CHECKLIST FRUTAS E LEGUMES. VERSÃO PORTUGUESA (Traduzido por SATIVA. Por favor consulte a versão inglesa em caso de dúvida). EUREPGAP.

CHECKLIST FRUTAS E LEGUMES. VERSÃO PORTUGUESA (Traduzido por SATIVA. Por favor consulte a versão inglesa em caso de dúvida). EUREPGAP. Pág: 1 de 15 EUREPGAP Checklist Frutas e Legumes Versão 2.1-Oct04 Válido a partir de: 29 de Outubro de 2004. Obrigatório a partir de: 1 de Maio de 2005 1. RASTREABILIDADE 1.1 É possível manter a rastreabilidade

Leia mais

Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas

Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas A Certificação de Produtos lácteos na Serra da Estrela Beira Tradição, Certificação de Produtos da Beira, Lda Gouveia, 24 de Janeiro de 2012 Luísa Barros, António Mantas A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou

Leia mais

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada

Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Implementação dos princípios gerais da proteção integrada Miriam Cavaco Divisão de Gestão e Autorização de Produtos Fitofarmacêuticos Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Seminário do Uso Sustentável,

Leia mais

Guia para a Avaliação e Certificação da Maçã de Alcobaça - IGP e Suas Novas Formas de Apresentação

Guia para a Avaliação e Certificação da Maçã de Alcobaça - IGP e Suas Novas Formas de Apresentação Guia para a Avaliação e Certificação da Maçã de Alcobaça - IGP e Suas Novas Formas de Apresentação Morada: Praceta da Eiras, nº1-2ºesq. 2550-106 CADAVAL PORTUGAL Telef.: +351 262 691 155 Fax: +351 262

Leia mais

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL

VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos VENDA RESPONSÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE USO PROFISSIONAL Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária SITUAÇÃO

Leia mais

O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar.

O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar. O capítulo das Precaucões Toxicológicas, Ecotoxicológicas e Ambientais, faz referência ao EPI a utilizar. Risco = Toxicidade x Exposição O risco reflete a probabilidade de alguém sofrer danos quando exposto

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM ALIMENTOS E BEBIDAS

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM ALIMENTOS E BEBIDAS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM ALIMENTOS E BEBIDAS Direitos autorais e de reprodução da Food Design Cons. e Plan. Alim. Ltda Av. Angélica 2466 conj 71- CEP 01228-200 - São Paulo - SP Fone 0xx11-3120

Leia mais

ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA - Nº /

ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA - Nº / ACORDO PARA CONSTITUIÇÃO DE PONTO DE RETOMA Nº / Algés, A Sigeru, Lda., entidade gestora do Sistema Integrado de Gestão de Embalagens e Resíduos em Agricultura, responsável pelo sistema VALORFITO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em aveleira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

REGULAMENTO (CE) 510/2006 (DOP E IGP) OS AGRUPAMENTOS, OS OPC E OS CUSTOS DE CONTROLO 1 - AGRUPAMENTO DE PRODUTORES GESTOR DA DOP OU DA IGP

REGULAMENTO (CE) 510/2006 (DOP E IGP) OS AGRUPAMENTOS, OS OPC E OS CUSTOS DE CONTROLO 1 - AGRUPAMENTO DE PRODUTORES GESTOR DA DOP OU DA IGP REGULAMENTO (CE) 510/2006 (DOP E IGP) OS AGRUPAMENTOS, OS OPC E OS CUSTOS DE CONTROLO 1 - AGRUPAMENTO DE PRODUTORES GESTOR DA DOP OU DA IGP No âmbito do Regulamento (CE) Nº 510/2006 (relativo à protecção

Leia mais

PRODUÇÃO DE CABRITOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO EFECTIVO CAPRINO

PRODUÇÃO DE CABRITOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO EFECTIVO CAPRINO PRODUÇÃO DE CABRITOS EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO Localização: Antas, Gondoriz Terras de Bouro. Perfil do produtor: Casado, com idade inferior a 40 anos. Mão-de-obra (UTA):

Leia mais

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro

CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. Início Outubro CURSO APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Início Outubro Duração 35h Horário(s) (a definir) OBJECTIVOS GERAIS - Capacitar os participantes para a manipulação e aplicação segura de produtos, minimizando

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MÓDULO II.3 Segurança na utilização dos produtos fitofarmacêuticos Março 2015 1. Aspetos toxicológicos inerentes à manipulação

Leia mais

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes

Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Espaços Verdes Mod 10-381 rev 0 Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Produção Integrada Animal Nº Local Duração 211 horas Data a Laboral Pós-Laboral Misto Formação-acção Formação à distância

Leia mais

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento.

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Betão, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios

Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios Oficinas Analíticas 2015 Meio Ambiente Pontos críticos na avaliação de um Laboratório Ambiental o ponto de vista de um avaliador de laboratórios Maria Teresa Raya Rodriguez Este ensaio seria Reconhecido?

Leia mais

Dia de Campo sobre Olival Tradicional

Dia de Campo sobre Olival Tradicional Dia de Campo sobre Olival Tradicional Vila Verde de Ficalho, 23 de setembro de 2014 José Francisco Ferragolo da Veiga jfveiga@drapal.min-agricultura.pt DRAP Alentejo Direção Regional de Agricultura e Pescas

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MODULO - II.2 Sistemas regulamentares dos Produtos Fitofarmacêutico Fevereiro 2015 1. Homologação dos Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA. Cola e Veda Poliuretano Multiuso Macio/Duro

FICHA DE SEGURANÇA. Cola e Veda Poliuretano Multiuso Macio/Duro Página: 1 de 5 Xn : Nocivo Apresentamos os novos e correspondentes Pictogramas, segundo o novo Regulamento CRE (classificação, rotulagem e embalagem) (Regulamento (CE) n.º 1272/2008), obrigatório a partir

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em figueira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança

Instituto Politécnico de Bragança II Encontro Europeu da Castanha. Produção e Marketing de Material de Propagação do Castanheiro. Qualidade, garantia sanitária e legislação Instituto Politécnico de Bragança Maria Eugénia Gouveia A utilização

Leia mais

SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS

SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS SEGURANÇA NA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS E FLORESTAIS Documento Técnico elaborado por: Celestino Soares Setembro de 2014 Divisão de Sanidade O presente documento pretende

Leia mais

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água

Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas agrícolas e qualidade da água Blueprint Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal IPQ 9 Abril 2014 Encontro Técnico Blueprint- Protecção dos recursos hídricos da Europa Perspectivas para Portugal Práticas

Leia mais

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização

AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07. Data da Autorização AUTORIZAÇÃO EXCECIONAL DE EMERGÊNCIA Nº 2016/07 Data da Autorização -14.04.2016 PRODUTO: Pedido de autorização excecional ao abrigo do Art.º 53 do Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro para utilização

Leia mais

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário

Basix. Label for package size: 10 L. Biocida de Uso Veterinário Label for package size: 10 L PT Basix Biocida de Uso Veterinário Desinfectante bactericida de superfícies e equipamento nas indústrias agroalimentares. Para limpeza de máquinas de ordenha e tanques de

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Eugenol. 1.2 Utilização da substância/preparação: Para utilizações de laboratório, análise, pesquisa e química fina.

Ficha de Dados de Segurança. Eugenol. 1.2 Utilização da substância/preparação: Para utilizações de laboratório, análise, pesquisa e química fina. Ficha de Dados de Segurança Eugenol 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Eugenol Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1.2 Utilização da

Leia mais

FOSSA SEPTICA ECODEPUR

FOSSA SEPTICA ECODEPUR Rev.1_21.07.16 FOSSA SEPTICA ECODEPUR APRESENTAÇÃO As Fossas Sépticas tipo ECODEPUR são recipientes estanques, destinados ao armazenamento e tratamento de águas residuais domésticas ou similares, através

Leia mais

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Título da Apresentação USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Substítulo USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS IMPACTOS DA LEI Nº 26/2013 NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Produtos abrangidos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO 1. Identificação da Preparação e da Empresa Identificação da Preparação Descrição e Campo de Aplicação Identificação da Empresa/Produtor Esta Ficha de Dados de Segurança (FSP) aplica-se a todos os produtos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÙDE E PROTECÇÃO ANIMAL

PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÙDE E PROTECÇÃO ANIMAL PLANO DE ACÇÃO CONVERSÃO DO SISTEMA DE GAIOLAS CONVENCIONAIS DIRECTIVA 1999/74/CE, DE 19 DE JULHO Página 1 INTRODUÇÃO A Directiva 1999/74/CE, de 19 de Julho, relativa à Protecção das galinhas poedeiras

Leia mais

CERTIS Controlo e Certificação, Lda. Manual de Registos Rubricas...

CERTIS Controlo e Certificação, Lda. Manual de Registos Rubricas... PEDIDO DE CERTIFICAÇÃO, ANALISE DE CANDIDATURA E DELIBERAÇÃO PARA MODOS DE PRODUÇÃO (MP2) N.º OC Entidade: 1 Identificação: Identificação do Cliente Morada Código postal - N.º de contribuinte Nome da unidade

Leia mais

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII Prof.: Alessandra Miranda Substâncias Detergentes e Sanitizantes Substâncias Detergentes Uso geral Alcalinos ou clorados

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE MEIOS DE DEFESA SANITÁRIA Divisão de Gestão de Autorizações de Produtos Fitofarmacêuticos DOCUMENTO DE ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO MANUAL DOS PROCEDIMENTOS OPERATIVOS A APRESENTAR

Leia mais

Plano de Monitorização Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Plano de Monitorização Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Actividade Tipo de Inspecção Como Inspeccionar Não Conforme 1. Recepção dos Materiais Constituintes: a) Micro esferas de Vidro; b) Cargas (Carbonatos de Cálcio) c) Pigmentos; d) Ligante; e) Aditivos. 2.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 - IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO: - LUMINOX 1.2 UTILIZAÇÃO DA PREPARAÇÃO: - Produto de limpeza e recuperação de metais 1.3 - IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade)

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade) Procedimento do SGI PSG-17 (Rastreabilidade) Índice 1. Objectivo 4 2. Campo de Aplicação 4 3. Actividades 4 3.1 1ª Actividade: Identificação e Rastreabilidade 4 3.1.1 Responsabilidades 5 3.2 2ª Actividade:

Leia mais

Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos. VILA REAL 29 de junho 2016

Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos. VILA REAL 29 de junho 2016 Prevenção e redução dos riscos associados à utilização de produtos fitofarmacêuticos Importância dos Produtos Químicos Os produtos químicos são essenciais à vida: fazem parte da constituição do ser humano

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH)

Ficha de Dados de Segurança Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) Conforme o Regulamento (CE) Nº 1907/2006 (REACH) PROGESTERONA.FDS_PT.DOC 1.- Identificação da substância ou do preparado e da sociedade ou empresa Identificação da substância ou do preparado Identificação

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica Autoridade de Segurança Alimentar e Económica UNO/DEPO Seminário Metrologia no Setor Alimentar FISCALIZAÇÃO EM METROLOGIA LEGAL OUTUBRO 2014 FISCALIZAÇÃO DO MERCADO FISCALIZAÇÃO DO MERCADO DEFINIÇÃO Conjunto

Leia mais

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger)

Leca Mix ; (weber.floor light mix); (weber.ravoirage leger) 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: Leca Mix (weber.floor light mix) 1.2. Aplicações: Enchimento de pisos térreos, pisos elevados, pisos técnicos e coberturas, em interior ou exterior.

Leia mais

É constituído por três tipos de acções:

É constituído por três tipos de acções: Programa Agricultores Guia Projecto de Requalificação Ambiental da Actividade Agrícola Projecto Referência a nível Nacional, no tema Ambiente / Sustentabilidade pela DGOTDU. Resulta de um protocolo de

Leia mais

Qualificação e Certificação de Eco-Produtos. Evolução da AB em Portugal.

Qualificação e Certificação de Eco-Produtos. Evolução da AB em Portugal. Qualificação e Certificação de Eco-Produtos. Evolução da AB em Portugal. António Mantas Bragança * Junho de 2011 am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio

Leia mais

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR.

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores, consumidores

Leia mais

Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada

Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada Projeto de Regulamento que define os Requisitos Técnicos do Sistema Técnico de Jogo Online com Liquidez Partilhada 1 Índice 1 Enquadramento Legal... 3 1.1 Objeto... 3 1.2 Destinatários... 3 1.3 Versão...

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Lanolina Anidra

Ficha de Dados de Segurança. Lanolina Anidra Ficha de Dados de Segurança Lanolina Anidra 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Lanolina anidra Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1.2

Leia mais

Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos. Paulo Cruz (Engº Agrónomo)

Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos. Paulo Cruz (Engº Agrónomo) Utilização Segura de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz (Engº Agrónomo) Iniciado no Minho em 2005 7 demo farms em colaboração com Ministério Agric. e Escolas Agrícolas; Desenvolvimento de um fato de

Leia mais

1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA

1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA MAÇÃ DE ALCOBAÇA 1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA - Indicação Geográfica Protegida (IGP) - A Oeste da Serra dos Candeeiros - Alcobaça, Porto Mós, Nazaré, Caldas da Rainha e Óbidos - Marca COLECTIVA Maçã de

Leia mais

[INFORMAÇÃO SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DA NATURALFA]

[INFORMAÇÃO SOBRE O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DA NATURALFA] 1. Objetivo e âmbito Esta instrução de trabalho define a metodologia para o acesso dos operadores aos serviços de certificação da NATURALFA. Este documento aplica-se a todos os potenciais clientes e clientes

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

7. Auditorias em Qualidade e Segurança Alimentar

7. Auditorias em Qualidade e Segurança Alimentar Elsa Ramalhosa We would like to acknowledge that the research leading to these results has received funding from the European Union s Seventh Framework Programme for research, technological development

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESINFETANTE Á BASE DE QUATERNÁRIO DE AMÓNIO LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESINFETANTE Á BASE DE QUATERNÁRIO DE AMÓNIO LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : Azoto / Azoto Apsa / Azoto Floxal

Leia mais

Telefone: Telefax: Informação geral: Serviço Apoio Cliente Telefone de emergência: Centro Informativo Anti-venenos:

Telefone: Telefax: Informação geral: Serviço Apoio Cliente Telefone de emergência: Centro Informativo Anti-venenos: Ficha de Segurança segundo 91/155/CEE e ISO 11014-1 Data da impressão: 14.09.2004 Página 1/5 1. Identificação da preparação e da empresa Identificação do produto Nome comercial SIKABOND-T52 Identificação

Leia mais

Telefone: Telefax: Informação geral: Serviço Apoio Cliente Telefone de emergência: Centro Informativo Anti-venenos:

Telefone: Telefax: Informação geral: Serviço Apoio Cliente Telefone de emergência: Centro Informativo Anti-venenos: Ficha de Segurança segundo 91/155/CEE e ISO 11014-1 Data da impressão: 21.07.2004 Página 1/6 1. Identificação da preparação e da empresa Identificação do produto Nome comercial SIKA MONOTOP 612 Identificação

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos

Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos Escolha do Equipamento de Proteção Individual (EPI) quando utiliza Produtos Fitofarmacêuticos Registo dos Produtos Fitofarmacêuticos Os Produtos Fitofarmacêuticos (PF) são um dos setores de atividade mais

Leia mais

Curso de Agricultura Biológica Geral

Curso de Agricultura Biológica Geral 1 - Objectivo Geral Este curso tem como objectivo geral qualificar os técnicos com conhecimentos práticos e teóricos para o modo de produção biológico, tal como definido no Reg. (CEE) nº 2092/91 e respectivas

Leia mais

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010

Evento Apícola. A abelha e a Laurissilva. São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Evento Apícola A abelha e a Laurissilva São Vicente, 25 a 27 de Junho de 2010 Registo Aprovação Segurança alimentar no mel Maria Médica Veterinária Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE INSPECÇÃO DO PESCADO FORMULÁRIO DE VISTORIA DAS FÁBRICAS DE PRODUÇÃO DE GELO

INSTITUTO NACIONAL DE INSPECÇÃO DO PESCADO FORMULÁRIO DE VISTORIA DAS FÁBRICAS DE PRODUÇÃO DE GELO Nome da Fábrica de Produção de Gelo: código: Nome da empresa: Endereço: Tel.: Fax e-mail: Nº da Licença: NÃO ( ) Propósito da vistoria: Licença Sanitária( ); PRI( ); Pré-vistoria( ); Outros( ) Local de

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AGRICULTURA BIOLÓGICA Desde 1985 Pela Saúde da Terra e do Homem 7300 Associados de Norte a Sul do País Projeto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA. Substância CAS %(p/p) Símbolo(s) Frases R** Tensoactivos aniónicos %, <15% Xi R38; R41

FICHA DE SEGURANÇA. Substância CAS %(p/p) Símbolo(s) Frases R** Tensoactivos aniónicos %, <15% Xi R38; R41 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome químico ou composição: NY NEUTRAL Nº CAS: Não se aplica Utilização do produto: Detergente neutro perfumado para uso institucional Distribuidor: João Paulo

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA TRATAMENTO TÉRMICO DE CASCA ISOLADA DE CONÍFERAS POR VAPOR QUENTE 1 - SISTEMA DE TRATAMENTO EM CONTÍNUO -

REQUISITOS TÉCNICOS PARA TRATAMENTO TÉRMICO DE CASCA ISOLADA DE CONÍFERAS POR VAPOR QUENTE 1 - SISTEMA DE TRATAMENTO EM CONTÍNUO - Versão 1 (16/11/2012) REQUISITOS TÉCNICOS PARA TRATAMENTO TÉRMICO DE CASCA ISOLADA DE CONÍFERAS POR VAPOR QUENTE 1 - SISTEMA DE TRATAMENTO EM CONTÍNUO - Introdução Este procedimento define os requisitos

Leia mais

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores ESCOPO Este questionário de auto-avaliação tem como objetivo proporcionar um conhecimento geral do fornecedor,

Leia mais

TRATAMENTO DA MATÉRIA-PRIMA

TRATAMENTO DA MATÉRIA-PRIMA TRATAMENTO DA MATÉRIA-PRIMA Depois da secagem das plantas inicia-se outro processo, o de fabrico. Fase do Processo de Fabrico O tratamento da matéria-prima após a secagem, é feito no seio da empresa Américo

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s 4. Lavagem/ desinfecção (PCC1) - Concentração (dosagem) do desinfectante desinfecção - Realização de uma boa pré-lavagem Conforme N- DSA-9 Em cada desinfecção, para todos os lavagem/ hortícolas e desinfecção

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR.

Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR. MAÇÃS INSUPERÁVEIS Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores,

Leia mais

BPF BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA EXCIPIENTES FARMACÊUTICOS. RDC nº 34/2015 ANVISA

BPF BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA EXCIPIENTES FARMACÊUTICOS. RDC nº 34/2015 ANVISA Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 10 de Agosto a RDC nº 34/2015 que determina o cumprimento das Boas Práticas de Fabricação para empresas fabricante de excipientes farmacêuticos. A

Leia mais

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco

Reabilitação Conduta DN Barbadinhos - Monte Arco RENOVAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE LISBOA Reabilitação Conduta DN 600 - Barbadinhos - Monte Arco Instalação por entubamento Tubo DN500 PEAD PE100 SDR17 Actividades criticas do processo de reabilitação

Leia mais

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286.

EMPRESA Nome do Fabricante: Ambiente Produtos de Limpeza Ltda. Rua João Carniel nº 910 Bairro Carniel Gramado/RS Telefone/Fax: (54) /3286. Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa PRODUTO Nome do Produto: Desinfetante Lavanda RCD Ambientare Registro M.S. nº: 3.2263.0006-015-1 (Embalagem

Leia mais

Parágrafo único. A unidade de medida para dose absorvida será o Gray (Gy).

Parágrafo único. A unidade de medida para dose absorvida será o Gray (Gy). MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 9, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1

Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS. ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Cuidados a ter na preparação das caldas nas explorações agrícolas PROJECTO TOPPS ANIPLA - Todos os direitos reservados - Out'16 1 Os 5 pontos críticos Transporte e Armazenamento Preparação da calda e Enchimento

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Página: 1 Data de compilação: 16/09/02 Nº de Revisão: 1 Secção 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Nome do produto: Código de stock: 1.2. Utilizações

Leia mais

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Caderno de Pós - Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Identificação: Nome do produtor/empresa:-------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Protecção Integrada em amendoeira Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e

Leia mais

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado)

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado) PECUÁRIA BIOLÓGICA (Reg. 2082/91, modificado) SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa sativa@sativa.pt www.sativa.pt Introdução consumidores - preocupações

Leia mais

FS MUROFIX port /10/10 10:42 Pgina 1 C M Y CM MY CY CMY K FICHA DE SEGURANÇA MUROFIX. Composicin

FS MUROFIX port /10/10 10:42 Pgina 1 C M Y CM MY CY CMY K FICHA DE SEGURANÇA MUROFIX. Composicin FS MUROFIX port 07-09 20/10/10 10:42 Pgina 1 FICHA DE SEGURANÇA MUROFIX FS MUROFIX port 07-09 20/10/10 10:42 Pgina 2 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO 1.- IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA OU PREPARADO

Leia mais

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Cálcio D-Gluconato 1-hidrato Cálcio D-Gluconato Monohidratado Segundo

Leia mais

Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos

Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos Programa do Curso de formação Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos 1 Curso de formação de Distribuição e Comercialização de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo geral capacitar os

Leia mais

Ficha de Segurança Creolina Perfumada

Ficha de Segurança Creolina Perfumada Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

Definição dos requisitos de produto

Definição dos requisitos de produto Definição dos requisitos de produto www.hotelar.net 2/8 Introdução Este documento serve de base para enumerar as especificações genéricas dos produtos / artigos / peças a serem fornecidos à Hotelar Têxteis

Leia mais

Granel Nural 21B. Data de revisão 03/11/2005 Versão 02 INSTITUTO NACIONAL DE TOXICOLOGIA:

Granel Nural 21B. Data de revisão 03/11/2005 Versão 02 INSTITUTO NACIONAL DE TOXICOLOGIA: HENKEL IBERICA Henkel Folha de Segurança Segundo Directiva 93/112/CE (rev 2001/58/CE) Granel Nural 21B Data de revisão 03/11/2005 Versão 02 1.- IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA 1.1 Identificação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006) Data: 03/09/2009 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Identificação da substância/preparação:

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA António Mantas am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir a sua conformidade com normas e outros documentos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA. : CHRYSO Dem PL. 1. Identificação do produto e da Sociedade/Empresa

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA. : CHRYSO Dem PL. 1. Identificação do produto e da Sociedade/Empresa Página: 1 nocivo Fabricante Camino de Yunclillos, S/N 45520 VILLALUENGA DE LA SAGRA TOLEDO ESPAÑA Centro informativo Anti-Venenos: Portugal 808 250 143 1. Identificação do produto e da Sociedade/Empresa

Leia mais

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA

TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA TÉCNICA SIMPLIFICADA DE COLHEITA DE MATERIAL EM ANIMAIS PARA O DIAGNÓSTICO DA RAIVA (Fotos gentilmente cedidas pelo KwaZulu-Natal Rabies Project e pelo Serengueti Carnivore Disease Project) Preparação

Leia mais

Registe o seu produto e obtenha suporte em. SBA1610. Manual do utilizador

Registe o seu produto e obtenha suporte em.  SBA1610. Manual do utilizador Registe o seu produto e obtenha suporte em www.philips.com/welcome SBA1610 Manual do utilizador a b c d 1 Importante Eliminação do seu antigo produto Segurança Aviso Para reduzir o risco de incêndio ou

Leia mais

PEDRA SANITÁRIA AZULIM

PEDRA SANITÁRIA AZULIM 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Versões: EUCALIPTO, FLORAL, JASMIM e LAVANDA Nome da empresa: Lima & Pergher Indústria Comércio e Representações Ltda. Endereço: Avenida Airton

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

Um futuro mais Bio: Bom para si, Bom para a natureza!

Um futuro mais Bio: Bom para si, Bom para a natureza! 1 a 3 de junho de 2017, Auditório do INIAV, I.P., Oeiras, Portugal I Fórum Ibérico sobre Produção Animal Biológica I Foro Ibérico sobre Ganaderia Ecológica I Iberian Forum on Organic Animal Production

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO OU SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES CONDIÇÕES PARTICULARES

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO OU SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES CONDIÇÕES PARTICULARES REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO OU SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES CONDIÇÕES PARTICULARES Modo Modo Produção Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES...

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA DATA DA AUDITORIA: 24 de abril 2015 AUDITOR: Carlos César Fiocchi Farmacêutico RG:15.726.026-4 CRF-SP: 14093 EMPRESA: Razão Social: Mader Comercial Importadora Química e Farmacêutica Ltda Nome Fantasia:

Leia mais