SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOJA PLUS. Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia R$ ,00. Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira"

Transcrição

1 SOJA PLUS Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Relatório Contrapartida dos Produtores Rurais da Bahia ,00

2 PERÍODO: jul.2014 a dez.2016 CONTRAPARTIDA PRODUTORES RURAIS ,00 Anexo Propriedade Município Contrapartida Período Valor Observação 1 Fazenda Alvorada Luis Eduardo Magalhães * Área de lavagem e manutenção das máquinas e equipamentos; * Abrigo para proteção do gás de cozinha. Mai. /jun ,00 2 Fazenda Irmãos Orita São Desidério * Lavanderia de EPI's; *Recarga dos extintores de incêndio e peças. Fev. 2016; Ago. /Set ,00 Lavanderia para lavagem dos EPI's, utilizados pelos funcionários que aplicam defensivos agrícolas. Realização da recarga dos extintores de incêndio e a aquisição de peças especificas para tal. 3 Fazenda Flor da Esperança São Desidério * Bacia de contenção do tanque de combustível. Mar ,00 4 Fazenda Sama Luis Eduardo Magalhães * Cobertura metálica para o tanque de combustível. Jan./fev ,00 5 Fazenda Decisão II Barreiras * Cobertura metálica para o tanque de combustível. Out ,00 6 Fazenda Serrana Correntina * Ponto de Abastecimento. Set. /Out ,00 Ponto de abastecimento: tanque de combustível, bomba de transferência, base de concreto para o tanque, bacia de contenção, canaletas e caixa de separação de óleo e água.

3 Fazenda Modelo Luis Eduardo Magalhães * Lavanderia de EPI's. Fazenda Novo Mundo Barreiras * Alojamento de funcionários. Fazenda Bela Vista Fazenda Campo Grande Fazenda Barros Cassal Formosa do Rio Preto Barreiras Luis Eduardo Magalhães * Ponto de apoio para os caminhoneiros. * Moradia para funcionário e escritório principal; * Escritório da balança e balança rodoviária. * Galpão para máquinas e implementos; Fazenda Tropeiro Velho Jaborandi * Escritório e balança rodoviária. Mai. /Jun Mar./Mai Jul Ago. /Set Ago. /Set Ago. /Set , , , , , ,00 Lavanderia para lavagem dos EPI's, utilizados pelos funcionários que aplicam defensivos agrícolas. O alojamento para funcionários ainda não foi finalizado, devido a falta de recursos pelo proprietário. Porém, até o momento foram gastos o valor citado ao lado, ,00 com materiais e mão de obra. O ponto de apoio para os caminhoneiros consiste em sanitários, chuveiros e um tanque para lavagem de roupas pessoais. Esta benfeitoria será usada pelos caminhoneiros que transportam a produção de soja e de insumos adquiridos. A moradia é a residência do gerente, juntamente com o escritório principal da fazenda, na mesma construção. O escritório da balança é utilizado apenas para os assuntos referentes aos caminhões que transportam a soja colhida e sua pesagem. No momento da visita, mostrado na foto em anexo, faltava fazer o piso de concreto do galpão de máquinas. A balança rodoviária é utilizada para pesar os caminhões

4 carregados com soja e outros insumos Fazenda Orquídeas Barreiras * Refeitório e área de vivência. Fazenda Orquídeas Barreiras * 8 moradias para funcionários. Fazenda Orquídeas Barreiras * Baias para reciclagem. Fazenda Orquídeas Barreiras * Caixas separadoras de água e óleo. Fazenda Orquídeas Barreiras * Lavanderia de EPI's. Jul. /Out Jul. /Out Jul. /Out Jul. /Out Jul. /Out , , , , ,00 O refeitório é composto pela cozinha, espaço para refeições e banheiros. A área de vivência também é utilizada para os Diálogos de Segurança Semanal, capacitação dos funcionários e reuniões da equipe técnica Foram construídas 8 (oito) moradias para funcionários, sendo 4 complexos de 2 casas geminadas cada. Foram criados mini depósitos (baias) para acondicionar os resíduos sólidos para reciclagem, lixo não reciclável, plástico, papel e metal. Foram construídas duas caixas separadoras de água e óleo, uma para o galpão de máquinas e implementos, e outra para as baias de reciclagem; A nova lavanderia de EPI conta com vestiário, piso de cerâmica, revestimento em parte das paredes, área coberta para secagem dos EPI's e abertura para passagem dos EPI's contaminados.

5 Fazenda Orquídeas Fazenda Orquídeas Barreiras Barreiras * Galpão de defensivos agrícolas e de embalagens vazias temporário. * Ponto de abastecimento das aeronaves. Fazenda Orquídeas Barreiras * Estação de tratamento de agrotóxicos Fazenda Orquídeas Barreiras * Cercamento do alojamento. Jul. /Out Jul. /Out Jul. /Out Jul. /Out , , , ,00 Este galpão armazena temporariamente parte dos produtos químicos utilizados nas aplicações aéreas, por isso ficam ao lado da área de abastecimento das aeronaves. Os demais produtos ao longo da safra, ficam armazenados em um outro galpão principal de defensivos agrícolas e embalagens vazias. Está área é utilizada para o abastecimento das aeronaves com combustível e com a calda de defensivos agrícolas para a aplicação aérea das lavouras. Estação de Tratamento de Agrotóxicos oriundos das aplicações aéreas, composta por reservatório de decantação, descontaminador de agrotóxicos por ozonização e tanque de contenção e evaporação. O ozônio é utilizado para a descontaminação maciça de agrotóxicos nas lavagens de aeronaves agrícolas. Apenas o descontaminador de agrotóxicos por ozonização custa ,00. Além da cerca ao redor de todo o alojamento, foi instalado um portão eletrônico impedindo o livre acesso de pessoas estranhas.

6 Fazenda Boa Esperança II Fazenda Boa Esperança II Fazenda Boa Esperança II Fazenda Boa Esperança II Fazenda Boa Esperança II Fazenda Boa Esperança II Riachão das Neves Riachão das Neves Riachão das Neves Riachão das Neves Riachão das Neves Riachão das Neves * Escritório e balança rodoviária. * Área de lavagem e manutenção das máquinas e equipamentos. * Banheiro feminino no refeitório. * Galpão de defensivos agrícolas. * Galpão de embalagens vazias de defensivos agrícolas. * Ponto de abastecimento de combustível. Abr. /Mai Abr. /Mai Abr. /Mai Abr. /Mai Abr. /Mai Abr. /Mai , , , , , ,00 Total das despesas: ,00 A balança rodoviária é utilizada para pesar os caminhões carregados com soja e outros insumos. O valor das contrapartidas realizadas pelos produtores rurais do Oeste da Bahia, foram bem maiores que a planejada no projeto. Aprovado por: Data & assinatura:

7 ANEXOS Fotos e Notas Fiscais

8 ANEXO 1 FAZENDA ALVORADA FOTO 01: Construção da área de lavagem e manutenção de máquinas e equipamentos. Piso impermeável Canaletas de contenção e condução da água FOTO 02: Detalhe do piso impermeável e das canaletas na área de lavagem e manutenção das máquinas e equipamentos.

9 Caixa de areia Caixa separadora de óleo Caixa coletora de óleo FOTO 03: Detalhe dos três tipos de caixas na área de lavagem e manutenção das máquinas e equipamentos. Recipiente de coleta de água residual FOTO 04: Detalhe do recipiente de coleta da água na área de lavagem e manutenção das máquinas e equipamentos.

10 FOTO 05: Abrigo para botijões de gás de cozinha, falta apenas instalar o portão de ferro com cadeado, que está sendo confeccionado.

11 ANEXO 2 FAZENDA IRMÃOS ORITA Lavanderia de EPI FOTO 06: Lavanderia de EPI. Vestiário e banheiro FOTO 07: Vestiário e banheiro com abertura para a lavanderia de EPI s, evitando contaminação.

12 FIGURA 01: Nota de venda nº 4541 recarga e peças para extintor de incêndio.

13 FIGURA 02: Nota de venda nº 4599 recarga e peças para extintor de incêndio.

14 ANEXO 3 FAZENDA FLOR DA ESPERANÇA FOTO 08: Bacia de contenção ao redor do tanque de combustível, piso e paredes impermeáveis. FOTO 09: Bacia de contenção ao redor do tanque de abastecimento de óleo diesel.

15 ANEXO 4 FAZENDA SAMA FOTO 10: Cobertura metálica sobre o tanque de abastecimento de óleo diesel.

16 ANEXO 5 FAZENDA DECISÃO II FOTO 11: Cobertura metálica sobre o tanque de abastecimento de combustível.

17 ANEXO 6 FAZENDA SERRANA FOTO 12: Ponto de abastecimento de combustível completo. FOTO 13: Ponto de abastecimento de combustível composto por tanque metálico, bomba de transferência, base de concreto, bacia de captação, canaletas e caixas de separação de água e óleo.

18 FOTO 14: Vista das caixas de separação de água e óleo (caixa de areia, caixa separadora de óleo, caixa coletora de óleo e caixa coletora de água residual.

19 ANEXO 7 FAZENDA MODELO Entrada da Lavanderia de EPI s FOTO 15: Lavanderia de equipamentos de proteção individual (EPI) dos funcionários que trabalham na aplicação de defensivos agrícolas. Entrada do vestiário FOTO 16: Lavanderia de EPI e vestiário.

20 c Abertura entre vestiário e o tanque para colocar os EPI s contaminados. FOTO 17: Vista do vestiário e do tanque para lavagem dos EPI s.

21 ANEXO 8 FAZENDA NOVO MUNDO FOTO 18: Vista do alojamento para funcionários em construção. FOTO 19: Vista lateral do alojamento para funcionários em construção.

22 Divisão dos chuveiros FOTO 20: Vista interna do banheiro do alojamento dos funcionários.

23 ANEXO 09 FAZENDA BELA VISTA FOTO 21: Vista do Ponto de Apoio para os caminhoneiros, composto de sanitários, chuveiros e um tanque para lavagem de roupas pessoais. FOTO 22: Vista da entrada para os sanitários e chuveiros.

24 ANEXO 10 FAZENDA CAMPO GRANDE FOTO 23: Vista da moradia de funcionário (gerente) e escritório principal em construção. FOTO 24: Vista da moradia de funcionário (gerente) e escritório principal prontos.

25 FOTO 25: Vista do escritório da balança e da balança rodoviária em construção. FOTO 26: Vista do escritório da balança e da balança rodoviária prontos.

26 ANEXO 11 FAZENDA BARROS CASSAL FOTO 27: Vista do galpão de máquinas e equipamentos em fase final de construção, faltando apenas o piso de concreto.

27 ANEXO 12 FAZENDA TROPEIRO VELHO Escritório Balança Rodoviária FOTO 28: Vista da balança rodoviária e do escritório em construção. FOTO 29: Vista da balança rodoviária e do escritório prontos.

28 ANEXO 13 FAZENDA ORQUÍDEAS FOTO 30: Vista da antiga área de vivência dos funcionários. Refeitório Área de Vivência FOTO 31: Vista do novo refeitório e da nova área de vivência.

29 FOTO 32: Vista do novo refeitório. FOTO 33: Vista da nova área de vivência, também é utilizada para os Diálogos de Segurança Semanal, capacitação dos funcionários e reuniões da equipe técnica.

30 ANEXO 14 FAZENDA ORQUÍDEAS FOTO 34: Vista das novas moradias de funcionários, quatro complexos de 2 casas geminadas cada, totalizando 8 residências. FOTO 35: Vista de duas moradias de funcionários.

31 ANEXO 15 FAZENDA ORQUÍDEAS Lixo não reciclável Plástico Papel Metal FOTO 36: Vista das baias (mini depósitos) que acondicionam os resíduos sólidos para reciclagem.

32 ANEXO 16 FAZENDA ORQUÍDEA FOTO 37: Vista da caixa separadora de água e óleo do galpão de máquinas e implementos da propriedade. FOTO 38: Vista da caixa separadora de água e óleo das baias de reciclagem.

33 ANEXO 17 FAZENDA ORQUÍDEA FOTO 39: Vista da antiga lavanderia de EPI s dos funcionários que aplicam defensivos agrícolas. Abertura entre vestiário e o tanque para colocar os EPI s contaminados. FOTO 40: Vista da nova lavanderia de EPI s, com piso de cerâmica.

34 FOTO 41: Vista da nova lavanderia de EPI s, detalhe da área de secagem. FOTO 42: Vista da nova lavanderia de EPI s, detalhe os armários individuais dos funcionários com cadeado.

35 ANEXO 18 FAZENDA ORQUÍDEA Depósito para os defensivos agrícolas. Depósito para as embalagens vazias. FOTO 43: Vista do galpão de defensivos agrícolas e de embalagens vazias temporário, para os produtos utilizados no preparo da calda para a aplicação aérea. FOTO 44: Vista lateral do galpão de defensivos agrícolas e de embalagens vazias temporário.

36 ANEXO 19 FAZENDA ORQUÍDEA Bomba de transferência Bacia de de contenção Bacia de contenção FOTO 45: Vista do ponto de abastecimento das aeronaves para a aplicação aérea, detalhe dos tanques de combustível com as demais estruturas. FOTO 46: Vista do ponto de abastecimento das aeronaves para a aplicação aérea, detalhe do piso impermeável.

37 ANEXO 20 FAZENDA ORQUÍDEA Tanque de contenção e evaporação Reservatório de decantação Descontaminador de Agrotóxicos FOTO 47: Vista da Estação de Tratamento de Agrotóxicos oriundos das aplicações aéreas, composta por reservatório de decantação, descontaminador de agrotóxicos por ozonização e tanque de contenção e evaporação. FOTO 48: Vista da Estação de Tratamento de Agrotóxicos oriundos das aplicações aéreas, detalhe o descontaminador de agrotóxicos que utiliza ozônio para a descontaminação maciça de agrotóxicos nas lavagens de aeronaves agrícolas.

38 ANEXO 21 FAZENDA ORQUÍDEA FOTO 49: Vista do alojamento de funcionário antes da cercamento. FOTO 50: Vista do alojamento de funcionário cercado e com o portão eletrônico na entrada.

39 ANEXO 22 FAZENDA BOA ESPERANÇA II FOTO 51: Vista do escritório e da balança rodoviária, na entrada da propriedade. FOTO 52: Vista do interior do escritório e do banheiro.

40 ANEXO 23 FAZENDA BOA ESPERANÇA II FOTO 51: Vista do interior do escritório e do banheiro. FOTO 51: Vista do interior do escritório e do banheiro. Caixa separadora de água e óleo Canaletas FOTO 53: Vista da área de lavagem de máquinas e equipamentos da propriedade. FOTO 54: Vista da área de lavagem de máquinas e equipamentos, detalhe a casinha do compressor.

41 ANEXO 24 FAZENDA BOA ESPERANÇA II FOTO 55: Vista do banheiro feminino construído no refeitório. FOTO 56: Vista interna do banheiro feminino do refeitório.

42 ANEXO 25 FAZENDA BOA ESPERANÇA II Ventilação FOTO 57: Vista do galpão de defensivos agrícolas, detalhe os tijolos para ventilação com tela. FOTO 58: Vista interna do galpão de defensivos agrícolas.

43 ANEXO 26 FAZENDA BOA ESPERANÇA II FOTO 59: Vista do galpão de embalagens vazias de defensivos agrícolas. FOTO 60: Vista do galpão de embalagens vazias, detalhe para calçada e para o extintor de incêndio.

44 ANEXO 27 FAZENDA BOA ESPERANÇA II Canaletas FOTO 61: Vista do ponto de abastecimento de combustível, detalhe da bacia de contenção, do extintor de incêndio e da bomba de transferência. FOTO 62: Vista do ponto de abastecimento de combustível, detalhe da escada de acesso à parte superior dos tanques.

CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS MUNÍCIPIOS PARA GESTÃO AMBIENTAL LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO DE POSTOS REVENDEDORES INEA DILAM GELRAM SELART NLPS LEGISLAÇÃO APLICADA Resolução CONAMA Nº 273/2000. Determina a

Leia mais

Página 1 GALPÃO DAS PANELEIRAS. Coordenadora: Berenice Correa Nascimento. Fundação: 21/11/2011

Página 1 GALPÃO DAS PANELEIRAS. Coordenadora: Berenice Correa Nascimento.   Fundação: 21/11/2011 GALPÃO DAS PANELEIRAS Coordenadora: Berenice Correa Nascimento Email: berenicepaneleira@hotmail.com Fundação: 21/11/2011 Endereço: Rua das Paneleiras, 55 Bairro Goiabeiras CEP: 29075-105 Telefone: (27)

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE AMBIENTES E PROCESSOS DE TRABALHO EM POSTOS DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS A VAREJO PRCV Versão 06 de setembro de 2012

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE AMBIENTES E PROCESSOS DE TRABALHO EM POSTOS DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS A VAREJO PRCV Versão 06 de setembro de 2012 ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DE AMBIENTES E PROCESSOS DE TRABALHO EM POSTOS DE REVENDA DE COMBUSTÍVEIS A VAREJO PRCV Versão 06 de setembro de 2012 1. DADOS GERAIS DA EMPRESA Razão Social: Nome Fantasia:

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens de agrotóxicos - Ago/2016 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 2a. Aula Embalagens

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO. Adequação Física e estrutural

ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO. Adequação Física e estrutural ENTENDA O QUE MUDOU COM A IMPLANTAÇÃO DO PONTO ECO Adequação Física e estrutural A etapa mais demorada e com maior investimento de recursos é a adequação física e da estrutura da empresa. No Recreio da

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB

Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB Ag ên cia Est ad u al d e D ef es a Ag ro p e cu ári a d a B ah ia AD AB Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia ADAB PORTARIA N.º 408 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2016 O DIRETOR

Leia mais

Preservação da madeira

Preservação da madeira CONTROLE DA POLUIÇÃO NA INDÚSTRIA DE PRESERVAÇÃO DE MADEIRA FABRICIO GOMES GONÇALVES Preservação da madeira Instalações responsáveis pelo armazenamento da madeira e pela sua impregnação de preservativos,

Leia mais

ANEXO III - Memorial Descritivo

ANEXO III - Memorial Descritivo ANEXO III - Memorial Descritivo SOFT INN SÃO PAULO BUSINESS HOTEL O presente MEMORIAL DESCRITIVO descreve o imóvel e determina os detalhes de acabamento, o padrão e a qualidade dos materiais que serão

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO NA VILA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO NA VILA PROJETO DE CONSTRUÇÃO NA VILA Organização Não Governamental Life on Life Introdução Projeto de Construção na Vila Por meio do Projeto Vida a Vida, criado há 10 anos na Vila Acaba Mundo atrás da praça JK,

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS FASCÍCULO ABIOVE. Mais por você. Governo de Mato Grosso

CONSTRUÇÕES RURAIS FASCÍCULO ABIOVE. Mais por você. Governo de Mato Grosso CONSTRUÇÕES RURAIS FASCÍCULO 2-2013 Governo de Mato Grosso Mais por você ABIOVE O Soja Plus é um programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Propriedade Rural Brasileira, criado em 2011 por meio

Leia mais

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP

ABNT NBR Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP ABNT NBR 15514 Área de Armazenamento de Recipientes Transportáveis de GLP OBJETIVOS Ao final dessa lição os participantes serão capazes de: Definir termos técnicos associados ao tema; Conhecer condições

Leia mais

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13

PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 PO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO_QSM_13 Titulo do Procedimento: LAVAGEM DE EPI S DE APLICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS Data de Versão: Autor: 18/01/2010 00 Alan Rígolo Geovana Timpani Elves Pinheiro Observações:

Leia mais

GESTÃO DE SSMA EM CANTEIROS DE OBRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PREDIAL

GESTÃO DE SSMA EM CANTEIROS DE OBRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PREDIAL GESTÃO DE SSMA EM CANTEIROS DE OBRAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PREDIAL Título Fonte Calibri 20 Negrito Branca xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Floriano Costa Eng.º de Segurança do Trabalho Julho de 2016 TIPOS DE OBRAS

Leia mais

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento

Anexo Procedimento de Instalação de Alojamento Anexo 1.4-8 - Procedimento de Instalação de Alojamento Revisão 00 Data 02/02/2015 1 de 15 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Eng. Segurança do Trabalho Gestão de QSMS Direção Indústria e Energia

Leia mais

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL STICM DE - Avenida Mauro Mori, n.º 323, Centro - Goioerê/PR - CEP. 87.360-000 01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA NOME: CNPJ: ENDEREÇO: MUNICÍPIO: CEP: FONE / FAX: PROPRIETÁRIO: ENCARREGADO: 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO Obra: Construção de um Prédio Residencial Multifamiliar Local: Avenida Maria José Pinheiro Machado x Jorge Calixto nº 570 Planta aprovada nº 174/16 expedida

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: ANEXO 2 RELATÓRIO DO POSTO 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: NOME: Doc. Identidade: Órgão Expedidor: UF: CPF: End.: N o : Bairro: CEP: Município: UF: Telefone p/ Contato: Fax: E-mail:

Leia mais

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho

Area de vivencia na construcao civil. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia na construcao civil Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Seguranca do Trabalho Area de vivencia As áreas de vivência devem ser mantidas em perfeito estado de conservação, higiene e

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965

Memorial Descritivo. Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 1. Descrição do prédio. Memorial Descritivo Prédio: Villaggio Sorrento Rua Domingos Crescêncio 965 O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos mais casa de máquinas, constituído de 56 (cinqüenta

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

SOBRE A EMPRESA A FAKIANI

SOBRE A EMPRESA A FAKIANI SOBRE A EMPRESA A FAKIANI é uma empresa do setor da construção civil, atuante a mais de 17 anos no mercado, como construtora e fiscalizadora de obras. Atuamos no segmento residencial, industrial, hospitalar,

Leia mais

Soja Plus. Gestão da Propriedade Faz a Diferença. Relatório de Realizações

Soja Plus. Gestão da Propriedade Faz a Diferença. Relatório de Realizações Soja Plus Gestão da Propriedade Faz a Diferença Relatório de Realizações 2) Resultados alcançados: melhoria da imagem do agronegócio brasileiro SOJA PLUS PROGRAMA BEM-SUCEDIDO DE GESTÃO SOCIAL, ECONÔMICA

Leia mais

DESCRIÇÕES PRELIMINARES

DESCRIÇÕES PRELIMINARES DESCRIÇÕES PRELIMINARES O Residencial Villa Bella, será composto por 14 pavimentos, sendo 1 pilotis e 13 pavimentos tipo. Serão no total 104 unidades, sendo 08 apartamentos por pavimento tipo. Pilotis

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES

PROGRAMA DE NECESSIDADES Área Total - Presidência Espera / Secretaria Sala da presidência Acesso ao setor 1 posto de trabalho; estar Presidência para 6 O ambiente de 1 mesa de trabalho, 1 reuniões deverá ser mesa de reunião para

Leia mais

O conteúdo da capacitação a que se refere o item 5.1 deve contemplar os seguintes temas:

O conteúdo da capacitação a que se refere o item 5.1 deve contemplar os seguintes temas: Circular nº 41/2016 Vitória, 12 de dezembro de 2016 Aos postos filiados ao Sindipostos Ref.: PORTARIA MINISTÉRIO DO TRABALHO Nº1.109, DE 21 DE SETEMBRO DE 2016. Prezado associado, O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE

CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES ANEXO II FATOR DE SUSTENTABILIDADE ITEM PONTOS I IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MAX. 10 A) MOVIMENTAÇÃO DO SOLO Implantação do projeto adequada ao perfil natural do terreno, com

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS

CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS ÀS EDIFICAÇÕES PARA SE UTILIZAR DO PROJETO TÉCNICO SIMPLIFICADO QUEM ESTÁ DISPENSADO O Microempreendedor Individual (MEI) que exercer sua atividade tendo como local trabalho

Leia mais

SANEAMENTO E SEGURANÇA AMBIENTAL

SANEAMENTO E SEGURANÇA AMBIENTAL MANUAL DE SANEAMENTO E SEGURANÇA AMBIENTAL EM MATO GROSSO 2015/16 MANUAL DE BOAS SANEAMENTO PRÁTICAS PARCERIAS O presente Manual de Saneamento é o resultado de um trabalho coletivo que envolveu técnicos

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) ODONTOLOGIA O gerenciamento dos RSS constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases

Leia mais

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição

Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição Instalações Hidráulicas e o Projeto de Arquitetura 9ª edição PARTE I INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAIS 1 ÁGUA FRIA Entrada e fornecimento de água fria Compartimento que abriga o cavalete Medição de água

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

Unidade de Medida A0010

Unidade de Medida A0010 Código de Identificação de Resíduos Tipo de Resíduo Descrição Unidade de Medida A0010 RESIDUO DE RESTAURANTE (RESTOS mġ DE ALIMENTOS) A0020 RESIDUO GERADO FORA PROCESSO mġ INDUSTRIAL (EMBALAGENS, ESCRI)

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio A GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO A utilização do GIS como ferramenta de apoio na SLC Agrícola Paula Silvério Eng. Ambiental HISTÓRIA DA SLC AGRÍCOLA VISÃO GERAL DA SLC

Leia mais

CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa

CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Precipitação / Evapotranspiração (mm) 180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento (GARANTIA DE SUPRIMENTO) Jan

Leia mais

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos

PREND Programa de Recebimento de Efluentes Não Domésticos SEUS ESGOTOS TRATADOS POR QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO Uma das grandes preocupações das empresas hoje em dia é o tratamento e a destinação de seus esgotos. A Sabesp está preparada para receber e tratar

Leia mais

Gestão de áreas contaminadas Estudos de casos

Gestão de áreas contaminadas Estudos de casos Gestão de áreas contaminadas Estudos de casos Prof. Dr. Nelson Ellert Arcadis Brasil AVALIAÇÃO AMBIENTAL PRELIMINAR AUDITORIA AMBIENTAL Fase I Forma de apresentação dos resultados Forma de apresentação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2008 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2008, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 465, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 465, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 465, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os requisitos e critérios técnicos mínimos necessários para o licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados ao recebimento de embalagens

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ )

MATRIZ DE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS E AVALIAÇÃO DE IMPACTES AMBIENTAIS (Rev_ ) Grau de (S) Recolha de Amostra Trasfega de slops e águas contaminadas do Navio Emissões de COV`s () Emissões de COV`s () Produção de Efluentes Contaminação de recursos E D N 5 3 1 9 Não Significativo PQAS

Leia mais

Porcelanas. Empresa Geni Porcelanas Ltda. Projeto: Conservação e Reuso de Água no Processo Industrial. Responsáveis técnicos:

Porcelanas. Empresa Geni Porcelanas Ltda. Projeto: Conservação e Reuso de Água no Processo Industrial. Responsáveis técnicos: Empresa Projeto: Conservação e Reuso de Água no Processo Industrial Responsáveis técnicos: Paulo Roberto Defendi Técnico em Cerâmica Oderaldo Castelani Engenheiro Civil Objetivos Reduzir o consumo de água

Leia mais

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura

Ficha Técnica IE01 ESTRUTURA: Piso e Cobertura Ficha Técnica IE01 Piso e Cobertura Função: Acomodar a Estação Renova e seus leitos de secagem de lodo, protegendo-os dos raios solares e intempéries. O piso deverá ser construído de acordo com as dimensões

Leia mais

COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Portaria CVS - 12, de

COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Portaria CVS - 12, de COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Portaria CVS - 12, de 17-8-2009 Dispõe sobre a Norma Técnica que estabelece os critérios para instalação e funcionamento dos alojamentos

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA

INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA INFRAESTRUTURA DE LABORATÓRIOS DA EMBRAPA Para atender os requisitos (BPL/ISO 17025) o projeto deve levar em conta: Dimensões. Detalhes construtivos. Localização/separação efetiva das diferentes atividades

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: Outubro / 2013 OBRA: RESERVA DA LAGOA Informações da Obra: Att. Aos clientes do Reserva da Lagoa A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação de informar aos nossos clientes

Leia mais

Exemplar Não Controlado

Exemplar Não Controlado 12 01 05 Aparas de matérias plásticas. Data: 07/12/2012 Pág. n.º 2/7 15 RESÍDUOS DE EMBALAGENS; ABSORVENTES, PANOS DE LIMPEZA, MATERIAIS FILTRANTES E VESTUÁRIO DE PROTEP ROTEÇÃO NÃO ANTERIORMENTE ESPECIFICADOS

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE

A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Portos, Aeroportos e Fronteiras Anexo XI PLANO DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO EMBARCAÇÕES MÉTODO I A. MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DE MATERIAL DESINFETANTE Técnica de Desinfecção

Leia mais

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Outubro/ de outubro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Outubro/2015 29 de outubro de 2015 out 98 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE)

Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE) Como elaborar um MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (4ª PARTE) Passo a passo para a elaboração do manual de BPF - Segurança no trabalho - Visitantes - Condições ambientais - 1-Visitantes Todas as pessoas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO DE CONSTRUÇÃO Obra: Residencial Ana Beatriz Local: Rua Adolfo Cattani, 775 - São Carlos-SP 1 CONSTITUÍDO: - O terreno com 1.746,58 m² tem acesso ao pavimento térreo pela Rua Adolfo

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos BERGER EQUIPAMENTOS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos BERGER EQUIPAMENTOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Engenharia de Alimentos BERGER EQUIPAMENTOS ENEFICIAMENTO E CARA CTERIZAÇÃO DE DA INDÚSTRIA DE NA RAGIÃO DE CORUMBATAÍ DO SUL: APROVEITAMENTO

Leia mais

Remediação para Postos de Serviço

Remediação para Postos de Serviço Remediação para Postos de Serviço MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Processos de Remediação Projeto de Remediação Conteúdo Programático MODULO III Outros aspectos que devem ser considerados: Condição

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA

SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA SANEAMENTO SOCIOAMBIENTAL EM COMUNIDADE DE PEQUENO PORTE: UM ESTUDO EM SANTA LUZIA, SIMÕES FILHO, BAHIA Aline Linhares Loureiro Clarisse Correia Lima Cardoso de Andrade Luiz Roberto Santos Moraes UFBA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE

MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE MEMORIAL DESCRITIVO POR AMBIENTE Obra: REFORMA DO PRONTO SOCORRO GERAL Local: Avenida Dr. Fernando Arens, 939 Centro Cidade: Artur Nogueira SP Proprietário: Prefeitura Municipal de Artur Nogueira 1. NECROTÉRIO

Leia mais

Seção fechada com dados disponíveis até o dia 30/11/2014. Dezembro 2014 Conjuntura Econômica I

Seção fechada com dados disponíveis até o dia 30/11/2014. Dezembro 2014 Conjuntura Econômica I Índices Econômicos II Índices gerais II Índice de preços ao produtor amplo origem Brasil III Preços ao consumidor Brasil V Preços ao consumidor Rio de Janeiro V Preços ao consumidor São Paulo V Preços

Leia mais

DESCRIÇÕES PRELIMINARES. O prédio em construção, denominado Edifício Montnimes, tem 13 pavimentos, sendo 01 subsolo, 01 pilotis e 11 pavimentos tipo.

DESCRIÇÕES PRELIMINARES. O prédio em construção, denominado Edifício Montnimes, tem 13 pavimentos, sendo 01 subsolo, 01 pilotis e 11 pavimentos tipo. DESCRIÇÕES PRELIMINARES O prédio em construção, denominado Edifício Montnimes, tem 13 pavimentos, sendo 01 subsolo, 01 pilotis e 11 pavimentos tipo. Subsolo - Será composto de depósito, subestação, gerador,

Leia mais

Especificações básicas

Especificações básicas MEMORIAL DESCRITIVO DE ACABAMENTOS Especificações básicas Abril2013 Versão 02 1. APARTAMENTOS a. Estar/jantar/dormitório/circulação Piso: cimento desempenado, preparado para receber forração, cerâmica

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO RURAL 2013 851,4 milhões de ha VEGETAÇÃO NATIVA PRESERVADA (2012) em milhões de hectares 44,2% da vegetação existente nos 10 países mais preservados

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP Memorial Descritivo Rua Onze de Junho, 316 - São Vicente - SP GENERALIDADES Edifício Residencial de 11 pavimentos, sendo: Subsolo, Térreo, Mezanino 1, Mezanino 2, Mezanino 3, 1 Tipo, Tipo x 9, Inferior

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974; - Regulamento

Leia mais

Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca

Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca 1. Apresentação Casa na rua 3, n.361 Loteamento Praia de Itamambuca Memorial Descritivo Casa a 350m da praia, com dois pavimentos, três suítes, mezanino, sala de estar, varanda social, lavabo, cozinha,

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO MÊS: AGOSTO / 2013 OBRA: RESERVA DA LAGOA Informações da Obra: Att. Aos clientes do Reserva da Lagoa A Iguatemi Construções Ltda. tem a satisfação em informar aos nossos clientes

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes

Plano de Gerenciamento de Resíduos. Jeniffer Guedes Jeniffer Guedes PLURAL Indústria Gráfica Ltda Parque gráfico da PLURAL com 33.500m 2. Fundada em 1996. Atualmente a PLURAL emprega 841 profissionais. Composição Acionária 51% 49% 90 anos de história Jornal

Leia mais

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA

* APRECIAÇÃO DE DOCUMENTOS SIM NÃO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILÂNCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE Á SAÚDE EVSPIS/CGVS/SMS/PMPA Av. Padre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA 2.3 - Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROPRIETÁRIO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS Validação do Memorial Descritivo do Proprietário TORRE HOTEL Empreendimento Maxplaza Rua. Gen. Salustiano Canoas/RS Data : 19/04/2016

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: Disponibilidade Hídrica, Demanda e Abastecimento Público

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: Disponibilidade Hídrica, Demanda e Abastecimento Público SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE: Disponibilidade Hídrica, Demanda e Abastecimento Público . MUNICÍPIO POPULAÇÃO 2010 (hab) % ATEN. ÁGUA 1 Baldim 7.917 98,85 2

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

Evolução dos Preços dos Combustíveis MAOTE

Evolução dos Preços dos Combustíveis MAOTE Evolução dos Preços dos Combustíveis MAOTE Janeiro de 2015 Evolução dos preços dos combustíveis em Portugal Continental Preços dos Combustíveis em Portugal Continental ( /l e /kg) GPL Propano ( /kg) GPL

Leia mais

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva. Fundação: 23/06/1995

Página 1 PLANETÁRIO DE VITÓRIA. Diretor: José Arlon da Silva.   Fundação: 23/06/1995 PLANETÁRIO DE VITÓRIA Diretor: José Arlon da Silva Email: joasilva@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 23/06/1995 Logradouro: Avenida Fernando Ferrari, 514 Bairro: Goiabeiras CEP: 29665-000 Telefone:

Leia mais

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de controle higiênico-sanitário dos vestiários, sanitários e barreiras

Leia mais

MSK FILTRO COALESCENTE

MSK FILTRO COALESCENTE FILTRO COALESCENTE MSK 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações de funcionamento, instalação, operação e manutenção dos filtros MS-série K. Leia este manual atentamente

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS DESTINAÇÃO FINAL DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS A participação da Corol Cooperativa Agroindustrial juntamente com o Sistema OCB/SESCOOP na Campanha Nacional de Destinação Adequada das Embalagens Vazias

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto outubro/2001 AULA 11 CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto PCC-2302: Gestão da Produção na Construção Civil II Profs. Silvio Melhado e Mercia Barros Assistentes de Ensino: Rita Medeiros; Janayna Aquino;

Leia mais

Optimum Solutions, LLC em Angola

Optimum Solutions, LLC em Angola Optimum Solutions, LLC em Angola Optimum Solutions, LLC 10497 Town & Country Way, Suite 830 Houston, TX 77024 (713) 468-5004 Preparado para a participação da Optimum na missão comercial US-Angola em Angola

Leia mais

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Janeiro/ de janeiro de Secretaria de Política Econômica IGP-M Janeiro/2016 28 de janeiro de 2016 jan 99 jul 99 jan 00 jul 00 jan 01 jul 01 jan 02 jul 02 jan 03 jul 03 jan 04 jul 04 jan 05 jul 05 jan 06 jul 06 jan 07 jul 07 jan 08 jul 08 jan 09 jul 09 jan 10

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de

DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de DESCRIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES (ÁREAS CONSTRUÍDAS) NO IFSULDEMINAS CÂMPUS MACHADO Término Nº de Área Valor da Obra Valor do M² Nome da Obra Início da Obra Programado Obras Construída M² R$ R$ da Obra Descrição

Leia mais

POR QUE DEVEMOS DESATIVAR O PÓ RESIDUAL APÓS A FUMIGAÇÃO?

POR QUE DEVEMOS DESATIVAR O PÓ RESIDUAL APÓS A FUMIGAÇÃO? POR QUE DEVEMOS DESATIVAR O PÓ RESIDUAL APÓS A FUMIGAÇÃO? A decomposição dos produtos GASTOXIN B57 e dos demais inseticidas fumigantes da BEQUISA geram como resíduo um pó de coloração cinza claro composto

Leia mais

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica

AULA 4 Físico-Química Industrial. Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica AULA 4 Físico-Química Industrial Operações Unitárias Na Indústria Farmacêutica Prof a Janaina Barros 2010 CLASSIFICAÇÃO Operações preliminares: São normalmente utilizadas antes de qualquer outra operação.

Leia mais

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J

Residencial. Mona Lisa CRECI 17429J APARTAMENTO TIPO Planta Apartamento TIPO 1 Dormitórios 45,52 m² área útil privativa + vaga Planta Apartamentos com 2 Dormitórios (2º dormitório reversível) por conta do comprador Schultzer de Camargo Valter

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais