Módulo 5. Tecnologia de aplicação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 5. Tecnologia de aplicação"

Transcrição

1 Módulo 5 Tecnologia de aplicação

2 Tecnologia de Aplicação Aldemir Chaim Embrapa Meio Ambiente Fernando Adegas Embrapa Soja Luiz Guilherme Rebello Wadt Embrapa Meio Ambiente Roberto Teixeira Alves Embrapa Cerrados Sergio Abud Embrapa Cerrados

3 Principais Perguntas O pulverizador está apto para a aplicação? Qual o tamanho ideal das gotas? Qual o volume ideal? Qual a melhor ponta/bico? Que pressão deve ser utilizada? Aplicação aérea ou terrestre? Devo usar adjuvantes? Posso combinar com outros agroquímicos?

4 Introdução Normas para utilização de defensivos agrícolas Ter certeza da necessidade de utilização de um produto (monitoramento dos insetos-praga e nível de dano econômico) Escolher o produto adequado, que tenha registro no Mapa para a praga e para a cultura; se deve considerar a formulação; que seja o menos tóxico possível ao ambiente e seres humanos (classe toxicológica); considerar o modo de ação (contato, ingestão, sistêmico, etc.) Ler a bula e conferir as doses recomendadas, intervalos de aplicação, horário de aplicação, período de carência, etc.

5 Cuidados na utilização de defensivos agrícolas Não abastecer o pulverizador com resto de calda de uso anterior (principalmente de herbicidas); Nunca deixar a calda transbordar no tanque; Não desentupir bicos dos pulverizadores com a boca; Não lavar os pulverizadores nem os bicos em rios, córregos ou lagoas;

6 Cuidados na utilização de defensivos agrícolas Eliminar vazamentos ou entupimentos dos pulverizadores; Utilizar vestimenta adequada e EPI s (roupa limpa, mangas compridas, máscaras, luvas, chapéu, óculos apropriados, calçado fechado); Não pulverizar contra o vento; Não trabalhar de estômago vazio e nem comer durante as aplicações.

7 Inspeção de pulverizadores no Brasil (% falhas) Ítem avaliado Até 1 ano de uso Mais de 2 anos Manômetro inadequado 96,7 90,0 Erro na taxa de aplicação 43,3 70,7 Antigotejadores não funcionando 48,9 63,3 Falta de proteção das partes móveis 20,0 66,3 Mangueiras mal localizadas 28,0 59,0 Vazamentos 44,0 56,6 Mangueiras danificadas 12,0 47,0 Espaços incorretos entre os bicos 16,0 43,4 Bicos defeituosos 26,7 80,5 v Projeto IPP, 2004

8 Fatores a serem considerados em uma aplicação de defensivo agrícola Identificação e monitoramento da praga Equipamento adequado Momento adequado da aplicação Meio ambiente Produto adequado Alan McCracken (2013)

9 Tecnologia de aplicação Aplicação adequada Formulação adequada Ingrediente ativo adequado

10 ALVO O primeiro passo na calibração da pulverização é identificar o alvo, onde ocorre o problema que se deseja controlar

11 Determinação do alvo biológico A soja emite folhas novas a cada 2 dias Mariposa 9-12 dias Ovo 3-4 dias Pupa dias Lagarta dias

12 Distribuição da lagarta falsa-medideira no dossel da soja 73% Peralta, 2006

13 A maioria dos produtores rurais aplica inseticidas em formulações à base de água para controlar insetos-praga em baixos, médios e altos volumes de aplicação usando pulverizadores com bicos hidráulicos ou atomizadores. (Matthews, 1992)

14 O segundo passo É feita uma pulverização com água, para verificar o grau de deposição de gotas nos principais locais de ocorrência das pragas Aldemir Chaim (2013)

15 Papel sensitivo à água para a obtenção do número de gotas por centímetro quadrado

16 Spraying Systems (1992) A calibração poderá ser considerada boa, quando atingir os seguintes graus de deposição

17 Roberto Alves (2011)

18 Aplicação do produto na lavoura Máquinas Agrícolas Jacto (2013)

19 Aplicação do produto na lavoura Máquinas Agrícolas Jacto (2013)

20 Aplicação do produto na lavoura Alan McCracken (2013)

21 Aplicação do produto na lavoura Alan McCracken (2013)

22 Tamanho de Gotas VMD (diâmetro do volume mediano) Formulações oleosas: µm Formulações aquosas: µm

23 GOTAS PEQUENAS GOTAS MÉDIAS GOTAS GRANDES Fernando Adegas (2013)

24 Volume x cobertura O volume de uma esfera (gota) é dado pela fórmula: 4/3 π*r³ = 0,5336* D Uma gota de 300 micrômetros é 27 vezes maior do que uma gota de 100 micrômetros; Um litro de calda produz: gotas de 300 µm e gotas de 100 µm; Assim, se aplicarmos 18 litros de calda/ha com gotas de 100 µm a uma cultura com m² de área foliar, teoricamente deverão depositar-se 57 gotas/cm². Aldemir Chaim (2013)

25 µm µm µm 50 µm COBERTURA

26 COBERTURA DERIVA VIDA ÚTIL MAIOR MAIOR MENOR MENOR MENOR MAIOR Fernardo Adegas (2013) TAMANHO DE GOTAS

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA

TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DA FERRUGEM-DA-SOJADA-SOJA Fernando Storniolo Adegas Embrapa Soja Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento Manejo da Ferrugem Identificação

Leia mais

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas

- Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS - Métodos de avaliação das aplicações de fitossanitários - Avanços tecnológicos para a agricultura e florestas Otavio J. G.

Leia mais

Módulo 2. Conceitos do MIP

Módulo 2. Conceitos do MIP Módulo 2 Conceitos do MIP O que fazer para conter essa praga? A solução não está no MIP por cultura! MIP Soja Identificação das Pragas e dos Inimigos Naturais Monitoramento Tomada de decisão MIP Algodão

Leia mais

AGR' ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

AGR' ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ AGR' ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 002392 COMPOSIÇÃO: Éster de ácido graxo

Leia mais

Calibração Pulverizador de Barras

Calibração Pulverizador de Barras Calibração Pulverizador de Barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador PULVERIZAR Preparar a CALDA

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 1 ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊTICOS TENDO EM CONSIDERAÇÃO A

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 2 CARACTERIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO INDIVIDUAL EPI S Segurança na Utilização de Ler

Leia mais

Equipamentos de aplicação o de agrotóxicos. Luiz Antonio Palladini EPAGRI/Estação Experimental de Caçador

Equipamentos de aplicação o de agrotóxicos. Luiz Antonio Palladini EPAGRI/Estação Experimental de Caçador Equipamentos de aplicação o de agrotóxicos Luiz Antonio Palladini EPAGRI/Estação Experimental de Caçador Proceder à manutenção periódica, e uma calibração anual no início do ciclo; os operadores devem

Leia mais

PENETROL CUPIM. Para madeiramento de casas e construções (portas, janelas, lambris, prateleiras, móveis etc.) e na indústria moveleira.

PENETROL CUPIM. Para madeiramento de casas e construções (portas, janelas, lambris, prateleiras, móveis etc.) e na indústria moveleira. Produto tem poderosa ação inseticida que protege a madeira seca contra o ataque de cupins. Incolor, permite qualquer tratamento na madeira (verniz, cera ou tinta) 24 horas depois da aplicação. Características

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (4)3315.1796 Telefax

Leia mais

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A

Mecanização da Pulverização. Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Eng. Agr.Jairo da Costa Moro Máquinas Agrícolas Jacto S.A Mercado de defensivos Agrícolas 2014 - Brasil - O mercado brasileiro comercializou o valor total de US$12,25 bilhões em defensivos agrícolas. Fonte:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto Grifo

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto Grifo 1. Identificação do Produto Nome do Produto: Grifo Código do Produto: 1314 Nome da Empresa: De Sangosse Agroquímica Ltda. Endereço: Rua Raimundo Ramos Ferreira, 136 - CURITIBA/PR CEP: 81.350-040 Telefone

Leia mais

ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR AS RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR AS RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR AS RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 007697 Composição: Ésteres

Leia mais

NIMBUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

NIMBUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ NIMBUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mapa Sob nº 04997. COMPOSIÇÃO: Ingrediente Ativo: Ingrediente

Leia mais

ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ ÓLEO VEGETAL NORTOX VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº07697 COMPOSIÇÃO: Ésteres de

Leia mais

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia

Inseticida/acaricida de contato e ingestão do grupo químico benzoiluréia Composição 1-[4-(2-chloro-α,α,α-trifluoro-p-tolyloxy)-2-fluorophenyl]-3-(2,6-difluorobenzoyl) urea (FLUFENOXUROM)... 100 g/l (10,0% m/v) Ingredientes Inertes... 878 g/l (87,8% m/v) Classe Inseticida/acaricida

Leia mais

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente

Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas. Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Calibração de deposição de agrotóxicos e bioinseticidas Aldemir Chaim, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente A aplicação de produtos químicos ou biológicos para controle de pragas pode ser feita com tratores

Leia mais

PULVERIZAÇÃO ELETROSTÁTICA COMO ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS

PULVERIZAÇÃO ELETROSTÁTICA COMO ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS PULVERIZAÇÃO ELETROSTÁTICA COMO ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DO USO DE AGROTÓXICOS Aldemir Chaim Jaguariúna,1999. Pulverização eletrostática como alternativa para redução do uso de agrotóxicos Existe um grande

Leia mais

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA

MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA M in isté rio d a A g ric u ltu ra P e cu á ria e A b a st e cim e n to MELHORIAS NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS NA EMBRAPA SOJA ALEXANDRE BRIGHENTI Embrapa Soja Londrina PR brighent@cnpso.embrapa.br

Leia mais

Panonychus ulmi. Mycosphaerella fragariae

Panonychus ulmi. Mycosphaerella fragariae FROWNCIDE 500 SC Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: FLUAZINAM Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 07695 Classe: fungicida acaricida de contato Composição: 3 cloro

Leia mais

HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA

HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA HEVEICULTURA IMPLANTAÇÃO E FORMAÇÃO DE SERINGAIS NO CERRADO APROB-GO/TO DEZEMBRO DE 2013 AGNALDO GOMES DA CUNHA APRESENTAÇÃO 1- PRÉ PLANTIO (PLANEJAMENTO) 2- TIPOS DE SOLO E PLANTIO 3- TRATOS CULTURAIS

Leia mais

Calibração Pulverizador de barras

Calibração Pulverizador de barras Calibração Pulverizador de barras INÍCIO ANALISAR pulverizador e corrigir Medir a VELOCIDADE do tractor Medir DÉBITO dos BICOS Usar apenas água na calibragem do pulverizador Calcular DÉBITO por ha PULVERIZAR

Leia mais

Nome do produto: MC Injekt 2300 PLUS (A) FISPQ nº: 1057 Data da última revisão: 02/04/2007

Nome do produto: MC Injekt 2300 PLUS (A) FISPQ nº: 1057 Data da última revisão: 02/04/2007 Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: MC Injekt 2300 PLUS (Parte A) - Código interno do produto: 1057/ 1118/ 1146 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e

Leia mais

HAITEN VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTOXICOS DO ESTADO DO PARANA

HAITEN VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTOXICOS DO ESTADO DO PARANA HAITEN VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTOXICOS DO ESTADO DO PARANA Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 021587 COMPOSIÇÃO: Polioxietileno aquil

Leia mais

Seleção de Pontas de Pulverização

Seleção de Pontas de Pulverização JORNADAS DE ACTUALIZACIÓN EN TECNOLOGÍAS DE APLICACIÓN EN CULTIVOS EXTENSIVOS Seleção de Pontas de Pulverização Otavio J. G. Abi Saab Prof. Mecanização Agrícola Universidade Estadual de Londrina Estado

Leia mais

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS 2.500.000 espécies de insetos sobre a Terra 1.000.000 espécies conhecidas 10% pragas agrícolas, florestais ou urbanas 1 patógeno para

Leia mais

PODIUM EW - [Herbicida]

PODIUM EW - [Herbicida] Você está em: Home» PODIUM EW - [Herbicida] Produto aplicável nas culturas Princípio ativo Alface Cebola ervilha Melão Tomate Batata Cenoura Feijão Soja Fenoxaprope-P-etílico REGISTRO Registrado no Ministério

Leia mais

01 de 05. FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

01 de 05. FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 23/03/2013 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Tinta Carimbo. CARACTERÍSTICA: Tinta TC 42 ml nas cores: Azul, preta, vermelha,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: CITRATUS IBERCHEM DO BRASIL S A RUA ANTONIO PINHATA, 135 - JD NOVA ERA CEP 13280-000 - VINHEDO SP FONE/FAX: (19) 3826 8100 E:mail: qualidade@citratus.com.br

Leia mais

DESINFETANTE. Mistura de substância tensoativas e bactericidas.

DESINFETANTE. Mistura de substância tensoativas e bactericidas. Pag. 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. Telefone FAX: (11) 2967-7070 e-mail: valencialimp@uol.com.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA: IV - POUCO TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL: IV - PRODUTO POUCO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA: IV - POUCO TÓXICO CLASSIFICAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL: IV - PRODUTO POUCO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob nº 001507 COMPOSIÇÃO: Éster metílico de óleo de soja... 720 g/l (72,0 % m/v) Outros Ingredientes... 188,0 g/l (18,8 % m/v) CLASSE:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

SABÃO LIQUIDO SANDOMIS Detergente para lavar roupas

SABÃO LIQUIDO SANDOMIS Detergente para lavar roupas Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS SABÃO LIQUIDO SANDOMIS Detergente para lavar roupas 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Detergente

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm.

Nebulizadores aplicam gotas menores que 50 mm. Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Curso : Agronomia Disciplina: Tratamento Fitossanitário Aula: Aplicação de Líquidos e Pulverizadores Os produtos fitossanitários

Leia mais

Conectar a mangueira (rosca ) de entrada de água do equipamento no ponto de água da rede hidráulica.

Conectar a mangueira (rosca ) de entrada de água do equipamento no ponto de água da rede hidráulica. BEBEDOUROS MANUAL DE INSTRUÇÃO Antes de usar o produto, leia atentamente as instruções de uso. Delas dependem o perfeito funcionamento do produto e a sua segurança. 1 INSTALAÇÃO LOCAL O local onde o equipamento

Leia mais

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas

APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Professor : Nailton Rodrigues de Castro Disciplina : Máquinas Agrícolas INTRODUÇÃO É a aplicação uniforme de um defensivo agrícola na forma líquida, utilizando a energia

Leia mais

PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA

PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA Leonora Mansur Mattos Laboratório de Pós-Colheita Embrapa Hortaliças BOAS PRÁTICAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS PARA A PRODUÇÃO PRIMÁRIA

Leia mais

NATUR'L ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

NATUR'L ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ NATUR'L ÓLEO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob n O 02048304 COMPOSIÇÃO: Óleo Vegetal...

Leia mais

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas INFORMATIVO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO ANO 3 NÚMERO 9 Setembro 2014 Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Introdução A correta aplicação de defensivos agrícolas exige uma série de conhecimentos

Leia mais

Bidens pilosa Galinsoga parviflora. Portulaca oleracea Raphanus raphanistrum Ageratum conyzoides. Lepidium virginicum Lepidium pseudodidymum

Bidens pilosa Galinsoga parviflora. Portulaca oleracea Raphanus raphanistrum Ageratum conyzoides. Lepidium virginicum Lepidium pseudodidymum FLEX Dados técnicos Nome comun do ingrediente ativo: FOMESAFEN Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 00838590 Classe: herbicida seletivo do grupo do difenil éter solução aquosa concentrada

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Nome da Empresa: Guimarães Produtos Químicos e de Limpeza Ltda Telefones da Empresa: Fone: (48) 3623-1175 Fax: (48) 3623-0041 e-mail: guimaraespl@terra.com.br Ficha de Informações de Segurança de Produtos

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

ÓLEO VEGETAL DU FOL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS O DO PARANÁ

ÓLEO VEGETAL DU FOL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS O DO PARANÁ ÓLEO VEGETAL DU FOL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS O DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 07005. COMPOSIÇÃO: Ésteres de

Leia mais

Uso do Extrato Aquoso de Folhas de NIM para o Controle de Spodoptera frugiperda na Cultura do Milho

Uso do Extrato Aquoso de Folhas de NIM para o Controle de Spodoptera frugiperda na Cultura do Milho ISSN 1679-115 Uso do Extrato Aquoso de Folhas de NIM para o Controle de Spodoptera frugiperda na Cultura do Milho 88 Introdução A lagarta-do-cartucho, Spodoptera frugiperda, é considerada a mais importante

Leia mais

Ficha de informações de segurança de produtos químicos

Ficha de informações de segurança de produtos químicos Página 1 de 5 Ficha de informações de segurança de produtos químicos 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: FORMIFIM GEL Fabricante: Nome da empresa: Chemone Industrial Química do Nordeste

Leia mais

Aterbane* BR ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER.

Aterbane* BR ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. Aterbane* BR ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. É OBRIGATÓRIA A. Indústria Brasileira

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1)

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1) PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE INFLUENZA A(H1N1) P1 QUAIS OS CUIDADOS DE BIOSSEGURANÇA NA RECEPÇÃO / ATENÇÃO AO PACIENTE COM QUEIXA E SINTOMATOLOGIA DE INFLUENZA A(H1N1), NO DOMICÍLIO, NA UNIDADE BÁSICA DE

Leia mais

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Aplicação Aérea. Foto: C. Machado

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Aplicação Aérea. Foto: C. Machado Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Aplicação Aérea Foto: C. Machado É proibida a aplicação aérea de produtos fitofarmacêuticos em todo o território nacional São admitidas derrogações

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto GRIP

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Produto GRIP 1. Identificação do Produto Nome do Produto: GRIP Código do Produto: AG002 Nome da Empresa: De Sangosse Agroquímica Ltda. Endereço: Rua Raimundo Ramos Ferreira, 136 - CURITIBA/PR CEP: 81.350-040 Telefone

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS

MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS MANIPULAÇÃO DE QUIMIOTERÁPICOS ANTINEOPLÁSICOS SÃO POTENCIALMENTE: Mutagênicos Carcinogênicos Teratogênicos Fetotóxicos Esterilizantes RISCOS OCUPACIONAIS Exposição aguda: Retirada de solução do frasco-ampola

Leia mais

Ervas controladas. Lolium multiflorum Amaranthus retroflexus. Solanum americanum

Ervas controladas. Lolium multiflorum Amaranthus retroflexus. Solanum americanum GRAMOXONE 200 Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: PARAQUAT Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 01518498 Classe: herbicida de contato não seletivo, do grupo dos bipiridilios

Leia mais

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS Mário C.G. Ramos 1 CAP.3 ESTUDO DE CASOS Caso nº 1: Seleção de um motor elétrico adequado à potência mecânica exigida por um equipamento. A curva

Leia mais

Linha Alta Pressão Linha Alta Pressão Utilização Utilização 1 ENTRADA DE ÁGUA 5 1.1 Utilize sempre o filtro de entrada de água. (FIG. 1) 1.2 Conectar a mangueira. Verificar que a vazão mínima de alimentação

Leia mais

SPLAT GRAFO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

SPLAT GRAFO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ SPLAT GRAFO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob n 013607 Composição: Acetato de (E)-8-dodecenila,

Leia mais

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ;

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ; 1. Cinemática Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 0304 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

TAMANHO DE GOTAS NAS PULVERIZAÇÕES AÉREAS

TAMANHO DE GOTAS NAS PULVERIZAÇÕES AÉREAS TAMANHO DE GOTAS NAS PULVERIZAÇÕES AÉREAS José Carlos Christofoletti (*) INTRODUÇÃO Embora ainda não acontecendo Brasil, mas, em sim vários países, vários defensivos agrícolas já trazem em suas bulas uma

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) GRANTELM

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) GRANTELM FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ / MSDS) GRANTELM 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Identificação do produto: Uso do produto: GRANTELM Produto Médico Veterinário. APENAS

Leia mais

Aprovação: P&D Químico: Adelice F. de Moraes CRQ n o : 004215189. Elaborado: 27/07/2011 Revisão: 00 Página 1 de 6. Elaboração: P&D Solange Hernandes

Aprovação: P&D Químico: Adelice F. de Moraes CRQ n o : 004215189. Elaborado: 27/07/2011 Revisão: 00 Página 1 de 6. Elaboração: P&D Solange Hernandes Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Códigos internos: Flor de Lavanda com Avelã (24/500ml): 13005 Flor de Lavanda com Avelã - Refil (24/500ml): 13006 Flor de Lilly com

Leia mais

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas.

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas. O ar comprimido apresenta uma elevada importância na indústria, sendo utilizado num conjunto alargado de setores industriais com diversos tipos de aplicações. Esta importância reflete-se no elevado peso

Leia mais

FOCUS WP VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

FOCUS WP VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ FOCUS WP VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob º 02505 COMPOSIÇÃO: (E)-1-(2-chloro-1,3-thiazol-5-ylmethyl)-3-methyl-2-nitroguanidine

Leia mais

BR ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL.

BR ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. 1 ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA.

Leia mais

CURAVIAL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

CURAVIAL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ CURAVIAL VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 08198 Composição: Metil 2-[[[[(4,6-dimetil-2-pirimidinil)amino]

Leia mais

Sistemas de filtragem para irrigação. Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP

Sistemas de filtragem para irrigação. Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP Sistemas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP III SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 21 de setembro de 2005 Objetivos Discutir a aplicação

Leia mais

Pacto VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

Pacto VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Pacto 1602 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

TETMOSOL Solução sulfiram. Solução de 22,25 g de sulfiram/100 ml (25g de sulfiram/100g) em embalagens contendo 1 frasco com 100 ml.

TETMOSOL Solução sulfiram. Solução de 22,25 g de sulfiram/100 ml (25g de sulfiram/100g) em embalagens contendo 1 frasco com 100 ml. TETMOSOL Solução sulfiram I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TETMOSOL Solução sulfiram APRESENTAÇÕES Solução de 22,25 g de sulfiram/100 ml (25g de sulfiram/100g) em embalagens contendo 1 frasco com 100 ml.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03. Argamassa autonivelante para pisos industriais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA MOD.QAS.033 / 03. Argamassa autonivelante para pisos industriais 1/6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1. Nome: 1.2. Aplicações: 1.2. Entidade Responsável: 1.3. Telefone de Emergência: Argamassa autonivelante para pisos industriais Saint-Gobain Weber Portugal,

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos

ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. José Maria Fernandes dos Santos ASPECTOS CRÍTICOS NA APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS José Maria Fernandes dos Santos Engº Agrº Pesquisador Científico, Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal, Av.

Leia mais

AGRO-OIL VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

AGRO-OIL VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ AGRO-OIL VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob nº 05100 COMPOSIÇÃO: Óleo Vegetal (ÓLEO VEGETAL)...880

Leia mais

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos

Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Tecnologia e Produção: Soja e Milho / Influências das Pontas de Pulverização, Pressão de Trabalho e Condições Climáticas nas Aplicações de Defensivos Paulo O. Coutinho Ricardo Barros.. Introdução A Fundação

Leia mais

1 van 1 11/04/2008 19:30

1 van 1 11/04/2008 19:30 Calcareadora Tração Animal http://www.iadel.com.br/prod07.htm 1 van 1 11/04/2008 19:30 Calcareadora Tração Animal Dados técnicos: Capacidade total de carga de 400 kg de calcário ou esterco orgânico. Com

Leia mais

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP SIMILARIDADES E DIFERENÇAS ENTRE HACCP E ANÁLISE DE RISCOS BERNADETTE DGM FRANCO FCF / USP PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP Conceitos Fundamentos da Análise

Leia mais

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO

DIPEL 12 X1 CULTURA PRAGAS CONTROLADORAS DOSES N DE APLICAÇÕES. Nome comum Nome científico. Ingrediente ativo DIPEL ALAMO DIPEL 12 X1 Detalhes do produto Promove o controle biológico de lepidópteros (lagartas e traças) em vinha, hortícolas e floresta. Atua por ingestão, provocando a paralisia geral dos insetos, que deixam

Leia mais

KARATE ZEON 250 CS. Dados técnicos. Instruções de uso. Cultura e doses de aplicação KARATE ZEON 250 CS 03/13/2003 04:17:43 PM 1

KARATE ZEON 250 CS. Dados técnicos. Instruções de uso. Cultura e doses de aplicação KARATE ZEON 250 CS 03/13/2003 04:17:43 PM 1 KARATE ZEON 250 CS Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: LAMBDACYHALOTHRIN Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 08799 Classe: inseticida do grupo dos piretróides sintéticos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) Nome do produto: SURGISTAIN FISPQ nº SURG001/16 Pagina 01/06 Data da última revisão: 13/04/2016 1. Identificação do produto e da empresa Nome

Leia mais

Fatores que afetam a eficiência e o impacto ambiental

Fatores que afetam a eficiência e o impacto ambiental Capítulo 8 Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos: Fatores que afetam a eficiência e o impacto ambiental Aldemir Chaim Sempre houve competição por alimentos entre outros seres vivos e o homem e, dessa

Leia mais

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo

Como Aplicar. 1. Armazenagem. 2. Compatibilidade. 3. Veritas é complementar. 4. Tipos de solo 1. Armazenagem Após adquirir o produto, armazene as embalagens de 20L em local fresco e protegido do sol. Não temos nenhum reporte desde o lançamento do produto de problemas relacionados a perda de qualidade,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 07/08/2015

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 07/08/2015 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Data da última revisão: 07/08/2015 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA PILOT COLOR 850-l JUNIOR. CARACTERÍSTICA: 1-Jogos com doze cores: (Preta,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Produto: PROWL Pág. 1 de 6 1. Designação de substância/preparação e empresa PROWL - Herbicida Empresa: Agroquisa Agroquímicos, S.A. Rua dos Navegantes, 48-53 1200-732 LISBOA Tel: 213928300 Fax: 213901054

Leia mais

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas

Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Tecnologia de Aplicação Defensivos Agrícolas Disciplina: Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas Faculdade de Engenharia Agronômica UniSALESIANO - LINS SP Prof. Harumi Hamamura harumi.lins.cati@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DO PRODUTO

RELATÓRIO DO PRODUTO Composição + Copolímero de poliéter e silicone 1000 g/l Grupo químico - Classe ESPALHANTE ADESIVO Modo de ação - Formulação DC - Concentrado Dispersível Classif. toxicológica II - Altamente tóxico Classif.

Leia mais

Comunicado Técnico 09

Comunicado Técnico 09 Comunicado Técnico 09 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Regulagem de Pulverizadores Agrícolas de Barras Responsável: Paulo Roberto Pala Martinelli E-mail: prpmartinelli@yahoo.com.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfação que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um equipamento

Leia mais

Rolamentos II. Para evitar paradas longas na produção, devido. O que verificar durante o funcionamento

Rolamentos II. Para evitar paradas longas na produção, devido. O que verificar durante o funcionamento A UU L AL A Rolamentos II Para evitar paradas longas na produção, devido a problemas de rolamentos, é necessário ter certeza de que alguns desses rolamentos estejam disponíveis para troca. Para isso, é

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco)

FISPQ. Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) Página 1 de 5 LAVA ROUPA MALTEX (Tradicional, Coco) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do produto:lava Roupa Maltex 1.2. Aplicação:Lava sem deixar resíduos e com mais maciez, é a solução

Leia mais

É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental?

É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental? É possível conciliar desenvolvimento agrícola com preservação Ambiental? Amabílio J. Aires de Camargo 1 Produzir grande quantidade de alimentos para suprir uma população cada vez maior, implantar infra-estrutura

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE POTÁSSIO MONOBÁSICO ANIDRO - Código interno de identificação do produto: F1030 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para

Leia mais

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força

Mecânica Geral. Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força Aula 04 Carregamento, Vínculo e Momento de uma força 1 - INTRODUÇÃO A Mecânica é uma ciência física aplicada que trata dos estudos das forças e dos movimentos. A Mecânica descreve e prediz as condições

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRICOLAS COORDENAÇÃO-GERAL DE AGROTÓXICOS E AFINS MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO BULA Registrado

Leia mais

9/19/2013. Marília Peres. Marília Peres

9/19/2013. Marília Peres. Marília Peres 1 2 1 Vias de entrada no organismo Produtos químicos perigosos Efeitos toxicológicos da exposição a produtos químicos Incompatibilidades entre produtos químicos Informação sobre perigos químicos 3 Inalação

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - NBR 14725/2001 BATERIAS DE CHUMBO ÁCIDO REGULADAS POR VÁLVULA (VRLA)

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - NBR 14725/2001 BATERIAS DE CHUMBO ÁCIDO REGULADAS POR VÁLVULA (VRLA) FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - NBR 14725/2001 Página 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto - Código interno de identificação do produto UP - Nome

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES NOME DO PRODUTO: TRIPOLIFOSFATO DE SÓDIO FÓRMULA: Na5P3O10 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome da Empresa: Petra Química Matriz: Estrada do Barreiro, 136 Gleba Nova Ukrânia - CEP: 86.800-970 -

Leia mais

Grânulos dispersíveis em água (pepite) com 64% (p/p) de mancozebe + 4% (p/p) de metalaxil-m. Grupo Químico Fenilamida + Ditiocarbamato

Grânulos dispersíveis em água (pepite) com 64% (p/p) de mancozebe + 4% (p/p) de metalaxil-m. Grupo Químico Fenilamida + Ditiocarbamato Fungicida sistémico e de contacto indicado para combater os vários tipos de míldio nas culturas mencionadas e black-rot na vinha. Possui efeito preventivo, curativo e anti-esporulante e está formulado

Leia mais

Probabilidade. Distribuição Binomial

Probabilidade. Distribuição Binomial Probabilidade Distribuição Binomial Distribuição Binomial (Eperimentos de Bernoulli) Considere as seguintes eperimentos/situações práticas: Conformidade de itens saindo da linha de produção Tiros na mosca

Leia mais

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO:

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO: AVATAR Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 002013E COMPOSIÇÃO: Methyl (S)-N-[7-chloro-2,3,4a,5-tetrahydro-4a-(methoxycarbonyl) indeno[1,2-e][1,3,4]oxadiazin-2-

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Formulação 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação Sistema elétrico O sistema elétrico está formado pelo conjunto de estruturas e obras civis responsáveis por enviar energia elétrica aos consumidores O sistema elétrico está dividido em 3 partes principais

Leia mais

Clase I Rojo : extremamente toxico Clase II Amarelo: Altamente tóxico Clase III Azul: medianamente tóxico Clase IV Verde: pouco tóxico

Clase I Rojo : extremamente toxico Clase II Amarelo: Altamente tóxico Clase III Azul: medianamente tóxico Clase IV Verde: pouco tóxico CUIDADOS NO EMPREGO DE PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS Por Edésio Francisco de Morais Agente de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica Matéria apresentada durante a XI Reunião Anual do Instituto Biológico,

Leia mais