JOGO EDUCACIONAL PARA APOIO À DEFINIÇÃO DE CRONOGRAMA E RISCOS EM GERÊNCIA DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOGO EDUCACIONAL PARA APOIO À DEFINIÇÃO DE CRONOGRAMA E RISCOS EM GERÊNCIA DE PROJETOS"

Transcrição

1 Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Educação Superior do Alto Vale do Itajaí Departamento de Engenharia de Software JOGO EDUCACIONAL PARA APOIO À DEFINIÇÃO DE CRONOGRAMA E RISCOS EM GERÊNCIA DE PROJETOS Luigi Bertaco Cristofolini Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - SC - Brasil Resumo Neste artigo é explanada a proposta de um jogo educacional, desenvolvido para possibilitar a prática de áreas de gerenciamento de projetos descritos no guia PMBOK. Os conceitos da gerência de projetos são complexos e necessitam de formas auxiliares de ensino que permitam que o aluno vivencie o trabalho de gerente de projetos para aprender com sua experiência. O jogo tem como objetivo a aprendizagem do jogador nas áreas de gerenciamento de escopo, custo, tempo e risco por meio de simulação. O trabalho descreve as diretrizes da gerência de projetos, dos jogos educacionais e trabalhos existentes na área que foram estudados para sua construção. O jogo foi desenvolvido em plataforma web e foi validado através de uma avaliação dos aspectos de motivação, experiência do usuário e aprendizagem. Após o detalhamento do funcionamento e dos objetivos de aprendizagem relativos às funcionalidades do jogo, foi aplicada uma avaliação a uma turma de Sistemas de Informação, na disciplina de gerência de projetos da UDESC. Com a pesquisa ficou evidente que jogos simuladores podem ser úteis ao aprendizado autônomo do jogador, bem como, uma poderosa ferramenta de auxílio aos educadores ao permitir a criação de cenários dinâmicos. Palavras-chave: Jogo educacional. Gerenciamento de projetos. Aprendizagem por simulação. Abstract This paper explained the proposal for an educational game, developed to enable the practice of project management areas described in the PMBOK guide. The concepts of project management are complex and require auxiliary forms of education to enable the student to experience the project manager job to learn from their experience. The game is aimed at learning the player in the areas of scope management, cost, time and risk by simulation. The paper describes the guidelines of project management, educational games and related work in the area that have been studied for its construction. The game was developed in web and has been validated by an assessment of the aspects of motivation, user experience and learning. After the details of the functioning and learning objectives related to the features of the game, a review of a class of information systems has been applied in project management discipline UDESC. Through research it became clear that simulators games can be useful to the autonomous learning of the player as well as a powerful support tool for educators to enable the creation of dynamic scenarios. Keywords:Educational game. Project management. Learning by simulation. 1. Introdução De acordo com o Chaos Manifesto (The Standish Group, 2013), 74% dos projetos atrasam, 59% dos projetos extrapolam o orçamento e 69% não atendem aos requisitos necessários para o sucesso do projeto. O Chaos Manifesto (The Standish Group, 2013), afirma ainda, que o sucesso do projeto está altamente relacionado à definição do escopo, de forma que permita o foco em Trabalho apresentado como requisito para obtenção da titulação de especialista no curso de Pós Graduação lato sensu em Engenharia de Software, sob orientação do Prof. Pablo Schoeffel, em Novembro de 2014.

2 tarefas de alto valor para o projeto, e que, quanto menor o escopo, menor a probabilidade de riscos. Este cenário de projetos sem sucesso, diminuiu de 63% para 61% entre 2010 e 2012 (The Standish Group, 2013). Esta pequena variação de 2%, apesar da evolução e do aumento de relevância da gerência de projetos, mostra que esta é uma disciplina bastante complexa, abrangente e sua prática fora do mercado de trabalho, como em cursos ou treinamentos, é relativamente complicada, refletindo assim nos projetos reais. A criação de um jogo que permita a prática de fundamentos da gerência de projetos é relevante, pois permite que o aprendiz possa ter autonomia no seu aprimoramento como gerente de projetos, sem necessariamente depender de dinâmicas, trabalhos ou simplesmente exemplos. Além de que, segundo Ibrahim apud Schoeffel (2014), a combinação de várias abordagens podem facilitar o processo de ensino e aprendizagem, permitindo ao aprendiz ser mais pró-ativo. É desejável, que em um ambiente de jogo de computador, o usuário possa comparar seu desempenho com seus próprios resultados em jogadas anteriores, bem como, com o de outros jogadores para ter uma noção de como está a sua evolução. Inclusive criar desafios entre usuários que, não necessariamente, precisam estar próximos fisicamente. Jogos computadorizados prendem a atenção dos alunos, promovendo o desenvolvimento do raciocínio lógico e a construção do conhecimento de forma prazerosa (SILVEIRA et al, 2012). Para ensino das ferramentas e técnicas de Gerência de projetos de forma eficaz um gerente de projeto precisa aprender não apenas com a teoria, mas com a prática e vivência de projetos. Sendo assim, a experiência prática precisa ser incorporada nas estratégias de ensino (PRIKLADNICKI et al, 2008). Este trabalho se refere ao desenvolvimento de um jogo, tendo como objetivo possibilitar a aprendizagem do jogador nas áreas de gerenciamento de escopo, custos, tempo e riscos. Este aprendizado será estimulado através de simulação da definição de prioridades e delegação de tarefas de projetos. Para estimular a evolução do jogador, serão usadas pontuações que permitam a comparação com rodadas anteriores e com rodadas de outros jogadores, pois, segundo Fialho (2008), a pontuação provoca no aluno o sentimento de competição facilitando a dedicação para solucionar os problemas de forma eufórica para realizar a melhor pontuação. Este artigo está organizado da seguinte forma: na segunda seção é introduzido o conceito de gerenciamento de projetos e estratégias de ensino, na terceira seção são descritas definições de jogos educacionais, na quarta seção são apresentados trabalhos correlatos, na quinta são apresentadas as metodologias e ferramentas utilizadas na construção do jogo, na sexta seção são detalhados os objetivos e funcionamentos do jogo, na sétima seção é apresentado o resultado da avaliação realizada com alunos e por fim são realizadas as conclusões do trabalho. 2. Gerenciamento de Projetos De acordo com Ibrahim apud Schoeffel (2014), a discip ina de Gerenciamento de rojetos é teórica, em sua natureza, sendo um desafio ensinar seu conteúdo, uma vez que pode ser desinteressante quando ensinado teoricamente, que, de acordo com o PMI (2013), baseia-se nos processos de iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle, e encerramento. Onde, um processo é um conjunto de ações e atividades inter-relacionadas que são realizadas para obter um conjunto pré-especificado de produtos, resultados ou serviços. O PMI (2013) define ainda dez áreas de conhecimento envolvidas no gerenciamento de projetos que atuam em conjunto com os processos, das quais, quatro serão trabalhadas no jogo, sendo: Gerenciamento de escopo, que descreve todo o trabalho necessário e somente o trabalho necessário para que o projeto seja concluído com sucesso, sendo executados, para isto, os processos de planejar o gerenciamento do escopo, coletar os requisitos, definir o escopo,

3 criar EAP, validar o escopo, controlar o escopo. Gerenciamento de tempo do projeto, que está ligado ao esforço para que o projeto termine dentro do prazo determinado e é realizado através dos processo de planejar o gerenciamento do cronograma, definir atividades, seqüenciar atividades, estimar os recursos das atividades, estimar a duração das atividades, desenvolver cronograma e controlar cronograma. Gerenciamento de custos do projeto, que inclui os processos envolvidos em planejar o gerenciamento de custos, estimar os custos, determinar orçamento e controlar os custos, de modo que seja possível terminar o projeto dentro do orçamento aprovado. Gerenciamento de riscos, que tem o objetivo de determinar como os riscos serão identificados, analisados e como as respostas serão planejadas, através dos processos de planejar o gerenciamento de riscos, identificar os riscos, realizar a análise qualitativa dos riscos, realizar a análise quantitativa dos riscos, planejar as respostas dos riscos e controlar os riscos. No âmbito do gerenciamento de projetos de software, Sommerville (2007) afirma que um bom gerenciamento não pode garantir o sucesso de um projeto, porém conclui que o mau gerenciamento geralmente resulta na falha do projeto. "O software é entregue com atraso, custa mais caro do que foi originalmente estimado e falha ao atender seus requisitos" (SOMMERVILE, 2007). Neste contexto, Prikladnicki et al (2008) defende que o uso de métodos tradicionais não é suficiente para ensino de conceitos de gerência de projetos. A utilização de casos reais tem se mostrado uma opção eficiente e, mais recentemente, métodos como jogos ou simuladores também suprem a necessidade da vivencia do aprendiz. Desta forma, fica evidente que a gerência de projetos necessita de formas de ensino complementares, que permitam simulação e vivência do aluno para aprender com a própria experiência. Bovota apud Schoeffel (2014) afirma que um dos principais desafios, ao se tratar do ensino de gerência de projetos como parte da engenharia de software, é de proporcionar aos aprendizes, experiências que os mesmos considerem úteis, quanto à aplicação no mercado de trabalho. 3. Jogos Educacionais Propor o uso de jogos computacionais na prática de aprendizagem de gerenciamento de projetos, justifica-se por permitir que os conteúdos podem ser aplicados de forma interativa (ALVES, 2010). A interatividade dos jogos eletrônicos, prende a atenção do jogado através de desafios que exigem um esforço mental, de forma que ele não apenas perceba o contexto por outro ponto de vista, mas também desenvolva a habilidade de resolver outros problemas relacionados ao conteúdo. (ALBUQUERQUE e FIALHO, 2009). O ato de aprender e ensinar, segundo Oliveira (2001), obtém um suporte adicional com o uso de softwares educacionais e o outras formas de uso da tecnologia, como pesquisas na internet. A versatilidade dos softwares e da informação disponível permite a interação do aprendiz com o conteúdo, favorecendo a reflexão do jogador. Porém, estes meios podem ser apenas mais um agente transformador da educação e dependem da forma de utilização e o contexto em que é utilizado. Podem apresentar situações que contenham simulações, tutoriais ou sistemas inteligentes, mas o que evidencia esse tipo de software é seu caráter de divertimento, de prazer. Uma situação de jogo oferece aos usuários intensa interatividade, permitindo ampliar as relações sociais no ambiente de ensino, cativando o interesse dos alunos em relação a temas muitas vezes difíceis de ser

4 apresentados por outras abordagens. A essência do jogo educacional é a aprendizagem com prazer e a criatividade com diversão (OLIVEIRA, 2001). Os educadores possuem um papel fundamental na escolha destas ferramentas, no contexto e na forma de uso para que a construção de aprendizagem ocorra conforme o esperado. Lara (2004) afirma que a aprendizagem através de jogos permite que o aluno vivencie um processo interessante e divertido. Acrescenta que, para isso, deve-se utilizar os jogos ocasionalmente com o intuito de preencher lacunas existentes na atividade diária do aprendizado. Mas, o jogo deve ser analisado pelo professor antes de ser aplicado com os alunos, não deve se tornar o jogo obrigatório, buscar jogos onde o fator sorte não interfira na jogada, estabelecer regras e analisar as jogadas durante e depois da prática. Os jogos educacionais, obviamente, devem fornecer apoio para as necessidades pedagógicas, mas deve-se ter cuidado para não tornar o jogo somente uma ferramenta didática, sem prazer ou espontaneidade. Para Lara (2004), os mais efetivos para crescimento do jogador são os jogos em que se pode criar estratégias para uma melhor atuação, onde seja necessário criar hipóteses e possa desenvolver uma forma sistêmica de pensar, podendo existir diversas formas de solucionar o mesmo problema. Uma característica relevante ao se tratar de jogos onde existe a simulação de praticas, segundo Albuquerque e Fialho (2009), é o jogo ser um espaço que permite fracassos sem maiores prejuízos, permitindo que o jogador aprenda com seus próprios erros com a mentalidade de aceita-los como algo inerente ao processo de aprendizado. Desta forma os jogadores se avaliam e fortalecem o ego baseado no nível de dificuldade dos desafios já superados. 4. Trabalhos e Ferramentas Correlatas Durante a pesquisa, foram identificados diversos trabalhos com objetivos semelhantes ao deste. Um foi desenvolvido por Paludo (2013), um jogo educativo de gerenciamento de riscos em projetos de software chamado de RSKManager. O trabalho propõe um jogo de computador que simula o gerenciamento de um projeto de software, onde são envolvidas as atividades de identificação, análise, monitoramento e controle, planejamento e respostas aos riscos do projeto. Outro trabalho estudado durante a pesquisa, foi desenvolvido por Rausis e Soares (2011), sendo um jogo educacional para o ensino de gerenciamento de projetos em cursos de graduação na área de computação. Onde, foi focado principalmente no grupo de processos de monitoramento e controle usando técnicas de valor agregado, seguindo um estilo de dedução investigativa. Também foi avaliado o trabalho de Mira et al (2012), que desenvolveu um jogo chamado ProMEG focado no ensino de gerência de projetos na área de gerência de recursos humanos. O intuito principal do jogo, é levar o jogador ao ambiente simulado do projeto de um desenvolvimento de software, onde deve responder perguntas que definem um projeto, contratar funcionários e lidar com problemas diversos durante o desenvolvimento do projeto. Em comparação ao jogo desenvolvido neste trabalho e os trabalhos correlatos, todos possuem o intuito de permitir a prática e a vivencia do aprendiz na gerência de projetos, porém, Rausis e Soares (2011) desenvolveram um jogo de estratégia baseado em entrevistas, necessitando a presença de mais jogadores para ser aplicável. Em relação aos jogos de Paludo (2013) e Mira et al (2012), que também são jogos de computador, a prática integrada de mais de uma área de gerenciamento de projetos ao mesmo tempo é o diferencial, pois cada um dos projetos atua em apenas uma área. Há também, atualmente, alguns jogos disponíveis no mercado para a área de gerência de projetos, alguns de cunho comercial, com diferentes características, apresentações, usabilidade e objetivos de aprendizagem. Foram analisadas e verificadas as intenções pedagógicas de alguns destes jogos, além da experiência do usuário e a mecânica dos resultados.

5 O The Project Manager Game (THATPMGAME, 2014) é um jogo em que o usuário atribui colaboradores para tarefas em um cronograma já sorteado pelo sistema. Após a escolha dos colaboradores, inicia-se a passagem do tempo simulando a execução das tarefas. O sistema avalia se as tarefas foram concluídas e qual o custo total das execuções dando um resultado de vencedor ou perdedor. Durante a pesquisa também foi conhecido o Super Manager, que é um jogo plataforma, onde o usuário controla um personagem que deve caminhar pelo cenário pulando pelos obstáculos e arrecadando itens relacionados com a gerência de projetos. É bastante interativo, porém, a absorção do conteúdo e das técnicas da disciplina de gerência de projetos não é algo relevante para a conclusão dos níveis do jogo (SUPERMANAGER, 2014). Existe ainda o Project Arena que, segundo a página do desenvolvedor, é uma ferramenta de treinamento que desafia, entretém e avalia seus participantes, expondo-os, em formato de jogo de negócios, às situações corriqueiras de um escritório de projetos. Porém, é um jogo pago, complexo e demorado para finalizar, suas versões mais simples duram entre 8 e 12 horas, podendo chegar até 40 horas na versão completa (PROJECT ARENA, 2014). Comparando estas ferramentas com jogo desenvolvido, como diferencial em relação ao The Project Manager Game existe a possibilidade de comparar o total de pontos em cada rodada para perceber a evolução do jogador. O Super Manager, foi desenvolvido de forma que a aprendizagem de gerência de projetos não interfere no resultado do jogo e não possibilita a vivencia das áreas da disciplina. E, o Project Arena, necessita de pessoas disponíveis, local e hora marcados, não possibilitando a autonomia ao jogador de praticar em qualquer momento. 5. Metodologia O sistema foi desenvolvido em plataforma web, linguagem Ruby e Javascript, banco de dados PostgreSQL, utilizando padrões de projetos e frameworks já existentes, como Rails e jquery para auxílio no desenvolvimento, usabilidade e design do sistema. O gerenciamento do desenvolvimento do projeto foi realizado através da ferramenta Trello, que permite a aplicação de metodologias ágeis baseadas em Kanban, onde é possível acompanhar o status de cada tarefa identificada. Este serviço serviu de apoio para o desenvolvimento do software e deste artigo. Para validação do trabalho, foi realizada a aplicação de uma avaliação proposta por Savi (2011), aseado no mode o de a a ia o de programas de treinamento de ir patric, nas estratégias moti acionais do mode o S de e er, na área de experiência do usuário e na taxonomia de objetivos educacionais de Bloom. Durante a preparação, foram definidas as tarefas para execução dos participantes, foram recrutados participantes de uma turma de Bacharel em Sistemas de Informação durante a disciplina de gerenciamento de projetos e preparados os materiais para a coleta de dados. Durante a condução do teste, foi apresentada a ferramenta, foram explicadas as tarefas a serem desenvolvidas pelos jogadores e, após diversas rodadas executadas, foi aplicado um questionário elaborado com o intuito de avaliar a qualidade do jogo em relação a motivação, experiência de usuário e aprendizagem. Após os dados coletados e tabulados, foram dispostos em gráficos para facilitar a análise qualitativa e quantitativa, sendo possível assim, extrair do resultado da pesquisa as conclusões referentes aos pontos avaliados, bem como identificar falhas ocorridas ao decorrer do teste. 6. O Jogo Baseado nas definições de gerência de escopo, tempo, custo e risco do PMBOK, foi desenvolvido o jogo com intuito de ser educativo, divertido e competitivo. Para isto, foram utilizadas estratégias, como clicar e arrastar, navegação simples com menu superior e elementos

6 de animação para facilitar a jogabilidade e atrair a atenção do usuário. O jogo é executado por um único jogador a cada rodada, que necessita estar cadastrado para jogar, tendo seus resultados salvos,que poderão ser comparados com resultados anteriores e com resultados de outros jogadores. A comparação de resultados com outros jogadores será em forma de grupos criados, associando vários jogadores a um cenário. A comparação será realizada automaticamente através das definições do mecanismo do jogo, que será dividido em cadastro de base de conhecimento, ações de usuário e inteligência do sistema. O cadastro de base de conhecimento é o local onde os cenários serão criados, contendo o escopo do projeto, as atividades possíveis de serem realizadas para atender o escopo, sendo possível diferenciar atividades obrigatórias para o sucesso do projeto e atividades que não são obrigatórias, juntamente com seu tempo de execução. As tarefas podem ter sequenciamento com relação de precedência de término para início. É necessário também o cadastro de atores para o cenário, que possuem uma velocidade e um valor por hora. Por fim, deve ser incluído um custo máximo e prazo máximo para a conclusão do projeto e os riscos possíveis com uma estimativa de custo de ocorrência, custo para prevenção e uma chance estatística do seu acontecimento. Da forma como foram projetados, os cadastros de cenários possibilitam que o educador possa definir cenários úteis para a utilização do jogo como uma forma de apoio ao seu processo de ensino de gerência de projetos. Permite também, que diferentes níveis de dificuldade sejam explorados, inclusive, permitindo a utilização de casos reais ou formas lúdicas. Figura 1 - Detalhes do escopo (Acervo do autor) Ao criar uma nova rodada, serão exibidos ao jogador os detalhes do cenário que ele deve executar. Como pode ser visto na Figura 1, as informações disponíveis ao jogador são: orçamento, prazo e a descrição completa do escopo do cenário. A dificuldade do jogo, bem como o detalhamento da suas informações, depende da qualidade e dos objetivos do cadastro destes cenários. Neste momento o jogador é apresentado ao desafio do gerenciamento de escopo. O

7 entendimento do que está sendo solicitado no escopo deve definir quais serão as tarefas necessárias e desnecessárias para o sucesso do projeto. Figura 2 - Ambiente de tomada de decisão durante o jogo (Acervo do autor) As ações do usuário serão os resultados da interpretação dos dados do cenário feita pelo jogador, que deverá decidir quais tarefas executar para atingir todos os objetivos do escopo dentro do prazo e do custo estimados. Conforme Figura 2, o jogador deverá priorizar as tarefas de forma que obedeçam as dependências entre tarefas, arrastando as tarefas da coluna "Tarefas disponíveis" para a coluna "Tarefas p/ executar" na ordem desejada, assim como os atores definidos para execução, arrastando-os para cima da tarefa a qual será responsável. A informação das tarefas obrigatórias é subjetiva, não é informado ao jogador quais tarefas são necessárias para o sucesso do projeto. Para isto, o cenário cadastrado deve ser cuidadosamente coerente entre os detalhes do escopo e a descrição das tarefas, de forma que jogador possa decidir e praticar o gerenciamento de escopo baseado apenas nas suas descrições. Esta característica do jogo, permite também a criação de cenários com níveis de dificuldade diferenciados. Em relação a prática e a retenção de aprendizagem referente ao gerenciamento de tempo, serão apresentados ao jogador, todos os tempos estimados para cada tarefa. A realização da tarefa no tempo estimado vai refletir de acordo com a velocidade do ator selecionado para sua execução. Neste momento também é necessária a decisão subjetiva do jogador em relação à precedência das tarefas, de forma que esta informação também não é passada aos jogador de forma objetiva, sendo necessária a decisão lógica baseada nas descrições das tarefas. Durante a definição dos atores para cada tarefa, também é exercitado o gerenciamento de custo, onde cada ator possui um valor por hora que será calculado de acordo com o tempo necessário para ele executar a tarefa. Neste ponto também é levada em consideração a velocidade do ator, sendo calculado o custo da execução da tarefa em relação ao tempo para conclusão da

8 tarefa, não o tempo estimado. Por último, serão apresentados ao jogador os riscos do projeto e o mesmo deverá definir se assume o custo para prevenção ou se deseja correr o risco, clicando sobre cada risco apresentado para alternar entre "Prevenido" (contorno verde) ou "Não prevenido" (contorno vermelho). A prática, referente ao gerenciamento de riscos, é totalmente objetiva e matemática, expondo todas as informações ao jogador (probabilidade de ocorrência, custo de prevenção e, caso não pre enido, custo de ocorrência). Este é o único ponto onde o fator sorte pode inf uenciar na jogada, porém, isto foi proposto para simular um projeto real, onde o risco também não pode ser totalmente controlado. De toda foram, é uma atividade que deve ser cadastrada com cuidado na criação do cenário. Após as ações tomadas pelo usuário, o sistema mostra o tempo transcorrendo cronologicamente, conforme a Figura 3, simulando todas as decisões tomadas pelo usuário no escopo definido previamente, de forma que calcule se todas as tarefas definidas foram executadas dentro do tempo e do custo do projeto. O sistema verifica também se nenhuma tarefa obrigatória para o sucesso ficou pendente, realiza um sorteio para ver se o risco ocorreu (representado por um dado vermelho) e avalia o impacto do mesmo no projeto. Figura 3 - Representação das ações do usuário em forma de cronograma (Acervo do autor) A execução do projeto organizada cronologicamente permite que o jogador visualize o resultado das delegações de tarefas realizadas de uma forma que ele possa identificar seus erros e acertos para, na próxima rodada, corrigi-los e aumentar sua pontuação buscando o sucesso no cenário. Ao fim, é exibido um relatório com os pontos para cada tarefa cumprida, pontos por sobra de tempo, pontos por sobra de recursos e pontos pela decisão referente ao risco, conforme Figura 4. Neste relatório, todas as informações quem impactam no tempo total, custo total e pontuação da rodada são detalhados. Isto inclui, quais tarefas são ou não são necessárias, quanto tempo cada ator levou para execução e qual o custo final desta tarefa. Também são exibidos os risco e seu impacto em pontos e valores no projeto.

9 Figura 4 - Relatório final com detalhes da execução da rodada (Acervo do autor) Os objetivos de aprendizagem do jogo, são baseados em metodologias de gerência de projetos visando a fixação de conteúdos teóricos de forma prática. A evolução dos jogadores pode ser avaliada de acordo com a melhora de seus resultados após a prática das metodologia com o jogo em várias rodadas nas seguintes tarefas: Analisar o escopo definido pelo sistema e as tarefas disponibilizadas selecionando as tarefas necessárias para alcançar o objetivo definido pelo sistema. Analisar as tarefas a serem executadas atribuindo ordem de prioridade. Aplicar os conceitos de precedência entre tarefas de fim ao início, para identificar dependências entre tarefas e criar um cronograma planejando a melhor execução do projeto, buscando atender ao escopo dentro do custo e do prazo estimados. Analisar as pessoas disponíveis para a realização das tarefas, atribuindo responsáveis para cada uma delas, de forma que seja possível atender ao escopo dentro do custo e do prazo estimados. Avaliar os riscos apresentados pelo sistema, checando a necessidade do custo extra para a prevenção dos mesmos. Como forma de aumentar a competitividade e a identificação das etapas do processo que o jogador precisa melhorar, foram definidas as pontuações para cada ação possível: Gestão de escopo: o jogo somará 100 pontos para cada tarefa obrigatória executada e diminuirá 200 pontos para cada tarefa não obrigatória executada. A execução de todas as tarefas obrigatórias é critério de sucesso, a não conclusão de qualquer tarefa obrigatória resultará em falha e perda de pontos. Gestão de tempo: o jogo irá verificar se todas as tarefas foram cumpridas dentro do prazo, pelos atores destinados a ela na decisão jogador. No fim da execução das tarefas,

10 para cada hora extrapolada serão diminuídos 10 pontos do usuário. Gestão de custo: o jogo irá verificar qual o custo da execução da tarefa pelo ator indicado pelo usuário, serão diminuídos 10 pontos do usuário de acordo com o valor que extrapolar o orçamento. Gestão de risco: o jogo irá sortear, baseado em probabilidade, se os riscos disponíveis ocorreram ou não, caso o risco ocorra, o usuário perderá 100 pontos se tiver optado por não se precaver ao risco e ganhará 200 pontos se tiver optado por se precaver. 7. Validação A qualidade do jogo com respeito a motivação, experiência do usuário e aprendizagem, sob o ponto de vista da percepção dos alunos no aprendizado de gerência de projetos, foram avaliadas durante uma aula da disciplina de Gerência de Projetos de uma turma de Bacharelado em Sistemas de Informação. Durante a aula, foi disponibilizado acesso ao jogo aos cinco alunos presentes, que também responderam a avaliação. A avaliação foi elaborada de acordo com o modelo de avaliação de jogos educacionais descrito por Savi (2011), que, de acordo com o modelo, o questionário disponibilizado possuía vinte e sete perguntas para avaliar treze fatores divididos entre motivação, experiência do usuário e conhecimento. Referentes à motivação, sendo eles, atenção, relevância, confiança e satisfação. Referente à experiência do usuário, avaliam-se os fatores imersão, desafio, competência, divertimento e interação social. E por último, referente à aprendizagem, avaliam-se conhecimento, compreensão e aplicação. Para todas as perguntas foram permitidas seleções de valores de 1 a 5 baseados na escala Likert, sendo, 1 para "discordo fortemente" e 5 para "concordo fortemente". A Figura 5 apresenta os resultados dos aspectos referente à motivação, onde pode-se notar que em praticamente todos os aspectos houve uma concordância acima de 50%. Porém, é possível notar que existe uma discrepância nos resultados obtendo, na maioria das questões, discordâncias e concordâncias, com exceção de duas, onde os resultados foram neutros e positivos. Figura 5 - Resultado dos aspectos de motivação (Acervo do autor) Na Figura 6, pode ser visto que nos aspectos de experiência do usuário o nível de concordância foi menor, em 40% para a maioria dos casos, onde, novamente pode se perceber uma variação nas respostas. Apenas uma questão ficou somente com respostas neutra ou com concordância.

11 Figura 6 - Resultado dos aspectos de experiência do usuário (Acervo do autor) Em relação aos aspectos de aprendizagem, temos uma taxa de concordância parecida com os aspectos de usuário, em 40%, como pode ser visto na Figura 7. Pode-se observar que a variação de avaliação das respostas se repetiu neste aspecto, sem nenhuma resposta totalmente positiva ou totalmente negativa. Figura 7 - Resultado dos aspectos de aprendizagem (Acervo do autor) Em uma análise geral de todas as respostas, foi possível notar que todos os aspectos obtiveram avaliações com uma variação. Tendo que houve uma baixa quantidade de avaliadores, não foi possível realizar análise estatística de forma confiável, sendo assim difícil concluir o motivo das discrepâncias entre as respostas. Porém, em uma análise numérica, é observada que 46% concorda ou concorda fortemente com os aspectos consultados, 34% discorda ou discorda fortemente, enquanto 20% sentiu-se neutro perante o aspecto, conforme a Figura 8. Além da maior parte das respostas sendo positivas, onde o jogador concorda ou concorda fortemente, em nenhuma questão foi identificada uma avaliação totalmente negativa.

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

PLANAGER Um Jogo para Apoiar o Ensino de Gerência de Projetos de Software

PLANAGER Um Jogo para Apoiar o Ensino de Gerência de Projetos de Software PLANAGER Um Jogo para Apoiar o Ensino de Gerência de Projetos de Software Ricardo Rosa Eric Kieling Prof. Rafael Prikladnicki Contato:ricardo.zr@gmail.com Agenda Por que um jogo? Apresentação da Ferramenta

Leia mais

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos)

Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Gerenciamento de Riscos (Principais Conceitos) Carlos Sérgio Mota Silva, PMP, CBPP Instrutor Certificado PMP pelo PMI e CBPP pela ABPMP MBA Executivo pela COOPEAD-UFRJ Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

PizzaMia: Dinâmica Vivencial para Apoio ao Ensino de Gerenciamento de Projetos Baseado no PMBOK

PizzaMia: Dinâmica Vivencial para Apoio ao Ensino de Gerenciamento de Projetos Baseado no PMBOK PizzaMia: Dinâmica Vivencial para Apoio ao Ensino de Gerenciamento de Projetos Baseado no PMBOK Pablo Schoeffel 1 1 Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração.

Palavras-chave: Experiência. Dificuldade. Programação. Projeto. Colaboração. Gestão de projetos técnicos de baixa complexidade: a relação entre projeto, gestão e desenvolvimento do site SETIS Bruno Bergmann bernemano@gmail.com Felipe Valtl de Mello valtlfelipe@gmail.com Gabriel

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

I ENCOSMAT ENCONTRO SUL MATOGROSSENSE DE MATEMÁTICA. Ponta Porã MS, 24 a 26 de Agosto de 2011

I ENCOSMAT ENCONTRO SUL MATOGROSSENSE DE MATEMÁTICA. Ponta Porã MS, 24 a 26 de Agosto de 2011 I ENCOSMAT ENCONTRO SUL MATOGROSSENSE DE MATEMÁTICA εηs!ηθ Σ Λρ1!cαçõεs Ponta Porã MS, 24 a 26 de Agosto de 2011 S B M O JOGO MINI FAZENDA MATEMÁTICA COMO UM RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Ensino de Gerência de Projetos de Software com o Planager i

Ensino de Gerência de Projetos de Software com o Planager i Ensino de Gerência de Projetos de Software com o Planager i Rafael Prikladnicki, Ricardo Rosa, Eric Kieling Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 CEP

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

3 Jogos Sérios e Educação O avanço tecnológico tem transformado e contribuído para a melhoria da prestação de serviço em diversas áreas. No contexto educacional, novos sistemas e equipamentos têm sido

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade III GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade III GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

SOFTWARE DE AUTORIA. Andréa C. Primerano aprimerando@bol.com.br Faculdade Sumaré Rua Gonçalo Nunes, 368 03407-000 São Paulo SP

SOFTWARE DE AUTORIA. Andréa C. Primerano aprimerando@bol.com.br Faculdade Sumaré Rua Gonçalo Nunes, 368 03407-000 São Paulo SP SOFTWARE DE AUTORIA Marilena M. Pamboukian mari@macsystemeduc.com.br Universidade de São Paulo Escola Politécnica Prof. Luciano Gualberto, tr. 3, 158 05508-900 São Paulo SP Sergio V. D. Pamboukian sergiop@mackenzie.com.br

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Ficha técnica do curso

Ficha técnica do curso Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática 40h Domine os conhecimentos em gerenciamento de projetos e esteja um passo a frente no mercado. Cada vez mais, as empresas reconhecem a importância de profissionais

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI

Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI Preparatório Para o Exame de Certificação PMP Gerenciamento de Projetos PM00.99 YOUR ACHIEVEMENT! OUR GUIDANCE TenStep PMP Exam Prep PRÉ-APROVADO PELO PMI Este é o curso ideal para os gerentes de projetos

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais