Dez anos a serviço da Engenharia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dez anos a serviço da Engenharia"

Transcrição

1 Informativo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural I N F O R M A Ano 8 - Nº 41 Janeiro - Fevereiro/2004 Dez anos a serviço da Engenharia 3 ABECE promove curso sobre NB-1/ 2003 em convênio com o Ibracon Estrutural 5 Acontece a 9 nas Regionais 12 5 a 9 12 A importância dos back ups no Compartilhando Experiências

2 EDITORIAL Av. Brigadeiro Faria Lima, cj. 2D CEP São Paulo - SP Tel.: (11) Fax (11) Presidente Júlio Timerman Vice-presidente Valdir da Silva Cruz Diretor administrativo-financeiro José Luiz Cavalheiro Diretores Antranig Muradian, Augusto Guimarães Pedreira de Freitas, Fernando M. Mihalik, José Roberto Braguim, Justino Vieira, Luiz Cholfe, Paulo Rafael Cadaval Bedê e Wagner Gasparetto Conselho deliberativo Alberto Naccache, Antonio Carlos Laranjeiras, Augusto Carlos Vasconcelos, Catão Francisco Ribeiro, Celso Augusto Cortez, Kalil José Skaf, Luiz Roberto Pasqua, Marcelo Rozenberg, Marcos de Mello Velletri, Ricardo Leopoldo e Silva França e Sergio Vieira da Silva ABECE Informa é uma publicação bimestral da ABECE - Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural Conselho Editorial Diretoria Executiva da ABECE Produção Prefixo Comunicação S/C Ltda. Tels./Fax: (11) / Editora Rosana Córnea (MTb 17183) ABECE, uma década em defesa da Engenharia Estrutural E m 2004, a ABECE completa dez anos de atividade e permanente preocupação com a valorização profissional do engenheiro estrutural. Não se pode falar desta entidade sem recordar as primeiras reuniões de um grupo de projetistas de estruturas que, já naquele tempo, preocupava-se com a desvalorização da profissão. A partir destas reuniões, e com a ampliação do Atual diretoria número de participantes, deu-se a fundação da ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural), em 17 de Outubro de Representando um marco para a engenharia estrutural nacional, após a criação da Associação, pudemos nos conhecer melhor, trocar experiências e nos vermos mais colegas do que concorrentes. Um grupo de abnegados montou os estatutos e regulamentos desta nova entidade, comandada inicialmente pelo eng. Marcos Velletri, que a dirigiu por duas gestões consecutivas. Foi um trabalho árduo que proporcionou sólidas bases, bem como crescente e contínua evolução da ABECE. Findo o mandato de Velletri, foi eleito o eng. Francisco Graziano, responsável por orientar um novo grupo; a meta foi a divulgação da nossa associação com a promoção de atividades e a participação em várias instituições. Após dois anos, assumiu um novo presidente: o eng. Marcelo Rozenberg. Em sua gestão, não só deu continuidade às ações implementadas nas administrações anteriores, como também adotou medidas que colocaram a ABECE em posição de destaque, com trabalho reconhecido por outras entidades de classe. Agora, estamos com a missão e a responsabilidade de levar adiante o trabalho dos nossos colegas que nos antecederam. Nossa meta, além de promover a valorização profissional, consiste em tornar a ABECE uma entidade representativa de todos os membros da engenharia estrutural nacional. Para tanto, promovemos a consolidação e reativação de diversas regionais, pois acreditamos que só assim seremos fortes. Conseguimos ao longo desta década, implantar algo que, se não é o ideal, ao menos aponta para novos horizontes, pois atuamos juntos: realizamos eventos e cursos para formar e informar nossos sócios e participamos de comissões que dão subsídios para a elaboração de leis e normas na área de engenharia. Defendemos nossa classe em jornais e emissoras de TV e rádio, expondo idéias e conceitos que possam trazer benefícios à nossa profissão. Implementamos ainda, com o objetivo de fortalecer os canais de comunicação da entidade, a publicação ABECE Informa (a partir desta edição, totalmente reformulada, com novos espaços e nas versões impressa e on-line) e o informativo eletrônico ABECE News, além de reformularmos o site da entidade (com visual atraente e mais conteúdo). Promovemos e elaboramos o Escopo, Contrato, Proposta, Seguro e participamos também de Fórum de Impostos, Comissões de Normas de Concreto, Alvenaria, Estrutura Metálica, entre outros, mas ainda temos muito a fazer... Colegas, estamos de braços abertos para recebê-los e, juntos, tornarmos a ABECE mais forte e unida. Por fim, parabenizamos a todos que, de uma forma ou de outra, colaboraram para o êxito desta entidade, deixando seus escritórios e comprometendo, inclusive, o tempo dedicado à família. Estejam certos de que se muitas vezes a situação é difícil com a ABECE, com certeza seria muito pior sem ela!!! Júlio Timerman / Presidente Valdir Silva da Cruz / Vice-presidente

3 3 V isando sempre a atualização profissional de seus associados, a ABECE firmou, no dia 13 de janeiro, um convênio com o Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto) para a promoção em vários locais do Brasil do Curso Intensivo - Atualização sobre a NBR 6118: Projeto de Estruturas de Concreto. Resultante desta iniciativa, assinada pelos presidentes Júlio Timerman (ABECE) e Paulo R. L. Helene (Ibracon), o primeiro curso aconteceu no período de 4 a 7 de fevereiro, no Hotel Parthenon Le Corbusier (São Paulo - SP), e reuniu 70 participantes. Com carga horária de 36 horas, divididas em quatro dias, o curso aborda as principais mudanças na nova NB-1/ 2003 e é ministrado pelos engenheiros José Zamarion F. Diniz, Paulo R. L. Helene, Francisco Paulo Graziano, Fernando R. Stucchi, Ricardo L. S. França e Lauro Modesto Santos. Contribuindo para a formação contínua ABECE firma convênio e promove curso intensivo sobre NB-1/ 2003 Participantes da primeira turma do curso realizado no período de 4 a 7 de fevereiro, em São Paulo São distribuídos aos participantes os materiais Práticas Recomendadas do Ibracon - Comentários Técnicos da NBR 6118 e Edifícios de Nível I - Estruturas de Pequeno Porte. Segundo o presidente da ABECE, o convênio firmado é um importante instrumento para fortalecer a proposta da ABECE em investir na reciclagem do conhecimento. "Esta iniciativa visa informar e formar os projetistas de estruturas sobre os novos critérios da Norma, colocando-os em sintonia com todas as recomendações", reforça. As inscrições para a próxima turma, que está prevista para o período de 24 a 27 de março, já estão abertas e as informações podem ser obtidas pelo tel. (11) ou Curso sobre ação dos ventos nas estruturas altas Está sendo programado, na sede da ABECE (São Paulo-SP), o curso A ação dos ventos nas estruturas altas, ministrado pelo eng. Mário Franco, reconhecido como uma das maiores autoridades em engenharia estrutural do país e vencedor do I Prêmio ABECE/ GERDAU. O curso abordará desde a natureza dos ventos, o processo de interação vento-estrutura, noções de dinâmica nas estruturas, formulações aproximadas no plano do vento, até ensaios, exemplos e comparações de resultados. Informações pelo tel. (11)

4 A Fórum Permanente em Defesa do Setor de Serviços ABECE integra o Fórum e participa ativamente das ações empreendidas s atividades do Fórum Permanente em Defesa do Setor de Serviços, iniciadas há quase um ano, têm se intensificado nos últimos meses, face às recentes decisões do poder público contra o setor que, invariavelmente, resultam no aumento da carga tributária. Suas ações têm se concentrado mais na cidade de São Paulo e vêm contando com o envolvimento crescente de várias entidades que fazem parte do setor de serviços. Segundo o diretor Fernando M. Mihalik, representante da ABECE nas reuniões do Fórum, as dificuldades operacionais e de logística vêm apresentando resultados positivos na defesa deste setor, enfraquecido pelos incessantes aumentos da carga tributária. O Fórum, que é uma organização sem vínculos políticos, pretende, de forma crescente e consistente, respaldarse e encontrar meios de sensibilizar os Poderes Públicos sobre os reflexos nefastos representados pelo incessante aumento da carga tributária para todo o setor de serviços, entendendo como indispensável a simplificação do regime tributário das micro e pequenas empresas, enfatiza. Dentre as principais ações do Fórum destacam-se: - forte atuação junto ao Poder Legislativo Municipal da Cidade de São Paulo no sentido de assegurar a aplicação do ISS (Imposto sobre Serviços) para as sociedades de profissionais em regime de alíquota fixa, ou seja, sem a aplicação pura e simples de uma porcentagem sobre o faturamento. A lei que alterou a legislação sobre o ISS, de nº , foi promulgada em 24 de dezembro de 2003 e também dispensa as sociedades de profissionais da emissão e escrituração de documentos fiscais, embora mantenha a DES (Declaração Eletrônica de Serviços); - empenho junto ao Executivo Municipal de São Paulo no sentido da regulamentação das obrigações acessórias, como a DES para o presente exercício, cuja sistemática ainda não foi definida; - desenvolvimento de estudos e análises de casos práticos de composição de custos de uma micro empresa para identificação de problemas, visando dar suporte ao trabalho que vem sendo implementado pelo Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), principalmente no Estado de São Paulo, subsidiando, assim, propostas para a elaboração da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) e explicitando à opinião pública os problemas vividos pelo setor. Inicialmente, estes estudos inicialmente têm usado como exemplo dados reais de um pequeno escritório de prestação de serviços de engenharia ou arquitetura e estão sendo ampliados para outros setores. De sua análise fica evidente a alta incidência de tributos que penaliza empresas, como os escritórios de projeto. - promoção de eventos com a apresentação de especialistas para a abordagem e discussão dos pontos polêmicos e indefinidos com respeito à atual legislação que rege o recolhimento da Cofins (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social) e seus impactos nas empresas de prestação de serviços. Essa iniciativa busca, também, o embasamento para sensibilização e reivindicação de alteração da sistemática deste tributo junto ao poder federal, com a apresentação da forma desigual de tratamento dado ao setor de serviços em comparação aos demais setores. Para o eng. Mihalik, a ABECE pode intensificar sua participação nas ações previstas pelo Fórum através da atuação de suas Regionais. Podemos engrossar as fileiras daqueles que pretendem impedir que a voracidade estatal brasileira, aliada à visão errônea dos que entendem que a atividade empresarial não gera desenvolvimento, venha a decretar a falência do setor de projetos de engenharia, alerta. É importante para o Fórum que outras entidades representativas do setor venham a se integrar ao grupo, visando ao fortalecimento das ações a serem implementadas. Interessados devem entrar em contato pelo tel. (11) ou por intermédio da entidade que o representa. Composição do Comitê Diretivo do Fórum: APM - Associação Paulista de Medicina; Sescon-SP - Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis, de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo; Sinaenco - Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva; Sindcont/SP - Sindicato dos Contabilistas de São Paulo e Sindhosp - Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado de São Paulo Bauma 2004 Data: 29 de março a 4 de abril de 2004 Local: Munique - Alemanha Tel.: (11) / º Seminário de Pré-Fabricados de Concreto Data: 13 a 15 de abril de 2004 Local: Novotel Center Norte - São Paulo - SP Tel.: (11) Membros do Fórum: ABECE - Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural; Aescon/SP - Associação das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo; Anefac - Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade; Apejesp - Associação dos Peritos Judiciais do Estado de São Paulo; Asbea - Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura; ACSP - Associação Comercial de São Paulo; Audibra - Instituto dos Auditores Internos no Brasil; Cesa - Centro de Estudos das Sociedades de Advogados; CRC/SP - Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo; Corecon/SP - Conselho Regional de Economia de São Paulo; Corcesp - Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de São Paulo; Fecomércio/SP - Federação do Comércio do Estado de São Paulo; Fenacon - Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas; Fecontesp - Federação dos Contabilistas do Estado de São Paulo; Fenecon - Federação Nacional dos Economistas; IAB - Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento de São Paulo; Ibracon - Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes do Brasil - 5ª Seção Regional; Ordem dos Economistas de São Paulo; Sindecon-SP - Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo; Sindetur/SP - Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo; Sircesp - Sindicato dos Representantes Comerciais Autônomos e das Empresas de Representação Comercial do Estado de São Paulo. Feicon Feira Internacional da Indústria da Construção Data: 13 a 17 de abril de 2004 Local: Parque de Exposições do Anhembi - São Paulo - SP Tel.: (11) Innovative Materials and Technologies for Construction and Resoration Data: 6 a 9 de junho de 2004 Local: University of Lecce - Italy

5 5 ACONTECE NAS REGIONAIS Belo Horizonte A ABECE e Sinduscon-MG realizam palestra sobre a nova NB-1 Delegacia Regional de Belo Horizonte, em parceria com o Sinduscon-MG (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Minas Gerais), promoveu, no dia 18 de novembro de 2003, a palestra A Nova NB-1 (NBR 6118:2003) - Mudanças, Desafios e Responsabilidades para a Construção Civil. Aprimorando qualidade na construção civil Ministrada na sede da FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais) pelo engenheiro associado da ABECE José Celso da Cunha, a palestra versou sobre significativas mudanças ocorridas em relação à NBR 6118:1978 e suas influências no dia-a-dia de todos os envolvidos no setor da construção civil. Dentre os pontos abordados durante o encontro, destaque para a definição das responsabilidades do contratante dos serviços de projeto estrutural. Palestra sobre NB-1 reuniu expressivo número de participantes Regional promoveu o curso Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia, a palestra sobre escopo de serviços de engenharia estrutural (com o diretor da ABECE eng. Augusto Guimarães Pedreira de Freitas) e um painel de discussão sobre a NB-1, eventos que reuniram expressivo número de participantes. Ao lado de instituições, sindicatos e associações ligados à indústria da construção civil, a Regional participa das reuniões ordinárias da CIC/ FIEMG (Câmara da Indústria da Construção - órgão do Sistema Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais). Assim, no próximo mês de agosto, a Regional estará presente ao MinasCon, evento promovido pela Câmara, apresentando a Mostra de Projetos Estruturais em Minas Gerais. Responsável por reunir dezenas de profissionais, o evento resultou da parceria firmada entre as entidades visando ao aprimoramento da qualidade dos serviços prestados nas diversas etapas da cadeia da construção civil. Segundo o delegado regional, eng. Márcio R. F. Capetinga, e o Diretor de Tecnologia do Sinduscon-MG, eng. Cantídio Alvim Drumond, novos encontros serão agendados no decorrer do ano. Em sintonia com os principais movimentos do setor Ainda no segundo semestre do ano passado, a Delegacia Especialmente convidada, a Delegacia Regional integra o Conselho da Comunidade da Construção em Belo Horizonte, que está desenvolvendo um programa de melhorias para o setor; a iniciativa conta com a presença de dez das mais significativas empresas construtoras da região. Também está presente aos encontros promovidos pela Secretaria Executiva do PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade na Habitação) com associações do setor de projetos do Estado de Minas Gerais. O objetivo é aprovar um acordo setorial junto ao Governo do Estado que possibilite enquadrar as empresas no Plano Setorial de Qualidade para fins de contratação de serviços por parte do Governo.

6 ACONTECE NAS REGIONAIS Fortaleza A Nova norma em pauta nova NB-1/ 2003, cuja vigência tem início em março, foi pauta dos mini-seminários realizados, em 2003, pela Delegacia Regional de Fortaleza junto aos profissionais associados. Neste ano, os eventos prosseguem e, favorecendo a discussão do tema, o eng. Joaquim Mota participou, no período de 4 a 7 de fevereiro, do Curso Intensivo - Atualização sobre a NBR 6118: Projeto de Estruturas de Concreto, promovido em São Paulo pela ABECE em convênio com o Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto). "O ano está começando e as expectativas são grandes. De forma ampla, o setor de engenharia aguarda a retomada do desenvolvimento do país, sem o qual não há Mini-seminários discutem a NBR 6118:2003 Atenta à formação contínua dos profissionais, através do estabelecimento de espaço para discussão de temas de interesse do setor, a Delegacia Regional realizou, ao longo de 2003, uma série de atividades com ampla participação dos associados. Dentre os eventos, destaque para o Seminário de Estruturas Protendidas com o Uso de Cordoalhas Engraxadas que, no início do ano, foi responsável por reunir aproximadamente 120 convidados, dentre representantes das cidades de Belém, Natal, Recife e Maceió, e, como palestrantes, os crescimento para nossa área e, de modo mais específico, temos o acolhimento da nova NBR 6118:2003 que vigorará a partir de março", destaca o delegado regional eng. Sérgio Otoch. Eventos que visam aperfeiçoar o conhecimento engenheiros Antonio Carlos Reis Laranjeiras, Eugênio Cauduro, Giordano Loureiro e Jorge Batlouni Neto. Outra importante iniciativa foi a promoção da palestra Dimensionamento e Execução de Pavimentos Industriais de Concreto Armado e o Uso de Telas Soldadas na Construção Civil e do curso Teoria e Prática Atuais do Projeto de Lajes Protendidas realizado em várias cidades (Fortaleza, Natal, Brasília e Goiânia).

7 ACONTECE NAS REGIONAIS Porto Alegre Atividades congregam profissionais da engenharia estrutural estaque das atividades promovidas pela Regional de Porto Alegre por ser pioneiro no Brasil e o único com carga horária de 124 horas-aula, o Curso de Atualização em Concreto Armado e Protendido, que teve início em 16 de julho de 2003, será concluído no início deste ano com as presenças dos engenheiros Fernando R. Stucchi, José Zamarion F. Diniz e Ricardo Regional investe em cursos e palestras D L. S. França para proferirem palestras sobre a nova NB-1/ A Regional pretende investir, neste ano, em cursos sobre tecnologia de materiais para engenheiros de estruturas, sobre estruturas metálicas e Marketing para Engenheiros e Arquitetos - este em parceria com a Asbea/RS (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura do Rio Grande do Sul). "Além disso, apresentaremos uma proposta ao IBAPE (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia) para criar um fórum de discussão sobre perícias em engenharia", ressalta o eng. Luiz Livi, delegado regional da ABECE. ACONTECE NAS REGIONAIS Salvador C Expandindo atividades no Nordeste Regional visa intensificar aperfeiçoamento na região de Salvador omo parte do plano de fortalecimento da ABECE, procurando difundir suas ações e, principalmente, investir no aperfeiçoamento dos associados, a Delegacia Regional de Salvador vem centrando suas atividades na intensificação da participação dos profissionais da região em cursos, palestras e seminários. Neste sentido, o eng. Wanderlan Paes Filho, associado da entidade, participou, no período de 4 a 7 de fevereiro, do Curso Intensivo - Atualização sobre a NBR 6118: Projetos de Estruturas de Concreto, promovido pela ABECE, em São Paulo, através de convênio com o Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto). "Nosso objetivo é trazer para Salvador os cursos promovidos pela ABECE, pois fortaleçerá a Regional e agregará mais associados, tornando possível consolidar os ideais da entidade de difundir conhecimentos sobre a engenharia estrutural", 7 enfatiza o delegado regional, prof. dr. Antonio Carlos Reis Laranjeiras.

8 ACONTECE NAS REGIONAIS Rio de Janeiro O anjo e o preço N ão há tema mais reiterado no nosso universo de preocupações do que o preço do projeto; a definição deste valor é, em última análise, uma questão de procura da própria identidade da categoria. As reflexões que faço não são fruto de alguém versado em Economia, mas de quem já teve 33 anos para pensar no assunto. Eu sempre brinco que, ao nascer, um Anjo do Senhor grava na testa do todo vivente com letras invisíveis, porém contraditoriamentente indeléveis, uma das seguintes inscrições: Cc, ICMS ou ISS. A identidade com uma destas siglas, sendo a primeira delas "contracheque", mais do que definir o status fiscal sobre o qual você vai majoritariamente contribuir durante toda a vida, representa verdadeira vocação, sina, quase um carma, que intitula-o para todo o sempre como assalariado, comerciante ou prestador de serviço. A nossa, sem dúvida, é a terceira opção do Anjo e é nela que devemos nos situar ao elucidar a questão do preço justo. A prestação de serviço, principalmente o de caráter intelectual, costuma ser um tipo de atividade com custo baixo. Nosso trabalho não foge à regra e, mesmo tendo incorporado nos últimos anos toda a parafernália informática, continua tendo um custo relativamente baixo. Uma tentação a evitar é associar o preço com a responsabilidade intrínseca do serviço. A nossa, sem dúvida, é enorme. O tal Anjo nos deve uma satisfação a respeito da sigla que nos ungiu; seria uma condenação antecipada no Juízo Final? Existem fatores que, certamente, pesam no cômputo do preço. O primeiro deles é a nunca revogada Lei da Oferta e da Procura e outro ponto importante é a essencialidade do serviço (neste aspecto, temos posição muito mais confortável do que arquitetos e instaladores, cuja dispensa ainda passa por cabeças obtusas; entretanto, a essencialidade é bem mais remunerada quanto mais proximamente ligada à ponta da venda e não à ponta do custo). E o tal preço justo? A prestação de serviço tem como parâmetro do preço a tensão do mercado entre quem cobra e quem vende. Parece obscuro? Parece óbvio? Parece muito neoliberal? Não, se a MAIORIA DOS PROFISSIONAIS DO SETOR valorizar: sua experiência profissional, arduamente conquistada; a pequena quantidade de projetistas disponíveis no mercado; as implicações de um serviço malfeito e as virtudes de um bemfeito; a necessidade de investir em aprimoramento, atualização, equipamentos, congressos, associações de classe, etc; a desejável tranqüilidade de não viver assediado pela angústia de cobranças fiscais e trabalhistas, com a formalização de toda a atividade do escritório e a satisfação de estar em dia com a equipe contratada (os colegas que o Anjo gravou com o Cc na testa), e a necessidade de desfrutar uma vida confortável que expresse o esforço despendido no nosso dia-a-dia. Todos estes aspectos, colocados na mesa de negociação, certamente vão levar a tal tensão de mercado até o ponto ideal, onde comprador e vendedor se sentirão ajustados e acertados. Pode ser um preço maior ou menor, dependendo de diversos fatores (concorrência, grau de atividade do mercado, capacidade de contra-negociação do cliente, interesses estratégicos, etc.) mas será sempre o melhor preço dentro das circunstâncias e, posso apostar, que bem próximo ou até mesmo acima daquele recomendado pela ABECE. Certamente isto só funciona se for a atitude majoritária da classe. Se, entretanto, existirem muitos pontos de fuga, a tensão nunca se eleva suficientemente a ponto de gerar um preço satisfatório e o resultado é frustrante. E como se consegue isto? Exclusivamente com a concientização da categoria sobre estes temas. É duro admitir, mas trata-se de um esforço lento, árduo e diário. Atividade de formiguinha que passa, entre outras coisas, pelo esforço de 10 anos da ABECE em informar, divulgar e transformar o concorrente em colega e parceiro, cujo trabalho valorizamos e respeitamos. Não há atalho, meus caros. Lembro-me que em um dos primeiros workshops do grupo de valorização, o Enio Padilha previu uma ação de aproximadamente quatro anos. A meu ver continua válida. Um dia a gente vai aprender a conviver com a opção que o Anjo nos pespegou na testa e, de quebra, vamos rir disto tudo. Justino Vieira Diretor da ABECE

9 9 ACONTECE NAS REGIONAIS Curitiba No compasso da Comunidade da Construção M ABECE participa do Conselho e dos grupos de apoio embro do Conselho e dos grupos de apoio da Comunidade da Construção - movimento nacional pela integração dos agentes da cadeia produtiva e melhoria contínua dos processos construtivos à base de cimento -, a Delegacia Regional de Curitiba participa ativamente das ações que permitem aos membros - entidades dos construtores, fornecedores, projetistas e profissionais, além de organismos nacionais, como o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e o Sesi (Serviço Social da Indústria) - a troca de experiências, o debate de problemas e a busca de soluções comuns. Após a consolidação do grupo de conselheiros (formado por entidades de classe ou acadêmicos e por fornecedores e construtoras) e realização de diagnóstico em cem empresas filiadas ao Sinduscon-PR (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Paraná) foram convidadas e selecionadas construtoras para participar do Programa de Melhorias da Comunidade da Construção. Em Curitiba, são 22 construtoras a aderir ao Programa e, após novo diagnóstico de obras com as empresas selecionadas, foram eleitos dois temas como prioritários: Formas e escoramentos e Armação e protensão. Em função destes temas, membros das construtoras e grupos de apoio participaram do Curso de Gerenciamento de Estruturas, ministrado por profissionais da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), em novembro de Através do curso houve o nivelamento e a uniformização da linguagem, sendo Participantes do Curso de Gerenciamento de Estruturas, realizado pela ABCP possível definir as ações a serem implementadas para o Programa de Melhorias. Escopo e NB-1/ 2003 estão entre os assuntos em evidência Dentre as ações previstas para este ano, que serão desenvolvidas com apoio da ABECE, estão o roteiro para seleção de sistemas para lajes levando em conta a solução estrutural (vantagens, desvantagens e custos): reticulada, laje plana ou nervurada e processos construtivos (laje pré-moldada, treliçada, protendida), e a metodologia para integração de profissionais, com foco em projetos estruturais: fôrmas, cimbramentos, armação, protensão e concreto. "A Regional ABECE estará presente em todas as ações, pois envolvem assuntos diretamente ligados à nossa área de atuação", salienta o delegado regional, Yassunori Hayashi. As reuniões mensais da Delegacia Regional passaram a ser realizadas na sede do IEP (Instituto de Engenharia do Paraná) - rua Emiliano Perneta, Centro. Os objetivos são a reativação da divisão de estruturas do Instituto e proporcionar maior integração com profissionais das outras especialidades da engenharia. Com a presença do presidente do IEP, eng. Gilberto Piva, e mais de 40 calculistas, no primeiro encontro, realizado no dia 8 de novembro de 2003, foi lançado o Curso Intensivo - Atualização sobre a NBR 6118: Projeto de Estruturas de Concreto, promovido pela ABECE em convênio com o Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto), que deverá ser realizado no primeiro semestre de 2004.

10 EM TEMPO O Grupo de Valorização Profissional realizou, entre os meses de dezembro de 2003 e janeiro último, reuniões para discussão das ações para este ano. Aproveitando-se de experiências de países desenvolvidos, foi definido como objetivo principal a criação de uma Câmara, a ser estabelecida pela ABECE, que regulamente a profissão do engenheiro estrutural. Para este fim, algumas iniciativas já estão sendo discutidas entre os participantes, como a criação de grupos visando divulgar e operacionalizar a ferramenta para conhecimento real dos custos de cada escritório, o escopo e o seguro e estabelecer preço mínimo com base nos honorários de referência, entre outros, e, principalmente, de um grupo para definir o funcionamento da Câmara. A diretoria da ABECE participou, durante o mês de janeiro, de reuniões com a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) visando estabelecer um convênio com vistas a fornecer as normas estruturais nacionais a preços acessíveis aos associados da ABECE. As novidades sobre o assunto serão divulgadas nas próximas edições do informativo. A ABECE e a ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) planejaram, no início do ano, um calendário de atividades para No dia 29 de janeiro criou-se um grupo de trabalho que envolve, além das duas entidades, o Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto), a Abesc (Associação Brasileira de Serviços de Concretagem) e a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) visando desenvolver o Projeto NB-1, cujo objetivo é difundir amplamente no meio técnico nacional a Norma, que entra em vigor nas próximas semanas. Acontece entre os dias 18 e 20 de março, no município de Sobral (CE), evento internacional promovido pela UVA (Universidade do Vale do Acaraú) que terá como tema principal o CAD - Concreto de Alto Desempenho. O presidente da ABECE, eng. Júlio Timerman, participará do evento que reunirá especialistas do exterior. "É muito importante acompanharmos encontros como este. No ano passado, cerca de 600 profissionais participaram deste evento, que já faz parte do calendário dos grandes encontros técnicos nacionais", enfatiza. Já estão abertas as inscrições para o II Prêmio ABECE/ GERDAU. Podem participar associados da ABECE que tenham executado projetos estruturais nos últimos cinco anos. Informações pelo tel. (11) Regulamento e premiação serão divulgados na próxima edição. Selo ABECE faz menção aos 10 anos da entidade Associados podem utilizá-lo em documentos e propostas C riado no ano passado com o objetivo de identificar as empresas associadas da ABECE, o selo representativo de 2004 traz a data comemorativa dos dez anos da entidade. Ele pode ser utilizado em todos os documentos referentes ao ramo 0 da engenharia e consultoria estrutural (projetos, correspondências, propostas, etc.). Para adquiri-lo basta estar em dia com as obrigações previstas no estatuto social, não representando nenhum encargo adicional ao associado. Informações podem ser obtidas na secretaria executiva pelo tel.(11) ou

11 ESPAÇO DO PATROCINADOR Aspectos técnicos do uso de CA-50 de 40 mm em peças de concreto armado N a prática usual da maior parte dos escritórios de projeto estrutural brasileiros, o uso das bitolas de armadura das peças de concreto armado encontra-se limitado, quase sempre, a barras com o diâmetro nominal máximo de 25 mm. O principal fator para o pouco uso de bitolas mais grossas é o desconhecimento da existência e da disponibilidade imediata de fornecimento de barras com diâmetros superiores a 25 mm. Uma alternativa usual em peças fortemente armadas de concreto armado é o emprego de feixes, que são armaduras formadas por conjuntos de duas ou três barras. As vantagens do emprego de barras de maior diâmetro ao invés de feixes de barras acontecem por duas razões: 1) Quanto menor o número de barras a montar, tanto mais fácil, rápida e econômica será a montagem. Adicionalmente, as emendas de armaduras de barras em feixes devem sempre ser escalonadas, o que também colabora para dificultar em muito a montagem e o detalhamento das armaduras. 2) No detalhamento e montagem de peças com grandes taxas de armaduras é muito pouco provável que possamos escalonar adequadamente as armaduras, principalmente aquelas sob tração (vigas e elementos de fundação). Nestas situações, é também muito pouco provável que possamos emendar menos do que 50% das armaduras na mesma seção. Estas considerações nos remetem a um valor de α 0t, que multiplicará o comprimento necessário de ancoragem retilínea l b para fornecer o comprimento de traspasse, que será quase sempre 2,0 (tabela 9.4 da NBR 6118:2003), acarretando um custo elevado em material e de mão-de-obra na execução do traspasse. Anibal Knijnik No exemplo apresentado na figura 1, em um mesmo pilar quadrado com 85 cm de lado foi alojado o máximo número de barras, ou feixes conforme o caso, admitido pela NBR 6118:2003. A maior área de armadura alojada correspondeu à opção de 36 barras isoladas de 40 mm (450 cm 2 ), comparado com as outras opções: 27 feixes triplos de 25 mm (405 cm 2 ), 32 feixes duplos de 25 mm (320 cm 2 ) e 60 barras isoladas de 25 mm (300 cm 2 ). Barras de 40 mm de diâmetro apresentam ainda grande rigidez intrínseca, podendo ser deixadas montadas sem que se corra o risco de vê-las tombarem ou vergarem lateralmente. Em pilares, esta característica propicia a oportunidade de se trabalhar com posições de armadura com mais de um lance de comprimento, diminuindo as emendas e tornando a estrutura mais prática e econômica. Figura 2 Quatro disposições possíveis para alojar 400 cm 2 de armadura em viga de 75 cm de largura Já a figura 2 mostra quatro seções parciais de vigas fortemente armadas, onde foi deixado um espaço para a inserção de vibrador. A vantagem do uso de barras de maior diâmetro sobre as demais alternativas ocorre tanto pela nítida diminuição do grau de dificuldade (e como conseqüência do tempo dispendido e da mão-de-obra consumida), como pela diminuição do risco de defeitos de concretagem. Especificamente em pilares, o uso de barras de 40 mm mostrase prático e capaz de aumentar substancialmente as taxas efetivas de armadura, reduzindo a mão-de-obra de montagem. No detalhamento das armaduras em 40 mm, além das considerações usuais, o projetista deve ainda considerar particularidades específicas como aspectos de aderência, ancoragem, fendilhamento e fissuração, todos especificados na NBR 6118:2003. Figura 1 Alojamentos máximos em pilar de 85 cm x 85 cm utilizando-se barras isoladas de 40 mm, barras isoladas, feixes duplos e feixes triplos de 25 mm A Gerdau tem a linha completa de vergalhões GG-50, do 6,3 mm ao 40 mm. Para maiores informações sobre a utilização de barras de 40 mm, entre em contato com nossa assistência técnica pelo telefone (11) , 11 pelo ou pelo site

12 COMPARTILHANDO EXPERIÊNCIAS Back up de arquivos, um importante aliado N ormalmente acontece assim: ninguém dá a devida importância ao back up até que acontece algum imprevisto e, por conseqüência, a perda de preciosos arquivos. Recentemente, soube de um colega que teve este problema e lembrei-me da mesma ocorrência em meu escritório. Foram dias de trabalho extra, de desagradáveis solicitações a clientes por arquivos enviados e perdidos e alguns trabalhos nunca foram recuperados. Hoje tomamos um cuidado enorme com esta questão. Para os projetos em desenvolvimento, que precisam de agilidade de recuperação, deixamos todos os arquivos no servidor e fazemos um back up diário automático em fita DAT. Este back up é realizado durante a noite e temos uma fita por dia da semana; estas fitas são levadas para a casa de um dos sócios diariamente, trocando-se a que fica no servidor. Na casa de outro sócio existe um computador pessoal com a mesma configuração do servidor e com outra unidade de Fita DAT, idêntica a do escritório. No caso de pane no servidor ou roubo, este computador é instalado e são recuperados todos os arquivos e configuração através da fita e unidade DAT. Isto garante a perda de, no máximo, um dia de trabalho. São gravados, ainda, dois CDs com todos os arquivos dos projetos concluídos e obras em andamento; um fica no escritório para consulta e outro na casa de um dos sócios. No caso de ocorrer alguma modificação ou "As Built" são feitas novas gravações e substituídos os CDs, sendo que no servidor fica apenas uma pasta com os arquivos de comunicação com a obra (fax e s). Finalmente, quando a obra é concluída, são gravados dois novos CDs que incluem todos os arquivos revisados do projeto, os de outras interfaces e os de comunicação (fax, s e textos); um CD fica no escritório e outro em arquivo morto fora do local de trabalho. Este é o nosso processo; se é o ideal não sei, mas tem funcionado e nunca mais tivemos necessidade de back up depois que o sistema foi implantado. Fiz uma pesquisa entre colegas e a CEL Engenharia adota uma sistemática bem interessante que também merece ser destacada. A proposta de arquivamento é baseada em um mecanismo de rede que se utiliza de um "Servidor Dedicado", ou seja, um computador equipado com dois discos rígidos de grande capacidade de armazenamento e alta performance que, gerenciado por um sistema operacional Linux, procede um back up, ao final de cada dia, de todos os dados que são gerados e/ou modificados. Dessa forma, a totalidade dos dados utilizados no escritório é armazenada em um único disco rígido localizado no "Servidor", submetido diariamente a back up completo, enquanto os demais computadores constantes da rede passam a operar com seus discos rígidos sem sobrecarga de dados e com um desempenho mais elevado, pois não serão mais solicitados ao nível de troca e fornecimento de dados. Além de gerenciar o armazenamento de dados, o "Servidor" também poderá exercer a função de controlador de todas as impressoras, de forma a centralizar as operações de impressão em uma só máquina, aliviando essa atividade que antes era desenvolvida pelos computadores terminais, melhorando a performance dos mesmos. Além disso, o controle de impressão centralizado possibilita a disposição de todas as impressoras em uma única mesa de impressão, ou até em duas ou mais mesas de impressão controladas por dispositivos ligados ao "Servidor". É importante ressaltar que o "Servidor Dedicado" não será equipado com monitor de vídeo, afinal não será operado nenhum aplicativo de uso comum aos funcionários do escritório, exceto ao administrador da rede e responsável pela manutenção da mesma. Augusto Guimarães Pedreira de Freitas Diretor da ABECE 2

4Vem aí o ENECE 2004. a Acontece nas Regionais. A ABECE e os 100 anos do ACI no Compartilhando Experiências

4Vem aí o ENECE 2004. a Acontece nas Regionais. A ABECE e os 100 anos do ACI no Compartilhando Experiências Informativo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural I N F O R M A Ano 8 - Nº 42 Março-Abril/2004 4Vem aí o ENECE 2004 5 9 a Acontece nas Regionais 5a 12 A ABECE e os 100 anos do

Leia mais

Acontece nas Regionais 9

Acontece nas Regionais 9 Informativo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural I N F O R M A Ano 8 - Nº 45 Setembro-Outubro/2004 4 12 Prêmio Talento Engenharia Estrutural 5a Acontece nas Regionais 9 Os desafios

Leia mais

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota FOLHA

Leia mais

Plano de Vôo 2006-2008

Plano de Vôo 2006-2008 Informativo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural Ano 11 - Nº 59 Janeiro-Fevereiro/ 2007 METAS Plano de Vôo 2006-2008 Em seu discurso de posse, em novembro de 2006, o presidente

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais. Valter Frigieri Júnor - ABCP

Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais. Valter Frigieri Júnor - ABCP Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais Valter Frigieri Júnor - ABCP A ABCP Centro Tecnológico da ABCP 15.000 m 2 de área 5.300 m 2 de edificações (60% da área destinada a laboratórios)

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GERDAU GG 50 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 50. Produzido

Leia mais

Honorários de referência de projetos de estrutura

Honorários de referência de projetos de estrutura ABECE Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d 01451-908 - São Paulo - SP Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 E-mail: abece@abece.com.br

Leia mais

Prof. Marcelo Ferreira:

Prof. Marcelo Ferreira: MINI CURRICULUM IRIA LÍCIA OLIVA DONIAK Engenheira Civil, graduada pela PUC-PR em 1988,atua no setor concreto desde 86,tendo iniciado suas atividades em Laboratório de Controle Tecnológico,posteriormente

Leia mais

Manual de Estruturas de Concreto

Manual de Estruturas de Concreto Manual de Estruturas de Concreto 1INT O Manual é uma das ferramentas do Projeto Estruturas Racionalizadas disponibilizadas para a Comunidade da Construção. Por ser instrumento de uma comunidade técnica

Leia mais

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado.

10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. : 10 anos de atuação para oferecer blocos de concreto de qualidade ao mercado. 1 , a associação a serviço da qualidade da construção 2 A Associação Brasileira da Indústria de Blocos de Concreto- foi fundada

Leia mais

GTAE. Caderno. PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras. Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE

GTAE. Caderno. PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras. Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE 2 0 1 2 PDC Programa de Desenvolvimento de Construtoras Caderno de Ativos GTAE 5ºCiclo Alvenaria Estrutural com Blocos de Concreto BELO HORIZONTE GTAE Caderno de Ativos 5ºCiclo 1 Ficha Técnica: Gestão

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

ABECE mais próxima dos fornecedores

ABECE mais próxima dos fornecedores Informativo da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural Ano 9 - Nº 49 Maio-Junho/ 2005 4 5 ACONTECE Prêmio Talento Engenharia Estrutural ACONTECE NAS REGIONAIS Revitalizando as Regionais

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Aeconômica que nosso país

Aeconômica que nosso país 2 Informativo Sescon - Ano V - n 9 - Setembro 2015 A palavra do Presidente Caro leitor, instabilidade política e Aeconômica que nosso país atravessa neste ano, tem c a u s a d o p r e o c u p a ç õ e s,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Visão Ser reconhecida como a mais sustentável, eficiente e renomada empresa de contabilidade do país.

1 APRESENTAÇÃO. Visão Ser reconhecida como a mais sustentável, eficiente e renomada empresa de contabilidade do país. A Solução Contábil 1 APRESENTAÇÃO A Internet Accounting, empresa do Grupo Partwork, com mais de 17 anos de mercado, agradece pelo contato e confiança depositada. Nosso A Solução objetivo é oferecer Contábil

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS

IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS IMPACTOS DAS MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA NA ROTINA FISCAL DAS EMPRESAS A pesquisa Muito se fala sobre as mudanças na legislação tributária e é certo de que estas sempre impactam na rotina fiscal

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A 30 e 31 Março LOCAL: Brasília, DF A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A REPERCUSSÃO NA PLANILHA DE CUSTOS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Repactuações, Reajustes e Revisões De acordo com as recentes alterações

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS I) DISPOSIÇÃO PRELIMINAR A Engenharia de Avaliações e Perícias se tornou ao longo dos tempos uma atividade bastante restrita, exigindo do profissional atualização constante, acompanhamento

Leia mais

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos MEMBRO DE ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Estatutos ESTATUTOS APROVADOS PELA ASSEMBLÉIA GERAL EM 12/10/1972 E ALTERADOS EM 08/11/1973, 07/05/1974, 04/04/1983, 05/12/94, 10/11/1997,

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES

SCPC - SERVIÇO CENTRAL DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO E INFORMAÇÕES Muitos associados não dão importância à prestação de serviços de sua entidade de classe, considerando-a como um local para encontros, intercâmbio de opiniões e uma espécie de clube para discussão das últimas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

COMO ABRIR SUA EMPRESA

COMO ABRIR SUA EMPRESA COMO ABRIR SUA EMPRESA Hoje, ter o próprio negócio é algo muito comum. Flexibilidade, possibilidade de aumentar a renda e instabilidade como funcionário são os principais motivos para se empreender. É

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Norma inédita para paredes de concreto moldadas in loco entra em vigor e promete impulsionar uso da tecnologia em edificações

Norma inédita para paredes de concreto moldadas in loco entra em vigor e promete impulsionar uso da tecnologia em edificações CAPA Paredes normatizadas Norma inédita para paredes de concreto moldadas in loco entra em vigor e promete impulsionar uso da tecnologia em edificações Rodnei Corsini NBR 16055:2012 contempla aspectos

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

Profissionais de marketing e eventos, envolvidos no planejamento, organização e logística de feiras exposições (corporativo)

Profissionais de marketing e eventos, envolvidos no planejamento, organização e logística de feiras exposições (corporativo) Midia Kit 2013 01 Midia Kit 2013 02 Sua estratégia de marketing em feiras e eventos REVISTA Público-alvo Distribuição A revista Feira & Cia é reconhecida como líder no processo educacional de gestão em

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 1ª FEIRA DO SUL DO BRASIL COM SOLUÇÕES COMPLETAS DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIA PARA A SUA EMPRESA Na EXPEN 2014, você encontrará tecnologia,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, Brasil, 20 de Agosto de 2014 Alberto Huet Morais de Arruda

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Entidade de Fiscalização e de Registro da Profissão Contábil

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Entidade de Fiscalização e de Registro da Profissão Contábil FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL 2. ÁREA: FISCALIZAÇÃO 2.1. PROGRAMA: FISCALIZAÇÃO OSTENSIVA 2.1.1. SUBPROGRAMA: FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL PROJETOS: 2.1.1.1. PROJETOS DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

06 e 07 DE JUNHO DE 2008

06 e 07 DE JUNHO DE 2008 O CONTABILISTA PREPARADO PARA OS DESAFIOS DA ATUALIDADE 06 e 07 DE JUNHO DE 2008 IMPRESSO Programa 06 DE junho - SEXTA-FEIRA LOCAL: Centro Cultural e Recreativo Cristóvão Colombo Av. Professor Alberto

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

24 e 25. Setembro ASPECTOS PRÁTICOS DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E SUA REPERCUSSÃO NOS CONTRATOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

24 e 25. Setembro ASPECTOS PRÁTICOS DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E SUA REPERCUSSÃO NOS CONTRATOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 24 e 25 Setembro LOCAL: Florianópolis, SC ASPECTOS PRÁTICOS DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E SUA REPERCUSSÃO NOS CONTRATOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS PRÁTICOS DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RESOLUÇÃO. 147º COSU MIGUEL PEREIRA Campo Grande - MS. 21 A 24 de Janeiro de 2014. RESOLUÇÃO nº 01 /147º COSU

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RESOLUÇÃO. 147º COSU MIGUEL PEREIRA Campo Grande - MS. 21 A 24 de Janeiro de 2014. RESOLUÇÃO nº 01 /147º COSU nº 01 /147º COSU Interessado: IAB/DN e IAB-RJ Proponente: Grupo de Trabalho UIA2020Rio do 147º Conselho Superior do IAB Ementa: Organização do Congresso Mundial de Arquitetos UIA2020Rio Considerando: 1.

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO.

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. A Revista Motoboy Magazine tem o prazer de realizar o Prêmio Motoboy Magazine Top Motofrete 2013, a fim de prestigiar o trabalho de empresas em prestação

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E GESTÃO EMPRESARIAL

INDICADORES DE DESEMPENHO E GESTÃO EMPRESARIAL INDICADORES DE DESEMPENHO E GESTÃO EMPRESARIAL INDICADORES DE DESEMPENHO E GESTÃO EMPRESARIAL 2007, SEBRAE/RS Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio Grande do Sul É proibida a duplicação

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Domingos Orestes Chiomento

Domingos Orestes Chiomento A Contabilidade proporciona imensa satisfação em contribuir para o desenvolvimento da sociedade empresarial, auxiliando, de forma precisa, na tomada de decisões para o progresso constante nos negócios

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DO RN CAMPUS NATAL CENTRAL INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL - ITNC EDITAL Nº 02/2015 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS E MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Ainda durante este ano, o Congresso Nacional poderá aprovar novas vantagens para as micro e pequenas empresas optantes do Simples Nacional,

Leia mais

COM. 02 - PUBLICAÇÕES

COM. 02 - PUBLICAÇÕES 1 de 9 PUBLICAÇÕES MACROPROCESSO MARKETING E PROCESSO PUBLICAÇÕES - PUBLICAÇÕES 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA

Leia mais