PROFESSOR ORIENTADOR COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA ANO TÍTULO DO PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFESSOR ORIENTADOR COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA ANO TÍTULO DO PROJETO"

Transcrição

1 2013

2 Equipe de direção Direção Geral - Denise Maria de Oliveira Direção Auxiliar - Roberta Minas Coordenação geral de projetos Denise Maria de Oliveira Revisão Ortográfica Miguel Karczesk Capa/Edição Hellen Falco Yokowo ANO PROFESSOR ORIENTADOR COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA TÍTULO DO PROJETO 6ºA PAULO CESAR COMO NO TEMPO DE NOSSOS AVÓS A ESTRUTURA FAMILIAR BRASILEIRA E A INDUSTRIALIZAÇÃO NOS ANOS DE 1950, 1960 E B LUZIA E NANCY TEATRO DE SOMBRAS 6 C FABIANA E AMARAL A VEGETAÇÃO DE CURITIBA E DO BAIRRO JARDIM DAS AMÉRICAS 6 D ANA CAROLINE E EUZA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL PARA O FUTURO DO PLANETA 7ºA ROSANA QUALIDADE DE VIDA 7ºB 7 C DEUSUITA E HYRONEY MARIANGELA TRINDADE GOMES ÁGUAS DO PARANÁ PSIU! OLHA O PASSARINHO! 7 D ADRIAN E RITA A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA SOCIEDADE 8 A JOSÉ ROBERTO E VIVIANE DROGAS TÔ FORA 8 B BEATRIZ E CARLA BRINCANDO COM A LÓGICA 8 C 8 D CRISTIANE E FRANCISCO ALESSANDRA E ANDRESSA JOGOS E BRINCADEIRAS ATRAVÉS DOS TEMPOS PICHAÇÃO E GRAFITE 9 A FABIANA E LUCIANA DA TELONA À TELINHA 9 B CLENIR E NILTON PONTOS TURÍSTICOS DE CURITIBA: CULTURA, ESPORTE E LAZER. 9ªC MARIA HELENA E CRISTIANE A HISTÓRIA DA MÚSICA, SUAS VERTENTES E A INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO DE NOSSOS JOVENSDO COLÉGIO JÚLIO MESQUITA 9 D FÚLVIA E REGGIANE CRUELDADE E ABANDONO ANIMAL 1ºA ADRIAN E ANA LÚCIA SKATE PARA TODOS! 1ºB DEUSUITA E AMARAL TRABALHO E TECNOLOGIAS 1ºC 1ºD 2ºA 2ºB ALEXSANDRA E MAIRA MAKLEY ANA PAULA E FABIANA JULIA AUGUSTA E MARA ANA CAROLINE E JANSEN PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS CONTRATES: PRECONCEITO ÈTNICO- RACIAL A INFLUÊNCIA DA MUSICA NA VIDA DAS PESSOAS PICHAÇÃO E GRAFITE: LINGUAGEM, VANDALISMO OU ARTE URBANA? 2 C MÁRCIA E NANCY COPA DO MUNDO ºA BEATRIZ E MIGUEL ARTES VISUAIS NO DIA A DIA 3 B JOSEANE E PATRÍCIA BIOCONSTRUÇÃO 3 C FERNANDO E JACQUELINE SUPLEMENTOS ALIMENTARES

3 PIC Projeto de Iniciação Científica 1 PIC- PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O foi fundado em 1954, no bairro Jardim das Américas. Desde então veem prestando serviços educacionais à comunidade. Hoje possui 1240 alunos, distribuídos entre: Ensino fundamental, Ensino Médio, EJA e Educação Profissional, que é oferta os cursos de Logística, Recursos Humanos e Transições Imobiliárias. O PIC é um Projeto Institucional do Colégio Estadual Profº Julio Mesquita, desenvolvido em todas as turmas da Educação Básica durante o ano de Objetiva proporcionar os educadores e educandos a construção do conhecimento através da apropriação da metodologia de pesquisa científica, proporcionando a aprendizagem significativa, que nos é favorecida a partir da Metodologia de Aprendizagem Baseada em Problemas. É um instrumento por meio do qual o educando, gradativamente, tem os primeiros contatos com a pesquisa científica, utilizando, para isso, métodos específicos. O projeto abrange todas as áreas do conhecimento, apresentando-se de forma diferenciada para cada nível de ensino. Portanto, o primeiro passo para iniciarmos este processo é a concepção de um projeto de pesquisa, elaborado pelos alunos, sempre orientado pelos educadores. Na Iniciação Científica, tanto o educando como o educador desenvolvem e aprimoram seus conhecimentos, nesse processo, o projeto de pesquisa tem papel fundamental, porque é o momento em que a teoria e os dados empíricos produzem o novo para o avanço do conhecimento. O PIC, especialmente para o Ensino Médio, em que se espera um nível de maturidade que possibilite iniciar o processo de discernimento vocacional/profissional, visa a estimular os educandos a ingressarem em projetos de pesquisa que beneficiem a interação com a sua escolha profissional, contribuindo para a sua formação acadêmica, proporcionando o domínio da metodologia científica e o desenvolvimento do pensamento científico. Estrutura pedagógica do programa Escolha do Tema gerador e áreas de pesquisa TEMA ª ETAPA (1º TRIMESTRE) (problema, fontes, leituras, produção escrita) DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA Gatilho: palestra sobre Pesquisa Científica e Conhecimento direcionada aos educandos. Aulas teóricas exploratórias: orientação de pesquisa; contextualização e justificativa do tema e sub-temas e suas inter-relações. Contrato didático e formação dos Grupos de Pesquisa GP. Pesquisa individual. Produção coletiva - elaboração do Pré- Projeto: o Tema e problematização o Objetivos (geral e específicos) a seleção de referencial teórico, a Metodologia o Plano de Ação (procedimentos experimentais) AVALIAÇÃO: Pesquisa individual: Elaboração em grupo do pré projeto. Apresentação à Banca de qualificação (professor orientador, pedagogos e direção) PRODUÇÃO MATERIAL: Pesquisa individual Pré-Projeto de Pesquisa Apresentação. 2ª ETAPA (2º TRIMESTRE)

4 2 PIC Projeto de Iniciação Científica (procedimentos experimentais, interpretação dos dados, produção) DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA Reelaboração do texto a partir das orientações e observações da banca avaliadora Projeto de Pesquisa. Atitude em Ação Digital: criação de blogs... Procedimentos experimentais (conforme metodologia e cronograma aprovados). Relatório individual do procedimento experimental realizado. Discussão coletiva e crítica e interpretação dos resultados (intra e inter grupos). Produção coletiva do Relatório de Procedimento Experimental - PE AVALIAÇÃO: Relatório individual do PE Relatório coletivo do PE blogs. PRODUÇÃO MATERIAL: Relatório de PE (individual e grupo) Atitude em Ação Digital blog 3ª ETAPA (3º TRIMESTRE) (produção de trabalho final escrito e digital, socialização dos conhecimentos) DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA Auto avaliação Produção de Plano de Ação PA (estratégias para a Mostra de Pesquisa). Entrega do trabalho finalizado impresso e digital (Banca de Qualificação) AVALIAÇÃO: Auto avaliação Plano de Ação para - MP Trabalho impresso e digital - revista Mostra de Pesquisa O PIC vai de encontro as Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná ao ver a Educação como resultado da construção de conhecimentos múltiplos, possibilitando ao educando autonomia de estudo e pesquisa, ao mesmo tempo em que contribui para o desenvolvimento da leitura, escrita e oralidade. Ao trabalhar com diferentes instrumentos pedagógicos e tecnológicos de forma coletiva, realizando o trabalho em equipe, promove-se a superação das diferenças ao respeitar o ritmo, o tempo de cada educando, além de seus diferentes interesses e habilidades. O PIC sendo um programa anual, vem possibilitando a inserção ao currículo pedagógico das instruções educacionais, com os seguintes conteúdos: História do Paraná (Lei nº 13381/01); História e Cultura Africana afro-brasileira e indígena (Lei nº 10639/03 e 11645/08), Enfrentamento à violência contra criança e adolescente, prevenção ao uso indevido de drogas, educação ambiental Lei n 9795/99) e Decreto 4501/02) sexualidade humana, educação fiscal, direito da criança e do adolescente (Lei nº 11525/07), Educação Tributária (Decreto nº1143/99 e Portaria nº 413/02). O PIC faz parte da Proposta Pedagógica do nosso Colégio e foi incorporado ao sistema metodológico e de avaliação, pois suas etapas estão distribuídos entre os trimestres abrangendo conteúdos da nossa Proposta Curricular. No decorrer do processo de criação e implementação do programa, percebeu-se o envolvimento de toda a comunidade educativa ao debater e pesquisar os mais diferentes temas, muitas vezes surpreendendo a todos com o nível de comprometimento e interesse dos educandos e de suas famílias. O PIC possibilita os educadores e educandos à construção coletiva de conhecimentos. Temas atuais e uso de novas tecnologias possibilitaram a aprendizagem mútua entre alunos e professores, alunos e alunos, professores e professores.

5 PIC Projeto de Iniciação Científica 3 COMO NO TEMPO DE NOSSOS AVÓS A ESTRUTURA FAMILIAR BRASILEIRA E A INDUSTRIALIZAÇÃO NOS ANOS DE 1950, 1960 E Nas décadas de 1950 a 1970 o Brasil passou por mudanças muito significativas, em função da industrialização vivenciada, que impactou a sociedade e alterou de forma importante os costumes, a educação, a música, a moda, os esportes, a arte e outros aspectos da sociedade civil. Estas transformações mudaram a cara do País, inserindo-o de forma contundente no sistema capitalista. Como resultado desta mudança estrutural, o Brasil emerge como uma referência marcante na América do Sul. Com a industrialização ocorreu uma migração para os grandes centros urbanos, gerando novos arranjos sociais nestes espaços. Nas muitas famílias brasileiras, as mulheres ingressaram no mundo do trabalho neste período, assim com também foram submetidas à educação formal. Esta nova realidade por sua vez produziu um cenário novo para os atores sociais. Em Curitiba este fenômeno também foi sentido nas famílias. Como ocorram estas mudanças e em que velocidade foram processadas? Quais características da sociedade foram mais profundamente impactadas e quais as características que permaneceram inalteradas? Como os atores sociais perceberam as mudanças e como reagiram? O Homem se humaniza ao viver em sociedade, recebendo influência do meio no qual está inserido, que concorre para a construção de sua identidade social. Desta forma, se faz necessário compreender a cultura que é gerada desta interface Indivíduo=Meio Social. Pretendemos a partir da análise dos anos 1950 a 1970 no Brasil, oportunizar aos alunos um recorte conjuntural daquele momento histórico, visando estabelecer um comparativo com a realidade vivenciada por estes hoje, no que concerne aos costumes familiares. Desta forma poderemos abarcar um microcosmo em que será possível entendermos a dinâmica, compreender a organização familiar dos avós de nossos alunos, no período que os mesmos eram jovens, estabelecer os costumes familiares mais Orientador: Prof. Paulo Cesar Turma 6ºA E.F. significativos das décadas de 1950, 1960 e 1970 no Brasil, demonstrar as mudanças e permanências na cultura destas famílias, após o processo de industrialização a que foram submetidas e traçar um paralelo entre as décadas de 1950 a 1970 e a atualidade, no que concernem as práticas familiares dos alunos. O trabalho de pesquisa foi desenvolvido através de entrevistas com pessoas que eram jovens nas décadas de 1950, 60 e 70, preferencialmente com familiares dos alunos. Foram aplicados questionários com perguntas relacionadas com o lazer, estudos, linguagem, educação familiar, brinquedos, relações interpessoais, entre outros temas. Após a coleta de dados, foi realizado o cruzamento dos questionários, visando estabelecer um padrão dos costumes das famílias de nossos alunos e relacionar com o perfil da sociedade brasileira de época. Na sequência fez-se um comparativo com a realidade de nossos educando, estabelecendo assim as rupturas e permanências sociais. A Industrialização do Brasil alterou de forma significativa o núcleo familiar, transformando as relações de trabalho, os costumes, a utilização dos momentos de ócio. Com a urbanização, a simplicidade foi sendo substituída pela sociedade urbanizada e competitiva. Desta forma emergiu uma nova família, bastante individualizada e que não compartilha de muitos momentos conjuntos, e até mesmo as brincadeiras foram sendo substituídas pelo lazer não compartilhado. O desafio consiste na adaptação da geração anterior a estas alterações significativas e a compreensão da geração atual da velocidade de transformações para que não se torne uma geração perdida. Foto: Acervo do Colégio alunos 6º ano A

6 4 PIC Projeto de Iniciação Científica TEATRO DE SOMBRAS O teatro grego surgiu das cerimônias e rituais gregos como as Dionisíacas que eram celebrações de caráter religioso ao deus Dionísio, o deus do vinho, do entusiasmo, da fertilidade e do teatro. Uma coisa curiosa nas encenações é que só os homens podiam atuar, já que as mulheres não eram consideradas cidadãs, por isso as peças eram encenadas com grandes máscaras. Sabemos que existem vários tipos de teatro: Tragédia, Tragicomédia, Teatro infantil, Teatro de feira, Teatro de falado, Teatro invisível, Teatro de fantoches, Teatro de sombras, Teatro lambelambe, etc. Para apresentar o trabalho do 6º Ano B escolhemos o Teatro de Sombras Orientadores: Prof. Luzia de Matos Prof Nancy Turma 6ºB E.F. LENDA DO TEATRO DE SOMBRAS - Conta a lenda, que o Imperador Wu Ti, da dinastia dos Han, teve o desgosto de perder sua dançarina predileta. Havia vinte anos que ele governava com sabedoria e juízo o Império Celeste e seu reinado era dos mais gloriosos de todos os tempos. Mas Wu Ti era muito supersticioso e acreditava nas artes mágicas. Quando a dançarina morreu, ele, no seu desespero, voltou-se para o mágico da corte, exigindo que fizesse voltar a linda defunta, do país das sombras. Ameaçado de pena de morte, o mágico não perdeu a cabeça.. Numa pele de peixe, cuidadosamente preparada para torná-la macia e transparente, recortou a silhueta da dançarina, tão linda e graciosa como ela fora. Numa varanda do palácio imperial, mandou esticar uma cortina branca em frente a um campo aberto. Com o Imperador e a corte reunida na varanda, e à luz do sol que se filtrava através da cortina, ele fez evoluir à sombra da dançarina, ao som de uma flauta e todos ficaram alucinados com a semelhança. Com esse trabalho, os alunos do 6º Ano B visitaram o Museu Alfredo Andersen, vendo exposição de duas artistas paranaenses, arte abstrata informal, com cores quentes e outras somente com frias. Foto: acervo do Colégio O Teatro de Sombras trata-se de uma representação em uma tela branca com um foco de luz aceso contrariamente projetando sombras de silhuetas de figuras humanas, animais, ou objetos, recortadas em papel ou formadas com determinadas posições das mãos reportando-nos ao mundo mágico das histórias de faz de conta. Fontes de luz utilizadas podem ser naturais, como a luz do sol ou de chamas de velas e lamparinas, ou fontes artificiais como lanternas, lâmpadas, luminárias e refletores. O ideal é trabalhar com telas semitransparentes como as de tecido ou papel. Entretanto, a manipulação de sombras pode, também, ser projetada diretamente em qualquer superfície, como em uma parede branca, por exemplo. Para a manipulação das sombras existe uma infinidade de técnicas de manipulação e construção de silhuetas, bonecos, cenários, imagens e texturas. A lenda que conta o nascimento do teatro de sombras na China pode revelar aspectos interessantes para compreender a estética desta arte: Foto: acervo do colégio alunos do 6º ano B. O segundo passeio foi ao Teatro de Sombras Dr Botica, no Shopping Estação. Assistiram a peça O menino que queria voar, que conta a história de Santos Dumont o Pai da Aviação. Essa peça foi muito importante para nosso trabalho, pois vimos através da apresentação do artista, como funciona um teatro de sombras. Depois da peça o autor nos mostrou os recursos utilizados para refletir as sombras na grande tela de tecido. Foto: Acervo do colégio Alunos do 6º ano B durante passeio ao Teatro de Sombras Dr Botica.

7 PIC Projeto de Iniciação Científica 5 A VEGETAÇÃO DE CURITIBA E DO BAIRRO JARDIM DAS AMÉRICAS Este artigo tem por objetivo relatar as experiências dos alunos da sexta série do Ensino Fundamental na elaboração do Projeto de Iniciação Cientifica (PIC), realizado durante o ano de 2013 no Colégio Estadual Júlio Mesquita. O tema escolhido foi a Vegetação do Bairro Jardim das Américas englobando aí a Vegetação de Curitiba e do Paraná, por entender que ambas não podem ser dissociadas. Primeiramente os alunos formaram Grupos de Pesquisas (GP) para discussões sobre o Projeto e em seguida deu-se inicio então as pesquisas individuais, onde, cada um trouxe impresso o material pesquisado, que se referia primeiramente sobre a Vegetação do Paraná e posteriormente sobre a Vegetação de Curitiba e do Bairro Jardim das Américas. Curitiba está situada no domínio vegetacional denominado Floresta Ombrófila Mista, composta por estepes gramíneo-lenhosas, pontuadas por capões de florestas com araucárias, além de outras formações, como várzeas e matas ciliares. Na vegetação local ainda aparecem remanescentes do Pinheiro-do-Paraná (Araucária angustifólia), que resistem à ação civilizadora dos tempos atuais. As araucárias estão em bosques particulares e públicos, agora protegidas pela legislação ambiental que impede a sua derrubada, que é a Lei 9806/00 que institui o Código Florestal Municipal, com a preocupação das áreas verdes ao redor do núcleo urbano e a criação de parques que servem ao mesmo tempo como área de lazer e a conservação de espécies vegetais de grande porte. A área verde da cidade é de 51 m² por habitante. Curitiba possui hoje mais de 77 milhões de metros quadrados de vegetação nativa de porte arbóreo, entre bosques públicos e em áreas particulares. Na grande maioria dos parques e bosques de Curitiba, encontramos com mais frequência uma flora repleta além de araucárias, outras espécies como as aroeiras, canelas, bracatingas, pés de erva-mate, imbuias, campos inundados, matas ciliares às margens dos rios e Mata Atlântica. Orientadores: Prof Fabiana Prof Noemir Amaral Turma 6ºC E.F. A vegetação de Curitiba também é caracterizada pela existência de uma grande quantidade de ipês roxos e amarelos que dão um toque especial à paisagem de cidade durante a floração de final de inverno. Foto: acervo do colégio mostra de pesquisa Apresentação do PIC pelos alunos Foto: acervo do colégio mostra de pesquisa Apresentação do PIC pelos alunos Com a chegada da etapa final do Projeto de Iniciação Científica, constata-se que este foi muito enriquecedor, tanto para os alunos, que puderam ter pela primeira vez a chance de desenvolver pesquisas de cunho cientifico e utilizar os recursos digitais de modo a aprimorar seus conhecimentos e também interagir com seus colegas a respeito de questões vinculadas ao projeto. E, enriquecedor também para os professores que puderam colocar em prática alguns dos seus conhecimentos acadêmicos de pesquisa que nem sempre é possível explorar com os alunos no dia a dia comum da sala de aula.

8 6 PIC Projeto de Iniciação Científica ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL PARA O FUTURO DO PLANETA A alimentação nos dias atuais é realizada utilizando produtos industrializados, consumo excessivo de sal, de gorduras e de açúcar. As atribulações do cotidiano, a inatividade física, pouco tempo para preparar e fazer as refeições, são fatores que prejudicam e que alteram a condição de vida da população. Muito se fala sobre a necessidade de uma alimentação saudável e de uma vida sustentável. A preocupação em adquirir hábitos saudáveis de alimentação gera a necessidade de produção de alimentos naturais, e estes por sua vez de forma sustentável. Para realizar este projeto, os alunos do 6 o ano D, iniciaram este estudo a partir do questionamento de como é possível ter uma alimentação saudável e sustentável. Através deste questionamento, traçaram os objetivos: investigar os hábitos alimentares e de vida dos alunos do 6 o ano D e de suas famílias e orientar hábitos saudáveis e sustentáveis. AÇÕES DESENVOLVIDAS Elaboração de cartazes com informações sobre os nutrientes encontrados nos alimentos. Aplicação de questionários aos alunos e seus familiares, para a investigação de hábitos saudáveis e sustentáveis de alimentação. Construção de minhocários e terrários para estudar o uso correto do solo para o plantio. Cálculo do IMC (Índice de Massa Corporal) de cada aluno, para a construção de gráficos que demonstraram, o perfil alimentar da turma. Visita monitorada ao Projeto Solos na Escola no Setor de Ciências Agrárias da UFPR. Criação de panfletos sobre hábitos saudáveis e sustentáveis de alimentação para o futuro. Criação do blog da turma socializando este trabalho e as ações desenvolvidas. RESULTADOS OBTIDOS Durante todo este ano os alunos realizaram diversas pesquisas e estudos individuais e em grupos, coletando informações, discutindo suas impressões, e ampliando seu conhecimento sobre o tema. Orientadores: Prof Ana Caroline Prof Euza Turma 6ºD E.F. Inicialmente, elaboraram cartazes em grupos, sobre nutrientes e distúrbios e/ou doenças relacionados à alimentação. Apresentaram dados da pesquisa, elaboraram o blog. Na sequência, levaram para casa questionários sobre hábitos alimentares e sobre a prática de ações sustentáveis com suas famílias. Na sequência estudaram o IMC da turma, as características dos solos e a importância do manejo adequado para plantio e para a sustentabilidade do planeta, construindo modelos de terrários e minhocários. Realizaram visita monitorada ao Setor de Ciências Agrárias da UFPR, no Projeto Solos na Escola, em setembro, e puderam ver na prática muitos conceitos e teorias que haviam estudado, como a necessidade de cobertura do solo para evitar erosão, aspectos de energia do solo, ciclo do cálcio, entre tantos outros. Foto: acervo do Colégio Visita dos alunos no Setor de Ciências Agrárias UFPR Finalizaram este trabalho, elaborando as informações de um panfleto que foi distribuído junto à comunidade escolar, e divulgando estas ações na Mostra de Pesquisa do Colégio, levar todas estas informações e etapas ao blog. Certamente, este tema foi uma escolha muito apropriada para esta turma, pois percebemos que os alunos aumentaram sua percepção crítica a partir da reflexão sobre os cuidados com o seu futuro e com o futuro do Universo, ampliando seu conhecimento e socializando esta experiência.

9 PIC Projeto de Iniciação Científica 7 QUALIDADE DE VIDA Orientador: Prof Rosana Turma 7ºA E.F. Realizamos também uma visita ao Museu Oscar Niemeyer para que os alunos vivenciassem a importância da arte em nossas vidas. Logo do Projeto Bem- estar e qualidade de vida sempre foram temas discutidos pelos seres humanos. Com o passar do tempo e com as mudanças culturais que envolvem a sociedade, os temas ganharam conotações diferentes. Qualidade de vida pode ser definida como usufruir do lazer, ter cultura, educação, conforto, morar bem, ter saúde, amar. Enfim, o que cada um de nós pode considerar como importante para viver bem. Portanto esse projeto objetiva conscientizar e sensibilizar as pessoas da necessidade de mudar o comportamento e atitudes, enfatizando vivência de valores, crescimento humano, disciplina e respeito, cuidados com os ambientes, atenção à saúde e vivência de uma espiritualidade. Em um primeiro momento de nossas ações realizamos pesquisas a respeito do tema e subtemas (lazer, saúde, cultura, habitação, humanização e educação), com o intuito de fundamentar teoricamente nosso trabalho. Foram realizadas ações de conscientização sobre a importância da qualidade de vida. Ocorreram debates e discussões para proporcionar aos alunos momentos em que pudessem refletir discutir e elaborar as ações que seriam realizadas. Os alunos confeccionaram cartazes a respeito de cada subtema, que foram distribuídos pela escola visando a conscientização da comunidade escolar. Foto: acervo do Colégio Visita ao Museu Oscar Niemeyer Nossa visita ao Museu Oscar Niemeyer teve como objetivo verificar a relação entre qualidade de vida e a arte. Essa aproximação e o contato, seja com a pintura, escultura e instalação, tem o poder de interferir em nossa vida de forma benéfica. Os alunos perceberam que os benefícios do contato com a arte, vão desde a percepção melhor das cores, até a melhora da afetividade. Perceberam também, que as sensações experimentadas diante de uma obra, proporcionam um bem estar incontestável, seja físico ou espiritual. Os alunos do 7º ano A, relataram que nosso estudo e visita ao museu, muito contribuíram para a conscientização sobre o tema Qualidade de vida, proporcionando um aprendizado diferente e prazeroso. Com as ações realizadas, os alunos produziram relatórios e desenvolveram um blog qualidadedevida7a.wordpress.com, que foi utilizado para postagem das experiências e divulgação da necessidade de buscar uma vida, cada vez com mais qualidade.

10 8 PIC Projeto de Iniciação Científica ÁGUAS DO PARANÁ Nós alunos do 7 ano B orientados pelos professores Hyroney e Deusuita elaboramos um projeto de conscientização sobre o uso adequado da água e a importância da mesma para a nossa vida, pois muitas pessoas a usam de forma inadequada e a poluem cada dia mais podendo acabar com grande parte da água de nosso planeta. Realizamos uma visita à Estação de Tratamento de Água Miringuava, onde tivemos uma palestra com o Professor Bonfim, que nos mostrou todas as etapas pelas quais a água passa, antes de chegar às nossas casas, sendo elas: Coagulação; Floculação; Decantação; Filtração; Fluoretação; Desinfecção; Correção do PH da água. Obtivemos um grande conhecimento sobre a água durante o nosso Projeto de Iniciação Científica (PIC) e, além disso, elaboramos vários cartazes e maquetes, para a Mostra de Pesquisa, que ajudaram a conscientizar várias pessoas. Também aprendemos várias maneiras de economizar água durante a nossa visita a SANEPAR, algumas delas são: Quando viajar, feche o registro do cavalete de entrada de água, assim você evita desperdícios e vazamentos. Reaproveite a água do último enxágue de roupas, ela pode ser usada para ensaboar tapetes tênis, cobertores, etc. Antes de lavar a calçada, use a vassoura. Jamais use a água da mangueira para ''varrer''. Nunca jogue cigarros, absorventes ou papéis no vaso, porque há maior consumo de água para mandar esse lixo embora. Descargas com válvulas na parede consomem 26 litros de água por vez, já as caixas acopladas ao vaso sanitário consomem apenas 6 litros. Orientadores: Prof. Deusuita Prof. Hyroney Turma 7ºB E.F. Assim você economiza água e dinheiro, ajudando o nosso planeta. Os rios de Curitiba estão constantemente sendo poluídos e, assim, causando vários problemas ao Meio Ambiente e a saúde da população. Se continuarmos poluindo os rios, em pouco tempo eles estarão semelhantes ao Rio Tietê em São Paulo ou talvez ainda piores que o Rio Ganges na Índia. Nós criamos um Blog falando do nosso projeto sobre a água, há tudo que nós pesquisamos e os trabalhos realizados em sala, textos, entre outras informações. Foto: acervo do colégio Mostra de Pesquisa 22/11 Apresentação do PIC pelos alunos Foto: acervo do colégio Mostra de Pesquisa 22/11 Apresentação do PIC pelos alunos

11 PIC Projeto de Iniciação Científica 9 PSIU! OLHA O PASSARINHO! É quase impossível imaginar o cotidiano sem as fotografias que nos rodeiam. Mas elas só surgiram a partir do século XIXI, mais precisamente em 1825, através de uma imagem produzida pelo francês Joseph Nicéphore Niépce. Antes disso, artistas como Leonardo da Vinci observaram silhuetas, projetadas em locais escuros. As chamadas câmeras escuras serviam refletiam, com a luz solar, modelos para seus desenhos. Porém, ele não foi o único a utilizá-las. A história da fotografia está ligada ao estudo da luz e aos fenômenos óticos e tem muitos estudiosos a seu favor. Algumas datas foram mais importantes para o sucesso do processo fotográfico, entre elas: Joseph Nicéphore Niépce, no início do século XIX, trabalha com litografia. Pesquisa por dez anos substâncias que captem uma imagem em uma placa metálica (cobre polido) sete de janeiro - Louis Jacques Mandé Daguerre ( ),vulga o processo de Daguerreotipia. Surge a primeira forma popular de fotografia. O tempo de exposição é em torno de 4 mil segundos Aparecem algumas fotografias pintadas à mão, o que dá um toque de realismo e tenta comparar a fotografia às pinturas LONDON DAILY MIRROR é o primeiro jornal a ser ilustrado exclusivamente com fotos Aparecem os primeiros flashes fotográficos. Nesta época, as câmeras alcançavam a velocidade de 1/100 seg A Kodak lança o primeiro cromo colorido - Kodachrome a A Segunda Guerra Mundial, muitos são os avanços na área da fotografia, desde o desenho de novas lentes até o intercâmbio de lentes Surge o Polaroid em preto e branco Surgem: o Polaroid em cores e a "Instamatic" de cartucho As máquinas digitais começam a ocupar espaço, em especial no fotojornalismo, onde a rapidez de circulação e edição de imagens justifica a pequena perda na qualidade de impressão as máquinas digitais ganham força em todo o mundo, resoluções e pixels avançados fazem da foto digital o diferencial para fotorreportagens, alimentando toda a comunicação midiática. Os alunos do sétimo C estudaram a fotografia sob ângulos diversos: fonte e registro de informações e fatos históricos, linha do tempo, registro de entretenimento e diversão. Orientadora: Mariangela Trindade Gomes Turma: 7ºC E.F. Para tanto, buscaram pesquisar a história da fotografia, como eram os primeiros registros, o papel da câmera digital. Para entender o que é linha do tempo, utilizaram sua história e a história do colégio. Na primeira etapa, apresentaram o resultado das pesquisas em trabalhos individuais e em grupos. Na segunda etapa, momentos de realização, nos quais organizaram uma árvore genealógica, partindo dos avós; e fotos dos alunos para organizar a linha do tempo. Em relação ao colégio, fizeram uma experiência, a fim de comprovar que o desenho é uma releitura do original e, não, uma cópia. Cada aluno escolheu uma dependência do nosso colegio e fez um desenho. Posteriormente, o local foi fotografado, observando-se as semelhanças e diferenças. Foto: acervo do colégio Releitura da escada do colégio pelos alunos Aplicaram a prática, também, na confecção da câmera Pinhole ou de lata, comprovando os processos fotográficos mais rudimentares. Como fechamento da etapa, criaram o blog: Psiu! Olha o passarinho!, no qual colocaram todo o trabalho. Concluíram que a linguagem não-verbal, apresentada através das imagens, é uma documentação imprescindível para o melhor entendimento da História, seja ela individual ou coletiva.. Foto: acervo do colégio Mostra de Pesquisa 22/11 Apresentação do PIC pelos alunos

12 10 PIC Projeto de Iniciação Científica A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA SOCIEDADE A música sempre esteve presente na cultura da humanidade, sendo fundamental para o funcionamento da sociedade. Desde os tempos antigos que sempre que uma nova sociedade nasce com ela aparece um novo estilo musical. Uma canção de ninar é sensivelmente diferente das batidas dos tambores. O canto gregoriano difere em tudo do som de um grupo de rock/pop. Porém, todas essas formas sonoras de expressão altera nosso estado de espírito despertando emoções que interferem no funcionamento do nosso organismo. As poesias trovadorescas, acompanhadas por sons, e os poemas simbolistas, que visam à musicalidade nas suas criações, são exemplos do uso artístico da música, no qual o objetivo é proporcionar prazer aos ouvidos e evocar sentimentos. Entretanto, a música transcende a esse simples prazer e pode muitas vezes tornar-se um meio de luta, de contestação, aliando beleza à causa defendida pelo músico. É do conhecimento geral que a música tem um grande poder sobre as emoções e a psique humana, podendo ser utilizada para manipular as pessoas, seja essa manipulação bondosa (uso medicinal) ou maldosa. A manipulação bondosa pode ser observada na musicoterapia, na Biodança que são trabalhos terapêuticos que utilizam a música como facilitador na expressão e elaboração das emoções. Uma dieta sonora pode ser praticada tanto por pessoas com problemas de origem física ou emocional, quanto por pessoas que não apresentam nenhum sintoma patológico. Afinal, todos nós estamos sujeitos ao stress provocado pelo simples fato de estarmos vivendo em sociedade. Os movimentos de dança, canto, ou apenas ouvir uma música que gostamos para relaxar, pode ser considerado como uma dieta sonora. Sons adequadamente selecionados levam pessoas ao equilíbrio espiritual, mental, ao relaxamento e ajustes de comportamento. O objetivo desta pesquisa é compreender a importância e a influência da música na sociedade, através das reações/emoções das pessoas escutando sua música preferida; através da medicina, a musicoterapia, a Biodança para a recuperação das pessoas; através da contestação/reivindicação; através da regionalidade, a influência da música nas diversas regiões do Brasil. Orientadores: Prof Adrian Espíndula Prof Rita de Cássia Bianch Turma 7ºD E.F. No desenvolvimento do trabalho, fora as pesquisas levantadas e o blog: (site que os alunos criaram e onde postaram artigos, fotos, opiniões referentes ao tema e também para facilitar a leitura de quem tiver interesse e quiser obter maior conhecimento do assunto), foi realizada, no segundo trimestre de 2013, uma visita pelos alunos do 7 D, orientação do professor de Geografia e da professora de Matemática, para uma palestra feita pela coordenação do curso de Musicoterapia da FAP (Faculdade de Artes do Paraná). Os alunos puderam conhecer mais de perto as finalidades do curso e o centro de atendimento e estudos de Musicoterapia (CAEMT) a população. Ainda no segundo trimestre foi feita uma pesquisa aplicada pelos alunos, que tinha por finalidade entrevistar amigos e parentes e conhecer quais os estilos musicais preferidos, a frequência com que escutam música e o sentido da música em suas vidas. Assim pode-se verificar, não importando o gosto musical, que as pessoas veem a música/dança como uma forma de relaxamento, de diversão (alegria), de concentração e que as escutam com muita frequência, ou seja, todos os dias. Com a pesquisa foi gerado um gráfico de estilos musicais que vai de pessoas com vários estilos musicais (ecléticos) a gospel, com um grande pico ao rock. A cultura das regiões do Brasil e a música usada em reivindicações foram trabalhadas e apresentadas na Feira de Ciências onde a sala foi divida em grupos e cada grupo ficou com um tema diferente (regiões brasileiras, musicoterapia e contestações musicais). No final de um ano de pesquisa, com o desenvolvimento da apresentação e a criação do blog, o aprendizado foi grande e o trabalho bem aprimorado. O tema foi aceito e discutido por todos de tal forma que os alunos concluíram, entenderam que a música assume várias funções e pode ser usada de várias maneiras na sociedade. Foto: Acervo do Colégio Mostra de Pesquisa 20/11 Apresentação do PIC pelos alunos.

13 PIC Projeto de Iniciação Científica 11 DROGAS TÔ FORA Segundo a Organização Mundial da Saúde, droga é toda a substância que, introduzida em um organismo vivo, pode modificar uma ou mais de suas funções. Ou ainda, o nome genérico de substâncias químicas, naturais ou sintéticas, que podem causar danos físicos e psicológicos a seu consumidor. Seu uso constante pode levá-lo à mudança de comportamento e à criação de dependência, desejo compulsivo de usar a droga regularmente, ao mesmo tempo em que o usuário passa a apresentar problemas orgânicos decorrentes de sua falta. Com objetivo de saber mais sobre os efeitos das drogas no corpo humano, os alunos do 8º ano A do Colégio Julio Mesquita, resolveram pesquisar e buscar informações com pessoas que já trabalharam com dependentes químicos. Eles receberam a visita de uma equipe responsável por uma casa de recuperação, os quais alertaram sobre as conseqüências horríveis que essas substâncias podem acarretar na vida do ser humano, prejudicando não só o usuário, mas a sociedade como um todo. Orientadores: Prof. José Roberto Prof. Viviane Turma 8ºA E.F. Entre os adolescentes o álcool é a principal droga de abuso, com 1 em cada 7 adolescentes (16%) tendo episódios regulares de excesso. O padrão de consumo dos adolescentes brasileiros é de ingerir grandes quantidades em episódios nos finais de semana, expondo-os a uma série de riscos como: acidentes, gravidez não planejada, e também risco de consumir outras drogas ilícitas. Apesar de termos o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que proíbe a venda de bebidas para esse grupo, essa lei não é fiscalizada e está tornando o álcool a principal droga de entrada para um grupo substancial de jovens. Vale a pena destacar que embora o álcool seja uma droga lícita o uso pelos adolescentes é uma forma de uso ilícito de uma droga lícita. Foto: Acervo do Colégio Mostra de Pesquisa 20/11 Apresentação do PIC pelos alunos Um dos maiores problemas é o álcool, ele contribui especialmente para o aumento da violência no Brasil. Na violência entre casais o álcool está presente em mais de 45% dos casos. Cerca de mortes ocorrem no trânsito todos os anos no Brasil e pelo menos metade dessas mortes são devidos ao consumo de álcool. Mesmo com a introdução da chamada lei seca que alterou para zero a concentração de álcool permitida para dirigir, convivemos com 25% dos motoristas alcoolizados dirigindo nos finais de semana. Nenhum outro país desenvolvido ou em desenvolvimento apresenta números como os brasileiros. Somos muito atípicos no cenário internacional ao tolerarmos esse nível de pessoas intoxicadas dirigindo veículos. Para saber mais detalhes sobre todos os tipos de drogas, eles fizeram uma visita ao CAPE/DENARC-Centro Antitóxicos de Prevenção e Educação- Divisão Estadual de Narcóticos, Curitiba. Nessa visita puderam ver todos os tipos de drogas (lícitas e ilícitas), fetos deformados, pois suas mães eram usuárias de crack, pulmão de fumantes e não fumantes, apresentado por duas psicólogas responsáveis pelo departamento. Ao término cada aluno recebeu uma cartilha onde tinha todas as informações sobre as drogas. Ao chegarem à escola ainda continuaram o assunto, leram a cartilha, produziram um relatório, pesquisaram as penalidades que sofrem os usuários e os traficantes, montaram cartazes alertando sobre os malefícios das drogas, fizeram um blog: onde postaram as fotos da visita e apresentaram tudo que aprenderam. De tudo isso ficou uma lição O único controle que qualquer pessoa tem sobre a droga é o de não experimentá-la. (Içami Tiba).

14 12 PIC Projeto de Iniciação Científica BRINCANDO COM A LÓGICA Desde sempre o jogo fez parte da vida do Homem. O mais antigo que se conhece foi encontrado na sepultura de um rei babilônico, morto cerca de 2600 anos antes de Cristo. Lá estão o tabuleiro, as peças e os dados. Infelizmente, não foram encontradas as regras, motivo pelo qual não podemos saber como se jogava. A utilização do raciocínio lógico na formação educacional de jovens gera pessoas criticas com senso argumentativo, e é com essa característica que desenvolvemos alunos capazes de criar, interpretar, responder e explicar situações problemas envolvendo Matemática. O desenvolvimento do raciocínio lógico nos alunos é uma necessidade para fazê-los pensar de forma mais crítica acerca dos conteúdos das diferentes disciplinas, tornando-os mais argumentativos com base em critérios e em princípios logicamente validados. Observa-se que o ensino da lógica geralmente é tratado nas primeiras fases da aprendizagem, onde os alunos devem aprender a desenvolver o raciocínio lógico para auxiliar na resolução de problemas. As atividades propostas devem estar sempre relacionadas com situações que tragam desafios e levantem problemas que precisam ser resolvidos, ou que deem margem à criação e devem permitir que os alunos se sentissem capazes de vencer as dificuldades com as quais se defrontam e de tomar a iniciativa para resolvê-las de modo independente.para Vygotsky (1998), o educador poderá fazer o uso de jogos, brincadeiras, histórias e outros, para que de forma lúdica a criança seja desafiada a pensar e resolver situações problemáticas, para que imite e recrie regras utilizadas pelo adulto. O Projeto brincando com a lógica, surgiu em virtude da dificuldade apresentada pelos alunos em relacionar a matemática ensinada em sala de aula com a matemática do seu dia-a-dia.em face disso é importante enfatizar que as metodologias e os recursos utilizados neste projeto foram de facilitar e melhorar o desenvolvimento dos alunos e das atividades executadas no referido projeto. Buscando assim estimular no aluno a aplicabilidade da matemática em sala de aula a sua vida cotidiana, promovendo de forma significativa no aluno um interesse e entusiasmo pelo ensino da matemática. O trabalho desenvolvido com os alunos do 8º ano B nas Orientadores: Prof. Beatriz do Rosario Juliani Prof Carla Turma 8ºB E.F. aulas de matemática e Educação Física, buscou proporcionar oportunidades para que o aluno desenvolvesse seus conhecimentos matemáticos por meio dos jogos. Primeiramente os alunos foram desafiados a pensar, refletir, discutir e elaborar ações sobre o tema escolhido e que ações iriam implementar durante o ano letivo. Realizamos inicialmente uma pesquisa individual e trabalhos em grupos, onde abordamos o tema através de confecção de cartazes e criação de um logotipo, onde cada aluno deveria soltar à imaginação associando jogos lógicos a matemática. Os alunos tiveram a oportunidade de utilizar jogos de tabuleiro como: dama, trilha, uno e também alerta com bola e tabuada. Um dos motivos para a introdução de jogos nas aulas é a possibilidade de diminuir bloqueios apresentados pelos alunos. A utilização dos jogos valorizou o ensino da Matemática, sobretudo porque eles não apenas divertem, mas também extrai das atividades materiais suficientes para gerar conhecimento, interessar e fazer com que os estudantes pensem com certa motivação. Posteriormente a turma criou um Blog onde os alunos puderam publicar links de jogos lógicos e didáticos, comentá-los e interagirem com os colegas fomentando diariamente. Os alunos continuaram suas pesquisas e debates sobre jogos que desenvolvessem o raciocínio e por meio de arrecadação de doações de dinheiro de alunos, os mesmos conseguiram adquirir alguns jogos matemáticos de madeira. A turma aprendeu a jogar xadrez onde a prática dessa atividade proporcionou grandes benefícios principalmente nas crianças que tinham dificuldades de concentração, e percebeu-se a importância para o treinamento do raciocínio lógico, como também na tomada de decisões, o aprendizado na vitória e na derrota, a capacidade de criar estratégias, entre outros. Por último foi realizada uma visita ao Museu dos Brinquedos anos 80 onde os alunos tiveram a oportunidade de ver brinquedos simples que mesmo com pouca tecnologia desafiavam o raciocínio. Na visita brincaram com os jogos Genius, Resta um, War, Detetive e outros mais, e também jogaram 3 tipos de diferentes videogames. Essa visita contribuiu de forma significativa para que os alunos percebessem a importância do jogo nas possibilidades de aproximar o aluno do conhecimento científico, vivendo situações problemáticas que os aproximam de situações reais. Quando crianças e jovens brincam, demonstram prazer e alegria em aprender. Eles têm oportunidade de lidar com suas energias em busca da satisfação de seus desejos. E a curiosidade que os move para participar da brincadeira é, em certo sentido, a mesma que move os cientistas em suas pesquisas.

15 PIC Projeto de Iniciação Científica 13 JOGOS E BRINCADEIRAS ATRAVÉS DOS TEMPOS A pesquisa realizada por nós alunos do 8ºC teve como principal foco as diversas formas de brincar de nossos avós, pais, tios e até mesmo da nossa forma de se divertir nos dias de hoje, seja através dos jogos de tabuleiro em que todos se reuniam de forma divertida e numa busca por vencer elaboravam mil estratégias ou nas brincadeiras de rua que estimulavam competições frenéticas entre meninos e meninas, e também nas brincadeiras em que os participantes não viam a hora em que poderiam chegar mais perto daquela pessoa tão popular. Logo do projeto Percebemos que as mudanças foram enormes e que estas deixaram um certo saudosismo, pois havia uma certa liberdade que hoje infelizmente não se pode ter em razão de todo o progresso. Todo o processo de pesquisa nos fez viajar por várias décadas como em um túnel do tempo sendo percorrido desde os anos 50 até nossa realidade. Entre as décadas de 50 e 70, eram comuns brinquedos feitos em casa pelas próprias crianças, e brincadeiras e jogos feitos em grupos na qual as crianças tinham uma boa relação social. Nas décadas de 80 e 90, a industrialização começou a fazer parte do divertimento das crianças de forma mais explicita, já que muitos brinquedos eram industrializados, comoos games que entraram em nossas vidas para sempre. Isso fez com que os jogos de rua fossem mais raros e as crianças dessem preferência a estes brinquedos, como o atari, ferrorama, entre outros. Hoje podemos afirmar com toda a certeza que a interferência da tecnologia é intensa, onde as crianças dão preferência por ficar sozinhas com seus tablets, celulares, computadores, Ipods, à brincar em grupos como era comum antigamente. Isso faz com que tenhamos crianças mais fechadas e violentas, além de os riscos à que o uso exagerado da tecnologia pode causar. Orientadores: Prof. Cristiane G. Gouveia Sentone Prof. Francisco Carlos Garay Ribeiro Turma 8ºB E.F. Para que todos pudessem vivenciar um pouco das diversas formas de brincar através das décadas e também participassem dando seus depoimentos num blog. Não poderíamos deixar de lado a nossa realidade, fizemos então uma visita a PUCPR, para assistir uma palestra sobre jogos digitais, para entendermos melhor como estes funcionam, já que somos os agentes transformadores das tecnologias e sentimos diretamente a interferência destas em nosso dia a dia. Descobrir que o mercado de jogos esta crescendo cada vez mais, e que os jogos digitais vão além de proporcionar o entretenimento, como os jogos sérios, que passam também aos jogadores informação e/ou conhecimento, como exemplo, o xadrez. Uma ação muito importante dentro de nossa pesquisa foi a de sensibilizar a escola para o ato de doar à crianças carentes brinquedos e jogos que fizeram parte de sua história e que hoje está lá naquele cantinho esquecido, mas que pode tornar uma criança mais feliz. Outra ação de todo nosso trabalho foi o da criação de jogos com material reciclável para exposição. Finalizamos com uma mostra na escola para a comunidade no qual expomos brinquedos, jogos e também a tecnologia que não poderia ser deixada de fora. Não há dúvidas que os jogos e as brincadeiras fazem parte das relações sociais nem sempre de forma tão positiva, mas todos concordam que brincar ainda é a melhor forma de todos serem iguais criança. Fotos: acervo do colégio Mostra de Pesquisa Apresentação do PIC pelos alunos

16 14 PIC Projeto de Iniciação Científica PICHAÇÃO E GRAFITE O Projeto de Iniciação Científica (PIC) dos alunos do 8º ano D, do Colégio Estadual Professor Júlio Mesquita, no decorrer do ano de 2013, teve como tema a pichação e o grafite. Inicialmente, foi necessário entender as diferenças entre a prática da pichação e do grafite para a compreensão dos motivos e das consequências dessas intervenções urbanas. A pichação, que atualmente se configura como vandalismo, é a prática de escrever e rabiscar em muros. Já na Antiguidade Clássica é possível encontrar elementos da pichação. O grafite, ao contrário, é uma manifestação artística presente nos centros urbanos. Os grafiteiros trabalham com a autorização do proprietário do muro. As frases rabiscadas em muros, estabelecimentos e monumentos podem representar protestos, insultos ou assinaturas pessoais. No Brasil, a pichação é considerada vandalismo e crime ambiental, podendo a pena de detenção variar de três meses a um ano. Além disso, a venda de tintas do tipo aerossol é proibida para menores de 18 anos desde O grafite, por sua vez, é caracterizado como arte urbana e tem sido utilizado em projetos sociais para a promoção da cidadania e o resgate de direitos sociais de crianças e jovens que vivem em situações de risco. Atualmente, são frequentes as discussões a respeito de como evitar o vandalismo e de como valorizar o grafite como arte. A pichação tornou-se um problema recorrente, dentro e fora da escola. E o grafite, mesmo configurando-se como manifestação cultural, ainda é marginalizada e sofre preconceitos por ser relacionado à pichação. Sendo assim, faz-se importante a discussão desse tema. Durante o trabalho, foram organizados vídeos com o objetivo de conhecer os problemas causados pela pichação e como as pessoas que sofrem com essa prática acreditam que é possível evitá-la. Comerciantes, funcionários da escola e transeuntes foram entrevistados. Em alguns bairros, é comum que estabelecimentos comerciais sofram com a ação dos pichadores. Além disso, os funcionários da escola todas as semanas limpam carteiras e paredes pichadas, ocasionando grandes gastos com tintas e produtos de limpeza. Orientadores: Prof. Alessandra Peres de Souza Prof. Andressa ButtureKniess Turma 8ºD E.F. Foi também constituído um blog que proporcionou o compartilhamento de textos, imagens e vídeos acerca da pichação e do grafite. Além disso, cartazes e trabalhos em sala aumentaram as discussões sobre o tema. Ao final do trabalho, foi organizada uma oficina de grafite, com a ajuda de um grafiteiro profissional. A oficina proporcionou a valorização artística do grafite e a oportunidade de participação e visualização de sua prática. Além disso, o contato com o artista, que utiliza o grafite em projetos sociais, demonstrou a eficácia da utilização da arte urbana para a discussão de melhorias sociais. Os objetivos do trabalho as diferenças entre a pichação e o grafite, os malefícios causados pela pichação e a importância artística e social do grafite foram atingidos durante o projeto. Foi possível entender porque a pichação prejudica a escola e outros ambientes afetados e perceber que diariamente os funcionários trabalham para evitar as pichações e manter a limpeza do ambiente escolar. Em relação ao grafite, o projeto proporcionou o contato direto com essa manifestação artística. Entretanto, o trabalho de conscientização e as discussões acerca desse tema devem ter continuidade, já que o grafite e a pichação estão presentes diariamente no cotidiano urbano e escolar. Foto: acervo do colégio Mostra de Pesquisa Apresentação do PIC pelos alunos

17 PIC Projeto de Iniciação Científica 15 DA TELONA À TELINHA Com este Projeto de Iniciação Científica o 9 A tem por objetivo explorar o mundo do cinema, conhecendo todas as fases, e aprendendo a grande história que o cinema carrega, e também para saber até onde o cinema exerce influência na vida dos jovens. O tema foi escolhido pelo grande interesse da turma sobre este assunto. Neste PIC, não veremos apenas a história do cinema, mas também, o tamanho da consequência que a mídia pode trazer a uma pessoa. Aprendemos muito sobre o assunto, e agora temos algumas informações, tivemos uma boa história para trabalhar, e ótimos resultados. Esperamos que como nós, você enxergue a partir desse projeto e possa refletir sobre a história do cinema e a influência que exerce sobre a vida das pessoas. Nós alunos do 9 A, juntamente com as orientadoras desenvolvemos um trabalho sobre a influência da mídia principalmente na vida dos jovens. Falamos sobre cinema, começando no primeiro filme produzido pelos irmãos Lumière até chegar as dias atuais com os modernos filmes em 3D. Pesquisamos sobre o cinema no Brasil, fotonovelas, séries, minisséries e também sobre um programa da RPCTV chamado Casos e Causos que fala sobre historias acontecidas no Paraná e que são baseadas em fatos reais. Cogitamos a ideia de irmos aos estúdios da RPC TV para ver o trabalho deles e também produzir um episódio de Casos e Causos de acordo com nosso projeto. Fizemos muitas pesquisas sobre o cinema e sua trajetória desde o primeiro filme do produzido e apresentado ao público, no Grand Café em Paris. E foi assim que começou a sétima maravilha do mundo e que a cada dia nos surpreende cada vez mais com sua tecnologia inovadora. No segundo trimestre, nós trabalhamos com a história de Amanda Todd, uma menina que passou por muitas dificuldades até se chegar à morte. Para não deixar a história tão forte, decidimos mudar o final, amenizando a dor e colocando um final feliz para esta história verídica, neste momento foi produzido um livro contando a real história de Amanda Todd e mudando o final da mesma. Após o término da mesma os grupos começaram a trabalhar: o grupo do roteiro conseguiu criar as falas e deixar a novela com mais emoção; o grupo responsável pela música pode escolher os ritmos Orientadores: Prof. Fabiana Stolf Prof. Luciana Justus de Lima Turma 9ºA E.F. que se adequasse a cada momento marcante vivido pela personagem; o grupo do cenário criou paisagens onde os personagens passaram no decorrer da história; o grupo encarregado da descrição do cenário descreveu os detalhes e os atos dos personagens; e o grupo do figurino fez diversas pesquisas, e procuraram modelos de roupas diferentes para cada cena e cada personagem. Este trimestre foi o mais trabalhoso, pois foi onde todo o enredo e o roteiro foram desenvolvidos. No terceiro trimestre foi colocado em ação o nosso projeto, ou seja, tudo que foi apresentamos nas bancas do primeiro e segundo trimestre, foi materializado na mostra da feira. Na história real, a menina infelizmente falece, mas em nossa historia que é apenas baseada nos fatos reais, a personagem tem um final feliz. Neste trimestre, portanto, foi a organização geral do trabalho apresentado na Mostra de Pesquisa, além dos trabalhados que já tinham sido confeccionados houve a produção de um vídeo gravado pelos alunos, contando a história de Amanda que foi a base deste trabalho. Fotos: acervo do colégio Mostra de Pesquisa Apresentação do PIC pelos Alunos

18 16 PIC Projeto de Iniciação Científica PONTOS TURÍSTICOS DE CURITIBA: CULTURA, ESPORTE E LAZER. Logo do Projeto A capital curitibana tem diversas opções de entretenimento, e entre elas estão os parques da cidade. Todos eles tem sua história, entre elas a cultura, artes e preservação do meio ambiente. Dentre os pontos turísticos escolhidos estão: Jardim Botânico, Passeio Público, Museu Oscar Niemayer (MON), Ópera de Arame, Parque Tanguá e Parque Barigui. Os órgãos públicos investem bastante nestes pontos turísticos, inclusive há parcerias com empresas privadas, pois atraem muitos turistas para a cidade. Em alguns existem as academias ao ar livre, comuns em todo o Brasil. Este tema foi de interesse da turma, pois além de nós mesmos aprendermos e conhecermos um pouco mais sobre esses lugares, tentamos divulgar e mostrar as belezas da cidade mostrando os diferentes projetos que são desenvolvidos em alguns desses pontos turísticos. Muitas pessoas que moram aqui não conhecem estes lugares. Um dos motivos é que as tecnologias de hoje tem afastado cada vez mais o homem da natureza, pois ele deixa de sair de casa, visitar parques e museus para ficar na internet, ou por falta de tempo, ou por falta de interesse em cultura e artes. Por isso nos perguntamos: Quais os lugares mais bonitos de Curitiba? Todos da classe conhecem esses lugares? É importante conhecêlos? Foram esses questionamentos que nos fizeram escolher esse tema, porque apesar de morarmos em Curitiba, muitos de nós não conhecemos os pontos turísticos e os projetos desenvolvidos nesses lugares. O nosso projeto começou com uma pesquisa teórica sobre os pontos turísticos escolhidos. Em seguida visitamos esses lugares, obtivemos material de estudo, fotografamos e filmamos. Com o material coletado, alimentamos um blog para assim levar a informação à outras pessoas que não conhecem. Para encerrar o trabalho, fizemos uma exposição de fotos e maquetes de pontos turísticos estudados. Passeio Público: é o parque mais central e o primeiro de Curitiba. Inaugurado em 1886, no século 19 foi por um tempo o Jardim Botânico de Curitiba logo depois passou a ser zoológico. Orientadores: Prof. Clenir Heck Winter Prof. Nilton Cesar Cardoso dos Santos Turma 9ºB E.F. Museu Oscar Niemayer: inaugurado em 2002, o museu é mais conhecido como museu do olho. Destinado a exposições e obras de arte que conta com diversos ambientes, incluindo um auditório para 400 pessoas, café e espaços de lazer. Ópera de Arame: é um dos principais cartões postais de Curitiba. Dando a impressão de ser feita de arame e vidro, se misturando com a paisagem verde e o riacho artificial, com apresentações artísticas e culturais. Em anexo, a pedreira Paulo Leminski. Parque Tanguá: inaugurado em 1996 entre os municípios de Curitiba e Almirante Tamandaré em uma antiga pedreira às margens do rio Barigui. Além do túnel e do lago com cascata, abriga desde 1998 o Jardim Poty Lazzarotto. Parque Barigui: O termo barigui tem origem indígena. Os índios locais deram esse nome ao rio que atravessa o parque e que pode ser traduzido como rio do fruto espinhoso, referindo-se as pinhas que caem dos muitos pinheiros do local. É um dos maiores e mais frequentados parques de Curitiba, um dos maiores pontos de encontro da cidade. O parque possui muita área verde e um lago, também é um lugar de lazer para as famílias. Jardim Botânico: O Jardim Botânico de Curitiba foi inaugurado em Seus jardins geométricos e a estufa de três abóbadas tornaramse um dos principais cartões postais de Curitiba. A estufa abriga plantas características da floresta atlântica do Brasil. Sua arquitetura, em estrutura metálica e estilo art-noveau, inspirada em um palácio de cristal que existiu em Londres, no século 19. Ainda há o jardim das sensações, no qual os deficientes visuais conseguem apreciar e conhecer as plantas e identificá-las através de cheiro e do tato. Com a conclusão do nosso projeto, mostramos a importância de preservar e visitar os parques e museus e conhecermos um pouco mais sobre esses lugares e os projetos neles desenvolvidos.

19 PIC Projeto de Iniciação Científica 17 A HISTÓRIA DA MÚSICA, SUAS VERTENTES E A INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO DE NOSSOS JOVENS DO COLÉGIO JÚLIO MESQUITA Logo do Projeto Nosso primeiro objetivo foi o de estarmos organizando uma revista ilustrada sobre diversos assuntos relacionados à música. Como, conhecer mais profundamente a função de cada instrumento dentro de uma orquestra, os variados gêneros, intérpretes, e também, a sua infuência na formação psicológica de nossos jovens discentes e consequentemente, a sua utilização em sala de aula. O adolescente, por estar na fase de formação de sua personalidade é muito mais vulnerável às influências do mundo que o circunda do que o jovem mais maduro. Bombardeados por informações econômicas, eróticas, religiosas, políticas e sensacionalistas, os adolescentes estão expostos precocemente ao mundo complexo dos adultos. Status, boa aparência, independência e namoro, já são características desejadas nesta, com todas as conseqüências que bem conhecemos. A música facilita o ensino, pois cria empatia entre aluno e professor e forma um referencial de memória para os alunos, facilitando, assim, sua relação com o conteúdo. É o que diz Milton Joeri Fernandes Duarte, autor da tese de doutorado A música e a construção do conhecimento histórico em aula, defendido em maio na Faculdade de Educação (FE) da USP sob orientação de Katia Maria Abud Lopes. Dentro da sala de aula, a música aproxima a memória individual do professor com a dos alunos. A maior parte da consciência musical não é criada na escola, mas vem do cotidiano familiar. Por isso é necessário que o professor contextualize as canções que mostre aos alunos e que se proponha a conhecer o que os alunos gostam de ouvir para haver maior empatia entre eles. As pessoas são tocadas emocionalmente pela música. Por isso professores e alunos que não dominam a linguagem musical conseguem trabalhá-la em sala de aula, explica. Segundo Duarte, mesmo aqueles que entendem de música são inicialmente atingidos pela emoção. Só depois que a pessoa pode parar e pensar com o conhecimento técnico que ela tiver. A sua prática define conceitos e conhecimentos e estimula o aluno a observar, questionar, investigar e entender o meio em que vive e os eventos do dia a dia, através da musicalidade. Além disso, estimula a curiosidade, imaginação e o entendimento de todo o Orientadores: Prof. Maria Helena D Oliveira Prof. Cristiane G. Gouveia Sentone Turma 9ºC E.F. processo de construção do conhecimento de forma sonora e descontraída. Mostrando assim, a capacidade que a música tem de influenciar o homem física e mentalmente, podendo contribuir para a harmonia pessoal e facilitando a integração entre o professor/ aluno e aluno/aluno. Como instrumento para tornar a escola um lugar mais alegre e receptivo, e também ampliar o conhecimento musical do aluno. Afinal, a música é um bem cultural e seu conhecimento não deve ser privilégio de poucos. A escola oportunizou a convivência com os diferentes gêneros, apresentando novos estilos, proporcionando uma análise reflexiva do que é apresentado e permitindo que o aluno se torne um sujeito mais crítico em suas escolhas pela vida. Estas atividades de musicalização permitem aos alunos conhecer melhor a si mesmo, desenvolvendo sua noção de esquema corporal e, também permitindo a comunicação com o outro, contribuindo de maneira facilitadora de descontração, como reforço no desenvolvimento cognitivo/lingüístico, psicomotor e socioafetivo do aluno. Nesse processo a autoestima e a autorealização desempenham um papel muito. Através do desenvolvimento da autoestima, o aluno aprende a se aceitar como é, com suas capacidades e limitações. O professor pode selecionar músicas que falem do conteúdo a ser trabalhado em sua área, isso vai tornar as aulas dinâmicas, atrativas e vai ajudar a recordar informações passadas. Mas, a música também deve ser estudada como matéria em si, como linguagem artística, forma de expressão e como um bem cultural da nossa sociedade. Ao considerar as diferentes habilidades, a escola esta dando oportunidade para que o aluno se destaque em pelo menos uma delas, ao contrário do que acontece quando se privilegiam apenas as capacidades lógico/matemática e linguística. Os gêneros musicais pesquisados pelos grupos de alunos abaixo, onde trouxeram informações, imagens, curiosidades, mapas, se o gênero faz algum tipo de apologia, além das fontes para a nossa revista. Tema A Funk Carioca e Americano Tema B Bossa Nova e Samba Tema C Dance Music e Rock Tema D Hip Hop e Rap Tema E Blues e Jazz Tema F Sertanejo Universitário e MPB Tema G Axé Music e Raggae Após o embasamento teórico foram construídas paródias pelos alunos, que através do ritmo a eles determinado, tiveram conteúdos pedagógicos abordados para facilitar a aprendizagem.

20 18 PIC Projeto de Iniciação Científica CRUELDADE E ABANDONO ANIMAL O abandono animal se caracteriza como uma das maiores maldades e crueldades praticadas pelo ser humano. A conscientização começa pela educação nas escolas junto aos alunos, pais e comunidade. Agindo como multiplicadores para um bem maior: não praticar a crueldade e o abandono com os animais através de ações efetivas junto a órgãos competentes como as ONGS, que precisam do apoio de todos. Neste ano criamos um tema atual e polêmico em que a sociedade e os governantes fogem das suas imensas responsabilidades. O tema escolhido pelo nono ano D foi CRUELDADE E ABANDONO ANIMAL. Entendemos com o trabalho que é uma crueldade abandonar animais e vice e versa. No primeiro trimestre escolhemos o tema. Abrimos um Blog e um grupo no facebook (para mostrar ao público um pouco do nosso trabalho e nele postamos diariamente fotos, vídeos e textos que se referem ao nosso assunto), entramos em contato com Ongs e neste momento houve muita frustração, pois algumas ongs não encaixavam com a nossa proposta que sempre foi os animais, mesmo assim fomos persistentes e prosseguimos. Foto: Acervo do colégio No segundo trimestre fizemos um plano de ação para arrecadar rações dentro do colégio começando pela nossa turma e estendendo para todo o Colégio, com isso escolhemos um grupo de alunos que foram de sala em sala dando mini palestras falando e respondendo sobre o assunto. Conseguimos um número razoável de rações, potes, remédios, roupas, cobertores, pneus (puff) com ajuda dos alunos do curso técnico em logística que abraçaram a causa. Orientadores: Prof. Fúlvia Stella Ribeiro Prof. Reggiane Rissioli Turma 9ºD E.F. Também neste semestre fomos visitar as feiras de adoção de cães, cada grupo foi em uma feira diferente e pode assim contar as experiências e dificuldades que cada uma passa. Enviamos todas as rações e produtos arrecadados para duas ongs nas quais visitamos e pudemos assim ver de perto as dificuldades e o porque de tanto abandono. Foto: Acervo do Colégio As Ongs ajudadas foram Animais Sem Teto e Meu Anjo Focinhos. Neste momento a turma pode perceber o quanto o tema realmente era importante e o quanto isso nos tocou. Com este tema queremos conscientizar a população e fazer com que o nosso projeto faça a diferença e que diminua a porcentagem de cães e gatos sendo maltratados e largados na rua. Tivemos uma palestra com a responsável pela Ong Animais Sem Teto agregando ao nosso trabalho mais conhecimento. Concluímos nosso trabalho com uma mostra onde abordamos o tema para a comunidade. De todos os animais, o homem é o único que é cruel. É o único que inflige dor pelo prazer de fazê-lo. (Mark Twain). Foto: Acervo do Colégio

21 PIC Projeto de Iniciação Científica 19 SKATE PARA TODOS! Orientadores: Prof. Adrian Espindula Prof. Ana Lúcia Sumida Turma 1ºA E.M. Logo do projeto Durante o ano letivo de 201, os alunos do 1ºA estiveram a criar um projeto com o tema de Skate para todos, que foi envolvido em algumas partes: Blog O Blog foi um lugar criado pelos alunos para disponibilizar conteúdos sobre skate, usando como exemplo sua própria opinião, pequenos textos sobre grandes skatistas famosos, modalidades, e assim por diante (Blog: Visita a Praça Bento Mossurunga No segundo trimestre os alunos organizaram uma visita a Praça Bento Mossurunga, onde os próprios alunos demonstraram o que sabem fazer, o vídeo está publicado no site do colégio. Projeto de Adaptação do Skate O projeto envolve a criação de um skate para pessoa com dificuldade ou falta de equilíbrio. Esse skate foi projetado para auxiliar não apenas quem tem dificuldades de equilibro, mas também aos iniciantes. É um projeto bem simples, foi usado um skate normal e adicionado duas alças laterais para dar mais equilíbrio em confiança. Foto: Acervo do colégio Game Of Skate O Game Of Skate foi um campeonato organizado pelos alunos do 1ºA, com supervisão da Direção da escola. O campeonato foi realizado no dia 23 de novembro de 2013 durante a Mostra de Pesquisa. O campeonato consistiu em: Manobras realizadas no chão. Durante o campeonato foi colocado caixotes para os participantes mostrarem o que sabem enquanto esperavam para competir. O campeonato foi patrocinado pelas lojas: RAAS Boardshop e Loja 5 Irmãos que ofereceram os equipamentos.

22 20 PIC Projeto de Iniciação Científica TRABALHO E TECNOLOGIAS A tecnologia está muito presente no nosso dia a dia e, a cada dia que passa ela se desenvolve mais e conseguimos realizar tarefas com mais agilidade e praticidade. Com tais avanços tecnológicos temos o mundo praticamente na ponta dos dedos. Mas, e como chegamos a esse ponto? Em que notícias vindas do outro lado do mundo estivessem ao nosso alcance em questão de segundos? É isso que os alunos do 1º ano B do Ensino Médio orientados pelos professores Deusuita e Noemir Amaral almejavam descobrir. Este artigo tem por objetivo relatar as experiências dos alunos do 1ºB do Ensino Médio, na elaboração do Projeto de Iniciação Científica (PIC), realizada durante o ano de 2013, no. O tema escolhido foi Trabalho e Tecnologias, por se entender que o avanço tecnológico está encaminhando para novos campos de trabalho, associando a profissão e o lazer. O projeto foi desenvolvido em três etapas. Na primeira etapa os alunos realizaram pesquisa individual sobre o tema escolhido para discussão nas equipes em sala de aula e a construção do plano de ação. A segunda etapa foi realizada pesquisa de campo e a última etapa a Mostra de Pesquisa com a produção do artigo final. Com a pesquisa realizada os alunos observaram que, de acordo com a agilidade e rapidez que o homem precisava ter algo, mais ele desenvolvia instrumentos para chegar ao objetivo, com menos custos, mais ágil e tecnologicamente mais avançado. Os alunos visitaram a Feira de Profissões na UFPR Universidade Federal do Paraná onde puderam observar que as profissões embora Orientadores: Prof. Deusuita Bomfim S. Lirio Prof. Noemir Amaral Turma 1ºB E.M. pareçam simples e de pouca tecnologia, escondem um avanço tecnológico imenso e, mais do que isso, inúmeras profissões foram criadas pela necessidade de desenvolvimento e manuseio de novas tecnologias. Fonte: Acervo do Colégio Visita dos alunos UFPR Observaram, também, que a tecnologia não irá substituir o ser humano no trabalho, mas sim, irá aumentar seu campo de atuações facilitando sua atividade em todos os lugares como trabalho, residência, lazer, entre outros. No dia 22 de novembro de 2013 foi realizada a Mostra de Pesquisa onde os alunos apresentaram para a comunidade escolar os conhecimentos adquiridos com os trabalhos realizados em sala de aula. Os professores orientadores puderam colocar em prática seus conhecimentos acadêmicos científicos, que nem sempre há oportunidade no cotidiano de sala de aula. Os avanços tecnológicos permitem que sejam descobertos novos instrumentos e novos aparelhos que irão auxiliar, com o uso consciente cada vez mais para o bem da humanidade.

23 PIC Projeto de Iniciação Científica 21 PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS Exercícios Físicos, por que praticá-los? Essa foi a nossa problemática trabalhada no Projeto de Iniciação Científica, com o objetivo de conscientizar a população do Colégio Estadual Professor Júlio Mesquita sobre a importância da prática regular de exercícios físicos para a saúde e bem-estar. A abordagem desse assunto nos proporcionou a oportunidade de esclarecer algumas dúvidas a respeito da prática regular de exercícios físicos que é muito comumente confundida com a prática de atividades físicas. Quando falamos em atividades físicas, nos referimos a todo tipo de movimento que nossos músculos esqueléticos exercem com gasto de energia acima dos níveis de repouso, como por exemplo, limpar a casa, caminhar e etc. Já os exercícios físicos, são exercícios praticados com um objetivo, de maneira sistematizada, monitorada, com duração do tempo e intensidade planejados. Uma caminhada é considerada uma atividade física, já uma caminhada orientada é um exercício físico, podendo ter tempo e intensidade definidos, e um objetivo, como por exemplo, a perda de peso e queima de calorias. A prática regular de exercícios físicos é estritamente importante para manter-se saudável. Independente da idade, o exercício traz inúmeros benefícios à saúde, aparência e bem-estar, tais como: queima de calorias, prevenção de doenças, controle do apetite, melhora da função imunológica, o aumento da produtividade no trabalho, a diminuição da gordura corporal, incremento da força e da massa muscular, incremento da densidade óssea, fortalecimento do tecido conectivo, diminuição da frequência cardíaca em repouso, aumento da ventilação pulmonar, diminuição da pressão arterial, melhora do perfil lipídico, da auto-estima, da imagem corporal, diminuição do stress, da ansiedade, tensão muscular e insônia, melhora da flexibilidade, mobilidade articular, reflexo, coordenação motora e agilidade, socialização, maior facilidade para tarefas cotidianas, entre muitos outros. Justificando a realização do projeto. Orientadores: Prof. Alexsandra de Amorim Prof. Maira Makley Dal Sant Hra Turma 1ºC E.M. É importante saber ainda que para uma pessoa ser considerada ativa e alcançar os benefícios com as praticas de exercícios físicos precisa de no mínimo 150 minutos de atividade física por semana, seja de forma contínua ou intercalada. O mais indicado é que seja realizado 30 minutos, 5 vezes por semana, ou 3 dias na semana com sessões de 50 minutos, Para alcançar melhores benefícios, recomenda-se atingir intensidades moderadas. A partir do projeto foi possível desenvolvermos várias ações na comunidade escolar, tais como: construção de um site com informações sobre a prática regular de exercícios físicos; realizamos o Mês do Exercício Físico no Colégio, que ofereceu a oportunidade da comunidade escolar praticar várias atividades físicas (vivências práticas de ginástica, lutas, dança de salão, alongamento, voleibol corrida e caminhada); palestra com Professor e Mestre em Educação Física André Martines Albuquerque com o tema Exercícios Físico; e no dia 21 de setembro realizamos a 1ª: caminhada do coração do Júlio Mesquita no bairro com a participação de toda comunidade escolar. Fotos: Acervo do Colégio. 1ª caminhada do Coração do Colégio É importante lembrar que devemos fazer aquilo que gostamos, pois o exercício deve ser visto e compreendido como um bem estar para cada indivíduo.

24 22 PIC Projeto de Iniciação Científica CONTRATES PRECONCEITO ÈTNICO- RACIAL Logo do projeto Com o crescimento populacional, cresce também o numero de pessoas com preconceito, atualmente com o tipo de criação que as crianças e jovens estão recebendo levam eles a julgarem as pessoas pela cor, por ter problemas especiais e até por não seguir a moda. Esse trabalho teve o intuito de conscientizar as pessoas da nossa comunidade para que sejam capazes de respeitar umas as outras. Foram realizadas ações de conscientização racial e cultural para que isso possa se concretizar. Esse trabalho foi desenvolvido pelos alunos do 1ºD, do período matutino, do Colégio Estadual Professor Júlio Mesquita, localizado no bairro Jardim das Américas, na cidade de Curitiba-PR, com a orientação dos professores de Arte, Fabiana Stolf e Historia, Ana Paula Saks. Os alunos foram desafiados a conscientizar a comunidade escolar em relação ao preconceito. Iniciaram-se os trabalhos com divisão em grupo, onde cada um ficou responsável por um tópico relacionado ao tema, elaborando ações, e com isso, em coletivo criaram objetivos que pudessem atingir a toda comunidade escolar. Durante o ano letivo os alunos fizeram levantamento de temas que pudessem contribuir para o aumento ou redução do preconceito étnicoracial, iniciaram estudos teóricos e análises sobre a temática, que foram seguidos de um plano de ação, como a criação de um blog (www.sala1d.blogspot.com.br). Este foi desenvolvido para que cada aluno pudesse dar sua contribuição com informações que possibilitassem atingir o objetivo de conscientizar a comunidade escolar quanto às questões do preconceito. Orientadoras: Prof. Ana Paula Saks Prof. Fabiana Stolf Turma 1ºD E.M. Foi realizada uma palestra para a turma, onde o grupo de religiosidade trouxe uma Mãe de Santo para falar sobre candomblé e umbanda. O grupo de grafite fez pesquisa sobre a história do grafite, imagens com modalidades diferentes e desenvolveram um painel para colocar em exposição na Mostra do PIC. O grupo de Dança e costumes pesquisou sobre as danças típicas afro e os preconceitos sobre elas, além dos costumes herdados dos negros que se mantém na atualidade; enquanto o grupo Celebridades pesquisou sobre pessoas famosas que sofreram e superaram o preconceito, onde foram feitos móbiles com fotos destas personalidades. Os grupos que abordaram o tema música se dividiram na abordagem do tema, onde o primeiro preparou uma música com relação ao preconceito e o segundo grupo enfatizou na pesquisa a cultura negra e como esta influencia a música além de sua contribuição contra o preconceito étnico racial. A mostra do PIC foi apresentada no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, a apresentação foi programada para esta data como uma das ações da comunidade escolar visando valorizar e ressaltar a importância deste dia para o respeito da figura do negro em nossa sociedade. Foto: Acervo do Colégio - Mostra de Pesquisa - 22/11/13 Assim concluímos com este trabalho que foi possível mostrar que as diferenças existem e podem ser positivas, desde que o respeito permeie a relação entre os indivíduos. O trecho, a seguir, da música composta especialmente para este projeto resume o pensamento da turma no final somos todos iguais, a diferença é você quem faz.

25 PIC Projeto de Iniciação Científica A INFLUÊNCIA DA MUSICA NA VIDA DAS PESSOAS A presença da música na vida dos seres humanos é incontestável. Ela tem acompanhado a história da humanidade ao longo dos tempos, exercendo as mais diferentes funções. Está presente em todas as regiões da Terra, em todas as culturas e em todas as épocas, ou seja, a música é uma linguagem universal, que ultrapassa todas as barreiras. Entretanto, a forma pela qual a música, como linguagem, acontece nos seus diferentes grupos é bastante diversificada. A música para a maioria das pessoas é uma forma de expressar sentimentos, desejos, frustações, um conceito que não está muito longe da realidade, pois até os dias de hoje a música é utilizada de certa forma como meio de informatização ou até mesmo "Abrir os Olhos da Humanidade. Para o desenvolvimento das atividades do PIC realizamos inicialmente uma pesquisa sobre como a música nos influencia, posteriormente nos dividimos em quatro grupos, cada qual com um gênero musical diferente: Pop: O Pop surgiu nos Estados Unidos na década de 50. O estilo musical é marcado pela conservação da estrutura formal da música: verso estribilho verso, executada de modo sensível e melódico. Rock: É um termo abrangente que se desenvolveu durante e após a década de 50. Suas raízes se encontram no rock-and-roll e no Rockabilly. Deu inicio nos Estados Unidos, no final dos anos quarenta. Evoluíram do Blues, música country e do Rhythm and blues. Funk: foi criado nos Estados Unidos por volta da década de 60, e ficou muito conhecido por ter um ritmo sincopado e pela forte e rítmica seção de metais, pela percussão e o ritmo dançante, também recebeu grande influência do Jazz. Rap: (Ritmo e Poesia) surgiu nos guetos dos Estados Unidos na década de 70 é caracterizado por um estilo de letra pesada relatando a vida dos jovens. Foi criado um blog:influenciadamusica.blogspot.com.br com o intuito de mostrar o que estávamos aprendendo sobre a música e qual seria nosso objetivo no final disso, encontra-se no blog, Orientadores: Prof. Julia Augusta Wactawski Prof. Mara Lucia Sakae Hangai Barboza Turma 2ºA E.M. curiosidades, matérias, clipes, a origem de cada estilo musical, a evolução da música ao longo dos anos e no que a música influencia em nossas vidas. Assistimos ao filme O Som do Coração e a apresentação da banda Trombone de Frutas, em seguida, elaboramos um relatório discorrendo a respeito dos mesmos. E por fim, realizamos um planejamento para a apresentação final do nosso projeto. Fotos: Acervo do colégio - Mostra de Pesquisa 22/11 Apresentação do PIC pelos alunos A música nos dias de hoje é praticamente um tipo de identidade, porque através do gosto musical podemos perceber com que tipo de pessoas estamos lidando, isto é, conhecemos personalidades, gostos, temperamentos e muitas coisas mais. A música também é a arte de poder expressar diversas coisas como sentimentos e pensamentos, não conseguimos simplesmente falar, e isso é algo bom principalmente para quem não tem seu senso crítico formado. 23

26 24 PIC Projeto de Iniciação Científica PICHAÇÃO E GRAFITE LINGUAGEM, VANDALISMO OU ARTE URBANA? Logo do Projeto Uma das questões mais presentes em nossa sociedade diz respeito ao problema da pichação e do grafite. Schultz, em seu trabalho Pichação e grafite: reverberações educacionais, nos diz que Pichações e grafites estão presentes pelos muros, portas de garagem, na fachada dos prédios, viadutos, postes, vagões, túneis, ruínas, monumentos e tantas outras superfícies disponíveis que possam servir de suporte. Incorporados à paisagem das metrópoles, a pichação e o grafite estão presentes tanto nas vias de circulação quanto nos espaços intransitáveis. Já não se pode mais ignorar a sua presença. De fato, a pichação e o grafite afetam a todos de maneira positiva ou negativa, há quem diga que estas representações gráficas são uma forma de arte, ou ainda uma forma de expressão da qual é possível fazer algumas leituras e outros acham que não passa de vandalismo e, portanto, um crime que deve ser combatido com rigor. Estes elementos motivaram os estudantes do 2º ano B, do Colégio Estadual Julio Mesquita, sob a orientação dos professores Jansen Filho e Ana Caroline, a se lançarem numa pesquisa, estruturada e construída em várias etapas, para decifrar o limiar entre a linguagem, a arte e a subversão contidas na pichação e no grafite. O trabalho começou com uma ampla coleta de dados em livros, revistas e meios eletrônicos. O resultado serviu para a montagem do projeto de pesquisa que previu, entre outras coisas, a criação de um blog (que se encontra no endereço: para o compartilhamento de informações com o máximo de pessoas que se interessassem pelo tema. Nele são compartilhados fotos, vídeos e artigos de múltiplas fontes. A ideia, como já colocado antes, era poder criar um espaço onde pessoas do Brasil, e do mundo inteiro, pudessem postar Orientadores: Prof. Ana Caroline de L. de Oliveira Prof. Laerci Jansen Turma 2ºB E.M. experiências, considerações ou simplesmente sanar dúvidas ou alimentar sua curiosidade.. Porém o ponto alto da pesquisa foi certamente a oficina de grafite feita com o artista Rodrigo Pires de Melo. Ele grafitou o logo da pesquisa na parede da escola e explicou seu trabalho realizado na ONG Anjos onde ensina a arte do grafite às crianças carentes. Seu relato foi bastante inspirador e ajudou a adentrar de forma prática neste mundo repleto de juízos de valor. Foto: Acervo de Laura Bernardi Através do seu relato e de outras fontes de pesquisa, a aproximação que tivemos nos revelou que tanto a pichação quanto o grafite são formas de expressão e arte, porém ambas podem ter o caráter de ameaça ao patrimônio particular ou público quando não autorizada. É neste ponto que tais formas de expressão caem na ilegalidade. Sobre esta questão no dia 10/12/2013 entrou em vigor a lei municipal /2013 que estipulou os novos valores de multas para quem for pego fazendo pichação em Curitiba e também para comerciantes que venderem tinta spray para menores de 18 anos de idade. Entretanto, desconsiderando as sanções, muitos jovens se arriscam nos topos de edifícios e de lugares aparentemente inacessíveis pelo prazer de deixar sua assinatura como uma espécie de troféu e mostra de superioridade sobre os outros pichadores. No outro extremo dessa realidade estão profissionais que fazem da prática do grafite uma arte reconhecida por toda sociedade, traduzindo as contradições sociais em imagens cheias de significados. Nas paletas de cores os vários mundos se chocam e nos dão a compreensão que pichação e grafite é arte, linguagem e subversão ao mesmo tempo, depende apenas do prisma pelo qual se vê.

27 PIC Projeto de Iniciação Científica 25 COPA DO MUNDO 2014 No Presente artigo, iremos relatar sobre o Projeto de Iniciação Científica realizado no ano de 2013 pelos alunos do 2ºC. Escolhemos como tema, juntamente com o auxilio de nossas professoras representantes, A Copa do Mundo de 2014, que será realizada aqui no Brasil. Com objetivo de saber o que o mundial é e o que será capaz de nos proporcionar, nos dois primeiros trimestres procuramos nos aprofundar nos aspectos sociais, políticos e econômicos que envolvem o evento. A fim de saber como nossa comunidade se posicionava a respeito do mundial, três pesquisas foram realizadas dentro e fora do ambiente escolar. Na escola, 70% dos alunos apoiam a copa, mas acham que primeiro devem ser feitas melhorias na educação e saúde; 20% apoiam totalmente a copa; 10% acham que o Brasil não deveria receber o evento. Nas ruas, de 30 pessoas entrevistadas, 76,6% são contra a copa e outros 23,4% são a favor. Com isso podemos dizer que a copa para maioria não está sendo bem vinda, e muitos estão insatisfeitos com o evento, até mesmo por conta do custo tão alto que ela representa já que a corrupção em nosso país é tão alta. No trabalho final, concluímos com a amostra onde foram representadas as cidades sedes, as curiosidades sobre elas e também tentamos mostrar um pouco dos benefícios que a copa está nos trazendo de certa forma, coisas que não teríamos caso não houvesse Orientadores: Prof. Márcia Prof. Nancy Ivanir Dietrichkeit Turma 2ªC E.M. copa, já que se não acontecesse copa esse dinheiro todo também não seria usado para melhorar as coisas em nosso país e estaríamos na mesma. Foto: acervo do colégio Mostra de Pesquisa 22/11 Apresentação do PIC pelos alunos

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL:

FANTOCHE/DEDOCHE HISTÓRIA INFANTIL: TEATRO DE SOMBRA LIVRO LOLO BARNABÉ: O teatro de sombras surgiu há muito tempo. Desde que os homens viviam em cavernas, já se maravilhavam com as sombras produzidas pela luz do sol ou do fogo. Com o tempo,

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA

MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE TOYODA-2014 PROJETO IDENTIDADE MINHA HISTÓRIA, MINHA VIDA TURMA: 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (AZALÉIA E ACÁCIA) PROFESSORAS: GENISMEYRE E LUCILEILA Projeto Identidade Público

Leia mais

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Marisa Aguetoni Fontes, Universidade de Lisboa / Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

PARTE 1 Identificação da Experiência

PARTE 1 Identificação da Experiência PARTE 1 Identificação da Experiência NOME DA INSTITUIÇÃO/ESCOLA/REDE: Escola Municipal Professora Maria Irene Vicentini Theodoro Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos. ENDEREÇO:

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE LIXO ORGANIZADO: UM SONHO POSSÍVEL. Vera Lúcia Alves.

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE LIXO ORGANIZADO: UM SONHO POSSÍVEL. Vera Lúcia Alves. SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE LIO ORGANIZADO: UM SONHO POSSÍVEL Vera Lúcia Alves. RIO VERDE GO 2010 Identificação: EMEF José do Prado Guimarães. Localização: Rio

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB.

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA APROPRIAÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CAMPINA GRANDE-PB. Maria Célia Cavalcante de Paula e SILVA Licenciada em Ciências Biológicas pela

Leia mais

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2.

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2. PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ ENSINO FUNDAMENTAL I PROJETOS PARA FEIRA DO CONHECIMENTO 2014 Projeto: O MUNDO ENCANTADO DA ARTE - 1º ano A, B, C e D Professoras: Newman Miranda, Girlainy Aragão e Eliziana Monteiro A arte faz parte da vida das crianças como instrumento de leitura do mundo e de

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Profa. Cláudia Yazlle 29 e 30/março/2011 Objetivos da aula de hoje Refletir sobre a identidade da educação infantil Conhecer os objetivos gerais da educação

Leia mais

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL Oficinas de apoio e fortalecimento de laços intergeracionais, com dinâmicas, arteterapia, psicoeducativos, exercícios de alongamento, respiração e relaxamento,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA A EVOLUÇÃO DA ESCRITA Percebemos a partir da observação das imagens exibidas no vídeo A EVOLUÇÃO DA ESCRITA que o homem sempre buscou muitas formas de transmitir pensamentos. O texto é uma das formas mais

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral.

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral. Entre os dias 30 de agosto e 6 de setembro de 2014, a PUC Minas no São Gabriel realiza a VI Semana de Ciência, Arte e Política, com a temática Cidades Aqui tem gente? Dentro da programação, a SCAP Lá e

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000 - Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ PROGRAMA DE 2014 DISCIPLINA: LINGUAGEM

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Turma do Maternal as minhocas e a plantação de rabanetes.

Turma do Maternal as minhocas e a plantação de rabanetes. RELATÓRIO DE GRUPO MATERNAL VESPERTINO 2º SEMESTRE DE 2014 Professora: Jéssica Oliveira Professora auxiliar: Elizabeth Fontes Coordenação: Lucy Ramos Torres Turma do Maternal as minhocas e a plantação

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA Cuiabá- 2009 I - Apresentação Este Programa pretende sensibilizar a sociedade cuiabana para

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos?

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? PROJETO ANUAL Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? I TRIMESTRE Turmas: Maternal ao 5º ano Enfatizando: Maternal e jardim I: O Circo {A magia do riso] Levar os alunos a compreender

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA

PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA Escola Estadual Leontino Alves de Oliveira PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA Rio Negro MS, Setembro de 2012. Identificação Escola Estadual Leontino Alves de Oliveira Cidade: Rio Negro MS Período: Setembro

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Shirley Teixeira Barros shirlinha@uft.edu.br UFT Dayse Suelle Silva Carvalho daysesuellesc@hotmail.com UFT Carmem Lucia Artioli Rolim carmem.rolim@uft.edu.br

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Educação para o trânsito

Educação para o trânsito Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino Fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 5 o ANO Data: / / Nível: Escola: Nome: Educação para o trânsito JUSTIFICATIVA O estudo do tema: Educação

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais