UMA CAPACITAÇÃO IN LOCO... ANÉSIA MARIA COSTA GILIO FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA FAMATH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA CAPACITAÇÃO IN LOCO... ANÉSIA MARIA COSTA GILIO FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA FAMATH"

Transcrição

1 UMA CAPACITAÇÃO IN LOCO... ANÉSIA MARIA COSTA GILIO FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA FAMATH Este artigo é um relato do novo... A partir do velho. Ou, do vivido? Uma capacitação in loco. Contrário ao, até então, vivido. Este relato se fez do ontem e do hoje. A idéia de escrever este artigo surgiu a partir de meu exercício de observação; da ação de fazer relações, de perceber admirações nos sujeitos que permeiam meu cotidiano. Para este fim, busquei em Lüdke (1986), o respaldo que procurava para justificar essa necessidade que sinto de ser parte deste relato, dispondo, também, da minha leitura do mundo e das minhas emoções para nortear este trabalho. Diz esta autora, que é igualmente importante lembrar que, como atividade humana e social, a pesquisa traz consigo inevitavelmente, a carga de valores, preferências, interesses e princípios que orientam o pesquisador (Lüdke e André, 1986, p. 3). Mais segura sobre a liberdade no pensar e no agir como pesquisadora, iniciei um exercício para definir a metodologia que seria adequada à análise do que tomo como objeto deste estudo: Primeira capacitação de alfabetizadores nas FAMATh, Niterói RJ e, também, primeira capacitação in loco no município de Planaltino/ Bahia. Lüdke e André (1986), apontaram-me como caminho metodológico a análise de conteúdo. Esta se constitui em um conjunto de instrumentos metodológicos que tem, como fator comum, técnicas múltiplas e multiplicadas, que levam a uma hermenêutica controlada, baseada na inferência. Seu esforço de interpretação é norteado por dados objetivos e subjetivos, dando maior prioridade ao segundo, permitindo ao pesquisador a constante formulação de hipóteses, partindo para as suas inferências, ao não-dito no discurso. Analiso, então, os dados recolhidos para este estudo com base na análise de conteúdo, fundamentada nos estudos realizados por Bardin (1977). Partindo destes pressupostos, apresento dados objetivos, mas a atenção e o olhar estão definitivamente voltados para a subjetividade no

2 discurso do universitário envolvido em um projeto solidário. Este movimento, foi assim definido por Wagner de Araújo Rezende (7º período de Psicologia, 2001): Os alunos (graduandos) eram movidos por desafios e a cada momento surpreendiam e eram surpreendidos com a beleza criativa e a responsabilidade política no querer e no fazer, marcas de todas as oficinas. Vínculos de amizade foram estabelecidos, reforçando a motivação daqueles que saudosos de seus lares,se envolviam incessantemente no aprimoramento de seus conhecimentos. Havia a expectativa primeira de conhecer melhores metodologias de ensino que possibilitassem o sorriso nos rostos daqueles que aprenderiam a assinar seus nomes e se integrariam à sociedade dignamente, pois a condição de analfabeto não mais representaria motivo de segregação e preconceito. Foram estes ensinamentos, que possibilitaram-nos perceber a emoção que contagiou esta Instituição de Ensino Superior. Período de recesso, intervalo entre semestres, e a IES com um trânsito intenso de 107 alunos em suas instalações. Direção Acadêmica, Coordenadores, Professores, Monitores e Coordenadores de grupos eram solicitados insistentemente. Era o fazer pedagógico contagiando a academia. Os trabalhos propostos eram em sua totalidade, práticos, dinâmicos, defendendo a proposta de Vygotsky (1991), que quando fazendo com a ajuda do outro, aprende-se a fazer. Assim, resgato dois diferentes momentos tomados de admirações, quando compartilhei e registrei o dito e o não dito nos discursos e nos olhares dos meus alunos: Período de férias, 15 dias, ano de 2001, nas FAMATh, 107 alunos envolvidos na capacitação de alfabetizadores; Período letivo, 3 dias, ano de 2003, no município de Planaltino, 3 alunas envolvidas na capacitação de alfabetizadores. O projeto que elaborei para o ano de 2001, foi respeitado em Matematicamente impossível? Como foi feito? A capacitação nas FAMATh, Município de Niterói, RJ, acontecia em 15 (quinze) dias, destes dias 4 (quatro), eram destinados a atividades culturais, que aconteciam nos sábados e domingos. De 2ª a 6ª feira, os trabalhos aconteciam de 8:00h às 20:00h, com intervalo de 12:00h às 14:00h para almoço. Total, portanto, de 10 (dez) horas/dia, trabalhando o conteúdo proposto, que contabilizavam 110h/a. Nesta ocasião cada oficina proposta tinha a duração necessária, ou seja, 22 delas, duravam três horas e as 11 restantes duravam quatro horas. Nos cronogramas das FAMATh, existiam dois horários de três horas de visitas e orientação nos laboratórios do curso de Biologia, além de peça de

3 teatro com o objetivo de provocar motivações diferenciadas para reflexão sobre o cotidiano vivido, estas eram outras três horas, que, também, não aconteceram na capacitação in loco. Cabe destacar, ainda, que a oficina de prática de ensino dispunha de quatro tempos de quatro horas, momentos em que alfabetizadores faziam as aulas e aconteceram em Planaltino em apenas um tempo. Assim sendo, estes 21 tempos ou oficinas foram subtraídos do total. Na proposta deste cronograma, então, foram distribuídos dezesseis títulos que aconteceram em 11 horas (dia), durante três dias, ou 33h/a de 01/06 a 03/06/2003, o que significou, aproximadamente, duas h/a para cada uma das oficinas. Estes dezesseis títulos, entendidos como oficinas compõem, portanto, a proposta metodológica do processo de capacitação de alfabetizadores das FAMATh, proposta esta destacada a seguir: A proposta metodológica deste projeto de capacitação de alfabetizadores de jovens e adultos, tem por base a multidisciplinaridade. Isto significa que independente do título dado ao momento proposto, o capacitador estará buscando os vários conteúdos possíveis, independente de ser esta ou aquela disciplina. Exemplo: discutindo questões matemáticas, pode-se chamar a atenção para a elaboração do texto que sugere a resolução de um problema ou um rápido cálculo matemático, ou ainda neste texto, é possível estar referindo-se a questões alimentares, ambientais, ou, sociais. Procedimentos Metodológicos: 1- Prática de ensino: o objetivo é dar ao alfabetizador a oportunidade de planejar e apresentar uma aula, tendo orientação durante todo o processo. 2- Resgate da cultura do Município: o objetivo central do processo ensino/aprendizagem é partir da realidade do aluno. É fundamental, portanto, um momento de valorização da cultura de cada um dos municípios envolvidos no projeto. 3- Respeito àqueles que, com sabedoria, conseguiram viver sem saber ler e escrever: o objetivo deste momento é mostrar ao jovem alfabetizador que lidar com as dificuldades da vida é difícil quando se sabe ler e escrever, mais difícil, ainda, é fazê-lo sem dispor destes recursos. Sendo assim, estarão eles alfabetizadores tentando acrescentar mais um saber na vida daqueles que são a sabedoria. São, portanto, os alfabetizadores que precisam calar-se para ouvir

4 o alfabetizando; são os alfabetizadores que devem incentivar, elevar a autoestima e acima de tudo ser afetivo no sentido proposto por Wallon (apud Dantas, 1992), de afetar o outro, trazendo-o para junto de si. A importância deste momento se deve a necessidade do poder inerente ao ser humano. O título de professor, faz com que o alfabetizador reproduza falas e ações de seus antigos professores. Sendo possível, então, posturas autoritárias no sentido de calar o aluno. Estes, por sua vez, se na escola estiveram, abandonaram-na por não terem vez nem voz, o espaço proporcionado pelo PAS, não poderá ser cenário de um filme já visto e abandonado antes de terminar. 4- Lidando com as diferenças: este momento prioriza a noção de grupo. É de grande importância o entendimento de que ser diferente, não significa ser melhor ou pior que o outro. Cada pessoa tem sua história, esta é construída individualmente na relação com o coletivo. As questões e situações apresentadas por este coletivo, provocam reações diferenciadas em cada um. Assim sendo, o que é importante para um pode não ser importante para o outro, o medo de um pode ser a coragem do outro e assim sucessivamente. 5- Canções: Diz o ditado popular que quem canta os males espanta é partindo dessa premissa, que as canções aparecem na capacitação. Canções contam a história do país e marcam as histórias individuais. Segundo Bosi (1987), a memória é a única coisa que não conseguem tirar dos mais velhos. A proposta metodológica de trabalhar com canções, tem o objetivo de relaxamento muscular daqueles que, na maioria das vezes, trabalham na lavoura. Quando cantam estão preocupados com a letra e a melodia, distanciam-se de seus problemas. Voltando para a realidade contam o que a canção fez relembrar, discutem o que diz a letra e elegem palavras geradoras de novas questões. 6- Pedagogia do ambiente: esta é uma proposta de educação ambiental, entretanto, discutir a destruição da floresta Amazônica, ou a camada de ozônio, são questões distanciadas da realidade vivida por alfabetizadores e alfabetizandos. A pedagogia do ambiente discute como cuidar do espaço da sala de aula, da escola, da casa de cada um, da água, do esgoto, do lixo, da comunidade e assim sucessivamente. É importante que cada um se sinta responsável pelo espaço geográfico em que vive. Só assim será possível a preservação da natureza.

5 7- Cuidados com saúde e remédios: este momento refere-se a questões simples que nem sempre são percebidas com simplicidade e responsabilidade. É comum nas comunidades menos favorecidas economicamente, o uso de medicamentos naturais, que quanto a operacionalidade, segundo Anjos (1980), é um saber técnico difuso, quem o recomenda sabe a técnica, mas não sabe explicar o porquê. É um saber por tradição oral e depende da crença de terceiros. Exemplo: chás de ervas. Esta questão será discutida a partir do saber técnico difuso dos alfabetizadores. Uma outra questão discutida neste momento é o aproveitamento das partes dos alimentos, que geralmente se joga fora. 8- Recursos escritos: Cabe neste momento trabalhar com o alfabetizador a criação de situações em que os alfabetizandos exponham e reconheçam aquilo que já sabem sobre a escrita. Assim, poderá decidir que novas informações serão fornecidas aos alunos. O trabalho com a linguagem escrita deve envolver inicialmente atividades de leitura e produção de textos, curtos e simples, como por exemplo: listas; folhetos; cartazes; bilhetes; poesias; receitas culinárias; anedotas; cartas; crônicas; pequenas histórias; manchetes de jornais. 9- Leitura de figuras: Segundo o grupo Vereda/SP, no projeto que intitulam Viver é Aprender, com base na proposta freireana de alfabetização, as figuras servem para estimular a conversa e a reflexão sobre a questão do conhecimento. Deve-se, então, orientar os alfabetizadores que escolham figuram que sugiram frases. Mais importante do que a leitura destas frases, portanto, é a leitura das figuras, como: o que é, e, como é. É este movimento que leva o aluno ao processo de decodificação destas figuras, esta acontece quando o aluno começa a estabelecer relações entre o que está acontecendo na figura e suas experiências e conhecimentos. Este é o momento mais importante do processo, é o exercício do pensar, do sentir-se parte da figura, parte do cenário que inicialmente era esvaziado de significado, não contextualizado, apenas apresentado. O conhecimento se constrói quando conseguimos fazer relações. Assim novas palavras geradoras são eleitas, que levantarão novas questões. 10- Matemática, presente no cotidiano do aluno: Este momento destina-se a desmistificar o conceito construído no senso comum de que esta ciência está distante dos que têm pouca escolaridade, são estes os mais próximos dela, são

6 estes que constroem uma cumplicidade com a matemática sem ter ido à escola. Dentro da intimidade de seus lares reside a assustadora e também querida, sem sabê-lo, matemática. Separam roupas brancas das coloridas, para lavá-las sem correr o risco de manchar as primeiras; após secarem e serem passadas, são divididas para serem guardadas; quando fazem compras guardam-nas em lugares previamente estabelecidos, para melhor encontrá-las quando necessário. Esses são alguns dos momentos em que a matemática faz parte da realidade do lar. Assim sendo, a proposta é transformar situações do cotidiano, que envolvem noções matemáticas, em suporte para a aprendizagem significativa de conhecimentos mais abstratos como por exemplo: Levantamento de dados pessoais, endereços, números de telefones etc.; Atividades de compra e venda, cálculo do valor da cesta básica, do orçamento doméstico; Leitura e interpretação de informações que aparecem em moedas e cédulas de dinheiro, contracheques, contas de luz, calendários; Cálculo de medidas de terrenos e edificações. 11- A letra: Este é o momento de se trabalhar a auto-estima. É prazeroso para o alfabetizando mostrar o que sabe, como já foi proposto em momentos outros, como o das canções, das figuras etc., para depois, então, aprender a registrar (escrevendo) este saber. A construção da escrita, permitir que o alfabetizando brinque formulando hipóteses sobre ela. Não importa o tipo de letra usada nesta escrita. As diversas formas de apresentação de uma letra devem ser priorizadas nos momentos de leitura, a partir do questionamento: Que letra é esta? É um outro modo de escrevê-la. Com base na proposta de alfabetização do método D. Bosco, propomos aos alfabetizadores a seguinte reflexão: a partir de uma bolinha, metades de bolinhas em várias posições, traços horizontais, verticais, inclinados para a esquerda e para a direita, são escritas todas as letras, portanto, se escreve, também, todas as palavras. Ex: ALFABETIZAÇÃO. Assim, chega-se a conclusão de que é fácil escrever. O difícil, para quem trabalha na lavoura, é a letra cursiva, conhecida como letra de mão dada. Letra, esta, que acompanhou aqueles, poucos, que foram à escola e que lá permaneceram por também, pouco, tempo, nas terríveis e intermináveis cópias. Brincando com letras, palavras e famílias silábicas, os alfabetizandos formulam hipóteses e encontram resultados que os surpreendem. Na escrita, na leitura e na construção de significados, o aluno se percebe gerente da informação, com

7 desejo de vida, construindo movimentos, ações e emoções. O alfabetizador não pode possibilitar o desejo de morte quando o alfabetizando se percebe, aquele que nada sabe, obediente, cansado e desmotivado. As palavras geradoras, usadas para ampliação do movimento dialógico, citadas em momentos anteriores, são trabalhadas como propõe o exemplo:: Maracujá - fruta do município de Areal, cujo suco está sendo industrializado. O que esta palavra lembra? Trabalho, Emprego, Alimento, fome, natureza etc. Discutindo tais ligações estamos, a partir de uma fruta, relacionando o social, o político, o mundo, o vivo, o presente. Trabalhando, então, com a formulação de hipóteses sobre a escrita das palavras, surgem novas palavras e frases, na oralidade, que devem ser discutidas e registradas por todo o grupo, que saberá exatamente o que está escrevendo, além de provocar novos temas a serem discutidos. 12- Produção de textos: A produção de textos inicialmente, é registrada pelo alfabetizador, mas quem constrói o texto oralmente é o aluno, ou alunos. A Língua Portuguesa, por muitas décadas contribuiu para a discriminação e exclusão dos diferentes, principalmente quanto ao regionalismo, ao considerar esta forma de linguagem distanciada da norma culta da língua. Hoje, nova importância vem sendo dada à diversidade lingüistica, propiciando aos alfabetizandos maior liberdade de relatar e registrar suas idéias. Dando prioridade, assim, a ação de comunicar-se. Do ponto de vista sociocultural, jovens e adultos formam um grupo bastante heterogêneo. Chegam à escola com uma grande bagagem de conhecimentos adquiridos ao longo de histórias de vida, as mais diversas. São donas de casa, agricultores, operários, serventes da construção civil, jovens ou velhos, homens ou mulheres, trazendo conhecimentos, crenças e valores já constituídos. É a partir do reconhecimento de suas experiências de vida e visões de mundo, que podem construir textos, podem se apropriar das atividades escolares de modo crítico e original, ampliando sua compreensão e interação com o outro e com o mundo. 13- Língua padrão e o erro ortográfico: Não se corrige o erro ortográfico do aluno, ou melhor, não se chama atenção para ele. Caso o alfabetizador tenha que reproduzir a palavra, o fará corretamente. Se o aluno perceber a diferença e questioná-lo deverá dizer que a forma como escreveu não é a correta, mas que o som produzido foi o mesmo, assim quem ler entenderá e ele terá mais

8 tempo de ir se acostumando com a forma correta. Ex: o aluno escreveu fexadura, o alfabetizador sabe que a forma correta é fechadura, entretanto, se partimos do pressuposto de que o aluno deve exercitar a formulação de hipóteses sobre a escrita, se ele está acostumado a ver escrito Xuxa, na televisão, e o som é o mesmo, escreveu de forma a se comunicar. 14- Identidade pessoal: Neste momento será realizado com o alfabetizador um trabalho de autoconhecimento: Dados estes, fundamentais para que seja possível se perceber parte de uma sociedade na postura de cidadão e não como um indivíduo à margem desta sociedade. Será trabalhado, então, nome e sobrenome, idade, data e local de nascimento, nome completo dos pais, nome dos irmãos, esposa/o, filhos, endereço, documento de identidade etc. 15- Identidade do espaço vivido e cultural: Neste momento será trabalhado o Município, o que nele é produzido na agricultura e na indústria, as festas típicas, danças, canções, pontos turísticos. É um resgate da história do município. 16- O corpo fala: Arte e movimento- é importante que o alfabetizador saiba que seu corpo fala e que seus alunos estarão sempre o ouvindo. Ele também deve estar atento ao que o corpo de cada aluno está falando. Neste momento se trabalhará com o alfabetizador as diferentes posturas corporais. Observar é aprender a conhecer o outro. Esses itens retratam a individualidade e merecem uma reflexão sobre eles. Quando é proposto, aos alfabetizandos, fazer um desenho, dizem ser coisa de criança, que estão na escola para aprender e não para brincar. Se a proposta é fazer um movimento mais delicado seguindo um comando ou uma melodia, as mulheres riem envergonhadas e os homens reclamam dizendo que isso não é coisa de macho. Tais respostas retratam a forma reprimida que lhes foi ensinada para se manterem vivos. Diz o ditado popular que pobre foi feito para obedecer. Foi negado a eles, o muito, que é a escola, a possibilidade de aprender a ler e escrever, mas lhes foi oferecido a resignação, como diz a canção: Veio os home com as ferramenta, que o dono mando derrubar (..) os home tá qua razão, nós arranja outro lugar. Só se conformemos quando o Joca falou: - Deus dá o frio conforme o cobertor (Saudosa Maloca de

9 Adoniran Barbosa). Será que o frio é dado por Deus? Ou será o frio o resultado de uma realidade desigual? A opção, portanto, foi por transformar a realidade que está posta, acreditando com Freire (1980) que: O homem existe no tempo. Está dentro. Está fora. Herda. Incorpora. Modifica. Porque não está preso a um tempo reduzido a um hoje permanente que o esmaga, emerge dele. Banha-se nele. Temporaliza-se. (p. 41) A partir destes esclarecimentos, volto a reportar-me ao ano de 2001, quando José César Vieira Rosa (6º período de Psicologia, 2001), declarou: À Alta Administração da FAMATh, os meus agradecimentos, por ter viabilizado o mais importante projeto realizado por esta instituição. Dircelene Junia de Oliveira (7º período de Psicologia, 2001), emocionada dizia que as ações ultrapassaram o ver, concretizaram-se no viver: Vivi momentos de emoção, pude ver oficinas muito bem elaboradas, vi estudantes dos Cursos de Biologia, Educação Física, Pedagogia e Psicologia ligados não somente pela cadeira de Licenciatura, mas pela vontade de elaborar um trabalho em EDUCAÇÃO, vi pessoas querendo aprender para ensinar, dedicando-se, vi alunos, que inicialmente criticaram o projeto, mudarem o discurso e aplaudirem, enfim eu saí da linha das minhas leituras e vivi a prática de realizar algo além de um curso... Renato Aurélio Pereira Coelho, (7º período de Psicologia, 2001), registrou seus medos, ensurdecimento e transformação: Tudo era novidade e senti até um pouco de medo. Elís Regina já cantava que é você que ama o passado e que não vê que o novo sempre vem e veio.(...) nas reuniões de grupos, comecei a ver o novo de forma diferente e aprender com esta diferença. Comecei a sentir que a escola que eu estava era uma escola muito distante do que pode ser uma escola. (...) ela( a escola) não estava só surda (...)nós também estávamos ensurdecidos. Posso afirmar que muitos dos meus conceitos e posturas mudaram a partir deste encontro. Antonia de Jesus Ferreira Himelick (7º período de Psicologia, 2001), preocupou-se em registrar o processo harmonioso vivido por todos os envolvidos:... num clima de alegria, despojado de vaidades sem sentido, que transcorreram todas as oficinas, gerando por parte dos capacitandos expressões de apreço, de satisfação, de reconhecimento, de vitória, numa empresa que reuniu o esforço de todos e cujo desfecho gratificou sobremaneira a ambos os lados.

10 Sheila Beatriz de Carvalho Mello (7º período de Psicologia, 2001), registra sua surpresa: Estava com bastante expectativa com relação ao projeto, mas não pensei que com tão pouco tempo se construísse um trabalho que envolvesse os alunos, professores e alfabetizadores, trazendo um resultado muito positivo não só de conteúdo, mas de vivência e experiência, que tenho certeza não serão esquecidas. Karla Soares Pereira (6º período de Psicologia, 2001), percebeu maior aprendizado dos alunos das FAMATh: Acredito que o aprendizado maior foi o nosso (alunos da FAMATh), muito mais do que eles (alfabetizadores de Goiás), saímos daqui capacitados. Novamente resgato depoimento de Wagner de Araujo Rezende (7º período de Psicologia, 2001), Participar do PAS foi uma oportunidade ímpar de desnaturalizar conceitos e ir contra a alienação. Representou uma práxis revolucionária aliada ao social. O educador que em toda minha experiência escolar teve papel de dono do saber, sempre colocado num pedestal, foi desmistificado. Agora, não mais idealizado, critico o dono do saber, questiono; o pedestal, desmoronouse, pois entendi que educar não requer superioridade, mas igualdade, respeito e humildade. Percebi, então, como momento privilegiado de aprendizagem todo o processo de elaboração, planejamento, organização e realização da capacitação em questão. Isto porque, professores e alunos desta Instituição de Ensino perceberam a necessidade de ampliar o tempo das discussões, com esses professores em formação, sobre questões sociais, políticas e éticas que compõem o processo de alfabetização de jovens e adultos, percebendo os alfabetizandos como sujeitos históricos, que mesmo não fazendo uso dos saberes da leitura e da escrita, influenciam e são influenciados pelo contexto social em que vivem. Entendo, portanto, que fomos além das questões metodológicas do ato de alfabetizar. Priorizou-se trabalhar na busca de uma proposta curricular plena, fazendo desta capacitação de alfabetizadores, um momento privilegiado de aprendizagem para professores, alunos e alfabetizadores. Estes depoimentos, registrados em 2001, vêem consolidar o sentido de existir, O homem existe no tempo. Herda. Incorpora. Modifica tão bem explicitado por Freire (1980, p.41), reflexão, esta, destacada no encerramento

11 da proposta metodológica do projeto de capacitação, em momento anterior deste artigo, apontando que é possível transformar a realidade que está posta. Ano de 2003, capacitação in loco, alfabetizadores de Planaltino e Nova Itarana reunidos no primeiro. Até então, representantes das FAMATh ficavam e faziam refeições em seus lares e os alfabetizadores ficavam no hotel e faziam suas refeições na IES. Neste mês de junho, estávamos hospedados juntos, representantes da IES e alfabetizadores de Nova Itarana e compartilhávamos as refeições, também, com os alfabetizadores de Planaltino. Os 107 alunos de 2001 foram substituídos por 3 alunas: Tatiani Cristine de Vasconcellos Torres (8º período de Psicologia); Carolina Moreira Mota (4º período de Psicologia) e Márcia D`Andréa (8ºperíodo de Ciências Biológicas) Viajar com alunos para a capacitação in loco me fez lembrar os movimentos de alfabetização da década de 60, quando universitários iam para as salas de aulas alfabetizar adultos, seguindo a metodologia freireana. Iniciando os depoimentos, disse Carolina: Os dias que antecederam esta viagem foram repletos de ansiedade, basta lembrar que esta não foi semelhante a nenhuma das que senti nas viagens que fiz, afinal não tinha como sinônimo as férias. A ansiedade se juntou ao trabalho, a responsabilidade, ao dever de cumprir um bom trabalho e finalmente ao desejo de desenvolver uma boa capacitação. Fui me permitindo ao longo dessa esperada viagem tornar-me mais sensível, sem muitas cobranças e tentando, abandonar o radicalismo presente na vida. Márcia, pede a palavra... Quando decidi entrar para o Programa Alfabetização Solidária, sabia que iria conhecer uma realidade diferente da minha, uma realidade que não nos é passada pela faculdade, que iria ver coisas lindas mas, também revoltantes, porém, nunca iria imaginar o quanto essa viagem mudaria minha vida. Pude aprender que não se deve esperar que ninguém nos ame, mas sim, que se deve deixar ser amado porque ser amado, querido, ser importante é muito bom e faz muita falta; o mais valioso não é o que se possui na vida mas a quem se tem ( os amigos, a família, os filhos, enfim, quem nos ame de verdade),as pessoas são valiosas... Tatiani, complementa... O que digo não é demagogia, se pararmos para analisar algumas constatações: Uma dessas constatações seria o nosso mundinho quadrado de saber. Criado por nós, ao estarmos cursando uma Faculdade. Quando, durante alguns anos ficamos restritos a esse mundinho sem que muitas vezes possamos nos dar conta da diversidade cultural e social que existe ao redor desse mundinho. Quando estamos na Faculdade é comum ouvirmos que somos privilegiados em estarmos nos graduando, pois somos a minoria em

12 nosso país. Esse discurso fica gravado em nossa memória e no nosso comportamento, mas, em vez de nos ajudar, acaba por nos colocar no lugar de senhores absolutos do saber, e esquecemos que um dia sonhamos como muitos dos alfabetizadores que encontramos, em cursar uma Faculdade. Mas, ao contrário deles, não achávamos esse sonho impossível ou irreal. A realidade, para eles, é outra, localização, dinheiro, família e comunidade são questões que fazem com eles finquem com os pés tão fundos no chão, impedindo, assim, que eles se imaginem cursando uma Faculdade, escrevendo um livro ou até mesmo conhecendo outro Estado. Márcia, emocionada, retoma a palavra... Participar da alfabetização solidária, foi uma das experiências mais marcantes e emocionantes da minha vida. Nunca poderei descrever a emoção que senti e sinto ao lembrar de cada momento,cada gesto, cada rosto, cada minuto que passei ao lado de pessoas tão sofridas mas, ao mesmo tempo, tão maravilhosas, com tantas coisas a acrescentar que até mesmo eles desconhecem. Aprendi que cada um tem seu valor e que não se deve ficar comparando as pessoas, ninguém é igual a ninguém, por isso devemos vê-las de acordo com suas capacidades e dons, tirando sempre proveito do que elas têm de mais belo, o amor pela vida.porque uma pessoa rica não é a que tem mais coisas mas,sim a que precisa de menos, que se contenta com o sol, com a chuva ou com as moscas que significam fertilidade do solo. As pessoas que conheci nesta capacitação são assim, ricas, muito ricas... O dinheiro pode comprar muitas coisas mas, a felicidade que eles possuem com certeza não. É muito lindo ver como as pessoas cuidam uma das outras sem esperar nada, dando o pouco que cada um pode mas, dando. Sabe, existem muitas pessoas em vários lugares que nos amam muito mas, que simplesmente não sabem como se expressar ou demonstrar seus sentimentos mas, amam e é isso que importa. Mas, principalmente, aprendi que um amigo é uma pessoa que sabe perceber o momento certo para lhe estender a mão e, no Programa Alfabetização Solidária, módulo XIII, muitas mãos foram estendidas.... Pensativa, Tatiani volta a falar... Os quatro dias que passamos no Município de Planaltino capacitando os alfabetizadores selecionados pelo Projeto de Alfabetização Solidária, foram de grande importância não só para a minha vida acadêmica, mas também, para a minha vida social e para o papel que exerço como cidadã brasileira. Pude constatar que tanto alfabetizadores quanto nós capacitadores aprendemos a compartilhar nossos conhecimentos. O que mais me emocionou e me levou a uma reflexão sobre o que é a palavra solidariedade, foi presenciar toda uma comunidade comovida por causa da perda de duas vidas. A solidariedade que presenciei estava desprovida de qualquer envolvimento financeiro, algo que é normalmente utilizado para qualquer finalidade na cultura em que estamos inseridos. Essa solidariedade, é sinônimo de respeito de toda uma comunidade diante da morte. Hoje eu posso dizer que pessoas de grande valor e de um grande conhecimento podem ser encontradas em qualquer lugar, é só estarmos abertos para perceber, receber

13 e dar-nos a oportunidade de conhecer o outro sem esperar algo em troca. Conhecimento deve ser compartilhado e não trocado. Carolina, que por algum tempo manteve-se silenciosa, completou: O grupo que me esperava parecia sentir o que eu sentia, e assim refletia os vários sentimentos que se misturavam dentro de mim, foi quando, saber e experiência se cruzaram, tendo como resultado o despertar de um olhar que já não fazia parte de mim, e que muitos, de onde parti, já o haviam perdido. Por um momento lembrei-me do cotidiano em que vivo, onde o imediato já não impressiona: meninos de rua, pedintes, bandidos, favelas, desempregados, enfim, lembrei-me de todos os personagens que fazem parte de uma vida que se tornou natural. Recuperei a lucidez, mas não, aquela conhecida nos grandes centros urbanos, fui levada a parar e a reparar nos olhos, a perceber os afetos mais básicos que circundam as relações. Vi o que ninguém nunca havia me contado. Confesso já ter escutado histórias que mexeram comigo, mas por mais que eu tentasse imaginar nunca consegui ver o sorriso do Gileno, o toque da Agmália, a humildade do Damião ou à vontade do Deodório. Passei três dias marcantes, vi o desabrochar de algumas sementes, o amadurecimento de outras e tive a certeza de que minha árvore voltou mais oxigenada. Trouxe comigo outras histórias, outros personagens que já fazem parte de mim, dos meus olhos, das minhas atitudes e das minhas palavras. Não canso de repetir o que escutei:... no caminho da roça pegava meu caderno que era preto, porque eu colocava a mão suja de lenha, não tinha como lavar, e, a professora ainda brigava. Eu pegava sempre que podia, queria aprender, meu pai não entedia e perguntava porque eu não parava de estudar. Chegava na escola com fome, era duas horas, e a professora perguntava porque tinha atrasado. Eu tinha andado muito tempo de bicicleta até chegar lá e voltava sem merenda, meu estômago parecia talbua. Estudava no escuro, meu nariz ficava preto por dentro por causa do diesel.... No entanto, o mais importante eu não posso reproduzir, posso contar na tentativa de que todos, um dia, possam ver aquele sorriso, que para mim, é único. Preciso dizer que algumas palavras voltaram com significados diferentes, lembra da lucidez?- esta última já não significa qualidade de quem mostra o uso da razão, mas sim de quem percebe o brilho do olhar, de quem não tem vergonha de demonstrar afeto, de quem não naturaliza momentos e de quem, não tem vergonha de chorar. As dificuldades, questionamentos, inquietações, surpresas e emoções que permearam o antes, durante e depois da capacitação dos alfabetizadores, merece uma avaliação na busca dos conhecimentos construídos. Neste espaço, registrarei, também, a conclusão de que a vontade política, o querer, torna possível um movimento solidário para com os diferentes, mas também e principalmente, dentre iguais, que apenas cumprimentavam-se, parceiros de diferentes cursos tornaram-se cúmplices na busca de fazer o melhor. Amizades foram construídas na destruição da

14 dicotomia entre o discurso da academia e o senso comum, ficando a certeza de que toda teoria nasce no cotidiano da sabedoria do viver. Uma das finalidades do Ensino Superior, segundo a LDB 9394/96, é de transformar a realidade em que está posta. Entendo que esta capacitação in loco transformou sujeitos sociais e culturais, redefiniu o conceito de cidadania. Universitários deixaram de perceber o cidadão com o perfil da classe média, entenderam que ser cidadão é ter dignidade no viver. Na simplicidade do sertão da Bahia perceberam o valor do ser e abandonaram, mesmo que temporariamente, o valor do ter. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa-Portugal: Edições 70, BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 2 ed. São Paulo: T. A. Queiroz Editora da Universidade de São Paulo, FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, LA TAILLE, Yves de, OLIVEIRA, Marta Kohl de, DANTAS, Heloysa. Piaget Vygotsky Wallon Teorias Psicogenéticas em Discussão. SP: Summus, LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária, 1986.

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico 1 PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico Vera Maria Oliveira Carneiro 1 Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de idéias Augusto Cury Com este texto, pretendemos

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA VIDA ACADÊMICA E NO AUXÍLIO DE EDUCANDOS DA ESCOLA PÚBLICA

A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA VIDA ACADÊMICA E NO AUXÍLIO DE EDUCANDOS DA ESCOLA PÚBLICA A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA VIDA ACADÊMICA E NO AUXÍLIO DE EDUCANDOS DA ESCOLA PÚBLICA Kellyn Brenda Chriezanoski Carneiro 1 Rejane Klein 2 Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar um breve

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA

AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA AULA CRIATIVA DE ORTOGRAFIA Apenas uma experiência que pode ser recriada para outros conteúdos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Terminada a audição, eu escrevi na lousa o título da música, o nome

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS. Ensino Religioso História Geografia. cotidiano

3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS. Ensino Religioso História Geografia. cotidiano 1 TÍTULO DO PROJETO O REGISTRO DE NASCIMENTO 2 CICLO OU SÉRIE 1º CICLO OU SÉRIE 1º CICLO 7 anos 3 BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS Ensino Religioso História Geografia Alteridade (O Eu/ EU sou História local

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais