SEMANA DO SARESP/SAEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMANA DO SARESP/SAEB"

Transcrição

1 SEMANA DO SARESP/SAEB Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional CIMA Departamento de Avaliação Educacional DAVED GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO em parceria com Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Outubro/2015

2 Documento orientador para a semana do SARESP / SAEB de outubro de

3 Objetivo deste documento Orientar o trabalho pedagógico das Diretorias de Ensino e Unidades Escolares para a realização da Semana do SARESP/SAEB

4 Referências legais SARESP: Resolução SE nº 41, de Dispõe sobre a aplicação de provas relativas ao Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo SARESP/2015. Resolução SE nº46, de Altera dispositivo da Resolução SE 41, de , que dispõe sobre a aplicação de provas relativas ao Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo - SARESP/2015, e reabre prazo para execução de atividades de adesão. SAEB: Portaria INEP nº 482, de 7 de junho de Portaria INEP nº 174, de 13 de maio de

5 Datas de aplicação Quando será o SARESP e o SAEB (Prova Brasil)? SAEB/Prova Brasil: 3 a 13 de novembro Coordenadores de Polo (408) indicados pelas DEs estabelecem junto aos Diretores das Escolas as datas de aplicação no Polo; SARESP: 24 e 25 de novembro Cronograma de atividades será enviado para as DEs na primeira semana de outubro. 5

6 Índice do documento 1. Objetivos da Semana do SARESP/SAEB 2. O que é o SARESP? 3. Como são divulgados os resultados do SARESP? I. Boletim do SARESP II. Relatório do SARESP III. Plataforma Foco Aprendizagem 4. O que é o SAEB? 5. Simulado Online SAEB Mobilização da comunidade escolar 6

7 1. Objetivos da semana do SARESP 7

8 Objetivos da semana do SARESP/SAEB I. Disseminar junto a equipe escolar os objetivos e formato de aplicação das avaliações, assim como os pontos em comum entre elas; II. III. IV. Reconhecer a evolução histórica dos resultados das avaliações do SARESP por meio da nova plataforma Foco Aprendizagem a fim de refletir sobre os resultados e, principalmente, planejar ações pontuais até os dias de aplicação das avaliações; Planejar a aplicação da Simulado Online SAEB 2015 com vistas a trabalhar o gênero item junto aos alunos e apoiar o direcionamento de ações pontuais a partir do retorno dos resultados em tempo real; Planejar ações de mobilização dos alunos e comunidade escolar como um todo para assegurar ampla participação e engajamento para com a realização das avaliações. 8

9 2. O que é o SARESP? 9

10 O Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo - SARESP é uma avaliação do sistema do ensino paulista que verifica, anualmente, o desempenho dos alunos dos Ensinos Fundamental e Médio. Voltado aos alunos dos 3º, 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio. Historicamente, o SARESP é aplicado nas disciplinas de Língua Portuguesa (leitura e escrita), Matemática, Ciências, Ciências da Natureza, História e Geografia. Em 2015, haverá a aplicação somente das provas de Língua Portuguesa (leitura) e Matemática. Em 2015 também não haverá a aplicação do questionário contextual. 10

11 SARESP Calendário de aplicações

12 Finalidade do SARESP Os resultados do SARESP possibilitam a tomada de decisões e o acompanhamento de políticas públicas voltadas para a melhoria da educação. Desde de 2007, os seus resultados são utilizados na elaboração do plano de metas das escolas. 12

13 3. Como são divulgados os resultados do SARESP? 13

14 I. Boletim do SARESP 14

15 Como são divulgados os resultados do SARESP? Sumário Executivo e Relatórios Pedagógicos 15

16 O Boletim da Escola: como interpretar? 16

17 Reflexão preliminar... Quais informações o Boletim apresenta para a escola? Qual o significado dessas informações? O que o Boletim pode nos dizer sobre o trabalho pedagógico realizado? Oferece pistas sobre o que os alunos estão aprendendo? É importante que estes questionamentos possibilitem a aproximação da avaliação externa com a realidade da escola. 17

18 Participação dos alunos Apresenta a totalidade de alunos presentes no primeiro dia de avaliação, considerando os anos e séries da escola e demais instâncias da Secretaria da Educação. 18

19 Analisando a participação Como está a participação dos alunos? Houve aumento na participação, comparando com as edições anteriores? Que ações a escola pode mobilizar para envolver todos os alunos? 19

20 A média de proficiência Obtidas a partir da metodologia da Teoria de Resposta ao Item (TRI), as médias de proficiência do SARESP ancoram-se na mesma métrica do SAEB. Para analisar o seu desempenho, sugere-se que a unidade escolar verifique a evolução histórica das proficiências em cada ano, série e disciplina avaliada. 20

21 Compreendendo as proficiências... O que significam os valores de proficiência obtidos? Como está o desempenho das turmas? O desempenho da escola melhorou? Onde a escola se situa com relação às demais instâncias? 21

22 Os pontos da escala e os níveis de proficiência Para compreender os valores das médias de proficiência obtidos pela escola, é preciso recorrer à escala (abaixo) e identificar em qual dos níveis ela se encontra para cada ano, série e disciplina avaliados. 22

23 A descrição da escala e os níveis de proficiência As proficiências são agrupadas, na escala, em quatro níveis de desempenho: Abaixo do Básico, Básico, Adequado e Avançado. A descrição de cada ponto da escala apresenta as habilidades que os alunos desenvolveram, com base na média de desempenho e na distribuição dos alunos por rede de ensino ou escola nesta escala. A interpretação da escala de proficiência é cumulativa, ou seja, os alunos que estão situados em um determinado nível dominam não só as habilidades associadas a esse nível, mas também as proficiências descritas nos níveis anteriores. 23

24 Níveis de proficiência Para atender aos padrões de qualidade, o desempenho esperado é o nível Adequado. 24

25 % de alunos nos pontos da escala A escola pode analisar o seu desempenho considerando o percentual de alunos em cada ponto da escala e no agrupamento desses pontos adotados no SARESP. Com esta análise, a escola pode planejar ações pedagógicas para cada ano de aprendizagem e ciclo de ensino, considerando suas especificidades e necessidades. 25

26 Percentual de alunos por nível de proficiência Informação específica capaz de identificar: Que não demonstraram desenvolvimento mínimo das competências e habilidades do ano/série % alunos Que estão em processo de consolidação do que se espera como adequado para o ano/série Que consolidaram as competências e habilidades para o ano/série avaliado Que encontram-se acima do nível esperado 26

27 Refletindo sobre os percentuais de desempenho o que a distribuição percentual dos níveis de desempenho representam para a escola? considerando os resultados dos anos anteriores, houve avanço? o que os alunos aprenderam? O que deixaram de aprender? como está o resultado no ciclo de ensino avaliado? a análise comparativa entre as disciplinas pode subsidiar intervenções pedagógicas para promover o avanço? Em que medida? De que forma? como a escola, como um todo, pode se mobilizar para alcançar bons resultados? Os resultados do SARESP permitem que as escolas se comparem consigo mesmas e acompanhem o seu próprio percurso. 27

28 II. Relatório do SARESP 28

29 Relatórios do SARESP Para a atribuição de significado pedagógico aos resultados do SARESP, sugerimos a leitura dos Relatórios Pedagógicos, que podem ser consultados no link: s/indicadores-e-avaliacoes/ 29

30 III. Plataforma Foco Aprendizagem LANÇAMENTO OFICIAL 30

31 Plataforma Foco Aprendizagem A plataforma Foco Aprendizagem foi idealizada com o objetivo de disponibilizar, de maneira didática e intuitiva, informações detalhadas sobre dois elementos: proficiência escolar fluxo escolar Construída a partir de uma análise histórica dos micro dados do SARESP dos últimos três anos ( ), o ambiente possibilita que os educadores da Rede Estadual de São Paulo possam ter ainda maior foco e precisão nas tomadas de decisões no âmbito da Diretoria de Ensino e da escola. 31

32 Foco Aprendizagem: proficiência Proficiência Dar maior transparência aos dados do SARESP; Conhecer a evolução histórica das habilidades no nível escola; Identificar, historicamente, as habilidades com maior e menor desempenho. Esta funcionalidade da Plataforma Foco Aprendizagem consegue situar conjuntos de habilidades em 9 (nove) grupos. Os objetivos desta ferramenta são desvelar potencialidades e dificuldades da escola e orientá-la no momento de fazer escolhas de conteúdos e metodologias no planejamento e nas ações de reforço e recuperação. 32

33 Foco Aprendizagem: fluxo Fluxo escolar Permite compreender o impacto do fluxo escolar nos resultados do IDESP; Possibilita o planejamento de ações para a garantia da permanência do aluno na escola; Ações de acompanhamento, norteadas pela Res. SE 42/2015 Quem Falta Faz Falta. 33

34 Como trabalhar os dados da plataforma até a realização do SAEB/SARESP 2015? planejando e replanejando atividades que contribuam para o avanço na aprendizagem dos alunos, a partir das habilidades detectadas com maior vulnerabilidade. promovendo a reflexão entre os docentes para o aprimoramento do planejamento das aulas, a fim de contribuir para o desenvolvimento da competência leitora, escritora e conhecimentos matemáticos. replanejando atividades que promovam avanços significativos para o público específico de recuperação. promovendo uma ampla mobilização da equipe docente a partir do material "Subsídios para o Replanejamento 2015" disponibilizado pela CGEB (acesso via Intranet) que indica situações de aprendizagem nos materiais de apoio ao Currículo (Cadernos do Professor e Aluno), das diversas disciplinas, em que habilidades de Língua Portuguesa e Matemática também são trabalhadas. 34

35 Como trabalhar os dados da plataforma até a realização do SAEB/SARESP 2015? Materiais que podem subsidiar o trabalho do professor em sala de aula a partir das informações da plataforma Foco Aprendizagem: Desenvolvimento das habilidades que ainda não foram consolidadas em outras disciplinas a partir do Material "Subsídios para o Replanejamento O documento mostra como desenvolver as habilidades de Língua Portuguesa (que envolvem a competência leitora) em diferentes disciplinas do currículo. Esse material está dividido da seguinte maneira: SUBSÍDIOS PARA O REPLANEJAMENTO ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: Publicado na Intranet, na Página da CGEB, na pasta "Replanejamento 2015" 405%26isTopLevel%3Dfalse%26filelibrary%3D %26appmodes%3DlistfolderfilesBibliotecaCoordenadorias%26apptypes%3Dfilelibrary&java x.portlet.tpst=5692e97ff4b818d1907af221d4908ca0&javax.portlet.begcachetok=com.vignette.cachetoken&javax.portlet.endcachetok=com.vignette. cachetoken SUBSÍDIOS PARA O REPLANEJAMENTO ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO: Publicado na Intranet, na Página da CGEB, na pasta "Replanejamento 2015" 405%26isTopLevel%3Dfalse%26filelibrary%3D %26appmodes%3DlistfolderfilesBibliotecaCoordenadorias%26apptypes%3Dfilelibrary&java x.portlet.tpst=5692e97ff4b818d1907af221d4908ca0&javax.portlet.begcachetok=com.vignette.cachetoken&javax.portlet.endcachetok=com.vignette. cachetoken 35

36 Como trabalhar os dados da plataforma até a realização do SAEB/SARESP 2015? Materiais que podem subsidiar o trabalho do professor em sala de aula a partir das informações da plataforma Foco Aprendizagem: Utilização de conteúdos digitais da Plataforma Currículo+ para trabalhar habilidades em que os alunos apresentem menor domínio. Exemplo: Matemática, 7º ano EF: H02 - Estabelecer relações entre números naturais tais como ser múltiplo de, ser divisor de e reconhecer números primos e números compostos. JOGO: Completando os números O objetivo do jogo é auxiliar a construção dos seguintes conceitos: unidade, dezena, centena, pares e ímpares, números múltiplos, além de estimular a concentração e a capacidade de cálculo mental dos jogadores. É indicado para trabalhar no 6. ano do Ensino Fundamental Anos Finais. Acesse: 36

37 Como trabalhar os dados da plataforma até a realização do SAEB/SARESP 2015? Materiais que podem subsidiar o trabalho do professor em sala de aula a partir das informações da plataforma Foco Aprendizagem: Utilização de conteúdos digitais da Plataforma Currículo+ para trabalhar habilidades em que os alunos apresentem menor domínio. Exemplo: Matemática, 9º ano EF: H25 - Reconhecer a conservação ou modificação de medidas dos lados, do perímetro, da área em ampliação e/ou redução de figuras poligonais usando malhas quadriculadas. JOGO: Analisando as áreas Este objeto digital de aprendizagem é um jogo que apresenta uma malha quadriculada com algumas regiões pintadas, formando figuras. Considere que cada quadrado é uma unidade de medida de área, o objetivo é decompor a figura e recompor suas partes para descobrir a sua área. O trabalho com este objeto permite explorar noções de área e seu cálculo por meio de recursos de contagem e de decomposição de figuras. Este jogo pode ser utilizado durante as atividades desenvolvidas no volume 2, do Caderno do Aluno 6º ano, do Ensino Fundamental, que trata da temática Geometria/Relações: Perímetro e área. Acesse: 37

38 Como trabalhar os dados da plataforma até a realização do SAEB/SARESP 2015? Materiais que podem subsidiar o trabalho do professor em sala de aula a partir das informações da plataforma Foco Aprendizagem: Utilização de conteúdos digitais da Plataforma Currículo+ para trabalhar habilidades em que os alunos apresentem menor domínio. Exemplo: Matemática, 3ª EM: H03 - Resolver problemas que envolvam Progressões Geométricas. ÁUDIO: Viagem à Lua O objeto descreve e problematiza o Problema da Viagem à Lua. Nele questiona se é possível viajar da Terra à Lua utilizando para isso uma folha de papel A4 e a execução de sucessivas dobras do papel. A teoria propõe que depois de efetuadas 42 dobras a folha ficará com espessura superior a distância do planeta Terra ao seu satélite natural, a Lua. Este problema revela-se como um elemento motivador para despertar centros de interesse para estudo de conceitos ligados às progressões geométricas e funções exponenciais. No currículo oficial do Estado de São Paulo, o objeto favorece a 1ª série do Ensino Médio, quando são estudados respectivamente as progressões geométricas e as funções do tipo exponencial Acesse: 38

39 Foco Aprendizagem Para acessar: Login: institucional pedagógico da escola Ex: Senha: enviada para cada um dos s pedagógicos institucionais até segunda Diretorias permanecem com o mesmo login e senha que já foi divulgada em agosto. 39

40 4. O que é o SAEB? 40

41 O que é o SAEB? Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB): Avaliação do sistema nacional, criada em 1990, reestruturada em 2005, passando a conter a ANRESC e ANEB e, em 2013, a ANA. 41

42 Sistema de Avaliação da Educação Básica - SAEB ANRESC Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Prova Brasil) censitária bianual avalia Língua Portuguesa e Matemática 5º e 9º anos do Ensino Fundamental. ANEB Avaliação Nacional da Educação Básica - amostral bianual avalia Língua Portuguesa e Matemática 3ª série do Ensino Médio. ANA Avaliação Nacional da Alfabetização - censitária avalia o nível de alfabetização e letramento em Língua Portuguesa e Matemática 3º ano do Ensino Fundamental. 42

43 SAEB: público alvo Prova Brasil (ANRESC): escolas públicas com pelo menos 20 alunos nos 5º e 9ª anos do Ensino Fundamental; Parte amostral (ANEB): escolas de Ensino Médio, escolas particulares e escolas públicas menores; Não participam: turmas multisseriadas, turmas de correção de fluxo e turmas de Ensino Médio Integrado. 43

44 Como o SAEB é estruturado? SAEB (ANEB / ANRESC-Prova Brasil): Testes de desempenho compostos por itens de múltipla escolha em Língua Portuguesa (Leitura) e Matemática, organizados em Blocos Balanceados. 5º ano do Ensino Fundamental: 77 itens, combinados em 21 cadernos de prova diferentes. Cada caderno possui 22 itens de Língua Portuguesa e 22 de Matemática, totalizando 44 itens. Para o 9º ano e para a 3ª série do Ensino Médio são 91 itens e cada caderno é composto por 52 itens (26 de Língua Portuguesa e 26 de Matemática). 44

45 SAEB 2015: aplicação O SAEB será aplicado por instituição contratada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais (INEP), no período de 03 a 13 de novembro de Dentro do período em questão, será agendado um único dia para a aplicação na escola. Nos 5º e 9º anos do Ensino Fundamental, o testes são censitários e, na 3ª série do Ensino Médio, a aplicação é amostral. Haverá também questionários de contexto. 45

46 SARESP e SAEB: aspectos comuns O SARESP e o SAEB são avaliações de Sistema; Possuem matriz orientadora; Avaliam o desenvolvimento de competências e habilidades; Utilizam as metodologias estatísticas TRI e BIB; As proficiências são comparáveis, uma vez que pertencem à mesma escala; São atreladas a indicadores de qualidade (IDESP e IDEB); As análises de seus resultados permitem orientar as tomadas de decisão nos diversos níveis de atuação; São periódicas (SARESP anual e SAEB bianual). 46

47 5. Simulado Online SAEB

48 SAEB 2015: simulado on-line Objetivo: Mobilizar as unidades escolares para a realização do SAEB e apresentar o formato do item que compõe os testes. O Simulado Online é uma iniciativa da Secretaria da Educação para que os alunos tenham contato tanto com o item do SAEB/Prova Brasil quanto com a ferramenta digital, em formato de teste. 48

49 Como será aplicado o Simulado? O link do Simulado Online SAEB estará disponível a partir do dia 05 de outubro de 2015 na Secretaria Escolar Digital - SED. O professor poderá reunir a turma e aplicar os testes na Sala do Acessa Escola, ou em qualquer outro local com acesso à internet. Cada aluno deve acessar a SED com seu login e senha (R.A. e data de nascimento) e ativar o endereço de institucional Google/Gmail para receber os resultados. 49

50 Simulado on-line SAEB: relatórios O professor terá acesso a dois relatórios: 1. Quantidade de acertos por aluno e por turma; 2. Itens comentados e distribuição percentual de apontamentos por alternativa. 50

51 Exemplo de itens do simulado Os itens que compõem o Simulado Online foram selecionados da plataforma Devolutivas Pedagógicas, do INEP. 51

52 Como trabalhar com os resultados do simulado online? 52

53 Como trabalhar com os resultados do simulado até a realização do SAEB/SARESP 2015? 1. Acessar os relatórios na SED e analisar os resultados obtidos no Simulado On-line SAEB; 2. Verificar as fragilidades encontradas nas tarefas de leitura, ou seja, quais habilidades os alunos tiveram maior índice de erros por turma; 3. Analisar o conjunto de habilidades identificadas como frágeis no Simulado On-line SAEB que refletem as competências e os conteúdos que merecem maior ênfase pedagógica; 4. Propor atividades didáticas que contemplem estratégias de leitura e/ou de raciocínio lógico/matemático, que possam desenvolver este conjunto de conteúdos e habilidades detectadas como frágeis; 5. Mobilizar ações interdisciplinares, com a equipe docente, com foco nas competências leitora e de resolução de problemas; 6. Desenvolver, também, atividades considerando os resultados individuais e as especificidades de cada aluno. Para apoiar as ações dos professores, em sala de aula, a SEE disponibiliza também um relatório com itens comentados. 53

54 6. Mobilização da Comunidade Escolar 54

55 Como a escola pode mobilizar a comunidade escolar para promover a participação no SARESP/SAEB? Apresentação do SARESP a pais, alunos e professores: importância do SARESP e do SAEB, como os resultados vêm sendo utilizados etc; Envolvimento do Grêmio Escolar; Divulgação dos dias de aplicação do SARESP e SAEB ( , WhatsApp etc); No dia da aplicação A importância do clima de acolhimento; Os pais de alunos, que não sejam funcionários da escola, podem ser convidados para acompanhar; 55

56 Como a escola pode mobilizar a comunidade escolar para promover a participação no SARESP/SAEB? Vídeos de boas práticas de mobilização: Vídeo 1: Saresp orienta práticas pedagógicas e engaja alunos em escola com bons resultados https://www.youtube.com/watch?v=nypld48wnhc Vídeo 2: Esquenta SARESP - Mobilização dos pais https://www.youtube.com/watch?v=uvyqpn0txmy& list=pl6fldoitroiokirlsbzzruztoedtjrz-d&index=1 56

57

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb

Avaliação da Educação Básica. Saeb/Prova Brasil e Ideb Avaliação da Educação Básica Saeb/Prova Brasil e Ideb Saeb/Prova Brasil O desafio de planejar uma avaliação Matriz de Referência Elaboração de Itens - Capacitação IES - Laboratório Cognitivo BNI Pré-Teste

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015

INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015 INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015 Avaliações Externas Avaliação Sistematização/ Periodicidade Público Aplicação Área /Disciplina avaliada Objetivo Geral Provinha Brasil Sistema Alfa Bahia: entrada

Leia mais

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2009 SARESP HISTÓRIA E GEOGRAFIA SÃO PAULO 2010

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2009 SARESP HISTÓRIA E GEOGRAFIA SÃO PAULO 2010 RELATÓRIO PEDAGÓGICO 9 SARESP 0 4 4 3 HISTÓRIA E GEOGRAFIA 1 SÃO PAULO 2010 Prezados professores e gestores, A divulgação dos resultados do SARESP 9 por meio de relatórios pedagógicos, encontros presenciais

Leia mais

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2009 SARESP LÍNGUA PORTUGUESA SÃO PAULO 2010

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2009 SARESP LÍNGUA PORTUGUESA SÃO PAULO 2010 RELATÓRIO PEDAGÓGICO 9 SARESP 0 4 4 3 3 2 LÍNGUA PORTUGUESA SÃO PAULO 2010 Prezados professores e gestores, A divulgação dos resultados do SARESP 9 por meio de relatórios pedagógicos, encontros presenciais

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 11 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SÃO PAULO JUNHO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Contexto do Ensino Médio Ensino Médio Evolução das matrículas, 1991-2012 1991

Leia mais

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2010 SARESP

RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2010 SARESP RELATÓRIO PEDAGÓGICO 2010 SARESP 500 475 450 425 400 375 350 325 300 275 250 225 200 175 150 125 100 75 50 MATEMÁTICA 25 I II APRESENTAÇÃO Caros Professores e Gestores da Educação, Para reforçar a importância

Leia mais

DO ESTADO DE SÃO PAULO

DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO APRESENTAÇÃO DO CURRÍCULO CULO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Slide 1 Dez metas para o ano de 2010 1. Todos os alunos de 8 anos plenamente alfabetizados.

Leia mais

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao A Avaliação do PAEBES Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao Desempenho Programa de Avaliação da Educação

Leia mais

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1 ES R O D A C I D N I 2 O X E N A EDUCACIONAIS 1 ANEXO 2 1 APRESENTAÇÃO A utilização de indicadores, nas últimas décadas, na área da educação, tem sido importante instrumento de gestão, pois possibilita

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO

PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO PROVA BRASIL: A AVALIAÇÃO EM MATEMÁTICA E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 5º ANO Sylmara Fagundes da Silva Sylmara.fagundes@hotmail.com RESUMO O presente trabalho teve como objetivo analisar os resultados das

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014

PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 DOCUMENTO ORIENTADOR CGEB Nº 02 DE 2014 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PLANO DE AÇÃO ESCOLAS PRIORITÁRIAS - 2014 SÃO PAULO MARÇO DE 2014 Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ENFRETAMENTO DAS DESIGUALDADES EDUCACIONAIS

CARACTERIZAÇÃO E ENFRETAMENTO DAS DESIGUALDADES EDUCACIONAIS CARACTERIZAÇÃO E ENFRETAMENTO DAS DESIGUALDADES EDUCACIONAIS José Francisco Soares Presidente do Inep Salvador-Bahia Junho 2015 SUMÁRIO Direito à Educação Resultados Educacionais Desigualdades Estratégias

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Discutir e elaborar estratégias

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS. Professor Nota 10 - Valorização do Magistério

SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS. Professor Nota 10 - Valorização do Magistério Programa Estruturante Boa Escola Para Todos Programa Projetos Ações Boa Escola para Todos SAERS - Sistema de Avaliação Educacional do RS Professor Nota 10 - Valorização do Magistério Avaliação externa

Leia mais

O Programa de Intervenção Pedagógica:

O Programa de Intervenção Pedagógica: O Programa de Intervenção Pedagógica: Melhorando a qualidade da educação em Minas Gerais Fórum de Transformação da Qualidade Colômbia / Bogotá 06 de Julho de 2012 Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora...

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... 03 1 Conceitos... 05 1.1. Avaliação... 05 1.2. Competência... 05 1.3. Habilidades... 06 1.4. Competência leitora... 06 1.5. Competência matemática...07 1.6. Competência científica...07

Leia mais

ISSN 2236-854X SARESP 2014. Sumário Executivo v.1 (2015)

ISSN 2236-854X SARESP 2014. Sumário Executivo v.1 (2015) ISSN 2236-854X Sumário Executivo v.1 (2015) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald Secretário-Adjunto Cleide Bauab Eid Bochixio

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CALCULANDO COM O JOVEM DE FUTURO

CALCULANDO COM O JOVEM DE FUTURO CALCULANDO COM O JOVEM DE FUTURO No ano de 2012, noventa e nove escolas da Rede Estadual de ensino de Mato Grosso do Sul foram contempladas com o Projeto Jovem de Futuro, uma tecnologia voltada para Gestão

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010

Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 Relatório Síntese do Programa 2006 a 2010 1 Programa de Intervenção Pedagógica-Alfabetização no Tempo Certo Relatório Síntese I Histórico: Em 2004 foi implantado em Minas Gerais o Ensino Fundamental de

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná MARÇO/2008 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ Roberto

Leia mais

Profa. Elisa Antonia Ribeiro

Profa. Elisa Antonia Ribeiro REALIZAÇÃO - UNI-BH DESAFIOS, RESISTÊNCIAS E MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO DA CULTURA DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: A EXPERIÊNCIA DO UNIARAXÁ Profa. Elisa Antonia Ribeiro PAC- PROGRAMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental.

META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. META 5 Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do Ensino Fundamental. Diagnóstico Um dos fatores que comprometem a permanência das crianças na escola é a repetência,

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos

Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos Pilar 2 Aprimorar as ações e a gestão pedagógica da Rede com foco no resultado dos alunos Agosto de 2013 Secretaria de Estado da Educação Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo - SP 1 Os 5 pilares

Leia mais

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação MISSÃO DO CSFX Transferência Jovem de Futuro: Formar, por meio de uma educação libertadora Estratégias e cristã, cidadãos críticos de Comunicação

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

Compromisso Todos pela Educação. Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Compromisso Todos pela Educação. Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. Compromisso Todos pela Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. Ministério da Educação SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Maria do Pilar Lacerda A. Silva DEPARTAMENTO DE PROJETOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP) DIRETORIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO

Leia mais

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD

GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD GUIA DIDÁTICO GERAL CURSO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGEDUCA MODALIDADE EAD 1. APRESENTAÇÃO O Secretário de Estado de Educação tem o prazer de convidar-lhe a participar do Curso Sistema

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Saeb: sistemas complementares Avaliação Nacional do Rendimento Escolar

Leia mais

Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos

Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos Profª Edvânia Braz Teixeira Rodrigues Coordenadora de Desenvolvimento e Avaliação Secretaria de Estado

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Ciências Objetivos Interpretar os resultados da avaliação do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA SEE PARAIBA 2015 2018 Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas. Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte

Leia mais

Projeto recuperação paralela Escola Otávio

Projeto recuperação paralela Escola Otávio Projeto recuperação paralela Escola Otávio Público alvo: alunos com dificuldade ou defasagem de aprendizagem do Ensino Fundamental do 3º ano acima que estudam na Escola Otávio Gonçalves Gomes. Duração:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo é a alfabetização em Língua Portuguesa e Matemática, até o

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

CALENDÁRIO - PEDAGOGIA Grupo 093 - Fevereiro/2012 CursoID 318 - GradeID 425

CALENDÁRIO - PEDAGOGIA Grupo 093 - Fevereiro/2012 CursoID 318 - GradeID 425 CursoID 318 - GradeID 425 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo de avaliação, disciplinas, estrutura

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

Apostila Coordenador

Apostila Coordenador Apostila Coordenador Índice Passo-a-passo para acessar... 5 Acesso aos dados do aluno... 6 Consultando o cadastro de alunos... 9 Consultando a matrícula de alunos... 10 Registrando e tratando ocorrências

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015

EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015 EDITAL Nº 017/VRG-DA/2015 DIVULGA O CALENDÁRIO, OS PROCEDIMENTOS E AS CONDIÇÕES PARA A MATRÍCULA DE DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA, DOS ALUNOS VETERANOS DO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA,

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas

EQUIPE. Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal. Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas EQUIPE Pesquisadoras Sofia Lerche Vieira Eloísa Maia Vidal Colaboração Iasmin da Costa Marinho Pamela Felix Freitas Estudos & Pesquisas Fundação Victor Civita (FVC) 2007-2012 18 estudos Formatos: relatório,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

1ª Oficina - 2013 Curso 4

1ª Oficina - 2013 Curso 4 1ª Oficina - 2013 Curso 4 1ª Oficina - 2013 Curso 4 Bem-vindo ao curso de formação de Professores do Programa Um Computador por Aluno PROUCA Iniciamos o nosso curso de formação desenvolvendo a 1ª Oficina

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº 01/2014 ANEXO II PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS EMPREGOS (Ciências) (Ensino Fundamental) ATRIBUIÇÕES proposta da escola. fixando metas, definindo objetivos.

Leia mais

Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS

Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS Curso de Especialização em DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Docência na Educação Infantil

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais