A indústria de seguros no Brasil Transformação e crescimento em um país de oportunidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A indústria de seguros no Brasil Transformação e crescimento em um país de oportunidades"

Transcrição

1 A indústria de seguros no Brasil Transformação e crescimento em um país de oportunidades

2 II

3 III

4 IV

5 A indústria de seguros no Brasil Transformação e crescimento em um país de oportunidades 1

6 Direção geral do projeto Clodomir Félix F. C. Junior Coordenação editorial Renato de Souza Mtb Produção editorial Ester Rossi Mtb /SP Apoio à produção Laura Paoletti Sthefani Tironi Produção gráfica e pesquisa de imagem Elisa Paulillo Otavio Sarsano Complementação de informações econômicas Fernando Ruiz Giovanni Cordeiro Aline Oshiro Revisão Sonia Hagemann Versão em inglês Unitrad Profissionais em tradução Arte Mare Magnum Fotos Walter Craveiro (fotógrafo oficial do projeto) Nelson Toledo (Enrico De Vettori e João Batista Pinto) Gilberto Alves (Jérôme Garnier) Jorge Luiz ANS (Mauricio Ceschin) Nilton Santana (Fabio Luchetti) Gabriel Sales Photocamera (Carlos Augusto Pinto Filho) Gráfica Intergraf Ind. Gráfica Ltda. Tiragem exemplares na versão em português 300 exemplares na versão em inglês Empresas e entidades colaboradoras Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Aon Risk Solutions Banco do Brasil Bradesco Seguros Caixa Seguros CESCEBRASIL Seguros HDI Seguros IRB-Brasil Re Itaú Auto e Residência S.A. MAPFRE Seguros Marítima Seguros S.A. Marsh Brasil OdontoPrev Porto Seguro SulAmérica Superintendência de Seguros Privados (Susep) As estatísticas mencionadas neste livro refletem a última informação disponível no fechamento da publicação. A divulgação de dados pela imprensa ou por quaisquer outras fontes do mercado que venham a atualizar as estatísticas aqui expostas não invalida, de forma alguma, o propósito informativo desta obra, que é o de articular movimentos e tendências essenciais que se estabelecem e se desenvolvem ao longo de anos, a despeito de mudanças pontuais ou ciclos curtos da economia e dos negócios. O conteúdo dos artigos assinados pelos articulistas colaboradores desta publicação não reflete necessariamente as opiniões da Deloitte. Estão reservados à Deloitte todos os direitos autorais desta obra. A reprodução de páginas deste livro está vetada e a citação de informações nele contidas está sujeita à autorização prévia, da Deloitte e dos articulistas colaboradores, mediante consulta formal e comprometimento de citação de fonte. Filiada à Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) Contato para leitores desta obra: Sobre a Deloitte A Deloitte oferece serviços nas áreas de Auditoria, Consultoria, Consultoria Tributária, Corporate Finance e Outsourcing para clientes dos mais diversos setores. Com uma rede global de cerca de profissionais atuando a partir de firmas-membro em mais de 150 países, a Deloitte reúne habilidades excepcionais e um profundo conhecimento local para ajudar seus clientes a alcançar o melhor desempenho, qualquer que seja o seu segmento ou região de atuação. No Brasil, onde atua desde 1911, a Deloitte é uma das líderes de mercado e seus cerca de profissionais são reconhecidos pela integridade, competência e habilidade em transformar seus conhecimentos em soluções para seus clientes. Suas operações cobrem todo o território nacional, com escritórios em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Joinville, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Recife e Salvador. Deloitte refere-se à sociedade limitada estabelecida no Reino Unido Deloitte Touche Tohmatsu Limited e sua rede de firmas-membro, cada qual constituindo uma pessoa jurídica independente. Acesse para uma descrição detalhada da estrutura jurídica da Deloitte Touche Tohmatsu Limited e de suas firmas-membro Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

7 Uma visão sobre o nosso vibrante mercado de seguros Em nosso segundo século no País, queremos continuar participando ativamente do processo de crescimento e transformação desse setor. A excelência da indústria financeira do Brasil é hoje reconhecida em todo o mundo, contribuindo para projetar o País como um mercado de fato atraente para os principais agentes internacionais. Os sólidos fundamentos das organizações desse setor se traduzem em ótimos níveis de rentabilidade, ofertas diversificadas de produtos, penetração crescente em faixas pouco exploradas da população, invejável base tecnológica e destacável estrutura de gestão de riscos. O setor de seguros é, sem dúvida, parte muito importante dessa nossa robusta indústria financeira. Mais do que isso, ele representa hoje um mercado vibrante, em forte expansão e consolidando um nível significativo de maturidade. O atual sucesso do nosso mercado segurador é resultado não apenas de um momento promissor da economia e do ambiente de negócios do País, mas, sobretudo, da capacidade das próprias empresas que o constituem em se reinventar permanentemente. A Deloitte, que já completou 100 anos de atuação no Brasil, se orgulha em ter historicamente apoiado as organizações que compõem toda a nossa cadeia do mercado de seguros e financeiro em geral. Em nosso segundo século no País, queremos continuar participando ativamente do processo de crescimento e transformação desse setor. Esta coletânea de artigos que organizamos, com alguns dos principais executivos desse mercado, nos oferece uma visão panorâmica sobre um dos setores mais promissores da economia nacional. Desejamos a todos uma ótima leitura. Juarez Lopes de Araújo Presidente da Deloitte

8 Articulistas colaboradores Carlos Augusto Pinto Filho Coordenador-geral de Monitoramento de Solvência da Superintendência de Seguros Privados (Susep) Francisco Caiuby Vidigal Presidente da Marítima Seguros S.A. e Marítima Saúde Seguros S.A. Cristiano Furtado CFO da Marsh Brasil Jérôme Garnier Diretor financeiro da Caixa Seguros Duarte Marinho Vieira Superintendente técnico atuarial da MAPFRE Seguros e professor de Ciências Atuariais da Pontifícia Universidade Católica (PUC) Leonardo André Paixão Presidente do IRB-Brasil Re Fabio Luchetti Vice-presidente executivo da Porto Seguro Marcelo Homburger Vice-presidente de Recursos Técnicos da Aon Risk Solutions Deloitte liderança local e global Clodomir Félix Líder da Deloitte no Brasil para a indústria financeira Chris Harvey Líder global da Deloitte para a indústria financeira Joe Guastella Líder global da Deloitte para a indústria de seguros

9 Marco Antonio Rossi Presidente do Grupo Bradesco Seguros Patrick de Larragoiti Lucas Presidente do Conselho de Administração da SulAmérica Seguros e Previdência Mauricio Ceschin Diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Paulo Rogério Caffarelli Vice-presidente de Novos Negócios de Varejo do Banco do Brasil Murilo Setti Riedel Vice-presidente da HDI Seguros e responsável pelas áreas técnicas de Seguros, Resseguros e Sinistros Randal Zanetti Presidente da OdontoPrev Ney Ferraz Dias Diretor geral do Itaú Auto e Residência S.A. Valmir Forni Diretor administrativo financeiro da CESCEBRASIL Seguros Deloitte expertise na indústria e na prática de negócios Enrico De Vettori Sócio da área de Consultoria da Deloitte e especialista no setor de saúde João Batista Pinto Diretor da prática de Atuária da Deloitte

10 Introdução Um setor que avança com o novo Brasil Para analisar o universo de transformações pelas quais passa o mercado segurador, nada melhor do que uma coletânea de artigos de executivos e especialistas que conhecem a fundo o setor e trabalham pelo seu desenvolvimento. O mercado de seguros vivencia no Brasil um momento inédito, marcado por acentuados níveis de expansão em praticamente todos os segmentos e tipos de produto e, principalmente, por amplas oportunidades nas mais diversas frentes. Uma série de fatores tem contribuído para que essa indústria avance rapidamente para consolidar conquistas históricas e efetivar seu reconhecido potencial de crescimento em uma das principais economias emergentes do mundo. O primeiro facilitador dos avanços recentes desse setor está ligado à própria estabilidade econômica do País, que passou a proporcionar nas últimas duas décadas uma maior capacidade de planejamento para consumidores e empresas, a fim de aumentar o interesse por produtos de seguro. Outro determinante dessa nova realidade talvez o mais significativo de todos pela sua abrangência tem sido a exuberância do nosso mercado interno, com a elevação do poder de consumo de partes significativas da população. A chamada nova classe média, que já vinha desencadeando mudanças em diversos setores econômicos, busca agora meios para preservar seus bens adquiridos e garantir segurança e um futuro mais estável para sua família. Desse modo, grandes oportunidades continuarão a se abrir para certos segmentos de seguros. O próprio microsseguro, em vias de ser regulamentado no País, projeta-se como alternativa importante nesse contexto. Felizmente, as excelentes perspectivas para o mercado segurador se sustentam não apenas como reflexo de eventos socioeconômicos do passado recente. Muito pelo contrário, há razões para se 6

11 Clodomir Félix Líder da Deloitte no Brasil para a indústria financeira acreditar na manutenção do crescimento em médio e longo prazos, em decorrência de fenômenos econômicos, mercadológicos e até demográficos em curso. A retomada dos investimentos em infraestrutura, por exemplo associados ou não à realização dos megaeventos esportivos de 2014 e 2016, traz sinais promissores para segmentos como o resseguro e o seguro patrimonial. A própria instabilidade vigente em economias maduras deve contribuir, por sua vez, para que o setor de seguros brasileiro permaneça atrativo a investimentos estrangeiros, em particular, diante do movimento de abertura que o mercado local tem vivenciado. E a relevância cada vez maior da População Economicamente Ativa (PEA) na sociedade brasileira tende a concretizar o que se vem chamando de bônus demográfico, com um número maior de pessoas produzindo, consumindo e gerando ainda mais oportunidades para a indústria seguradora. Diante desse cenário sem precedentes, a indústria de seguros no Brasil vem promovendo uma transformação contínua nos mais diversos âmbitos: das estratégias de negócio adotadas à introdução de modelos de operação mais eficientes, de novos mecanismos de crescimento ao uso de canais alternativos de distribuição. É para tratar desse universo de transformações em um ambiente propício ao crescimento que a Deloitte decidiu convidar executivos e especialistas para expor suas visões sobre o desenvolvimento do mercado segurador. Desse modo, A indústria de seguros no Brasil Transformação e crescimento em um país de oportunidades é uma coletânea de artigos que percorre os grandes determinantes das mudanças e da expansão 7

12 Uma história de desse setor. O primeiro capítulo do livro ( Além da tempestade ) trata da conjuntura internacional do mercado de seguros, com os líderes globais da Deloitte para as indústrias financeira e de seguros Chris Harvey e Joe Guastella, respectivamente discorrendo a respeito dos novos determinantes da dinâmica do setor. Os cinco artigos do segundo capítulo ( O país do presente se revela ) discorrem sobre como o novo cenário social brasileiro vem trazendo oportunidades inéditas para as seguradoras. O capítulo Horizonte sem fim trata da relação entre o mercado de seguros e os caminhos que o capital vem tomando, no mundo e, em particular, no Brasil. Já o quarto capítulo ( Pela saúde do brasileiro ) inclui artigos sobre os desafios e as perspectivas para os seguros de saúde e odontológico. Os aspectos de gestão, que vão da precificação e rentabilidade aos papéis do corretor e do profissional atuário, estão no quinto capítulo, A gestão moderna. Para finalizar o livro, os três artigos do capítulo 6 ( A nova dinâmica da indústria ) tratam de movimentos próprios de um setor globalizado por definição, que abrangem aderência a regulamentações, gestão de riscos, consolidações e competitividade No ano da abertura dos portos brasileiros, é fundada a primeira organização de seguros do País, a Companhia de Seguros Boa-Fé 1996 O Brasil passa a permitir a entrada de grupos estrangeiros podendo controlar companhias seguradoras locais 1850 Com a promulgação do "Código Comercial Brasileiro", o seguro marítimo é regulado plenamente, atividade fundamental para um país agroexportador 2000 É criada a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para regular o setor de serviços de saúde 1855 Já sob a regência de D. Pedro II, o Brasil Império vivencia a formação da Companhia de Seguros Tranquilidade, a primeira do País dedicada ao ramo vida 2006 São estabelecidas novas regras de solvência para as seguradoras, com a exigência de mais capital, acarretando novas consolidações 1862 Surgem as primeiras sucursais no Brasil de seguradoras sediadas no exterior 2008 O Instituto de Resseguros do Brasil (IRB-Brasil Re) perde o monopólio do resseguro, favorecendo a chegada de competidores estrangeiros Vistos no conjunto, os 20 artigos expostos nas páginas seguintes constituem retratos do presente e do futuro de uma indústria que aprendeu a se transformar permanentemente, adaptando-se sempre aos novos tempos da economia. 8

13 transformação e crescimento 1901 Criação da Superintendência Geral de Seguros, que passou a concentrar as responsabilidades de fiscalização do setor 1929 É fundada a primeira empresa de capitalização do Brasil, a Sul América Capitalização S.A É criado o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB-Brasil Re), que monopolizaria o resseguro no País até o início do século São criados o Sistema Nacional de Seguros Privados e a Superintendência de Seguros Privados (Susep) 1985 O mercado brasileiro de seguros passa por uma reestruturação, com a desregulação gradativa do setor 1993 O Plano Real é lançado, sedimentando as bases da posterior estabilização econômica brasileira 2010 O País encerra uma década de forte expansão do crédito e inclusão social, ampliando o mercado interno e abrindo perspectivas a todo o mercado segurador 2011 O Governo Federal lança o PAC 2, que, junto a empreendimentos privados, abre oportunidades a ramos como o resseguro e o seguro patrimonial 2014 O País sediará a Copa do Mundo da FIFA, coroando uma fase de retomada dos investimentos em infraestrutura, que favorece segmentos do mercado segurador 2020 O Brasil deve alcançar o ápice do bônus demográfico, com a sua população economicamente ativa representando a maior parte da sociedade mais oportunidades ao mercado segurador Fontes: Susep, revista Época Negócios e Deloitte (consolidação de dados públicos) 9

14 Sumário Capítulo 1 13 Além da tempestade Um olhar sobre o futuro da indústria no mundo 14 Os vetores da transformação Quatro fatores centrais para explicar as mudanças na indústria financeira Chris Harvey 18 Novas rotas para o crescimento O foco nos mercados emergentes e em canais de distribuição não tradicionais Joe Guastella Capítulo 2 23 O país do presente se revela As facetas do crescente mercado interno 24 Um bônus a conquistar As oportunidades que virão com o aumento da população economicamente ativa Fabio Luchetti 28 O novo objeto de desejo Após a ascensão social, as classes emergentes querem preservar suas conquistas Marco Antonio Rossi 32 As novas necessidades da nova classe média As demandas da classe C, que ajuda a impulsionar o setor de seguros Patrick de Larragoiti Lucas 36 Muito além de um seguro barato O potencial e o público-alvo de produtos promissores, como o microsseguro Paulo Rogério Caffarelli Capítulo 3 45 Horizonte sem fim De portas abertas para o investimento 46 A segurança das seguradoras Grandes perspectivas para o mercado de resseguros no Brasil Leonardo André Paixão 50 O ciclo virtuoso do patrimônio Um ambiente ideal para a expansão do seguro de patrimônio Marcelo Homburger 52 Mais proteção aos exportadores O seguro de crédito à exportação em tempos de globalização intensa do comércio Valmir Forni 40 A próxima etapa evolutiva Chegou a vez dos seguros de vida, previdência e saúde Jérôme Garnier 10

15 Capítulo 4 57 Pela saúde do brasileiro Alternativas para a indústria da vida 58 Oportunidades para crescer e incluir Acessibilidade e percepção de valor impulsionam o seguro odontológico no Brasil Randal Zanetti 62 Os desafios da cadeia da saúde A importância de se enfrentar o crescente aumento de custos no setor Enrico De Vettori 66 O plano de saúde do futuro O desafio de responder a consumidores cada vez mais bem informados Mauricio Ceschin Capítulo 5 71 A gestão moderna Operações na busca da eficiência 72 A informação que define o preço As novas possibilidades na construção de modelos de precificação Ney Ferraz Dias 76 Rentabilidade versus custos O complexo e fundamental processo de gestão profissional dos custos Murilo Setti Riedel 80 Profissão corretor A busca de especialização, atualização e soluções customizadas Cristiano Furtado 84 Novos papéis para o atuário Os desafios que a implementação do IFRS trouxe aos atuários de seguros João Batista Pinto Capítulo 6 91 A nova dinâmica da indústria Como avançar em um setor globalizado por excelência 92 Impactos e benefícios da norma Os esforços para ajustar a indústria de seguros aos padrões internacionais Carlos Augusto Pinto Filho 96 Lições aprendidas com a crise Os muitos aprendizados de toda a indústria financeira aplicados às seguradoras Francisco Caiuby Vidigal 100 O risco que vira oportunidade De pessoas a processos, de parcerias a concorrentes: os determinantes da competitividade Duarte Marinho Vieira 11

16 12

17 Capítulo 1 Além da tempestade Um olhar sobre o futuro da indústria no mundo

18 Os vetores da transformação As mudanças mais importantes em curso nas instituições financeiras do mundo ocorrem hoje em torno de quatro fatores centrais: aderência a regulamentações, capital, clientes e concorrência. O peso dessas alterações afeta hoje todas as áreas de negócio das organizações do setor. uatro anos após o início da crise financeira global, grande parte do setor de serviços financeiros das economias maduras continua bastante inquieta. Nos Estados Unidos e nas nações da Europa Ocidental, as incertezas econômica, regulatória e política custaram a confiança do consumidor, o que se reflete na lenta recuperação econômica. Formuladores de políticas das duas regiões continuam a introduzir regulamentações complicadas e potencialmente custosas, que confundem os esforços de planejamento estratégico e podem ter um efeito cascata nas instituições financeiras das economias dos países em desenvolvimento. Muitas das maiores instituições financeiras do mundo estão lutando para encontrar oportunidades de crescimento, ao mesmo tempo em que enfrentam pressões do governo, dos órgãos reguladores e da opinião pública. Vimos reestruturações e alienações entre as maiores organizações do mundo para sobreviverem. Agora estamos vendo as empresas alterarem seu foco comercial, suas estratégias e seus mercados. Enquanto instituições de economias desenvolvidas digladiam-se com condições adversas, organizações de economias emergentes têm encontrado uma rara oportunidade para recuperar o atraso. Grandes empresas globais de serviços financeiros no Brasil e na China estão assumindo seu legítimo lugar no cenário internacional; os dois países têm hoje instituições financeiras classificadas entre as 25 maiores do mundo em termos de força e atratividade para investimentos. 14

19 Por Chris Harvey Líder global da Deloitte para a indústria financeira Enfrentando a perspectiva de crescimento estagnado internamente, instituições norte-americanas e europeias estão sendo atraídas para esses mercados emergentes. Elas estão buscando crescimento em economias menos voláteis e levando com elas não apenas ofertas bancárias padrão, mas produtos de seguro mais sofisticados, como, por exemplo, contra recessão para residentes não segurados ou subsegurados no exterior. Vários países estão mudando suas estruturas regulatória e tributária à medida que se tornam mais confiantes a respeito da força de seus setores financeiros e, assim, estão se tornando mais atraentes para essas instituições globais e estrangeiras, em particular, no Brasil. Para lidar com novos regulamentos e ampliar sua presença em novos mercados, organizações financeiras em todo o mundo estão evoluindo com o mercado global pós-recessão. Grande parte da transformação nas instituições financeiras está ocorrendo em torno de quatro elementos centrais: aderência a regulamentações, capital, clientes e concorrência. Essas mudanças estão afetando as decisões em todas as áreas de negócio: modelos operacionais, gestão de riscos, governança, combinações estratégicas, desenvolvimento de produtos, talentos e objetivos estratégicos. Aderência a regulamentações Os governos e as instituições financeiras globais são vistos com desconfiança devido à crise e às ajudas emergenciais. O diálogo político em andamento, as ameaças de penalidades regulatórias e as táticas agressivas de lobby por parte de líderes do setor resultaram na mudança da supervisão da alta cúpula das instituições financeiras nas nações desenvolvidas. No entanto, essa 15

20 atividade em andamento deixou muitos detalhes operacionais vagos e aumentou o número de órgãos reguladores aos quais as instituições financeiras devem se reportar. Embora tenhamos visto um acordo geral entre os países do G-20 sobre exigências de estabilidade financeira e regulamentação, ainda há graus conflitantes de normas entre os países. Isso requer que esforços de adequação às regulamentações sejam empreendidos para adaptar as exigências a cada jurisdição. A não conformidade poderia levar a penalidades significativas e representa um risco relevante à reputação quando as atenções se voltarem para áreas sensíveis, como a remuneração de executivos. Vários ajustes importantes estão posicionando as empresas para reagirem à mudança regulatória, à medida que ela se desenrola. As instituições financeiras estão caminhando em direção a um programa de conformidade ágil e dimensionável, apoiado por soluções tecnológicas e uma força de trabalho altamente qualificada. Os líderes das instituições financeiras também estão tratando do processo Os setores financeiros estão se moldando em um número menor de grandes instituições líderes e em um número maior de empresas menores e especializadas. de adequação às regulamentações de maneira proativa, prevendo penalidades, quantificando vantagens competitivas e analisando cenários que desencadeariam eventualmente mudanças na atuação geográfica, saídas de produtos ou um plano alternativo de remuneração. Capital O capital não é mais uma mercadoria que possa ser adquirida facilmente. Somente o mercado de títulos negociáveis encolheu mais de 50% de 2007 a A introdução de novos padrões de capital por meio do Basileia III para os bancos e do Solvência II para as seguradoras aumentou ainda mais o custo do capital. Como resultado, a concorrência por fontes mais baratas e estáveis de capital, como depósitos bancários segurados, é intensa. Exigências de capital de prazo mais longo, no entanto, estão forçando as instituições financeiras a focar medidas de retorno de capital para identificar o melhor uso do investimento e os produtos mais eficientes. O resultado desse movimento provavelmente será pressionar as instituições financeiras a fim de diversificar em áreas varejistas do setor, que têm potencial para aumentar a liquidez, inclusive para produtos de seguro que gerem fluxos de caixa positivos no curto prazo. Clientes Os clientes saíram arranhados da instabilidade econômica dos últimos quatro anos, o que 16

21 os forçou a se inteirarem mais sobre os riscos e a escrutinar a natureza dos produtos financeiros mais de perto. A instabilidade econômica também aumentou a sensibilidade do cliente em relação aos preços, forçando as instituições financeiras a reduzir taxas ou a diminuir as expectativas de venda. Na luta pela participação de mercado, as instituições financeiras estão preservando margens por meio de mais eficiência, concentrando-se em produtos de serviço intensivo para segmentos menos sensíveis aos preços e abrindo mão de relações com clientes de alto risco. A eliminação de produtos de qualidade mais baixa e o impulso a marcas viáveis mantêm a gama de produtos e serviços oferecidos de forma compatível com a qualidade do cliente e os padrões de preços. Concorrência O cenário concorrencial está repleto de novos participantes, consolidações e competidores dos mercados emergentes. Os novos participantes estão capitalizando seus serviços especializados para atrair clientes do setor financeiro, insatisfeitos e desconfiados dos atuais fornecedores. A consolidação continua a ser um caminho em direção ao crescimento nas economias anêmicas de hoje; a caça às pechinchas é o esporte financeiro do momento. Nos mercados emergentes, os competidores estão agindo com rapidez e agilidade para desenvolver uma presença regional, forçando os fornecedores internacionais a observar seus planos ambiciosos a fim de aumentar o reconhecimento de marca. Novos competidores, mais rápidos e criativos e com altos padrões de serviço ao cliente, estão motivando fornecedores tradicionais a melhorar a experiência do cliente e a resposta aos serviços para não perder terreno. Os setores financeiros estão se moldando em um número menor de grandes instituições líderes e em um número maior de empresas menores e especializadas. Para enfrentar esses desafios, as instituições financeiras estão se voltando para a inovação de serviços, na qual o uso aperfeiçoado da tecnologia pode levar a uma melhor experiência do cliente. Além disso, a capacitação em serviço para o pessoal da linha de frente tornouse uma grande prioridade para fornecer uma experiência competitiva ao cliente. Aquisições e alienações estratégicas estão mantendo a penetração de mercado alinhada com os objetivos da organização, incluindo investimentos em países emergentes, como o Brasil. Apesar da intensificação das incertezas em torno de aderência a regulamentações, capital, clientes e concorrência, há um grau de estabilidade retornando aos sistemas financeiros mundiais. As instituições que se mantêm concentradas em aproveitar oportunidades nessas quatro áreas centrais estão fortalecendo sua posição para alcançarem êxito no novo cenário global. 17

22 Novas rotas para o crescimento Com perspectivas reduzidas de expansão nas economias mais maduras, as seguradoras globais estão direcionando seu foco de atuação e capital aos mercados emergentes e para o uso de canais de distribuição não tradicionais. Assim, buscam transitar com mais eficácia nas novas condições do mercado global. A crise financeira que teve início em 2008 acelerou o ritmo das mudanças no mercado de seguros, à medida que os fornecedores intensificaram seus esforços para escorar os fluxos das receitas em queda. Embora a causa-raiz do colapso possa remontar a bancos e empresas de valores mobiliários, o receio de contágio de novos reveses disseminou-se entre todas as instituições de serviços financeiros. As seguradoras estão se saindo melhor do que a maioria, no entanto, devido a medidas eficazes de gestão de riscos e reservas de capital suficientes durante o auge da crise. Apesar de problemas generalizados entre bancos e organizações de valores mobiliários, somente algumas poucas instituições de seguro a maioria com sede nos Estados Unidos foram prejudicadas pela crise do sistema financeiro. As seguradoras também continuam a ter uma classificação melhor do que outras instituições de serviços financeiros em pesquisas de avaliação de marca feitas com consumidores. Embora as seguradoras tenham resistido bem durante a crise, a retração econômica ressalta alguns problemas subjacentes com os fluxos tradicionais de receitas das seguradoras, que têm encolhido nos últimos anos. A capacidade das seguradoras de gerar receita a partir de subscrições tradicionais em economias desenvolvidas foi afetada de modo adverso com a alta saturação do mercado e com prejuízos de bilhões de dólares em riscos seguráveis durante a retração econômica. Fluxos de ganhos de investimento, que constituem uma das principais fontes das 18

23 Por Joe Guastella Líder global da Deloitte para a indústria de seguros receitas dos seguros, também estiveram sob pressão devido à constante volatilidade do mercado. A ameaça de recessão global pressionou as taxas de juros para baixo. A continuidade de taxas de juros mais baixas reduz a capacidade das seguradoras de gerar receita suficiente para cobrir custos fixos de produtos de investimento e limita o retorno que podem oferecer aos consumidores em seguros de vida e produtos de anuidade. O ambiente saturado de regulamentações complica os esforços das seguradoras de agir estrategicamente e caminhar em novas direções. Tanto os países individualmente quanto as organizações normatizadoras continuam a introduzir medidas regulatórias em resposta à crise financeira. No âmbito internacional, medidas destinadas à estabilidade do setor, como o Solvência II, já estavam sendo adotadas antes da crise. A ênfase no foco da reforma regulatória na União Europeia e nos Estados Unidos impõe muitos desafios, entre os quais, nas áreas de estrutura operacional, planejamento fiscal e aderência a regulamentações. O ajuste fino das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros (o IFRS, de International Financial Reporting Standards ), do International Accounting Standards Board (IASB), provavelmente terá impacto na elaboração dos relatórios das seguradoras, além de ônus fiscal. As seguradoras estão enfrentando um período prolongado no qual ficarão sem saber o que será esperado delas, que demandas e custos de conformidade enfrentarão ou mesmo se continuarão viáveis em determinados mercados. As seguradoras estão agindo para aproveitar o potencial de novas 19

24 possibilidades de geração de lucros, apesar da incerteza regulatória. Com o crescimento estagnado nas economias avançadas, os líderes do setor de seguros estão mudando seu foco e capital financeiro, tecnológico e intelectual para mercados emergentes e canais de distribuição não tradicionais, onde podem ter maiores oportunidades para direcionar o crescimento. As seguradoras estão estudando a possibilidade de ampliar sua presença em economias em desenvolvimento, nas quais a penetração do setor de seguros é baixa. O grande número de pessoas não seguradas ou subseguradas no Brasil, junto com uma economia resiliente e uma classe média em crescimento, apresenta uma nova frente atrativa para melhores retornos. Além de ter a quinta maior população do mundo, o Brasil tem várias qualidades que tornam as perspectivas de venda Nos mercados emergentes, a economia pode ser diferente, mas as demandas do consumidor são surpreendentemente similares. Empresas e consumidores têm mais ativos para proteger e renda disponível para comprar produtos de seguro em função de suas economias em expansão. animadoras para as seguradoras. Entre essas qualidades, estão mercados comerciais internacionais abertos, um crescimento projetado consistente e taxas estáveis de inflação, consumo, impostos e dívida pública. O Brasil é um dos vários países que estão agindo para mudar estruturas fiscais e regulatórias a fim de atrair empresas estrangeiras de serviços financeiros. O setor interno de seguros foi liberalizado para permitir investimentos e participação de empresas estrangeiras no crescimento emergente do setor no País. Como resultado, a previsão é de que o mercado brasileiro de seguros cresça a uma taxa média de quase 10% até 2013, ultrapassando em muito a média projetada do mercado global de cerca de 3%. À parte a nova penetração de mercado, as seguradoras estão ajustando seu conjunto de produtos e serviços para atender aos tipos de produtos de seguro que os consumidores querem nas economias pós-recessão. Com pouco dinheiro e desconfortáveis com produtos que não entendem, os consumidores das economias avançadas em geral estão passando de produtos complexos ou híbridos para produtos simples e fáceis de entender, com cobertura em áreas que os compradores acreditam não poder bancar por não ter proteção, como contratos de anuidade à prova de inflação e seguros de vida e saúde. Isso está limitando as oportunidades do setor para avançar com produtos e serviços inovadores de margem mais alta. 20

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira

Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Visão global, especialização local Consultoria para a indústria financeira Como uma das empresas líderes em serviços profissionais no Brasil, a Deloitte entende de maneira única os desafios enfrentados

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas José Paulo Rocha 9 de dezembro de 2008 Resultados referentes à terceira edição da pesquisa As Pequenas e Médias Empresas que Mais Crescem no Brasil

Leia mais

Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil

Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil Deloitte apresenta pesquisa inédita sobre o sistema de saúde no Brasil Apesar de se mostrarem críticos, 56% dos 1000 brasileiros entrevistados, enxergam possibilidades de melhoria da qualidade e de redução

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Resiliência...dos desafios às oportunidades

Resiliência...dos desafios às oportunidades Resiliência...dos desafios às oportunidades Seminário FEBRABAN sobre Gestão de Continuidade de Negócios Abril de 2010 Agenda... Contextualização Desafios Tratamento abrangente Oportunidades Aprimoramento

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL

EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL EM PAUTA PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL OPORTUNIDADES EM MEIO À CRISE NO BRASIL 14 REVISTA RI Abril 2015 É sabido que 2015 vai ser um ano difícil diante de uma economia com perspectiva de recessão. No

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs

Contratos de seguro. Um novo mundo para os seguros. Junho de 2013. kpmg.com/ifrs Contratos de seguro Um novo mundo para os seguros Junho de 2013 kpmg.com/ifrs Grandes esforços foram feitos pelo IASB para melhorar as propostas, abordando as principais preocupações dos participantes

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

PERSPECTIVAS DO MERCADO SEGURADOR DE AUTOMÓVEL Belo Horizonte/MG Setembro 2014

PERSPECTIVAS DO MERCADO SEGURADOR DE AUTOMÓVEL Belo Horizonte/MG Setembro 2014 PERSPECTIVAS DO MERCADO SEGURADOR DE AUTOMÓVEL Belo Horizonte/MG Setembro 2014 Perspectivas A Transformação dos Consumidores Serviços ao Cliente Tendências PERSPECTIVAS CENÁRIO BRASILEIRO O Real se desvalorizou

Leia mais

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Rumo à abertura de capital

Rumo à abertura de capital Rumo à abertura de capital Percepções das empresas emergentes sobre os entraves e benefícios 15º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais 4 de julho de 2013 Pontos de partida

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 4T11

Reunião Pública dos Analistas 4T11 Grjrr Reunião Pública dos Analistas 4T11 Porto Seguro Agenda Visão da Indústria de Seguros Cenário Atual Perspectivas Visão Geral da Porto Seguro Estrutura Linhas de Negócio Estratégia e Cultura Resultados

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros

De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros Índice Desafios comuns, experiências únicas... 3 Conecte-se com quem importa... 4 Entenda o modelo de negócio... 5 Trafegue em todas as culturas...

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil

Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Transparência em movimento O atual estágio da Governança Corporativa no Brasil Pesquisa 013 A caminho da maturidade A Governança Corporativa é um tema que está cada vez mais presente nas empresas que pretendem

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09

Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Veículo: Valor Online Data: 29/04/09 Cresce procura por gestores de risco Em tempos de crise, os gestores de risco estão sendo garimpados pelas empresas como pedras raras. Segundo a consultoria Michael

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A LOCAMERICA SEMINOVOS

A LOCAMERICA SEMINOVOS A LOCAMERICA A Locamerica é uma companhia especializada em locação de frotas customizadas para empresas. Desde 13 no mercado, a locadora ocupa o segundo lugar no ranking das maiores do setor em número

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Casos de Sucesso Cliente Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Perfil da empresa A Deloitte é uma das maiores empresas do mundo na prestação de serviços profissionais

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos.

2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2 Histórico de fusões e aquisições e conceitos. 2.1. Fusões e aquisições globais Com a globalização e a necessidade de escalas cada vez maiores de operação, as grandes empresas ultrapassaram fronteiras

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

10 Minutos sobre o desempenho da função financeira

10 Minutos sobre o desempenho da função financeira 10Minutos Conquistando vantagem competitiva 10 Minutos sobre o desempenho da função financeira Fevereiro 2013 O segredo está em investir mais em pessoas, sistemas e estruturas, não em gastar menos O papel

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

A palavra é eficiência

A palavra é eficiência A palavra é eficiência A redução de juros está no radar da indústria global de seguros. Compensar negócios mal precificados com ganhos financeiros já não é mais possível em um cenário de taxas em queda.

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos

Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos Movimentos de abertura de capital A experiência de 2009 e as perspectivas para os próximos anos 2 A retomada da atividade econômica no Brasil ganhou destaque no segundo semestre de 2009, conduzindo o mercado

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de:

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de: Clube Brasileiro-Catalão de Negócios (CB-CN) Av. Juscelino Kubitschek, 1726 conj. 111 sala 9 Vila Olímpia São Paulo SP Brasil CEP: 04543-000 www.cb-cn.com E-mail: info@cb-cn.com Número 12 (18 de abril

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO

ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO ANEXO À DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR FATORES DE RISCO Antes de tomar a decisão de adquirir as frações imobiliárias hoteleiras do Pestana, potenciais investidores devem considerar cuidadosamente todas as informações

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil. Pesquisa 2014/2015

Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil. Pesquisa 2014/2015 Termômetro tributário O perfil e as aspirações do profissional de impostos no Brasil Pesquisa 2014/2015 Entre desafios e demandas Um profissional multifacetado, envolvido com complexos aspectos técnicos

Leia mais

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013

ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 ICES Um Indicador de Confiança para o Setor de Seguros Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2013 Sumário: 1) Desafios econômicos do setor de seguros (Brasil e Mundo) 2) Princípios sobre Modelos

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO 2 PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR 3 4 PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Seguros Gerais 14 Milhões de Automóveis Segurados 7 Milhões

Leia mais

Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades

Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades Clube Vida em Grupo São Paulo Mercado Brasileiro de Seguros: Tendências e Oportunidades 13 de novembro, 2013 Gabriel Portella O mercado está em constante mudança... Desenvolvimento tecnológico Mudança

Leia mais

Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade

Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade Reorganização de Empresas no Brasil Inovação em um cenário de competitividade Índice Estímulo ao poder de competitividade e a capacidade de crescimento das organizações...3 O ciclo de vida de uma empresa...4

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

24 de abril de 2008 Ed Ruiz

24 de abril de 2008 Ed Ruiz IFRS Principais impactos nos balanços das companhias 24 de abril de 2008 Ed Ruiz Ambiente regulatório brasileiro BACEN Comunicado 14.259 de 10 de março de 2006 Requer que as demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

02/02/2013. Para onde correr?

02/02/2013. Para onde correr? 02/02/2013 Para onde correr? Juros historicamente baixos, crescimento modesto, inflação elevada e um ambiente menos hostil, mas ainda cheio de incertezas. Decidir onde aplicar, num cenário desses, é um

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PLANEJAMENTO PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA 1º SEMESTRE DE 2016 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais bem

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais