Dextrocetamina na dor. crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dextrocetamina na dor. crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA -"

Transcrição

1 Dextrocetamina na dor crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA -

2

3

4

5

6

7 Novos mecanismos Microglia dor neuropática Receptor TOLL (TLR3) ativa microglia e o desenvolvimento de alodinia Ketamina espinal em ratos expressão de genes proinflamatórios por suprimir os sinais de transdução recebidos por TLR3, resultando em efeito anti-alodinico Neurosignals, março 2011 Mei XP et al. China

8 Novos Mecanismos Cinase do terminal N do c-jun (JNK) é crítica para ativação de astrócitos no desenvolvimento de dor neuropática em modelos animais Ketamina espinal ativação dos astrócitos por atenuar JNK Journal of Neuroinflammation, 2011 Mei XP et al. China

9

10 Novos Mecanismos Tolerância ao baclofeno intratecal é produzido por desensibilização do receptor de GABA tipo B (GABABR) Em culturas de células, S(+)Ketamina suprimiu este processo pelo menos parcialmente por inibir a formação de complexos de proteínas cinases 4 ou 5 (GRK) com GABABR Anesthesiology, Fev 2011 Ando Y et al. Japão

11

12

13

14 Ações Imunológicas/Antiinflamatórias Redução da produção de citocinas próinflamatórias TNFα, IL-6, IL-8 septicemia operações coronarianas com CEC Can J Anesth, 2001;48 Anesth Analg, 1999;89 Anesth Analg, 1998;87

15 Grip ForceForça de Preensão Força Muscular = Força muscular registrada(g) Peso do animal(kg) Força muscular= Força muscular registrada(g)/peso do animal(kg) Resultados finais-pesquisa de dextrocetamina em modelo de OA Universidade Federal do Maranhão-Grupo de Pesquisa em Dor-2011

16 Força de Preensão (Grip Force) CFmáx(g)/ Peso corporal (kg) 2000 * ** ** Sem Osteoarttrite Salina Cetamina Dias Figura 5- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina( máximo de 50µl de solução, IA) administrados no 7º dia após a indução do OA por uma única injeção de MIA ( 2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos(n=6) na força de preensão. Os dados estão representados pela força de compressão máxima para cada animal. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias. ANOVA Teste de Tukey (p < 0,05). * Indica diferença em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento.

17 Weight Bearing- Distribuição do Peso nas patas traseiras Weight Bearing- Distribuição do Peso nas patas traseiras Peso na pata afetada(%)=peso na pata afet/peso na pata afet+peso na pata contralateral X 100 Resultados finais-pesquisa de dextrocetamina em modelo de OA

18 Distribuição do Peso (%) Distribuição do Peso nas Patas Traseiras * * * * ** ** ** ** ** Sem Osteoarttrite Salina Cetamina Dias Figura 2- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina( máximo de 50µl de solução, IA), administrados no 7º dia após a indução de OA por uma única injeção de MIA, (2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos(n=6), na distribuição do peso nas patas traseiras utilizando um teste de incapacitância. Os dados estão representados pelo comportamento dos animais em relação à distribuição do peso nas patas traseiras. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias. ANOVA Teste de Tukey (p < 0,05). * Indica diferença em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento

19 RANDALL SELLITO-Hiperalgesia Mecânica Resultados finais-pesquisa de dextrocetamina em modelo de OA

20 Limiar Nociceptivo de Retirada da Pata(%) Hiperalgesia Mecânica (Randall Selitto test) 60 * 50 * ** ** ** * * * * * * Sem Osteoarttrite Salina Cetamina Dias Figura 4- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina (máximo de 50µl de solução, IA) administrados no 7º dia após a indução do osteoartrite induzida por uma única injeção de MIA ( 2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos (n=6), na hiperalgesia mecânica utilizando um analgesímetro digital,. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias Os dados estão representados pelo limiar nociceptivo de retirada da pata em porcentagem. ANOVA Teste de Tukey (p < 0,05). * Indica diferença em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento

21 Avaliação da Marcha- Rotarod test Resultados finais-pesquisa de dextrocetamina em modelo de OA Universidade Federal do Maranhão-Grupo de Pesquisa em Dor-2011

22 Deambulação Forçada (Rotarod test) 7 Sem Osteoartrite Score da Marcha 6 * * * * Salina Cetamina * Dias Figura 1- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina( máximo de 50µl de solução, IA), administrados no 7º dia após a indução de OA por uma única injeção de MIA, (2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos (n=6), na deambulação forçada utilizando um rotarod. Os dados estão representados pelo score da marcha. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias. Kruska-Wallis (p < 0,05). * Indica diferença significante em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento.

23 Alodinia mecânica- Von Frey Resultados finais-pesquisa de dextrocetamina em modelo de OA Universidade Federal do Maranhão-Grupo de Pesquisa em Dor-2011

24 Limiar nociceptivo de Retirada da Pata (%) Alodínia Mecanica (Von frey test) * * * * * * * * * * * * * * * Sem Osteoarttrite Salina Cetamina Dias Figura 3- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina( máximo de 50µl de solução, IA) administrados no 7º dia após a indução de OA induzida por uma única injeção intra-articular de MIA ( 2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos(n=6), na alodínia mecânica utilizando um analgesímetro digital. Os dados estão representados pelo limiar nociceptivo de retirada da pata em porcentagem. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias ANOVA Teste de Tukey (p < 0,05). * Indica diferença em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento

25 Figura 4- Efeito da administração de Cetamina S(+) (0,5mg/kg em no máximo 50µl de solução, IA) e Salina (máximo de 50µl de solução, IA) administrados no 7º dia após a indução do osteoartrite induzida por uma única injeção de MIA ( 2 mg em 50µl de solução, IA) no joelho direito de ratos (n=6), em parâmetros inflamatórios da membrana sinovial,. Os símbolos e linhas verticais indicam a média ± erro padrão das médias Os dados estão representados pelo score do grau de inflamação histopatológico. Kruska-Wallis (p < 0,05). * Indica diferença significante em relação ao grupo Salina. A Linha vertical tracejada indica o momento do tratamento. Lembrando que nos dias 21 e 28 não houve diferença significante entre o grupo Cetamina e o grupo sem osteoartrite.

26 Via Oral Metabolismo de primeira passagem extenso (desmetilação CP450) Pequena concentração plasmática Aumento da [ ] de norcetamina

27 Via Oral Dose média efetiva na literatura : 200mg mg/dia Sugestão: 0,5 mg/kg/dose

28 Via Oral Estudos em Dor central pós-avc Paciente resistente a opióide Dor neuropática em esclerose múltipla Paciente com dor oncológica, etc. A maioria relata casos, estudos com baixo n Pain, 2001 J Pain, 2001 J Pain Sympt Mange, 2002 Cl J Pain, 2004

29 Via ORAL Estudo Nacional 30 pacientes Morfina 10mg VO 6/6h + Cetamina (S+) 10mg 8/8h Morfina 10mg VO 6/6h + placebo Dor oncológica Sem diferença intensidade dor, alívio da dor e aumento da dose de morfina Críticas RBA, 2007(57):19-31

30 Via Oral

31 Via ORAL Novos estudos pela via oral Foco em dor neuropática pós-hanseníase Dose por Kg/peso Em andamento...

32 Via Espinal Menos estudada Maioria dos relatos em pacientes terminais - dor crônica oncológica Toxicidade estabelecida da racêmica (conservante) S (+): sem conservante; toxicidade intrínseca? Pain, 2005 Anestesiology, 2006

33 Espinal Toxicidade Espinhal: S(+) ketamina Vranken JH et al Anesthesiology, oct 2006

34

35 Transdérmica Reg Anesth Pain Med, 2002

36 Transdérmica Pain Med, 2000

37 Transdérmica Novo estudo nacional, multicêntrico, em dor neuropática diabética Iniciado...

38 Intrarticular Pós-operatório-resultados promissores Estudo nacional em pacientes com osteoartrite de joelhosiniciado... Can J Anasesth, 2005 Arthroscopy, 2004 Anaesthesist, 2007

39 Vocação do Brasil em estudar dextrocetamina...

40 Ilha do Amor - (São Luís-MA)

AVALIAÇÃO DO PAPEL DOS MASTÓCITOS NA RESPOSTA NOCICEPTIVA E EDEMATOGÊNICA EM MODELO DE GOTA INDUZIDA EM RATOS

AVALIAÇÃO DO PAPEL DOS MASTÓCITOS NA RESPOSTA NOCICEPTIVA E EDEMATOGÊNICA EM MODELO DE GOTA INDUZIDA EM RATOS AVALIAÇÃO DO PAPEL DOS MASTÓCITOS NA RESPOSTA NOCICEPTIVA E EDEMATOGÊNICA EM MODELO DE GOTA INDUZIDA EM RATOS SAUZEM, Patrícia Dutra 1 ; HOFFMEISTER, Carin Gorete Hendges 2, SILVA, Carine Viana 3, SCHMITT,

Leia mais

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP

DOR E CEFALEIA. Profa. Dra. Fabíola Dach. Divisão de Neurologia FMRP-USP DOR E CEFALEIA Profa. Dra. Fabíola Dach Divisão de Neurologia FMRP-USP Dor Experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos. Cada indivíduo

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA PROCEDIMENTOS OPERATÓRIOS Profa. Dra. Mariana Braga Isabela Floriano CASCATA DA DOR E INFLAMAÇÃO AINES E o ANTIBIÓTICO?? Prostaglandinas Prostaciclinas Tromboxanas

Leia mais

Papel das Sinapses no processamento de informações

Papel das Sinapses no processamento de informações Papel das Sinapses no processamento de informações Impulsos Nervosos Pequenas correntes elétricas passando ao longo dos neurônios Resultam do movimento de íons (partículas carregadas eletricamente) para

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso 1B

Fisiologia do Sistema Nervoso 1B Fisiologia do Sistema Nervoso 1B Células da Glia Neuroglia Células da Glia / Neuroglia Diversos tipos celulares: 1. Oligodendrócitos 2. Células de Schwann 3. Astrócitos 4. Células ependimárias 5. Microglia

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior

O PÂNCREAS ENDÓCRINO. Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior O PÂNCREAS ENDÓCRINO Laboratório de Endocrinologia e Metabolismo Profa. Dra. Ísis do Carmo Kettelhut Maria Ida Bonini Ravanelli Walter Dias Júnior IITRODUÇÃO O diabetes mellitus (DM) é uma desordem metabólica

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso Desporto e BemEstar 3º Semestre 008/09 Capítulo II Bases da Bioenergética Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Leiria 7 Out 08 ATP-CP e energia O sistema ATP-CP

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

EXCITABILIDADE I POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO

EXCITABILIDADE I POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO EXCITABILIDADE I 1 - Introdução 1.1 Objetivo da aula: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelos potenciais elétricos através das membranas celulares 1.2 Roteiro da aula: 1.2.1- Estudar o potencial

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos Sumário Farmacodinamia. Conceito de receptor. Afinidade e eficácia; constantes de afinidade. Tipos e subtipos de receptores. Mecanismos transductores / efectores; família da proteína G, receptores ligados

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Peso dos filhotes PN 2 PN 8 PN 14 PN 20 PN 2 PN 8 PN 14 PN 20

Peso dos filhotes PN 2 PN 8 PN 14 PN 20 PN 2 PN 8 PN 14 PN 20 Peso dos filhotes 4 3 1 1 2 1 Peso (g) PN 2 PN 8 PN 14 PN 2 4 3 2 1 PN 2 PN 8 PN 14 PN 2 Figura 1. Peso, em gramas, dos filhotes fêmeas () e machos () tratados com,;,; 1, ou 1, mg/kg de dantrolene por

Leia mais

Data: 18/05/2014. NT 92/2014 Solicitante: Dra. Silmara Silva Barcelos, Juiza de Direito, Para de Minas. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 18/05/2014. NT 92/2014 Solicitante: Dra. Silmara Silva Barcelos, Juiza de Direito, Para de Minas. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NT 92/2014 Solicitante: Dra. Silmara Silva Barcelos, Juiza de Direito, Para de Minas Data: 18/05/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0471.14.000112-7 TEMA: Suprahyal no

Leia mais

Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda

Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda CAPÍTULO 124 Analgesia Multimodal no Tratamento da Dor Aguda Beatriz do Céu Nunes* Todo tipo de dor tem início de forma aguda, envolvendo o sistema nervoso periférico, central e componente psicológico,

Leia mais

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Sinalização celular Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Etapas da Sinalização 1) Síntese e liberação da molécula sinalizadora pela célula sinalizadora

Leia mais

Analgesia no Pós-Parto

Analgesia no Pós-Parto Analgesia no Pós-Parto Patrícia Medeiros de Souza 1 Kristiana Murad 2 Ana Tereza Silva Gonçalves 3 Neiza Freire Veleda 3 Rodolfo Corrêa 3 Ana Carolina de Oliveira 4 Silândia Amaral da Silva Freitas 5 Associação

Leia mais

Registrador Eletrônico de Ponto

Registrador Eletrônico de Ponto Registrador Eletrônico de Ponto Desejabilidade Cliente: COMFOR - Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Professores do Magistério da Educação Básica da UFC. Instituído por meio

Leia mais

Morosil (Bionap/Itália)

Morosil (Bionap/Itália) Morosil (Bionap/Itália) Morosil (Bionap/Itália) A alternativa natural do mediterrâneo no gerenciamento do peso Nome Científico: Citrus sinensis (L.) Osbeck A dieta mediterrânea é extremamente conhecida

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a causa mais comum de dor musculoesquelética generalizada. É a enfermidade reumática mais frequente Os primeiros relatos datam de 1850, onde os pacientes

Leia mais

BIOELETROGÊNESE. Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana. - Neurônios. esqueléticas lisas cardíacas

BIOELETROGÊNESE. Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana. - Neurônios. esqueléticas lisas cardíacas BIOELETROGÊNESE Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana - Neurônios - células musculares esqueléticas lisas cardíacas Membrana citoplasmática Os neurônios geram

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 389/2013

RESPOSTA RÁPIDA 389/2013 RESPOSTA RÁPIDA 389/2013 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0335.13.2291.6 DATA 01/12/2013 Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de Itapecerica - MG SOLICITAÇÃO A Senhora Maria do Rosário

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina É uma região anatômica que estabelece a contigüidade entre ossos ou cartilagens, permitindo que o movimento seja direcionado neste sentido. Cápsula sinovial

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data: Assinatura:... ATENÇÃO: Responda todas as questões obrigatórias e 1 questão à sua escolha dos demais blocos (C à F). Para completar

Leia mais

TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA.

TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA. TERAPIA VIBRO-OSCILATÓRIA www.ibramed.com.br/modellata Terapia vibro-oscilatória. Custo acessível. Máxima transferência de vibração para o paciente (motor no equipamento e não no aplicador). Aplicador

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 15 - dezembro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório

Leia mais

Gerência Geral de Toxicologia

Gerência Geral de Toxicologia Gerência Geral de Toxicologia Exposição crônica aos agrotóxicos AVALIAÇÃO DO RISCO DIETÉTICO TICO Conceitos Importantes Conceito 1 Ingestão Diária Aceitável (IDA) - quantidade máxima de substância que,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Membrana Plasmática. Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Membrana Plasmática Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com Membrana Plasmática (MP) A MP mantem constante o meio

Leia mais

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato Redução de peso, colesterol e glicemia. Reduz medidas pela queima de gordura ao mesmo tempo em que controla a dislipidemia, reduzindo o colesterol LDL e triglicérides

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

Ontogenia do Linfócito T

Ontogenia do Linfócito T Ontogenia do Linfócito T Processamento e Apresentação de Antígenos para Reconhecimento por TCR Diferente da imunoglobulina, o receptor do linfócito T reconhece antígeno protéico somente quando associado

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO CANAIS IÔNICOS E BOMBAS CONDUÇÃO DE IMPULSOS NERVOSOS (SINÁPSES QUÍMICAS E ELÉTRICAS) SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

Leia mais

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Papel da angiogênese no tratamento da isquemia crítica.

Leia mais

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 ANVISA Site Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/r DC_98_2016.pdf/32ea4e54-c0ab-459d-903d- 8f8a88192412 Apresentação: Andressa Daron Giordani Conceito

Leia mais

ria: Por Que Tratar? Can Dr. Daniel Volquind TSA/SBA

ria: Por Que Tratar? Can Dr. Daniel Volquind TSA/SBA Dor Pós P - Operatória: ria: Por Que Tratar? Dr. Daniel Volquind TSA/SBA Anestesiologista da CAN Clínica de Anestesiologia Ltda Vice-Presidente da Sociedade de Anestesiologia do RS SARGS Anestesiologista

Leia mais

Trata-se de uma variação do diagrama de estado com um propósito um pouco diferente do diagrama de estado:

Trata-se de uma variação do diagrama de estado com um propósito um pouco diferente do diagrama de estado: Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Atividade 6 Diagrama de Atividade 6.1 Definição

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes

Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos. Prof. Dr. Matheus M. Gomes Treinamento: Controle Postural e Locomoção em Idosos Prof. Dr. Matheus M. Gomes 1 Queda Principal causa de morte acidental de idosos 2/3 Deandrea et al. 2010 5 Quedas 30% idosos caem pelo menos uma

Leia mais

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda FISIOLOGIA DA DOR EXPERIÊNCIA SENSORIAL E EMOCIONAL DESAGRADÁVEL ASSOCIADA COM UM DANO TISSULAR REAL OU POTENCIAL Merskey, 1990 Resumo

Leia mais

Anatomia do joelho. Introdução

Anatomia do joelho. Introdução Introdução Didaticamente o joelho é dividido em duas articulações distintas: uma entre o fêmur e a tíbia chamada de fêmoro-tibial (AFT) e outra entre o F6emur e a patela denominada fêmoro-patelar. É a

Leia mais

DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO

DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO DERIVAÇÃO DE CRITÉRIOS DE QUALIDADE DE ÁGUA POR USOS INDIVIDUALIZADOS CONSUMO HUMANO IRRIGAÇÃO DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS RECREAÇÃO Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro Quais compostos devemos derivar critérios

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA SISTEMA MUSCULAR Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Histologia do M.Esquelético É formado por células

Leia mais

CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O

CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O Classificação: Antiemético Fórmula Estrutural da ondansetrona: O N N N H 3 C CH 3 Fórmula Molecular: C 18 H 19 N 3 O.HCl.2H 2 O Peso Molecular: 365.85 g/ mol DCB: 09418

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases)

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Sinalização celular Importância dos processos de sinalização Seres unicelulares Seres multicelulares Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Receptores Proteínas -

Leia mais

Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis

Farmacologia. Vias de Administração e Formas Farmacêuticas. Vias de Administração. Enteral (oral) tubo digestivo. Parenteral - Injetaveis Farmacologia e Enteral (oral) tubo digestivo Parenteral - Injetaveis Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Oral V (vantagens) - mais conveniente, econômica e segura D (desvantagens)

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

NEUROPATIA DIABÉTICA

NEUROPATIA DIABÉTICA NEUROPATIA DIABÉTICA FATORES DE RISCO Hiperglicemia crônica Idade Duração da doença Obesidade HAS Tabagismo Etilismo Dislipidemia DCV Albuminúria Retinopatia Diabética CAUSAS Ocorrem vários processos cujo

Leia mais

Comitê de Desenvolvimento

Comitê de Desenvolvimento ENTENDA A DOR AGUDA Comitê de Desenvolvimento Mario H. Cardiel, MD, MSc Reumatologista Morelia, México Andrei Danilov, MD, DSc Neurologista Moscou, Rússia Smail Daoudi, MD Neurologista Tizi Ouzou, Algéria

Leia mais

Indicado no alívio da inflamação e dor nas patologias músculo-esqueléticas agudas e crónicas. Indicado no alívio da dor associada à cólica equina.

Indicado no alívio da inflamação e dor nas patologias músculo-esqueléticas agudas e crónicas. Indicado no alívio da dor associada à cólica equina. 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Inflacam 20 mg/ml solução injectável para bovinos, suínos e equinos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml contém: Substância activa: Meloxicam 20 mg Excipiente:

Leia mais

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade Silvana Kitadai Nakayama Merck Repelentes de Insetos IR3535 DEET Óleo de Citronela Óleo de Neem Óleo de Andiroba e outros óleos naturais

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nuflor Minidose 450 mg/ml solução injetável para bovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais:

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais: Farmacologia Farmacologia Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos efeitos dos fármacos Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle É dividida em duas áreas principais: Farmacocinética Farmacodinâmica 1 Farmacocinética

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FISIOLOGIA HUMANA Período 2º PROFESSOR (a) Alexandre Batista

Leia mais

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR

SERVIÇO DE DOR E CUIDADOS PALIATIVOS PROVA DE SELEÇÃO 2016 RESIDÊNCIA MÉDICA EM DOR 1) De acordo com a International Association for the Study of Pain (IASP), dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. A dor pode ser classificada

Leia mais

CYFENOL. Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. Solução oral 200mg/mL

CYFENOL. Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. Solução oral 200mg/mL CYFENOL Cifarma Científica Farmacêutica Ltda. 200mg/mL CYFENOL paracetamol DCB: 06827 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: CYFENOL Nome genérico: paracetamol (DCB: 06827) APRESENTAÇÃO 200mg/mL

Leia mais

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação da Criança Calendário Nacional de Vacinação da Criança (PNI) - 2016 (1) BCG - ID Administrar dose única, o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 040, de 18 de março de 2004.

Leia mais

PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1

PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1 PERFIL HEMATOLÓGICO E GLICÊMICO EM RATAS OVARIECTOMIZADAS E SUBMETIDAS À TERAPIA DE CHOQUE TÉRMICO 1 Jaíne Borges Dos Santos 2, Yana Picinin Sandri Lissarassa 3, Analú Bender Dos Santos 4, Carolain Felipin

Leia mais

LIGAÇÕES TRADICIONAIS EM ESTRUTURA DE MADEIRA

LIGAÇÕES TRADICIONAIS EM ESTRUTURA DE MADEIRA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LIGAÇÕES TRADICIONAIS EM ESTRUTURA DE MADEIRA Avaliação experimental do seu comportamento mecânico Pedro Manuel Coutinho Palma Júri Divisão

Leia mais

Instituto Superior Ciências da Saúde- Norte. Diana Duarte de Sousa. Ano lectivo 2006/2007. Licenciatura em Bioquímica, 2º Ano

Instituto Superior Ciências da Saúde- Norte. Diana Duarte de Sousa. Ano lectivo 2006/2007. Licenciatura em Bioquímica, 2º Ano Projecto Tutorial Análise de um artigo científico relacionado com YFP Instituto Superior Ciências da Saúde- Norte Ano lectivo 2006/2007 Diana Duarte de Sousa Licenciatura em Bioquímica, 2º Ano Expressão

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA HIPERALGESIA EXPERIMENTALMENTE INDUZIDA PELO NÚCLEO PULPOSO

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA HIPERALGESIA EXPERIMENTALMENTE INDUZIDA PELO NÚCLEO PULPOSO TRTMENTO FRMOLÓGIO D HIPERLGESI EXPERIMENTLMENTE INDUZID PELO NÚLEO PULPOSO PHRMOLOGI TRETMENT OF HYPERLGESI EXPERIMENTLLY INDUED Y NULEUS PULPOSUS ndré Luiz de Souza Grava 1, Luiz Fernando Ferrari 2,

Leia mais

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Ossos B. Articulações 2 B. Articulações Artrites 3 Osteoartrite Doença articular degenerativa mais comum Degeneração cartilagem

Leia mais

TYLEMAX Paracetamol USO PEDIÁTRICO USO ORAL

TYLEMAX Paracetamol USO PEDIÁTRICO USO ORAL TYLEMAX Paracetamol APRESENTAÇÕES TYLEMAX Baby - Linha Farma: Suspensão oral em frasco plástico com 15 ml contendo 100 mg/ml de paracetamol (sabor frutas). Acompanha uma seringa dosadora. TYLEMAX Criança

Leia mais

Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios?

Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios? 47a Jornada Sul Brasileira de Anestesia 22a JARGS Canela 29 de abril de 2012 Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios? Gustavo Ayala de Sá TSA - Co-responsável pelo CET SAMPE-HCPA Demência

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Apresentação MELHORES DA AMAZÔNIA Evento Anual de Reconhecimento

Apresentação MELHORES DA AMAZÔNIA Evento Anual de Reconhecimento Apresentação MELHORES DA AMAZÔNIA Evento Anual de Reconhecimento PERFIL INSTITUCIONAL 74 anos de experiência em Amazônia. Principal agente financeiro de Desenvolvimento Regional na Amazônia. 96,92% do

Leia mais

Unidade Remota CANopen RUW-06. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: / 00

Unidade Remota CANopen RUW-06. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: / 00 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Unidade Remota CANopen RUW-06 Guia de Instalação, Configuração e Operação Idioma: Português Documento: 10002133182 / 00 ÍNDICE 1 INSTRUÇÕES

Leia mais

Novase velhastendênciasda suplementação esportiva

Novase velhastendênciasda suplementação esportiva Novase velhastendênciasda suplementação esportiva Prof. Dr. Guilherme Artioli (artioli@usp.br) Àvendano mercado há maisde 30 anos 1 Por que L-Carnitina seria ergogênica? - estudos in vitro mostram que

Leia mais

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: )

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: ) Anestesia Geral INTRODUÇÃO - Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1:200.000) EQUI OS - Isso não mudoumuito nos últimos 30 anos,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA Possibilitar a compreensão das respostas imunológicas do organismo humano.

PLANO DE ENSINO. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA Possibilitar a compreensão das respostas imunológicas do organismo humano. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professora: Thaiz Malakoski thaizmalakoski@yahoo.com.br Período/ Fase: 2ª Semestre: 2º Ano:

Leia mais

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS

MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Pontifícia Universidade Católica de Goiás MOBILIZAÇÕES DAS ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS Professor Esp. Kemil Sousa DEFINIÇÃO Técnicas de terapia manual usadas para modular a dor e tratar as disfunções articulares

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1 Bioenergética Trabalho Biológico Contração muscular * Digestão e Absorção Função glandular Manter gradientes de concentração Síntese de novos compostos Profa. Raquel Simões M. Netto 4 Exercício para saúde

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

A morfina é um opióide natural derivado do fenantreno. A morfina é a droga utilizada como medida central para comparação entre opióides.

A morfina é um opióide natural derivado do fenantreno. A morfina é a droga utilizada como medida central para comparação entre opióides. TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS OPI IDES (PARTE 2) Dr. Mahesh Trivedi, Dr. Shafee Shaikh, Dr. Carl Gwinnutt Departamento de Anestesia, Hospital Hope, Salford, UK Tradução autorizada do

Leia mais

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa

Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças. PhD. Daniele Gabriel Costa Interferência nos testes de potência aeróbia pelo uso de fármacos: Efeito em indivíduos saudáveis e portadores de doenças PhD. Daniele Gabriel Costa Correlação entre aptidão cardiorrespiratória e mortalidade

Leia mais

Analgésicos Centrais 25/04/2015. Conceito. Dor. Experiência subjetiva, difícil de definir exatamente

Analgésicos Centrais 25/04/2015. Conceito. Dor. Experiência subjetiva, difícil de definir exatamente Analgésicos Centrais Prof. Dr. Roosevelt Albuquerque Gomes roosevelt.ag@gmail.com Conceito Analgésicos são depressores seletivos do SNC empregados para aliviar a dor sem causar a perda de consciência.

Leia mais

O goji berry é o fruto da planta Lycium barbarum, originária das montanhas do Tibet. Ele

O goji berry é o fruto da planta Lycium barbarum, originária das montanhas do Tibet. Ele Goji berry ajuda a emagrecer e melhora o sistema imunológico O fruto ainda diminui as celulites, tem ação anticancerígena e previne doenças cardiovasculares Matéria publicada em 30 de Setembro de 2014

Leia mais

Dor Crónica Pós Cirúrgica

Dor Crónica Pós Cirúrgica Dor Crónica Pós Cirúrgica U N I D A D E D E D O R D E P A R T A M E N T O D E A N E S T E S I O L O G I A S E S S Ã O C L Í N I C A D O H O S P I T A L P R O F E S S O R D O U T O R F E R N A N D O D A

Leia mais

Ropi. cloridrato de ropivacaína. Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

Ropi. cloridrato de ropivacaína. Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Ropi cloridrato de ropivacaína Solução injetável 2mg/mL 7,5mg/mL 10mg/mL Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Ropi cloridrato de

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo. Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto Teoria do Treinamento Desportivo Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Princípios do Treinamento - Métodos de Treinamento

Leia mais

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz:

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS Conceitos Básicos Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: - perda da consciência (narcose), - supressão da percepção dolorosa (analgesia)

Leia mais

CITOCINAS. Aarestrup, F.M.

CITOCINAS. Aarestrup, F.M. CITOCINAS Propriedades gerais Proteínas de baixo peso molecular Comunicação Cel-Cel Mensageiros do sistema imune Receptores de membrana Signal transduction Célula Alvo Expressão de genes Gene Citocina

Leia mais