Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Óxido Nitroso UM ANESTÉSICO SINGULAR NA MEDICINA MODERNA.

2 O Óxido Nitroso (N 2 O) possui um longo histórico na Medicina. A sua primeira aplicação como agente anestésico representou um importante avanço na prática médica. O continua a ser amplamente utilizado em todo o mundo como agente anestésico adjuvante na anestesia geral, bem como analgésico em todas as situações que demandam ação imediata e rápido alívio da dor, como em Odontologia, Traumatologia e Obstetrícia. 1-3 DUPLO MECANISMO DE AÇÃO. Os efeitos analgésicos do N 2 O são mediados separadamente de seus efeitos anestésicos. 2 Além disso, o mecanismo de ação anestésica do N 2 O difere da maioria dos agentes anestésicos convencionais voláteis e intravenosos*. Ele envolve a inibição não-competitiva dos receptores de NMDA (N-metil-D-aspartato), enquanto que os outros agentes são predominantemente agonistas do receptor GABA (ácido gama-aminobutírico). 4,5 Os efeitos analgésicos do óxido nitroso envolvem a ativação do sistema neuronal opioidérgico. 6 * exceto ketamina e xenônio, por serem considerados anestésicos não-convencionais A ativação dos receptores de NMDA está relacionada ao desenvolvimento de hiperalgesia opioideinduzida e de dor crônica pós-operatória. Inibidores de NMDA (como o N 2 O) podem reverter tais efeitos. 7 2

3 UM ANESTÉSICO INALATÓRIO SINGULAR COM PROPRIEDADES ANALGÉSICAS. Ao contrário de outros agentes anestésicos, o N 2 O isoladamente apresenta uma característica notável, uma vez que produz analgesia em concentrações sub-anestésicas (Figura 1). 8,9 Níveis Comunicação Verbal Sedação Analgesia Amnésia % Óxido Nitroso Figura 1. Efeitos anestésicos do N 2 O. 11 Níveis de efeitos anestésicos 10,11 Nível I: alguma analgesia, com pacientes mantendo perfeita comunicação verbal Nível II: pacientes psicologicamente mais distantes e com sedação leve Nível III: pacientes visivelmente inebriados, mas frequentemente com algum contato verbal Nível IV: normalmente produz anestesia geral leve 3

4 O efeito analgésico está relacionado à dosagem. 10 Em termos de potência analgésica, 30% de N 2 O equivale a mg de morfina. 11 Os 4 níveis de efeitos anestésicos podem ser alcançados rapidamente. 1 O também potencializa o efeito de outros agentes utilizados na anestesia geral. 2 Estudos demonstraram que o uso concomitante de N 2 O com outros anestésicos inalatórios resulta em efeito aditivo 12, reduzindo a MAC* destes anestésicos de maneira dose-dependente * concentração alveolar mínima. 4

5 UM LONGO HISTÓRICO DE SEGURANÇA. O tem sido utilizado na prática clínica por mais de 160 anos. Ao longo deste tempo, uma extensa bibliografia com dados de segurança foi estabelecida e milhões de pacientes no mundo todo já foram beneficiados com o uso deste agente. 1 O isolado causa menor depressão cardiovascular e respiratória do que qualquer outro anestésico inalatório. 9 Como um agente único, o N 2 O pode ser associado à menor incidência de hipotensão intraoperatória do que outros anestésicos inalatórios. 9 O administrado isoladamente não está associado ao desenvolvimento de nefrotoxicidade. 3 SEGURANÇA D O NA ANESTESIA GERAL. Resultados do estudo ENIGMA II recentemente confirmaram a segurança do N 2 O do ponto de vista cardiovascular. 16 Óbito e complicações cardiovasculares* nos 30 dias subsequentes à cirurgia ocorreram na mesma proporção de pacientes (8%), independentemente de terem recebido N 2 O ou não. Em 2012, uma revisão sistemática demonstrou que, dos 5 fatores de risco relacionados à anestesia, o N 2 O foi precedido pelo uso de anestésicos voláteis, tempo de duração da anestesia, e uso de opioides no pós-operatório como preditor independente de náusea e vômito pós-operatório (4º lugar). 17 *infarto do miocárdio não-fatal, acidente vascular cerebral, embolia pulmonar ou parada cardíaca. 5

6 BENEFÍCIOS PARA A ANESTESIA CONTEMPORÂNEA. Aumento da velocidade de indução da anestesia geral. (efeito de segundo gás ) A concentração de N 2 O acelera a absorção de outros anestésicos inalatórios administrados concomitantemente. 2,18 Rápida indução e recuperação da anestesia. (propriedades farmacocinéticas liga/desliga ) A baixa solubilidade do N 2 O no sangue favorece a rápida indução da anestesia e igualmente a rápida recuperação após o término da administração. 3 Como agente isolado, o N 2 O apresenta uma das mais rápidas induções dentre todos os agentes inalatórios. 9 Isto é particularmente valioso em procedimentos de curta duração que necessitam de um rápido pico de ação anestésica (cateterismo intravenoso, injeções, biópsias, reposicionamento de fratura, cateterização urinária, remoção de corpos estranhos). 19 Um agente de fácil administração. Quase todos os ventiladores atualmente disponíveis em centros cirúrgicos destinados a procedimentos de anestesia geral possuem conexão para N 2 O e são calibrados para monitorar a fração de N 2 O inspirada. O possui efeito dose-dependente. Muitas evidências relacionadas à conveniência de seu uso provêm da Obstetrícia, onde, como analgésico, sua administração pode ser interrompida de forma simples e rápida, tal como foi iniciada: auto-administração do N 2 O pelas parturientes segurando a máscara (ou bucal) sem necessidade de auxílio. 20 O pode ser administrado a uma concentração de até 70% em anestesia geral. 10,11 6

7 ÓXIDO NITROSO Duplo mecanismo de ação Anestésico inalatório singular com propriedades analgésicas Potencializa a atividade de outros anestésicos Rápida indução e eliminação Longo histórico de segurança Fácil administração REFERÊNCIAS 1. O Sullivan I, Benger J. Emerg Med J 2003;20(3): Emmanouil DE, Quock RM. Anesth Prog 2007;54(1): Summary of Product Characteristics. 4. Jevtović-Todorović V et al. Nat Med 1998;4(4): de Vasconcellos K, Sneyd JR. Br J Anaesth 2013;111(6): Fujinaga M, Maze M. Mol Neurobiol 2002;25(2): Ossipov MH et al. Life Sci 2003;73(6): Tomi K et al. Br J Anaesth 1993;70(6): Becker DE, Rosenberg M. Anesth Prog 2008;55(4): Parbrook GD. Br J Anaesth 1967;39(12): Jastak JT, Donaldson D. Anesth Prog 1991;38(4-5): Hornbein TF et al. Anesth Analg 1982;61(7): Saidman LJ, Eger EI 2nd. Anesthesiology 1964;25: Davidson JA et al. Acta Anaesthesiol Scand 1993;37(5): Albertin A et al. Eur J Anaesthesiol 2005;22(6): Myles PS et al. Lancet 2014;384(9952): Apfel CC et al. Br J Anaesth 2012;109(5): Epstein RM et al. Anesthesiology 1964;25: Blom P et al. J Anesthe Clinic Res 2011;2:126. doi: / Position Statement, Nitrous Oxide for Labor Analgesia, American College of Nurse-Midwives, acnmlibrarydata/uploadfilename/ /nitrous_oxide_12_09.pdf (Accessed on 25 Feb. 2015) 7

8 Contato Av. das Nações Unidas, º andar - São Paulo / SP (11) Relação completa das unidades: REF Agosto A Air Liquide reserva o direito de mudar informações contidas neste documento, sem prévia notificação. Fotos meramente ilustrativas. Air Liquide Healthcare é líder mundial em gases medicinais, atendimento domiciliar, produtos para higiene e ingredientes especiais para a saúde. Nosso objetivo é oferecer aos clientes a continuação dos cuidados do hospital ao lar com produtos médicos, ingredientes especiais e serviços que contribuam para a proteção de vidas vulneráveis. Junte-se a nós!

Uma nova visão do tempo

Uma nova visão do tempo Uma nova visão do tempo EXCLUSIVO INO 2 VADORAS www.airliquide.com.br 88888888888888 88888888888888 UM CILINDRO OTIMIZADO TAKEO permanece extremamente seguro e confiável durante toda a sua vida útil. ABRA

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA - ME 1 (2/8/2016) PONTO 10 - Fisiologia do Sistema Respiratório I 10.1. Funções respiratórias e não

Leia mais

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança

Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Jornada Paulista de Anestesia Pediátrica 2006 Profa Dra Norma Sueli Pinheiro Módolo UNESP Faculdade de Medicina de Botucatu Depto. de Anestesiologia Anestesia para cirurgia ambulatorial na criança Anestesia

Leia mais

Medicação Pré-anestésica Medicação Pré-anestésica (MPA) Medicação Pré-anestésica Considerações Importantes

Medicação Pré-anestésica Medicação Pré-anestésica (MPA) Medicação Pré-anestésica Considerações Importantes ! (MPA)! Introdução! Auxiliar a contenção do paciente, modificando seu comportamento! Reduzir o estresse! Promover analgesia e miorrelaxamento! Potencializar fármacos indutores anestésicos! Minimizar os

Leia mais

Anestesia Venosa Total em Obesidade Mórbida

Anestesia Venosa Total em Obesidade Mórbida Anestesia Venosa Total em Obesidade Mórbida Autoria: Sociedade Brasileira de Anestesiologia Elaboração Final: 27 de janeiro de 2009 Participantes: Albuquerque MAC, Auler Júnior JOC, Bagatini A, Sales PCA,

Leia mais

Complicações dos Procedimentos Videolaparoscópicos. Profa. Dra. Eliana Marisa Ganem

Complicações dos Procedimentos Videolaparoscópicos. Profa. Dra. Eliana Marisa Ganem Complicações dos Procedimentos Videolaparoscópicos Profa. Dra. Eliana Marisa Ganem rotura peritoneal Complicações herniação avulsão de adesões Inserção do trocater sangramento dos vasos da parede trauma

Leia mais

MANEJO DA DOR NA ANESTESIA MODERNA.

MANEJO DA DOR NA ANESTESIA MODERNA. MANEJO DA DOR NA ANESTESIA MODERNA. www.airliquide.com.br DOR - UM FENÔMENO DINÂMICO E COMPLEXO. O processo da dor abrange dezenas de diferentes neurotransmissores e substratos químicos. 1 De modo geral,

Leia mais

Dextrocetamina na dor. crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA -

Dextrocetamina na dor. crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA - Dextrocetamina na dor crônica e perspectivas. Prof. Dr. João Batista Garcia (MA) - UFMA - 1963 2012 Novos mecanismos Microglia dor neuropática Receptor TOLL (TLR3) ativa microglia e o desenvolvimento

Leia mais

Sete anestésicos inalatórios atualmente utilizados: óxido nitroso, halotano, metoxiflurano, enflurano, isoflurano, desflurano e sevoflurano.

Sete anestésicos inalatórios atualmente utilizados: óxido nitroso, halotano, metoxiflurano, enflurano, isoflurano, desflurano e sevoflurano. Óxido nitroso, clorofórmio e éter: primeiros anestésicos utilizados em anestesia geral; Sete anestésicos inalatórios atualmente utilizados: óxido nitroso, halotano, metoxiflurano, enflurano, isoflurano,

Leia mais

ria: Por Que Tratar? Can Dr. Daniel Volquind TSA/SBA

ria: Por Que Tratar? Can Dr. Daniel Volquind TSA/SBA Dor Pós P - Operatória: ria: Por Que Tratar? Dr. Daniel Volquind TSA/SBA Anestesiologista da CAN Clínica de Anestesiologia Ltda Vice-Presidente da Sociedade de Anestesiologia do RS SARGS Anestesiologista

Leia mais

Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana

Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana Trauma craniano 1ª causa de morte no trauma intervenções de ressuscitação básicas: oxigenação / manutenção da pressão de

Leia mais

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS 20 CAPÍTULO 5 Hugo Caire de Castro Faria Neto & Belmira Ferreira dos Santos FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS CONSIDERAÇÕES GERAIS: Nestas últimas décadas, a anestesia

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta?

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Profa Dra Eliana Marisa Ganem CET/SBA do Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP BNP - 50.233 lesão neurológica - 12

Leia mais

Protocolo consciência durante anestesia

Protocolo consciência durante anestesia Protocolo consciência durante anestesia Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de consciência durante anestesia geral Definições Consciência: estado em que o paciente

Leia mais

FARMACOLOGIA Aula 3. Prof. Marcus Vinícius

FARMACOLOGIA Aula 3. Prof. Marcus Vinícius FARMACOLOGIA Aula 3 Prof. Marcus Vinícius ANESTÉSICOS CLASSIFICAÇÃO: GERAL LOCAL Anestesia Geral Definições ANESTESIA Depressão do SNC resultando em perda da percepção e resposta aos estímulos ambientais

Leia mais

Protocolo para o tratamento da dor aguda

Protocolo para o tratamento da dor aguda Protocolo para o tratamento da dor aguda Hospital 9 de Julho Interact Diretrizes de sedação e analgesia Código: DIRET-ANEST-0001 Tratamento da dor aguda Valberto de Oliveira Cavalcante Anestesiologista

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NÁUSEAS E VÓMITOS NO PÓS-OPERATÓRIO EM PEDIATRIA

INCIDÊNCIA DE NÁUSEAS E VÓMITOS NO PÓS-OPERATÓRIO EM PEDIATRIA V Encontro de Anestesia Pediátrica 16 de Junho de 2012 INCIDÊNCIA DE NÁUSEAS E VÓMITOS NO PÓS-OPERATÓRIO EM PEDIATRIA Celina Oliveira 2, Artur Vieira 2, Luísa Guedes 1, Susana Vargas 1, Fernanda Barros

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário de Evidências e Recomendações para o uso do Bispectral Index (BIS) em procedimentos sob anestesia geral Agosto,

Leia mais

PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO:

PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO: PLANO DE CURSO 8 PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: ANESTESIOLOGIA CARGA HORÁRIA: 72 horas PROFESSOR TITULAR: MIGUEL DE LEMOS NETO PROFESSORES: ANDERSON TEIXEIRA EMENTA O ensino da disciplina

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO.

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Ultiva cloridrato de remifentanila APRESENTAÇÕES Pó liófilo a ser reconstituído antes do uso, para injeção intravenosa,

Leia mais

Estágios clássicos (ex.: éter dietílico, barbitúricos) Sequência da anestesia geral INDUÇÃO

Estágios clássicos (ex.: éter dietílico, barbitúricos) Sequência da anestesia geral INDUÇÃO Medicina M2 BM224 Sumário Anestesia geral: objetivos e propriedades ideais Anestésicos Gerais Classificação Medida do efeito e potência anestésica Newton G. de Castro Professor Associado, MD, DSc Lab.

Leia mais

PROPOFOL SEDATION DURING ENDOSCOPIC PROCEDURES: SAFE AND EFFECTIVE ADMINISTRATION BY REGISTERED NURSES SUPERVISED BY ENDOSCOPISTS

PROPOFOL SEDATION DURING ENDOSCOPIC PROCEDURES: SAFE AND EFFECTIVE ADMINISTRATION BY REGISTERED NURSES SUPERVISED BY ENDOSCOPISTS Serviço de Endoscopia Gastrointestinal Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo PROPOFOL SEDATION DURING ENDOSCOPIC PROCEDURES: SAFE AND EFFECTIVE ADMINISTRATION BY REGISTERED

Leia mais

Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU. Edital nº: 21/2015 ProPPG/UFERSA

Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU. Edital nº: 21/2015 ProPPG/UFERSA Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU Edital nº: 21/2015 ProPPG/UFERSA Programa: Residência em Área Profissional da Saúde em Anestesiologia Veterinária PROVA ESCRITA

Leia mais

Letícia Rodrigues Parrilha 1 ; Mariana Venâncio dos Santos¹; Rodrigo Jesus Paolozzi 2, Fernando Silvério Cruz². 1 INTRODUÇÃO

Letícia Rodrigues Parrilha 1 ; Mariana Venâncio dos Santos¹; Rodrigo Jesus Paolozzi 2, Fernando Silvério Cruz². 1 INTRODUÇÃO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FISIOLÓGICOS, ANALGÉSICOS E NEUROENDÓCRINOS UTILIZANDO DIFERENTES DOSES

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA.

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA. 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml contém: Substância ativa Meloxicam Excipientes: Etanol 2 mg 150 mg Para a

Leia mais

Anestesia Peridural em Pediatria. Daniela Tchernin Wofchuk

Anestesia Peridural em Pediatria. Daniela Tchernin Wofchuk Anestesia Peridural em Pediatria Daniela Tchernin Wofchuk PARTICULARIDADES ANATÔMICAS Cone medular L3-L4 até 2 anos L1-L2 adulto Saco dural S3-S4 até 1 ano S2 no adulto Espinha ilíaca superior L4-L5 na

Leia mais

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: )

- Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1: ) Anestesia Geral INTRODUÇÃO - Mortalidade em equinos é muito alta (1:100) se comparadaà observ ada em pequenos animais (1:1000) e em humanos (1:200.000) EQUI OS - Isso não mudoumuito nos últimos 30 anos,

Leia mais

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Anexo III Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Nota: Este Resumo das Características do Medicamento, rotulagem e folheto informativo é o resultado

Leia mais

CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O

CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O CLORIDRATO DE ONDANSETRONA dih 2 O Classificação: Antiemético Fórmula Estrutural da ondansetrona: O N N N H 3 C CH 3 Fórmula Molecular: C 18 H 19 N 3 O.HCl.2H 2 O Peso Molecular: 365.85 g/ mol DCB: 09418

Leia mais

23/07/14. ! Evolução dos Equipamentos Anestésicos. Século XXI. Século XIX

23/07/14. ! Evolução dos Equipamentos Anestésicos. Século XXI. Século XIX Prof. Dr. Adriano Bonfim Carregaro Medicina Veterinária FZEA USP www.anestesia.vet.br http://on.fb.me/anestesiavet! Evolução da Anestesia Inalatória! Século XV Paracelso Fluido anestésico (ácido sulfúrico

Leia mais

Análise da Efetividade de Anestésicos que Podem ser Utilizados no Parto. Risco-Benefício

Análise da Efetividade de Anestésicos que Podem ser Utilizados no Parto. Risco-Benefício Análise da Efetividade de Anestésicos que Podem ser Utilizados no Parto. Risco-Benefício Patrícia Medeiros de Souza 1 Hevelly Hydeko Hashimoto 2 Luiz Geraldo Araújo 2 Pedro Luis Silva Pereira 2 Ana Tereza

Leia mais

Anexo III. Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo

Anexo III. Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo Anexo III Adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto Informativo Nota: Esta adenda às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento e Folheto

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

FINANCEIRO Transferência ao FMS , , ,09 Lançamento de receita , ,

FINANCEIRO Transferência ao FMS , , ,09 Lançamento de receita , , ANOS DE AVALIAÇÃO FINANCEIRO 2013 Recursos Financeiro 1º Q 2º Q 3º Q Transferência ao FMS 1.433.937,48 2.114.288,06 3.493.955,09 Lançamento de receita 3.073.090,96 5.114.410,04 4.265.512,36 6.000.000,00

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÂO DO MEDICAMENTO Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal

Leia mais

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo

CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Histórico do rating CH Setúbal, EPE - Hospital de S. Bernardo Dimensão Excelência Clínica Área de Ortopedia Artroplastias da Anca e Joelho e Fraturas proximais do fémur Alteração de apresentação da área

Leia mais

ANESTESIA EM OFTALMOLOGIA

ANESTESIA EM OFTALMOLOGIA ANESTESIA EM OFTALMOLOGIA Autores: M. Ramalho, J. Laranjo, F. Vaz, S. Pina, C. Santos, C. Pedrosa, I. Coutinho, M. Mota Director de Serviço: Dr. António Melo História da Anestesia Oftalmológica Egipto

Leia mais

ANESTESIA. Guia do Paciente

ANESTESIA. Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente ANESTESIA Guia do Paciente Orientações para o Paciente Cirúrgico Caro Paciente e Familiares, Este Guia foi elaborado para contribuir com a sua participação e de seus familiares

Leia mais

Manual de Cirurgia Segura

Manual de Cirurgia Segura Manual de Cirurgia Segura Índice Apresentação... pág. 4 Termos de Consentimento Informado... pág. 4 Lateralidade... pág. 5 Profilaxia Antibiótica... pág. 6 Time Out ou Pausa Cirúrgica... pág. 7 NR 32...

Leia mais

USO DE DEXMEDETOMIDINA EM SEDAÇÃO PARA BRONCOFIBROSCOPIA. RELATO DE CASO.

USO DE DEXMEDETOMIDINA EM SEDAÇÃO PARA BRONCOFIBROSCOPIA. RELATO DE CASO. USO DE DEXMEDETOMIDINA EM SEDAÇÃO PARA BRONCOFIBROSCOPIA. RELATO DE CASO. PETTERSEN, Vera Adas. Docente do Curso de Graduação em Medicina no Centro Universitário Serra dos Órgãos. FERREIRA, Daniéli Dias.

Leia mais

Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA

Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Instituto de Farmacologia e Terapêutica FARMACOLOGIA Notas sobre o enigma da acção farmacológica dos anestésicos gerais O mecanismo de acção dos anestésicos

Leia mais

Fastfen. citrato de sufentanila. Solução injetável 50 mcg/ml ou 5 mcg/ml. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Fastfen. citrato de sufentanila. Solução injetável 50 mcg/ml ou 5 mcg/ml. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Fastfen citrato de sufentanila Solução injetável 50 mcg/ml ou 5 mcg/ml Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Fastfen citrato de sufentanila APRESENTAÇÕES

Leia mais

CRONOGRAMA ETP/ESAI II - 1º SEMESTRE/2011* MARÇO - 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira 15 PC/PD

CRONOGRAMA ETP/ESAI II - 1º SEMESTRE/2011* MARÇO - 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira 15 PC/PD UFF/EEAAC/MEM/Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto e do Idoso II Equipe: Profª Dr ª Santana, Prof ª Dr ª Lima, Prof ª Ms ª Gentile, Prof ª Msª Silva Fassarella, Profª Msnda Ribeiro Bitencourt Monitores:

Leia mais

Status Epilepticus. Neurologia - FEPAR. Neurofepar Dr. Roberto Caron

Status Epilepticus. Neurologia - FEPAR. Neurofepar Dr. Roberto Caron Status Epilepticus Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron Estado de Mal Epiléptico Classificação das Epilepsias Definição Status Epilepticus: Crise epiléptica com duração de pelo menos 5 minutos.

Leia mais

Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE

Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE Histórico do rating Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE Dimensão Excelência Clínica Set 2010 Jan Jul Ago Abr 2015 22/02/2016 01/08/2016 Área de Ortopedia Artroplastias da Anca e Joelho e Fraturas

Leia mais

Profa. Dra. Norma Sueli Pinheiro Módolo CET/SBA Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu

Profa. Dra. Norma Sueli Pinheiro Módolo CET/SBA Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu Anestesia Geral: Inalatória pura; Venosa total ou Balanceada? Profa. Dra. Norma Sueli Pinheiro Módolo CET/SBA Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu Sedativo - hipnótico barbitúricos

Leia mais

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto

DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA. Laura Sousa Castro Peixoto DOR PROTOCOLO DO TRATAMENTO CLÍNICO PARA O NEUROLOGISTA Laura Sousa Castro Peixoto DOR Dor é uma sensação ou experiência emocional desagradável, associada com dano tecidual real ou potencial. IASP Tratamento

Leia mais

Analgésicos Opióides

Analgésicos Opióides Analgésicos Opióides Histórico: 300 A C -Árabes introduziram 1806 Foi isolada a Morfina (Morfeus) 1832/1848 Isolaram Codeina e Papaverina 1972 Naloxano reverte analgesia 1973 Sítios de ligação no cérebro

Leia mais

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta

Marcos Sekine Enoch Meira João Pimenta FIBRILAÇÃO ATRIAL NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE CIRURGIA CARDÍACA COM CIRCULAÇÃO EXTRA-CORPÓREA. Avaliação de fatores pré-operatórios predisponentes e evolução médio prazo. Marcos Sekine Enoch Meira João

Leia mais

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas

Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Que importância para os indicadores de resultado? A campanha da OMS Cirurgia Segura, salva vidas Manuel Valente / Enfermeiro Especialista / Nov. 2013 Inquérito A taxa de mortalidade infantil, em Portugal,

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação à anestesia inalatória, julgue os itens a seguir. 41 Os anestésicos inalatórios óxido nitroso, xenônio, halotano e sevoflurano são todos vapores de líquidos voláteis. 42 Na fase farmacocinética

Leia mais

Projeto de candidatura

Projeto de candidatura ESTÁGIO OPCIONAL ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIOLOGIA NA ÁREA DE OBSTETRÍCIA Projeto de candidatura Serviço de Anestesiologia do Hospital Central do Funchal ESTÁGIO OPCIONAL EM ANESTESIOLOGIA NA ÁREA DE

Leia mais

Avaliação e preparo do paciente. Medicação pré-anestésica. Joaquim Edson Vieira Disciplina de Anestesiologia - FMUSP

Avaliação e preparo do paciente. Medicação pré-anestésica. Joaquim Edson Vieira Disciplina de Anestesiologia - FMUSP Avaliação e preparo do paciente. Medicação pré-anestésica. Joaquim Edson Vieira Disciplina de Anestesiologia - FMUSP 2010 Avaliação e medicação pré-anestésica Objetivos (21 diapositivos) Fundamentos Evidências

Leia mais

Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro?

Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro? Protocolo de Normotermia Qual o papel do Enfermeiro? ENFº FERNANDO MALGUEIRO ESPECIALISTA DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS AQUECIMENTO DO PACIENTE - DIVISÃO DE PREVENÇÃO DE INFECÇÃO Hipotermia Perioperatória

Leia mais

ANESTÉSICOS VENOSOS. Otávio Terra Leite, R1 Getúlio R de Oliveira Filho MD, PhD Comitê de Educação da WFSA Sociedade Brasileira de Anestesiologia

ANESTÉSICOS VENOSOS. Otávio Terra Leite, R1 Getúlio R de Oliveira Filho MD, PhD Comitê de Educação da WFSA Sociedade Brasileira de Anestesiologia ANESTÉSICOS VENOSOS Otávio Terra Leite, R1 Getúlio R de Oliveira Filho MD, PhD Comitê de Educação da WFSA Sociedade Brasileira de Anestesiologia ANESTÉSICO VENOSO IDEAL Compatibilidade da droga e estabilidade

Leia mais

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles

Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Fórum de Qualidade e Segurança em Anestesia Apresentação de Casos: Hospital Ernesto Dornelles Airton Bagatini Vice-Presidente da SBA Corresponsável pelo CET do SANE Coordenador da Perspectiva Assistencial

Leia mais

Hipotermia no Perioperatório: Consequências, Prevenção e Tratamento

Hipotermia no Perioperatório: Consequências, Prevenção e Tratamento Hipotermia no Perioperatório: Consequências, Prevenção e Tratamento VICENTE FARAON FONSECA, T SA - SBA SANE S O CIEDADE D E A NESTESIOLOGIA Introdução Temperatura central menor que 36ºC Complicação frequente

Leia mais

DOSE EFEITO DO ETANOL

DOSE EFEITO DO ETANOL Alcoolismo Efeitos Os principais efeitos do álcool ocorrem no sistema nervoso central (SNC), onde suas ações depressoras assemelhamse às dos anestésicos voláteis. Os efeitos da intoxicação aguda pelo etanol

Leia mais

17 de janeiro de 2011 ANESTESIOLOGIA VETERINÁRIA

17 de janeiro de 2011 ANESTESIOLOGIA VETERINÁRIA Pontifícia Universidade Católica do Paraná Residência Médico Veterinária 2011 17 de janeiro de 2011 CÓDIGO 005 ANESTESIOLOGIA VETERINÁRIA N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA INFORMAÇÕES / INSTRUÇÕES:

Leia mais

Medicação Pré-Anestésica

Medicação Pré-Anestésica Introdução Medicação Pré-Anestésica Medicação pré-anestésica é todo agente que é administrado antes da indução anestésica com a finalidade de facilitar o manuseio do animal, reduzir reações indesejáveis

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais

Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais Programa para Seleção Clínica Cirúrgica e Obstetrícia de Pequenos Animais - Princípios cirúrgicos básicos: assepsia/antissepsia; pré, trans e pós-operatório; instrumentação cirúrgica; fundamentos em esterilização

Leia mais

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Salomón S. O. Rojas, Januário M. de Souza, Viviane C. Veiga, Marcos F. Berlinck, Reinaldo W. Vieira, Domingo M.

Leia mais

É O PERÍODO QUE COMPREENDE AS 24 HORAS QUE ANTECEDEM A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA

É O PERÍODO QUE COMPREENDE AS 24 HORAS QUE ANTECEDEM A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA I - Pré operatório Imediato É O PERÍODO QUE COMPREENDE AS 24 HORAS QUE ANTECEDEM A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA Avaliação Fisiológica Diagnóstico Médico Local cirúrgico e procedimento Resultados de exames Alterações

Leia mais

Terapêutica hormonal de 2ª linha?

Terapêutica hormonal de 2ª linha? Terapêutica hormonal de 2ª linha? FRANCISCO BOTELHO H O S P I TA L D E B R A G A CURSO CARCINOMA DA PRÓSTATA RESISTENTE A CASTRAÇÃO 13 18 de DE Setembro MAIO DE de 2014 2013 Tópicos Introdução Terapêutica

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 18/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 18/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 18/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO GESTAÇÃO ECTÓPICA TUBÁRIA AVANÇADA UM RELATO DE CASO 200 12:00 HIPOVITAMINOSE D E SUAS CONSEQUÊNCIAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Assistência de Enfermagem rio

Assistência de Enfermagem rio Assistência de Enfermagem Pós-operatóriorio Pós-operatório rio O período pós-operatp operatóriorio tem início logo após o término t da operação e vai até a alta do paciente, podendo ainda se estender a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa

Epilepsia.! Causas prováveis:! infarto cerebral! tumor! infecção! trauma! doença degenerativa Anticonvulsivantes Epilepsia! Transtorno neurológico crônico que atinge 0,5 1% da população.! Caracterizada por crises súbitas e espontâneas associadas à descarga anormal, excessiva e transitória de células

Leia mais

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado 13 Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações

Leia mais

Anestesia em Pacientes com Paralisia Cerebral

Anestesia em Pacientes com Paralisia Cerebral Anestesia em Pacientes com Paralisia Cerebral Quais os Desafios? Marcius Vinícius M. Maranhão TSA Hospital Universitário Oswaldo Cruz Recife - PE Doença não progressiva que afeta a movimentação e postura

Leia mais

Contrato Público de Aprovisionamento. Data de Entrada em Vigor Entrada em Vigor Vigência

Contrato Público de Aprovisionamento. Data de Entrada em Vigor Entrada em Vigor Vigência Mapa da Entrada em Vigor d disponíveis no Catálogo 24/05/2016 CP 2016/112 - Prestação de Serviços de Consultadoria na Área da Saúde e Segurança 25-05-2016 No dia 25/05/2016 entrarão em vigor. CP 2015/6

Leia mais

Anestesia no paciente obeso Alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas dos fármacos anestésicos: como valorizar?

Anestesia no paciente obeso Alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas dos fármacos anestésicos: como valorizar? Anestesia no paciente obeso Alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas dos fármacos anestésicos: como valorizar? TSA/SBA Co-responsável CET-SAJ SBA/MEC Doutorando em Anestesiologia pela Faculdade de

Leia mais

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão

Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão Orientação Medicamentosa para pessas com Hipertensão ORIENTAÇÃO MEDICAMENTOSA PARA PESSOAS COM HIPERTENSÃO Organizadora: Grace Kelly Matos e Silva Este material tem o objetivo de orientar os pacientes

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte IV Patentes em Química. 20 a 22 de Julho de 2010 Araraquara - SP REDAÇÃO DE PATENTES Parte IV Patentes em Química Alexandre Lopes Lourenço Pesquisador em Propriedade Industrial Divisão de Química II INPI - DIRPA Sérgio Bernardo Pesquisador em Propriedade Industrial

Leia mais

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU INTERNAÇÃO HOSPITALAR Toda pessoa com quadro suspeito de AVE deve ser levada imediatamente ao serviço de urgência para avaliação

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 17 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Torphasol 4 mg/ml solução injectável para cães e gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml contém:

Leia mais

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS Direcção-Geral da Saúde www.dgs.pt Ministério da Saúde CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO DOENTE (World Alliance for Patient Safety) OMS, Orientações para a Segurança Cirúrgica

Leia mais

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante

INTRODUÇÃO. Introduzida na terapêutica em 1903 barbital. Fenobarbital usado como anticonvulsivante BARBITÚRICOS 1 INTRODUÇÃO Breve Histórico Introduzida na terapêutica em 1903 barbital Fenobarbital usado como anticonvulsivante Amobarbital sódico em 1928, como anestésico geral I.V. Início da década de

Leia mais

Recomendações SAESP Anafilaxia

Recomendações SAESP Anafilaxia Recomendações SAESP Anafilaxia 1. RESUMO 1.1. Estas recomendações foram elaboradas por membros da Comissão Científica da SAESP e representantes da Associação Paulista de Alergologia. 1.2. A reação anafilática

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio

Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica. Renato Sanchez Antonio Síndrome Coronariana Aguda no pós-operatório imediato de Cirurgia de Revascularização Miocárdica Renato Sanchez Antonio Objetivo Isquemia perioperatória e infarto após CRM estão associados ao aumento

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

SANTOS DUMONT HOSPITAL

SANTOS DUMONT HOSPITAL UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SANTOS DUMONT HOSPITAL Responsável: Felix Aidar Quem é o SDH? a. Características funcionais i. Planejado/Executado entre 2007 e 2009 ii. 70 leitos de internação iii. 10 leitos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sufenta Citrato de sufentanila

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sufenta Citrato de sufentanila IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sufenta Citrato de sufentanila APRESENTAÇÕES Solução injetável de 50 mcg/ml de sufentanila em embalagens contendo 5 ampolas de 1 ml (indicado para uso intravenoso e epidural)

Leia mais

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente Dropropizina Prati-Donaduzzi 1,5 mg/ml e 3 mg/ml Dropropizina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE dropropizina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES de 1,5 mg/ml ou 3 mg/ml em embalagem

Leia mais

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização

Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Patrícia Santiago Carvalho Supervisora Bloco Operatório Patrícia do Carmo Lourenço Enfermeira da Central de Material e Esterilização Unimed São José dos Campos - SP INTRODUÇÃO A origem da Campanha Cirurgias

Leia mais

LABIRIN. betaistina dicloridrato APSEN. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos

LABIRIN. betaistina dicloridrato APSEN. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos 1 MODELO DE BULA LABIRIN betaistina dicloridrato APSEN FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg

Leia mais

Como ventilar o obeso mórbido com injúria pulmonar aguda? Distúrbios respiratórios. Alterações Funcionais. Módulo VI Ventilação mecânica aplicada

Como ventilar o obeso mórbido com injúria pulmonar aguda? Distúrbios respiratórios. Alterações Funcionais. Módulo VI Ventilação mecânica aplicada Como ventilar o obeso mórbido com injúria pulmonar aguda? Módulo VI Ventilação mecânica aplicada III Curso Nacional de Ventilação Mecânica 28 e 29 de março de 2008 Hotel Braston São Paulo Paula Werneck

Leia mais

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea

Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Preditores de lesão renal aguda em doentes submetidos a implantação de prótese aórtica por via percutânea Sérgio Madeira, João Brito, Maria Salomé Carvalho, Mariana Castro, António Tralhão, Francisco Costa,

Leia mais

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III

ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II GRUPO III ANEXO PT/SAS/MS Nº 143 DE 13 DE MAIO DE 2009 GRUPO II 0209030011 - HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA Nome: HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA 0209040017 - BRONCOSCOPIA (BRONCOFIBROSCOPIA) CBO: 223120 0301010170 - CONSULTA/AVALIAÇÃO

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 18 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Fentadon 50 microgramas/ml, solução injectável para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Por ml de solução:

Leia mais

TIME DE RESPOSTA RÁPIDA A enfermagem salvando mais vidas HOSPITAL REGIONAL UNIMED FORTALEZA CELIANE MARIA LOPES MUNIZ ISRRAELLY PASSOS MORORÓ

TIME DE RESPOSTA RÁPIDA A enfermagem salvando mais vidas HOSPITAL REGIONAL UNIMED FORTALEZA CELIANE MARIA LOPES MUNIZ ISRRAELLY PASSOS MORORÓ TIME DE RESPOSTA RÁPIDA A enfermagem salvando mais vidas HOSPITAL REGIONAL UNIMED FORTALEZA CELIANE MARIA LOPES MUNIZ ISRRAELLY PASSOS MORORÓ Colocando em prática idéias promissoras de melhorias nos cuidados

Leia mais

Gliomas de Alto Grau. Jacques Bines. Oncologista Clínico

Gliomas de Alto Grau. Jacques Bines. Oncologista Clínico Gliomas de Alto Grau Jacques Bines Oncologista Clínico Objetivos Definição Caracterização Tratamento Papel da quimioterapia Definição Neoplasias do Sistema Nervoso Central (SNC) Apresentam características

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. LENOXE 100% (v/v) gás medicinal, liquefeito, para inalação

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. LENOXE 100% (v/v) gás medicinal, liquefeito, para inalação FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR LENOXE 100% (v/v) gás medicinal, liquefeito, para inalação Xénon Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. -Conserve este folheto.

Leia mais

Melhores Práticas Assistenciais

Melhores Práticas Assistenciais Programa Práticas Melhores Práticas Assistenciais ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO RELATÓRIO TRIMESTRAL Maio à Julho 2014 Coordenação Médica: Responsável Operacional: Dr. Marcio de Castro. Ft. Gilvania Silva.

Leia mais

Literatura SEPIMAT TM H10

Literatura SEPIMAT TM H10 Literatura SEPIMAT TM H10 SEPIMAT H10 INCI Name: SEPIMAT H10 FW: Methyl Methacrylate Crosspolymer and Squalane /SEPIMAT H10: Methyl Methacrylate Crosspolymer and Paraffinum Liquidum and Silica SEPIMAT

Leia mais