Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5. Externalidades: Solução de Coase. Isabel Mendes"

Transcrição

1 Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.5 Externalidades: Solução de Coase Isabel Mendes Isabel Mendes/MICRO II

2 Coase (960) criticou a solução de Pigou para a internalização das externalidades, com base em políticas públicas, dizendo que Pigou não considerou os direitos de poluir e os direitos de não ser poluído. Ou seja: pegue-se novamente na empresa que produz bem e um by product bad s (poluição por emissão de fumos). Coase diz que: a empresa tem um direito de uso sobre o recurso natural ar e, portanto, tem o direito de o usar (ou não) como receptáculo de poluente atmosférico s; simultaneamente, a empresa tem também um direito de uso sobre o recurso natural ar e não quer (ou quer) que ele seja poluído; então, duas situações podem acontecer: A) ou a firma compra direitos de uso (ou direitos de poluição) do ar à empresa (ou seja, a empresa vende direitos de poluição) pagando t por cada nível de poluição associado à produção unitária de q ; Isabel Mendes/MICRO II

3 B) ou a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) pagando t por cada unidade. Coase demonstrou, através do TEOREMA DE COASE que, na ausência de custos de transacção é indiferente a quem se atribui os direitos sobre o uso do ar, o que implica que: t* = t = t Ou seja, defende que a sua solução é um óptimo de Pareto. Coase critica Pigou, dizendo que uma taxa só irá aumentar o peso dos danos marginais, sem se preocupar em saber se o novo equilíbrio após a taxa é ou não um equilíbrio de Pareto e um superior à Pareto, dada a afectação inicial de direitos de propriedade; ou seja, se a empresa poluidora tiver um direito de poluição então, se for obrigada a desistir dele sem qualquer compensação, não se obterá um equilíbrio superior à Pareto Isabel Mendes/MICRO II 3

4 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direitos de poluição à empresa ) Nesta situação, a empresa tem o direito de se ver livre da poluição e concorda em deixar a empresa poluir a troco do pagamento de um preço t*, que será determinado num mercado competitivo de direitos de poluição. Se a empresa vender os seus direitos de poluição então terá um acréscimo de receitas na sua função de lucros: ( ) Π = p q L,q wl + t*q `receita da venda dos direitos de poluiçao aemprea s O problema de decisão da empresa é calcular simultaneamente L* e q (o output da empresa que será procurado no merc ado de direitos de poluição) de forma a maximizar a sua função de lucro (). () Isabel Mendes/MICRO II 4

5 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direitos de poluição à empresa ) - continuação Analiticamente, o problema de decisão da empresa é: L,q Sendo as condições de ª ordem: ( q ) maxπ = p q L, wl + tq () Π = 0 p + t = 0 q q Π q = 0 p + w = 0 L L (3) (4) Isabel Mendes/MICRO II 5

6 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direitos de poluição à empresa ) - continuação Resolvendo (3) em ordem a t obtém-se: t = (5) p q (5) É o valor da compensação monetária que a empresa está disposta a receber por cada unidade de produção da empresa, para ser compensada pelos efeitos da poluição e é equivalente à curva inversa da oferta de direitos de poluição por parte da empresa, no mercado de direitos de poluição Isabel Mendes/MICRO II 6

7 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direito de poluição à empresa ) - continuação Simultaneamente, o problema de decisão para a empresa que tem de comprar direitos de poluição é: ( ) wl q ( L ) maxπ = p q L t L E a condição de ª ordem é: Π L = 0 ( p t ) w = 0 L (6) Isabel Mendes/MICRO II 7

8 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direito de poluição à empresa ) - continuação Resolvendo (6) em ordem a t obtém-se: t w = p (7) PMg L (7) É o valor da compensação monetária que a empresa está disposta a pagar por cada unidade de produção, para compensar a empresa pelos danos associados à poluição que a sua actividade emite e é equivalente à inversa da curva de procura de direitos de poluição por parte da empresa no mercado de direitos de poluição Isabel Mendes/MICRO II 8

9 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direito de poluição à empresa ) - continuação Quando as intenções de oferta de direitos de poluição da empresa igualarem as intenções de procura de direitos de poluição por parte da empresa, então o mercado de direitos de poluição estará em equilíbrio, sendo t* o preço de equilíbrio praticado no mercado de direitos de emissão. Analíticamente t* é tal que iguala a expressão (5) à expressão (7) : t * w :p p PMg = (8) L q Resolvendo a igualdade (8) em ordem a p obtém-se: Isabel Mendes/MICRO II 9

10 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direito de poluição à empresa ) - continuação p w = PMg L p (9) A igualdade (9) dá o valor para p compatível com o óptimo de Pareto. Geometricamente, o equilíbrio no mercado de direitos de poluição para a situação A está representado na FIG Isabel Mendes/MICRO II 0

11 SITUAÇÃO A: a empresa vende direitos de poluição à empresa (ou seja, a empresa compra direito de poluição à empresa ) - continuação t Curva de Oferta Inversa dos direitos de poluição por parte da emp : t = p FIG t* q* Curva de Procura Inversa dos direitos de poluição por parte da emp : w t = p PMg L q Isabel Mendes/MICRO II

12 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) Seja q 0 a produção de referência da empresa. A empresa compra os direitos de poluição da empresa pagando por o preço t por cada unidade de produção a menos produzida pela empresa. O problema de decisão da empresa é calcular L e q que maximizem a sua função de lucro, ou seja: L*,q 0 0 ( ) wl ( ) maxπ = p q L,q t q q com q > q Isabel Mendes/MICRO II

13 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) As condições de ª ordem são: Π = 0 p + t = 0 q q Π q = 0 p w = 0 L L (0) () Isabel Mendes/MICRO II 3

14 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) Resolvendo (0) em ordem a t obtém-se: t = p q () A expressão () é a inversa da curva de procura da empresa por reduções no output da empresa : t é o preço máximo a pagar pela empresa por cada unidade de redução de poluição Isabel Mendes/MICRO II 4

15 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) O problema de decisão da empresa é calcular L que maximize a sua função de lucro, ou seja: L* 0 ( ) L ( ) maxπ = p q L w + t q q L Sendo a condição de óptimo: Π L = 0 ( p t ) w = 0 L (3) Resolvendo (3) em ordem a t obtém-se: Isabel Mendes/MICRO II 5

16 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) t = p w PMg L (4) A expressão (4) é a inversa da curva de oferta da empresa de reduções no seu output : t é o preço mínimo que a empresa está disposta a receber por cada unidade de redução de poluição vendida Isabel Mendes/MICRO II 6

17 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) Quando as intenções de oferta de direitos de poluição da empresa igualarem as intenções de procura de direitos de poluição por parte da empresa, então o mercado de direitos de poluição estará em equilíbrio, sendo t* o preço de equilíbrio praticado no mercado de direitos de emissão. Analíticamente t* é tal que iguala a expressão () à expressão (4) : * w = p t :p PMg L (5) Resolvendo (5) em ordem a p obtém-se: Isabel Mendes/MICRO II 7

18 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) p w = PMg L p (6) A equação (5) diz que t* é o preço de equilíbrio no mercado de direitos de poluição e é igual ao preço que a empresa paga à empresa por cada unidade de poluição reduzida. Geometricamente a FIG poluição na Situação B. representa o equilíbrio no mercado de direitos de CONCLUSÃO: a expressão (9) é exactamente igual à expressão (6) o que comprova o teorema de Coase Isabel Mendes/MICRO II 8

19 SITUAÇÃO B: a firma compra direitos de poluição à empresa (ou paga para não ser poluída pela empresa ) ou seja, a empresa vende direitos de poluição à empresa ) t Inversa da curva de procura de direitos de poluição da emp : t = p t* Inversa da curva de oferta de direitos de poluição da emp : t w = p PMg L q* q 0 q Isabel Mendes/MICRO II 9

20 O Mercado de Direitos de Poluição O Teorema de Coase pode ser usado para internalizar externalidades positivas ou negativas, geralmente associadas a questões ambientais. Uma das formas mais usada para o fazer é a criação de mercados de direitos de uso. Uma das aplicações mais conhecidas é a do Mercado de Direitos de Poluição (ver Protocolo de Quioto e Mercado de Direitos de Emissões de GEE na Europa e EUA). Como funciona o Mercado de Direitos de Poluição? Seja: t = ao preço de um direito de poluição (medido em x u.f.); s j = quantidade de poluente que a empr. j quer emitir e, para o fazer, terá de adquirir direitos de poluição; t s j = é a despesa total com direitos de poluição, suportada pela emp j Isabel Mendes/MICRO II 0

21 O Mercado de Direitos de Poluição (continuação) O problema de decisão da emp j é, agora, o seguinte: q,s j j ( ) (,s ) maxπ q, s = p q CT q t s j j j j j j j Sendo as condições de óptimo dadas por: ( ) Π CTj q j,s j j = 0 p j = 0 qj qj Π CT ( ) j j q j,s j = 0 t = 0 sj sj j Isabel Mendes/MICRO II

22 O Mercado de Direitos de Poluição (continuação) Uma das soluções deste problema é a curva de procura de direitos de poluição definida em função do respectivo preço t : s j s = sj t com < t () j 0 A curva de procura de direitos de poluição da indústria (ou seja, a curva de procura agregada) é: n D S t = sj t j= () () (7) Isabel Mendes/MICRO II

23 O Mercado de Direitos de Poluição (continuação) Do lado da oferta, quem oferece direitos de poluição aos poluidores, são as entidades prejudicadas com a poluição. Seja então m empresas negativamente afectadas pela poluição e que V i é uma medida da desutilidade da empr. i, associada à poluição gerada pela produção da empresa j. Então, a oferta agregada de direitos é dada por: m ( S V i S ) (8) i = E, como é habitual, o mercado estará em equilíbrio quando (7) for igual a (8) : Isabel Mendes/MICRO II 3

24 O Mercado de Direitos de Poluição (continuação) m D t* :S t V S = () ( S ) i i= Isabel Mendes/MICRO II 4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.1. Definição de Externalidades. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.1. Definição de Externalidades. Isabel Mendes Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5. Definição de Externalidades Isabel Mendes 007-008 7-04-008 Isabel Mendes/MICROII 5. Definição de Externalidades.

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.2 Oligopólio em Preços (Bertrand) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O modelo de Cournot

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.2. Externalidades: Solução de Pigou. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.2. Externalidades: Solução de Pigou. Isabel Mendes Microeconomia II ursos de Economia e de Matemática Alicada à Economia e Gestão AULA 5. Externalidades: olução de Pigou Isabel Mendes 007-008 4/8/008 Isabel Mendes/MIRO II 1 5. olução de Pigou 1. O que

Leia mais

Economia Ambiental. económico na presença de uma externalidade

Economia Ambiental. económico na presença de uma externalidade Economia Ambiental Formas de atingir o óptimo económico na presença de uma externalidade Soluções que levam a um equilíbrio eficiente - Internalização Fusão de gestão Negociações coasianas Taxas de Pigou

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.4 Oligopólio e Cartel. Isabel Mendes

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.4 Oligopólio e Cartel. Isabel Mendes Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.4 Oligopólio e Cartel Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 Nos modelos de oligopólio dados

Leia mais

4 Economia do Setor Público

4 Economia do Setor Público 4 Economia do Setor Público Externalidades 10 Copyright 2004 South-Western Maximização de Benefício Agregado Relembrando: a mão invisível de Adam Smith faz com que compradores e vendedores interessados

Leia mais

Externalidades. CSA 160 Microeconomia IV

Externalidades. CSA 160 Microeconomia IV Externalidades CSA 160 Microeconomia IV Falhas de Mercado e Externalidades Resultado importante da Teoria Microeconômica: eficiência dos mercados competitivos. A utilização do mecanismo de mercado assegura

Leia mais

O Problema de Robinson Crusoe

O Problema de Robinson Crusoe O Problema de Robinson Crusoe Duas opções de consumo: trabalhar catando coco ou consumir coco. Trabalho é um mal e coco é um bem, portanto as curvas de indiferença serão negativamente inclinadas Não existe

Leia mais

EXTERNALIDADES. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. (notas de aula)

EXTERNALIDADES. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. (notas de aula) Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. EXTERNALIDADES Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero (notas de aula) Externalidades Externalidade no consumo

Leia mais

Exercícios Exames dos anos anteriores: Exercício Exercício s Exames dos anos s Exames dos anos anteriores: s Exames dos anos anteriores:

Exercícios Exames dos anos anteriores: Exercício Exercício s Exames dos anos s Exames dos anos anteriores: s Exames dos anos anteriores: Exercícios Exercícios Exames Exames dos anos dos anteriores: anos anteriores: Monopólio anteriores: Concorrência e Concorrência Perfeita Perfeita Monopolística Exame Junho 2005 Num dado país o mercado

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA: DEMANDA, OFERTA E EQUILÍBRIO DE MERCADO MICROECONOMIA É a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias e das empresas e os mercados nos quais operam.

Leia mais

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan

Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia 2 Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan Gabarito da Lista 4 de exercícios - Microeconomia Professora: Joisa Dutra Monitor: Pedro Bretan 1. (a) Verdadeiro, por definição. (b) Falso. Para que o segundo teorema valha, o conjunto de produção também

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Departamento de Economia REC110 MICROECONOMIA II EXERCÍCIOS SOBRE MONOPÓLIO, MONOPSÔNIO E DISCRIMINAÇÃO DE PREÇOS. ROBERTO GUENA DE OLIVEIRA 1. Uma empresa vende seu produto em dois mercados distintos. A demanda por esse produto

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática plicada à Economia e Gestão UL 3.3 Escolha do Consumidor entre Mercadorias Contingentes e nálise de Partilha do Risco Isabel Mendes 007-008 8-03-008

Leia mais

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1

Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Lista de exercícios 5 Microeconomia 1 Graduação em economia Exercícios para entrega 08 de junho de 2016 Exercício 1. Uma empresa produz bolas de gude e possui a seguinte função de produção: Q = 2(KL) 0.5,

Leia mais

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003.

PRODUÇÃO. Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero. Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. PRODUÇÃO Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Introdução Trocas: modelo de equilíbrio geral de uma economia

Leia mais

Externalidades. Mas falhas de mercado ainda podem ocorrer. Falhas de Mercado: Externalidades. Capítulo 10. Eficiência do Mercado e Falhas de Mercado

Externalidades. Mas falhas de mercado ainda podem ocorrer. Falhas de Mercado: Externalidades. Capítulo 10. Eficiência do Mercado e Falhas de Mercado Externalidades Introdução à Economia Mankiw, N.G. Capítulo 10 Copyright 2001 by Harcourt, Inc. All rights reserved. Requests for permission to make copies of any part of the work should be mailed to: Permissions

Leia mais

3 Mercados e Bem-Estar Econômico

3 Mercados e Bem-Estar Econômico 3 Mercados e Bem-Estar Econômico Eficiência e 7 Bem-Estar Revendo o Equilíbrio de Mercado O equilíbrio de mercado maximiza o bem-estar total de compradores e vendedores? O equilíbrio reflete a alocação

Leia mais

Capítulo 10 Externalidades

Capítulo 10 Externalidades Capítulo 10 Externalidades Lista de Exercícios: 1. A diferença entre o custo social e o custo privado é uma medida do(a): a. perda de lucro pelo vendedor como resultado de uma externalidade negativa. b.

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. A relação de preferência é dita racional se ela é completa e transitiva; II. Somente a relação de preferência racional

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia Prova de Microeconomia 1) Acerca do comportamento do consumidor pode-se afirmar que: I. O formato das curvas de indiferença pode significar diferentes graus de desejo de substituir uma mercadoria por outra.

Leia mais

Economia Pública Ano lectivo de 2016/17-1o. Semestre

Economia Pública Ano lectivo de 2016/17-1o. Semestre Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Direito Economia Pública Ano lectivo de 2016/17-1o. Semestre Conjunto de Exercícios no.4 Exercicios de revisão 1. Devido a fenómenos meteorológicos, alguns países

Leia mais

Análise de Mercados competitivos Parte 1

Análise de Mercados competitivos Parte 1 Análise de Mercados competitivos Parte 1 1. Avaliação de Ganhos e Perdas Resultantes de Políticas Governamentais: Excedentes do Consumidor e do Produtor 2. Eficiência do Mercado Competitivo 3. Preços Mínimos

Leia mais

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA

ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA ISCTE- INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE LISBOA MICROECONOMIA Exame 2ª Época, 1º Semestre 2012-2013 Tempo de duração: 2h30 Nome: Nº Turma PARTE I: Fundamentos de Economia (2,5) 1. (1,5 v) Na atual conjuntura

Leia mais

Externalidades. Graduação - Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero

Externalidades. Graduação - Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Externalidades Graduação - Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Editora Campus (7ª edição), 2003. Externalidades Externalidade no consumo Quando consumidor

Leia mais

Exemplo: Monopólio de segundo grau

Exemplo: Monopólio de segundo grau Notas de Aula - Teoria dos Jogos - FCE/UERJ 2016.2 (Versão preliminar - favor não circular) Professor Pedro Hemsley Horário: xxxx Sala: xxxx Ementa e informações relevantes: página do curso 1 Seleção Adversa

Leia mais

Microeconomia. Maximização de Lucros e Concorrência Perfeita. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Maximização de Lucros e Concorrência Perfeita. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Maximização de Lucros e Concorrência erfeita rof.: Antonio Carlos Assumpção Conteúdos da Seção Maximização de lucros e oferta competitiva As receitas total, média e marginal Lucro econômico

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado

EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado EXERCICIOS SOBRE: TEORIA DO CONSUMIDOR VI Procura, oferta e equilíbrio de mercado Exercício Nº 1 Defina e caracterize os seguintes conceitos: a) Procura individual de um bem. Descreve as quantidades alternativas,

Leia mais

Externalidades e bens públicos

Externalidades e bens públicos Externalidades e bens públicos Roberto Guena de Oliveira USP 21 de setembro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Ext. B. Pub. 21 de setembro de 2012 1 / 40 Parte I Externalidades Roberto Guena de Oliveira

Leia mais

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada

Notas de Aula 5: MONOPÓLIO (Varian cap.23) Uma firma em uma indústria Não há substitutos próximos para o bem que a firma produz Barreiras à entrada TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto

Leia mais

MICROECONOMIA II. Exame 1ª época 25/06/2007. Licenciatura em Economia LEC106

MICROECONOMIA II. Exame 1ª época 25/06/2007. Licenciatura em Economia LEC106 Licenciatura em Economia MICROECONOMIA II LEC106 Exame 1ª época 25/06/2007 Antes de iniciar o exame, leia atentamente as observações que se seguem: a duração da prova é de 2 horas e 30 minutos; a prova

Leia mais

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção.

Produção e o Custo da Empresa. Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. Produção e o Custo da Empresa Conceitos básicos; Função de produção; Lei dos rendimentos decrescentes; Equilíbrio da firma; Custos de Produção. 1. Conceitos básicos A economia é formada por diversas empresas

Leia mais

Microeconomia. Exercícios. António Saraiva

Microeconomia. Exercícios. António Saraiva Microeconomia Exercícios António Saraiva Microeconomia I 2 3 LINHA LIMITE DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO X X País A 120 País B 100 96 B2 A1 A2 B1 80 125 Y 60 Y Os gráficos representam as linhas de transformação

Leia mais

TEORIA MICROECONÔMICA I N

TEORIA MICROECONÔMICA I N CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ECO 1113 TEORIA MICROECONÔMICA I N PROFESSOR: JULIANO ASSUNÇÃO TURMA: 2JA Monopólio 1. Indique se as afirmações a seguir são verdadeiras ou falsas e

Leia mais

Fundamentos de Microeconomia

Fundamentos de Microeconomia Fundamentos de Microeconomia Prof. Danilo Igliori Lista 2 (1) João está com muita sede em um dia de calor. Ele valora cada garrafa de agua da seguinte maneira: Primeira garrafa $7 Segunda garrafa $5 Terceira

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia

Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Universidade Federal de Roraima Departamento de Economia Última Atualização: 03/06/01 1) A tabela abaixo demonstra que conforme o número de insumos variáveis aumenta com a produção de um bem, teremos um

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 4 CONTAMINAÇÃO, CONTAMINAÇÃO Económica e nível óptimo de externalidade Poluição / Contaminação Duas condições

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta Marta Lemme - IE/UFRJ III.1. Produção A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos que uma firma usa e a quantidade de produto que ela produz.

Leia mais

1E108 - MICROECONOMIA II

1E108 - MICROECONOMIA II LICENCIATURA EM ECONOMIA (2009-10) 1E108 - MICROECONOMIA II Capítulo 2.1. CONCORRÊNCIA PERFEITA EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 3.1.4 (adaptado) ([2], p. 64) Conhece-se a seguinte informação sobre as

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO PLANO DE AULA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

Monopólio. Varian cap. 24

Monopólio. Varian cap. 24 Monopólio Varian cap. 24 Introdução Definição: Uma empresa produz uma mercadoria sem substitutos próximos. Monopolista pode obter lucro econômico puro, mesmo no longo prazo. Mas, e novas empresas não são

Leia mais

A renda nacional: produção, distribuição e alocação

A renda nacional: produção, distribuição e alocação A renda nacional: produção, distribuição e alocação Queremos entender as relações entre diferentes variáveis e prever os resultados de diferentes políticas econômicas Qual o volume de produção de uma empresa?

Leia mais

Microeconomia. 9. O Estado e a Empresa. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Microeconomia. 9. O Estado e a Empresa. Francisco Lima. 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Microeconomia 9 O Estado e a Empresa Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Limites ao poder de mercado Objetivos Conhecer objeções sociais ao poder

Leia mais

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR

MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR MERCADO: OFERTA X DEMANDA EXCEDENTE DO CONSUMIDOR E DO PRODUTOR 2º SEMESTRE 2011 Excedente do Consumidor e Curva de Demanda Excedente do consumidor individual é o ganho líquido que o comprador individual

Leia mais

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é:

Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura. um consumidor i, sua restrição orçamentária (sempre esgotada) é: Gabarito da Lista VI - Microeconomia II Professor: Rodrigo Moura Monitor: Je erson Bertolai. Lei de Walras: Para qualquer vetor de preços p, temos que pz(p) 0, onde z(p) é o vetor de excesso de demanda.

Leia mais

Concorrência Perfeita

Concorrência Perfeita UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Disciplina: Teoria Microeconômica II Professor: Sabino da Silva Porto Junior Lista 1-2007/01 Concorrência Perfeita (ANPEC 97)

Leia mais

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro

Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro Escol Superior Agrária de Ponte de Lima Disciplina de Economia Ambiental Exercício sobre Recursos Renováveis: Gestão de um Pesqueiro (A) Preencha a Tabela fornecida, dada a seguinte informação sobre o

Leia mais

O objectivo último da empresa é a maximização do lucro económico total, a diferença entre:

O objectivo último da empresa é a maximização do lucro económico total, a diferença entre: Estruturas de Mercado Atendendo às condições do mercado, quanto é que a empresa deve produzir? A que preço? Tudo depende da estrutura de mercado na qual a empresa está inserida Estrutura de Mercado Concorrência

Leia mais

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar?

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar? Introdução Teoria da Firma A tecnologia de produção representa a relação entre os insumos e a produção. Dada a tecnologia de produção, os administradores da empresa devem decidir como produzir. Capítulo

Leia mais

Monopólio. Copyright 2004 South-Western

Monopólio. Copyright 2004 South-Western Monopólio 15 Copyright 2004 South-Western Definição Enquanto a firma competitive é tomadora de preço (price taker), o monopólio é um fazedor de preço (má tradução para price maker). A firma é um monopólio

Leia mais

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG

Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG PAER 0/ 6 de Janeiro de 0 Duração Total do Teste: h00m IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO NOME COMPLETO:......... Nº DE PROCESSO:. CURSO TURMA:. PARTE A (Duração:

Leia mais

NOME COMPLETO:... Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A. (Duração: 60 m. Cotação 10 valores)

NOME COMPLETO:... Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A. (Duração: 60 m. Cotação 10 valores) 1 Microeconomia I Licenciatura em Economia Finanças - MAEG 1 de Fevereiro de 2013 Duração da prova: 2:00 h NOME COMPLETO:........ Nº DE PROCESSO:.TURMA:. PARTE A (Duração: 60 m. Cotação 10 valores) 1.

Leia mais

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO

MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO 2013 MICROECONOMIA I QUESTÕES DE PROVAS CHEZERI.INFO Sumário PARTE I... 2 [RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA]... 2 [UTILIDADE E DEMANDA]... 2 [UTILIDADE E ESCOLHA]... 3 [PREFERÊNCIAS]... 3 [ÍNDICES DE PREÇO]... 3

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio.

LISTA DE EXERCÍCIOS 1ª PARTE: Concorrência Perfeita, Concorrência Monopolística, Monopólio e Oligopólio. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II ESTÁGIO DOCÊNCIA: VÍVIAN DOS SANTOS QUEIROZ PROFESSOR:

Leia mais

Quando o mercado não permite atingir a eficiência económica: falhas de mercado - as externalidades

Quando o mercado não permite atingir a eficiência económica: falhas de mercado - as externalidades Quando o mercado não permite atingir a eficiência económica: falhas de mercado - as externalidades LEOPOLDINA MARIA SILVA A B R I L D E 2 0 1 3 Lição a que se refere a alínea b) do nº 10 do art.º 3º da

Leia mais

Selecção Adversa Exemplo

Selecção Adversa Exemplo Selecção Adversa Exemplo 1 O exemplo clássico Market for lemmons Mercado de carros usados. Vendedor conhece a qualidade do carro, mas o comprador não. Seja θ a qualidade do carro. θ segue a distribuição

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio

REC 2110 Microeconomia II exercícios sobre monopólio REC 21 Microeconomia II exercícios sobre monopólio Prof. Dr. Roberto Guena de Oliveira 24 de novembro de 2011 1. A função de custo de uma empresa monopolista é dada por C T(q)=0,5q 2, sendo C T o custo

Leia mais

CURSO LIVRE DE ECONOMIA

CURSO LIVRE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia CURSO LIVRE DE ECONOMIA Preços e Mercados Exercícios 1. Indique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas, justificando os casos em

Leia mais

A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio.

A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio. Microeconomia A MICROECONOMIA estuda como os preços podem harmonizar a OFERTA e a DEMANDA, gerando equilíbrio. É responsável pela análise de formação de preços no mercado, ou melhor, como a empresa e o

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.1 Introdução à Teoria das Probabilidades e da Preferência pelo Risco Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Regras

Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez. Regras Universidade Federal de Pelotas Disciplina de Direito e Economia Professor Rodrigo Nobre Fernandez Regras - A avaliação deverá ser preenchida com caneta esferográfica preta ou azul. - Os grupos devem conter

Leia mais

Excedente do Consumidor

Excedente do Consumidor Excedente do Consumidor Instituto de Economia Graduação Curso de Microeconomia I Profa. Valéria Pero (notas de aula) Varian, H. Microeconomia. Princípios Básicos. Excedente do Consumidor Outra abordagem

Leia mais

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015

Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Curso DSc Microeconomia Bacen - Básico 2015 Preliminares Prof. Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Tentamos responder as seguintes

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória

Teoria Microeconômica I. Prof. Marcelo Matos. Aula Introdutória Teoria Microeconômica I Prof. Marcelo Matos Aula Introdutória Ementa do Curso Teoria do consumidor: escolha do consumidor; preferência revelada; efeitos-renda e efeito-substituição: equação de Slutsky

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4 Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.4 Provsão de Bens Públcos de forma descentralzada: a solução de Lndahl Isabel Mendes 2007-2008 13-05-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Economia do ambiente. Principais conceitos teóricos

Economia do ambiente. Principais conceitos teóricos RESUMO Este documento de trabalho constitui um resumo dos principais conceitos da Economia do Ambiente, ciência com um papel importante na concepção e implementação de políticas ambientais. Ao debater-se

Leia mais

ISCTE IUL, Exame, Macroeconomia I (L0271), Licenciatura de Economia, 8 Janeiro Licenciatura de Economia MACROECONOMIA I

ISCTE IUL, Exame, Macroeconomia I (L0271), Licenciatura de Economia, 8 Janeiro Licenciatura de Economia MACROECONOMIA I 1 ISCTE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO LISBOA Licenciatura de Economia MACROECONOMIA I Exame 8 Janeiro 2015 Duração: 2 horas Grupo A A1. (30 pontos) Considere a Tabela seguinte sobre as quantidades e preços de

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios. Cap. IV Modelo Dual

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios. Cap. IV Modelo Dual INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. IV Modelo Dual António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Cap. IV - Modelo Dual - Exercícios IV. Modelo Problema Dual 1. Apresente o

Leia mais

As alterações de preços provocariam o mesmo impacto que sobre os Custos Variáveis, isto é, inclinando para mais ou para menos a curva. Simplificando n

As alterações de preços provocariam o mesmo impacto que sobre os Custos Variáveis, isto é, inclinando para mais ou para menos a curva. Simplificando n ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 04: FINANCIAMENTO, PONTO DE EQUILÍBRIO E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TÓPICO 03: PONTO DE EQUILÍBRIO OPERACIONAL 2.1 INTRODUÇÃO A análise do ponto que

Leia mais

MAT-103 Complementos de Matemáticas para Contabilidade Prof. Juan Carlos Gutierrez Fernandez

MAT-103 Complementos de Matemáticas para Contabilidade Prof. Juan Carlos Gutierrez Fernandez MAT-03 Complementos de Matemáticas para Contabilidade Prof Juan Carlos Gutierrez Fernandez Lista : Números é funções Ano 206 Em uma pesquisa foram encontrados os seguintes resultados: 60% das pessoas entresvistadas

Leia mais

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori

Introdução à Microeconomia. As forças de mercado: oferta e demanda. Danilo Igliori Introdução à Microeconomia As forças de mercado: oferta e demanda Danilo Igliori (digliori@usp.br) As Forças de Mercado de Oferta e Demanda Oferta e demanda estão entre as palavras que os economistas utilizam

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.3 Jogos na Forma Extensiva informação num jogo Isabel Mendes 2007-2008 Na aula 1.1 falou-se ainda dos jogos sequenciais

Leia mais

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado

Sumário. Gestão Empresarial e Economia. Economia. Microeconomia. Mercado e concorrência perfeita Procura. Oferta. Equilíbrio de mercado Gestão Empresarial e Economia Economia Microeconomia Sumário Mercado e concorrência perfeita Procura o Procura individual o Procura de mercado Oferta o Oferta individual o Oferta de mercado Equilíbrio

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T7. Bibliografia. Conceitos a reter. Obrigatória: Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática

Economia e Finanças Públicas Aula T7. Bibliografia. Conceitos a reter. Obrigatória: Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática Economia e Finanças Públicas Aula T7 Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática 2.3 Despesa e equidade: redistribuição e igualdade de oportunidades 2.3.1 O óptimo social e a F.P.U. 2.3.2 As FBES: utilitarismo

Leia mais

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ

PARTE IV Análise Mercado Competitivo. Marta Lemme - IE/UFRJ PARTE IV Análise Mercado Competitivo Marta Lemme - IE/UFRJ EQUILÍBRIO DE MERCADO E EFICIÊNCIA DE PARETO Se pudermos encontrar uma forma de melhorar a situação de uma pessoa sem piorar a de nenhuma outra,

Leia mais

10 princípios da economia

10 princípios da economia 10 princípios da economia Podemos dividir os 10 princípios da economia em: Como as pessoas interagem Como a economia como um todo funciona 2 1 1) Pessoas enfrentam o problema da escolha 2) O custo de algo

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos

Teoria da firma: produção e custos de. produção. Técnico em Logística. 05_Sistemas Econômicos_Teoria da Produção e Custos Teoria da firma: e custos de Teoria da firma: e custos de Introdução Considerações preliminares Uma economia de mercado é orientada pelas forças da oferta e da procura. Consumidores Firmas Unidades do

Leia mais

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta

Unidades II ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta Unidades II ECONOMIA E MERCADO Profa. Lérida Malagueta Microeconomia A microeconomia ou teoria dos preços analisa como consumidores e empresas interagem no mercado, e como essa interação determina o preço

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T5

Economia e Finanças Públicas Aula T5 Economia e Finanças Públicas Aula T5 Cap. 2 - Despesas públicas: teoria e prática 2.1 Enquadramento normativo do papel do sector público 2.1.1 Os fracassos do mercado 2.1.2 As injustiças do mercado 2.2

Leia mais

CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos)

CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos) Exercício 1 CONCORRÊNCIA PERFEITA Enunciados e tópicos de resolução de alguns exercícios (alunos) Considere a empresa produtora do bem BÊ, integrada num mercado de concorrência perfeita, com a seguinte

Leia mais

Microeconomia I Exame Final, 2006/07

Microeconomia I Exame Final, 2006/07 Licenciaturas em Economia e Administração e Gestão de Empresas Microeconomia I Exame Final, 006/07 6 de Janeiro de 007 Duração: h + 30 min Fernando Branco, Fernando Machado, Ana F. Antunes, João Granja,

Leia mais

MICROECONOMIA OBJECTIVOS

MICROECONOMIA OBJECTIVOS MICROECONOMIA OBJECTIVOS A microeconomia é uma área básica de um curso de economia. Não só a macroeconomia se constrói a partir da microeconomia, como também certas áreas especializadas da economia, tais

Leia mais

Sistema de preços. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro de Oferta e demanda. 1.1 Curva de demanda

Sistema de preços. Prof. Regis Augusto Ely. Agosto de Revisão Novembro de Oferta e demanda. 1.1 Curva de demanda Sistema de preços Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro de 2012 1 Oferta e demanda 1.1 Curva de demanda A curva de demanda descreve a relação entre preço e quantidade demandada. Aumentando

Leia mais

MONOPÓLIO. - Enunciados e Tópicos de correcção - Neste momento, a função inversa da procura pode ser expressa pela seguinte função:

MONOPÓLIO. - Enunciados e Tópicos de correcção - Neste momento, a função inversa da procura pode ser expressa pela seguinte função: MONOPÓLIO - Enunciados e Tópicos de correcção - Exercício 1 Por decreto governamental, a CPP (Correios Postais de Portugal) é a única empresa a proceder a entregas postais não urgentes em Portugal. Neste

Leia mais

2. Estrutura Espacial Urbana: a localização intra-urbana das famílias e das firmas 2.1. Os antecedentes teóricos: o modelo de Von Thünen

2. Estrutura Espacial Urbana: a localização intra-urbana das famílias e das firmas 2.1. Os antecedentes teóricos: o modelo de Von Thünen 2. Estrutura Espacial Urbana: a localização intra-urbana das famílias e das firmas 2.1. Os antecedentes teóricos: o modelo de Von Thünen 22-10-2004 Ana Paula Delgado apaula@fep.up.pt 1 A teoria económica

Leia mais

MICROECONOMIA

MICROECONOMIA MICROECONOMIA 01. (Fiscal ISS-SP/98) Se a quantidade demandada de um bem permanece inalterada quando o seu preço aumenta, pode-se concluir que a elasticidade preço deste bem é: a) Menor do que a unidade.

Leia mais

PRO Introdução à Economia

PRO Introdução à Economia Introdução à Economia Aula 13 Monopólio Monopólio Uma empresa é considerada um monopólio quando: É a única produtora de um bem ou serviço O bem ou serviço não tem substitutos próximos Em um monopólio,

Leia mais

A localização das empresas: forças de concentração e de dispersão espacial

A localização das empresas: forças de concentração e de dispersão espacial 1.2.3. A localização das empresas: forças de concentração e de dispersão espacial 1.2.3.1. Factores de localização «É factor de localização tudo o que é susceptível de diferenciar o espaço para a empresa.»

Leia mais

Microeconomia. 1. Procura, Oferta, Mercados e Organizações. Francisco Lima

Microeconomia. 1. Procura, Oferta, Mercados e Organizações. Francisco Lima Microeconomia 1 Procura, Oferta, Mercados e Organizações Francisco Lima 1º ano 2º semestre 2015/2016 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo da Procura e Oferta Objetivo: determinar os preços

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot) Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 2.1 Olgopólo em Quantdades (Cournot) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 2.1 Olgopólo em Quantdades

Leia mais

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos.

os custos totais são determinados pela soma entre os custos variáveis e os custos fixos. Módulo 7 Teoria dos Custos Como destacamos em alguns dos módulos anteriores, os produtores são indivíduos racionais, e como tais irão buscar maximizar seus resultados ao realizarem suas atividades produtivas.

Leia mais

economia i exercícios antónio saraiva licenciatura em marketing licenciatura em comércio internacional

economia i exercícios antónio saraiva licenciatura em marketing licenciatura em comércio internacional economia i exercícios antónio saraiva licenciatura em marketing licenciatura em comércio internacional Exercício 1 X País A X 10 País B 100 B A1 A B1 0 1 Y 0 Y Os gráficos representam as linhas de transformação

Leia mais

Comércio numa cidade

Comércio numa cidade Comércio numa cidade Alberto A. Pinto a,c, Telmo Parreira b,c a Departamento de Matemática, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, Portugal b Universidade do Minho, Portugal c LIAAD-INESC Porto

Leia mais

UC: Economia da Empresa

UC: Economia da Empresa UC: Economia da Empresa 10ª Sessão Curso: Licenciatura em Gestão de Marketing ocente: Nuno J. Farinha 1 6. Mercado 6.1 Mercados rfeitamente Competitivos Modelo teórico como forma de entender a realidade

Leia mais

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido.

15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. Capitulo 15 Demanda do mercado Questões de Verdadeiro ou Falso 15.1. A curva de demanda inversa P (x) por um bem x mede o preço por unidade em que a quantidade x seria exigido. 15.2. Em geral, a demanda

Leia mais