CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO"

Transcrição

1 CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO APRESENTAÇÃO DO CURSO A citometria de fluxo (CF) é uma metodologia de aplicabilidade abrangente nas diversas áreas das ciências biológicas, sobretudo em Medicina Humana. Frente à crescente necessidade de capacitação de profissionais na área de citometria de fluxo, tanto para diagnóstico quanto para acompanhamento do tratamento das doenças Hematológicas, a proposta dos cursos é promover treinamentos em diversos níveis de atuação em citometria de fluxo, aos moldes do Consenso de Bethesda, conforme as necessidades do profissional a ser treinado. Os cursos oferecidos são compostos de módulos básico e avançado, permitindo treinamento dos processos pré-analíticos, de controle de qualidade, de diagnóstico e de detecção da doença residual mínima. Os módulos terão embasamento teórico e treinamento hands on. PÚBLICO ALVO: biólogos, biomédicos, farmacêuticos e médicos VAGAS: uma a cada 15 dias LOCAL: Laboratório de Citometria de Fluxo do Hospital Amaral Carvalho INVESTIMENTO: R$ 3.000,00 INFORMAÇÕES: (14) * Será emitido certificado mediante frequência maior que 80% PROGRAMA TEÓRICO-PRÁTICO I. MÓDULO BÁSICO: duração 40 horas semanais (segunda a sexta-feira) Objetivos: ao final do curso o profissional deve estar apto a atuar em laboratório de citometria de fluxo, avaliando criticamente os processos diagnósticos e de qualidade. Deve estar apto a realizar os diagnósticos de doenças Hematológicas por CF. Pré-requisitos: graduação acadêmica nas áreas supra-citadas.

2 1º DIA - Como montar um laboratório de citometria de fluxo 1) Aula teórica: duração de 1 hora - equipamentos - fluxo de entrada e registro de exames - registros de condições de não conformidade de amostras - banco de dados - controles de estoque de reagentes - elaboração de POPs - recepção de amostras para exame - preparo de amostras para CF - demonstração de como fazer controles de estoques - demonstração de banco de dados de CF - demonstração dos software (CellQuest PRO, Diva) (BD) TM e Infinicyt (Cytognos) TM 2º DIA - Controle de qualidade interno e externo em CF - calibração diária estabilidade do CF (Levey-Jennins) - testes de lotes e novos frascos de anticorpos monoclonais (AcMo) - titulação de AcMo - registros dos testes - titulação de AcMo - aquisição e análise de amostras no CF

3 3º DIA - Hematopoese normal e Leucemias Agudas - Diferenciação normal das linhagens hematopoéticas observadas pela CF - Classificação das Leucemias Agudas (WHO 2016) como avaliar por CF - painéis de imunofenotipagem de Leucemias Agudas e Mielodisplasias - técnica de preparo para cada painel (4 cores e 8 cores do protocolo Euroflow) - aquisição e análise de amostras de imunofenotipagem de Leucemias Agudas 4º DIA - Doenças Linfoproliferativas Crônicas - Classificação das DLPC (B, T e NK) (WHO 2016) como avaliar por CF - painéis de imunofenotipagem de DLPC - técnica de preparo para cada painel (4 cores e 8 cores do protocolo Euroflow) - aquisição e análise de amostras de imunofenotipagem das DLPC 5º DIA - Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN) - Aspectos clínicos e laboratoriais da HPN - Significância dos clones HPN nas Síndromes de Falência Medular 2) Prática: 3 horas

4 - painéis de 4, 5 e 6 cores para diagnóstico de HPN - técnica de preparo para cada painel (ICCS e R. Sutherland ) - aquisição e análise de amostras de HPN - análise de casos de Leucemias Agudas e DLPC Quantificação de Células CD34+ para terapia celular 3) Aula teórica: duração de 1 hora - Protocolo ISHAGE plataformas dupla e única - Controle de qualidade interno e externo 2) Prática: 3 horas - técnicas de preparo para cada plataforma - aquisição e análise de amostras (sangue periférico, CTP e cordão) pelos software (CellQuest PRO e Clínico) (BD) TM II. MÓDULO AVANÇADO: 30 horas semanais (2ª a 6ª feiras) Objetivos: ao final do curso o profissional deve estar apto a detectar DRM em LLA, DLPC e Mieloma Múltiplo Pré requisito: Profissionais das áreas médica e biológicas, com experiência em diagnóstico por imunofenotipagem de leucemias e linfomas por CF 1º DIA - Doença Residual Mínima em Leucemia Linfoblástica Aguda - vantagens e limitações da CF para pesquisa de DRM em LLA

5 - diferenciação entre maturação linfóide normal, medula óssea em regeneração e DRM - preparo de amostras para DRM para 4 cores e 8 cores (bulklysis) 2º DIA - Doença Residual Mínima em Leucemia Mieloblástica Aguda - painéis de 8 cores - vantagens e limitações da CF para pesquisa de DRM em LMA - identificação da hematopoese normal e da diferente do normal - preparo de amostras para DRM para 8 cores 3º DIA - Doença Residual Mínima em Mieloma Múltiplo - vantagens e limitações da CF para pesquisa de DRM em MMúltiplo

6 - preparo de amostras para DRM para 4 cores e 8 cores (bulklysis) 4º DIA - Doença Residual Mínima em Leucemia Linfocítica Crônica e Linfomas - vantagens e limitações da CF para pesquisa de DRM em MMúltiplo - preparo de amostras para DRM para 4 cores e 8 cores 5º DIA - Avaliação de punções aspirativas, líquido céfalo-raquidiano e outros líquidos orgânicos para detecção de neoplasias hematológicas por CF - aspectos diagnósticos - vantagens e limitações da CF para detecção de células neoplásicas em amostras com poucos eventos - preparo de amostras para 4 cores e 8 cores

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto Fundamentos da Citometria de Fluxo Elizabeth Xisto Souto A Citometria de Fluxo consiste de tecnologia laser que analisa partículas suspensas em meio líquido e fluxo contínuo. Estas partículas podem ser

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS

CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Classificação das leucemias Por que classificar

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

APLICAÇÕES ATUAIS DA CITOMETRIA DE FLUXO NA ROTINA LABORATORIAL

APLICAÇÕES ATUAIS DA CITOMETRIA DE FLUXO NA ROTINA LABORATORIAL APLICAÇÕES ATUAIS DA CITOMETRIA DE FLUXO NA ROTINA LABORATORIAL Citometria de fluxo uma ferramenta multidisciplinar guiada por hipótese Janossy G - Cytometry 2004 Profa Dra Irene Lorand-Metze Universidade

Leia mais

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 DEFINIÇÃO: - Proliferação neoplásica clonal de uma linhagem de células do sistema hematopoético Representam um grupo heterogêneo de desordens hematopoéticas malignas

Leia mais

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco - HEMOPE PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS MIELODISPLASIA Versão 00/2015 EQUIPE DE ELABORAÇÃO Dra. Alessandra Ferraz de Sá Dra. Bruna

Leia mais

TÍTULO: MONITORAMENTO DE DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA PÓS TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM PACIENTES COM LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA

TÍTULO: MONITORAMENTO DE DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA PÓS TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM PACIENTES COM LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA 16 TÍTULO: MONITORAMENTO DE DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA PÓS TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM PACIENTES COM LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

29/06/2015. A utilização da CF permite maior controle de qualidade, precisão, eficácia e obtenção de resultados padronizados e confiáveis.

29/06/2015. A utilização da CF permite maior controle de qualidade, precisão, eficácia e obtenção de resultados padronizados e confiáveis. Método analítico capaz de analisar simultaneamente múltiplos parâmetros, como características físicas e/ou químicas de células ou partículas em suspensão. Estudo do ciclo celular Estudo da apoptose Determinação

Leia mais

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Imunologia Hematologia Diagnóstico baseado nas células Prognóstico baseado nas células Monitoramento de terapias Analise de lesões e morte celular Anatomia patológica

Leia mais

Hematologia Clínica : bases fisiopatológicas

Hematologia Clínica : bases fisiopatológicas Para entender Hematologia: compartimento 1 = medula óssea ( MO), onde são produzidas as células sanguíneas compartimento 2 = sangue periférico (SP), onde circulam as células compartimento 3 = órgãos linfóides

Leia mais

Gamapatias monoclonais de significado indeterminado.

Gamapatias monoclonais de significado indeterminado. Gamapatias monoclonais de significado indeterminado. Normas orientadoras Objectivos: 1- Uniformização do protocolo de avaliação inicial e de diagnóstico das gamapatias monoclonais e vigilância. 2- Seleccionar

Leia mais

Colheita de Células Hematopiéticas

Colheita de Células Hematopiéticas Dados 213 Colheita de Células Hematopiéticas Dadores inscritos no Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE) com tipagem concluída 4 35 3 25 2 15

Leia mais

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP

Highlights. Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC. Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Highlights Chandra C. Cardoso Farmacêutica Bioquímica - HU/UFSC/SC Rodrigo de Souza Barroso Médico Hematologista - Hospital Albert Einstein/SP Edimburgo, Escócia 11 a 14 de setembro de 2016 Reunião do

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA - RIO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 6 USP CITOMETRIA DE FLUXO CITO METRIA DE FLUXO CÉLULA MEDIDA MOVIMENTO Caracterização

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Imunologia Básica Código da Disciplina 02014890 Professor(es) Yoshimi Imoto Yamamoto Etapa 4ª. Carga horária:

Leia mais

ANÁLISE CIENCIOMÉTRICA DAS APLICAÇÕES DA CITOMETRIA DE FLUXO EM DESORDENS HEMATOPOIÉTICAS NOS ÚLTIMOS 16 ANOS

ANÁLISE CIENCIOMÉTRICA DAS APLICAÇÕES DA CITOMETRIA DE FLUXO EM DESORDENS HEMATOPOIÉTICAS NOS ÚLTIMOS 16 ANOS ANÁLISE CIENCIOMÉTRICA DAS APLICAÇÕES DA CITOMETRIA DE FLUXO EM DESORDENS HEMATOPOIÉTICAS NOS ÚLTIMOS 16 ANOS Renata Alves Batista 1, Flávia Mello Rodrigues 2, Valéria Leite Quixabeira 3. 1- Discente do

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

Duração: 17 horas, em sessões de 2 a 3 horas Inicio: 16 Outubro 2007 Fim: 6 Novembro 2007

Duração: 17 horas, em sessões de 2 a 3 horas Inicio: 16 Outubro 2007 Fim: 6 Novembro 2007 1 Curso de Formação Monitorização Bacteriológica de Águas Formadores: Dr. Nuno Ferreiro (Hidrobiólogo) Duração: 17 horas, em sessões de 2 a 3 horas Inicio: 16 Outubro 2007 Fim: 6 Novembro 2007 Local: Centro

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ACONSELHAMENTO GENÉTICO EM PREDISPOSIÇÃO

Leia mais

Soluções Inovadoras em TI. O uso de sistemas na gestão de laboratórios e projetos de P&D Palestrante: Pablo Braga (CEO)

Soluções Inovadoras em TI. O uso de sistemas na gestão de laboratórios e projetos de P&D Palestrante: Pablo Braga (CEO) Soluções Inovadoras em TI O uso de sistemas na gestão de laboratórios e projetos de P&D Palestrante: Pablo Braga (CEO) A SIDETECH 2 Fundada em 1994, a Sidetech é uma empresa inovadora de soluções em TI,

Leia mais

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa.

Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Vantagens e cuidados exclusivos para você e sua empresa. Pioneira na gestão da Medicina e Segurança do Trabalho Sobre a RH Vida A RH Vida Saúde Ocupacional é uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica

Leia mais

Investigação Laboratorial de LLA

Investigação Laboratorial de LLA Investigação Laboratorial de LLA Ana Paula Fadel RESUMO A leucemia linfóide aguda (LLA) é a doença que ocorre principalmente na infância em crianças de 2 e 10 anos correspondendo a 70% dos casos; em adultos

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

23/04/2013. Análise crítica da coleta, processamento e interpretação dos exames laboratoriais nos Derrames Pleurais INCIDÊNCIA

23/04/2013. Análise crítica da coleta, processamento e interpretação dos exames laboratoriais nos Derrames Pleurais INCIDÊNCIA XIV Curso Nacional de Atualização em Pneumologia - SBPT Análise crítica da coleta, processamento e interpretação dos exames laboratoriais nos Derrames Pleurais Lisete Teixeira Disciplina de Pneumologia

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MEDICINA DO SONO

PROGRAMA DO CURSO DE CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MEDICINA DO SONO PROGRAMA DO CURSO DE CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MEDICINA DO SONO - 2013 Professora responsável: Sonia Maria Togeiro Prova e entrevista: 21 de Janeiro de 2013 às 10 horas Inicio: 04 de Fevereiro de 2013

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM TERAPIA

Leia mais

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA ao alcance do seu laboratório A Labtest, maior indústria brasileira de diagnósticos in vitro, traz mais uma inovação para o mercado.

Leia mais

Caso 2 Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones

Caso 2 Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones Glicínia Pimenta Serviço de Hematologia/UFRJ Laboratório Sergio Franco/DASA RL,44 anos, branco,administrador, natural do Rio de Janeiro QP: febre, astenia,

Leia mais

PREMIER Hb9210. Produto

PREMIER Hb9210. Produto PREMIER Hb9210 Produto Utilizando nossa tecnologia patenteada de afinidade, o Premier Hb9210 oferece resultados precisos, livre de interferências, em um pacote rápido e altamente confiável. Oferecendo

Leia mais

2.Introdução A Doença Descrição...11

2.Introdução A Doença Descrição...11 Índice 1.Apresentação... 05 2.Introdução...07 3.A Doença... 11 3.1. Descrição...11 3.2. Epidemiologia... 11 3.2.1. Agente Etiológico e Ciclo Evolutivo...11 3.2.2. Reservatórios / Hospedeiros Intermediários...

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Pneumologia Código: Fisio 219 Pré-requisito: Fisioterapia em Neurologia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ORIGEM DO UNIVERSO, FORMAÇÃO DA VIDA NA TERRA ESTUDANDO FÓSSEIS: O CAMINHO DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES 1º semestre de 201 3ª feira, das 13h30 às 17h30 SANTO ANDRÉ

Leia mais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais LABORATÓRIO DE QUÍMICA AMBIENTAL 2º período de 2013 Aula S03: Validação em Análises Ambientais Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF www.ufjf.br/baccan NA QUÍMICA (ANALÍTICA) AMBIENTAL... Sonda

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE MEDICINA Departamento de Medicina Clínica

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE MEDICINA Departamento de Medicina Clínica Medicina Nuclear e Imagem Molecular MMCA0011 Primeiro Semestre - 2016 Período: sextas-feiras Horário: 12h às 14h Local: Sala da Cardiologia no sexto andar do HUAP PROGRAMAÇÃO Aula Data Docente 06/05/2016

Leia mais

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES

CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES CURSO DE PILATES APLICADO ÀS LESÕES OSTEOMUSCULARES INTRODUÇÃO Um número cada vez maior de pessoas apresenta, em seu cotidiano, atividades repetitivas e restritivas, que conduzem a uma perda do sinergismo

Leia mais

Guião do Módulo I.II. Biologia Molecular, Celular e do Desenvolvimento Humano e Genética

Guião do Módulo I.II. Biologia Molecular, Celular e do Desenvolvimento Humano e Genética Guião do Módulo I.II. Biologia Molecular, Celular e do Desenvolvimento Humano e Genética Ano lectivo 2014/15-2º Semestre Mestrado Integrado em Medicina Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Índice

Leia mais

RECONHECIMENTO CLÍNICO & DIAGNÓSTICO. Dra. Lucilene Silva Ruiz e Resende Disciplina de Hematologia Depto. de Clínica Médica FMB - UNESP Botucatu 2014

RECONHECIMENTO CLÍNICO & DIAGNÓSTICO. Dra. Lucilene Silva Ruiz e Resende Disciplina de Hematologia Depto. de Clínica Médica FMB - UNESP Botucatu 2014 RECONHECIMENTO CLÍNICO & DIAGNÓSTICO Dra. Lucilene Silva Ruiz e Resende Disciplina de Hematologia Depto. de Clínica Médica FMB - UNESP Botucatu 2014 Definição HEMATO (sangue) + POESE (fazer) Processo pelo

Leia mais

FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA

FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA PROGRAMA PARA A PROVA ESCRITA 1. Formação, diferenciação, maturação e funções dos eritrócitos e leucócitos. 2. Citomorfologia dos eritrócitos e leucócitos (normalidade citomorfológica e alterações mais

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. MS Project para Gerenciamento de Projetos

Sem fronteiras para o conhecimento. MS Project para Gerenciamento de Projetos 1 Sem fronteiras para o conhecimento MS Project para Gerenciamento de Projetos 2 MS Project para Gerenciamento de Projetos Em projetos, planejamento e gerenciamento são as palavras chaves para o sucesso.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA Unidade Dias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO FUNÇÃO: Proteção e Prevenção SUBFUNÇÃO: Fundamentos básicos

Leia mais

Economia para Jornalistas

Economia para Jornalistas RECEBIDO EM: / / PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO IV CURSOS DE EXTENSÃO N o TÍTULO DO CURSO Economia para Jornalistas PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: João Victor Guedes Neto Cargo:

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Calendários Académicos e Calendários de Exames para cursos de 2º ciclo - Mestrados, biénio 2012/2014 e ano letivo

DESPACHO. ASSUNTO: Calendários Académicos e Calendários de Exames para cursos de 2º ciclo - Mestrados, biénio 2012/2014 e ano letivo DESPACHO N.º 17 /2013 Data: 2013/04/10 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Calendários Académicos e Calendários de Exames para cursos de 2º ciclo - Mestrados, biénio

Leia mais

TÉCNICAS ACUPUNTURAIS E DE MEDICINA CHINESA

TÉCNICAS ACUPUNTURAIS E DE MEDICINA CHINESA CURSO: PROGRAMA CURRICULAR do curso de TÉCNICAS ACUPUNTURAIS E DE MEDICINA TÉCNICAS ACUPUNTURAIS E DE MEDICINA 2015/2016 DOCENTES: vários IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Técnicas Acupunturais e de Medicina Chinesa

Leia mais

Edital n 43 /2016 TORNAR PÚBLICA

Edital n 43 /2016 TORNAR PÚBLICA Edital n 43 /2016 O presidente da (CPC), no uso de suas atribuições legais e com base em diretrizes debatidas e acordadas pelo Conselho de Ensino e Pesquisa (Cepe), resolve: TORNAR PÚBLICA A abertura das

Leia mais

Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE

Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE Edital Nº 022/16/PSCG EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVILLE A Pró-Reitora de Ensino da Universidade da Região de Joinville UNIVILLE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA

CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA CICLO DE FORMAÇÃO EM INVESTIGAÇÃO CLÍNICA Organização 1. O Ciclo de Formação em Investigação Clínica, organizado pelo Serviço de Cirurgia B do Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca e pela X2 Science

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS BIOESTATÍSTICA. Alessandra Maciel Almeida Coordenadora Raquel Aparecida Salustriano Fabreti de Oliveira

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS BIOESTATÍSTICA. Alessandra Maciel Almeida Coordenadora Raquel Aparecida Salustriano Fabreti de Oliveira DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS BIOESTATÍSTICA Professoras: Alessandra Maciel Almeida Coordenadora Raquel Aparecida Salustriano Fabreti de Oliveira Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados;

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA CHECK-LIST IN LOCUS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS LABORATÓRIO DE APOIO DATA: / / FORNECEDOR DE SERVIÇO:.

BANCO DE SANGUE PAULISTA CHECK-LIST IN LOCUS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS LABORATÓRIO DE APOIO DATA: / / FORNECEDOR DE SERVIÇO:. Pagina 1 de 7 DATA: / FORNECEDOR DE SERVIÇO:. AVALIAÇÃO TÉCNICA IN LOCUS 1. COMO RECEBE AS AMOSTRAS OU HEMCOMPONENTES: Recebe acompanhadas de documento de remessa? Não Sim Nome do documento do cliente:

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA À NEUROLOGIA

Leia mais

EDITAL Nº 65/2016, DE 04 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

EDITAL Nº 65/2016, DE 04 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) EDITAL Nº 65/2016, DE 04 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) O Câmpus Boituva do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO PARA MODALIDADE-BACHARELADO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO PARA MODALIDADE-BACHARELADO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO PARA MODALIDADE-BACHARELADO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURITIBA 2002 REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO PARA MODALIDADE-BACHARELADO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS I- INTRODUÇÃO

Leia mais

EDITAL 01/2016 DIRETORIA GERAL EDUCACIONAL

EDITAL 01/2016 DIRETORIA GERAL EDUCACIONAL EDITAL 01/2016 DIRETORIA GERAL EDUCACIONAL Dispõe de Processo de Seleção Docente para formação de cadastro de reserva 2017. A Direção Geral do Colégio Dom Bosco, no uso de suas atribuições legais, torna

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Anatomia II Código: Fisio-105 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1

Leia mais

Exames laboratoriais específicos

Exames laboratoriais específicos Exames laboratoriais específicos para o diagnóstico de Dengue. Sônia Conceição Machado Diniz Especialista em diagnóstico laboratorial de doenças tropicais IMT/SP Responsável pelo Serviço de Virologia e

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Comissão de Produção Científica (CPC)

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. Comissão de Produção Científica (CPC) PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Comissão de Produção Científica (CPC) Edital n 4 /2016 SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO PARA OBTENÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ANO LETIVO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA TREINAMENTO EM SERVIÇO / EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

EDITAL DE SELEÇÃO PARA TREINAMENTO EM SERVIÇO / EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE EDITAL DE SELEÇÃO PARA TREINAMENTO EM SERVIÇO / EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE PERÍODO: RECESSO ESCOLAR DE JANEIRO E PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 O Instituto Metropolitano de Ensino Superior IMES, por meio

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM GATOS Rafael

Leia mais

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes ABRIL/2011 O Universo de Atuação População 190.732.694 habitantes Fonte: IBGE 2010

Leia mais

IV. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

IV. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Ciência da Computação DISCIPLINA: Prática de Programação Orientada a objetos CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 h/a PROF. RESPONSÁVEL: Míriam de Souza Monteiro II. EMENTA Classes e objetos.

Leia mais

O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malign

O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malign presentes na Leucemia Daniela Bessa O Cancro - Aspectos gerais O termo Cancro é aplicado e utilizado genericamente para identificar um vasto conjunto de doenças que são os tumores malignos, também designamos

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Leia mais

Centro Universitário Central Paulista

Centro Universitário Central Paulista Centro Universitário Central Paulista EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO PARA MONITORIA DOS CURSOS EDITAL Nº 02/2016 2º semestre O Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP) faz saber, a todos os interessados,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO III

ESTÁGIO SUPERVISIONADO III ESTÁGIO SUPERVISIONADO III ORIENTAÇÕES DE ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PARCIAL E FINAL Prof. MSc Samuel Guerra Torres Prof. Patric Barreto CRONOGRAMA Aula Data Conteúdo Horas 1 06/ago Planejamento 0 2 13/ago

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA BOLSA DE EXTENSÃO N.º 26/2016

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA BOLSA DE EXTENSÃO N.º 26/2016 EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA BOLSA DE EXTENSÃO N.º 26/2016 A Faculdade da Serra Gaúcha FSG, no uso de suas atribuições e de acordo com a Diretriz Institucional n.º 03/2014 realizará o Concurso

Leia mais

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles)

Cursos de Extensão. Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Cursos de Extensão Técnicas Miofasciais (Tratamento da Disfunção dos Tecidos Moles) Duração do Curso: - 2 dias, horário integral, perfazendo a carga horária de 20 horas de teoria e prática, sendo 80% prático;

Leia mais

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas.

Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. 2 Material desenvolvido com conteúdo fornecido pelas unidades acadêmicas responsáveis pelas disciplinas. Organização Projeto Visual COMEP Paulo Roberto Bueno Pereira Michela Peanho Harumi Toda Watzel CCOM

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA EM ÁREAS OFTALMOLÓGICAS EDITAL Nº 005/2017

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA EM ÁREAS OFTALMOLÓGICAS EDITAL Nº 005/2017 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PROCESSO SELETIVO ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA EM ÁREAS OFTALMOLÓGICAS EDITAL Nº 005/2017 A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE, pessoa jurídica de direito privado, representado

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Química Analítica Qualitativa Farmacêutica Código: FAR - 206 Pré-requisito: Química Geral II Período

Leia mais

Inscrições na secretaria da Radiologia - 2 º andar Com Sra Ivanete

Inscrições na secretaria da Radiologia - 2 º andar Com Sra Ivanete IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO PAULO Rua Dr Cesário Mota Jr, 112 Vila Buarque São Paulo Fone: (11) 2176.7000 R.5802/7343 ECOCARDIOGRAFIA PERÍODO INTEGRAL Inscrições na secretaria da Radiologia

Leia mais

Curso de atualização em doenças parasitárias: da clínica ao diagnóstico e terapêutica

Curso de atualização em doenças parasitárias: da clínica ao diagnóstico e terapêutica Curso de atualização em doenças parasitárias: da clínica ao diagnóstico e terapêutica INFORMAÇÃO GERAL:! 1.1. Designação: Curso de atualização em doenças parasitárias: da clínica ao diagnóstico e terapêutica

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República)

Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República) Caracterização, Estrutura Curricular e Plano de Estudos: Escola Superior de Saúde de Santa Maria Curso de Licenciatura em Fisioterapia (a aguardar publicação em Diário da República) 1 - Estabelecimento

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.15, de 1/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GERONTOLOGIA SOCIAL

Leia mais

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS Pró-Reitoria de Ensino Núcleo de Educação a Distância EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTORES A DISTÂNCIA Programa Pró-Licenciatura Edital NEAD 01/2008 A Universidade

Leia mais

CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO

CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO. CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM METROLOGIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013

Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 ETEc Dr Francisco Nogueira de Lima Ensino Técnico Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Unidade Universitária: :CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMACIA Disciplina:TOXICOLOGIA Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Ementa: DRT: 113037-5

Leia mais

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016 08INTEGRAL 1º SEMESTRE 2ª 0900113 Biossegurança e Primeiros Socorros - Sala de Aula do QFL0137 Química Geral IQ - Laborátorio / Bl. 01 inf. 3ª 4ª 5ª 6ª QFL0137 Química Geral IQ -774 / Bloco 07 sup 0900100

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana ICB/USP Protocolo de investigação de defeitos no burst oxidativo método de

Leia mais

NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO

NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE E ACESSIBILIDADE NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO DE 2017

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO DE 2017 A Escola de Sociologia e Política de São Paulo e a Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação, mantidas pela FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo), tornam público que

Leia mais

25/08/2015 (terça feira)

25/08/2015 (terça feira) 25/08/2015 (terça feira) 08:30 18:00 CURSO 1: ESTATÍSTICA APLICADA AO TRANSPLANTE: O QUE PRECISAMOS SABER? 08:30 08:45 Introdução Palestrante: MARCELO C. PASQUINI (EUA) 09:00 09:15 Projeto 1 09:15 09:45

Leia mais

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Tópicos de Química Experimental Módulo: 1º Noturno N

II Competências, Habilidades e Bases Tecnológicas do Componente Curricular Componente Curricular: Tópicos de Química Experimental Módulo: 1º Noturno N Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24/09/2015 Etec TIQUATIRA 208 Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle & Processos

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades:

Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PLANO DE CURSO. Permitir ao aluno desenvolver as seguintes habilidades: CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Código: ENF-219 Pré-requisito:

Leia mais

Controlo de Qualidade

Controlo de Qualidade Controlo de Qualidade Definição: toda a acção sistemática necessária para dar confiança ao resultados laboratoriais, satisfazendo a necessidades dos clínicos para melhor ajudar os utentes Visa reconhecer

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Ensino Técnico Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Bioquímica Série: I C. H.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM DOENÇAS FUNCIONAIS E MANOMETRIA DO APARELHO

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma

EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma EXAME HEMATOLÓGICO Hemograma Profa Dra Sandra Zeitoun Aula 2 Na coleta de sangue para exames são usados anticoagulantes específicos, indicados pela cor da tampa dos frascos. Cor da Tampa Anticoagulante

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA HOSPITALAR Unidade Dias e

Leia mais

01 02 e 03 de agosto de 2014

01 02 e 03 de agosto de 2014 01 02 e 03 de agosto de 2014 Resumo sobre o Curso Nosso curso será divido em 2 Módulos complementares com 5 palestrantes experientes, atualizados, com graduações internacionais e atuantes na área de Ortopedia

Leia mais

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões.

Resolução CFF nº 406, de : Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. CONTINUAÇÃO ASPECTOS DESCRITOS NA: Resolução CFF nº 406, de 15.12.03: Regula as atividades do farmacêutico na Indústria Cosmética, respeitadas as atividades afins com outras profissões. Atividades do Farmacêutico

Leia mais