CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS"

Transcrição

1 CLASSIFICAÇÃO DAS LEUCEMIAS Prof. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

2 Classificação das leucemias Por que classificar as leucemias?

3 Classificação das leucemias Por que classificar as leucemias? Para melhor prognosticar. Para melhor tratar. Para estudos sobre etiologia, patogênese, prognóstico e tratamento.

4 Classificação das leucemias Como classificar as leucemias?

5 Classificação das leucemias Como classificar as leucemias? Quanto ao curso da enfermidade leucemia aguda ou crônica Quanto ao tipo celular leucemia linfoide ou mieloide* Quanto à presença de células neoplásicas na circulação leucemia leucêmica, subleucêmica ou aleucêmica *Não linfoide.

6 Classificação das leucemias em humanos Grupo de Estudos Franco-Americano-Britânico (grupo FAB) (Sistema de classificação FAB) (Br J Haematol 1976) Grupo de Estudos Cooperativos da classificação morfológica-imunológica-citogenética (MIC) (Classificação MIC) (Cancer Genet Cytogenet 1986 e Br J Haematol 1988) Classificação MIC + genética molecular (Classificação MIC-M) (J Clin Pathol 1998) Classificação dos tumores dos tecidos hematopoético e linfoide da organização mundial de saúde (WHO) (WHO 2001)

7 Classificação das leucemias em humanos Grupo de Estudos Franco-Americano-Britânico (grupo FAB) (Sistema de classificação FAB) (Br J Haematol 1976) Grupo de Estudos Cooperativos da classificação morfológica-imunológica-citogenética (MIC) (Classificação MIC) (Cancer Genet Cytogenet 1986 e Br J Haematol 1988) Classificação MIC + genética molecular (Classificação MIC-M) (J Clin Pathol 1998) Classificação dos tumores dos tecidos hematopoético e linfoide da organização mundial de saúde (WHO) (WHO 2001)

8 Classificação das leucemias em humanos Grupo de Estudos Franco-Americano-Britânico (grupo FAB) (Sistema de classificação FAB) (Br J Haematol 1976) Grupo de Estudos Cooperativos da classificação morfológica-imunológica-citogenética (MIC) (Classificação MIC) (Cancer Genet Cytogenet 1986 e Br J Haematol 1988) Classificação MIC + genética molecular (Classificação MIC-M) (J Clin Pathol 1998) Classificação dos tumores dos tecidos hematopoético e linfoide da organização mundial de saúde (WHO) (WHO 2001)

9 Classificação das leucemias em humanos Grupo de Estudos Franco-Americano-Britânico (grupo FAB) (Sistema de classificação FAB) (Br J Haematol 1976) Grupo de Estudos Cooperativos da classificação morfológica-imunológica-citogenética (MIC) (Classificação MIC) (Cancer Genet Cytogenet 1986 e Br J Haematol 1988) Classificação MIC + genética molecular (Classificação MIC-M) (J Clin Pathol 1998) Classificação dos tumores dos tecidos hematopoético e linfoide da organização mundial de saúde (WHO) (WHO 2001)

10 Classificação das leucemias em humanos Grupo de Estudos Franco-Americano-Britânico (grupo FAB) (Sistema de classificação FAB) (Br J Haematol 1976) Grupo de Estudos Cooperativos da classificação morfológica-imunológica-citogenética (MIC) (Classificação MIC) (Cancer Genet Cytogenet 1986 e Br J Haematol 1988) Classificação MIC + genética molecular (Classificação MIC-M) (J Clin Pathol 1998) Classificação dos tumores dos tecidos hematopoético e linfoide da organização mundial de saúde (WHO) (WHO 2001)

11 Classificação das leucemias em humanos

12 Classificação das leucemias em animais Grupo de Estudos da Leucemia Animal (ALSG) da SAPCV (Vet Clin Pathol 1991) Classificação dos tumores hematopoéticos da organização mundial de saúde (WHO) publicada pelo Instituto de Patologia das Forças Armadas (AFIP) (AFIP 2001)

13 Classificação das leucemias em animais Grupo de Estudos da Leucemia Animal (ALSG) da SAPCV (Vet Clin Pathol 1991) Classificação dos tumores hematopoéticos da organização mundial de saúde (WHO) publicada pelo Instituto de Patologia das Forças Armadas (AFIP) (AFIP 2001)

14 Classificação das leucemias em animais Grupo de Estudos da Leucemia Animal (ALSG) da SAPCV (Vet Clin Pathol 1991) Classificação dos tumores hematopoéticos da organização mundial de saúde (WHO) publicada pelo Instituto de Patologia das Forças Armadas (AFIP) (AFIP 2001)

15 Classificação das leucemias em animais

16 Classificação das leucemias Classificação morfológica-imunológica-citogenética (baseada na classificação FAB) fenotipagem imunofenotipagem citogenética morfologia imunologia genética citologia/histologia, citometria de fluxo, análise citogenética citoquímica/histoquímica imunocitoquímica e e microscopia eletrônica imuno-histoquímica

17 Classificação dos tumores hematopoiéticos

18 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos

19 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos

20 Glossário Mieloide myelos (grego) = medula. oid = terminação que significa relativo a ou derivado da. eidos (grego) = forma. myelos miel eidos = oid oide mieloide Mieloide refere-se a tudo que é relativo ou derivado da medula.

21 Glossário Mieloide 1) Qualquer célula produzida pela medula óssea. 2) Qualquer célula não linfoide produzida pela medula óssea. 3) Qualquer célula não linfoide produzida pela medula óssea, mas que também não pertença as linhagens eritroide, megacariocítica ou monocítica, ou seja, apenas granulócitos e seus precursores.

22 Glossário Mieloide 1) Qualquer célula produzida pela medula óssea. 2) Qualquer célula não linfoide produzida pela medula óssea. 3) Qualquer célula não linfoide produzida pela medula óssea, mas que também não pertença as linhagens eritroide, megacariocítica ou monocítica, ou seja, apenas granulócitos e seus precursores.

23 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos

24 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA)

25 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC)

26 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos

27 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos Síndromes mielodisplásicas (SMD)

28 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos Síndromes mielodisplásicas (SMD) Tumores de mastócitos Mastocitomas e mastocitoses

29 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos Síndromes mielodisplásicas (SMD) Tumores de mastócitos Mastocitomas e mastocitoses Tumores de histiócitos Histiocitomas, histiocitoses e sarcomas histiocíticos

30 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos

31 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas

32 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas Leucemias linfoides crônicas

33 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas Leucemias linfoides crônicas Linfomas

34 Classificação dos tumores Distúrbios mieloproliferativos hematopoiéticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas Leucemias linfoides crônicas Linfomas Discrasias plasmocitárias Mielomas e plasmocitomas

35 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos Síndromes mielodisplásicas (SMD) Tumores de mastócitos Mastocitomas e mastocitoses Tumores de histiócitos Histiocitomas, histiocitoses e sarcomas histiocíticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas Leucemias linfoides crônicas Linfomas Discrasias plasmocitárias Mielomas e plasmocitomas

36 Classificação dos tumores hematopoiéticos Distúrbios mieloproliferativos Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas DMC não leucêmicos Síndromes mielodisplásicas (SMD) Tumores de mastócitos Mastocitomas e mastocitoses Tumores de histiócitos Histiocitomas, histiocitoses e sarcomas histiocíticos Distúrbios linfoproliferativos Leucemias linfoides agudas Leucemias linfoides crônicas Linfomas Discrasias plasmocitárias Mielomas e plasmocitomas

37 Classificação das leucemias mieloides Leucemias mieloides* Leucemias mieloides* agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides* crônicas Síndromes mielodisplásicas (SMD) Doenças mieloproliferativas/mielodisplásicas *Leucemias não linfoides.

38 Classificação das leucemias mieloides Leucemias mieloides Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas Síndromes mielodisplásicas (SMD) Doenças mieloproliferativas/mielodisplásicas

39 Leucemias mieloides agudas Leucemia mieloide aguda minimamente diferenciada (LMA M0) Leucemia mieloide aguda sem maturação (LMA M1) Leucemia mieloide aguda com maturação (LMA M2) Leucemia promielocítica aguda (LMA M3) Leucemia mielomonocítica aguda (LMA M4) Leucemia monocitária aguda (LMA M5) Leucemia monoblástica aguda (LMA M5A) Leucemia monocítica aguda com maturação (LMA M5B) Leucemia eritroide aguda (LMA M6) Eritroleucemia aguda (LMA M6A) Mielose eritrêmica (LMA M6B) Leucemia megacarioblástica aguda (LMA M7) Leucemia basofílica aguda (LMA M8) Mielofibrose com panmielose aguda

40 Classificação das leucemias mieloides Leucemias mieloides Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas Síndromes mielodisplásicas (SMD) Doenças mieloproliferativas/mielodisplásicas

41 Distúrbios mieloproliferativos crônicos Leucemia mielógena crônica* Leucemia neutrofílica crônica Leucemia eosinofílica crônica Leucemia monocítica crônica Trombocitemia essencial Policitemia vera Mielofibrose idiopática crônica** Leucemia mastocitária Doença mieloproliferativa crônica não classificada *Previamente: leucemia granulocítica crônica. **Previamente: metaplasia mieloide agnogênica.

42 Distúrbios mieloproliferativos crônicos Leucemia mielógena crônica* Leucemia neutrofílica crônica Leucemia eosinofílica crônica Leucemia monocítica crônica Trombocitemia essencial Policitemia vera Mielofibrose idiopática crônica** Leucemia mastocitária Doença mieloproliferativa crônica não classificada *Previamente: leucemia granulocítica crônica. **Previamente: metaplasia mieloide agnogênica.

43 Leucemias mieloides crônicas Leucemia mielógena crônica* Leucemia neutrofílica crônica Leucemia eosinofílica crônica Leucemia monocítica crônica Leucemia mastocitária Doença mieloproliferativa crônica não classificada *Previamente: leucemia granulocítica crônica.

44 Classificação das leucemias mieloides Leucemias mieloides Leucemias mieloides agudas (LMA) Distúrbios mieloproliferativos crônicos (DMC) Leucemias mieloides crônicas Síndromes mielodisplásicas (SMD) Doenças mieloproliferativas/mielodisplásicas

45 Doenças mieloproliferativas/mielodisplásicas Leucemia mielomonocítica crônica Leucemia mieloide crônica atípica Leucemia mielomonocítica juvenil Doença mieloproliferativa/mielodisplásica não classificada

46 Classificação das leucemias linfoides Leucemias linfoides Leucemias linfoides agudas Leucemia linfoblástica aguda (LLA)* LLA 1 LLA 2 LLA 3 Leucemias linfoides crônicas Leucemia linfocítica crônica (LLC)** Leucemia de grandes linfócitos granulares Síndrome de Sézary *Pode ter origem B ou T. **Pode ter origem B, T ou NK.

47 Leitura adotada Fighera R.A. & Graça D.L Sistema hematopoético, p In: Santos R.L. & Alessi A.C. Patologia Veterinária. 2. ed. Roca, São Paulo.

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014

LEUCEMIAS AGUDAS. Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS Hye 2014 LEUCEMIAS AGUDAS APRESENTAÇÃO LEUCEMIA AGUDA LEUCEMIA CRÔNICA Início Abrupto Insidioso Morte Meses Anos Idade Todas Adultos Leucometria, N ou Elevada Morfologia Blastos Maturas

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Citologia das alterações leucocitárias

Citologia das alterações leucocitárias Citologi ds lterções leucocitáris Principis lterções leucocitáris recionis o Infecções bcterins e processos inflmtórios gudos: frequentemente há leucocitose com desvio à esquerd gerlmente esclondo nesss

Leia mais

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF

Leucemias. Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemias Gracy Canto Gomes Marcello Mestranda UFF Leucemia Neoplasia maligna das células das linhagens hematopoiéticas situada na Medula Óssea (M.O.). Mielograma Citologia aspirativa da Medula Óssea.

Leia mais

Módulo I Patologia dos linfonodos (Aula do dia 10/03/2010)

Módulo I Patologia dos linfonodos (Aula do dia 10/03/2010) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA LABORATÓRIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA ESPECIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS PTG 1001 Aulas do Professor Rafael Fighera Conteúdo

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição

Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição J Bras Patol Med Lab v. 47 artigo de Atualização Update paper Classificação dos tumores hematopoéticos e linfoides de acordo com a OMS: padronização da nomenclatura em língua portuguesa, 4ª edição Primeira

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Referente às síndromes mielodisplásicas, julgue os itens a seguir. 41 Segundo a classificação da Organização Mundial da Saúde (OMS), um indivíduo que apresente leucopenia com ausência de blastos no sangue

Leia mais

CID-O. Classificação Internacional de Doenças para Oncologia

CID-O. Classificação Internacional de Doenças para Oncologia CID-O Classificação Internacional de Doenças para Oncologia UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Reitor Vice-reitor Adolpho José Melfi Hélio Nogueira da Cruz EDITORA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Diretor-presidente

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ

CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ CAIO HENRIQUE NOGAROTTO BELLINI INCIDÊNCIA DE LEUCEMIAS DIAGNOSTICADAS POR IMUNOFENOTIPAGEM EM UM HOSPITAL ONCOLÓGICO DO NOROESTE DO PARANÁ MARINGÁ 2015 Academia de de Ciências e e Tecnologia Instituto

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes

Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Curso de Farmácia Programa de Educação Tutorial - PET Andrés Mello López Valquíria D. C. Antunes Sumário Introdução Leucemia

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN)

Mielograma. Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) MIELOGRAMA Medula Óssea Mielograma Esterno Crista ilíaca Tíbia (RN) Biópsia de Medula Óssea Crista ilíaca insere-se agulha para retirada de fragmento ósseo Mielograma (aspirativo) Biópsia de Medula Óssea

Leia mais

Neoplasias Hematológicas.

Neoplasias Hematológicas. Neoplasias Hematológicas. Marcos Fleury Faculdade de Farmácia UFRJ mkfleury@ufrj.br Neoplasias Hematológicas. São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células c hematológicas malignas ou

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA

Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA Índice HEMATOLOGIA NA PRÁTICA CLÍNICA PARTE I - PRINCÍPIOS BÁSICOS DE HEMATOLOGIA CAPÍTULO 1 - Introdução à Hematologia e Procedimentos Básicos de Laboratório, 3 Introdução à Hematologia, 4 O Microscópio,

Leia mais

Índice. A Abrale. O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde?

Índice. A Abrale. O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde? Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 11 12 18 19 A Abrale O que é plano de saúde? Qual órgão é responsável por cuidar dos planos de saúde? Quais os tipos de cobertura existentes nos planos de saúde? Há carência para

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Leucemia Linfoblástica Aguda

Leucemia Linfoblástica Aguda Leucemia Linfoblástica Aguda Entendendo a Leucemia Linfoblástica Aguda Um guia para pacientes e familiares Tradução Voluntária: Gisela Cristina Lopes Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 Proíbe a fabricação e a comercialização de refrigerantes que contenham a substância tóxica benzeno como ingrediente ou subproduto

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br

LEUCEMIAS. PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico. carmoao@terra.com.br LEUCEMIAS PROF. Ms. ALIPIO O CARMO Farmacêutico e Bioquímico carmoao@terra.com.br LEUCEMIA O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral Doenças hematológicas tumorais Leucemias Linfomas Mieloma múltiplo Macrogobulinemia de Waldenstrom: discrasia de células plasmáticas com

Leia mais

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Aguda (LMA) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Gisela Cristina Lopes Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1

DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNÓSTICO DAS SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS 1 DIAGNOSIS OF MYELODYSPLASTIC SYNDROMES 1 Andréa Silvestre Lobão COSTA 2, Maria Eugenia Furtado dos ANJOS 3, Ana Cristina Simões BELTRÃO 4 e Lacy Cardoso de

Leia mais

NEUTROPENIA CÍCLICA: COMO TRATAR?

NEUTROPENIA CÍCLICA: COMO TRATAR? NEUTROPENIA CÍCLICA: COMO TRATAR? Sandra Regina Loggetto Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia Hemo 2006 Recife - PE Definição Neutropenia cíclica: doença rara 0,5-1 caso/milhão pessoas Herança

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - AGES COLEGIADOS INTEGRADOS NÚCLEOS DE PESQUISA E EXTENSÃO. SEMANA DE ENFERMAGEM 2015.1 Educação para Paz

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - AGES COLEGIADOS INTEGRADOS NÚCLEOS DE PESQUISA E EXTENSÃO. SEMANA DE ENFERMAGEM 2015.1 Educação para Paz FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - AGES COLEGIADOS INTEGRADOS NÚCLEOS DE PESQUISA E EXTENSÃO SEMANA DE ENFERMAGEM 2015.1 Educação para Paz Apresentação Fazendo parte da agenda de ações para o enriquecimento

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas.

PORTARIA Nº 931, DE 2 DE MAIO DE 2006 Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. título: Portaria nº 931, de 02 de maio de 2006 ementa: Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas publicação: DOU - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 03 de

Leia mais

HEMATOLOGIA. Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B

HEMATOLOGIA. Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B HEMATOLOGIA Resposta às reclamações à chave da Prova Nacional de Seriação Internatos Médicos IM2011-A e IM2011-B Pergunta 1 do teste branco (21 do teste azul, 81 do teste amarelo) Relativamente à eritropoiese,

Leia mais

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA

I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA I NTERNATIONAL CONFERENCE ON ONCO-HEMATOLOGY CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM ONCO-HEMATOLOGIA March 13-15, 2014 13 a 15 de março de 2014 SCIENTIFIC COMMITTEE / COMITÊ CIENTÍFICO Dr. Celso Arrais Dr. Vanderson

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br C00-D48 CAPÍTULO II : Neoplasmas (Tumores) C00.0 Lábio superior externo C00.1 Lábio inferior externo C00.2 Lábio externo, não especificado C00.3 Lábio superior, face interna C00.4 Lábio inferior, face

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas

Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas J Bras Patol Med Lab v. 42 n. 2 p. 77-84 abril 2006 artigo original original paper Diagnóstico laboratorial das leucemias mielóides agudas Laboratory diagnosis of acute myeloid leukemias Primeira submissão

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS

IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS IMUNOFENOTIPAGEM DAS LEUCEMIAS MARCELO GUSTAVO DE PIER RESUMO A caracterização imunofenotípica tem sido o método preferencial para a determinação da linhagem celular e análise da maturação das células

Leia mais

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante.

17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. 17 de Abril de 2009. Leucemias agudas e crônicas Cai menos, mas é muito importante. Tipos de Leucemia Leucemia mielóide aguda () 45% Leucemia linfocítica crônica (LLC) 30% Leucemia mielóide crônica (LMC)

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante:

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante: DOENÇAS TRATÁVEIS Nestes casos, o tratamento com células estaminais e progenitoras hematopoiéticas é eficaz e está totalmente comprovado, padronizado e generalizado. Para algumas destas doenças, as células

Leia mais

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos

Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Leucemia Mieloide Crônica (LMC) Um guia para pacientes, familiares e amigos Tradução Voluntária: Fernanda de Souza Mello Revisão: Sílvia R Brandalise e Carmen C M Rodrigues Centro Infantil Boldrini Novembro

Leia mais

Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011

Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011 Chat com o Dr. Rodrigo Dia 10 de fevereiro de 2011 Tema: Leucemias - Em busca da Cura Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (17h às 18h30) Perguntas

Leia mais

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ

OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Introdução à classificação da OMS dos tumores do tecido linfóide (2008) José Carlos Morais UFRJ Wilks S. Cases of lardaceous disease and some allied affections, with remarks. Guys Hosp Rep 1856;17:103-3232

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

O SISTEMA IMUNOLÓGICO

O SISTEMA IMUNOLÓGICO Dr. Ricardo Bigni O SISTEMA IMUNOLÓGICO TRÊS NÍVEIS DE DEFESA PELE E MUCOSAS A IMUNIDADE INATA A IMUNIDADE ADQUIRIDA O SISTEMA IMUNOLÓGICO A RESPOSTA INATA TRÊS NÍVEIS DE DEFESA A RESPOSTA ADQUIRIDA BARREIRAS

Leia mais

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,..

Normocítica, normocrómica VGM 80-95 fl CHGM > 30 g/dl. Deficiências múltiplas. Falha medular (pósquimioterapia, por carcinoma,.. Patologia de eritrócito PATOLOGIA DO ERITRÓCITO - ANEMIAS: Quadro resumo Microcítica, hipocrómica VGM < 80 fl CHGM < 30 g/dl Deficiência de ferro Talassemia Anemia das doenças crónicas (alg. casos) Envenenamento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO CLINICAL CHARACTERISTICS OF CRONIC LYMPHOCYTIC LEUKEMIAS IN DOGS

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO CLINICAL CHARACTERISTICS OF CRONIC LYMPHOCYTIC LEUKEMIAS IN DOGS CIÊNCIAS AGRÁRIAS 68 REVISÃO DE LITERATURA CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO CLINICAL CHARACTERISTICS OF CRONIC LYMPHOCYTIC LEUKEMIAS IN DOGS Juliana Zanini Shimomura 1, Daniela

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Tema: Mielofibrose uma doença ainda desconhecida Total atingido de pessoas na sala: 27 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 Perguntas

Leia mais

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi Imunodeficiências Secundárias Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi O Imunodeficiência: é a falha do sistema imune em proteger contra doença ou malignidade.

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER

CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CODIFICAÇÃO DE TUMORES E CLASSIFICAÇÕES UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÕES PADRONIZADAS UTILIZADAS EM REGISTROS DE CÂNCER CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS - 10ª Revisão (CID-10) CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2)

COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Anexo COMENTÁRIOS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS PARA ONCOLOGIA SEGUNDA EDIÇÃO (CID-O/2) Os Registros Hospitalares de Câncer utilizam para codificar os tumores (topografia e histologia),

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante.

Raniê Ralph Semio 2. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação. O hemograma é um exame complementar muito importante. 01 de outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Hemograma Interpretação O hemograma é um exame complementar muito importante. Doenças do sangue Anemias Doenças hemorrágicas: hemofilia, cirrosse hepática,

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente.

Caderno de Prova. Hematologia e Hemoterapia. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente. Secretaria de Estado da Saúde de SC (SES/SC) Processo Seletivo para Médico Residente Edital 02/2008 Caderno de Prova P6 Hematologia e Hemoterapia Dia: 16 de novembro de 2008 Horário: das 14 às 16 h Duração:

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

A IMPORTANCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS CLIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA SUBMETIDOS A TRANSPLANTE DE MEDULA OSSEA

A IMPORTANCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS CLIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA SUBMETIDOS A TRANSPLANTE DE MEDULA OSSEA A IMPORTANCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS CLIENTES PORTADORES DE LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA SUBMETIDOS A TRANSPLANTE DE MEDULA OSSEA Pereira, Isabele Santana Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA Pedido de Credenciamento de Programa Nome Completo da Instituição Hospital Universitário Professor Edgard Santos / Universidade Federal da Bahia Endereço Completo

Leia mais

CATARINA MARIA SOUSA MAIA

CATARINA MARIA SOUSA MAIA LEUCEMIA NO CÃO Relatório Final de Estágio Licenciatura em Medicina Veterinária CATARINA MARIA SOUSA MAIA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VILA REAL, 2008 Júri de Apreciação Presidente: 1º Vogal:

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS

ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS ATLAS VIRTUAL DE LEUCÓCITOS (2013) ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS E SUAS RELAÇÕES COM PATOLOGIAS. PARA QUE SERVE? E COMO SE INTERPRETA? Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José

Leia mais

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA

LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA LEUCEMIAS AGUDAS NA INFÂNCIA Dr. Roberto Augusto Plaza Teixeira - 2004 Centro de Hematologia de São Paulo HISTÓRICO - 1846 - Virchow ( Alemanha) 1870 - Neumann 1905 - Naegel 1919 - Hirschfeld Definição

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

TEMA: Uso de filgrastim (Granulokine ) em oncologia: indicações e riscos

TEMA: Uso de filgrastim (Granulokine ) em oncologia: indicações e riscos Data: 26/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: Uso de filgrastim (Granulokine ) em oncologia: indicações e riscos Sumário 1. Resumo executivo... 2 1.1 Recomendação... 2 2. Análise

Leia mais

ROSANA MORAIS LAMEGO

ROSANA MORAIS LAMEGO ROSANA MORAIS LAMEGO Transplante alogênico de células-tronco hematopoiéticas com doador familiar HLA-idêntico para leucemias agudas: Análise dos dados do Serviço de Transplante de Medula Óssea do Hospital

Leia mais

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Doenças Hematológicas Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Sangue Tecido fluido: porção celular em meio líquido (plasma) Porção celular: 45% do volume Plasma: 55% restantes Responde por 7% do peso corporal 5 litros

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE

Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE 1 Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Ano: 2008 RESUMO SOBRE O SISTEMA IMUNE O sistema imune tem como principal finalidade a defesa do organismo contra as doenças infecciosas, ou seja, resistência

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Sessão Clínica Inter-hospitalar da Sociedade Médica dos Hospitais da Zona Sul Hospital de Caldas da Rainha Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Catarina Louro Orientador:

Leia mais

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Hematologista Clínico

Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014. Médico Hematologista Clínico Comissão de Processos Vestibulares 09/02/2014 Médico Hematologista Clínico Comissão de Processos Vestibulares PROCESSO SELETIVO - HUAC 09 de fevereiro de 2014 Nível Superior Médico Hematologista Clínico

Leia mais

Assistência de Enfermagem ao cliente portador de Disfunções Hematológicas REVISÃO DO SISTEMA HEMATOLÓGICO Sistema hematológico Consiste no sangue e no local onde este é produzido, a medula óssea. O sangue

Leia mais

A PESQUISA E SUA OBRA

A PESQUISA E SUA OBRA A PESQUISA E SUA OBRA José Norberto Sousa Lopes 1 RESUMO: Este artigo se trata de um relato pessoal sobre a experiência de um Mestrando em Educação da Universidade Cidade de São Paulo-UNICID com a pesquisa

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

Nota técnica 12-2015

Nota técnica 12-2015 08/04/2015 Nota técnica 12 2015 Pesquisa da mutação do JAK2 em paciente com suspeita de policitemia vera SOLICITANTE: MM. Juiz de Direito Sérgio Castro da Cunha Peixoto, de Belo Horizonte NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais