4. RESULTADOS & DISCUSSÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. RESULTADOS & DISCUSSÃO"

Transcrição

1 6 4. RESULTADOS & DISCUSSÃO 4. Estudo do comportamento da decomposição total para o precursor na fase (Bi, Pb)- Obs. As amostras desta seção foram as resultantes de tratamento feito por DTA/TGA, e foram analisadas por DRX e MEV/EDS. Para ser iniciado o estudo dos tratamentos térmicos de forma otimizada, e minimizar o erro, se fez necessário descobrir o ponto de fusão do pó de (Bi, Pb)-, o que se dá através de análises calorimétricas por DTA e o TGA (já mencionadas no capítulo 0). Na figura 4 é possível identificar o intervalo de fusão, sendo este de 860ºC ± C até 87ºC ± C. A perda de massa se encontra em aproximadamente 4,5% ± 0,05% do total, provavelmente causada pela volatilização de chumbo, oxigênio e umidade. OBS: A PARTE SUPERIOR DAS CURVAS DE TRATAMENTO (DTA E TGA) É FORMADA ATRAVÉS DO AQUECIMENTO, E A PARTE INFERIOR REPRESENTA O COMPORTAMENTO DO RESFRIAMENTO. DTA TGA Figura 4. Taxa de aquecimento com ºC/min e resfriamento de 0,ºC/min.

2 Na figura 5 é possível identificar que a fusão ocorre entre 857ºC e 87ºC ± C. A perda de massa está aproximadamente em um percentual de 4,50% ± 0,05% sendo provavelmente causada pela volatilização do chumbo, oxigênio e umidade. 6 OBS: A PARTE SUPERIOR DAS CURVAS DE TRATAMENTO (DTA E TGA) É FORMADA ATRAVÉS DO AQUECIMENTO, E A PARTE INFERIOR REPRESENTA O COMPORTAMENTO DO RESFRIAMENTO. DTA TGA Figura 5. Taxa de aquecimento com 0ºC/min e resfriamento de 0,ºC/min. Na figura 6, é possível identificar o intervalo de fusão entre 864ºC até 87ºC ± C. A perda de massa está aproximadamente no percentual de 0% ± 0,05%, provavelmente devido a volatilização do chumbo, oxigênio e umidade. OBS: A PARTE SUPERIOR DAS CURVAS DE TRATAMENTO (DTA E TGA) É FORMADA ATRAVÉS DO AQUECIMENTO, E A PARTE INFERIOR REPRESENTA O COMPORTAMENTO DO RESFRIAMENTO.

3 64 DTA TGA 0,ºC/min. Figura 6. Taxa de aquecimento com 5ºC/min e resfriamento de Os resultados indicam que a perda de chumbo é significativamente maior para altos valores de taxa de aquecimento, sugerindo que o melhor procedimento para promover a futura recristalização da fase (Bi, Pb)-, deve usar as taxas de aquecimento menores.

4 4.. Resultados iniciais para Rota de Produção das Amostras Resultados preliminares para a busca da temperatura do patamar de decomposição peritética Foram feitas inúmeras têmperas, onde se variaram o tempo do patamar e a temperatura em que ocorre o processo de decomposição peritética. Paralelamente ao tratamento foram feitas as análises de DTA e TGA, tornando possível estimar o intervalo de temperatura para facilitar a procura das condições ideais e assim iniciar o procedimento. Contudo, após encontrar a temperatura de mudança de fase, ainda não seria possível estimar o tempo de decomposição peritética. O problema anterior mencionado teve solução através do estudo da microestrutura por MEV/EDS e da análise qualitativa feita por DRX. Observou-se que (Bi, Pb)- decompõe-se completamente após h a 884 C. Este resultado vale para a composição nominal aqui estruturada. A partir destes resultados tornou-se necessário aumentar o diâmetro do cadinho, para se fazer possível coletar uma quantidade maior de material, no intuito de viabilizar o uso do mesmo em todas as análises que precisaram ser feitas de forma subseqüente. Por este motivo, ocorreram algumas alterações que serão discutidas ainda neste capítulo.

5 66 4. Efeito dos cadinhos usados para Processamento Os resultados analisados nesta seção surgiram da necessidade de aumentar o diâmetro do cadinho, visando coletar uma quantidade de material suficiente, no intuito de viabilizar o uso do mesmo em todas as análises subseqüentes. 4.. Variando o diâmetro interno do cadinho (de mm para 5mm) Intensidade (%) Intensidade (%) A) Patamar para decomposição com tempo de :0h-884 C; Intensidade (%) Cadinho de diâmetro Maior Cadinho de referência Precursor- θ Figura 7: Difratogramas de DRX comparativos que mostram a decomposição da fase com o aumento do diâmetro interno do cadinho de prata.

6 B) Patamar para decomposição com tempo de h/884 C; Intensidade (%) Intensidade (%) Intensidade (%) θ 67 Cadinho de diâmetro maior Cadinho de referência Precursor- Figura 8: Difratogramas de DRX comparativos que mostram a decomposição da fase com o aumento do diâmetro interno do cadinho de prata.

7 68 c) Patamar para decomposição com tempo proposto de h-884 C; Intensidade (%) Intensidade (%) Intensidade (%) Cadinho de diâmetro maior Cadinho de referência Precursor Figura 9: Difratogramas de DRX comparativos que mostram a decomposição da fase com o aumento do diâmetro interno do cadinho de prata. θ

8 Através das análises de DRX (figuras 7, 8 e 9), foi possível verificar, que não houve mudanças nas condições já vistas para os cadinhos que possuíam o diâmetro interno menor (mm), usado com referência, quando o valor do tempo era de h. Para outros tempos menores de patamar, os resultados não se apresentavam satisfatórios, pois não ocorria a decomposição peritética total do material estudado, para tempos menores que h. Não houve a necessidade de se usar h de patamar por este apresentar um aumento na fragilidade estrutural e de surgimento de porosidades (Ver seção 4.4). 69 Para os cadinhos com diâmetro interno de 5mm, ao comparar as amostras que correspondem respectivamente aos patamares de decomposição peritética de h, h e,0h, foi possível observar que o resultado de DRX se repetia a favor do tempo de patamar de h. É possível que o resultado seja algo relacionado à espessura dos cadinhos, que diminui com o aumento do diâmetro interno, facilitando durante o tratamento, o transporte de oxigênio e dificultando o processo de convecção que ocorre dentro do mesmo no material precursor estudado. Por uma análise qualitativa feita através do programa X Pert HighScore, aqueles que tinham maior diâmetro detinham a maior quantidade da fase (Bi, Pb)- precursora, gerando uma dificuldade na difusão do material, dentro do cadinho de prata estudado, comprometendo a decomposição peritética total desta fase.

9 Usando o Cadinho com profundidade aumentada Figura 0. Estudo do comportamento da decomposição da fase em um cadinho de prata com profundidade aumentada em mm e diâmetro interno de mm. O tempo do patamar de decomposição foi de h. Todos os picos apresentados acima de 0% de intensidade são qualitativamente representados pela fase (Bi, Pb)- no difratograma do precursor.

10 Como foi possível observar na figura 0, para a pesquisa feita para encontrar uma melhor temperatura de decomposição, usando um cadinho de prata, teve sua profundidade aumentada em mm, mas diâmetro interno não alterado (mm), gerou resultados interessantes. Foi possível identificar que mesmo à 884ºC a fase precursora (Bi, Pb)- não é decomposta completamente. Não houve a necessidade de usar uma temperatura maior que 884ºC, pois dificultaria ainda mais a possível recristalização do material na fase, devido a diminuição do chumbo na composição durante o resfriamento (dificultando a recristalização devido à perda excessiva por volatilização deste elemento a uma temperatura acima do valor mencionado) Intensidade (%) C/h (Decomposição) 85 C (recristalização) Figura. DRX gerado a partir da rota de tratamento com decomposição à 884ºC e tempera a 85ºC, mantendo mesmas taxas de resfriamento e aquecimento com patamar de h. - representa a fase, (Bi, Pb)-. θ Os resultados da figuras 0 e mostram que a melhor condição para a rota de tratamento térmico estaria à 884ºC/ h (Ver seção 4.5) para o cadinho com profundidade aumentada de mm para 5 mm internamente com mistura na fase (Bi, Pb)- sem aditivos. Ao se fazer a análise de Rietveld, pôde-se constatar que houve uma recristalização

11 de aproximadamente 6% em massa de Bi- e 7% em massa de (Bi, Pb)- (ver figura 46). Os resultados sugerem que a perda de chumbo por volatilização durante o tratamento dificultou a formação da fase, e que a incompleta decomposição total gerou núcleos de recristalização que tornou fundamental para a reformação da fase precursora estudada Variação do volume interno dos cadinhos usados para o tratamento Foi visto que as mudanças nos cadinhos alteram os resultados, ou seja, devemos limitar as dimensões para continuarmos o tratamento. Segue abaixo a figura que mostra as dimensões dos cadinhos de Ag (prata) que foram usadas para a rota de tratamento. Cadinho com aumento de altura interna de mm para 5mm. Cadinho normal sem alteração - mm de diâmetro interno e mm de altura interna Cadinho com diâmetro interno aumentado de mm para 5mm. Figura. Foto de corte transversal mostrando as alterações propostas. As cores internas são para facilitar a visualização das alterações feitas dentro do cadinho de Prata.

12 A iniciativa em aumentar as dimensões internas do cadinho, onde será realizada grande parte do tratamento do material, estaria, como já foi escrito anteriormente, na necessidade de se obter uma maior quantidade do produto final, facilitando o estudo e evitando novos tratamentos e gasto adicional de matéria prima, além de problemas de reprodução de resultados por motivos diversos Resultados preliminares de MEV/EDS 4.4. Comparação entre os cadinhos com diferentes diâmetros internos É possível observar através dos resultados de MEV/EDS mostrados nas figuras, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 40, a formação de uma matriz clara e/ou acinzentada que se apresentou propícia a ser uma ou mais fases da família BSCCO, já que os resultados de DRX apresentaram a formação e/ou manutenção das mesmas. Também, foi observado que tanto no cadinho com espessura maior, quanto no de espessura menor se faz presente uma matriz com fases do sistema BSCCO, e algumas concentrações de óxidos, cupratos, e carbonatos: Abaixo estão as análises comparativas entre diferentes cadinhos usados (aumento do diâmetro interno): I) Foto da Borda interna do cadinho de prata patamar de decomposição de 0h0min. Nas figuras de MEV, relacionar os seguintes números por : - Estrutura rica em óxidos e carbonatos, - estrutura rica em 0 e, - estrutura rica em, 4- porosidade. A matriz acinzentada apresentou grande possibilidade de ser a fase (Bi, Pb)- (através dos dados de EDS), e a parte mais clara da matriz pode conter as fases 0 e. O corte foi feito longitudinalmente.

13 a) diâmetro interno maior (5mm) b) diâmetro interno padrão(mm) Figura. MEV Aumento de 000x Figura 4. Aumento de 000x II) Foto do Centro interna do cadinho de prata patamar de decomposição de 0h0min. a) diâmetro interno maior (5mm) b) diâmetro interno padrão (mm) 4 Figura 5. Aumento de000x Figura 6. Aumento de000x

14 75 III) Foto do centro interna do cadinho de prata patamar de decomposição de h. a) diâmetro interno maior (5mm) b) diâmetro interno padrão (mm) 4 Figura 7. Aumento de000x Figura 8. Aumento de000x Obs. Não foi possível obter informações da borda da amostra com diâmetro maior, pois ela se quebrou quando estava sendo feito o corte para o embutimento. IV) Foto da borda interna do cadinho de prata patamar de decomposição de h. a) diâmetro interno maior (5mm) b) diâmetro interno padrão (mm) Figura 9. Aumento de 000x 4 Figura 40. Aumento de 000x

15 V) Foto do centro do cadinho de prata patamar de decomposição de h. a) diâmetro interno maior (5mm) b) diâmetro interno padrão(mm) 76 4 Figura 4. Aumento de 000x Figura 4. Aumento de 000x As amostras analisadas por MEV/EDS das figuras 4 e 4 apresentam uma diminuição de porosidade próxima a lateral do cadinho de prata, onde é depositada a mistura, independente do diâmetro interno. Nos cadinhos de diâmetro maior (aumento de mm para 5mm), a análise de EDS apresentou uma decomposição parcial da fase (Bi, Pb)- (observado de maneira semi-quantitativa no EDS), com taxa de aquecimento de 5 C/min e patamares de decomposição de 884 C±ºC por :0h, h e h seguida de têmpera a água. As amostras que foram depositadas nos cadinhos com diâmetro interno original apresentaram uma resposta aceitável para este estudo na decomposição da fase (Bi, Pb)-, porém a que melhor demonstrou resposta positiva para este tipo de tratamento térmico foi a submetida a um tempo de patamar igual a h, pois submetida a um tempo de :0h não mostrou mudanças significativas na microestrutura analisada pelo EDS. A amostra submetida a h de tratamento apresentou, na microestrutura, aumento da porosidade em comparação com as de :0h e h. Independentemente do diâmetro interno do cadinho para um tratamento de h, têm-se assim, como conclusão preliminar, que o processamento térmico mais eficaz, é o que utiliza um patamar de h, após uma taxa de aquecimento de 5 C/min.

16 4.5 Comparativo das análises de susceptibilidade magnética entre o precursor e a referência obtida na rota de tratamento 77 É possível através de análise por susceptibilidade magnética AC verificar que existe uma queda por volta dos 06K no gráfico da figura 4, o que mostra a presença da fase supercondutora (Bi,Pb)-, confirmada pela análise de Rietveld apresentada na seção 4.6 figura 46. O resultado encontrado na figura 44 mostra a presença da fase supercondutora Bi- após a decomposição peritética e resfriamento lento, sendo que o sinal diamagnético é menos intenso que o apresentado pela amostra do precursor. O difratograma apresentado na figura 47 e a análise de Rietveld mostram que a amostra recristalizada apresentava menos do que 0% em massa de Bi-, o que está de acordo com o resultado de susceptibilidade magnética. Depois de definir o diâmetro do cadinho de prata para usar no tratamento (ficou estabelecido apenas o aumento de profundidade e manteve-se o diâmetro interno), procurou-se fazer algumas análises de DRX para entender melhor se ocorre ou não a formação de fase amorfa e se o aumento da cristalinidade é aparente. Na figura 45 é possível estimar a temperatura ideal que a análise de DRX apresentou como aceitável, lembrando que o tempo de patamar foi de h. massa - Análise Rietveld). Figura 4. Análise de susceptibilidade magnética. Precursor- (>95% em

17 78 Figura 44. Análise de susceptibilidade magnética da recristalização a 85ºC ±ºC com patamar de 884 C/h - (<0% em massa - Análise Rietveld). Intensidade (%) C/h 0 Intensidade (%) C/h 0 00 Intensidade (%) C/h e 0min Intensidade (%) Precursor (Bi,Pb) θ Figura 45. Difratogramas de raios-x mostrando o material precursor e a decomposição da fase Bi- em função do tempo de permanência a 884 o C. O número representa a fase (Bi, Pb)-.

18 Constatou-se que a fase (Bi, Pb)- não se decompôs totalmente para o tempo de patamar de h e 0 min. O aumento de 0 min resultou na decomposição e ausência da fase (Bi, Pb)-, sugerindo assim o uso do tempo de h, para o patamar Fechamento dos resultados preliminares a partir dos dados coletados nas seções 4., 4., 4.4 e 4.5 Estando bem fundamentadas e estabelecidas as condições iniciais a serem usadas para o tratamento térmico a preocupação foi interpolar os resultados até encontrar um ponto que estabelecesse as condições ótimas para o resultado desejado (aumento da fase (Bi, Pb)- por recristalização a partir da fusão peritética). Partindo desta premissa, fez-se uma têmpera a 85ºC partindo das condições inicias já mencionadas, e seguindo o padrão de aquecimento. No resultado analisado por DRX, observou-se apenas cerca de 7% da fase (Bi, Pb)-, como pode ser observado na figura 48 a seguir, e levando em conta que foi gerado a partir do material precursor (Bi, Pb)- mostrado pela análise de Rietveld na figura 46. Figura 46: Análise de Rietveld do precursor na fase (Bi, Pb)- [4].

19 C Intensidade θ Figura 47. DRX não normalizado. Amostra com tratamento de pó precursor na fase (Bi, Pb)- com taxa de aquecimento de 5 C/min e patamar de 884 C± C de patamar por h e logo em seguida um resfriamento a 0, C/min até 85 C com têmpera. O número representa a fase 0, a fase e a fase.

20 8 0 (Sr,Ca)CuO Ag Figura 48. Rietveld de amostra da DRX feita com processamento térmico com taxa de aquecimento de 5 C/min até 884 C/h seguido de resfriamento lento de 0, C/min com têmpera na temperatura 85 C.[4] A figura 48 mostra o comportamento da fase (Bi, Pb)-, quanto a sua recristalização durante o tratamento térmico. A análise apresentou uma recristalização da fase em questão, no valor percentual de 7,6% ± 0,7%. Verificou-se, então, que existe a possibilidade da recristalização e que a quantidade recristalizada pode não ter sido maior por haver durante o tratamento uma perda considerável de Pb, e que a janela de recristalização pode não se encontrar na temperatura de 85 C ± ºC.

21 4.7 Conclusões preliminares sobre decomposição total e recristalização da fase (Bi, Pb)- 8 ) O melhor tratamento para a completa decomposição do precursor até o presente momento, está na faixa de 884oC/h; ) É preciso encontrar uma técnica de tratamento térmico para minimizar a volatilização do chumbo; ) Feita uma têmpera à 85oC±ºC, pôde-se observar a recristalização da fase (Bi, Pb)-, porém a quantidade encontrada ainda não é aceitável. 4) Variáveis que dificultam o aumento da recristalização da (Bi, Pb)-: A) Equilíbrio termodinâmico da (Bi, Pb)- é bastante estreito; B) Cinética de formação da (Bi, Pb)- é muito lenta; C) Existe a formação das fases 0 e antes da (Bi, Pb)-; D) Volatilização do chumbo é elevada, e dificulta a recristalização da fase estudada Estudos referentes ao uso dos aditivos Ag e PbO A partir das têmperas produzidas no forno caixa, com material depositado em um cadinho de prata com diâmetro interno de mm e 5mm de altura interna, com mm de espessura, durante a procura da rota de tratamento mencionada no item anterior, serão feitas análises de MEV/EDS e DRX destas amostras temperadas. Vale salientar que este processo será apresentado para as quatro possibilidades de tratamento, mencionadas logo abaixo: ) mistura de com adição de Ag; ) mistura de com adição de PbO; ) mistura de com adição de Ag e PbO, fazendo-se combinações entre os percentuais de Ag e PbO. 4) Deposição de camada de PbO sobre no cadinho de prata (figura ).

22 4.8. Análise do comportamento da dosagem de PbO no pó precursor na fase, na ausência de prata 8 O esquema logo abaixo mostra uma processo de tratamento térmico para obtenção da menor temperatura de decomposição peritética com o uso da adição de Ag (prata). h h h h h Figura 49: Representação esquemática da rota de tratamento térmico que será estudada. T, T, T,... até Tn, representam as temperaturas localizadas nos patamares de h, onde ocorrerá a possível decomposição peritética. Todas as condições correspondentes às rotas de tratamento que virão a seguir estão indicadas na parte superior das figuras de DTA e TGA. Os resultados desta seção foram obtidos por amostras de DTA/TGA. Vale lembrar que este processo se inicia pela procura da temperatura versus percentual de prata em massa, a partir dos resultados observados até a seção 4.7 deste capítulo. Para uso de referência será usada a temperatura inicial de 884 C/h para decomposição peritética, e uma têmpera a 85 C± ºC. Têm-se como dados recolhidos os valores de transformação térmica do DTA e a quantidade de perda de massa durante o processo pelo TGA. Todos os dados iniciais através das duas análises anteriores

23 mencionadas serão coletados, e o processo se repetirá no forno caixa, onde pode-se obter os resultados necessários, para após este processo compará-los com as figuras 46 e I - Estudo do efeito da adição de 5%, 0% e 5% de Prata Os valores de 5%, 0% e 5% de Ag em massa foram usados a partir dos dados recolhidos na referência [8], porém nesta mesma referência o material usado se encontrava na fase. A) Estudo da adição de 5% de Ag em massa DTA TGA Figura 50: Análise de DTA/TGA com adição de 5% de Prata em massa adicionados em uma matriz cerâmica na composição (Bi, Pb)-. Rota de tratamento de 0 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 400 C.

24 No gráfico acima é possível observar que o momento de transição de fase ocorre a 870 C e termina a 876 C aproximadamente. Ao se observar o DTA usado como padrão (figura ), comparado ao de 5% de Ag em massa, a diminuição da temperatura ocorreu de 884 C (com ausência de Ag) para 876 C (com a adição de 5% de Ag) na amostra de (Bi, Pb)-. No TGA houve perda de massa total de,7%, sendo este causado pela perda de oxigênio e Pb. 85 Ag 0 CaPbO4 (Sr, Ca)CuO Figura 5: Rietveld da adição de 5%Ag em massa. Resultado tirado após o tratamento térmico feito no DTA/TGA em cadinho de alumina. Rota de tratamento de 0 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 400 C.[4] Com adição de 5% de Ag na mistura de (Bi, Pb)-, com rota de tratamento gerada no DTA/TGA (Rota de tratamento de 0 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 400 C), verifica-se pela análise quantitativa da figura 5, que a fase (Bi,

25 Pb)- não recristaliza e que a estrutura de maior percentual em massa é a fase 0 do sistema BSCCO. 86 B) Estudo da adição de 0% de prata em massa DTA TGA Figura 5: Análise de DTA/TGA com adição de 0% de Prata em massa adicionados em uma matriz cerâmica na composição (Bi, Pb)-. Rota de tratamento de 0 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 400 C. No gráfico mostrado na figura 5 anterior, foi possível obter com 0%Ag uma variação de temperatura de decomposição de 884 C ± C (com material sem Ag), para 87 C ± C. No TGA houve perda de massa de,% sendo esta causada pela perda de oxigênio e Pb. Contudo, em comparação com o TGA de 5% de Ag, ocorreu uma diminuição na perda de massa total.

26 87 Counts C- Tratamentos no forno caixa 0%Ag-865C Position [ Theta] Figura 5: DRX de 0%Ag em massa, adicionados em pó precursor na fase (Bi,Pb)-, tratamento feito no forno caixa, a partir dos resultados obtidos pelo DTA/TGA. Taxa de aquecimento de 5 C/min, patamar de decomposição de 87 C/h e resfriamento de 0, C/min, seguido de têmpera a 865 C± C. O gráfico representado na figura 5 mostra uma têmpera a 865 C ± C no forno caixa, que apresenta qualitativamente a fase (Bi, Pb)-, mostrando que ainda é necessário um valor maior na temperatura para que haja uma diminuição considerável da mesma, sendo possível através disso dar continuidade ao tratamento térmico de decomposição e possível recristalização da fase mencionada.

27 88 Counts 0%Ag-875C 000 +Ag 000 x x x x +x x x x Ag x +Ag x x+ag xx Ag x x Ag x Position [ Theta] Figura 54: DRX de 0%Ag em massa adicionados a fase precursora (Bi, Pb). Taxa de aquecimento de 5 C/min, patamar de decomposição de 87 C/h e resfriamento de 0, C/min, seguido de têmpera a 85 C± C. Nos dois gráficos anteriores (figuras 5 e 54) observa-se que não houve a decomposição total da fase (Bi, Pb)- precursora, sendo que o segundo apresenta uma maior decomposição à 87ºC±ºC. A partir destes resultados foi feito, então, um pequeno aumento no percentual de prata (Ag) no valor de 5% da massa total de pó precursor, pois ao se aumentar da quantidade deste material, ou seja, aumentando os pontos de contato de prata com o material pode-se criar uma maior área de contato, facilitando a fusão peritética de toda a amostra.

28 89 0 Ag (Sr, Ca)CuO CuO Figura 55: Rietveld da adição de 0%Ag em massa. Resultado tirado após o tratamento térmico feito no forno caixa. Taxa de aquecimento de 5 C/min, patamar de decomposição de 87 C/h e resfriamento de 0, C/min, seguido de têmpera a 85 C± C.[4] Com adição de 0% de Ag na mistura de (Bi, Pb)- (como mostrado na figura 55), e rota de tratamento gerada no forno caixa (Rota de tratamento de 5 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 85 C±ºC e patamar de recristalização peritética de 875 C) verifica-se pela análise quantitativa da figura 55, que a fase (Bi, Pb)- recristaliza com % em massa e que a estrutura de maior formação percentual é a fase 0 do sistema BSCCO.

29 90 C) Estudo da adição de 5% de prata em massa Counts C à 85C com 5%Ag 000 Ag 000 x x x Position [ Theta] Figura 56: DRX com recristalização da fase (Bi, Pb)- à 85ºC ±ºC com patamar de 87ºC/h com 5%Ag em massa adicionadas na mistura. Tratamento feito no forno caixa com taxa de aquecimento de 5 C/min e de resfriamento de 0, C/min. Através da análise qualitativa feita no DRX da figura 56, verificou-se que a amostra é acentuadamente cristalina. Contudo, a linha de base do difratograma sugere uma diminuição aparente da cristalinidade do sistema, talvez causada pela pouca quantidade de material usado no porta amostra do DRX e com isso o vidro da base do porta-amostras pode contribuir significativamente para o sinal medido, fornecendo este resultado (veja o DRX do porta amostra no anexo).

30 9 DTA TGA Figura 57: Análise de DTA/TGA com adição de 5% de Prata em massa adicionados em uma matriz cerâmica na composição (Bi, Pb)-. No TGA mostrado na figura 57, houve perda de massa total de 0,9%, sendo este causado pela perda de oxigênio e Pb. Contudo, em comparação com o TGA de 5% de Ag ocorreu uma diminuição na perda de massa total em comparação com os resultados de 5% e0% de Ag. Ao analisar os DTAs de 5%, 0% e 5% de Ag em massa, foi possível observar que com adição de 5% de Ag na fase precursora (Bi,Pb)-, houve uma alteração significativa da temperatura de decomposição peritética, porém com a adição de 0-5% de Ag em massa, não foi possível observar uma mudança considerável. Em comparação com a temperatura de transformação de fase de 0% de Ag em massa, para a adição de 5% de Ag em massa, houve apenas C de diferença, o que está dentro do erro do próprio equipamento, fazendo assim concluir que o valor máximo de Ag adicionado a ser usado para o tratamento, se encontra a 5% de Ag em massa, e que qualquer valor acima deste, se encontra no estado de saturação.

31 9 Ag 0 CaPbO4 Figura 58: Rietveld de 5% de Ag em massa nas condições estabelecidas e obtidas na figura 57 de DTA/TGA da mesma. Rota de tratamento de 0 C/min de aquecimento, 0, C/min para resfriamento até 400 C. [4] Foi encontrado um percentual em massa em aproximadamente de % da fase (Bi, Pb)- como apresentado na figura 58. Um motivo que leva a não usar este percentual está ligado à otimização do uso de prata no intuito de minimizar a volatilização do Pb na composição do material estudado, facilitando a recristalização do mesmo, e os resultados anteriores de MEV/EDS e DRX mostram que a mudança de 0% de Ag em massa para 5% de Ag em massa não fornecem resultados com diferenças significativas.

32 9 II - Discussão comparativa entre os percentuais de Ag Figura 59: DRX das amostras de DTA/TGA de 5%, 0% e 5%Ag em massa. As três linhas paralelas e verticais na figura 59 anterior indicam as intensidades e os ângulos em DRX que mais evidenciam a fase (Bi, Pb)-. Os percentuais desta fase precursora se encontram com maior evidência para adições de 5% e 5%Ag em massa,

2. O SISTEMA Bi-Sr-Cu-Ca-O

2. O SISTEMA Bi-Sr-Cu-Ca-O 38 2. O SISTEMA Bi-Sr-Cu-Ca-O 2.1. Estruturas Cristalinas e composição química Os supercondutores do sistema Bi-Sr-Ca-Cu-O (BSCCO) são identificados como membros da série homóloga Bi 2 Sr 2 Ca n-1 Cu n

Leia mais

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior RELAÇÃO DO TEMPO DE SINTERIZAÇÃO NA DENSIFICAÇÃO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM CÉLULAS À COMBUSTÍVEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Célula à combustível é um material eletroquimico em

Leia mais

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão 5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão Considerando o tamanho nanométrico dos produtos de síntese e que a caracterização por DRX e MEV não permitiram uma identificação da alumina dispersa

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica

Análise Térmica. Universidade Federal de Juiz de Fora. Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química. Metodologia Analítica Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Metodologia Analítica Caracterização térmica do Oxalato de Cálcio monoidratado (CaC 2 O 4.H 2 O) por TG / DTA e

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante 1. Introdução O presente relatório apresenta os resultados referentes ao trabalho experiemental desenvolvido no periodo de março a Junho de 29. O trabalho foi desenvolvido nos laboratórios do grupo DIMARE

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co

6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co 6 Efeito do Tratamento Térmico nas Propriedades Supercondutoras e Microestruturas de Multicamadas Nb/Co Com objetivo de observar a possibilidade da formação de nanopartículas de Co por tratamento térmico,

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de:

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de: Problema motivador 01: qual a função da camada de material polimérico colocada sobre fios elétricos de cobre ou de alumínio? Problema motivador 02: qual a espessura da camada de tijolos de uma parede de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA

ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA ACOMPANHAMENTO DO ESTUDO DA CLORAÇÃO DE UM CONCENTRADO DE ILMENITA Aluna: Marcella Golini Pires Orientadores: Eduardo Brocchi e Ludy Margarita Cáceres Montero Introdução A metalurgia é a ciência que estuda

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método da maturidade

O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método da maturidade O efeito da cura térmica em concretos com cimento CPV ARI Plus pelos conceitos do método The effect of steam curing on concretes with CPV ARI Plus cement based on the Maturity methods concepts Autores:

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Energia cinética das precipitações Na Figura 9 estão apresentadas as curvas de caracterização da energia cinética aplicada pelo simulador de chuvas e calculada para a chuva

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA

SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Ciências da Vida - Odontologia SÍNTESE QUÍMICA DE NANOCERÂMICAS VISANDO APLICAÇÕES EM ODONTOLOGIA Moysés Barbosa de Araújo Junior 1 Alejandra Hortencia Miranda González 2 Palavras-chaves Nanocerâmicas;

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DO SUPORTE SILICOALUMINOFOSFÁTICO ATRAVÉS DA DIFRAÇÃO DE RAIOS-X OBTIDO COM DIFERENTES TEMPOS DE SÍNTESE Henryli Alecrim Sobreira¹, Thaise Gomes Pereira¹, Pedro Augusto de Silva Freitas¹,

Leia mais

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação

6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação 6 Constituição dos compósitos em estágio avançado da hidratação Este capítulo analisa a constituição dos compósitos com CCA com base nos resultados de análise termogravimétrica e microscopia. As amostras

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil.

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil. Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe Pontes, A.S.G.C. 1 (IC), Vasconcelos, A.F.F. 1,2 (PQ); Bicudo, T.C. 1 (PQ) Santos, I.M.G. 1 (PQ);

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com

ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) *camilaandr@gmail.com ESTUDO DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA LIGA Cu-7%Al-10%Mn-3%Ag (m/m) C. M. A. Santos (PG) 1*, R. A. G. Silva (PQ) 2, A.T. Adorno (PQ) 1 e T. M. Carvalho (PG) 1 1 IQ, Universidade Estadual Paulista, Campus

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Difração de raios X na fabricação de cimento Portland. Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC

Difração de raios X na fabricação de cimento Portland. Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC Difração de raios X na fabricação de cimento Portland Luciano Gobbo Especialista de Aplicação em DRX para Cimento - AMEC 1 Necessidade de análise quantitativa de fases 1. Propriedades mecânicas e características

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UMA ARGILA PARA USO EM CERÂMICA VERMELHA Auro Tanaka 1, José Marques Luiz, Rafael Fontebasso 1. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, UNESP Univ. Estadual

Leia mais

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente 3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente Este capítulo introduz um modelo evolucionário para a otimização dos parâmetros de uma construção de modo a minimizar o impacto da mesma sobre os

Leia mais

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2006 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um corredor de 100 metros rasos percorre os 20 primeiros metros da corrida em 4,0 s com aceleração constante. A velocidade

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR RESFRIAMENTO RADIAL EM SUCOS DILUÍDO E CONCENTRADO Rosana Araújo Cruz 1 (PVIC), Anna Carolina O. Martins 1 (PVIC), Rosilayne M. Oliveira Trindade 1 (PVIC), Thaís Rodrigues de

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS

QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS QUEDA NO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DO CATARINENSE É ACOMPANHADA POR PEQUENA DETERIORAÇÃO DA QUALIDADE DAS DÍVIDAS O percentual de famílias endividadas em Santa Catarina caiu de 93% em julho para 90% em agosto.

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO

ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA NA CARACTERIZAÇÃO DE CARBONO HIDROTÉRMICO Laís G. Fregolente ¹, Márcia C. Bisinoti 1, Altair B. Moreira 1, Odair P. Ferreira 2 ¹ Departamento de Química, IBILCE/UNESP, São José

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A.

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Materiais 22 CONBRASCORR

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

Capítulo 14. Pós-cura

Capítulo 14. Pós-cura Capítulo 14 Pós-cura O grau de interligação das resinas curadas a frio depende de muitas variáveis. As mais importantes são a taxa de liberação de radicais livres nas várias fases do processo, a arquitetura

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades LIVRO MATEMÁTICA 5 Resoluções das Atividades Sumário Módulo Fração Módulo Potências Módulo Sistema métrico decimal Módulo Fração Pré-Vestibular LIVRO MATEMÁTICA 5 0 C Analisemos a situação descrita e vejamos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA ALUNA LENAMIRIA CRUZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DISCIPLINA - FÍSICA EXPERIMENTAL ІІ CURSO ENGENHARIA DE ALIMENTOS DOCENTE CALHAU ALUNA LENAMIRIA CRUZ PRINCÍPIO DE PASCAL FEIRA DE SANTANA-BA,

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Laboratórios de Ciências do Ambiente I Módulo: Minas. Trabalho realizado a 16 de Abril de 2015

Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Laboratórios de Ciências do Ambiente I Módulo: Minas. Trabalho realizado a 16 de Abril de 2015 Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Laboratórios de Ciências do Ambiente I Módulo: Minas Trabalho realizado a 16 de Abril de 2015 Separação de Materiais Usando Propriedades Diferenciais: Separação

Leia mais

Fase Identifica um estado uniforme de

Fase Identifica um estado uniforme de DIAGRAMAS DE FASES Definições Fase Identifica um estado uniforme de matéria, não só no que se refere à composição química, mas também no que se refere ao estado físico. Número de fases numa mistura P 1

Leia mais

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional?

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Mauricio R.Suppa (GESTAL Ltda) Marcos Iuquinori Terada (GESTAL Ltda) Afim de se obter o máximo aproveitamento

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE E. C. RODRIGUES¹, H. S. ALMEIDA², J. C. F. REIS JR 1, A. C. P. A. SANTOS 1, P. R. O. BRITO 1 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

CAPACIDADE TÉRMICA E CALOR ESPECÍFICO 612EE T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA?

CAPACIDADE TÉRMICA E CALOR ESPECÍFICO 612EE T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA? 1 T E O R I A 1 O QUE É TEMPERATURA? A temperatura é a grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo. Ela caracteriza, portanto, o estado térmico de um corpo.. Podemos medi la

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO

ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO 09 a 1 de novembro de 014 Serra Negra SP - Brasil ANÁLISE COMPARATIVA DA DEGRADAÇÃO TÉRMICA DE COMPÓSITOS DE MATRIZ POLIMÉRICA DESENVOLVIDOS EM LABORATÓRIO COM O INDUSTRIALIZADO J.L.Sales 1, C.R.S.Morais

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

3 Materiais e Métodos

3 Materiais e Métodos 3 Materiais e Métodos Este capítulo apresenta as etapas experimentais e os materiais usados neste trabalho, assim como os equipamentos e as técnicas envolvidas no mesmo. 3.1. Materiais e Preparação de

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro

Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Novembro é um mês de reestruturação do padrão do endividamento e da inadimplência das famílias: uma preparação para o salto das vendas em dezembro Na comparação mensal entre outubro e novembro, o percentual

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira

ANÁLISE TÉRMICA. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira ANÁLISE TÉRMICA Análise Térmica - Thermal Analysis (TA) DEFINIÇÃO: Termo genérico para métodos pelos quais as propriedades físicas e químicas de uma substância ou mistura são determinadas em função da

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo.

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA São frequentemente usados três modos distintos

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO A cal hidratada é o principal agente alcalino, utilizado em larga escala para o tratamento de águas e de efluentes; devido as suas excelentes características físico-químicas, aliadas ao baixo custo e facilidade

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

Rio de Janeiro - Brasil Julho - 2011

Rio de Janeiro - Brasil Julho - 2011 PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGÉTICA EN LADRILLERAS ARTESANALES DE AMERICA LATINA PARA MITIGAR EL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE FORNO CERÂMICO TIPO CATENÁRIA DESENVOLVIDO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO SOLO DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ

ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO SOLO DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. APARELHAGEM... 3 5. EXECUÇÃO DO ENSAIO... 5 6. RESULTADOS...

Leia mais

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço Matéria prima A fundição é usada para fabricação de componentes acabados. Também p/ produzir lingotes ou placas que serão posteriormente processados em diferentes formas, tais como: vergalhões, barras,

Leia mais