Catálogo de Serviços DFS, Dezembro de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Catálogo de Serviços 2011. DFS, Dezembro de 2011"

Transcrição

1 Catálogo de Serviços 2011 DFS, Dezembro de 2011

2 Sendo o Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça, uma entidade prestadora de serviços, junto das restantes entidades do Ministério da Justiça; Tendo na sua génese o suporte e gestão da Rede de Comunicação da Justiça, bem como objectivo principal a satisfação das necessidades emergentes das diversas entidades do MJ, quer em termos de conectividade à rede, quer em termos de sistemas aplicacionais, quer em disponibilização de capacidade de processamento e de armazenamento de informação, sem perda de autonomia operacional para os diversos intervenientes; Potenciando economias de escala, rentabilizando investimentos e reduzindo custos operacionais, nas comunicações, nos espaços físicos de centros de dados e respectivos consumos de energia, ou através da disponibilização de recursos técnicos e de diversos serviços; Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 2

3 Dando resposta a um conjunto de questões colocadas, tais como: - O que faz o? - Que serviços presta o às entidades? - Que nível de serviço posso exigir ao e devo igualmente garantir? O entendeu, como forma de organização e comunicação dos serviços prestados, proceder à criação de um Catálogo de Serviços, que se constitui na ferramenta fulcral na apresentação dos seu serviços ao MJ. Este foi desenvolvido de forma clara e objectiva, evidenciando aspectos como a identificação e descrição dos serviços, e de variáveis do âmbito das infra-estruturas e suas responsabilidades, que permitirão a correcta definição dos níveis de serviço associados. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 3

4 O Catálogo de Serviços está naturalmente organizado em categorias de Serviços; sendo que as categorias, assim como os respectivos serviços que delas fazem parte, foram definidas tendo por base as vertentes de intervenção do, as tecnologias subjacentes, bem como uma análise comparativa com as boas praticas utilizadas, na organização da oferta deste tipo de serviços. O desenvolvimento do CATÁLOGO DE SERVIÇOS DO contribui para: Evidenciar a cultura de prestador de serviços de referência e excelência pretendida para o Garantir a competitividade e evolução da oferta do SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE SERVIÇOS DE SERVIÇOS SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS SERVIÇOS DE Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 4

5 SERVIÇOS DE CONECTIVIDADE SERVIÇOS DESCRIÇÃO Um dos objectivos do é providenciar uma infra estrutura de comunicações de dados que permita assegurar a conectividade para todos os locais activos pertencente ao MJ. Neste contexto foi definido que a capacidade mínima a instalar num determinado local seria de 2Mbps. No entanto, em função dos requisitos funcionais ou técnicos, poderão ser disponibilizadas diferentes capacidades em função da classificação e necessidades próprias desse local. Salienta se a disponibilização de ligações de elevado débito entre todos os locais entendidos como críticos, A segurança da rede está relacionada com a correcta definição e controlo do seu perímetro, pelo que o centraliza e consolida as infraestruturas de ligação ao exterior, nomeadamente acesso à Internet e ligação a Entidades Externas. REDE DE COMUNICAÇÕES DA JUSTIÇA (RCJ) INTERLIGAÇÃO COM ENTIDADES EXTERNAS ACESSO À INTERNET ACESSO REMOTOS À REDE O, através dos Operadores contratados, disponibilizará uma rede IP para interligação dos sites dos Organismos do MJ. Nesta rede serão configuradas VPNs por cada entidade, isolando dessa forma os respectivos tráfegos e garantindo uma gestão rigorosa e elevados níveis de segurança. O, tendo em conta a proximidade lógica de cada site aos seus Datacenters e a necessidade de um controlo rigoroso dos acessos do exterior à rede do MJ, disponibiliza um serviço para interligação a Entidades Externas em função dos requisitos funcionais dos Organismos. A ligação à Internet é hoje um imperativo técnico e funcional para suportar as comunicações entre pessoas e Organizações. O disponibiliza para todo o MJ uma ligação à Internet redundante e de elevado débito. A capacidade de se aceder à informação residente na rede da Organização a partir do exterior é um requisito crescente. Reconhecendo este facto, o disponibiliza e potenciará um serviço que garantirá um acesso remoto (ex: via Internet) seguro à rede do MJ para aceder a determinadas informações e serviços. Serviço disponível Serviço previsto Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 5

6 Rede de Comunicações da Justiça (RCJ) Serviços de Conectividade Serviço disponibilizado pelo no qual coloca à disposição uma infra estrutura de comunicações que interliga todos os organismos da Justiça. Neste contesto o presta serviços de gestão, administração e monitorização dos equipamentos de interligação com a rede de comunicações. Gere igualmente o contrato de comunicações de dados estabelecido com os diversos operadores. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção da rede com segurança física, redundância de energia. Garantia de existência de condições ambientais, arejamento e humidade nos locais dos equipamentos activos e passivos de rede. Disponibilização de pc ou equipamento que permita acesso à mesma. Responsabilidade e garantia de boas condições no local dos equipamentos de rede. Tecnologias para interligação: FastEthernet, XDSL, Ethernet, circuitos dedicados ponto a ponto VPN's. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 6

7 Acessos Remotos à Rede (VPN) Serviços de Conectividade Serviço disponibilizado pelo no qual permite que, através de qualquer ponto de acesso à Internet, se possa aceder através de canal seguro à rede de comunicações do Ministério da Justiça. O utilizadores são Organismos do MJ e externos a este, sendo usado não só para fins permanentes (acessos pelos técnicos do MJ para administração de equipamentos e acessos por entidades externas), como para eventos esporádicos (conferências, seminários e outros em que seja necessário demonstrar aplicações que só estejam disponíveis na rede do MJ). 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento da infra estruturas de Rede de suporte ao Serviço: Manutenção das contas de acesso. Ligação à Internet, por rede móvel. Seguimento das normas de segurança fornecidas pelo, com referencia ao nível de palavras passe fornecidas. VPN PC ligado à Internet, com software cliente Cisco VPN. WebVPN PC ligado à Internet, através de browser com certificado digital do. Rede de Comunicações da Justiça. Activos de Rede. Servidor de Proxy. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 7

8 Acesso à Internet Serviços de Conectividade O disponibiliza um serviço de acesso à Internet a todos os computadores ligados à Rede de Comunicações da Justiça. Com este serviço é igualmente garantido a despistagem a software malicioso, tais como vírus, trojans e spywares, etc. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento da infra estruturas de suporte ao Serviço Disponibilização e manutenção dos Proxies Rede de Comunicações da Justiça. Activos de Rede. Servidor de Proxy. Cumprir normas de segurança na navegação na Internet. Definição de eventuais restrições de acesso. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 8

9 SERVIÇOS DE INFRA SERVIÇOS DESCRIÇÃO Os Serviços de Infra estruturas contemplam um conjunto de serviços basilares e essenciais ao funcionamento dos SI/TI. É neste contexto que surge por exemplo o serviço de Gestão de Directório de Autenticação (Active Directory), cujo modelo adoptado para o MJ potenciará a interoperabilidade entre organismos e a respectiva mobilidade dos seus elementos dentro da rede do MJ, mediante os privilégios que estiverem definidos. Estes serviços potenciarão igualmente a rentabilização e utilização dos Datacenteres do, beneficiando o MJ das características de Disaster Recovery com que serão construídos, e das competências do elementos do que estarão preparados para responder aos mais diversos níveis de exigência dos Organismos: Níveis de Serviço, Segurança, etc. ALOJAMENTO DE EQUIPAMENTOS (HOUSING) ALOJAMENTO DE APLICAÇÕES (HOSTING) DIRECTÓRIOS DE AUTENTICAÇÃO RESOLUÇÃO DE DNS Este serviço consiste na disponibilização de espaço no Datacenter, tipicamente em bastidores, para alojar equipamentos, eservidores, que estarão sobre gestão e monitorização das equipas de Operação. Este serviço disponibiliza adicionalmente ao serviço anterior capacidade computacional numa determinada configuração técnica (sistema operativo, sgbd, etc.) onde poderão ser instaladas aplicações e software diverso. Este serviço beneficiará igualmente da conectividade e da equipa de Operação do Housing. Este Serviço de Directório é suportado na tecnologia Active Directory Services da Microsoft e estará configurado no modelo Floresta Única\Domínio Único. Neste contexto o assegurará a administração das infra estruturas que suportam este serviço e irá gerir os eventuais conflitos que surgirem. Alavancada na infra estrutura de acesso à Internet, O disponibiliza um serviço de gestão dos domínios de DNS, podendo também assegurar a interacção com as entidades responsáveis pela respectiva criação (ex: FCCN). O poderá também apenas disponibilizar um serviço de nameserver secundário. Serviço disponível Serviço previsto Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 9

10 Alojamento de Equipamento (Housing) Serviços de Infra Estruturas Alojamento físico no de equipamento informático, maioritariamente, servidores. Opcionalmente, o pode realizar / disponibilizar cópias de segurança e administração e operação de sistemas. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do Datacenter com segurança física, redundância de energia e rede de comunicações de alto débito. Condições ambientais de iluminação, arejamento e humidade controladas por sistemas redundantes. Responsabilidade pelos conteúdos redundância de energia rede de comunicações de alto débito. Condições ambientais de iluminação, arejamento e humidade controladas por sistemas redundantes. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 10

11 Alojamento de Aplicações (Hosting) Serviços de Infra Estruturas Alojamento de aplicações informáticas em equipamentos do. Acessoriamente, o pode ainda prestar os seguintes serviços: Administração e/ou operação dos sistemas; Realização de cópias de segurança. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento das diferentes aplicações e infra estruturas de suporte às mesmas. Backup de dados das aplicações. Servidores físicos e virtuais. Bases de dados As cópias de segurança criadas diariamente Responsabilidade pela manutenção da aplicação Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 11

12 Alojamento de Sites Serviços de Infra Estruturas Alojamento de sítios/portais Internet e Intranet. Suportado em Microsoft Sharepoint 2010, CPS, MOSS 2010 e plataformas abertas (PHP, MySQL, Joomla, Moodle, etc.) Utilizadores: MJ, Tribunais, GRAL, STJ,, IRN, SGMJ, STA, IGSJ, INML, DGSP, DGRS, CSM, Rede Judiciária Europeia, SGMJ, DGPJ. A tecnologia aconselhada pelo é o Microsoft Sharepoint Existem neste momento instaladas e colocadas à disposição dos Organismos do MJ, duas farms deste produto, uma para Intranets e outra para Sítios Internet. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento das diferentes infra estruturas de suporte ao Serviço. Backup de conteúdos. Carregamento de informação (num nº reduzido de sítios). Servidores físicos e virtuais. Responsabilidade pelos conteúdos. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 12

13 Directórios Autenticação (AD) Serviços de Infra Estruturas Facilidade para permitir a definição e a verificação da identidade digital dos utilizadores da rede, mediante a atribuição de um login e de uma palavra chave (com autenticação forte) ou a utilização de um cartão com certificado digital e um PIN. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção das infra estruturas Identificação dos utilizadores Tecnologia de suporte: LDAP AD Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 13

14 Resolução de Nomes (DNS) Serviços de Infra Estruturas Tendo por base a infra estrutura de acesso à Internet, o disponibiliza um serviço de gestão dos domínios de DNS. Assegura a interacção com as entidades responsáveis pela respectiva criação (ex: FCCN, CEGER). O poderá também apenas disponibilizar um serviço de nameserver secundário. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção das infra estruturas Identificação e gestão administrativa dos domínios Rede de Comunicações da Justiça. Activos de Rede. Servidor de Proxy. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 14

15 SERVIÇOS DE PRODUCTIVITY TOOLS Correio Electrónico Agenda Contactos As Ferramentas de Produtividade comportam um conjunto de serviços que foram os primeiros aspectos de colaboração a ter uma adopção total e abrangente nas organizações. Em parte esse sucesso deveu se à facilidade de comunicação e interacção que aportavam. Naturalmente o disponibiliza estes serviços de colaboração que incluem o Correio Electrónico, individual ou de grupo, mecanismos de Gestão de Agendas e Gestão de Contactos (Lista de Contactos Global do MJ) com a possibilidade de serem partilhados, contemplando igualmente outras funcionalidades típicas nestes ambientes como a definição de tarefas, disponibilização de áreas públicas, etc. REAL TIME COLLABORATION Telefonia IP \VoIP Áudio\Vídeo Conferência Instant Messaging Esta sub categoria de serviços centra se na comunicação em tempo real entre duas ou mais pessoas, no contexto de uma actividade específica ou de um grupo de trabalho, envolvendo diversos meios como texto (ex: partilha de aplicações), áudio (ex: Telefonia IP, Instant Messaging) e vídeo (ex: Vídeo Conferência). Estas soluções são particularmente úteis no suporte a equipas virtuais fisicamente dispersas, aumentando a respectiva produtividade por redução de tempos (e custos) com deslocações. Neste contexto salienta se a disponibilização de uma solução de Telefonia IP transversal ao MJ, suportada num Plano de Numeração Privado, que melhora significativamente a comunicação interna no MJ. Serviço disponível Serviço previsto Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 15

16 Correio electrónico (e mail) Serviços de Colaboração Exchange 2010 Justica.local: Correio electrónico suportado por Microsoft Exchange 2010 envio e recepção de mensagens. Filtragem de correio contra ataques, correio não solicitado (spam) e outras ameaças (vírus e outro malware). Betamail: Correio electrónico suportado por ferramenta livre betamail envio e recepção de mensagens. Filtragem de correio contra ataques, correio não solicitado (spam) e outras ameaças (vírus e outro malware). 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento da infra estrutura de suporte ao Serviço. Backup de conteúdos. Mailmarshall Responsabilidade pelo conteúdo. Cumprir normas de segurança envio/recepção de e mails disponibilizada pelo Servidor Microsoft Exchange Servidor Betamail (Post Fix, Atmail e Scalix). Infra estrutura centralizada. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 16

17 SARAS/IP Serviço de Aprovisionamento, Registo e Auditoria de serviços sobre IP Serviços de Colaboração A aplicação permite a cada Organismo fazer a gestão das funcionalidades dos seus telefones VOIP, nomeadamente: acesso on line da lista de extensões de todos os organismos alterar os nomes das extensões, o seu nível de acesso ao exterior e sigilo visualizar os consumos efectuados por extensão e locais definir número principal, criar utilizador no LDAP. O acesso é feito através do endereço https://sarasip.mj.pt 4. RESPONSABILIDADE S Manutenção da aplicação, incluindo integridade e segurança da mesma Credenciar utilizadores com perfis especiais Disponibilização do site 24 h/dia Prestar apoio técnico das 8 h às 20 h nos dias úteis, através do Tel , Fax: , Correio electrónico: Actualização dos conteúdos funcionais Solicitação de credenciais para utilizador(s) com perfil de gestão indicando nome, número da extensão voip (7XXXXX) e Organismo que pode gerir 5. INFRA Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 17

18 FoIP Fax sobre IP Serviços de Colaboração Este serviço permite a utilização da rede de dados para o envio e recepção de Fax a partir do computador pessoal, utilizando software cliente específico ou simplesmente um cliente de e mail, dispensando a utilização de equipamentos dedicados para este fim. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Suporte a aplicação Disponibilização de pc ou equipamento que permita acesso ao serviço Responsabilidade pelo conteúdo. Rede de dados (TCP/IP), software FacSys e mail. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 18

19 VoIP Serviços de Colaboração Este serviço permite a utilização da rede de dados para o envio de voz, ou seja, realização de chamadas telefónicas. Este sistema permite redução de custos substancial, com gratuitidade das chamadas entre telefones IP e redução substancial das chamadas para telefones móveis. Comunicações de Voz Serviços associados as comunicações de voz (voice mail, reencaminhamento, visualização de chamadas recebidas, efectuadas, números não atendidos, marcados e áudio conferencia) 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Infra estrutura da rede Activos de rede necessários e configurações Manutenção do servidor VOIP Rede do Ministério da Justiça Activos de rede Servidor de VOIP Call menager Manutenção do equipamento activo de telefonia (telefones) Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 19

20 Videoconferência Serviços de Colaboração Comunicação de vídeo e áudio entre organismos da rede de comunicações da Justiça e externos a esta. Disponibiliza o serviço de videoconferência multiponto e gateway. A utilização de videoconferência permite uma economia de meios no que se refere a tempo e custos de deslocação. Videoconferência ponto a ponto (2 intervenientes / equipamentos) Videoconferência multiponto (2 ou mais intervenientes / equipamentos) 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Infra estrutura da rede Activos de rede necessários e configurações Manutenção do servidor MCU Rede do Ministério da Justiça Activos de rede MCU no caso de ligações multiponto Manutenção do equipamento activo de videoconferência Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 20

21 Instant Messaging Msft Lync Serviços de Colaboração O Microsoft Lync é uma aplicação que une voz, mensagens instantâneas, audioconferências, videoconferências e Webconferências de forma simplificada. A ferramenta permite: Enviar e receber mensagens instantâneas Fazer chamadas telefónicas ou de vídeo pelo computador Participar em reuniões online interactivas 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Suporte ao Servidor Microsoft Lync Apoio ao utilizador Disponibilização de pc ou equipamento que permita acesso ao serviço e instalação da aplicação cliente. Responsabilidade pelo contudo Rede do Ministério da Justiça Activos de rede Servidor Microsoft Lync Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 21

22 SERVIÇOS SERVIÇOS DESCRIÇÃO Os Serviços Corporativos respondem directamente ao objectivo de disponibilização de serviços e plataformas corporativas de utilização generalizada através da utilização de plataformas de âmbito transversal. Estes tipicamente serão suportados por packages aplicacionais com elevado potencial de customização e adequação às diferentes necessidades funcionais, que contribuirão activamente para a modernização do MJ. O promoverá sempre uma criteriosa selecção de soluções destas packages aplicacionais e estabelecerá relações de parceria com os fornecedores no sentido de disponibilizar aos Organismos e respectivos utilizadores uma elevada qualidade no suporte e manutenção destas soluções. GESTÃO DOCUMENTAL E LEARNING INTRANET SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Serviço disponível A Gestão Documental é fundamental para o correcto tratamento e armazenamento dos documentos. O potencia no MJ a adopção e a utilização de uma plataforma transversal, flexível e robusta. O e Learning assume um papel relevante no assegurar da formação, sendo um elemento nuclear para garantir as necessárias valências ao desempenho funcional nas organizações. O disponibiliza uma plataforma com elevado potencial para servir os vários Organismos do MJ. O disponibiliza uma plataforma que suportará uma Intranet do MJ, adaptada às necessidades específicas de cada Organismo, potenciando uma imagem comum e a partilha de informação de interesse para todos. Os Sistemas de Informação Geográficos (SIG) aportam um elevado valor no suporte às actividades das organizações com uma forte dispersão geográfica. A disponibilização de uma plataforma SIG constituirá uma alavanca para a sua utilização modernização dos processos operacionais. Serviço previsto Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 22

23 Plataforma Gestão Documental (FileNet) Serviços Corporativos Disponibilização de plataforma (baseada no Software FileNet) da IBM para implementação de soluções uniformizadas de Gestão Documental por parte dos organismos do Ministério da Justiça. Acompanhamento das equipas de desenvolvimento dos organismos, disponibilizando know how sobre a plataforma FileNet. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Administração centralizada e manutenção correctiva e evolutiva da plataforma. Monitorização da utilização da plataforma. Suporte das instalações aplicacionais para os ambientes de qualidade e produção. Constituição e coordenação do Projecto de Gestão Documental Manutenção dos diferentes perfis de utilizadores do serviço Tecnologia de suporte: FileNet P8 SGBD Oracle Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 23

24 Plataforma de e learning Serviços Corporativos Alojamento da plataforma de e learning da Justiça Campus Virtual da Justiça. Endereço: learning.mj.pt/ Esta plataforma pretende cumprir os seguintes objectivos: 1. Dotar o Ministério da Justiça de um campus virtual, baseado sobre a plataforma Moodle, que permita albergar todas as tipologias de formação a distância nos moldes "elearning" e b learning ; 2. Numa fase inicial, formar elementos da DGAJ Direcção Geral da Administração da Justiça sobre procedimentos a assumir no Campus Virtual da Justiça, formação que a DGAJ fez nas instalações da Universidade Nova um curso de formação para o seu pessoal, no sentido de adquirir conhecimentos sobre administração e gestão da plataforma Moodle, bem como da estruturação de cursos.; 3. Criar um curso multimédia: após a conclusão das acções de formação efectuou se a construção do primeiro curso multimédia, subordinado ao tema "ATENDIMENTO AO PÚBLICO". 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento da infra estruturas de suporte ao Serviço. Backup de conteúdos. Servidor virtual Linux. Moodle BD MySQL Responsabilidade pelos conteúdos. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 24

25 Diário da Republica Electrónico Serviços Corporativos Disponibilização gratuita do DRE a todos os Organismos na Rede de Comunicações da justiça, no endereço Aos Magistrados Judiciais e do Ministério Público dos Tribunais superiores é também disponibilizado o acesso gratuito fora da rede através de VPN. 4. RESPONSABILIDADE S Proceder ao pagamento da assinatura ao INCM Atribuir uma assinatura digital Disponibilizar o CD para instalação do acesso via VPN, mediante pedido Disponibilização do site 24 h/dia O apoio relativo ao DRE é prestado pela IN Casa da moeda tel ou Apoio técnico às VPN das 8 h às 20 h nos dias úteis, através do Tel , Fax: , Correio electrónico: 5. INFRA Browser e Adobe Acrobat Reader (edição em formato pdf ) Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 25

26 SERVIÇOS SERVIÇOS DESCRIÇÃO O assume a sua missão como elemento pivot no MJ, integrando na sua oferta serviços mais tradicionais de desenvolvimento e manutenção aplicacional, fortemente alavancados no estabelecimento de parcerias com os respectivos fornecedores. Estes serviços contemplarão projectos de implementação de packages aplicacionais assim como também desenvolvimentos à medida. Ainda neste contexto, o disponibiliza serviços vocacionados para o ambiente WEB, nomeadamente o desenvolvimento e manutenção de sites. Para este efeito disponibilizará a capacidade para desenvolvimento de aplicações WEB e Webservices para serem integrados nesses sites. DESENVOLVIMENTO DE SITES DESENVOLVIMENTO WEB IMPLEMENTAÇÃO DE PACKAGES DESENVOLVIMENTO DE SOLUÇÕES À MEDIDA O acesso WEB, nomeadamente através da Internet, é cada vez mais um dos meios preferenciais no acesso a serviços e conteúdos. O, potenciando as suas valências internas, e parcerias com fornecedores, disponibiliza um serviço completo de desenvolvimento de sites, sejam de natureza mais institucional, sejam de natureza mais operacional. Sendo cada vez maior o recorço à utilização de miniaplicações web de âmbito restrito a um determinado processo ou actividade para serem disponibilizadas em Portais e Sites. O disponibiliza ao MJ competências para o desenvolvimento dessas aplicações e webservices. O mercado tem vindo a privilegiar a criação de produtos de software flexíveis e adaptáveis a diversas organizações em detrimento de soluções desenvolvidas internamente. O disponibilizará para o MJ os meios e procedimentos para as integrar nas suas infra estruturas, bem como o necessário suporte a estes packages aplicacionais. Situações existem em que o desenvolvimento à medida é a única solução para se endereçar uma determinada necessidade funcional. Neste contexto o disponibilizará um serviço interno, ou suportado na sub contratação de um parceiro, em que assegura a coordenação e implementação destas soluções. Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 26

27 SERVIÇOS APLICAÇÕES TRANSVERSAIS Identificam se dentro deste grupo um conjunto de aplicações de âmbito global ao MJ, tais como o Tmenu, a Plataforma de Intercâmbio de Informação na Justiça e a sua disponibilização de Webservices, quer mesmo o suporte e/ou disponibilização de aplicações do RAFE. APLICAÇÕES JUDICIÁRIAS Identificam se dentro deste grupo um conjunto de sistemas aplicacionais do suporte a todo o universos da estrutura judicial, seja de forma integrada ou individual. Civil Identificam se dentro deste grupo um conjunto de sistemas aplicacionais do suporte a todo o universos da estrutura registral das conservatórias. Automóvel APLICAÇÕES REGISTRAIS Predial Comercial Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 27

28 SERVIÇOS APLICAÇÕES TRANSVERSAIS Identificam se dentro deste grupo um conjunto de aplicações de âmbito global ao MJ, tais como o Tmenu, a Plataforma de Intercâmbio de Informação na Justiça e a sua disponibilização de Webservices, quer mesmo o suporte e/ou disponibilização de aplicações do RAFE. APLICAÇÕES JUDICIÁRIAS Identificam se dentro deste grupo um conjunto de sistemas aplicacionais do suporte a todo o universos da estrutura judicial, seja de forma integrada ou individual. Civil Identificam se dentro deste grupo um conjunto de sistemas aplicacionais do suporte a todo o universos da estrutura registral das conservatórias. Automóvel APLICAÇÕES REGISTRAIS Predial Comercial Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 28

29 TMENU Interface para pesquisas (parte do Projecto PIIJ) Aplicações Serviços Aplicações Judiciais Transversais TMENU Aplicação de consulta à informação de diversas bases de dados centrais sedeadas no. As Bases de dados disponibilizadas através deste serviço são: 1. Identificação Civil; 2. Pessoas Colectivas e Registo comercial(sircom); 3. Registo Automóvel; 4. Sistema de Identificação do Registo criminal e contumácia ( SICRIM) 5. Registo Predial 6. Registo de Reclusos 7. Acesso aos Dados das Operadoras de Comunicações (SAPDOC) através de um ficheiro encriptado O Acesso a estes serviços é efectuado na rede interna do Ministério da Justiça ou por ligação ( túnel IPSEC), podendo ter acesso à informação das bases de dados todas as entidades do Ministérios da Justiça ou fora do Ministério, mediante celebração de protocolo devidamente autorizado. No caso do Sistema de Acesso ou Pedido de Dados às Operadoras de Comunicações (SAPDOC) apenas é disponibilizado aos juízes na área criminal Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 29

30 TMENU Interface para pesquisas (parte do Projecto PIIJ) Aplicações Serviços Aplicações Judiciais Transversais Destinatários 1. Câmaras Municipais e Policias Municipais; 2. Câmara dos Solicitadores 3. Caixa Geral de Aposentações 4. Conservatórias de Registo Civil e Central; 5. Direcções Gerais do Ministério das Finanças 6. Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) 7. Direcção-Geral das Alfandegas e dos Impostos Especiais sobre o consumo (DDAIEC) 8. Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres 9. Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária 10. Órgãos de Policia Criminal ( GNR; PSP; PJ; SIS; SEF; ASAE; Policia Judiciária Militar ) 11. Tribunais 12. Procuradoria Geral da República e Ministério Público 13. Organismos da Segurança Social 14. Instituições de Crédito; 15. Instituições de Seguros Instituto Nacional de Estatística 18. Ministério da Saúde; 19. Instituto de Apoio às pequenas e Médias empresas e à inovação (IAPMEI) 20. Agência para a Modernização Administrativa Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 30

31 TMENU Interface para pesquisas (parte do Projecto PIIJ) Aplicações Serviços Aplicações Judiciais Transversais 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Desenvolvimento aplicacional Rede de comunicação da justiça (RCJ) Webservice (ligação Segura túnel IPSEC) Apoio ao utilizadores Auditorias S Os organismos titulares dos dados são: Instituto de Registo e Notariado; Direcção Geral de Reinserção Social Sonaecom Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 31

32 MAGDA Módulo Autónomo de Gestão e Definição de Acessos Serviços Aplicações Transversais Esta aplicação suporta a gestão de utilizadores internos e externos ao Ministério da Justiça, que efectuam acessos online à informação existente, para suporte à sua actividade/missão. É usada centralmente pelo e, de forma descentralizada, pela Polícia de Segurança Pública e pela Guarda Nacional Republicana para gestão dos respectivos utilizadores. A aplicação permite criar, alterar perfis e eliminar utilizadores bem como efectuar o reset às correspondentes password s. É suportada em browser sendo o endereço https://magda.mj.pt Está disponível 7 x 24 horas. 4. RESPONSABILIDADE S 5. INFRA Manutenção do alojamento das diferentes infra estruturas de suporte ao Serviço Manutenção dos diferentes perfis de utilizadores do serviço Máquina Virtual com 1 GB de RAM e 10 GB de disco endereço IP Instituto das Tecnologias de Informação na Justiça 32

Portaria que regulamenta a tramitação electrónica de processos e CITIUS Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica

Portaria que regulamenta a tramitação electrónica de processos e CITIUS Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica 1 Portaria que regulamenta a tramitação electrónica de processos e CITIUS Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica 6 de Fevereiro de 2008 Perguntas & Respostas 1. O que é o CITIUS?

Leia mais

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades.

O CITIUS é uma ferramenta mais avançada do que a antiga aplicação Habilus.net, permitindo um conjunto de novas funcionalidades. Projecto CITIUS CITIUS (do latim mais rápido, mais célere) é o projecto de desmaterialização dos processos nos tribunais judiciais desenvolvido pelo Ministério da Justiça. Englobando aplicações informáticas

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL. CITIUS Entrega de Peças Processuais

PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL. CITIUS Entrega de Peças Processuais PROJECTO CITIUS DESMATERIALIZAÇÃO DE PROCESSOS EM TRIBUNAL CITIUS Entrega de Peças Processuais O CITIUS Entrega de Peças Processuais é uma ferramenta que permite ao advogado/solicitador relacionar-se com

Leia mais

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ itsmf Conferência Anual 2012 22 de Maio de 2012 Estratégias de racionalização e sustentabilidade das TIC (setores público e privado) Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas

Leia mais

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros Princípios Gerais da Reforma Judiciária João Miguel Barros Agenda reformadora: 1. Reforma do Processo Civil 2. Organização Judiciária 3. Plano de Acção para a Justiça na Sociedade de Informação Ensaio

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n.

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n. Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187 Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU Versão 4.5 CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU Gestão integrada de documentos e processos A gestão de documentos é um processo essencial ao bom desempenho de uma empre sa e um reflexo da sua

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU Versão 5.0 CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU Gestão integrada de documentos e processos A gestão de documentos e processos é essencial ao bom desempenho de uma empresa e um reflexo da sua

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC Empresa de Projecto e Desenvolvimento de Engenharia Civil - EPDEC Pedido de Proposta para Implementação da Rede Informática Projecto: Rede Informática da EPDEC Novembro de 2007 Índice 1 Introdução...1

Leia mais

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação da vida dos cidadãos e das empresas. Destas, destacam-se a

Leia mais

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.05 Data: 2010-12-15 Appliance CAMES.GT 1 ÍNDICE A Apresentação da Appliance CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server B Características

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Os documentos à distância de um clique!

Os documentos à distância de um clique! Os documentos à distância de um clique! iportaldoc Os Documentos à distância de um clique! O iportaldoc é um Serviço de Gestão Documental e Workflow para empresas e instituições que sintam a necessidade

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas das Custas Pagas nos Tribunais. Código: 483 Versão: 1.0 Setembro de 2010 INTRODUÇÃO A Direcção-Geral da Política de Justiça, antigo Gabinete de

Leia mais

17. Quais os documentos que devem ser submetidos com o pedido de registo de compra e. Venda com reserva de propriedade?...8

17. Quais os documentos que devem ser submetidos com o pedido de registo de compra e. Venda com reserva de propriedade?...8 Perguntas Frequentes Advertência: O IRN disponibiliza conteúdos com carácter informativo e geral, sobre o pedido de registo Automóvel Online. Esta informação não substitui o atendimento técnico e qualificado

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008 Implementação do conceito Balcão Único na Administração Pública Janeiro de 2008 Janeiro 2008 1 Índice 1. Enquadramento e Objectivos...3 1.1. Enquadramento...3 1.2. Objectivos...7 2. Conceitos...7 3. Recomendações

Leia mais

Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica 18 de Setembro de 2008 Perguntas & Respostas

Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica 18 de Setembro de 2008 Perguntas & Respostas Entrega de peças processuais e de documentos por via electrónica 18 de Setembro de 2008 Perguntas & Respostas Questões Gerais O que é o CITIUS? O CITIUS é a aplicação informática, que no âmbito do projecto

Leia mais

melhor e mais inovador

melhor e mais inovador Conheça o melhor e mais inovador de Portugal. Prime TI s Mais de 2000 m2 850 Bastidores 4 Salas de alojamento 2 Salas networking Salas de staging Salas UPS Sala de clientes Sala bandoteca Serviços de storage,

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Guia IPBRICK Billing 2.0

Guia IPBRICK Billing 2.0 Guia IPBRICK Billing 2.0 iportalmais 4 de Janeiro de 2013 1 Conteúdo 1 Introdução 3 2 Características 3 2.1 Novas características no Billing 2.0................... 3 3 Procedimento Básico 4 4 Instalação

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU

CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU CONTROL YOUR INFORMATION BEFORE IT CONTROLS YOU Gestão integrada de documentos e processos A gestão de documentos é um processo essencial ao bom desempenho de uma em pres a e um reflexo de sua organização

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção : Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção Mário Jorge Leitão INESC Porto / FEUP Sumário Enquadramento e-governo Local e Regional Cartão do Cidadão e Plataforma de Serviços Comuns da Administração Pública

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.22

Actualização. Versão 5.1.22 Actualização Versão 5.1.22 Março 2009 2 JURINFOR Av. Engº Duarte Pacheco, 19 9º - 1099-086 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003

Informação Útil Já disponível o SP1 do Exchange Server 2003 Novidades 4 Conheça as principais novidades do Internet Security & Acceleration Server 2004 Membro do Microsoft Windows Server System, o ISA Server 2004 é uma solução segura, fácil de utilizar e eficiente

Leia mais

FACILIDADES DE COLABORAÇÃO

FACILIDADES DE COLABORAÇÃO MICROSOFT OFFICE 365 FACILIDADES DE COLABORAÇÃO Março 2012 A CLOUD365 estabeleceu acordos estratégicos com os principais fornecedores de TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), entre os quais destacamos

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

Constituir uma empresa na Internet

Constituir uma empresa na Internet Constituir uma empresa na Internet Para constituir uma empresa sociedade por quotas, unipessoal ou anónima - através do serviço Empresa Online, por Internet, o interessado tem de possuir um certificado

Leia mais

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php

Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Website: http://www.mkkdigital.pt Suporte: http://www.mkkdigital.pt/support/upload/index.php Introdução As centrais telefónicas 3CX foram desenvolvidas para o tecido empresarial, com sistemas de última

Leia mais

A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ

A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ Conferência Os Tribunais na Sociedade da Informação 8 de Abril de 2010 Reitoria da UNL A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ Patrocinadores

Leia mais

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu 1 Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu Tendo por objectivo a melhoria constante dos serviços disponibilizados a toda a comunidade académica ao nível das tecnologias de informação,

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

O papel do Conselho Superior da Magistratura

O papel do Conselho Superior da Magistratura A criação e a gestão do sistema informático dos Tribunais na computação das Tecnologias da Informação O papel do Conselho Superior da Magistratura VII Encontro Anual do Conselho Superior da Magistratura

Leia mais

Colaboração Mobilidade

Colaboração Mobilidade Colaboração Mobilidade César Quintas 16 Maio 2009 Colaboração o que se pretende Criar um ambiente que favoreça a colaboração e a produtividade aos colaboradores. Colaboração o quê Acção resultante da interacção

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004 Inquérito Estatístico registado sob o n.º 2027, válido até 31 de Dezembro de 2004 AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 SEGURANÇA DE DADOS 1/1 Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ARQUITECTURAS DE ACESSO REMOTO... 3 2.1 ACESSO POR MODEM DE ACESSO TELEFÓNICO... 3 2.2

Leia mais

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça

Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Síntese da Cooperação Bilateral com São Tomé e Príncipe na área da Justiça Fevereiro 2015 SÍNTESE DA COOPERAÇÃO BILATERAL COM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NA ÁREA DA JUSTIÇA O Ministério da Justiça tem apoiado,

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Principais diferenciais do Office 365

Principais diferenciais do Office 365 Guia de compras O que é? é um pacote de soluções composto por software e serviços, conectados à nuvem, que fornece total mobilidade e flexibilidade para o negócio. Acessível de qualquer dispositivo e qualquer

Leia mais

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias

Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias Escolha o tipo de entidade: Clínicas Consultórios Hospitais Privados Ordens e Misericórdias ICare-EHR (ASP) ou Application Service Provider, é uma subscrição de Serviço online não necess ICare-EHR (Clássico)

Leia mais

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO

SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO SIMPLEX AUTARQUICO DO VALE DO MINHO 2009 2010 MEDIDAS INTERSECTORIAIS: LICENÇAS, AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS E OUTROS CONDICIONAMENTOS ADMINISTR ATIVOS SIMILARES Identificar e inventariar todas as licenças, autorizações

Leia mais

Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica

Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica Contratação Pública Electrónica Sessão Técnica CONSTRULINK 30 de Abril de 2009 Construlink2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 Sessão II.1 As Plataformas Electrónicas Meios necessários ao funcionamento

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013)

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013) Fevereiro 2013 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal

SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal Esta Ordem de Encomenda (OE) é parte integral e substantiva das Condições Gerais de Venda (CGV). As CGV e esta

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Movimento Mensal de Inquéritos e Autos ( Mod 222) Código: 491 Versão: 1.0 Introdução A obtenção de informação desta natureza prende-se com o facto de a mesma permitir o apoio às

Leia mais

PT PRIME - APRESENTAÇÃO

PT PRIME - APRESENTAÇÃO PT PRIME - APRESENTAÇÃO A PT Prime Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, é uma empresa do Grupo PT que presta serviços e soluções de comunicação e informação para o mercado empresarial.

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Simplificar a Vida às Pessoas as motivações

Simplificar a Vida às Pessoas as motivações Simplificar a Vida às Pessoas as motivações Visibilidade Capacidade Autarca Quem são os munícipes? Que recursos existem? Que desempenho? Como melhorar? Quem são os munícipes? Como prestar o serviço? Que

Leia mais

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO Instalações deficientes, falta de segurança, equipamentos e software obsoletos são problemas com que muitas Organizações têm que se debater no

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 Definições : Activação do Serviço: A activação do Serviço inicia-se a partir da validação do pagamento do

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

Moving Business Forward Moving Business Forward Apresentação Os especialistas dos especialistas Pelo profundo domínio que possui nas áreas específicas em que trabalha, a Eurotux consolidou-se como player

Leia mais

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008 Solução para emissores e receptores de facturas Carlos César 24 de Junho de 2008 1 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7, 0.97 3., 507 3.,!%3,02 88 4/0 3, 02 88 4 $4 : 4!%5,7,02 884708070.0594708 $ 2 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7,

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais