Acordo de alojamento de servidor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acordo de alojamento de servidor"

Transcrição

1 Acordo de alojamento de servidor Estabelecido entre a Direcção de Serviços de Informática (DSI) do Instituto Superior Técnico e Docente /Instituto / Secção janeiro de 2014

2 Acordo de alojamento de servidores entre a Direção de Serviços de Informática do IST e xxxxxxxxxxxxxxxx. 1. Introdução Este documento descreve os termos do acordo estabelecido nesta data entre a Direção de Serviços de Informática do Instituto Superior Técnico, abreviadamente designada no seguimento por DSI, e xxxxx, no seguimento designado por utilizador, para alojamento de um ou mais servidores. No âmbito deste acordo, a DSI disponibilizará espaço físico na sua sala técnica para alojamento de servidores, dentro das condições estabelecidas no remanescente deste acordo. No seguimento, nos locais em que ser refere "responsabilidade da DSI ou "responsabilidade do utilizador", pretende-se designar diretamente as entidades subscritoras deste acordo ou outras em que estas deleguem a sua responsabilidade, após informação e acordo mútuo entre as partes. 2. Âmbito do serviço No âmbito deste acordo, a DSI possibilita ao utilizador o alojamento de servidores na sua sala técnica. Consideram-se como fazendo parte integrante deste serviço: A disponibilização de espaço físico para instalação do servidor; A disponibilização de energia eléctrica e refrigeração com o nível de redundância existente para os restantes serviços da sala técnica; A disponibilização de uma ligação à rede informática do IST; A disponibilização de um endereço IPv4 público e uma entrada no sistema de DNS do domínio.ist.utl.pt. Em caso de necessidade, poderá ser igualmente atribuição um endereço IPv6 público. 3. Condições gerais de prestação do serviço de alojamento De uma forma geral, o serviço de alojamento de servidores é disponibilizado nas seguintes condições: A instalação ter como objetivo o serviço de uma comunidade alargada de utilizadores, maioritariamente internos ao IST, para apoio às atividades de ensino, investigação, desenvolvimento ou culturais; O ou os servidores terem como objetivo a prestação de um serviço público de reconhecida importância por si ou que seja relevante para a imagem do IST; A instalação pretendida não ocupe uma percentagem da área, potência elétrica e

3 capacidade de refrigeração superior à importância relativa do serviço no IST, dentro de um princípio de razoabilidade e equidade na utilização dos recursos existentes por parte das várias Unidades Académicas e de Investigação do IST. A concessão do serviço de alojamento em casos diferentes dos aqui estabelecidos será possível mediante análise específica e autorização do Conselho de Gestão do IST. O objetivo e âmbito do serviço deverá ter sido comunicado atempadamente à DSI, que registará essa informação junto do cadastro do servidor. O serviço de alojamento poderá ser cancelado sempre que a finalidade de utilização do servidor seja alterada sem acordo prévio da DSI ou do Conselho de Gestão do IST. 4. Responsável administrativo Por omissão, a responsabilidade administrativa pelo servidor pertence ao responsável direto pela assinatura deste acordo, devendo os seus contactos de e telefónicos serem comunicados à DSI através do Em caso de alteração do responsável administrativo, a DSI deverá ser notificadoa deste facto no prazo de 5 dias úteis, com indicação do novo responsável administrativo e respectivos contactos, através de mail enviado para O responsável administrativo pela máquina deverá obrigatoriamente ser um docente do IST, investigador permanente de um Centro de Investigação do IST ou um aluno com cargo diretivo numa instituição ou organismo reconhecido pelo IST. 5. Responsável Técnico O responsável administrativo deverá indicar o nome de um responsável técnico, o qual será o ponto de contacto com a DSI em caso de necessidade de qualquer intervenção que implique a correção da configuração, o encerramento da máquina ou a sua remoção. 6. Condições técnicas de prestação do serviço No âmbito deste acordo, o utilizador deverá ter em atenção as seguintes condições técnicas de prestação do serviço de alojamento: Todo o hardware deverá ser adequado à montagem em bastidor (rack); No âmbito deste serviço, a DSI não tem qualquer responsabilidade de gestão e administração da máquina alojada, a qual deverá ser totalmente administrada pelo utilizador. A intervenção física da DSI na máquina limitar-se-á a fazer um "restart" de alimentação, caso tal seja solicitado; Em condições normais de operação, toda a administração da máquina deverá ter lugar remotamente. Desejavelmente, os servidores deverão dispor de um processador de gestão, de modo a permitir a gestão remota permanente. O acesso à sala técnica da DSI só será possível com acompanhamento de um

4 funcionário da DSI e só é garantido nos dias úteis, das 10:00 às 12:00 e das 14:00 às 16:00. Tal não invalida que este horário possa ser alargado mediante contacto prévio com um técnico da DSI. Desejavelmente, a máquina deverá ser configurada de modo a que o botão de alimentação permita um shutdown ordenado da máquina sem perda de informação. Esta possibilidade deve ser garantida em caso de necessidade de desligamento urgente da máquina e impossibilidade de comunicação com o responsável técnico. O responsável técnico deverá subscrever a lista de mail IST-SysAdm, disponível em mlists.tecnico.ulisboa.pt, de modo a estar ocorrente de avisos que sejam feitos nesta lista relativamente a cortes de energia ou intervenções de manutenção. A DSI reserva-se o direito de alterar o endereço IP em qualquer altura, devendo o responsável técnico proceder às intervenções necessárias para correção da configuração. A DSI garantirá o nome lógico atribuído na altura do acordo de alojamento. O utilizador compromete-se a garantir a segurança lógica do servidor e a realizar as intervenções corretivas na máquina que lhe sejam indicadas pela DSI e que sejam consideradas necessárias para a garantia da segurança da rede do IST. O utilizador compromete-se a garantir que nenhum serviço disponibilizado pela máquina ou software ali instalado viola as normas gerais da DSI, disponíveis publicamente em A DSI poderá desligar a máquina em caso de negligência grave na administração da máquina, em caso de violação das normas gerais da DSI ou em caso de problemas ou incidentes de segurança que aconselhem esta intervenção. Nestes casos, a DSI avisará com um prazo mínimo de 24 horas os responsáveis técnicos e administrativos da decisão de desligar a máquina e respetivos motivos, de modo a ser possível uma ação corretiva atempada por parte dos responsáveis. Excetuamse situações que possam colocar em causa a segurança da rede interna do IST ou a imagem da instituição, em que o encerramento da máquina pode ter lugar com caráter de urgência e antes da comunicação aos responsáveis. 7. Casos omissos Os casos omissos neste acordo serão resolvidos, caso a caso, por acordo mútuo entre os subscritores deste documento.

5 8. Período de vigência e data de entrada em vigor O presente acordo entra em vigor na data da sua assinatura. O período mínimo de vigência deste acordo é de um ano a partir da data do seu início, sendo automaticamente renovado por igual período desde que nenhum dos subscritores o denuncie com uma antecedência mínima de 15 dias. Instituto Superior Técnico, xxx de janeiro de 2014 Pela Direção de Serviços de Informática do IST Prof. Fernando Mira da Silva Pelo organismo O cargo nome

Acordo de alojamento de servidor

Acordo de alojamento de servidor Acordo de alojamento de servidor Estabelecido entre o Centro de Informática do Instituto Superior Técnico e Docente /Instituto / Secção Março de 2006 Acordo de alojamento de servidor entre o Centro de

Leia mais

Assistência Técnica Informática

Assistência Técnica Informática Assistência Técnica Informática Cada vez mais é fundamental ter apoio especializado na área das Tecnologias de Informação, nomeadamente: - A resolução de problemas quotidianos, - A otimização de meios

Leia mais

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota Artigo 1º Objeto O presente regulamento define as condições de acesso e utilização da infraestrutura da

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda CATÁLOGO DE SERVIÇOS Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES 2 1 INTRODUÇÃO 3 2 A CASO 4 2.1 Apresentação 4 2.2 Visão, Missão e Valores 4 3 SERVIÇOS

Leia mais

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO ToBeFlow Versão/Julho 2015 CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO TOBEFLOW ANTES DE UTILIZAR O PROGRAMA, LEIA COM ATENÇÃO ESTE DOCUMENTO Utilizar esta aplicação, seja na versão demonstração ou

Leia mais

5. TIPOS DE SERVIÇO PRESTADOS TARIFÁRIO E FATURAÇÃO

5. TIPOS DE SERVIÇO PRESTADOS TARIFÁRIO E FATURAÇÃO s oc i alde230. 000. 000, 00Eur os,s í t i onai nt er net 4.4. O CLIENTE compromete-se igualmente a observar todas as disposições legais aplicáveis, nomeadamente, a não praticar ou a fomentar a prática

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1. OBJETIVO O presente documento tem como objetivo a definição dos termos de prestação de serviços da Ilhéu da Baleia com cada um dos seus clientes. a) Com a confirmação

Leia mais

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de rastreio e

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços de Alojamento de Web Site e Registo de Domínio

Contrato de Prestação de Serviços de Alojamento de Web Site e Registo de Domínio Contrato de Prestação de Serviços de Alojamento de Web Site e Registo de Domínio Entre Olivertek, LDA, pessoa colectiva n.º 507827040, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Gondomar, sob

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO WIFI FOR BUSINESS. I. Membro do WiFi for Business, Instalação e Ativação do Fon Spot

TERMOS DE UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO WIFI FOR BUSINESS. I. Membro do WiFi for Business, Instalação e Ativação do Fon Spot TERMOS DE UTILIZAÇÃO DO SERVIÇO WIFI FOR BUSINESS Bem-vindo à Fon! Ao registar o seu router Fon, está a aderir à Rede e a aceitar vincular-se aos presentes Termos de utilização do Serviço WiFi for Business,

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES ENDEREÇOS IP SUPLEMENTARES. Última versão em data de 29/11/2012

CONDIÇÕES PARTICULARES ENDEREÇOS IP SUPLEMENTARES. Última versão em data de 29/11/2012 CONDIÇÕES PARTICULARES ENDEREÇOS IP SUPLEMENTARES ARTIGO 1: OBJETO Última versão em data de 29/11/2012 As presentes condições particulares complementam as condições gerais de serviço. Estas visam definir

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO. Seção I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV: LITORAL NORTE RIO TINTO CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CARTOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO Caro(a) Utilizador(a) As presentes condições de uso estabelecem as regras e obrigações para o acesso e utilização do sítio da internet www.rolos.pt, bem como de

Leia mais

Política de Utilização Aceitável (PUA)

Política de Utilização Aceitável (PUA) Política de Utilização Aceitável (PUA) HOST TUGATECH Host TugaTech HOST.TUGATECH.COM.PT HOST@TUGATECH.COM.PT A Política de Utilização Aceitável (PUA) do Host TugaTech é disponibilizada com o objetivo de

Leia mais

Artigo 2º Cedência de instalações

Artigo 2º Cedência de instalações MANUAL INTERNO UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Artigo 1º Disposições gerais 1. As Instalações Desportivas da escola EB André Soares têm como finalidade, para além da atividade letiva, a prestação

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2014/2015 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Constih1em obrigações da FCCN no quadro elo alojamento do repositório institucional da entidade aderente no SARI:

Constih1em obrigações da FCCN no quadro elo alojamento do repositório institucional da entidade aderente no SARI: CONTRA TO NO ÂMBITO DO PROJECTO RCAAP Entre a Fundação para a Computação Científica Nacional, instituição privada declarada de interesse público, com sede na A v. do Brasil, 1 O 1, em Lisboa, neste acto

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS DOS REQUISITOS PARA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO: A CONTRATADA deverá atender os seguintes requisitos de qualidade do serviço: 1) Quando ocorrer chamado telefônico, comunicação

Leia mais

Condições gerais relativas à prestação do serviço de alojamento de sites na Internet

Condições gerais relativas à prestação do serviço de alojamento de sites na Internet 1. Objecto Condições gerais relativas à prestação do serviço de alojamento de sites na Internet As presentes condições gerais destinam-se a estabelecer os termos e as condições por que se regerá a STDesign4U.com

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt

Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ATENDIMENTO AO LEITOR SEMANÁRIO SOL Para qualquer questão relacionada com o passatempo de EDP COOL JAZZ MELODY GARDOT: envie um e-mail para passatempos@sol.pt ou ligue 210 434 000 Horário de Atendimento

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO A COMBINAÇÃO PERFEITA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO A COMBINAÇÃO PERFEITA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO A COMBINAÇÃO PERFEITA 1. Promoção 1.1. A Promoção A Combinação Perfeita, adiante Promoção, é uma iniciativa da Johnson & Johnson, Lda., empresa com sede na Estrada Consiglieri Pedroso,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA FUNDÃO REGULAMENTO SALAS INFORMÁTICA 25(TIC) E 26 2011 / 2012 REGULAMENTO SALA 25 (TIC) A Sala 25 (Sala TIC) destina-se preferencialmente

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas.

Destinatários do financiamento 1. Instituições do ensino superior privadas de Macau, de fins não lucrativos, que já foram oficialmente reconhecidas. 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 高 等 教 育 輔 助 辦 公 室 Governo da Região Administrativa Especial de Macau Gabinete de Apoio ao Ensino Superior Financiamento para as instituições do ensino superior de Macau Instruções para

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

GESTIP. Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet.

GESTIP. Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet. GESTIP Web Hosting - Desenvolvimento e alojamento de sites e ligação à Internet. Maio de 2007 Gestip 2 Índice INTRODUÇÃO...3 CARACTERIZAÇÃO DA COLABORAÇÃO...4 CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO WEB SITE...4

Leia mais

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção.

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. es Virtuais Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. O que são os es Virtuais? Virtual é um produto destinado a empresas que necessitam de um servidor dedicado ligado

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE INFORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA (Art.21.º do Decreto-Lei n.º22/2014, de 11 de fevereiro) 6 de julho de 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Objetivo... 5 1.2 Contactos Úteis...

Leia mais

PIC- Projeto Informática na Cidadela

PIC- Projeto Informática na Cidadela PIC- Projeto Informática na Cidadela Ano letivo Escola Secundária da Cidadela Grupo de Recrutamento 550- Informática 1- INTRODUÇÃO Os professores do grupo de recrutamento 550- Informática tiveram até ao

Leia mais

Condições Gerais do Website. 1. Objeto

Condições Gerais do Website. 1. Objeto Condições Gerais do Website 1. Objeto 1.1 As presentes Condições Gerais destinam-se a regular os termos e condições de acesso e utilização do site www.phone-ix.pt (adiante designado por Site ), bem como

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático

ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA. Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático ESCOLA SECU DÁRIA DA CIDADELA Regulamento e Normas de utilização/funcionamento das salas com Equipamento Informático Ano lectivo 2009/2010 Áreas de trabalho individualizadas A utilização dos computadores

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Acordo Parcelar Específico n.º 02 Entre O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, EPE, E O Hospital de Santo Espírito de Angra do Heroísmo, EPE Junho de 2015 1 Acordo Parcelar Específico

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO Considerando que: O voluntariado está a crescer no nosso país, ganhando cada vez mais expressão e importância, tanto para quem o pratica

Leia mais

Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI

Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI Contrato de Assistência Técnica Informática - ATI Ao subscrever o presente contrato o cliente expressamente reconhece e aceita vincular-se ás seguintes condições gerais. Cláusula primeira Definições 1.

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM

Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM Termos e Condições de Utilização do Portal ZOOM 1. Objeto, Âmbito e Finalidade Este documento define as regras gerais de utilização do Portal ZOOM, cuja propriedade e administração compete à CASES COOPERATIVA

Leia mais

Condições de Serviço

Condições de Serviço Condições de Serviço - A WebHS proíbe alguns ficheiros nos alojamentos partilhados (alojamento web, revenda e webdrive), entre os quais destacamos: MP3, Imagens e Vídeos protegidos por copyright, Exploits,

Leia mais

Serviço HP IMC EAD Implementation

Serviço HP IMC EAD Implementation Serviço HP IMC EAD Implementation Dados técnicos O serviço HP IMC EAD Implementation tem o objetivo de fornecer a personalização do módulo Endpoint Admission Defense de acordo com as necessidades do Cliente

Leia mais

Termos de Serviço Hospedagem de sites e Revenda

Termos de Serviço Hospedagem de sites e Revenda Termos de Serviço Hospedagem de sites e Revenda CONTRATADA: Estado Virtual, sociedade com razão social Estado Virtual Soluções Corporativas Ltda e sede em SRTVS Quadra 701 Bloco O Sala 676 Ed. Multi Empresarial

Leia mais

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante

São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante O que são serviços de comunicações eletrónicas? São serviços de comunicações eletrónicas os serviços oferecidos mediante remuneração e que consistem no envio de sinais através de redes de comunicações

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA UNIDADES DE MINIPRODUÇÃO Entre [ ]., com sede em [ ], matriculada na Conservatória do Registo Comercial de [ ], com o número de matrícula e pessoa coletiva

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2014/2015 Índice Direção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré requisitos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Iniciativa igeo Mentes Criativas. Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App)

Iniciativa igeo Mentes Criativas. Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App) Iniciativa igeo Mentes Criativas Concurso de ideias para o desenvolvimento de uma aplicação para sistemas móveis (App) Coordenação: Equipa: Apoio: 1/8 REGULAMENTO Concurso de ideias para divulgação de

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE

CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE CONDITIÇOES PARTICULARES SERVIÇO CDN WEBSTORAGE Versão em data de 14/11/2013 DEFINIÇÕES : Ficheiro de endereço direto: Endereço URL específico para o qual deve ser reencaminhada a hiperligação do Cliente

Leia mais

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Caderno de Encargos Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Departamento: Tecnologia da Informação Faculdade Adventista da Bahia 1 P á g i n a Normas de Utilização dos Laboratórios de Informática Da Faculdade Adventista

Leia mais

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade Site CML 1. Termos e Condições de Utilização O uso por todo e qualquer utilizador deste sítio será regulado pelos presentes Termos e Condições,

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

Sede - Lisboa: Rua Cesário Verde, nº 70 B 2790-494 Queijas, Portugal E-mail: kk@merkkuriodigital.pt

Sede - Lisboa: Rua Cesário Verde, nº 70 B 2790-494 Queijas, Portugal E-mail: kk@merkkuriodigital.pt Vantagens A Merkkurio Digital disponibiliza soluções de alojamento Web empresariais, em Data Centers portugueses com servidores dedicados que apresentam todas as características técnicas de ponta existentes.

Leia mais

CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA

CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA 1 - IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE: {razão social}, com sede em {cidade}, na {endereço}, bairro {bairro}, Cep {cep}, no Estado de {estado}, inscrita no C.N.P.J.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E

ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E ORIENTAÇÕES SOBRE O USO DA INTERNET E DO CORREIO ELECTRÓNICO NA SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA (VERSÃO 1.0 2005-12-09) Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 CÓDIGO DE CONDUTA...2 2.1 CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Id: 39063 (34 years)

Id: 39063 (34 years) Ver foto Id: 39063 (34 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 12/12/1980 País: Other Country, Região:, Cidade: Portugal Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo: Conseguir

Leia mais

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial

CONTRATOS ITBASE. Ver. 2.0 2010-2011. Documento de suporte comercial Documento de suporte comercial Ver. 2.0 CONTRATOS ITBASE 2010-2011 A presente tabela de preços anula todas as tabelas anteriores, entra em vigor a 1 de Outubro de 2010 até substituição por outra. Esta

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal

SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal SERVIDOR VIRTUAL Ordem de encomenda para os serviços de Servidores Virtual da Amen Portugal Esta Ordem de Encomenda (OE) é parte integral e substantiva das Condições Gerais de Venda (CGV). As CGV e esta

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos

Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Regulamento Interno da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos Capítulo I Artigo 1º Objeto e âmbito 1. A Biblioteca Escolar é uma estrutura fundamental da organização pedagógica da Academia, constituindo-se

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

A nossa Política de Privacidade

A nossa Política de Privacidade A nossa Política de Privacidade Última modificação: 12 de dezembro de 2014. O resumo de alterações pode ser consultado na parte final desta Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade tem por

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole O Akropole tira proveito da ligação à internet, podendo efectuar várias operações de maior valia, com ou sem intervenção directa do utilizador.

Leia mais

Descrição do serviço Instalação e configuração de um portal de acesso remoto

Descrição do serviço Instalação e configuração de um portal de acesso remoto SKUs de assistência Consultar Anexo A Descrição dos serviços Descrição do serviço Instalação e configuração de um portal de acesso remoto Esta assistência trata da instalação e configuração do portal de

Leia mais

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal Tecnologia e Inovação ao serviço da inclusão social Regras I/ Contexto Criada em Junho de 1996, a Fundação Altran para a Inovação (doravante denominada

Leia mais

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição

Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? controlos fora de competição Porque é que os praticantes desportivos têm de disponibilizar informação relativa à sua localização? São várias as substâncias e métodos proibidos cuja deteção só é possível com a realização de controlos

Leia mais

Fundo Universitário AMI

Fundo Universitário AMI Fundo Universitário AMI Regulamento Geral Preâmbulo Desde 1994, ano em que se inaugurou o primeiro centro social da AMI (Olaias) e até 2014, os Serviços Sociais da AMI apoiaram 64.317 pessoas em situação

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2

Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 Serviços HP Dados técnicos O serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 foi concebido para fornecer a instalação no local do servidor

Leia mais

Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução

Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução Procedimentos a serem seguidos pela diretoria, gerentes e funcionários. As informações serão passadas para os gerentes

Leia mais

Agrupamento de Escolas D.Sancho I. Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1

Agrupamento de Escolas D.Sancho I. Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1 Anexo V REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DO ALUGUER DE INSTALAÇÕES 1 REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES Artigo 1.º Objeto O objeto do presente regulamento consiste

Leia mais

Jogos = 13 OFERTA SURPRESA SL BENFICA

Jogos = 13 OFERTA SURPRESA SL BENFICA OFERTA SURPRESA SL BENFICA LIGUE O 760 205 560 (0.60 EUROS + IVA) E A CADA 65 CHAMADAS OFERECEMOS UMA SURPRESA SL BENFICA, SE RESPONDER CORRETAMENTE À PERGUNTA: QUAL O ANO DE INAGURAÇÃO DO NOVO ESTÁDIO

Leia mais

PT Comunicações, S.A. SEDE: Rua Andrade Corvo,, 6 Lisboa N.º de Pessoa Coletiva 504615947.Matricula 09406 CRCL Capital Social de Eur.: 1.150.000.

PT Comunicações, S.A. SEDE: Rua Andrade Corvo,, 6 Lisboa N.º de Pessoa Coletiva 504615947.Matricula 09406 CRCL Capital Social de Eur.: 1.150.000. CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO VoIP da PT COMUNICAÇÕES S.A., inscrita na CRCL sob o número único de matricula e pessoa coletiva 504 615 947 com sede na Rua Andrade Corvo, n.º 6, Lisboa, com o

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Definição REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO INTERNET DE MOURA I - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Espaço Internet de Moura define-se como um local destinado aos cidadãos que pretendam utilizar

Leia mais

Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003

Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003 Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003 Como instalar o Serviço DHCP Antes de poder configurar o serviço DHCP, é necessário instalá lo no servidor. O DHCP não é instalado por padrão durante

Leia mais

PLANO MAIS COLABORADOR

PLANO MAIS COLABORADOR PLANO MAIS COLABORADOR Programa de Fidelização 1. Âmbito O Plano Mais Colaborador Programa de Fidelização (referido doravante por Programa) destina-se aos colaboradores das empresas aderentes ao Plano

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Manual de uso PSIM Client 2010

Manual de uso PSIM Client 2010 MANUAL DE USO PSIM MESSENGER VERSÃO 2010 ÍNDICE Manual de uso PSIM Client 2010 INSTALAÇÃO...2 INSTALAÇÃO LOCAL...2 CONFIGURAÇÃO DE USUÁRIO NO PSIM CLIENT 2010...12 QUANDO O FUNCIONÁRIO JÁ ESTÁ CADASTRADO

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais