Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC"

Transcrição

1 Empresa de Projecto e Desenvolvimento de Engenharia Civil - EPDEC Pedido de Proposta para Implementação da Rede Informática Projecto: Rede Informática da EPDEC Novembro de 2007

2 Índice 1 Introdução Informação de suporte Objectivos do Projecto Objectivos de Gestão Requisitos da Rede a Implementar Projecto a Apresentar Notas...6 i

3 1 INTRODUÇÃO A Empresa EPDEC opera na área do projecto e desenvolvimento em engenharia civil, elaborando projectos vocacionados para a construção de empreendimentos desde pequena a grande escala. Dispõe de sectores vocacionados para a consultoria e auditoria de empresas do sector Analisadas as diversas facilidades e espaços disponíveis, a empresa decidiu transferir-se para a zona Alentejana, onde adquiriu três edifícios, em Beja, geograficamente próximos. Pretende-se dotar todas as infra-estruturas com suporte de rede, bem como implementar o seu centro informático para providenciar todos os serviços de rede e interconexão entre edifícios. 2 INFORMAÇÃO DE SUPORTE A infra-estrutura da empresa é constituída por três edifícios, localizados em Beja: a sede (SEDE) onde se situará o centro informático e dois pólos (ED1 e ED2). Em todos os edifícios, o atendimento ao público é efectuado no rés-do-chão, tendo um hall de aproximadamente 90 m 2. A Sede tem quatro pisos com um total de (77+4G) empregados. Na cave situar-se-á o centro informático com 5+G pessoas a trabalhar exclusivamente na área da informática, e o sector de recursos humanos com 10 pessoas. No rés-do-chão andar situa-se o sector de financeiro com 10+G pessoas, o sector de vendas com 15+G pessoas e o sector de markting com 7+G pessoas. No primeiro andar situa-se o gabinete de projectos, onde trabalham 20 pessoas, dos quais 10+G são engenheiros civis e electrotécnicos. No último andar situa-se o gabinete de relações exteriores e a direcção compostos por 7 e 3 elementos, respectivamente. Os dois pólos (ED1 e ED2) têm dois pisos com (30+G) trabalhadores. Na cave trabalham 5 funcionários do sector de markting e 5+G funcionários do sector de vendas. No rés-do-chão situa-se a área de projectos com 20 funcionários, dos quais 10+G são engenheiros civis e electrotécnicos. 1

4 O edifício ED1 situa-se a 500 metros da Sede e o edifício ED2 a 950 metros, como ilustra a figura seguinte. ED1 500 m 950 m ED2 SEDE Figura 1 - Edifícios da Empresa Os edifícios encontram-se, do ponto de vista de construção civil, completamente acabados, não permitindo intervenções de fundo nesta área. O pé direito de cada piso é de 3 metros, incluindo os patamares. 3 OBJECTIVOS DO PROJECTO Pretende-se a implementação de uma rede informática que estabeleça a inter-conexão entre todas as infra-estruturas da empresa. Todos os trabalhadores deverão ter acesso à rede da Empresa, sendo o acesso a determinadas áreas ou serviços condicionado à função que desempenham. Pretende-se que o acesso à informação vital da empresa seja centralizado na sua sede, com acesso autorizado em todos os pontos da rede. Também na sede será efectuado o acesso principal ao exterior da rede. Na zona de atendimento público pretende providenciar o acesso wi-fi a qualquer pessoa portadora de computador portátil com interface de rede wireless, para ligação à Internet ou consulta de . 2

5 4 OBJECTIVOS DE GESTÃO A implementação de uma rede informática tecnologicamente avançada permitirá o controlo efectivo do custo na comunicação entre sectores, quer seja na vertente de troca de informação digital, quer na comunicação de voz ou vídeo. A segurança da informação vital da empresa e o acesso pelo seu exterior a informação privilegiada, armazenada em base de dados oracle, principalmente pelos técnicos de vendas, é outro grande objectivo do projecto. Pretende-se ainda obter uma solução facilmente escalável, prevendo um possível aumento do número de postos de trabalho da empresa, controlando os custos da sua manutenção a médio e longo prazo. O acesso wi-fi aberto ao exterior insere-se numa estratégia de marketing da empresa, pretendendo mostrar o seu avanço no uso de tecnologias de informação. 5 REQUISITOS DA REDE A IMPLEMENTAR O projecto a apresentar deverá possibilitar as seguintes características de rede: Serviços de rede: partilha de ficheiros, impressão, Internet, e acesso a bases de dados; Comunicação por entre todos os postos de trabalho; Implementação de uma Intranet para divulgação de informação interna da empresa, apenas acessível dentro da rede e em todos os seus postos de trabalho; Implementação do site para acesso ao exterior, contemplando também o acesso via ftp a informação a disponibilizar aos utentes; Implementação de mecanismos de armazenamento redundantes, e políticas de backup da informação; Todos os utilizadores deverão ter acesso à Internet; 3

6 Deverão ser previstos todos os mecanismos de segurança considerados necessários, de modo a inviabilizar o acesso não autorizado do exterior a informação privilegiada da empresa, bem como a não propagação de virus; Todas as secções deverão ser isoladas das outras, do ponto de vista lógico da rede; Os trabalhadores do sector de vendas apenas usam computadores portáteis, e deverão ser autenticados antes de ser permitido qualquer acesso à rede da empresa; alguns computadores portáteis terão interface de rede wireless, podendo ser feito o acesso à rede pela infra-estrutura wi-fi, após validação de utilizador; Entre as direcções de cada edifício deverá ser implementado um sistema de vídeoconferência; Dentro de cada edifício deverá ser possível o estabelecimento de comunicação de voz pela rede, e se possível também entre os diversos edifícios da empresa; O projecto deverá prever um aumento, sem custos significativos, entre 30 a 50% do número de postos de trabalho descritos neste documento; Deverão existir duas impressoras departamentais por cada piso de cada edifício, acessíveis em todos os postos de trabalho; Nos sectores de projecto deverão existir duas plotters para formato A0, acessíveis a todos os trabalhadores com formação específica de engenharia desse sector; ainda nestes sectores, 50% dos postos de trabalho são Sun workstations; À excepção de alguns postos de trabalho nos sectores de projecto, todos os utilizadores utilizam o sistema operativo Windows; Os sectores financeiros e de vendas acedem a informação armazenada em bases de dados oracle em unix, situadas na sede da empresa. 6 PROJECTO A APRESENTAR O projecto a apresentar deverá conter todo o desenho da rede proposta, incluindo, pelo menos, a seguinte informação: Descrição geral do projecto; 4

7 Âmbito do projecto; Análise dos requisitos necessários à sua implementação; Desenho lógico da rede Topologia da rede; Endereçamento IP; Localização de servidores, bastidores e material activo de rede; Estratégia de gestão da rede; Desenho físico da rede Características do equipamento activo e passivo da rede; Esquema de ligações físicas; Encaminhamento e configurações do equipamento activo de rede; Servidores Descrição de todos os servidores da rede, as suas características e serviços prestados; Configurações principais de cada servidor; Software Descrição de todo o software utilizado e a sua aplicação; Geral Descrição das políticas de segurança e salvaguarda da informação a adoptar; Funcionamento do help-desk e comunicação de avarias pelos utentes; Forma de implementação dos sistemas de comunicação de voz e vídeo; Postos de trabalho Descrição das características de todo o equipamento a ser utilizado pelos utilizadores finais; Análise de custos de toda a solução apresentada. 5

8 7 NOTAS O projecto é realizado por grupos com o máximo de três elementos; Embora o RFP seja geral, o trabalho a apresentar pelos alunos deverá apenas contemplar a vertente da cablagem estruturada e equipamento de rede activo do projecto. Neste RFP, a constante G corresponde ao número do grupo dos alunos; Considere a implementação da rede informática em tecnologia Ethernet a 100 Mbps na sua generalidade, e Ethernet a 1 Gbps nas ligações aos servidores. 6

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Exemplo: análise de risco do DEI

Exemplo: análise de risco do DEI Exemplo: análise de risco do DEI Descrição do cenário Utilizadores 600 alunos 40 docentes 10 funcionários NEEI, SASUC, CISUC, IPN, Quiosque, Visitantes Rede local 700 tomadas backbone comutado a 1 Gbps

Leia mais

CCDR-LVT. Perspectivas de Desenvolvimento

CCDR-LVT. Perspectivas de Desenvolvimento CCDR-LVT Processo de Informatização Perspectivas de Desenvolvimento Linhas Estratégicas A. Integração Lógica e Funcional do Sistema de Informação B. Normalização, Racionalização e Potenciação dos Circuitos

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O ANTONY CARVALHO, Nº 9063 RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004 Inquérito Estatístico registado sob o n.º 2027, válido até 31 de Dezembro de 2004 AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

Leia mais

ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO

ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO TÉCNICO DE INFORMÁTICA/INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES 2008/2009

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas FICHA DE TRABALHO Nº3 José Vitor Nogueira Santos Topologia de Redes Fibra Óptica e Wireless - 0830 Mealhada, 2009

Leia mais

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão 1992-2013 Duas décadas de experiência em Informática de Gestão A NOSSA MISSÃO: Superar as necessidades dos nossos Clientes, diferenciando-nos pela excelente qualidade e consistência dos nossos serviços.

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P.

INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. INSTITUTO DOS REGISTOS E NOTARIADO, I.P. CONCURSO PÚBLICO N.º 05/DP/2009 AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE FILAS DE ATENDIMENTO DOS SERVIÇOS DESCONCENTRADOS DO IRN, I.P. CADERNO DE ENCARGOS ANEXO I ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Projecto de cablagem estruturada Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Projecto de cablagem Metodologia 1. Definição de requisitos 2. Planeamento 3. Projecto 2 Exemplo Empresa

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

Centro degestão da RedeInformática do Governo

Centro degestão da RedeInformática do Governo 25 de Maio de 2005 O foi criado pelo Governo 15/12/1989 pelo Decreto-lei 429/89 Âmbito Modernização do sector público Objectivo Adopção dos meios que simplifiquem todo o processo de apoio à tomada de decisão

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Rede de Comunicações do Governo

Rede de Comunicações do Governo Rede de Comunicações do Governo Helder Saúde 2 de Abril de 2008 1. Âmbito do CEGER O CEGER - Centro de Gestão da Rede Informática do Governo constitui o organismo responsável pela gestão da rede informática

Leia mais

Instituto do Emprego e Formação Profissional

Instituto do Emprego e Formação Profissional Instituto do Emprego e Formação Profissional Curso de Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos/ Técnicos de Informática Módulo de Rede Local Administração (0775/RLA) Projeto de Administração de

Leia mais

Manual de Infraestrutura para Alunos

Manual de Infraestrutura para Alunos Manual de Infraestrutura para Alunos POSI E3 - Pós-Graduação em Sistemas de Informação Especialização em Engenharia Empresarial Linkcom, SA Pág. 1 de 7 Índice Manual de Infraestrutura para Alunos... 1

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004

Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004 Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Organismos do Governo

Leia mais

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO

INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO INQUÉRITO ao COMÉRCIO ELECTRÓNICO Documento Metodológico Preliminar 19-08-09 1 1. Introdução No âmbito da participação do Instituto Nacional de Estatística (INE), no Grupo de Trabalho do Eurostat sobre

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização

Computadores Portáteis. Regulamento de utilização Computadores Portáteis Regulamento de utilização 1 Introdução Os computadores portáteis estão disponíveis para: a) a utilização individual e profissional por professores; b) a utilização por professores,

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação

Serviços de Implementação HP: Serviço de instalação Ficha técnica Serviços de Implementação HP: Serviços HP para Computadores e Impressoras Vantagens do serviço Instalação de computadores e impressoras preparados para TI e utilizadores Instalação padrão

Leia mais

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO PORTFOLIO 2014 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas de terceirização, infra-estrutura, suporte,

Leia mais

NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM

NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM NCR Angola A história da NCR Angola começou em 1995. Logo neste ano, a sua acção começou por se desenvolver em duas vertentes principais: uma divisão destinada

Leia mais

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: 9 Turno (e campus): Taguspark Nome Número Luís Silva 68672 Ivo Marcelino 70684 José Lucas 70685 Nome do Projecto Enterprise Digital Content

Leia mais

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil

Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Informática Projecto de Redes para uma Indústria Têxtil Engenharia de Redes 2000/2001 Ivo Alexandre Seixas Matos Esteves

Leia mais

melhor e mais inovador

melhor e mais inovador Conheça o melhor e mais inovador de Portugal. Prime TI s Mais de 2000 m2 850 Bastidores 4 Salas de alojamento 2 Salas networking Salas de staging Salas UPS Sala de clientes Sala bandoteca Serviços de storage,

Leia mais

Caso de Estudo. Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi

Caso de Estudo. Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi ...sendo fundamental para permitir o funcionamento de todos os equipamentos de mobilidade, usados nos vários processos da operação do armazém. Kero O Kero é uma empresa

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Informática Instalação e Gestão de Redes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1. Preâmbulo REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DOS PORTOS MARÍTIMOS QUINHENTISTAS 1 Preâmbulo O presente Regulamento é dirigido aos utentes do Centro de Documentação dos Portos Marítimos Quinhentistas (CEDOPORMAR),

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Docentes 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Bruno Santos (feiticeir0@feiticeir0.no-ip.org) Caldas da Rainha, 1 de Setembro 2007 António Martins (digiplan.pt@gmail.com) Terminais LTSP com opensuse Agenda

Leia mais

Empresas - Sector J. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2004

Empresas - Sector J. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2004 Empresas - Sector J Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados Inquérito à utilização das TIC nas Empresas do Sector J - BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência:

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

Algumas informações sobre a rede informática do ISA

Algumas informações sobre a rede informática do ISA Algumas informações sobre a rede informática do ISA Fernanda Valente Graça Abrantes A grande maioria dos computadores do Instituto Superior de Agronomia estão ligados entre si constituindo uma Intranet,

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 04 de Dezembro 2007 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2007 MAIS DE 7 EM CADA 10 EMPRESAS COM DEZ E MAIS PESSOAS AO SERVIÇO ACEDEM

Leia mais

Regulamento do Espaço Internet de RESENDE

Regulamento do Espaço Internet de RESENDE Regulamento do Espaço Internet de RESENDE Nota Justificativa A aposta da Câmara Municipal de Resende nas novas tecnologias de informação, tem sido uma constante ao longo dos últimos anos. Ciente da importância

Leia mais

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas

Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Departamento de Estatísticas Sociais Serviço de Estatísticas da Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem Redes de Computadores Sistemas de cablagem Sumário! Sistemas de cablagem: Normalização Estrutura Tipos de cablagem e comprimentos Dimensionamento Componentes 2 Sistemas de cablagem! Devem ser instalados

Leia mais

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis Luis Cabral IDC - Mobility & RFID, CCB 26 de Fevereiro de 2008 1 Miguel Setas GeoMob Gestão de Bens e Recursos Móveis Apresentação divida

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Todos os Organismos da Administração Pública Central e Regional e as Câmaras Municipais dispõem de ligações à Internet.

Leia mais

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO Instalações deficientes, falta de segurança, equipamentos e software obsoletos são problemas com que muitas Organizações têm que se debater no

Leia mais

Configuração dos portáteis utilizando os cabos de rede

Configuração dos portáteis utilizando os cabos de rede Configuração dos portáteis utilizando os cabos de rede O decréscimo do preço dos computadores portáteis originou uma subida exponencial do uso destes equipamentos. O IPCA, procurando acompanhar esta tendência,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES. Nota Justificativa REGULAMENTO DO ESPAÇOS INTERNET DA PRAÇA DE SANTIAGO E DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR EM GUIMARÃES Nota Justificativa A aposta do Município de Guimarães nas novas tecnologias de informação, tem sido uma

Leia mais

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009

Regulamento de utilização Centros Informáticos 2008/2009 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO SALA 15 E LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BLOCO 4 1 1 Introdução Este regulamento destina-se a promover uma utilização mais racional, disciplinada e eficiente

Leia mais

ANEXO 3 REQUISITOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. 1. Requisitos de rede

ANEXO 3 REQUISITOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. 1. Requisitos de rede ANEXO 3 REQUISITOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO A Parte Portuguesa tomará todas as medidas necessárias para disponibilizar gratuitamente à UIT a infra-estrutura de TI (Tecnologias de Informação), equipamento

Leia mais

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com Bárbara Capitão Nº3 CEF barbaracapitao3@gmail.com 1 Índice Definição - O que é uma rede de computadores?... 4 Vantagens da constituição de redes... 4 Tipos de redes (Geografia)... 4 LAN - Local Area Network...

Leia mais

INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA

INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS E FORMULAÇÃO DE PROJECTO DE BACKBONE DE FIBRA OPTICA PARA IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO REDE DO ESTADO INIC

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede FACSENAC WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede Versão: 1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização:

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Í NDICE. Manual de adição de computadores ao domínio Minhaescola Página 1 de 11

Í NDICE. Manual de adição de computadores ao domínio Minhaescola Página 1 de 11 Í NDICE Adição de Computadores ao Domínio da Sala TIC... 4 Ligação à Sala TIC... 7 Desactivação de software de gestão de rede sem fios em HP... 7 i) Aceder ao painel de controlo e alterar a visualização

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

1. Disposições Gerais

1. Disposições Gerais Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna 1.1.1. O CiIPS adopta uma forma de organização interna

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Formação em Contexto de Trabalho

Formação em Contexto de Trabalho Relatório da Componente de Formação em Contexto de Trabalho do Curso de Especialização Tecnológica de Gestão de Redes e Sistemas Informáticos Formação em Contexto de Trabalho José Ricardo Gonçalves de

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Fábio Costa e Miguel Varela

Fábio Costa e Miguel Varela Sistema de Informação e Gestão dos Laboratórios do Departamento de Eng.ª Electrotécnica com Tecnologia RFID Projecto Final de Licenciatura em Eng. Electrotécnica e de Computadores Ramo de Electrónica e

Leia mais

indíce CFIUTE - Centro de Formação Interação UBI Tecido Empresarial Portfólio de Espaços Caracterização do CFIUTE 3 Mensagem da Direção do CFIUTE 4

indíce CFIUTE - Centro de Formação Interação UBI Tecido Empresarial Portfólio de Espaços Caracterização do CFIUTE 3 Mensagem da Direção do CFIUTE 4 2 indíce Caracterização do CFIUTE 3 Mensagem da Direção do CFIUTE 4 Coordenação do CFIUTE 5 Instalações Piso 0 6 Piso -1 7 Piso -2 8 Ficha de Pedido de Informações 9 3 caracterização do cfiute A Universidade

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores. Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12)

Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores. Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12) Projecto de Cablagem Estruturada em Redes de Computadores Proposta para o Edifício da ESTIG Piso 0 e Laboratório Piso -1(Sala 12) Ricardo Costa nº5963 João Caixinha nº5946 Manuel Terlica nº5968 Pedro Rodrigues

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Internet através de uma rede local

Internet através de uma rede local Configuração de um Router para aceder à Internet através de uma rede local INDICE PAG 1. Introdução 4 2. Hardware utilizado 5 3. Software utilizado 5 4. Instalação de Hardware 5 5. Configuração de Software

Leia mais

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores Luís Morgado, Pedro Sousa, Ana Borges, Fernanda Barbosa, Jorge Barbosa Resumo Descreve-se uma aplicação desenvolvida para o controlo, gestão e actividade

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas das Tecnologias

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA

Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA Projecto de Reengenharia dos Postos de Trabalho BANIF e BCA 19 November 2007 Objectivos para o BANIF Standardização dos postos de trabalho Focar a equipa de IT em tarefas pro-activas de gestão, minimizando

Leia mais

O e-learning como etapa da universidade para o virtual

O e-learning como etapa da universidade para o virtual lmbg@ufp.pt & fergomes@ufp.pt O e-learning como etapa da universidade para o virtual Luis Borges Gouveia Fernando Gomes Universidade Fernando Pessoa e-learning como objectivo ou etapa? o e-learning como

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito)

Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias. Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviços de Acção Social Regulamento dos Laboratórios de Informática das Residências Universitárias Capítulo I Regras Gerais Art.º1º (âmbito) 1. O objectivo dos Laboratórios

Leia mais

Optimização. em Tecnologias de Informação

Optimização. em Tecnologias de Informação Optimização do Investimento em Paulo Brandão (ATM) paulo.brandao@atm-sgps.pt Optimização de investimentos em TI Consultoria, Integração, Projecto e Manutenção de Soluções de Tecnologias de Informação e

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Correcção da ficha de trabalho N.º 1 1. Refere algumas das principais áreas

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.05 Data: 2010-12-15 Appliance CAMES.GT 1 ÍNDICE A Apresentação da Appliance CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server B Características

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica

Sistema de Informação Geográfica Sistema de Informação Geográfica Conteúdo Apresentação da Empresa Implementação do SIG na Prestiteca, porquê? SIG na Prestiteca Constituição do SIG Vantagens na implementação do SIG Principais dificuldades

Leia mais

Case Study CHON. Centro Hospitalar do Oeste Norte

Case Study CHON. Centro Hospitalar do Oeste Norte Wavecom - Soluções Rádio, S.A. Cacia Park Rua do Progresso, Lote 15 3800-639 AVEIRO Portugal T. +351 234 919 196 F. +351 234 919 191 wavecom@wavecom.pt www.wavecom.pt CHON Interligamos, com a nossa solução,

Leia mais

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação do Sistema Operativo CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.06 Data: 2010-11-15 SO CAMES 1 ÍNDICE A Apresentação do CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server - Sistema Operativo de

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Câmaras Municipais 2003 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação

Câmaras Municipais 2003 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Câmaras Municipais 2003 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Estudo realizado pelo CIES/Universidade do Minho Agosto de 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência:

Leia mais

A Rede Informática do ISEL e do IPL

A Rede Informática do ISEL e do IPL A Rede Informática do ISEL e do IPL Nuno Cruz Pedro Ribeiro Vítor Almeida 2000/12/04 Nuno Cruz / Pedro Ribeiro / Vítor Almeida #1 Índice Objectivo História Unidade de Apoio Informático (UAI) Rede do IPL

Leia mais