ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA"

Transcrição

1 1 Boas Práticas

2 DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação

3 ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA O Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça foi criado em 2007, com a aprovação da nova Lei Orgânica do Ministério da Justiça e no âmbito das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE), integrando os objectivos de melhoria da qualidade dos serviços públicos e ganhos de eficiência. É um instituto público dotado de autonomia administrativa, financeira e património próprio, sob a tutela e superintendência do Ministro da Justiça e com jurisdição sobre todo o território nacional. 3 Boas Práticas

4 ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA MISSÃO Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. VISÃO Ser reconhecido pelo cumprimento atempado das responsabilidades perante terceiros, pela adequação das instalações e eficiência no controlo orçamental do MJ. 4 Boas Práticas

5 ÁREAS DE ACTIVIDADE Empreendimentos Conservaçãoe manutenção do património do Estado atribuído ao Ministério da Justiça e implementação de novos investimentos, no mesmo âmbito, tais como Palácios de Justiça, Centros educativos, Estabelecimentos Prisionais e instalações do Instituto dos Registos e Notariado; (75%- 80% PIDDAC do MJ) Financeira Coordenar a elaboração dos projectos de orçamento e acompanhar a execução orçamental dos serviços e organismos do Ministério da Justiça; arrecadare administrar as receitas e efectuar os pagamentos inerentes a Custas dos processos judiciais, Apoio judiciário, Conservatórias e Cartórios Notariais; (transferências Serv. Integrados MJ , orçamento IGFIJ ); (gestão financeira processos judiciais ) Património Gestão concertada dos meios patrimoniais do Ministério da Justiça, com a Administração, Planeamento e Monitorização dos imóveos afectos ao mesmo. (900 instalações MJ) 5 Boas Práticas

6 FACTORES DETERMINANTES PARA A MUDANÇA O PONTO DE PARTIDA NOVEMBRO 2007 (Organização) Existiam pelo menos 3 Institutos, ou seja, um Financeiro e Orçamental, um Patrimonial, um de Empreendimentos, com articulação reduzida Reduzido enfoque na receita (sendo uma das atribuições mais críticas) Inexistência de modelo de reporting de gestão que permitisse aferir a eficiência e eficácia da actividade do Instituto 6 Boas Práticas

7 FACTORES DETERMINANTES PARA A MUDANÇA O PONTO DE PARTIDA NOVEMBRO 2007 (Sistemas) Inexistência de plano estratégico de sistema de informação Nível de cobertura dos processos em termos de sistemas aplicacionais robustos e integrados era extremamente reduzido. Ex.: Excel era uma ferramenta que sustentava demasiada informação crítica A versão utilizada do sistema SAP, não era suportada pelo fornecedor 7 Boas Práticas

8 FACTORES DETERMINANTES PARA A MUDANÇA O PONTO DE PARTIDA NOVEMBRO 2007 (Sistemas) Existiam actividades suportadas por diferentes sistemas com elevada duplicação de actividades de registo, riscos de erros, e fiabilidade de dados Dependência de recursos humanos externos ao IGFIJ (Rede, Sistemas, Dados) com elevado risco de perda de informação Inexistência de aplicações de gestão documental e workflow que permitam a desmaterialização dos processos 8 Boas Práticas

9 9 Boas Práticas COMPETÊNCIAS

10 VECTORES CHAVE DO SISTEMA A VISÃO: com base no estudo realizado, a definição do Informação Integrado centrou-se em 3 vectores chave: INTEGRAÇÃO Dos departamentos, sistemas, processos e informação residentes no IGFIJ, com claras melhorias ao nível da oportunidade de acesso à informação e do controlo e previsão dos processos financeiros; INTEROPERABILIDADE Com os parceiros e utilizadores externos ao IGFIJ; SERVIÇO AO UTILIZADOR Interno e Externo, com melhores canais de comunicação, ponto de acesso único, ambiente homogéneo e interface ajustado às necessidades do utilizador. 10 Boas Práticas

11 11 Boas Práticas O SISTEMA DE INFORMAÇÃO INTEGRADO

12 FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO PARA O PROCESSO DE MUDANÇA Foco de todas as equipas envolvidas, nos objectivos COMUNSe resultados pretendidos, com a identificação de 5 PRINCÍPIOS BASE para o projecto: Mantém-se a plataforma base existente; Acrescenta-se nas áreas em falta, um sistema totalmente integrado cobrindo a totalidade de funcionalidades com lacunas; Elimina-se a duplicação entre sistemas; Garante-se a interoperabilidade entre os 2 subsistemas (SAP e Windows) e entre estes e o exterior (através de protocolos standard); Garante-se a facilidade na utilização em termos de apresentação. 12 Boas Práticas

13 BENEFÍCIOS OBTIDOS COM O PROJECTO BENEFÍCIOS INTERNOS AO IGFIJ - INTEGRAÇÃO Redução dos custos de gestão Eliminação do papel/desmaterialização dos processos; simplificação e desburocratização das práticas administrativas; controlo e gestão do fluxo documental e arquivo e integração com sistemas de back-office; Racionalização e eficiência Partilha de meios e informação, colaboração nos processos transversais e organização do trabalho em rede; Novas funcionalidades com melhor controlo dos processos Maior controlo da receita; melhor informação de gestão; controlo dos desvios de execução física e orçamental com potencialidades de previsão; reconciliações bancárias por tipo de pagamentos, geração de documentos únicos de pagamento, Portal do Funcionário, fluxo integrado de informação entre os departamentos. 13 Boas Práticas

14 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação dos imóveis e serviços instalados Informação das Custas Judiciais (SICJ) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) Gestão de Empreendim entos (SIGE) Visão integrada da execução física e material dos empreendimentos Agilização de cobrança e conta corrente da entidade Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) SAP Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Pagamentos e reconciliações bancárias Execução orçamental Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) Conta corrente do prestador e rigor na dívida 14 Boas Práticas

15 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação das Custas Judiciais (SICJ) Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) SAP Gestão de Empreendim entos (SIGE) Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Visão integrada da execução física e material dos empreendimentos Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) 15 Boas Práticas

16 INTEROPERABILIDADE ENTRE O ERP SAP E O SISTEMA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS A solução: Benefícios: BizTalk SIGE SAP Assegurar uma visão integrada do acompanhamento dos Empreendimentos execução física e financeira; Garantir as validações e alertas decorrentes dos requisitos legais em vigor e de procedimentos internos; Melhor planeamento dos projectos; Implementar um filosofia de entrada única de dados. 16 Boas Práticas

17 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação dos imóveis e serviços instalados Informação das Custas Judiciais (SICJ) Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) SAP Gestão de Empreendim entos (SIGE) Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) 17 Boas Práticas

18 INTEROPERABILIDADE ENTRE O ERP SAP E O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE IMÓVEIS DO ESTADO A solução: Benefícios: BizTalk SIIE SAP Possibilidade de cadastro dos imóveis do Instituto e sob sua responsabilidade; Integração da gestão de imóveis com a contabilidade; Resposta à legislação em vigor CIBE; Permitir o reporte automático de informação aos sistemas centrais SIIE. 18 Boas Práticas

19 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação das Custas Judiciais (SICJ) Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) SAP Gestão de Empreendim entos (SIGE) Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) 19 Boas Práticas

20 20 Boas Práticas SICJ

21 SICJ Alguns dados Sobre o Sistema: Cerca de utilizadores registados em 400 tribunais Processos Guias Contas Notas Pedidos de Pagamento Sobre as operações realizadas: Registo de Processos por mês Transferência de Processos por mês Registo de Actos Avulsos por mês Notas emitidas por mês Registos de NIPs por mês NIPs comprados por mês Guias por mês Guias cobradas por mês Registo de Contas por mês Cerca de 20,000 pagamentos por mês Mais de Recebimentos por ano 21 Boas Práticas

22 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação das Custas Judiciais (SICJ) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) Gestão de Empreendim entos (SIGE) Agilização de cobrança e conta corrente da entidade Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) SAP Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) 22 Boas Práticas

23 DUC taxa justiça 23 Boas Práticas

24 24 Boas Práticas REEMBOLSO taxa justiça

25 REEMBOLSO taxa justiça 25 Boas Práticas

26 REEMBOLSO taxa justiça (pedido) 26 Boas Práticas

27 REEMBOLSO taxa justiça (consulta) 27 Boas Práticas

28 28 Boas Práticas REVALIDAÇÃO taxa justiça

29 REVALIDAÇÃO taxa justiça 29 Boas Práticas

30 INTEGRAÇÃO E INTEROPERA- BILIDADE SIMBA SISTEMA DE INTEGRAÇÃO E INTEROPERABILIDADE Middleware que permite a interoperabilidade entre as diferentes aplicações existentes no Instituto e aplicações externas, a fim de assegurar um modelo global mais eficaz e eficiente. Solução assente na plataforma Biztalk. Informação das Custas Judiciais (SICJ) Documento Único de Cobrança (DUC / Portal) Sistema Informação Imóveis Estado (SIIE) SAP Gestão de Empreendim entos (SIGE) Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público Informação de Gestão Orçamental (SIGO) Pagamentos do Apoio Judiciário (SPAJ) Conta corrente do prestador e rigor na dívida 30 Boas Práticas

31 31 Boas Práticas SPAJ

32 32 Boas Práticas SPAJ

33 INTEROPERABILIDADE ENTRE O ERP SAP E O SISTEMA DE APOIO JUDICIÁRIO A solução: Benefícios: BizTalk SPAJ SAP Assegurar a correcta contabilização do Apoio Judiciário dívidas, pagamentos, reposições, etc.; Uniformização do cadastro de entidades; Garantir uma conta corrente individualizada de cada entidade; Automatização de processos manuais; Implementar um filosofia de entrada única de dados. 33 Boas Práticas

34 CARACTERIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO APOIO JUDICIÁRIO Cerca de Advogados a prestar apoio Judiciário; Aproximadamente 800 nomeações de advogados por dia; Média de 900 pedidos de pagamento por dia referentes ao Apoio Judiciário: 400 com origem na Ordem dos Advogados; 500 com origem nos Tribunais; 34 Boas Práticas

35 BENEFÍCIOS PARA O CIDADÃO E EMPRESAS SERVIÇO AO UTILIZADOR Redução drástica dos tempos de resposta às solicitações externas, dos cidadãos, empresas públicas e privadas, e organismos do Estado, eliminando um delaymédio de 4 a 6 meses, nomeadamente nos pedidos de reembolso 35 Boas Práticas

36 EM RESUMO.. Estudámos a organização Identificámos competências, serviços e processos Definimos a arquitectura SI E a tecnologia de suporte Implementámos as várias vertentes do projecto Estruturamos o backoffice Apresentamos serviços ao exterior 36 Boas Práticas

37 However beautiful is the strategy, you should occasionally look at the results Sir Winston Churchill Contactos: Graça Namora - https://igfij.mj.pt 37 Boas Práticas

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 2 Agenda

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos (OE) Meta 2008 Taxa de Realização Ministério: Organismo: MISSÃO: Ministério das Finanças e da Administração Pública Direcção-Geral do Orçamento A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) tem por missão superintender na elaboração e execução do

Leia mais

Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste

Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste Seminário de Alto Nível sobre a Supervisão do Orçamento Legislativo & Controlo Externo das Finanças Públicas nos PALOP e Timor Leste Março de 2015 1996 1999: AUTOMATIZAÇÃO DOS PROCESSOS Lei sobre Unicidade

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI 10 Anos da Sociedade de Informação 2 de Novembro de 2006 FIL Parque das Nações A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João Catarino Tavares ( ) Patrocínio Apoio A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Ministério da Economia e da Inovação Secretaria-Geral

Ministério da Economia e da Inovação Secretaria-Geral Apresentação Data: 6 de Novembro de 2006 Organismos do MEI Organismos do MEI no projecto-piloto de Factura Electrónica: (integrando a prestação centralizada de serviços a 10 organismos do MEI) IAPMEI ICEP

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita

Serviços Partilhados em Saúde. Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Serviços Partilhados em Saúde Interface Jornadas da Saúde Paula Nanita Lisboa, 22 de Maio de 2007 Unidades de Serviços Partilhados Processos A divisão dos processos entre actividades locais e actividades

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008

Implementação do conceito. Balcão Único na Administração Pública. Janeiro de 2008 Implementação do conceito Balcão Único na Administração Pública Janeiro de 2008 Janeiro 2008 1 Índice 1. Enquadramento e Objectivos...3 1.1. Enquadramento...3 1.2. Objectivos...7 2. Conceitos...7 3. Recomendações

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros

Princípios Gerais da Reforma Judiciária. João Miguel Barros Princípios Gerais da Reforma Judiciária João Miguel Barros Agenda reformadora: 1. Reforma do Processo Civil 2. Organização Judiciária 3. Plano de Acção para a Justiça na Sociedade de Informação Ensaio

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas das Custas Pagas nos Tribunais. Código: 483 Versão: 1.0 Setembro de 2010 INTRODUÇÃO A Direcção-Geral da Política de Justiça, antigo Gabinete de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

sage Infologia50 Contabilidade

sage Infologia50 Contabilidade Contabilidade Nova Versão SAFT-PT Sage 2008 e Analisador SAFT: Validação, consulta e exploração de dados do ficheiro SAFT. Automatização do CMVMC: Automatização do CMVMC, permitindo a introdução da existência

Leia mais

5ª Sessão. Helpdesk e Ticketing. A complementaridade do. reporting de erros com a gestão. de desenvolvimento aplicacional. Mónica Henriques (IEFP, IP)

5ª Sessão. Helpdesk e Ticketing. A complementaridade do. reporting de erros com a gestão. de desenvolvimento aplicacional. Mónica Henriques (IEFP, IP) 5ª Sessão Helpdesk e Ticketing A complementaridade do reporting de erros com a gestão de desenvolvimento aplicacional Mónica Henriques (IEFP, IP) Instituto do Emprego e Formação Profissional, IP Departamento

Leia mais

Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3)

Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3) Registo Nacional de Pessoas Colectivas A Nova Classificação de Actividades Económicas (CAE Rev. 3) Apresentado por: Ana Sommer Ribeiro 23.10.2007 Registo Nacional de Pessoas Colectivas Enquadramento O

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815

Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Diário da República, 1.ª série N.º 231 29 de novembro de 2012 6815 Artigo 7.º São revogadas as Portarias n. os 513/2007, 518/2007, 556/2007 e 561/2007, todas de 30 de abril. Artigo 8.º O Ministro de Estado

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1)

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA. Vítor B. VALE (1) BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE INFORMAÇÃO DE GESTÃO DE CLIENTES DA EPAL, SA Vítor B. VALE (1) RESUMO O SIGC - Sistema Integrado de Gestão de Clientes, foi analisado e desenvolvido tendo como grande

Leia mais

V/2 MICRO ESTRUTURAS * MAI

V/2 MICRO ESTRUTURAS * MAI Comissão Técnica do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado Relatório Final V MICRO-ESTRUTURAS 2 MAI Ministério da Administração Interna (Julho/2006) V/2 Micro-Estruturas do MAI ÍNDICE

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Transformamos Informação em Conhecimento

Transformamos Informação em Conhecimento Transformamos Informação em Conhecimento Contabilidade Parametrização automática de uma estrutura para centros de custo. Automatização de tipos de lançamentos. Tratamento automático do final do exercício.

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break

LOGÍSTICA NÍVEL I. LOCAL Centro de Formação TRIGÉNIUS FÁTIMA. CONDIÇÕES 1 Computador por participante Certificado de participação Coffee Break LOGÍSTICA NÍVEL I Logística do ERP PRIMAVERA, designadamente Vendas e Stocks/ Inventários. administrativa. Configuração do administrador Criação e configuração de séries documentais Tratamento das entidades

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

PHC Serviços CS. A gestão de processos de prestação de serviços

PHC Serviços CS. A gestão de processos de prestação de serviços PHC Serviços CS A gestão de processos de prestação de serviços A solução que permite controlar diferentes áreas de uma empresa: reclamações e respectivo tratamento; controlo de processos e respectivos

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas 01-01-2006 SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas Rev 1.0 1 INDICE 1 Indice... 2 2 Introdução... 3 2.1 Acesso ao sistema... 3 3 Login... 4 3.1 Primeiro Login... 4 4 Gestão de Declarações...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011

PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 PLANO ESTRATÉGICO 2006-2011 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Versão 0/Junho 2006 INDICE 1. Introdução 2. Visão, missão, valores 3. A estrutura do plano 4. Programa 1 6. Programa 2 Reforço da administração da justiça

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

Prémios Co-Inovação 2015. Joana Barroso & Hugo Miguel Ribeiro

Prémios Co-Inovação 2015. Joana Barroso & Hugo Miguel Ribeiro Prémios Co-Inovação 2015 Joana Barroso & Hugo Miguel Ribeiro ExpertSourcing Aprender com quem mais sabe do negócio. Na Quidgest, os clientes participam ativamente no desenvolvimento das soluções tecnológicas,

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL

REUNIÕES DA DIRECÇÃO DO CDL 1. Reuniões realizadas Reuniões Plenárias 23 Reuniões da Comissão Executiva 8 2. Reuniões Plenárias Reuniões Plenárias 5.Janeiro 12.Janeiro 19.Janeiro 26.Janeiro 3. Definição dos objectivos programáticos

Leia mais

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias Rui Ribeiro e Luís Correia EP Gabinete de Sistemas de Informação Agenda Os Sistemas de Informação na EP

Leia mais

2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO

2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO 2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO A DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO (DGO) 1849 Criação da Direção Geral da Contabilidade 1863 - Passou a designar-se por Direção-Geral da Contabilidade Pública

Leia mais

A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ

A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ Conferência Os Tribunais na Sociedade da Informação 8 de Abril de 2010 Reitoria da UNL A virtualização do inquérito no contexto do projecto de desmaterialização em curso Luísa Proença - PJ Patrocinadores

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, Instituto Público PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Índice Introdução... 3 1. Atribuições, organograma e identificação

Leia mais

I Serviços integrados no regime de autonomia administrativa

I Serviços integrados no regime de autonomia administrativa Direcção-Geral do Orçamento MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ofício Circular ASSUNTO: Conversão da execução orçamental da receita e da despesa realizada ao abrigo do regime transitório

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Sistema de Informação Único da Universidade de Aveiro. Osvaldo Rocha Pacheco orp@ua.pt

Sistema de Informação Único da Universidade de Aveiro. Osvaldo Rocha Pacheco orp@ua.pt Sistema de Informação Único da Universidade de Aveiro Osvaldo Rocha Pacheco orp@ua.pt Agenda Caracterização do SI da UA Subsistemas estruturantes Exemplos de subsistemas integradores PADUA Gestão da Investigação

Leia mais

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações

Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações Conselho Superior da Magistratura Janeiro 2012 Modelo de Gestão das Comarcas - Recomendações O Conselho Superior da Magistratura, enquanto órgão máximo de

Leia mais

O nosso ADN Quem Somos Somos um instituto público integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, com intervenção sobre todo o território

Leia mais

Benchmarking Europeu sobre a

Benchmarking Europeu sobre a Benchmarking Europeu sobre a Qualidade de Serviço Qualidade de Serviço Comercial, Investimentos e Incentivos à Melhoria do Desempenho na Madeira Lisboa, 23 de Junho de 2009 2 3 4 5 Enquadramento da EEM

Leia mais

Gestão documental. http://www.logicworks.pt info@logicworks.pt Tel.: 214 261 698

Gestão documental. http://www.logicworks.pt info@logicworks.pt Tel.: 214 261 698 Gestão documental http://www.logicworks.pt info@logicworks.pt Tel.: 214 261 698 A EMPRESA A Filedoc Software dedica-se ao desenvolvimento e comercialização de soluções na área de gestão documental e de

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna

Sistema Integrado de Gestão da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna Sistema Integrado de Gestão da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna Força para Mudar o que se consegue Paciência para Conviver com o que não se pode mudar. Sabedoria para distinguir

Leia mais

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008

Solução para emissores e receptores de facturas. Carlos César 24 de Junho de 2008 Solução para emissores e receptores de facturas Carlos César 24 de Junho de 2008 1 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7, 0.97 3., 507 3.,!%3,02 88 4/0 3, 02 88 4 $4 : 4!%5,7,02 884708070.0594708 $ 2 Agenda 36:,/7,20394/,,.9:7,

Leia mais

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização O FUNDO DE MANEIO Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo ao Manual sobre o Fundo de Maneio Esta apresentação

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas

Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Regulamento de Competências de Subunidades Orgânicas Dando sequência ao estabelecido no art.º 2.º do Regulamento da Estrutura Flexível dos serviços municipais e usando das competências conferidas pelos

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a

Leia mais

Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência. Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt

Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência. Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt Enquadramento tecnológico Democratização da tecnologia Presença a da PRIMAVERA Software MFrames 1950...70 O DOS O

Leia mais

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009

Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 v.1.6. Plano Estratégico de Sistemas de Informação 2009 Versão reduzida Hugo Sousa Departamento de Tecnologias PESI 2009 Calendário de Projectos Calendário Direcção de projectos para 2009Projecto Licenciamento

Leia mais

Características de Serviços Partilhados

Características de Serviços Partilhados Características de Serviços Partilhados Os Serviços Partilhados caracterizam-se pela prestação de funções de suporte a várias organizações, por uma organização vocacionada para estes serviços. Ministério

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais