Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel"

Transcrição

1 Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel

2 Ciclo estral Poliéstricas estacionais Ciclos estrais normais durante uma determinada época do ano.

3 Ciclo estral Poliéstricas estacionais Em zonas temperadas ambos apresentam tendência a ciclar numa época específica (outono); Em zonas tropicais a tendência é de reprodução o ano todo.

4 Fotoperíodo Importante para ovinos, caprinos e equinos (espécies consideradas poliéstricas estacionais); 16-8 horas de luze com estações 12 horas de luz e sem estações Fonte: Galina & Valencia (2008)

5

6 Raças vs. ciclicidade 100 Freqüência (%) Média Corriedale Merino Romney Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Meses do ano

7 Raças vs. ciclicidade Origem mais próxima ao equador = estações reprodutivas mais longas Dorset, Merino, Rambouillet. Origem britânica = período reprodutivo mais restrito Hampshire, Suffolk, Southdown.

8 Estro Ovelhas cio pouco pronunciado vulva edemaciada corrimento mucoso através da vagina Sem a presença do macho o cio é de difícil detecção tanto na cabra como na ovelha.

9 Estro

10 Estro

11

12 Estro Duração do cio: Ovelhas: 24 a 36 horas Cabras: 24 a 48 horas Fatores que influenciam na duração do cio: Raça Idade Estação Presença de macho

13 Ovulação: -espontânea: próxima ao final do cio -ovelha: 24 a 27 horas após o início do cio -cabra: 24 a 36 horas após o início do cio

14 Taxa de ovulação Fatores que afetam a taxa de ovulação: Raça Merino ovula 1,2 óvulos em média. Romanov ovula em média 3 óvulos. Gene Booroola homozigose - 30% partos simples ou triplos - 70% partos duplos Idade Máxima: 3 aos 6 anos Estação Maior ovulação no início da estação

15 Taxa de ovulação Raça Romanov Raça Merino

16 Taxa de ovulação nascidos1.8 Número de cordei iros Texel Ile de France Suffolk Idade Ovelha

17 Taxa de ovulação Número de cord deirosnascidos Texel Ile de France Suffolk S O N D J F M A M J J A Mesesdo ano

18 Taxa de ovulação Fatores que afetam a taxa de ovulação: Flushing (aumento aporte nutricional) Tamanho corpóreo e condição corporal

19 Cabras São poliéstricas estacionais, tem influência do fotoperíodo. Detecção de cio na cabra: inquietação berra freqüentemente balança a cauda constantemente diminuição do apetite baixa na produção de leite

20

21

22

23 RelaçõesAmbientaise Reprodução Fotoperíodo; Interações entre Nutrição x Reprodução; Flushing; Condição Corporal x Fertilidade Bioestimulação ou Efeito macho

24 Glândula Pineal Melatonina Hipotálamo Nervo Simpático Sinais Luminosos Hipófise LH FSH Ovelha Égua

25 Alternativas para o controle da luminosidade Programas de luz -Antecipação da encerra dos animais mais cedo no final do verão; - Galpão com baixa luminosidade;

26

27

28 Efeito Macho Prática de manejo que auxilia na indução de ciclicidade nas ovelhas; Este tratamento consiste em deixar os reprodutores ou rufiões afastados das fêmeas por um período de 30a60 dias; As fêmeas não podem ter contato visual, auditivo e olfativo com os machos (distância de 1 km); Após o 5º dia, as fêmeas começam a apresentar sintomas de estro;

29 Efeito Macho Sua utilização deve ser combinada com outras práticas de manejo, porém principalmente utilizada quando as ovelhas apresentarem boa CC.

30 Efeito Macho Retiradados Machos -Distância>1 km -Períodode 4-8 semanas LH 60 dias Re-introdução dos Machos -1 a 2 semanaspréacalamento; - Maior eficiências em fêmeas adultas; Ovulação Liberação delh 10 horas após a exposição; 92% de ovelhas em cio nos primeiros 15 dias de acasalamento Machos -Ferormôniosnaurina, glândulas na base dos chifres; - Estímulo visual; - Estímulo auditivo. Fonte: Galina & Valencia (2008)

31 InteraçãoNutriçãox Reprodução Flushing Aumento do aporte nutricional em favorecimento da reprodução; Suínos Potencializa a resposta ovulatória e retorno à ciclicidade após o desmame; Ovinose Caprinos Aumentodataxa de ovulação.

32 - - Sistema IGF Fisiologia do Flushing Hipotálamo GnRH Hipófise FHS LH Estímuloà Foliculogêne se Ovário Efeito Agudo na Nutrição + Glucose Efeito ovariano direto + Estradio l Glucos e Insulina Leptina AumentonaTaxade +

33 Parâmetros reprodutivos de ovinos e caprinos Parâmetro Ovinos Caprinos Reprodução Feminina Idade Puberdade (m) a 35 kg 5-7 Cicloestral(d) 17 (14 19) 21 (18 22) Cio(h) Ovulação (óvulos/ciclo) Idade Puberdade (m) Reprodução Masculina Estação Sexual Nenhuma Nenhuma Volumeseminal (ml) Concetração (bilhões/ml) Acasalamento (macho:fêmea) 0,8 1,2 0,1 1,5 1, :30 1:50

34 Parâmetrosreprodutivos Longevidade: Fêmeas 6-7 anos; Machos variável (4-6 anos); Taxade natalidade 80-90% Prolificidade (RS) 90% partos simples Mortalidade perinatal 15 a 40% Fertilidade IA 70-75% 1 cio 80-90% 2 cios

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc.

Manejo reprodutivo I. Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. Manejo reprodutivo I Fernando Miranda de Vargas Junior Zootecnista, DSc. MNEJO REPRODUTIVO Escolha do macho Escolha da fêmea Flushing Efeito macho Seleção Melhoramento MNEJO REPRODUTIVO Exame andrológicos

Leia mais

ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP

ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP ESTAÇÃO DE MONTA: POR QUE INVESTIR? EDSON RAMOS DE SIQUEIRA FMVZ / UNESP Botucatu- SP OBTENÇÃO DE ALTOS ÍNDICES REPRODUTIVOS (OWEN, 1988) PRECOCIDADE LONGEVIDADE REPRODUTIVA INTERVALO ENTRE PARTOS PROLIFICIDADE

Leia mais

II SIMPÓSIO DE CAPRINOS E OVINOS DA EV UFMG SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E SUPEROVULAÇÃO EM CAPRINOS E OVINOS

II SIMPÓSIO DE CAPRINOS E OVINOS DA EV UFMG SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E SUPEROVULAÇÃO EM CAPRINOS E OVINOS II SIMPÓSIO DE CAPRINOS E OVINOS DA EV UFMG SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E SUPEROVULAÇÃO EM CAPRINOS E OVINOS Jeferson Ferreira da Fonseca Pesquisador Embrapa Caprinos 1 1 Fácil transporte! 3 Sociáveis e interativos!

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL Robson Andrade Rodrigues 1 ; Aya Sasa 2 1 Estudante do curso de Zootecnia da UEMS,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica

Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica Beef Expo 15 de junho de 2016 São Paulo, SP Inovações nutricionais para incremento da produtividade na cria: A Suplementação Tecnológica João Marcos Beltrame Benatti Supervisor de Treinamento Técnico Trouw

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

Raças Ovinas. Profa. Alda Monteiro 2013

Raças Ovinas. Profa. Alda Monteiro 2013 Raças Ovinas Profa. Alda Monteiro 2013 OVINOS Sub-reino Classe Ordem Subordem Grupo Família Subfamilia Gênero Espécie Vertebrata Mammalia Ungulata Artiodactyla Ruminantia Bovineae Ovinae Ovis Ovis aries

Leia mais

Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em 2008

Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em 2008 MANEJO E EVOLUÇÃO DE REBANHO DE BOVINOS DE CORTE Prof. Dr. Cássio C. Brauner Prof. Dr. Marcelo A. Pimentel Departamento de Zootecnia FAEM -UFPel Valor das vendas dos principais produtos Agropecuários em

Leia mais

Reprodução e Melhoramento

Reprodução e Melhoramento 2015, Hugo Novo e Laura Moura Animais em estado natural: 1 gestação/ano, parto a Primavera (crescimento dos dias, aumento de temperatura, maior produção vegetal) Animais domesticados: gestação em qualquer

Leia mais

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel

ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA. M.S. Cássio Cassal Brauner FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA M.S. Cássio Cassal Brauner Prof. DZ-FAEM FAEM-UFPel ENDOCRINOLOGIA REPRODUTIVA Endocrinologia é parte das ciências médicas que trata da secreção das glândulas internas (hormônios)

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim Manejo Reprodutivo em Suínos Rafael Ulguim Reposição Oportunistas Creche Recria / Terminação Abate Parto Desmame Estro Parto Ciclo produtivo da porca Lactação IDE Gestação 18-25 dias 3-7 dias 114 dias

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA

MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA MANEJO DA NOVILHA EM GADO DE CRIA Prof. Júlio O. J. Barcellos, Med.Vet., Dep. Zootecnia Fac. Agronomia e- mail: julio.barcellos@ufrgs.br http://www.ufrgs.br 1 ESTRUTURA DO TEMA A novilha e o sistema de

Leia mais

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos Valor econômico de características produtivas em ovinos criados no Bioma Pampa Lampert et al., 2013 Foco da produção

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO. Recria - Gestação Lactação. Cachaço 08/06/2014. Levar em consideração: Exigências nutricionais de fêmeas suínas NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO Recria - Gestação Lactação Cachaço Msc. Daniela Junqueira Rodrigues Exigências nutricionais de fêmeas suínas 1. Linhagem 2. Estágio de desenvolvimento do animal 3. Consumo de ração

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar

Introdução. Seleção de Reprodutores. Importância das Fêmeas. Importância dos Machos. O que selecionar. Como selecionar Disciplina AZ044 - Suinocultura Seleção de Reprodutores Prof. Marson Bruck Warpechowski Introdução Reposição de plantel Substituição de descartes Melhoramento dos produtos Produção: reprodutores x leitões

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Manejo reprodutivo em bovinos

Manejo reprodutivo em bovinos Manejo reprodutivo em bovinos Índices Zootécnicos Bovinos de corte Atual Preconizado Natalidade 60% 75-80% Desmame 55% 76% Idade ao primeiro parto Intervalo entre partos 21 meses Bovinos de leite 48 meses

Leia mais

On line. Utilização do Efeito Macho para Induzir e Sincronizar os Estros (Cios) de Fêmeas Ovinas. Introdução. Ciclo Reprodutivo de Ovelha.

On line. Utilização do Efeito Macho para Induzir e Sincronizar os Estros (Cios) de Fêmeas Ovinas. Introdução. Ciclo Reprodutivo de Ovelha. ISSN 1808-9976 Utilização do Efeito Macho para Induzir e Sincronizar os Estros (Cios) de Fêmeas Ovinas 99 On line Introdução Efeito macho é o nome dado à técnica de inclusão do carneiro em um rebanho de

Leia mais

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos

Flushing. Flushing 07/04/2014. Aspectos reprodutivos dos suínos. Aspectos reprodutivos dos suínos DIESTRO 14 dias Corposlúteosmaduros prod.progesterona Útero recebe óvulos fertilizados embriões Fêmeanão-prenhe luteóliseerecomeçodo ciclo Flushing > aportede energiaparaa fêmea10 diasantes dadata prevista

Leia mais

Acélio Fontoura Júnior

Acélio Fontoura Júnior Produção Animal I Noções básicas sobre produção de bovinos de corte Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Entoure de uma maneira geral Puberdade 1 e 2 entoure Demanda dos ventres e terneiros Disponibilidade

Leia mais

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Caráter extrativista dos sistemas de produção - Historicamente, o pecuarista

Leia mais

Desempenho produtivo de ovelhas submetidas a acasalamento no verão ou no outono no Norte do Paraná. Resumo. Abstract

Desempenho produtivo de ovelhas submetidas a acasalamento no verão ou no outono no Norte do Paraná. Resumo. Abstract Desempenho produtivo de ovelhas submetidas a acasalamento no verão ou no outono no Norte do Paraná Desempenho produtivo de ovelhas submetidas a acasalamentos no verão ou no outono no Norte do Paraná 1

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS MELHORAMENTO GENÉTICO DE OVINOS Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV UNESP INTRODUÇÃO Países com tradição na produção de ovinos Austrália Nova Zelândia África do Sul Argentina

Leia mais

MGA Premix. Praticidade e retorno comprovado na sincronização de cio de gado de corte. Mauro Meneghetti

MGA Premix. Praticidade e retorno comprovado na sincronização de cio de gado de corte. Mauro Meneghetti MGA Premix Praticidade e retorno comprovado na sincronização de cio de gado de corte Mauro Meneghetti mauro.menghetti@pfizer.com Pré-Monta + MGA Premix: Um novo conceito em sincronização de vacas de corte

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

AÇÃO DA LUZ SOBRE AS AVES

AÇÃO DA LUZ SOBRE AS AVES AÇÃO DA LUZ SOBRE AS AVES A luz exerce dupla ação nas aves: Estimula função sexual Estabelece o ciclo reprodutivo Alternância entre dia e noite permite sincronização entre animais Ovário (imaturo) = 12.000

Leia mais

Manejo Reprodutivo Dra. Fernanda Bovino

Manejo Reprodutivo Dra. Fernanda Bovino Manejo Reprodutivo Dra. Fernanda Bovino Manejo reprodutivo Orientar o produtor Organizar/ aumentar a produtividade Utilização racional do rebanho Ampliação do rebanho É o conjunto de medidas votadas para

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

RAÇAS OVINAS 27/07/2017. Ovinos primitivos revestidos de pêlo. Localizados entre os paralelos 25º a 45º.

RAÇAS OVINAS 27/07/2017. Ovinos primitivos revestidos de pêlo. Localizados entre os paralelos 25º a 45º. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA CLASSIFICAÇÃO ZOOLÓGICA 1 Reino Animalia Sub-reino Vertebrata Phylum Chordata Classe Mammalia Ordem Ungulata

Leia mais

Leite de Cabra Departamento de Ciências Econômicas UFSJ. Orientador.: Prof. Ívis Bento de Lima

Leite de Cabra Departamento de Ciências Econômicas UFSJ. Orientador.: Prof. Ívis Bento de Lima Leite de Cabra Departamento de Ciências Econômicas UFSJ Orientador.: Prof. Ívis Bento de Lima Leite de Cabra Uma função social no Município de Coronel Xavier Chaves Aluno: Alexandre Rodrigues Loures A

Leia mais

Desempenho produtivo de ovelhas acasaladas no verão e no outono... Resumo. Abstract

Desempenho produtivo de ovelhas acasaladas no verão e no outono... Resumo. Abstract Desempenho produtivo de ovelhas acasaladas no verão e no outono... Desempenho produtivo de ovelhas acasaladas no verão e no outono recebendo ou não suplementação alimentar durante o acasalamento 1 Productive

Leia mais

MAIORES PRODUTORES DE LEITE DO MUNDO

MAIORES PRODUTORES DE LEITE DO MUNDO MAIORES PRODUTORES DE LEITE DO MUNDO Anualpec, 2010 1 O - UNIÃO EUROPÉIA (27) 2 O - ÍNDIA 3 O - EUA 4 O - RÚSSIA 5 O - CHINA 6 O - BRASIL PRODUÇÃO MUNDIAL DE LEITE PERSPECTIVA MAIORES PRODUTORES DE LEITE

Leia mais

caderno Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha Nº 80 Junho 2013 Volume 42

caderno Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha Nº 80 Junho 2013 Volume 42 Técnico caderno & Científico Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha pg 4 Nº 80 Junho 2013 Volume 42 Ectima Contagioso Uma enfermidade cosmopolita sendo causada por um DNA vírus da família Roxviridae

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

Ciclo sexual. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 2: Síntese: Características dos ciclos estral e menstrual

Ciclo sexual. Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 2: Síntese: Características dos ciclos estral e menstrual Universidade de Brasília (UnB) Universidade Aberta do Brasil (UAB) Aula 2: Ciclo sexual Síntese: Características dos ciclos estral e menstrual 1 Informações gerais da aula 1- Objetivos: geral e específicos

Leia mais

Aspectos econômicos da aplicação de técnicas reprodutivas: MN, IA e IATF. Thaís Basso Amaral Fernando Paim Costa

Aspectos econômicos da aplicação de técnicas reprodutivas: MN, IA e IATF. Thaís Basso Amaral Fernando Paim Costa Aspectos econômicos da aplicação de técnicas reprodutivas: MN, IA e IATF Thaís Basso Amaral Fernando Paim Costa INTRODUÇÃO Questionamentos ligados à reprodução: O que é O que é mais economicamente viável,

Leia mais

Exterior do Suíno. Exterior do Suíno

Exterior do Suíno. Exterior do Suíno Exterior do Suíno Cabeça tamanho médio, bem implantada e com boa conformação; Pescoço bem implantado em relação à cabeça e à paleta; Paletas bem cobertas de carne e lisas; Arqueamento médio do dorso; Lombo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos Ernesto Lobato¹, Rafael Alves da Costa Ferro², Klayto José Gonçalves dos Santos³, Miliane Alves da Costa, Diogo

Leia mais

Estado atual do conhecimento de ecologia populacional e reprodutiva de marsupiais didelfídeos

Estado atual do conhecimento de ecologia populacional e reprodutiva de marsupiais didelfídeos Estado atual do conhecimento de ecologia populacional e reprodutiva de marsupiais didelfídeos Diogo Loretto Instituto Oswaldo Cruz IOC/Fiocruz SIMPÓSIO: Marsupiais didelfídeos: em que ponto estamos? Estado

Leia mais

Agricultura: Convencional. Produto Min. Max Mais Freq. Max Freq. Freq. Freq. Freq. Freq. Pag.: 1 / 6. UNI= /kg

Agricultura: Convencional. Produto Min. Max Mais Freq. Max Freq. Freq. Freq. Freq. Freq. Pag.: 1 / 6. UNI= /kg Produto Min. Mais AVES FRANGO (+ 1.300 Kg.) AVES FRANGO (1.100-1.300 Kg.) AVES FRANGO (600-700 g.) AVES FRANGO (700-900 g.) AVES FRANGO (900 g. - 1.100 Kg.) BOVINO BOVINO BOVINO PESO BOVINO BOVINO BOVINO

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14

Série 34 E 35 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-14 31-jan-14 a - Juros 6.691.919,50 a - Juros 1.672.979,81 b - Amortização 3.757.333,97 b - Amortização 939.333,65 a - Saldo atual dos CRI Seniors (984.936.461,48) b - Saldo atual dos CRI Junior (246.234.105,79)

Leia mais

1

1 CATÁLOGO DE REPRODUTORES 2012-2013 Publicação Nº 4 2012-2013 Dayanne M Almeida Cel (NZ) +64 27 232 2279 1 CDP - 120906 Identificação dos lotes de monta Ultrassonografia de gestação CARACTERÍSTICAS UTILIZADAS

Leia mais

REPRODUÇÃO EM SUÍNOS. Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2016/2 Unipampa Campus Dom Pedrito

REPRODUÇÃO EM SUÍNOS. Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2016/2 Unipampa Campus Dom Pedrito REPRODUÇÃO EM SUÍNOS Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2016/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Dados importantes sobre a reprodução dos suínos Maturidade sexual 5-6 meses Aptidão reprodutiva 6-7

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

Gerenciamento da Ovinocultura

Gerenciamento da Ovinocultura Gerenciamento da Ovinocultura Base da apresentação... 6 anos de coleta de dados a campo sobre sistemas de produção no LAPOC; Produção de uma dissert. Mestrado sobre análise do resultado econômico dos sistemas;

Leia mais

74ªEXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALEGRETE. 10 a 16 de outubro de 2016 ANEXO I

74ªEXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALEGRETE. 10 a 16 de outubro de 2016 ANEXO I 74ªEXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALEGRETE 10 a 16 de outubro de 2016 ANEXO I INSCRIÇÕES, CONDIÇÕES PARA PARTICIPAÇÃO E CRONOGRAMA DE ENTRADA DOS ANIMAIS NO PARQUE. A INSCRIÇÕES 1. A data para a entrega dos

Leia mais

Ferramentas de Impacto no Melhoramento de Gado de Corte

Ferramentas de Impacto no Melhoramento de Gado de Corte Ferramentas de Impacto no Melhoramento de Gado de Corte Leonardo Souza Qualitas Consultoria Agropecuária BRAVO BEEF GOIÁS Médico Veterinário leo.nz@terra.com.br 62-3097-1030 62-3383-1170 62-9994-1165 Melhoramento

Leia mais

Maneio reprodutivo de caprinos. Carlos M.V. Bettencourt CEBA/DRAPAL - Herdade da Abóbada

Maneio reprodutivo de caprinos. Carlos M.V. Bettencourt CEBA/DRAPAL - Herdade da Abóbada Maneio reprodutivo de caprinos Carlos M.V. Bettencourt CEBA/DRAPAL - Herdade da Abóbada VII Jornadas da Cabra Serpentina Portel, 2009 + ETAPAS DO PROCESSO PRODUTIVO Nascimento Puberdade Concepção Gestação

Leia mais

AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS

AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS AULA 06 MANEJO REPRODUTIVO DOS SUÍNOS O Processo Reprodutivo Característica importantes dos seres vivos, determinante para sua capacidade em reproduzir. A Eficiência Reprodutiva Medida pelo número de leitões

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS

MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS 1 MANEJO REPRODUTIVO EM SUÍNOS - RECOMENDAÇÕES BASICAS 2 Procedimentos para a detecção do cio É importante estabelecer um procedimento padrão para a atividade de diagnóstico de cio, obedecendo uma rotina

Leia mais

caderno Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha Nº 81 Agosto 2013 Volume 43 Fatores de importância para o sucesso da Inseminação Artificial

caderno Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha Nº 81 Agosto 2013 Volume 43 Fatores de importância para o sucesso da Inseminação Artificial Técnico caderno & Científico Parte integrante da Revista Cabra & Ovelha Nº 81 Agosto 2013 Volume 43 Fatores de importância para o sucesso da Inseminação Artificial pg 2 e 3 Desmana de caprinos leiteiros

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais

CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES

CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES CRUZAMENTOS NA OVINOCULTURA TROPICAL. PRÍNCIPIOS, PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES Autor: Arnaldo Dantas B. Neto Médico Veterinário, Especialista em Gestão de Negócios, Coordenador do Programa de Melhoramento

Leia mais

Controle de Genealogia de Ovinos Oficial no Brasil

Controle de Genealogia de Ovinos Oficial no Brasil INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 06/10/2010 Controle de Genealogia de Ovinos Oficial no Brasil Concepta McManus 1,2,

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Manejo reprodutivo determina resultados econômicos

Manejo reprodutivo determina resultados econômicos Eficiência Manejo reprodutivo determina resultados econômicos Ed Hoffmann Madureira e José Rodrigo Valim Pimentel * A eficiência reprodutiva é um dado que interfere diretamente nos resultados econômicos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ULTRASSONOGRAFIA TRANSRETAL NO CONTROLE FOLICULAR E UTERINO NA ESPÉCIE EQUINA 1

A IMPORTÂNCIA DA ULTRASSONOGRAFIA TRANSRETAL NO CONTROLE FOLICULAR E UTERINO NA ESPÉCIE EQUINA 1 A IMPORTÂNCIA DA ULTRASSONOGRAFIA TRANSRETAL NO CONTROLE FOLICULAR E UTERINO NA ESPÉCIE EQUINA 1 Joel Neves De Oliveira 2, Andriélli Trentin Pereira 3, Nathálie Bonotto Ruivo 4. 1 Pesquisa relacionada

Leia mais

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise.

Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Conhecer a morfologia do complexo hipotálamo-hipófise. Compreender o mecanismo de regulação do hipotálamo sobre a hipófise. Conhecer a ação das principais hormonas sexuais femininas estrogénios e progesterona.

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo 1. A fertilização é o evento que decorre a partir do encontro dos gametas masculino e feminino. No trato reprodutivo da fêmea bovina em qual local ocorre a fertilização? (a) Útero (b) Tuba uterina (c)

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Por que devemos nos preocupar com Eficiência Reprodutiva? Eficiência Reprodutiva

Leia mais

Aditivo Nutracêutico

Aditivo Nutracêutico Bem Vindos Dia de Campo Fazenda True Type Aditivo Nutracêutico Rico em Ácidos Graxos Essenciais Linolêico Ômega 6 Linolênico Ômega 3 Ação Reprodução Saúde Animal Fontes de Ômega-3 e 6 400g de ingestão

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

Informe Técnico - Macal Nutrição Animal Elaborado por Marcia Dias 1

Informe Técnico - Macal Nutrição Animal Elaborado por Marcia Dias 1 Informe Técnico - Macal Nutrição Animal Elaborado por Marcia Dias 1 Estratégias de suplementação de vacas primíparas de corte Marcia Dias 1 1 Médica Veterinária - CRMV-MS nº2820, mestranda em Nutrição

Leia mais

PRODUÇÃO DE CORDEIROS DA RAÇA SUFFOLK EM DOIS SISTEMAS DE MANEJO REPRODUTIVOS 1

PRODUÇÃO DE CORDEIROS DA RAÇA SUFFOLK EM DOIS SISTEMAS DE MANEJO REPRODUTIVOS 1 Ciência Rural, Santa Maria, v. 29, n. 1, p. 159-163, 1999. ISSN 0103-84785 159 PRODUÇÃO DE CORDEIROS DA RAÇA SUFFOLK EM DOIS SISTEMAS DE MANEJO REPRODUTIVOS 1 SUFFOLK LAMBS PRODUCTION IN TWO MATING SYSTEMS

Leia mais

REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF)

REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) REVISÃO BIBLIOGRAFICA DA TÉCNICA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) Guilherme Vieira Rodrigues Graduando em Medicina Veterinária, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Lauriellen Lohayne

Leia mais

EFEITO MACHO ASSOCIADO A ESTRATÉGIAS DE MANEJO SOBRE O DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS SANTA INÊS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO

EFEITO MACHO ASSOCIADO A ESTRATÉGIAS DE MANEJO SOBRE O DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS SANTA INÊS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO EFEITO MACHO ASSOCIADO A ESTRATÉGIAS DE MANEJO SOBRE O DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS SANTA INÊS NO SEMI-ÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO EDUARDO LUIZ CAVALCANTI

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

Biotecnologia aplicada à Caprinos e Ovinos

Biotecnologia aplicada à Caprinos e Ovinos Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biotecnologia Animal Biotecnologia aplicada à Caprinos e Ovinos Priscila M. M. de Leon Dra., Médica Veterinária PNDP Biotecnologia/UFPel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Desempenho reprodutivo de ovelhas Texel suplementadas no pré-encarneiramento JOÃO

Leia mais

Programa Expointer 2016

Programa Expointer 2016 DIA 27 DE AGOSTO - SÁBADO 08:00 Concurso Freio de Ouro Concurso Freio de Ouro: Prova de Mangueira - 1ª Fase (Fêmeas e Machos) Exposição de Cães de Raça Exposição de Cães da Raça Ovelheiro Gaúcho - FECIRS

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE PARTOS EM OVINOS, COMPARAÇÃO ENTRE AS RAÇAS SUFFOLK E TEXEL- RELATO DE CASO

ACOMPANHAMENTO DE PARTOS EM OVINOS, COMPARAÇÃO ENTRE AS RAÇAS SUFFOLK E TEXEL- RELATO DE CASO ACOMPANHAMENTO DE PARTOS EM OVINOS, COMPARAÇÃO ENTRE AS RAÇAS SUFFOLK E TEXEL- RELATO DE CASO ÁVILA, Francielly 1 ; KAISER, Vagner Ventura 1 ; GARLET, Ricardo 1 ; COPETTI, Gabriel 1 ; WEIMER, Maicon 1

Leia mais

CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos Prof. Weberte Alan Sombra Curso FIC

CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos Prof. Weberte Alan Sombra Curso FIC Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos

Leia mais

Herdabilidade. Heterose = vigor híbrido. Cruzamentos em suinocultura. Herdabilidade: Efeito Aditivo. Introdução/revisão. Heterose: Dominância Completa

Herdabilidade. Heterose = vigor híbrido. Cruzamentos em suinocultura. Herdabilidade: Efeito Aditivo. Introdução/revisão. Heterose: Dominância Completa Disciplina Z044 - Suinocultura ruzamentos em suinocultura Prof. Marson ruck Warpechowski Introdução/revisão Herdabilidade: Porção da variação fenotípica de uma população causada por efeito aditivo dos

Leia mais

00000000000002 FOZPREVIDÊNCIA - FUNDO PREVIDÊNCIARIO

00000000000002 FOZPREVIDÊNCIA - FUNDO PREVIDÊNCIARIO Pagina 1 de 5 Extrato Diário da no Período de 01/01/2012 Até 31/08/2012 s TODAS 02/01/2012 121029070000 Contribuições de Servidor Ativo para o Regime Próprio de Previdência 284.612,00 05/01/2012 10/01/2012

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA Gene Boorola Edgard G. Malaguez Rafael Assunção Ovelha Booroola? É uma mutação genética que tem na característica

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS AYA SASA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS AYA SASA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS AYA SASA Perfis sazonais das concentrações plasmáticas de progesterona, prolactina e melatonina de ovelhas criadas em baixas latitudes

Leia mais