Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças"

Transcrição

1 Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito Cristina Duarte Ministério das Finanças

2 ESQUEMA: Afunilar Enquadramento Estratégico A Reforma do Estado A Agenda de Transformação Sistema de Regulação Reforço do Quadro Global de Regulação Regulação e Supervisão do Sistema Financeiro Enfoque estratégico CFR Mercado de Capitais: Mais uma Reforma!

3 A REFORMA do ESTADO

4 A Agenda de Transformação

5 Regulação e Fiscalização

6 O Lugar Reservado ao Sistema Regulatório

7 Universo da Regulação/Supervisão/Fiscalização Modelo Actual rumo á densificação

8 Timings de Estruturação Gradual do Sistema ANSA Novembro de 2000 ARE Agosto de 2003 AAC Julho de 2004 IMP Dezembro de 2004 ARFA Junho de 2005 AGMVMCV 2005 (nomeação do Auditor com a reestrututação e arranque efectivo da BVCV) ANAC Junho 2006 ARAP Maio 2008 Apesar da recente criação e operacionalização proposta de Lei já aprovada em CM e submetida ao Parlamento que consubstancia a 2º vaga de intervenção do Governo no domínio do quadro regulatório

9 Esquema do Figurino

10 Cabo Verde: CFR Em contexto de crise internacional de revelação da profunda fragilidade dos sistema regulatórios e de supervisão Cabo Verde almejar transformar-se num CFR um absurdo ou uma oportunidade? Assumamos que seja uma oportunidade tendencialmente quais são as nossas opções: Credibilidade Internacional: Cooperação internacional no combate ao AML e CFT Reforço da supervisão bancária e regulação do sistema financeiro Competitividade Fiscal e Para Fiscal Não a uma dicotomia residentes e não residentes a leveled plainfield Especialização: banca (?), fundos (?), e dívida publica (?), BCP (plataforma segura em termos de back up e booking units (?) pretendemos um Praça Financeira não generalista Nenhuma chance em competir com as existentes descobrir o nosso nicho de mercado. Particularmente triangulando liquidez internacional rumo `a Africa Ocidental

11 Cabo Verde: CFR Desenvolvimento do Sistema Financeiro Reforma do sector segurador industria da poupança contratualizada (+ ou - concluída) Reforma do mercado de títulos da divida pública (Novembro 2010) Bancarização do Tesouro (em curso) Reforma do quadro jurídico do mercado de valores mobiliários Reforma do sistema de instituições financeiras (Novembro 2010) fim á dicotomia on shore e off shore (estratégia aprovada pelo CM)

12 Pilar: Competitividade Fiscal. Mercado de Capitais Competitividade Fiscal: o DIVIDENDOS - ISENTOS DE IMPOSTOS o TÍTULOS DO TESOURO ISENTOS DE IMPOSTOS. o UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO DE (TODOS) FUNDOS DE INVESTIMENTOS - ISENTOS DE IMPOSTOS o OS JUROS DAS OBRIGAÇÕES CORPORATE COTADAS EM BOLSA - SÃO TRIBUTADAS a 5% o o MAIS-VALIAS - AS MAIS VALIAS REALIZADAS HÁ MAIS DE UM ANO ESTÃO ISENTOS DE IMPOSTO. REALIZADAS A MENOS DE UM ANO DEDUZIDAS DAS MENOS-VALIAS SÃO TRIBUTADOS A I5%

13 Pilar: Competitividade Fiscal. Mercado de Capitais Competitividade Fiscal EMPRESAS COTADAS EM BOLSA- TEM UMA REDUÇÃO DE IUR DE 20% DURANTE TRÊS ANOS. REGISTO DE HIPOTECA E DE OPERAÇÕES DE BOLSA - ISENTOS DE IMPOSTO DE SELO. TRANSACÇÃO DOS IMÓVEIS DOS FUNDOS ESTÃO ISENTOS DO IMPOSTO ÚNICO SOBRE PATRIMÓNIO NÃO HÁ NENHUMA RESTRIÇÃO À LIVRE CIRCULAÇÃO DE CAPITAIS NA BOLSA. EXISTE ACORDO DE DUPLA TRIBUTAÇÃO ENTRE CABO VERDE E PORTUGAL!!!!!!

14 O Pilar Credibilidade Interpela!! A BCV/AGMVMCV entidades de supervisão e regulação PARTICULARMENTE se tivermos em conta.. Em 4,5 anos de funcionamento pleno, foram realizadas cerca de 22 Operações num montante que ascende a Euros Em 2009 cerca de 94% de todo o credito concedido à economia nacional teve origem na Bolsa de Valores através das várias emissões realizadas. A capitalização bolsista actual é de cerca de Euros, repartidos entre 25 títulos cotados: 4 no segmento accionista, 13 no segmento Obrigações Corporate e 8 Obrigações do Tesouro. Cerca de 25% do PIB de Cabo Verde. Duas Velocidades!!!!!! Fonte: BVCV

15 Respostas.. De entre as acções que o Banco de Cabo Verde já implementou ou tem em carteira com vista a acautelar os riscos emergentes no sistema financeiro, destacamos: A introdução da supervisão macro-prudencial, promovendo o acompanhamento criterioso do sistema no seu todo como forma de prevenir o risco sistémico; A viragem para a supervisão baseada no risco, visando diminuir as vulnerabilidades existentes e identificar e gerir os principais riscos a que se encontra exposto o sector bancário; O reforço da supervisão prudencial, capacitando a instituição e os seus quadros para atender às necessidades crescentes da actividade, em particular no que respeita às actividades financeiras especializadas; A reforma da infra-estrutura legal do sistema financeiro, com realce para o processo em curso de revisão da Lei de enquadramento da actividade financeira e do Código do Mercado de Valores Mobiliários.

16 Mais uma Reforma O mercado de capitais tem merecido uma atenção muito especial do Banco de Cabo Verde. Em linha com o potencial e com a dinâmica crescente registada no nosso país nesse ramo de actividade financeira nos últimos anos, o Banco de Cabo Verde tem vindo e vai continuar a investir no desenvolvimento da capacidade de supervisão desse mercado, com especial atenção para o mercado secundário, um verdadeiro barómetro da saúde do sistema financeiro e da economia em geral. A Reforma foi ontem aprovada em sede de CM num tempo record a proposta foi recepcionada em Agosto de 2010 e em menos de 3 meses o CM aprova Na próxima semana aprovaremos a proposta de Autorização Legislativa a nível do CM.. Infelizmente não conseguimos ser tão rápidos com a reforma do sector Segurador conciliar posições divergentes entre os stakeholders

17 OBRIGADA

18

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO. 30 de Setembro de Quintela e Penalva - Sessão de Formação PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Quintela e Penalva - Sessão de Formação 30 de Setembro de 2015 Sumário Pessoas singulares Pessoas colectivas 1 Regime dos residentes não habituais 2 Regime dos

Leia mais

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA

OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA OS FUNDOS DE PENSÕES EM ANGOLA Acesso, Gestão e Transparência Jesus Manuel Teixeira Técnico do Instituto de Supervisão de Seguros 1 ENQUADRAMENTO GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL Lei 7/04, de 15 de Outubro- Lei

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários

Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários Assembleia Nacional Luanda, 24 de Julho de 2014 A Pergunta Que Todos Fazem Justifica-se dedicar tanto tempo, tantos meios, tanto dinheiro, para criar

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014 Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Luanda, 1 de Agosto de 2014 Índice Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Organização dos Mercados Estratégia da CMC Desenvolvimento

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos Intervenção do Governador do Banco de Cabo Verde, Dr. Carlos Burgo, no VII Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, Cidade da Praia, 2 de Maio de 2014. A Convergência

Leia mais

Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa

Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa Lisboa, 22 de Novembro de 2005 1 2 1 Principais orientações do Governo para o Novo Aeroporto de Lisboa 2 Agenda estratégica

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES

FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES FOLHETO DE TAXAS DE JUROS CLIENTES PARTICULARES 35 17. CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. DEPÓSITO À PRAZO FOLHETO DE TAXAS DE JURO CLIENTES PARTICULARES Moeda nacional - residentes (2) Taxa anual nominal Bruta

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL

CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL PROSPECTO SIMPLIFICADO CAIXAGEST SELECÇÃO ESPECIAL Fundo Especial de Investimento Aberto Referência: PTYMEGLE005_2000505 Última actualização: 7 de Maio de 200 Constituído em Portugal em 9 de Junho de 2008

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Letivo 2015/2016 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Regente Luís Silva

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

Curso de Pós Graduação

Curso de Pós Graduação Curso de Pós Graduação Lecionado no quadro de Protocolo de Cooperação Científica entre o IDEFF da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais

Tribunal de Contas ANEXO II. Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas ANEXO II Legislação sobre Benefícios Fiscais Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

EMPRESA DE SEGUROS. Sucursais do Banco Comercial Português (Millennium bcp)

EMPRESA DE SEGUROS. Sucursais do Banco Comercial Português (Millennium bcp) Prospecto Simplificado (Actualizado em 10 de Março de 2010) Investidor Global Seguro Data de início de comercialização: 22 de Outubro de 2007 Produto Financeiro Complexo EMPRESA DE SEGUROS Ocidental Companhia

Leia mais

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000

BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO. Fundo de Investimento Aberto Flexível. Tipo de Fundo: Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 BPI Brasil DIVERSIFICAÇÃO Tipo de Fundo: Fundo de Investimento Aberto Flexível Data de Início: 8 de Fevereiro de 2000 Objectivo: Política de Distribuição de Rendimentos: Banco Depositário: Locais de Comercialização:

Leia mais

PREÇÁRIO CAIXA ECONÓMICA DE CABO VERDE ENTRADA EM VIGOR. 01 de Janeiro de 2014

PREÇÁRIO CAIXA ECONÓMICA DE CABO VERDE ENTRADA EM VIGOR. 01 de Janeiro de 2014 PREÇÁRIO CAIXA ECONÓMICA DE CABO VERDE ENTRADA EM VIGOR 01 de Janeiro de 2014 Sede: Av. Cidade de Lisboa, Cidade da Praia Número de identificação: 200131753 Matriculada sob o n.º 336 na Conservatória do

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS EXERCÍCIO ECONÓMICO / ÉPOCA DESPORTIVA 2014/15

ENCERRAMENTO DE CONTAS EXERCÍCIO ECONÓMICO / ÉPOCA DESPORTIVA 2014/15 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 67.000.000 Capital Próprio aprovado em Assembleia Geral de 1 de Outubro de 2014: -118.030.000 Capital Próprio indicado nas contas

Leia mais

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges

O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais. Ricardo da Palma Borges O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais Questões actuais Ricardo da Palma Borges 8 de Junho de 2011 1 O regime e os objectivos subjacentes a aplicação do método de isenção como método de eliminação

Leia mais

DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008

DO PLANEAMENTO FISCAL. Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008 OS VEÍCULOS DO PLANEAMENTO FISCAL Câmara dos Técnicos T Oficiais de Contas Francisco de Sousa da Câmara Porto, 10 de Outubro de 2008 1 Os Veículos do Planeamento Fiscal PLANEAMENTO / POUPANÇA FISCAL CONTRIBUINTES

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 1/16 ANTEPROJECTO DE REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES GESTORAS DE PATRIMÓNIOS

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 1/16 ANTEPROJECTO DE REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES GESTORAS DE PATRIMÓNIOS PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 1/16 ANTEPROJECTO DE REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES GESTORAS DE PATRIMÓNIOS Pág. 1 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 1/2016 ANTEPROJECTO DE REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES

Leia mais

Publicado no Diário da República, I Série, nº 98, de 16 de Junho AVISO N.º 03/2016

Publicado no Diário da República, I Série, nº 98, de 16 de Junho AVISO N.º 03/2016 Publicado no Diário da República, I Série, nº 98, de 16 de Junho AVISO N.º 03/2016 ASSUNTO: REQUISITO DE FUNDOS PRÓPRIOS REGULAMENTARES PARA RISCO DE CRÉDITO E RISCO DE CRÉDITO DE CONTRAPARTE Considerando

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

NEWSLETTER NOTA INTRODUTÓRIA

NEWSLETTER NOTA INTRODUTÓRIA Av.Kenneth Kaunda, 660 Maputo - Moçambique NEWSLETTER Ano 1 I Número 6I Agosto de 2017 I Publicação Mensal Online Neste Número: 1. Cheque pré-datado e a sua função social de garantia 2. Breves de Economia

Leia mais

Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações

Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Nelson Costa 17 de Dezembro de 2015 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados)

As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento. Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ As tendências actuais mundiais nos modelos de tributação do rendimento Rogério M. Fernandes Ferreira (Sócio da RFF & Associados) Sumário

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, MÁRIO CENTENO XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos 7 DE JULHO DE 2017, HOTEL RITZ Senhor Presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS.

Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS. Apresentação institucional julho 2014 LANÇAR, GERIR E EXPANDIR NEGÓCIOS. Uma instituição diferente A marca Montepio identifica uma associação mutualista (a maior do País), uma instituição financeira entre

Leia mais

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Economia. Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I. Aulas Práticas

Universidade Nova de Lisboa. Faculdade de Economia. Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I. Aulas Práticas Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Economia Semestre de Primavera 2003/2004 FINANÇAS I Aulas Práticas Custo de capital, Estrutura de Financiamento e Avaliação de Projectos CUSTO DE CAPITAL, ESTRUTURA

Leia mais

Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira

Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira Relatório sobre a Solvência e a Situação Financeira ... 5... 7 Actividades... 7... 13 B.1 Informações Gerais sobre o sistema de governação... 13 B.2 Requisitos de qualificação e idoneidade... 16 B.3 Sistema

Leia mais

NOTA FISCAL. Oferta Pública de Venda de Ações (OPV) da

NOTA FISCAL. Oferta Pública de Venda de Ações (OPV) da NOTA FISCAL Oferta Pública de Venda de Ações (OPV) da EMPRESA GERAL DO FOMENTO, S.A. (OU «EGF») representativas de 5% do capital social reservada a Trabalhadores da EGF e respectivas participadas, a saber

Leia mais

na Europa e em África

na Europa e em África LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal: plataforma de investimento na Europa e África Rogério M. Fernandes Ferreira (rff@rffadvogados.pt rff@rffadvogados.pt)

Leia mais

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio *

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos warrants autónomos, regulando a sua emissão no mercado nacional, prevendo a admissão à negociação em mercado

Leia mais

:: Legislação. :: Fundos de Pensões

:: Legislação. :: Fundos de Pensões :: Legislação :: Fundos de Pensões Diretiva 2013/14/EU, de 3 de junho Altera a Diretiva 2003/41/CE relativa às atividades e à supervisão das instituições de realização de planos de pensões profissionais,

Leia mais

A idade do Tomador do Seguro para subscrição do presente contrato não poderá ser inferior a 14 anos de idade.

A idade do Tomador do Seguro para subscrição do presente contrato não poderá ser inferior a 14 anos de idade. EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

Instituições Financeiras

Instituições Financeiras LEGISLAÇÃO/2015 Instituições Financeiras Extracto de Publicação de Sociedade n.º 62/2015 - Certifica um registo de aumento do capital social, nomeação de órgãos sociais e alteração parcial do estatuto

Leia mais

Banco de Portugal Relatório de Atividade 2013

Banco de Portugal Relatório de Atividade 2013 Banco de Portugal Nome Cargo 13 janeiro 2014 Carlos da Silva Costa Maio de 2014 Seminário Nome do seminário RELATÓRIO DE ATIVIDADE - 2013 Estrutura da Apresentação I. Enquadramento da Atividade Missão

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2015-2018 10 de Julho de 2015 Não dispensa a consulta do prospecto 1. ENTIDADE OFERENTE Accionistas

Leia mais

Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES. (em liquidação)

Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES. (em liquidação) Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXAGEST MEMORIES (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO

PROSPECTO SIMPLIFICADO Mod. Versão 65.03 Informação actualizada a: 20/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Colaboradores Data de início de Comercialização: 01/11/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades

Leia mais

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823)

FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA. FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) FUNDIESTAMO SOCIEDADE GESTORA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, SA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO ESTAMO (CMVM nº 0823) RELATÓRIO E CONTAS 2010 1 Caracterização do Fundo O Fundo de Investimento

Leia mais

e turbulência financeira Regulação Vítor Constâncio 11 de Março de 2008 Conferência do Diário Económico Banco de Portugal Eurosistema

e turbulência financeira Regulação Vítor Constâncio 11 de Março de 2008 Conferência do Diário Económico Banco de Portugal Eurosistema Regulação e turbulência financeira Banco de Portugal Eurosistema Vítor Constâncio 11 de Março de 2008 Conferência do Diário Económico Índice I. Causas e natureza da recente turbulência financeira Convergência

Leia mais

SEMAPA - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A.

SEMAPA - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. SEMAPA - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, nº 14, 10º, Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros N.º Pessoa Colectiva e matrícula na C.R.C.

Leia mais

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas

Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Situação Actual e Futuro do Mercado de Capitais Português 20 Propostas Estratégicas Fórum de Bolsa Setembro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Setembro, 28, 2012 A presente apresentação

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é a Bolsa de Valores? A Bolsa de Valores é um mercado organizado, físico ou virtual, onde são negociados valores mobiliários e outros instrumentos financeiros, tais como instrumentos

Leia mais

Avaliação do Acordo de Cooperação Cambial Cabo Verde-Portugal

Avaliação do Acordo de Cooperação Cambial Cabo Verde-Portugal Avaliação do Acordo de Cooperação Cambial Cabo Verde-Portugal Outubro 2008 Manuel M. F. Martins João Loureiro Ana Paula Ribeiro Outline do Estudo 1. O ACC Cabo Verde-Portugal 2. Evolução da Economia de

Leia mais

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa)

Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ Repensar a Fiscalidade Um Debate Luso-Brasileiro (IDEFF, 21 Março de 2013, Faculdade Direito de Lisboa) Algumas tendências actuais

Leia mais

Equipa: Regente: Eduardo Paz Ferreira

Equipa: Regente: Eduardo Paz Ferreira PROGRAMA Introdução Equipa: Regente: Eduardo Paz Ferreira Colaboradores (dia): Nazaré da Costa Cabral Alexandra Pessanha André Marçalo Paulo Marques Colaboradores (noite): Marco Capitão Ferreira André

Leia mais

Avisos: Esta barra do BID/ASK deve ser cortada pela metade em altura

Avisos: Esta barra do BID/ASK deve ser cortada pela metade em altura 4 fotos: 1. Conheça a maior Corretora Independente no mercado de acções e TOP5 em Obrigações 2. Plataforma CMC Next Generation Para negociação CFD s e outros derivados 3. Plataforma FINCOR TRADER Negoceie

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 ASSUNTO: REALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ENTIDADES NÃO RESIDENTES CAMBIAIS Considerando

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários

Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Doing Business with Brazil : Investimentos em Portugal: Aspectos tributários Sumário 1. Condições favoráveis ao aumento do investimento externo em Portugal 2. Principais Incentivos Fiscais ao Investimento

Leia mais

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011 REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS do dia 17 de Junho de 2011 O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) reuniu no dia 17 de Junho de 2011, sob a presidência do Governador

Leia mais

PROTOCOLO APFN/SGF. Defender a Reforma das Famílias

PROTOCOLO APFN/SGF. Defender a Reforma das Famílias PROTOCOLO APFN/SGF Defender a Reforma das Famílias A Problemática da Reforma No prazo de 20 anos, o valor das reformas dos portugueses será dos mais baixos entre os 30 países mais desenvolvidos Actualmente

Leia mais

Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo

Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo Designação do Produto O Investimento Opção Tripla Junho 2013 é um Produto Financeiro Complexo. Advertências ao Investidor

Leia mais

Que Bancos no Futuro?

Que Bancos no Futuro? Que Bancos no Futuro? Carlos da Silva Costa Governador Lisboa, 3 de outubro 2016 XXVI ENCONTRO DE LISBOA entre os Banco Centrais dos Países de Língua Portuguesa As instituições bancárias enfrentam atualmente

Leia mais

Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES

Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES Residentes Não Habituais em Portugal ENQUADRAMENTO E CONDIÇÕES 1 The lawyers provide an excellent level of attention to the client and demonstrate a superb knowledge of the market and the latest legislation.

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 12 de Novembro de 2008 A LEITURA DESTE PROSPECTO NÃO DISPENSA A CONSULTA DO PROSPECTO COMPLETO DO FUNDO E DEVE SER ACOMPANHADA PELA DEFINIÇÃO DOS TERMOS CONSTANTES DO GLOSSÁRIO (identificados com *). TIPO DE FUNDO / DURAÇÃO

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos financeiros respeitantes à remuneração

Leia mais

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS A ALER E O SEU PAPEL NO APOIO À REGULAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS IX Conferência RELOP 5 de Dezembro de 2016 O QUE É E PARA QUE SERVE A ALER PROMOTORA A ALER é uma associação sem fins lucrativos que tem

Leia mais

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO

O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO TENDÊNCIAS ANTÓNIO MOUSINHO O TRANSPORTE RODOVIÁRIO NA UE 1. INTRODUÇÃO 2. SITUAÇÃO ACTUAL 3. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 4. TRANSPORTES ENERGIA E AMBIENTE 5. INFRAESTRUTURAS 6. CONCLUSÕES

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO

PROSPECTO SIMPLIFICADO Mod. Versão 65.02 Informação actualizada a: 14/07/2010 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/11/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Aumento de Capital Junho 2011

Aumento de Capital Junho 2011 Aumento de Capital 0 Junho 0 Agenda A. Recordatório da operação B. As três fases do aumento de capital C. O RESULTADO DA OFERTA PÚBLICA DE TROCA Aumento de capital 0 Incorporação de reservas Aumento de

Leia mais

O Desenvolvimento dos Mercados de Valores: Elementos Chave

O Desenvolvimento dos Mercados de Valores: Elementos Chave O Desenvolvimento dos Mercados de Valores: Elementos Chave Fernando Teixeira dos Santos Discurso na Sessão de Abertura das Jornadas Públicas El desarrollo en los mercados de valores: Elementos clave República

Leia mais

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de B.O n.º 4 - I Série. Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de B.O n.º 4 - I Série. Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 Custos do Mercado Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Rectificação do Regulamento n.º 2/2006, de 5

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

As cooperativas de crédito no Brasil

As cooperativas de crédito no Brasil As cooperativas de crédito no Brasil RICARDO TERRANOVA FAVALLI Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 07 de agosto de 2014 Cronograma:

Leia mais

AAC AMP ANAC ARE ARFA - ARAP

AAC AMP ANAC ARE ARFA - ARAP TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A DEFINIÇÃO DE UM LEMA E O DESENHO DO LOGOTIPO DA ASSOCIAÇÃO CABOVERDIANA DAS ENTIDADES REGULADORAS INDEPENDENTES - ACERI ENQUADRAMENTO A Associação Caboverdiana das Entidades

Leia mais

Transferência de Residência CONTEXTO

Transferência de Residência CONTEXTO Transferência de Residência CONTEXTO 2 1 CONTEXTO 3 CONTEXTO GERAL Mercado português possui dimensão reduzida Grave crise económica e incapacidade para atracção de investimento estrangeiro Administração

Leia mais

Roménia. Condições Legais de Acesso ao Mercado

Roménia. Condições Legais de Acesso ao Mercado Roménia Condições Legais de Acesso ao Mercado Outubro 2007 Índice 1. Regime Geral de Importação 2 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 4 1 1. Regime Geral de Importação Com a entrada

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO

SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações BENFICA SAD 2017-2020 21 de Abril de 2017 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva adenda 1.

Leia mais

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO

REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. REFORMA ATIVA PPR ESTRATÉGIA PRESERVAÇÃO

Leia mais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais

Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais Relato Financeiro e Código das Sociedades Comerciais -Principais artigos referentes a relato financeiro no âmbito do Código Comercial e do Código das Sociedades Comerciais - Responsabilidade pela prestação

Leia mais

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS GNB Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA. Sede: Av. Alvares Cabral n.º 41, Lisboa CRCL / Pessoa Colectiva n.º 501882618 Capital Social: 3.000.000 EUR AVISO DE FUSÃO DE S Nos termos

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais 2005-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Junho de 2005 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE OBJECTO DE INVESTIMENTO : EMITENTE: RISCO DE PERDA DO

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Julho de IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Julho de 2010 1 IRC, IRS, IS e Impostos Especiais sobre o Consumo Alterações 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JULHO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

NEWSLETTER INTRODUÇÃO MARÇO 2016

NEWSLETTER INTRODUÇÃO MARÇO 2016 INTRODUÇÃO 18 MARÇO 2016 Com esta nova edição, a, S.A., pretende reportar e descrever as atividades desenvolvidas ao longo do ano de 2015, bem como os resultados alcançados, visando a transparência, manter

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

DUPLA REFORMA Preservação - Produto Dual -

DUPLA REFORMA Preservação - Produto Dual - Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. DUPLA REFORMA Preservação - Produto

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Data de Entrada em Vigor: 07/março/2017 Avisos: "Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1

1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1 Tema de Pesquisa: Internacional 15 de Julho de 2013 Revista de Imprensa 15-07-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1 2. (PT) - Diário Económico, 15/07/2013, Portugal quer

Leia mais

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma

PPR ÚNICO - 3ª Série. Ficha de Produto. Plano Poupança Reforma Plano Poupança Reforma Tipo de Cliente Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. Descrição O PPR Único - 3ª Série é um Plano de Poupança Reforma, que se destina a fomentar poupanças para constituição

Leia mais

CENTROS DE INVESTIMENTO

CENTROS DE INVESTIMENTO CENTROS DE INVESTIMENTO UM BANCO QUE O CONHECE Marcado pela experiência e cultura de um líder da banca de investimento, o Grupo BPI é um símbolo de inovação e solidez do mercado financeiro nacional. A

Leia mais