BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos"

Transcrição

1 ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1966-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1968-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1970-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1972-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1974-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1976-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1978-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1980-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1982-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1984-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1986-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1988-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1990-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1992-Dez Balanço do Banco de Portugal Mar 1994-Dez Síntese Monetária Dez 1947-Dez Síntese Monetária Dez 1957-Dez Síntese Monetária Mar 1966-Dez Síntese Monetária Mar 1968-Dez Síntese Monetária Mar 1970-Dez Síntese Monetária Mar 1972-Dez Síntese Monetária Mar 1974-Dez Síntese Monetária Mar 1976-Dez Síntese Monetária Mar 1978-Dez Síntese Monetária Mar 1980-Dez Síntese Monetária Mar 1982-Dez Síntese Monetária Mar 1984-Dez Síntese Monetária Mar 1986-Dez Síntese Monetária Mar 1988-Dez Síntese Monetária Mar 1990-Dez Síntese Monetária Mar 1992-Dez Síntese Monetária Mar 1994-Dez Taxas de Juro do Sistema Bancário em Fim de Ano Limites das Taxas de Juro Taxas de Juro Activas Praticadas Após Taxas de Juro Passivas Praticadas Após Emissão de Obrigações do Tesouro Dívida Interna Amortizável Emissão de Empréstimos Amortizáveis com Aval do Estado Taxas de Juro de Títulos de Dívida Pública Enpréstimos com Aval do Estado... 51

2 Parte II BALANÇA DE PAGAMENTOS Base de transacções Base de transacções Base de transacções Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Transacções Correntes Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Balança de Capitais não Monetários Base de transacções Reservas Oficiais Líquidas Posições em fim de período Reservas Oficiais Líquidas Posições em fim de período Reservas Oficiais Líquidas Posições em fim de período Reservas Oficiais Líquidas Posições em fim de período Reservas Oficiais Líquidas Posições em fim de período Base de transacções Base de transacções Base de transacções Base de transacções

3 Parte III CONTAS DO SECTOR PÚBLICO ADMINISTRATIVO Receitas e Despesas das Administrações Públicas Receitas e Despesas das Administrações Públicas Receitas e Despesas das Administrações Públicas Receitas e Despesas das Administrações Públicas Receitas e Despesas das Administrações Públicas Receitas e Despesas da Administração Central Receitas e Despesas da Administração Central Receitas e Despesas da Administração Central Receitas e Despesas da Administração Central Receitas e Despesas do Estado Receitas e Despesas do Estado Receitas e Despesas do Estado Receitas e Despesas do Estado Receitas e Despesas dos Serviços Autómonos Receitas e Despesas dos Serviços Autómonos Receitas e Despesas dos Serviços Autómonos Receitas e Despesas dos Serviços Autómonos Receitas e Despesas dos Fundos Autómonos Receitas e Despesas dos Fundos Autómonos Receitas e Despesas dos Fundos Autómonos Receitas e Despesas dos Fundos Autómonos Receitas e Despesas das Instituições Particulares sem fim Lucrativo Receitas e Despesas das Instituições Particulares sem fim Lucrativo Receitas e Despesas da Administração Regional e Local Receitas e Despesas da Administração Regional e Local Receitas e Despesas da Administração Regional e Local Receitas e Despesas da Administração Regional e Local Receitas e Despesas da Administração Regional Receitas e Despesas da Administração Regional Receitas e Despesas da Administração Local Receitas e Despesas da Administração Local Receitas e Despesas da Administração Local Receitas e Despesas da Administração Local Receitas e Despesas da Segurança Social Receitas e Despesas da Segurança Social Receitas e Despesas da Segurança Social Receitas e Despesas da Segurança Social impostos Contribuições Sociais Efectivas impostos Contribuições Sociais Efectivas impostos Contribuições Sociais Efectivas Impostos Correntes sobre o Rendimento e Património Pincipais impostos Contribuições Sociais Efectivas Impostos Ligados à Produção e Importação

4 Remunerações Ramos não Mercantis Impostos Ligados à Produção e Importação Remunerações Ramos não Mercantis Impostos Ligados à Produção e Importação Remunerações Ramos não Mercantis Impostos Ligados à Produção e Importação Remunerações Ramos não Mercantis Contribuições Sociais Fitícias Transferências Correntes Contribuições Sociais Fitícias Transferências Correntes Contribuições Sociais Fitícias Transferências Correntes Contribuições Sociais Fitícias Transferências Correntes Transferências de Capital Formação Bruta de Capital Fixo e Aquisição Líquida de Terrenos Transferências de Capital Formação Bruta de Capital Fixo e Aquisição Líquida de Terrenos Transferências de Capital Formação Bruta de Capital Fixo e Aquisição Líquida de Terrenos Transferências de Capital Formação Bruta de Capital Fixo e Aquisição Líquida de Terrenos Parte IV Parte V POPULAÇÃO, EMPREGO E DESEMPREGO População, Emprego e Desemprego População, Emprego e Desemprego Emprego Total Emprego Total Emprego Total Emprego Total Trabalhadores por Conta de Outrem Trabalhadores por Conta de Outrem Trabalhadores por Conta de Outrem Trabalhadores por Conta de Outrem PRODUÇÃO, DESPESA E RENDIMENTO Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços correntes Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços correntes Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços correntes Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços correntes Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços do ano anterior Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços do ano anterior Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços do ano anterior Produto Interno Bruto (Óptica da Produção) Preços do ano anterior Despesa Nacional Preços correntes Despesa Nacional Preços do ano anterior Despesa Nacional Preços correntes Despesa Nacional Preços do ano anterior Despesa Nacional Preços correntes Despesa Nacional Preços do ano anterior

5 Despesa Nacional Preços correntes Despesa Nacional Preços do ano anterior Consumo Privado Preços correntes Consumo Privado Preços do ano anterior Consumo Privado Preços correntes Consumo Privado Preços do ano anterior Consumo Privado Preços correntes Consumo Privado Preços do ano anterior Consumo Privado Preços correntes Consumo Privado Preços do ano anterior Formação Bruta de Capital Fixo Preços correntes Formação Bruta de Capital Fixo Preços do ano anterior Formação Bruta de Capital Fixo Preços correntes Formação Bruta de Capital Fixo Preços do ano anterior Formação Bruta de Capital Fixo Preços correntes Formação Bruta de Capital Fixo Preços do ano anterior Formação Bruta de Capital Fixo Preços correntes Formação Bruta de Capital Fixo Preços do ano anterior Exportações de Mercadorias Preços correntes Exportações de Mercadorias Preços correntes Exportações de Mercadorias Preços correntes Exportações de Mercadorias Preços correntes Exportações de Mercadorias Preços do ano anterior Exportações de Mercadorias Preços do ano anterior Exportações de Mercadorias Preços do ano anterior Exportações de Mercadorias Preços do ano anterior Importações de Mercadorias Preços correntes Importações de Mercadorias Preços correntes Importações de Mercadorias Preços correntes Importações de Mercadorias Preços correntes Importações de Mercadorias Preços do ano anterior Importações de Mercadorias Preços do ano anterior Importações de Mercadorias Preços do ano anterior Importações de Mercadorias Preços do ano anterior Repartição do Rendimento Nacional Repartição do Rendimento Nacional Rendimento e Poupança das Famílias e Administrações Privadas Rendimento e Poupança das Famílias e Administrações Privadas Rendimento e Poupança das Famílias e Administrações Privadas Rendimento e Poupança das Famílias e Administrações Privadas Poupança e Investimento Poupança e Investimento

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas do Sistema Previdencial - Repartição Receitas Correntes 13.881.179.361,00 03 Contribuições para a Segurança Social 12.539.252.302,00 01 Subsistema Previdencial 12.538.176.667,00 02 Regimes Complementares

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Receitas da Segurança Social por classificação económica Receitas do Subsistema de Solidariedade Mapa XIII

Orçamento da Segurança Social Receitas da Segurança Social por classificação económica Receitas do Subsistema de Solidariedade Mapa XIII Receitas do Subsistema de Solidariedade Classificação Económica 03 CONTRIBUIÇÕES Pª SEGURANÇA SOCIAL, CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES E ADSE 19.950 02 Regimes Complementares e Especiais 19.950 04 TAXAS, MULTAS

Leia mais

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF - 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Investimento bruto total: 700 Depreciação: 30 Déficit do balanço de pagamentos

Leia mais

b) Quais são os componentes do Investimento Agregado? A compra de ações constitui-se em Investimento, no sentido macroeconômico?

b) Quais são os componentes do Investimento Agregado? A compra de ações constitui-se em Investimento, no sentido macroeconômico? 1 1. Mostre como opera o fluxo circular de renda e como surge a identidade entre as três óticas de medição do resultado da atividade econômica de um país, conforme a Contabilidade Social. R: O fluxo circular

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 9.7.2002 PT L 179/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1221/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Junho de 2002 relativo às contas não financeiras

Leia mais

Estatísticas Fiscais de Estados

Estatísticas Fiscais de Estados Estatísticas Fiscais de Estados Consolidado Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul 2 Gráfico 1 Resultado Primário Consolidado e Regiões Gráfico 2 Resultado Primário,

Leia mais

P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL

P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL P L AN I F I C AÇ Ã O AN U AL DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ÁREA DISCIPLINAR: 430 - CIÊNCIAS SOCIAIS E GESTÃO DISCIPLINA: Economia A NÍVEL DE ENSINO: Secundário CURSO: Ciências SócioEconómicas

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2015 Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social 2015 Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Despesas Correntes 4.434.448.761,00 01 Despesas com o pessoal 48.347.840,00 02 Aquisição de bens e serviços 13.083.224,00

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Despesas Correntes 4 498 841 177,00 01 Despesas com o pessoal 46 087 991,00 02 Aquisição de

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta.

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. 29 de junho de 2012 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2012 Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. No ano terminado

Leia mais

MACROECONOMIA I. Licenciatura em Economia 2006/2007. Mini-teste Versão 3-9 Outubro Normas e Indicações:

MACROECONOMIA I. Licenciatura em Economia 2006/2007. Mini-teste Versão 3-9 Outubro Normas e Indicações: MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2006/2007 Mini-teste Versão 3-9 Outubro 2006 Normas e Indicações: A prova tem a duração de 60 minutos. Não é permitida a consulta de elementos de estudo,

Leia mais

Breve apresentação de dados macroeconômicos brasileiros. Parte 1: PIB

Breve apresentação de dados macroeconômicos brasileiros. Parte 1: PIB Breve apresentação de dados macroeconômicos brasileiros Parte 1: PIB Eduardo Rawet Mestrando IPE-USP Monitoria de Macroeconomia I - Graduação FEA-USP Fevereiro de 2017 Estrutura da aula Hoje 1. Visão Geral

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2014 Mapa XIV Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade

Orçamento da Segurança Social 2014 Mapa XIV Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Orçamento da Segurança Social Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Rubrica Designação OSS Despesas Correntes 4.578.636.844,00 01 Despesas com o pessoal 44.756.319,00

Leia mais

Aula Teórica nº 2. Medição do produto

Aula Teórica nº 2. Medição do produto Aula Teórica nº 2 Medição do produto Produto Interno Bruto, PIB Valor dos bens e serviços finais produzidos num país durante um certo período A utilização de preços de mercado para os diversos bens e serviços

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Aula Teórica nº 2 Sumário:

Aula Teórica nº 2 Sumário: Aula Teórica nº 2 Sumário: 2. Medição da Actividade Económica e das Variáveis Macroeconómicas Medição do produto Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Compreender os conceitos

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica

2. A Medição da Actividade Económica 2. A Medição da Actividade Económica Setembro 2007, inesdrum@fep.up.pt Slides baseados no guião disponível no site da cadeira 1 Noção e Finalidade: Registo sistemático que se destina a medir as transacções

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

Exame de Economia. de zero a esta. questão.

Exame de Economia. de zero a esta. questão. Provas de Acesso ao Ensino Superiorr Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2011 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social - Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Despesas Correntes 4 170 569 158 01 Despesas com o pessoal 43 389 750 02 Aquisição de bens

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais

Agrupamento de Escolas de Cascais 1º PERÍODO -74 TEMPOS LETIVOS ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina: Economia A 11.º Ano Planificação Apresentação mútua e da disciplina Estabelecimento de regras e de métodos de trabalho Apresentação/negociação

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos financeiros respeitantes à remuneração

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL

QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 22 QUANTIFICANDO A RENDA NACIONAL Mankiw, N. Gregory Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia, 2ª Edição. Rio de Janeiro, Editora Campus Ltda, 2001 CAPÍTULO

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Estatísticas da Balança de pagamentos e da Posição de investimento internacional

Estatísticas da Balança de pagamentos e da Posição de investimento internacional EUROSYSTEM Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional Contas Nacionais Financeiras Estatísticas da Balança de pagamentos e da Posição de investimento internacional

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social - 2017 Mapa XIV Despesa de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Despesas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade

Leia mais

4. Créditos sobre clientes

4. Créditos sobre clientes Balanço Banco Santander Central Hispano, S.A. a 31.12.2001 Sem distribuição de lucros Activo 1. Caixa e depósitos em bancos centrais 2.452.730.481 1.1. Caixa 645.272.857 1.2. Banco de Espanha 1.775.749.525

Leia mais

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Correção Exercícios de Fixação 2- Utilizando os dados apresentados pela Cia ABC no exemplo, na data de 20X0, considere que

Leia mais

Prova laboratorio contabil II unifran

Prova laboratorio contabil II unifran Prova laboratorio contabil II unifran Pergunta 1 1. Com base no, considerando as orientações da Lei 6.404/76, qual é o valor do Patrimônio Líquido? A Débito A Crédito Estoques 160.000 Terrenos 140.000

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP)

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) Hildo Meirelles de Souza Filho PIB Produto Interno Bruto (PIB) é o valor total do fluxo de produção atual de bens e serviços finais obtido dentro do território

Leia mais

NOÇÃO DE COOPERATIVA

NOÇÃO DE COOPERATIVA NOÇÃO DE COOPERATIVA As cooperativas são pessoas colectivas autónomas, de livre constituição, de capital e composição variáveis, que, através da cooperação e entreajuda dos seus membros, com obediência

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 17.802.769,62 10.829.348,39 DISPONIBILIDADE 7.703.537,60 3.824.493,65 Caixa e Bancos 436.727,86 548.337,85 Aplicações Financeiras 7.266.809,74

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 1 Enunciado (PARTE 1) Só uma alínea do grupo está correcta, inteiramente correcta, ou mais correcta. Refira qual e apresente nota justificativa sumária no anexo para resolução. 1 Em Portugal,

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Não é permitido o uso de corretor. Risque aquilo que pretende que não seja classificado. Exame Final Nacional de Economia A Prova 712 1.ª Fase Ensino Secundário 2017 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. 14 Páginas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.12.2005 COM(2005) 653 final 2005/0253 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 2223/96 do Conselho

Leia mais

ECONOMIA 10º ANO. Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários.

ECONOMIA 10º ANO. Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários. ECONOMIA 10º ANO Os agentes económicos. Fluxos reais e fluxos monetários. O circuito económico como representação das relações entre os agentes económicos A atividade económica é todo o esforço desenvolvido

Leia mais

Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS

Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS Para que servem as ESTATÍSTICAS? Que uso diário lhes damos? Estatísticas como factor de Conhecimento e de Liberdade: a contribuição da Pordata Maria João Valente Rosa/Pordata-FFMS Seminário 21.10.2013

Leia mais

Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs. Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada

Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs. Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada Sistema de Contabilidade Nacional: CEIs e TRUs Daiana I. da Silva Doutoranda em Economia Aplicada Sistema de Contabilidade Nacional Contas Econômicas Integradas Conjunto de contas de operações e de ativos/passivos

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índices de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE PÚBLICA Nota: A prova é constituída por três partes Parte 1: Cotação: 8 valores (4* 2 valores por questão) Questão 1 Desenvolva o tema: Formas de registo

Leia mais

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017.

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. Hotel Ibis Budget Manaus Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 ATIVOS 30/06/2017 31/12/2016 PASSIVOS

Leia mais

Relatório Econômico 2015

Relatório Econômico 2015 Índice 2 Relatório de Auditoria... 4 Balanço... 8 Demonstração de Resultados... 12 Receitas e Despesas Reconhecidas e Demonstrações... 16 Demonstração de Fluxos de Caixa... 20 Índice 3 1 Relatório de Auditoria

Leia mais

Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 519 034 542,00 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500,00 06 Transferências correntes 4 516 651

Leia mais

Teoria da Contabilidade (aula 7) Prof. Dr. Felipe Ramos

Teoria da Contabilidade (aula 7) Prof. Dr. Felipe Ramos Teoria da Contabilidade (aula 7) Prof. Dr. Felipe Ramos Aula 7 Elementos das Demonstrações Contábeis Receita e Despesa Conceitos e reconhecimento Mensuração dos elementos das Demonstrações Contábeis O

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social - Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 155 938 769 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500 06 Transferências

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO Ano Letivo 2017-2018 TEMAS/ CONTEÚDOS Módulo 1 A Economia e o Problema Económico

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 482 719 795,00 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500,00 06 Transferências

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. 31 de dezembro de 2013

Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. 31 de dezembro de 2013 Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA 1 Gelpar Empreendimentos e Participações Ltda Balanços patrimoniais ATIVO CIRCULANTE NOTA 2013 2012 (Não auditado) Disponível 4 991

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Darrell Mullis e Judith Orloff CentroAtlantico.pt

Darrell Mullis e Judith Orloff CentroAtlantico.pt Darrell Mullis e Judith Orloff 2009 CentroAtlantico.pt Objectivo abrir um quiosque que venda limonada Reúno as minhas economias (5 euros) Peço aos meus pais dinheiro emprestado (10 euros) Construo uma

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LES 200 Contabilidade Social 2ª Lista de Exercícios Gabarito Agosto/2016. Nome:...

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LES 200 Contabilidade Social 2ª Lista de Exercícios Gabarito Agosto/2016. Nome:... ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LES 200 Contabilidade Social 2ª Lista de Exercícios Gabarito Agosto/2016 Nome:... 1) Calcule: a. O saldo da Conta de Geração de Renda, isto é, o

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Brasileira. Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas

Conjuntura Macroeconômica Brasileira. Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas Conjuntura Macroeconômica Brasileira Gabriel Coelho Squeff Técnico de Planejamento e Pesquisa Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas Nível de Atividade Definições IBGE (CN) Produto Interno Bruto

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional

Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional 29 de Junho de 2010 Contas Nacionais Trimestrais por Sector Institucional (Base 2006) (Versão corrigida em 29-06-2010, às 18H) 1º Trimestre de 2010 No parágrafo sob a epígrafe 1º trimestre 2010 Principais

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DE ESTUDOS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS BOLETIM DE ESTATÍSTICAS DO ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2010 LUANDA, JUNHO DE 2014 FICHA TÉCNICA BOLETIM DE ESTATÍSTICAS

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO I DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO I DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL GRUPO 1 GRUPO 2 1 Balanço 5 X 2 Demonstração de resultados 6 X 3 Plano plurianual de investimentos 7.1 X X 4 Orçamento (Resumo) 7.2

Leia mais

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA

EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA EXERCÍCIOS 2007 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ECONOMIA BRASILEIRA Professor: Flávio Falconeri 1 (Questão 1) A cada um dos três princípios abaixo relacionados é possível associar o fundamento de uma escola de

Leia mais

Macroeconomia. Contas Nacionais IMPORTANTE

Macroeconomia. Contas Nacionais IMPORTANTE Definição Macroeconomia Prof.: César de Oliveira Frade Contas Nacionais O sistema de contas nacionais é um método de apurar o volume produzido por um país em um determinado período de tempo. Entende-se

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

Economia portuguesa apresentou uma capacidade de financiamento de 0,4% em 2012

Economia portuguesa apresentou uma capacidade de financiamento de 0,4% em 2012 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2012 e Ano 2012 28 de março de 2013 Economia portuguesa apresentou uma capacidade de financiamento de 0,4% em 2012 Em 2012,

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica

2. A Medição da Actividade Económica 2. A Medição da Actividade Económica Setembro 2007, inesdrum@fep.up.pt Slides baseados no guião disponível no site da cadeira 1 2.1. Agentes, Operações, Fluxos e Stocks A Macroeconomia analisa o comportamento

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

Como a banca ainda não liberou o gabarito, somente a prova, ainda não encontramos possibilidades de recursos.

Como a banca ainda não liberou o gabarito, somente a prova, ainda não encontramos possibilidades de recursos. Olá, pessoal. Tudo bem? A seguir, a correção da Prova de Contabilidade do Tribunal de Contas do estado de São Paulo. A banca cobrou apenas cinco questões de Contabilidade Geral, todas teóricas e que versavam

Leia mais

SISTEMA DE INQUÉRITOS TRIMESTRAIS E ANUAIS NOTAS DE PREENCHIMENTO

SISTEMA DE INQUÉRITOS TRIMESTRAIS E ANUAIS NOTAS DE PREENCHIMENTO Banco de Cabo Verde Área de Estatísticas do Sector Externo Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas SISTEMA DE INQUÉRITOS TRIMESTRAIS E ANUAIS NOTAS DE PREENCHIMENTO Sistema de Inquéritos Trimestrais

Leia mais

Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito

Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito Maria João Pais Maria da Luz Oliveira Maria Manuela Góis Belmiro Gil Cabrito Economia ATUALIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS outubro de 2017 Todos os slides são transversais, podendo ser utilizados em qualquer

Leia mais

Poupança e Investimento

Poupança e Investimento Poupança e Investimento Fernando Alexandre Ordem dos Economistas, Lisboa 19 de abril 2017 Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa 1. A importância da poupança 2. Desequilíbrios e estagnação: uma

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS/SC CNPJ Nº / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2006

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS/SC CNPJ Nº / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2006 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2006 A T I V O (R$) P A S S I V O ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa 0,00 Credores da entidade 0,00 Bancos Movimento 23.647,47 Consignações 877,01 Responsável por Suprimento

Leia mais