de Investimento em Angola e Cabo Verde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de Investimento em Angola e Cabo Verde"

Transcrição

1 Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC

2 Conferência Regime Fiscal do CINM Catarina Gonçalves

3 Agenda 1 Região Autónoma da Madeira 2 Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) 3 Oportunidades 4 Conclusão

4 Região Autónoma da Madeira

5 Enquadramento fiscal da Região Autónoma da Madeira Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Lucro tributável Taxa IRC Madeira Taxa IRC Continente Até % 12.5% Superior a % 25% Aplicável a entidades : 1. com sede ou direcção efectiva na Madeira; 2. com estabelecimento estável na Madeira (na proporção dos rendimentos aí obtidos); Excepção: actividades financeiras e serviços intragrupo (taxa de IRC do Continente 25%). Actualmente não há derrama na Madeira.

6 Enquadramento fiscal da Região Autónoma da Madeira Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Taxa Madeira Continente Reduzida 4% 5% Intermédia 8% 12% Normal 14% 20%

7 Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM)

8 CINM Regime preferencial, mas totalmente regulado Integrado nos regimes fiscais português e europeu Aprovado pela Comissão Europeia como uma Ajuda de Estado Acesso às Directivas da UE Acesso aos Acordos de Dupla Tributação (com algumas excepções: EUA, Brasil, México, Espanha e Suécia) Regime estável até 2020

9 Actividades elegíveis para o CINM Actividades industriais Transformação Armazenagem e distribuição Assembling Produtos naturais Transportes marítimos (entidades licenciadas) Registo de navios e iates Empresas de transporte Locação de activos Telecomunicações Serviços E-business Consultoria Outros serviços prestados às empresas

10 Actividades excluídas do CINM Actividades bancárias Serviços financeiros Serviços intra-grupo Instituições de crédito Serviços financeiros Seguros Centros de coordenação Centros de Tesouraria Serviços partilhados Actividades que foram excluídas com a entrada em vigor do CINM [Elegíveis até então] As actividades excluídas não beneficiam do Regime CINM, sendo-lhes aplicável a taxa de IRC do Continente de 25%. O regime também não é aplicável a rendimentos de fonte portuguesa.

11 Enquadramento fiscal evolução do regime CINM CINM 1987 (Primeiro Regime) CINM 2003 (Segundo Regime) Entidades licenciadas até 31 Dezembro 2000 Aplicável até 31 Dezembro 2011 Entidades licenciadas entre 1 Janeiro 2003 e 31 Dezembro 2006 Aplicável até 31 Dezembro 2011 Transição: A partir de 1 Janeiro 2012, as entidades beneficiárias destes dois regimes são integradas no último. CINM 2007 (Terceiro Regime) Entidades licenciadas entre 1 Janeiro 2007 e 31 Dezembro 2013 Aplicável até 31 Dezembro 2020

12 Principais características do CINM 2007 Requisitos 1. Início da actividade num período de seis meses (serviços) ou um ano (indústria e transporte marítimo licenciado) após a emissão da licença. 2. A) Criação de seis postos de trabalho nos primeiros seis meses; ou B) Criação de um a cinco postos de trabalho nos primeiros seis meses e CAPEX 75 milhares nos 2 primeiros anos.

13 Principais características do CINM 2007 IRC Aplicação da taxa reduzida de IRC está limitada a plafonds máximos de matéria colectável: Taxa de IRC 3% [entre 2007 e 2009] 4% [entre 2010 e 2012] 5% [entre 2013 e 2020] Plafond Plafond CINM 2003! O montante de matéria colectável Plafond por número Plafond por número que exceda o de postos de trabalho: de postos de trabalho: plafond estipulado 1-2 2m m é tributado à taxa m 3-5 2m normal de IRC aplicável à Região m m Autónoma da Madeira (20%) m m m m m m

14 Principais características do CINM 2007 IRC Poupança em sede de IRC: entidades licenciadas do CINM 2007 vs entidades estabelecidas no Continente. Nº postos de trabalho Poupança* em milhões 1 até 2 3 até 5 6 até até até 100 Mais de m 0.5m 3.2m 5.2m 8.0m 30.0m * Diferença entre a aplicação da taxa de 25% e a taxa de 5% ao plafond máximo estabelecido pelo CINM 2007

15 Principais características do CINM 2007 Retenção na fonte Isenção nos pagamentos efectuados a não residentes (dividendos, juros, royalties e serviços). Possibilidade de obtenção de crédito fiscal (por dupla tributação). A isenção nos pagamentos efectuados a não residentes pode conduzir a oportunidades que permitam reduzir a taxa de tributação efectiva. Redução da taxa de IRC Em certas condições, a taxa de IRC pode ser reduzida em 50% (contribuição para a modernização da economia regional, criação de postos de trabalho, etc.).

16 Principais características do CINM 2007 Imposto municipal sobre imóveis Isenção. Imposto do selo Isenção.

17 Principais características do CINM 1987 IRC Isenção de tributação relativamente a rendimentos obtidos de não residentes. Retenção na fonte Isenção nos pagamentos efectuados a não residentes (dividendos, juros, royalties e serviços). Transição As entidades beneficiárias do CINM de 1987, cuja(s) actividade(s) seja financeira ou prestação de serviços intragrupo (actividades excluídas pelo CINM de 2007), deixam de estar enquadradas no CINM a partir de 2012.

18 Principais características do CINM 2003 IRC Taxa de IRC de 3% aplicável aos rendimentos obtidos de não residentes. Plafonds máximos de Matéria Colectável: benefício da taxa reduzida de IRC passa a estar limitado através de plafonds máximos de matéria colectável, definidos em função do número de postos de trabalho criados. Retenção na fonte Isenção nos pagamentos efectuados a não residentes (dividendos, juros, royalties e serviços).

19 Oportunidades

20 Oportunidades Comércio Isenção de RF nos serviços pagos a não residentes (ADTs e CINM). NR Sem RF Comprador CINM Vendedor IRC a 4% / 5% Possibilidade de redução da taxa efectiva de IRC Registo de IVA na UE

21 Oportunidades Comércio electrónico, telecomunicações e media Todos os benefícios de IRC antes indicados. IVA à taxa de 14% (a mais baixa da Europa): - Indivíduos residentes na UE: IVA à taxa de 14% - Indivíduos residentes fora da UE: IVA = 0% - Empresas residentes fora da UE: IVA = 0% - Empresas residentes na UE: IVA à taxa aplicável no país de residência (procedimento de autoliquidação: normalmente com efeito neutro possibilidade de dedução)

22 Oportunidades Locação de activos Rendimentos de rendas e mais-valias relativos a activos não portugueses estão isentos NR Sem RF CINM IRC a 4% / 5% e crédito fiscal referente a RF sofrida no estrangeiro (poderá ser evitada no caso de alguns ADTs) Possibilidade de redução da taxa efectiva de IRC Registo de IVA na UE

23 Oportunidades Empresas de transporte marítimo Acesso a todos os benefícios do CINM (taxa de IRC reduzida, taxas de IVA, etc.). Registo de navios (MAR) Navios (excepto de pesca) e iates comerciais e de recreio; Não é necessário que os navios sejam detidos por entidade portuguesa; Rendimentos auferidos pela tripulação, pelo desempenho dessa função, estão isentos de IRS; Isenção de contribuições para a Segurança Social portuguesa.

24 Oportunidades Petróleo e gás Plataforma de exploração de petróleo pode ser registada no Centro de Registo Internacional de Navios da Madeira. NR Sem RF CINM IRC a 4% / 5% e crédito fiscal referente a RF sofrida no estrangeiro (poderá ser evitada no caso de alguns ADTs) Possibilidade de redução da taxa efectiva de IRC Registo de IVA na UE

25 Oportunidades Royalties Taxa reduzida de IRC nos royalties recebidos no âmbito do CINM. Isenção de IRC e IRS nos pagamentos a não residentes no âmbito do CINM. NR Sem RF Crédito fiscal referente a RF sofrida no estrangeiro (poderá ser evitada no caso de alguns ADTs) Beneficiário Isenção de RF CINM Concedente/ Subconcedente Concedente Possibilidade de redução da taxa efectiva de IRC

26 Oportunidades SGPS licenciadas no Regime CINM 2007 Acesso às directivas da UE, ADTs e legislação fiscal Portuguesa IRC Aplicação da taxa reduzida (4%/5%) aos rendimentos auferidos de entidades não residentes na UE, sem plafond à matéria colectável e sem requisitos de substância; Isenção de tributação das mais-valias resultantes da alienação de participações sociais (desde que as mesmas sejam detidas há mais de um ano).

27 Oportunidades SGPS licenciadas no Regime CINM 2007 IRC Dividendos recebidos de entidades portuguesas ou residentes noutro Estado da UE Isenção de tributação dos dividendos recebidos de entidades portuguesas ou residentes noutro Estado da UE, desde que cumpridos os seguintes requisitos: - Detenção da participação por um período mínimo de um ano; - Tributação no país de origem; Os dividendos de fonte portuguesa não estão isentos de RF.

28 Oportunidades SGPS licenciadas no Regime CINM 2007 IRC Dividendos recebidos de países africanos de língua portuguesa e Timor-Leste Isenção de tributação dos dividendos recebidos de subsidiárias residentes em Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, desde que cumpridos os seguintes requisitos: - Participação mínima no capital de 25%; - Detenção da participação por um período mínimo de dois anos; - Tributação no país de origem a uma taxa não inferior a 10%; - Rendimentos não passivos (royalties, mais-valias, etc.)

29 Oportunidades Sucursais no estrangeiro Isenção de RF na repatriação de rendimentos e nos dividendos pagos e possibilidade de obtenção de crédito de imposto resultam na não tributação em IRC. Isenção de tributação dos dividendos, juros de empréstimos e royalties recebidos da UE NR Sem RF Obtenção de crédito fiscal conduz à não tributação em sede de IRC na CINM CINM Repatriação de fundos, normalmente, não sujeito a RF Sucursal

30 Conclusão

31 Conclusão Região Autónoma da Madeira Tributação reduzida em sede de IRC, IRS e IVA para entidades/ indivíduos residentes na Região Autónoma da Madeira. CINM Taxas de IRC reduzidas para entidades licenciadas. Integrado no sistema fiscal português e europeu.

32 Conclusão Oportunidades Comércio Locação de activos, petróleo e gás, construção, obras públicas e transporte marítimo I&D royalties IVA e comércio electrónico, telecomunicações e media SGPS Sucursais no estrangeiro

33 Obrigado! Todos os direitos reservados. refere-se à rede de entidades que são membros da International Limited, cada uma das quais é uma entidade legal autónoma e independente. PwC

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres

Hot topics fiscais Maria Antónia Torres www.pwc.pt Hot topics fiscais Maria Antónia Torres Agenda Hot topics fiscais 1. Estruturação fiscal pré-aquisição 2. Due diligence fiscal Hot topics fiscais de um processo de investimento no âmbito do

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Depósito Dual EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal

4 de Setembro 2012 Direito Fiscal Orçamento Rectificativo Lei n.º 20/2012, DE 14 DE MAIO No âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira foi publicada, no passado dia 14 de Maio a Lei n.º 20/2012 (Lei 20/2012) que entrou

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011

PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 PAGAMENTO DE IMPOSTOS - 2011 JANEIRO / 2011 tesourarias de finanças ou dos CTT ou ainda (para importâncias não superiores a 99 999,99), através do multibanco, correspondente ao imposto apurado na declaração

Leia mais

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31

Fiscalidade 2012 Última Actualização 2012/10/31 GUIA FISCAL 2012 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Município do Fundão. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU.

Município do Fundão. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU 9 de Julho 2014 Município do Fundão Divisão de Ordenamento, Planeamento e Qualidade de Vida 29 edifícios No

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património Foi hoje publicada a Lei n.º 55-A/2012, de 29 de Outubro, a qual vem agravar a tributação dos rendimentos

Leia mais

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário ABANCA CORPORACIÓN BANCARIA, S.A. - SUCURSAL EM PORTUGAL Sucursal de Instituição de Crédito com sede no estrangeiro (autorizada noutro estado membro da Comunidade Europeia) Consulte o FOLHETO

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As alterações que a Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, introduz ao Código do IRS são muito significativas

Leia mais

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS Distribuição de dividendos está sujeita a Imposto sobre a Aplicação de Capitais

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais 13 de Março de 2012 Miguel Garoupa Puim AERLIS Agenda Tributação em Moçambique Aspectos fiscais do investimento português em Moçambique

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 03 R P MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS Volume global de negócios não isento REGIÕES AUTÓNOMAS 01 Nº DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DE BAYU-UNDAN REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI N. o 3 /2003 de 1 de Julho SOBRE TRIBUTAÇÃO DOS CONTRATANTES DE BAYU-UNDAN O Tratado do Mar de Timor, assinado entre Timor-Leste e a Austrália

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA)

Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 3.3 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 1/22 IVA na Receita Fiscal O IVA representa 38% do total da Receita Fiscal Aumento de 13 880M para 14 355 M ou seja 3,4% Evolução esperada para a actividade

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Caixa Eurovalor maio 2016_PFC Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo

Leia mais

IVA As recentes alterações legislativas

IVA As recentes alterações legislativas As recentes alterações legislativas Dezembro de 2012 2 IVA Serão as recentes alterações legislativas assim tão relevantes? 3 IVA Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Alterações em matéria

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Completa a transposição da Diretiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de junho de 2003, relativa a um regime fiscal comum aplicável aos pagamentos de juros e royalties efetuados entre sociedades associadas

Leia mais

e Legislação Complementar

e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC 2012 e Legislação Complementar CÓDIGO DO IRC APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 442-B/88, DE 30 DE NOVEMBRO (INCLUI ALTERAÇÕES DA PROPOSTA DO ORÇAMENTO RETIFICATIVO) LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR PAGAMENTOS

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 08/2014 DATA: 17/01/2014 ASSUNTO: Calendário Fiscal Fevereiro 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Fevereiro de 2014. Com

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

Aspectos fiscais do investimento português em Angola

Aspectos fiscais do investimento português em Angola Tax Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Carvalho Esteves, Partner Revista Angola - Portugal Negócios, Julho e Novembro de 2009 Angola tem sido um dos oásis de muitas das empresas

Leia mais

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 2/2008/RC (Revisão de FAT 7/2003/RC)

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 2/2008/RC (Revisão de FAT 7/2003/RC) 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Que registos contabilísticos deve efectuar um município, relativamente à contracção de empréstimos de e ao seu pagamento junto das instituições de crédito?

Leia mais

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma

Novas vestes da União Europeia? O papel do IVA. Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Clotilde Celorico Palma Europeia? O papel do IVA Temas a abordar: Estratégia recente da Comissão: - Relatório Monti - Comunicação de Outubro de 2010 - O IVA europeu - Livro verde

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

GUIA FISCAL ASSOCIATIVO 2012 GAMA Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

GUIA FISCAL ASSOCIATIVO 2012 GAMA Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Este Guia Fiscal tem como objectivo possibilitar aos dirigentes associativos e a outros agentes ligados à problemática fiscal das colectividades de cultura, recreio e desporto, o conhecimento do enquadramento

Leia mais

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série

Custos do Mercado. Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Custos do Mercado Regulamento n.º 1/2005, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Regulamento n.º 2/2006, de 22 de Janeiro de 2007 B.O n.º 4 - I Série Rectificação do Regulamento n.º 2/2006, de 5

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

O INVESTIMENTO LOW-COST EM ESPANHA AIMINHO - 26 DE MAIO DE 2014 INVESTIMENTO EM ESPANHA LOW COST I.- Início de actividade II.- Ajudas e subvenções III.- Investir através de Espanha IV.- Prestação de serviços

Leia mais

RENDIMENTOS DE CAPITAIS

RENDIMENTOS DE CAPITAIS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. 1 CATEGORIA E 2 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE - IRS MODELO 3 Anexo E DE CAPITAIS 3 IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S)

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PSI20 2012-2015 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de crédito

Leia mais

Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto:

Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto: Principais medidas decorrentes do Decreto-Lei 197/2012, de 24 de Agosto: Artigo 29.º do CIVA 1 -Para além da obrigação do pagamento do imposto, os sujeitos passivos referidos na alínea a) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Normas fiscais aplicáveis Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão

Leia mais

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL

PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL CMVM PROPOSTA DE MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO ESPANHA-PORTUGAL 1...Descrição geral do método e fases da sua implementação... 2 2...Mecanismo de leilões explícitos de capacidade... 2 3...Mecanismo

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02

NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 NOTÍCIAS À SEXTA 2013.08.02 Estatuto das organizações não governamentais das pessoas com deficiência Foi publicado, em Diário da República, o Decreto-Lei n.º 106/2013, de 30 de Julho, que define o estatuto

Leia mais

Livro Verde sobre regimes europeus de pensões adequados, sustentáveis e seguros

Livro Verde sobre regimes europeus de pensões adequados, sustentáveis e seguros Livro Verde sobre regimes europeus de pensões adequados, sustentáveis e seguros Useful links Download PDF version A Comissão convida todos os interessados a responder às questões enunciadas no Livro Verde,

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 199/96 DE 18 DE OUTUBRO

DECRETO-LEI N.º 199/96 DE 18 DE OUTUBRO DECRETO-LEI N.º 199/96 DE 18 DE OUTUBRO C I V A Regime Especial de Tributação dos Bens em Segunda Mão, Objectos de Arte, de Colecção e Antiguidades Artigo 1.º O presente diploma transpõe para a ordem jurídica

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA.

OLIVEIRA, REIS & ASSOCIADOS, SROC, LDA. Calendário Fiscal de fevereiro de 2013 S T Q Q S S D 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 DIA 11 IVA declaração periódica e pagamento do imposto (regime normal mensal)

Leia mais

Portaria n.º 1323-B/2001

Portaria n.º 1323-B/2001 Portaria n.º 1323-B/2001 Actualiza as prestações de invalidez e de velhice, bem como as de sobrevivência, e as pensões de doença profissional dos regimes de segurança social. Revoga a Portaria n.º 1141-A/2000,

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

IVA - REGIME ESPECIAL DE ISENÇÃO PREVISTO NO ARTIGO 53.º DO CÓDIGO DO IVA

IVA - REGIME ESPECIAL DE ISENÇÃO PREVISTO NO ARTIGO 53.º DO CÓDIGO DO IVA Classificação: 020.01.10 Seg.: P úbli ca Proc.: 2012 004921 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Of.Circulado N.º: 30138/2012 2012-12-27 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407 Sua Ref.ª: Técnico:

Leia mais

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário

Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário Fundos de Capital de Risco Organismos de Investimento Imobiliário 17.Novembro.2015 1 Fundos de Capital de Risco 2 Fundos de Capital de Risco Características Natureza jurídica Tipologia de Investimentos

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local.

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. MISSÃO DO GRUPO O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. Conhecedor profundo do tecido empresarial das várias regiões onde actua, oferece as melhores soluções para as expectativas

Leia mais

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S BTOCNEWS 012 I LEGISLAÇÃO LABORAL Alteração ao código do trabalho SAIBA + REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL Foi aprovado em Conselho de Ministros de 18 de julho de 2012

Leia mais

05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012

05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012 05-01-2012 - Calendário Fiscal 2012 quando declarar e quando pagar impostos em 2012 Disponibilizamos o habitual Calendário Fiscal de 2012 produzido pelo Ministério das Finanças (Autoridade Tributária e

Leia mais

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro Portaria n.º 1458/2009 de 31 de Dezembro O Governo suspendeu, durante o ano de 2010, o mecanismo de actualização do indexante dos apoios sociais (IAS), das prestações sociais e da revalorização das remunerações

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado

DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012. Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado DIREITO FISCAL 4.º ANO EXAME DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Regente: Prof. Doutora Ana Paula Dourado Colaboradores: Prof.ª Doutora Paula Rosado Pereira, Mestres Gustavo Courinha e João Pateira Ferreira I. Considere

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Valores expressos em euros) INTRODUÇÃO O Fundo de Poupança em

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA Art. 12º; D. L. 21/2007. Renuncia à Isenção Operações Imobiliárias - Leasing imobiliário. Processo: nº 655, por despacho do Director Geral dos Impostos,

Leia mais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais 1 All the lawyers know what s happening on the case and work really well as a team. It sets them apart from others in the market. Client reference

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO

INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO INDICAÇÕES RELATIVAS À APRESENTAÇÃO DOS ORÇAMENTOS E CONTAS DE GERÊNCIA A VISTO ( Artº 33º, do Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social, aprovado pelo Dec.-Lei n.º 119/83, de 25 de

Leia mais

IRC opção pelo regime simplificado

IRC opção pelo regime simplificado IRC opção pelo regime simplificado Está em curso durante o presente mês de fevereiro o prazo concedido aos sujeitos passivos de IRC para procederem à opção pelo regime simplificado de determinação da matéria

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas

Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas Fiscalidade da Empresa Tributação dos Grupos de Empresas II Congresso de Direito Fiscal Carlos Loureiro 11 de Outubro de 2011 Índice 1. Introdução 2. Desafios e limitações no âmbito da tributação dos Grupos

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais