ECO, Umberto. A estrutura ausente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECO, Umberto. A estrutura ausente"

Transcrição

1 FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo SEMIÓTICA DA CULTURA SEMIÓTICA DA COMUNICAÇÃO SEMIÓTICA DA SIGNIFICAÇÃO TEORIA DOS CÓDIGOS OS CÓDIGOS VISUAIS

2 SEMIÓTICA DA CULTURA (todos os processos culturais como processos de comunicação) A SEMIÓTICA DA COMUNICAÇÃO inclui a SEMIÓTICA DA SIGNIFICAÇÃO, mas comunicação é possível sem significação COMUNICAÇÃO começa com meros estímulos, que evocam reações automáticas. Qualquer transmissão de sinais (mesmo não intencionais) de uma fonte a um receptor é comunicação (ainda que sem significação) Ex.: o simples fluxo de informação que pode ser encontrado em máquinas SIGNIFICAÇÃO pressupõe sentido, transformação de sinais em signos emitidos e recebidos por seres humanos na base de um código, que leva a uma interpretação humana. Significação possui a comunicação como seu pressuposto SINAIS não pressupõe emissores nem receptores humanos, nem convenções culturais. São elementos de eventos causais

3 COMUNICAÇÃO POR ESTÍMULO A comunicação entre máquinas (processo causal que não põe em discussão o código) e os casos de Estímulo Resposta (processo natural/comunicação sem código) são sem significação. Nem todos os processos comunicacionais são culturais! Contudo Se a interpretação humana dos índices naturais se baseia em convenções culturais, estas são os códigos de tal situação de comunicação. Também o comportamento humano não-intencional é capaz de significar, mesmo que inconscientemente Só com significação, a comunicação humana é um fazer cultural. Quando o destinatário é um ser humano, vemo-lo em presença de um processo de significação, desde que o sinal não se limite a funcionar como simples estímulo, mas solicite uma resposta interpretativa do destinatário

4 CÓDIGO: fonte e chave para a comunicação O código da comunicação humana é o sistema que estabelece correlações entre sinais e significados (unidades culturais/fenômenos de cultura aceitos por determinado grupo em determinada época). Assim, o código é uma espécie de chave necessária para entender a mensagem. Códigos de máquinas: regras fixas Códigos da comunicação humana: flexíveis, sujeitos à negociações Porém, eles estabelecem restrições na liberdade dos que comunicam, pois estes não podem inventar signos novos sem correr o risco de falha da comunicação A mensagem na comunicação humana equivale ao signo Visto que o destinatário precisa, na decodificação, mobilizar tantos recursos não indicados explicitamente na mensagem nem inscritos no código, Eco chega à conclusão de que a mensagem, sem a atividade interpretativa do destinatário, é uma forma aberta ou vazia.

5 OS CÓDIGOS VISUAIS Semiótica: disciplina autônoma A codificação dos símbolos e dos índices E os ícones? signos que têm certa nativa semelhança com o objeto a que se reportam PARA ECO, O ÍCONE REPRODUZ A FORMA DAS RELAÇÕES REAIS A QUE SE REFEREM? POSSUI PROPRIEDADES DO OBJETO REPRESENTADO?

6 ESTÍMULOS VISUAIS Coordenados em ESTRUTURAS PERCEPTIVAS A partir de SISTEMAS DE EXPECTATIVAS ÍCONE: Não possui propriedades do objeto representado

7 Os signos icônicos reproduzem algumas condições de percepção do objeto, mas depois de tê-las selecionado com base em códigos de reconhecimento e anotado com base em convenções gráficas (p.104)

8 Nunca é presentificada, no signo, a totalidade dos estímulos percebidos no objeto A percepção conduz o objeto para uma categorização

9

10 A convenção rege todas as nossas operações figrativas

11 Wivenhoe park - Constable (impressionismo)

12 Renascentismo (Botticelli) X Cubismo (Picasso)

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

3 A aplicação MoLIC WOz

3 A aplicação MoLIC WOz A aplicação MoLIC WOz 33 3 A aplicação MoLIC WOz Esta seção descreve a MoLIC WOz relacionando com a Engenharia Semiótica (3.1) e apresentando a estrutura da ferramenta (3.2). 3.1 MoLIC WOz e a Engenharia

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

Percurso para uma análise semiótica

Percurso para uma análise semiótica Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos

Leia mais

Divisão da filosofia peirciana

Divisão da filosofia peirciana Filosofia peirciana Divisão da filosofia peirciana A Filosofia peirciana é dividida em três ramos: 1. Fenomenologia (filosofia do fenômeno: tal como ele pode ser) 2. Ciências Normativas (filosofia do fenômeno:

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Elisete Altafim (Graduanda em Moda UEM) Marcela Zaniboni Campos (Graduanda em Moda UEM) Evandro

Leia mais

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Modelagem conceitual para sistemas de hipertexto INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Profa. glima@eci.ufmg.br A Tradição Oral A fala enunciada pela voz humana é rica em informações

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Disciplina devotada ao estudo dos sinais e como eles são utilizados na comunicação

Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Disciplina devotada ao estudo dos sinais e como eles são utilizados na comunicação Interface Homem/Máquina Aula 6 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Engenharia Semiótica

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

design > comunicação visual Profa. Julie Pires

design > comunicação visual Profa. Julie Pires design > comunicação visual Profa. Julie Pires Teorias do Design 1 [BAV105] DESIGN Design é inventar, projetar, programar, coordenar uma longa lista de fatores humanos e técnicos, traduzir o invisível

Leia mais

Arquitetura da Internet. Prof. Eduardo

Arquitetura da Internet. Prof. Eduardo Arquitetura da Internet Prof. Eduardo Introdução Ao entender o modelo OSI e funções de cada camada, é necessário verificar e entender o modelo TCP/IP, saber quais protocolos ele utiliza, e como esse modelo

Leia mais

Revisão de Semiótica

Revisão de Semiótica Revisão de Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa

Leia mais

AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2

AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE MUSEOLOGIA PROF. PABLO LISBOA 2017/1 21/03/2017 AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE CIÊNCIAS

Leia mais

Linguística Computacional Interativa

Linguística Computacional Interativa 1 Linguística Computacional Interativa Linguagem Natural em IHC: possibilidades a explorar Aula de 13 de novembro de 2012 2 Um mergulho rápido na praia da Semiótica O signo peirceano: acesso mediado ao

Leia mais

2. Semiótica e Engenharia Semiótica

2. Semiótica e Engenharia Semiótica 2. Semiótica e Engenharia Semiótica Neste capítulo serão revistos alguns conceitos fundamentais da teoria dos signos de Peirce (1960, 1993, 1998) e da teoria da engenharia semiótica, de Souza (2005a, 2005b).

Leia mais

A semiótica como uma ferramenta do design

A semiótica como uma ferramenta do design A semiótica como uma ferramenta do design 1 Profª. MSc. Taís de Souza Alves 1 (UEMG/Ubá) Resumo: A relação entre design e semiótica pode ser percebida nos conceitos de alguns produtos que remetem à interpretação

Leia mais

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL 1205 TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL João Paulo Dias de Menezes 1 0. INTRODUÇÃO A conhecida dificuldade de produção textual levou-nos à escolha desse tema com a finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações.

Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações. DADO E INFORMAÇÃO 9 Dado Para que possamos utilizar Sistemas de informação, primeiro precisamos entender onde nascem as informações. Tudo começa através da interpretação de Dados O que são dados? DADO:

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Por que IHC é importante?

Por que IHC é importante? Introdução à Interação Humano- Computador fundamentada na Teoria da Engenharia Semiótica Raquel Oliveira Prates Seminário Tamanduá Por que IHC é importante? 1 Diferentes Designs O que é IHC? Interação

Leia mais

Bruner. Psicologia da aprendizagem

Bruner. Psicologia da aprendizagem Bruner Psicologia da aprendizagem Biografia Psicólogo americano, nasceu em Nova Iorque em 1915. Graduou-se na Universidade de Duke em 1937. Depois foi para Harvard, onde em 1941 doutorou-se em Psicologia.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

Engenharia semiótica. INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo sala 413 RDC

Engenharia semiótica. INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo sala 413 RDC Engenharia semiótica INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo abraposo@inf.puc-rio.br sala 413 RDC Engenharia Cognitiva da Imagem do Sistema 2 Designers de IHC e Desenvolvedores

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Metodologia de Dissertação II Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Definição Análise de Conteúdo Análise de Conteúdo se define como um "conjunto de técnicas de análise das comunicações e aposta no rigor do método

Leia mais

ESTESIA E CINESTESIA

ESTESIA E CINESTESIA ESTESIA E CINESTESIA AISTHESIS (do grego) refere-se a sensível, sensitivo. Estesia é o estado de mobilização sensorial ao qual nosso organismo é submetido para perceber as coisas que nos cercam. Anestesia

Leia mais

Referências no produto

Referências no produto Referências no produto Em uma abordagem fundamentada em semiótica, as questões sígnicas no produto devem ser consideradas segundo o contexto cultural no qual se dá o processo comunicacional. Portanto,

Leia mais

: fotojornalismo e foto documentária. REFERÊNCIAS: Umberto Eco, Roland Barthes, Benjamin Picado e Eliseo Verón.

: fotojornalismo e foto documentária. REFERÊNCIAS: Umberto Eco, Roland Barthes, Benjamin Picado e Eliseo Verón. : fotojornalismo e foto documentária REFERÊNCIAS: Umberto Eco, Roland Barthes, Benjamin Picado e Eliseo Verón. Roland Barthes (1984) FOTOGRAFIA: mensagem sem código? Pura denotação (conteúdo literal)?

Leia mais

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Susana Vieira UFSC, Departamento de Expressão Gráfica Vieira.su@gmail.com Diego Spagnuelo UFSC, Departamento de Expressão

Leia mais

Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação

Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação Fechando as teorias clássicas americanas: Teoria da Informação A Teoria da Informação (Teoria Matemática da Comunicação) é uma das vertentes que estudam a Comunicação de maneira mecanicista, ou seja, como

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 1 Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 Carla Faria Leitão (PUC-Rio) Milene Selbach Silveira (PUCRS) Clarisse Sieckenius de Souza

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

Comunicações Digitais

Comunicações Digitais 1 - Introdução Enlace de um Sistema de Comunicação fonte mensagem transdutor Transmissor Modulador canal ruído receptor transdutor destino mensagem (estimada) sinal de entrada sinal com distorção sinal

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Disciplina: Projeto Gráfico I Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos

Leia mais

DOMÓTICA Protocolo de comunicação EIB - KNX

DOMÓTICA Protocolo de comunicação EIB - KNX DOMÓTICA Protocolo de comunicação EIB - KNX Introdução O Konnex (KNX), foi criado a 14 de Abril de 1999, a partir dos protocolos Batibus, EIB e EHS. Teve como objetivo criar um único standard europeu para

Leia mais

Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música

Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música A percepção, um dos principais meios de obtenção de conhecimentos para a criação segundo Salles (2009: 126), e é para

Leia mais

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof.

TEORIA & PROJETO. a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO. Prof. TEORIA & PROJETO a. PROGRAMA DE NECESSIDADES b. ARQUITETURA RESIDENCIAL c. FERRAMENTAS DE AUXÍLIO AO PROJETO PROJETO & FASES 1. Programa de Necessidades: o que é? Como montar; 2. Perfil dos Usuários; 3.

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

Conceber Pictogramas

Conceber Pictogramas Conceber Pictogramas João Vasco Matos Neves Campo de investigação Design Área de intervenção Sinalética Tema Conceber Pictogramas Palavras-chave Sinalética, sistemas pictográficos, pictografia, pictogramas,

Leia mais

Comunicação e Ética Aula 2

Comunicação e Ética Aula 2 Comunicação e Ética Aula 2 NENL Exercício Descrever usando criatividade e imaginação como seria um dia, na sua cidade, se todos os meios de comunicação deixassem de funcionar. Imagine: 1 se nenhuma emissora

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos básicos da composição.

Leia mais

Como cadastrar um produto, e o que é necessário para um cadastro correto. Controle de estoque > Tabelas gerais > produtos > acesso a dados gerais

Como cadastrar um produto, e o que é necessário para um cadastro correto. Controle de estoque > Tabelas gerais > produtos > acesso a dados gerais Estoque Como cadastrar um produto, e o que é necessário para um cadastro correto. Cadastro de Produto Controle de estoque > Tabelas gerais > produtos > acesso a dados gerais Os campos destacados acima

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 5 CD/CAC e SIG: Componentes CD/CAC e SIG E/S Coordenadas e Texto Display Alta Resolução Impressão de Alta Qualidade DR de Acesso

Leia mais

Compreensão e Interpretação de Textos

Compreensão e Interpretação de Textos Língua Portuguesa Compreensão e Interpretação de Textos Texto Texto é um conjunto coerente de enunciados, os quais podem serem escritos ou orais. Trata-se de uma composição de signos codificada sob a forma

Leia mais

Uso do MIS para avaliar signos sonoros Quando um problema de comunicabilidade se torna um problema de acessibilidade

Uso do MIS para avaliar signos sonoros Quando um problema de comunicabilidade se torna um problema de acessibilidade Uso do MIS para avaliar signos sonoros Quando um problema de comunicabilidade se torna um problema de acessibilidade Luiz Paulo Damilton Corrêa Flávio R. S. Coutinho Raquel Oliveira Prates Luiz Chaimowicz

Leia mais

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Fundamentos em Organização da Informação Professora: Lillian Alvares QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Comunicabilidade 07-09/04/2014. O que é dito? Como é dito? INF1403 Introdução a IHC.

Comunicabilidade 07-09/04/2014. O que é dito? Como é dito? INF1403 Introdução a IHC. 1 Comunicabilidade Metacomunicação: O que é? Quem fala com quem? O que é dito? Como é dito? 07-09/04/2014 www.inf.puc-rio.br/~inf1403 2 Roteiro da Aula Discussão da atividade de auto aprendizado da aula

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1 Índice 1. O Que é Comunicação?...3 1.1. Características... 3 1.2. Formas e Componentes da Comunicação... 3 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Conceito etimológico... 4 1.3.2.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO GB 097 AULA 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO GB 097 AULA 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO GB 097 AULA 2 Professor: Fabiano A. Oliveira 2017 RECUPERAÇÃO DE CONCEITOS: CARTOGRAFIA TEMÁTICA

Leia mais

Lei de Hick-Hyman. Relaciona o tempo que uma pessoa leva para tomar uma decisão com o número de possíveis escolhas que ela possui:

Lei de Hick-Hyman. Relaciona o tempo que uma pessoa leva para tomar uma decisão com o número de possíveis escolhas que ela possui: Abordagens Teóricas Introdução As abordagem teóricas utilizadas para investigar fenômenos de interação humano computador nasceram na psicologia; Nos anos 50 com ênfase na psicologia experimental, onde

Leia mais

Propriedades da Convolução

Propriedades da Convolução Processamento Digital de Sinais Propriedades da Convolução Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Algumas respostas a impulso Função delta Amplificador / Atenuador Atrasador Integrador Diferenciador Filtro passa-baixas

Leia mais

Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional

Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional Uma empresa dedicada ao desenvolvimento humano e organizacional Quem somos Nossas soluções objetivam a transformação humana e das culturas organizacionais, fortalecendo laços entre organizações e colaboradores.

Leia mais

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos Instância Terciária 3 ESSÊNC IA Substâncias da Expressão Valores Estésic os Estéticos Culturais/Sociais Esta terceira instância procura dar conta dos elementos de significação específicos, afetivos e cognitivos,

Leia mais

Cartografia e Ideologia

Cartografia e Ideologia Cartografia e Ideologia Qual é o parasita mais poderoso? Um vírus, uma bactéria, um verme intestinal? Uma ideia! Quando uma ideia domina o cérebro é quase impossível erradicá-la. Signo Semiologia com base

Leia mais

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém

Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Distopia (p) Referencial - Ficção é a Realidade que se inventa, Realidade é a Ficção que se obtém Rafael Teixeira de Resende 1 O Trabalho se desencadeia a partir da frase concebida pelo artísta a fim de

Leia mais

4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental

4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental 4 O aprendizado de leitura no 2º ano e no 3º ano do ensino fundamental O objetivo deste capítulo é esclarecer, detalhadamente, o leitor, sobre as habilidades desenvolvidas pelos alunos do 2º e do 3º anos

Leia mais

UNIDADE 2 - Comunicações

UNIDADE 2 - Comunicações ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 11º ano UNIDADE 2 - Comunicações 1 Comunicações de Informação a curtas distâncias Introdução Comunicar foi desde sempre importante para todos os seres

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Semiótica Área Científica: CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos: 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS: 3 Tempo de Trabalho:

Leia mais

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste São Paulo 07 a 10 de maio de 2008. Ana Carolina França e Silva 8215

Leia mais

COLÉGIO MARIA IMACULADA

COLÉGIO MARIA IMACULADA Conteúdos trabalhados: COLÉGIO MARIA IMACULADA Orientação de Estudos de Recuperação Disciplina: Física - B - Professor: Fausto 2º ano do Ensino Médio Termodinâmica: trabalho de um gás, primeira e segunda

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização Gestão de Recursos Humanos Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Comunicação nas empresas Motivação dos talentos humanos Comunicação Processo de comunicação Contextualização Barreiras

Leia mais

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946)

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946) Charles Morris (1901-1979) clássico da semiótica cuja influência no desenvolvimento da história da semiótica foi decisiva nos anos 30 e 40 raízes na semiótica de Peirce, no behaviorismo, no pragmatismo

Leia mais

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ISRAEL ANTONIO MANOEL PEREIRA O ÓBVIO E O OBTUSO Resenha Crítica apresentada como atividade parcial avaliativa da disciplina

Leia mais

Processos básicos envolvidos na aprendizagem. Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos

Processos básicos envolvidos na aprendizagem. Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos Processos básicos envolvidos na aprendizagem Psicologia da Aprendizagem Profa. Dra. Patricia Leila dos Santos ATENÇÃO Fenômeno pelo qual processamos ativamente uma quantidade limitada de informações do

Leia mais

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ da Turma da Mônica A semiotic analysis of the advertising report of Monica s Gang HQ Uélida Dantas de Oliveira Mestranda em Letras no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O que é Cartografia?

O que é Cartografia? O que é Cartografia? Nações Unidas As Nações Unidas, definiu em 1949, através de comissão especializada, cartografia como sendo A ciência que se ocupa da elaboração de mapas de toda espécie. Abrange todas

Leia mais

Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2004, 229p.] Adriana Santos

Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2004, 229p.] Adriana Santos { [BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2004, 229p.] Adriana Santos Laurence Bardin, autora da referência em tela, é professora de Psicologia na Universidade de Paris V e aplicou

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Propriedades da Convolução

Propriedades da Convolução Processamento Digital de Sinais Propriedades da Convolução Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Algumas respostas a impulso Função delta Amplificador / Atenuador Atrasador Integrador Diferenciador Filtro passa

Leia mais

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO Página 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ACESSANDO O SPARK...4 3 INICIANDO UMA CONVERSAÇÃO...6 4 TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS...8 5 CONFERÊNCIA...10 6 PERSONALIZANDO SUA

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial O que é comunicar? Tornar comum, compartilhar Todas as atividades humanas envolvem comunicação ato vital Comunicação Verbal (falada e escrita) Comunicação não-verbal (sons, músicas,

Leia mais

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA Daiane de Abreu Ribeiro Jeane Silva Freire Jucilene Aparecida Ribeiro da Silva Procópio Daiane de Abreu Ribeiro Faculdade Sumaré Ex-aluna de Pós-Graduação Jeane Silva

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Rede O que é?? 1 O que é uma rede É a conexão de duas ou mais máquinas com o objetivo de compartilhar recursos entre uma máquina e outra. Recursos Podem ser físicos ou

Leia mais

A Interpretação das culturas -Clifford Geertz Professora Doutora Mirela Berger UFES Universidade Federal do Espírito Santo

A Interpretação das culturas -Clifford Geertz Professora Doutora Mirela Berger UFES Universidade Federal do Espírito Santo Mirela Berger A Interpretação das culturas Clifford Geertz 1 A Interpretação das culturas -Clifford Geertz - 1926-2006 Professora Doutora Mirela Berger UFES Universidade Federal do Espírito Santo 1) A

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

BARIGUI SECURITIZADORA S.A.

BARIGUI SECURITIZADORA S.A. AVISO AO MERCADO Oferta Pública de Distribuição dos Certificados de Recebíveis Imobiliários das Séries 60ª e 61ª da 1ª Emissão da Barigui Securitizadora S.A. A BARIGUI SECURITIZADORA S.A., inscrita no

Leia mais

Imagem e Discurso Abordagem Semiótica da Comunicação na Caixa Econômica Federal

Imagem e Discurso Abordagem Semiótica da Comunicação na Caixa Econômica Federal APRESENTAÇÃO CRÍTICA DE UM RELATO CIENTÍFICO Imagem e Discurso Abordagem Semiótica da Comunicação na Caixa Econômica Federal Dissertação de Mestrado defendida na Universidade Católica de Brasília Delimitação

Leia mais

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em:

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: 2.2 A SINTAXE DA ILUSTRAÇÃO Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: SINTÁTICA - Manifesta-se através da forma. Diz respeito aos elementos estruturais e técnicos de composição

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos

Linguagens Formais e Autômatos Linguagens Formais e Autômatos Conversão de Expressões Regulares (ER) para Autômatos Finitos Determinísticos (AFD) Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução A construção sistemática de um Autômato Finito para

Leia mais

MEDIAÇÃO DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos

MEDIAÇÃO DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos DA INFORMAÇÃO: alguns aspectos Oswaldo Francisco de Almeida Júnior Marília - 2006 DEFINIÇÃO Serviço de Informação e Referência Um recorte do todo da biblioteca com pessoal, arquivo, equipamento, metodologia

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula 2 Prof. Carlos Café Dias REFORÇANDO REPOSITÓRIO docente.ifrn.edu.br/carlosdias O QUE É CRIATIVIDADE? Criatividade é uma forma de loucura. Platão Inspiração

Leia mais

O poder da comunicação nas negociações de sucesso

O poder da comunicação nas negociações de sucesso O poder da comunicação nas negociações de sucesso Que os olhos, os gestos, a respiração, os atos falam mais que mil palavras nós já sabemos, mas como nos comunicar com eles? De que maneira podemos estabelecer

Leia mais

O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que

O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que diz algo, que significa algo). O intertexto refere-se

Leia mais

Mapas temáticos e gráficos

Mapas temáticos e gráficos Mapas temáticos e gráficos Tipos de representações gráficas Mapas temáticos: representam os diversos fenômenos sociais e naturais. Gráficos expressam numericamente os mesmos fenômenos, facilitando o entendimento.

Leia mais

Jah fiz minha parte, e vc? 1

Jah fiz minha parte, e vc? 1 Jah fiz minha parte, e vc? 1 Ana Lívia Gama Jardim de SÁ 2 Caroline Avelino HOLDER 3 Larissa de OLIVEIRA 4 Roberto CAMPELO 5 Maria Érica de Oliveira LIMA 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte,

Leia mais