Revisão de Semiótica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisão de Semiótica"

Transcrição

1 Revisão de Semiótica

2 O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa para alguém em determinado contexto). Lucy Niemeyer

3 O signo representa algo, está no lugar de algo, mas não é o próprio. Tem o papel de mediador entre algo ausente e um intérprete presente. Os signos se organizam em códigos, que constituem sistemas de linguagem. Estes sistemas formam a base de toda comunicação. A principal utilidade da semiótica é possibilitar a descrição e a análise da dimensão representativa de objetos. Exemplos de linguagens: verbal, não verbal: surdosmudos, moda, culinária.

4 Período Greco-romano antigo Platão( a.c.) relação entre o nome, as ideias e a coisa (modelo triádico). Aristóteles( a.c.): aquilo que procede ou segue o ser ou o desenvolvimento duma coisa é um signo do ser ou do desenvolvimento dessa coisa.

5 Estóicos (ca. 300 a.c. 200 d.c.) a base de sua teoria também era um modelo triádico, formado pelo significante (a entidade percebida como signo), o significado e o objeto ao qual o signo se refere. Epicuristas (ca. 300) modelo diádico do signo: significante + objeto referido. Zoosemiótica: a semiose não pressupõe combinações lógicas.

6 Agostinho ( ): o maior semioticista da antiguidade. Distinção dos signos naturais (ex.:fumaça) e dos convencionais (ex.: suástica). Breve histórico da semiótica

7 Da idade média ao renascimento Roger Bacon ( ): escreveu o tratado De Signis. Jean Poinsot ( ) escreveu Tractatus de Signis em 1632.

8 Racionalismo, empirismo e iluminismo A semiótica dos séc. XVII e XVIII se desenvolveu no ambiente de três grandes correntes filosóficas: o racionalismo francês, o empirismo britânico e o iluminismo na Alemanha.

9 O racionalismo francês: René Descartes ( ): prioridade do intelecto sobre a experiência. Consequência: alijou da teoria dos signos o aspecto referencial. Ficou sem seu verdadeiro elo de contato com o mundo aparente e foi descrito em categorias mentais.

10 O empirismo britânico: Locke ( ): separação em dois níveis semióticos ideias e palavras não aceito na atualidade.

11 O iluminismo alemão: Christian Wolff ( ) Heinrich Lambert ( ) Através deles chegou-se à constatação que a correspondência entre signo e mundo era o critério principal para das formas de expressão cultural tantas vezes consideradas contrárias, a ciência e a arte.

12 Séc XIX o romantismo Hegel ( ) Foi um dos que definiram as fronteiras semióticas, introduzindo distinções entre signos e símbolos.

13 Séc XX 3 correntes: Americana - Charles Pierce ( ) Européia Saussure ( ) Soviética Jakobson ( )

14 Séc XX Charles Pierce: categorizou a experiência sígnica em: Primeiridade: em que predomina o caráter qualitativo, pré-reflexivo, sensível. Secundidade: categoria da experiência, onde a relação de causa acidental, fortuita, experimentada,constrói a dimensão segunda, que se apóia na primeira. Terceiridade: é o lugar da regra, da lei, da convenção, da ciência, da previsão, do controle.

15 Séc XX Relações sígnicas: Signo em relação ao representâmen: Quali-signo: uma qualidade que é signo diz respeito às suas características que menos o particularizam. Ex.: as cores, os materiais, a textura, o acabamento. Sin-signo: é o aspecto do signo que já o particulariza e individualiza como ocorrência. Ex.: sua forma, suas dimensões. Legisigno: é como as conversões e as regras, os padrões. Ex.: aplicações de perspectiva, atendimento as normas.

16 Séc XX Relações sígnicas: Signo em relação ao Objeto: Ícone: a representação se dá por semelhança, por meio de analogia. Índice: a representação se faz por meio de marcas. A relação é de causalidade. Símbolo: a relação se dá por convenção, é determinada por princípios pré-existentes.

17 Séc XX Relações sígnicas: Signo em relação ao Interpretante: Rema: há uma imprecisão de sentido, uma sensação, uma indeterminação, que se dá no instante inicial de contato com o novo um certo espanto, uma surpresa, uma indefinição. Dícente: se dá por particularizações interpretativas, afirmações. Argumento: há a precisão, rigor científico, o caráter inequívoco. Nele estão regras precisas, fundamentadas, e não refutadas.

18 Elementos da Análise Comunicacional em Design Gerador: é constituído e articulado pelo empresário e o designer, para que algo seja gerado. Interpretador: são todos espectadores de uma ocorrência, usuários, consumidores do produto ou não. Mensagem: tem como objetivos fazer crer e levar o Interpretador a fazer algo, tomar uma decisão. Repertório: é um recorte do acervo que cada indivíduo constrói no decorrer de sua vida. Código: é o conjunto de signos que compõem a mensagem. Canal: é o meio pelo qual a mensagem é enviada.

19 Dimensões semióticas do produto Dimensão material (hílico): composição química, durabilidade, etc. Dimensão técnica ou construtiva (sintaxe): estrutura do produto, seu funcionamento técnico, sua composição formal. Ex.: desenhos técnicos e modelos. Dimensão do uso (pragmática): ponto de vista ergonômico ou sociológico (quem usa o produto, em que tipo de situação). Inclui a aplicação prática, social e estética do produto. Dimensão da forma (semântica): são as qualidades expressiva e representacional de um produto. Ex.: o que o produto representa? A que ambiente parece pertencer?

20 Referências semióticas do produto Referências Icônicas: tem por base o aspecto de semelhança, seja por imagem, por estrutura/organização, seja por metáfora. Ex.: tradição da forma, semelhança cromática, semelhança de material, estilo e semelhança de ambiente. Referências Indiciais: há uma determinação de causalidade, ou seja,se faz presente por vestígios de sua existência. Ex.: traços de ferramenta ou de máquina, cor, forma indicativa, marcas de uso, outros traços, sinais luminosos, som de uso e barulho de um produto, cheiro, toque do material, algarismos. Referências Simbólicas: são estabelecidos culturalmente e, então, difundidos, podem passar a ser aplicados. Ex.: símbolos gráficos, cor simbólica, forma simbólica, posições e posturas simbólicas, material simbólico.

21 OBRIGADO!

É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth

É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa para alguém

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXWYZ0123456789!?@%$ A palavra semiótica (do grego σημειωτικός (sēmeiōtikos) literalmente "a ótica dos sinais"), é a ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos

Leia mais

A semiótica como uma ferramenta do design

A semiótica como uma ferramenta do design A semiótica como uma ferramenta do design 1 Profª. MSc. Taís de Souza Alves 1 (UEMG/Ubá) Resumo: A relação entre design e semiótica pode ser percebida nos conceitos de alguns produtos que remetem à interpretação

Leia mais

Divisão da filosofia peirciana

Divisão da filosofia peirciana Filosofia peirciana Divisão da filosofia peirciana A Filosofia peirciana é dividida em três ramos: 1. Fenomenologia (filosofia do fenômeno: tal como ele pode ser) 2. Ciências Normativas (filosofia do fenômeno:

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

Percurso para uma análise semiótica

Percurso para uma análise semiótica Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos

Leia mais

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso The Semiotic in Product Communication Industry: a Case Study SILVA, Ramon Martins; Bolsista PET Design; Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012.

Locke ( ) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Locke (1632-1704) iniciou o movimento chamado de EMPIRISMO INGLÊS. Material adaptado, produzido por Cláudio, da UFRN, 2012. Racionalismo x Empirismo O que diz o Racionalismo (Descartes, Spinoza, Leibiniz)?

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Susana Vieira UFSC, Departamento de Expressão Gráfica Vieira.su@gmail.com Diego Spagnuelo UFSC, Departamento de Expressão

Leia mais

resenhas texto, som, imagem, hipermídia

resenhas texto, som, imagem, hipermídia resenhas texto, som, imagem, hipermídia Como as linguagens significam as coisas ANA MARIA GUIMARÃES JORGE Teoria Geral dos Signos. Como as Linguagens Significam as Coisas de Lucia Santaella. São Paulo:

Leia mais

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. SP: Pioneira, 2004. Teorias dos signos UNEB Lidiane Lima A TEORIA DOS SIGNOS: Três origens: EUA (1), Europa Ocidental e União Soviética

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual professor Rafael Hoffmann Linguagem Linguagem Definições lin.gua.gem s.f. 1 o conjunto das palavras e dos métodos de combiná-las usado e compreendido por uma comunidade

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL SCHUMACHER, Andressa 1 RESUMO: A cada quarto anos é realizada a Copa do Mundo FIFA de futebol. Cada

Leia mais

Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1

Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1 Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1 Francisco José Paoliello Pimenta Resumo Este trabalho analisa uma aparente limitação das produções multicódigos em termos de sua efetividade,

Leia mais

FILOSOFIA MODERNA (XIV)

FILOSOFIA MODERNA (XIV) FILOSOFIA MODERNA (XIV) CORRENTES EPSTEMOLÓGICAS (I) Racionalismo Inatismo: existem ideias inatas, ou fundadoras, de onde se origina todo o conhecimento. Ideias que não dependem de um objeto. Idealismo:

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 12/CGRAD/2015 de 09/09/2015 Fornecer meios para formação de profissionais capazes para atuar em ambientes dinâmicos plurais, atendendo necessidades

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

3 Comunicação Visual & Semiótica no material didático 3.1. Comunicação visual e o material didático

3 Comunicação Visual & Semiótica no material didático 3.1. Comunicação visual e o material didático 42 3 Comunicação Visual & Semiótica no material didático 3.1. Comunicação visual e o material didático Para se comunicar, o homem utiliza diversos códigos, tais como a escrita, imagens, gestos e sons.

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO E INTERPRETANTE NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA THE TRICHOTOMIES OF PEIRCE IN THE TOY ART REFERENT: REPRESENTAMEN, OBJECT AND INTERPRETER IN

Leia mais

Currículo - Versão para Imprimir

Currículo - Versão para Imprimir Currículo BACHARELADO EM FILOSOFIA s Obrigatorios: 144 s Eletivos: 28 s Complementares: 6 Semestre selecionado: 2013/1 Etapa 1 HUM01059 HUM01502 HUM01060 HISTÓRIA DA FILOSOFIA GREGA LÓGICA I - A Etapa

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira

Antecedentes Históricos da Administração. Professor Maurício Teixeira Antecedentes Históricos da Administração Professor Maurício Teixeira Abordagens Mostrar a história Incipiente preocupação com a Administração na antiguidade Influencias da Administração Filosóficas Da

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 1 Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 Carla Faria Leitão (PUC-Rio) Milene Selbach Silveira (PUCRS) Clarisse Sieckenius de Souza

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

Disciplina: SEMIÓTICA DA COMUNICAÇÃO Prof. Thais Helena Medeiros Faculdades Integradas do Tapajós FIT

Disciplina: SEMIÓTICA DA COMUNICAÇÃO Prof. Thais Helena Medeiros Faculdades Integradas do Tapajós FIT Disciplina: SEMIÓTICA DA COMUNICAÇÃO Prof. Thais Helena Medeiros Faculdades Integradas do Tapajós FIT O que é semiójca? A Semió&ca (do grego semeio&ké, (arte) dos sinais, sintomas) é a ciência dos signos

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática

Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática Resumo Gefferson Luiz dos Santos Rosana Figueiredo Salvi Este artigo aborda possíveis conexões entre

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas.

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas. na Contemporaneidade: desafios e possibilidades A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS Ruth Ribas Itacarambi GCIEM (Grupo Colaborativo de Investigação em ) ritacarambi@yahoo.com.br Resumo: A

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

Comunicação / Informação / Dados

Comunicação / Informação / Dados Comunicação / Informação / Dados Pensa-se que já os nossos antepassados Homo Sapiens já comunicavam através da linguagem. A linguagem é uma capacidade estritamente humana. Linguagem É a faculdade de um

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Linguagens de Programação: sintaxe e semântica de linguagens de programação e conceitos de linguagens interpretadas e compiladas Engenharia da Computação Professor: Críston Pereira

Leia mais

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos COTAÇÕES I 1.... 6 pontos 2.... 6 pontos.... 6 pontos 4.... 8 pontos 5.... 10 pontos Subtotal... 6 pontos II 1.... 9 pontos 2.... 10 pontos.... 6 pontos 4.... 6 pontos 5.... 6 pontos 6.... 6 pontos 7....

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Palavras-chave: Desenvolvimento Infantil; Linguagem; Sociedades.

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

Roteiro para Recuperação anual Filosofia 2014

Roteiro para Recuperação anual Filosofia 2014 CENTRO EDUCACIONAL JUSCELINO KUBITSCHEK 6º Ano Ensino Fundamental 5ª série (6º Ano): Unidade 3 do livro: O homem é a medida de todas as coisas O que é o homem? O homem é uma máquina que pensa. O homem

Leia mais

GD11 Filosofia da Educação Matemática

GD11 Filosofia da Educação Matemática A Relação entre Matemática e Linguagem com Base na Comparação das Semióticas de Peirce e de Saussure Jane Carmem Magalhães 1 GD11 Filosofia da Educação Matemática Resumo: O presente texto trata da pesquisa

Leia mais

Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural. Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural. Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro 1. Introdução 2. Objetivos 3. Análise Essencial de Sistemas 4.

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Licenciatura ATUAÇÃO O licenciado em História formado na UFV poderá atuar no ensino fundamental (séries finais: 5ª a 8ª séries), ensino médio e universitário. O curso está

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: SOCIOLOGIA GERAL E JURÍDICA Código da Disciplina: Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 2º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de:

Leia mais

De Neologismo a Símbolo

De Neologismo a Símbolo De Neologismo a Símbolo Carolina Akie Ochiai Seixas LIMA 1 UFMT/MeEL Resumo: Este texto aborda a questão do neologismo no campo semântico da informática, o que nos permite fazer algumas inferências a respeito

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT

ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT Bruno Indalêncio de Campos (UFSC) 1 Richard Perassi Luiz de Sousa (UFSC) 2 Milton Luiz Horn Vieira (UFSC)

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA Érica Ramos Moimaz 1 (ericamoimaz@bol.com.br) Ana Heloísa Molina 2 (ahmolina@uel.br) Resumo: O objetivo deste texto é pensar como

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Existem várias formas de comunicação. Quando o homem A! se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita,dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR)

MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA. Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) MÉTODO DE ANÁLISE DE IMAGEM ICONOLOGIA Profa. Dra. Ana Luisa Fayet Sallas (UFPR) analuisa@ufpr.br Escopo Conceitual Estudos de Iconologia Erwin Panofsky. Editorial Estampa, Lisboa, 1986, p.19-37 - Introdução.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Liberdade e Conhecimento

Liberdade e Conhecimento Liberdade e Conhecimento Thadeu Penna Sistemas Complexos Instituto de Física Universidade Federal Fluminense tjpp@if.uff.br http://complex.if.uff.br INCT-SC 2009 8 de maio de 2009 Plano Conhecimento O

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Números Binários. Apêndice A V1.0

Números Binários. Apêndice A V1.0 Números Binários Apêndice A V1.0 Roteiro Histórico Números de Precisão Finita Números Raiz ou Base Conversão de Base Números Binários Negativos Questões Histórico As maquinas do século XIX eram decimais

Leia mais

Um Conceito Semiótico de Experiência. Gostaria de examinar rapidamente o que entendemos por experiência, como a cognição

Um Conceito Semiótico de Experiência. Gostaria de examinar rapidamente o que entendemos por experiência, como a cognição Um Conceito Semiótico de Experiência Julio Jeha Gostaria de examinar rapidamente o que entendemos por experiência, como a cognição se desenvolve dentro dela, e o que poderíamos lucrar com uma abordagem

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Empirismo. Principais ideias e autores

Empirismo. Principais ideias e autores Empirismo Principais ideias e autores EMPIRISMO Empeiria (grego): forma de saber derivado da experiência sensível e de dados acumulados com base nessa experiência. Nada esta no intelecto que não tenha

Leia mais

A ASSINATURA DAS COISAS

A ASSINATURA DAS COISAS revista desenredos ISSN 2175-3903 ano VIII - número 25 teresina - piauí agosto de 2016 A ASSINATURA DAS COISAS SANTAELLA, Lúcia. A assinatura das coisas: Peirce e a literatura. Rio de Janeiro: Imago, 1992,

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho de Recuperação1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Lúcia Disciplina: Arte Turma: 6º Ano Ensino Fundamental Nome: Nº: ORIENTAÇÕES PARA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA Renato Baldin O ESPAÇO Continente 1. Conceituação O Espaço Que espaço é esse? De qual espaço estamos falando? Breve história dos museus... A partir de sua

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes. Maria Luciana Garcia Cunha 1

Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes. Maria Luciana Garcia Cunha 1 Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes Maria Luciana Garcia Cunha 1 Resumo Este artigo visa aplicar as teorias semióticas peircianas, assim como

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE FILOSOFIA Currículo Novo (a partir de 2010/1) NÍVEL I HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA Reflexão acerca da transição do pensamento mítico ao filosófico. Estudo de problemas, conceitos e

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE FILOSOFIA FAM

EMENTÁRIO DO CURSO DE FILOSOFIA FAM 1 FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE MARIANA Rodovia dos Inconfidentes, km 108-35420-000 Mariana MG - Fone: 31 3558 1439 / 3557 1220 Credenciada pelo MEC pela Portaria nº 2.486, de 12 de setembro de 2003 EMENTÁRIO

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I

ANEXO I. QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I ANEXO I QUADRO DE OFICINAS INTEGRANTES DOS PROGRAMAS DE FORMAÇÃO ARTÍSTICA DO CUCA (COM EMENTAS) Categoria I Desemho básico Desemho intermediário Desemho básico de observação Desenho de observação Fotografia

Leia mais

FILOSOFIA DA LINGUAGEM

FILOSOFIA DA LINGUAGEM FILOSOFIA DA LINGUAGEM O século XX poderia ser chamado de século da linguagem, pois nele se sobressaíram, dentre outros, filósofos como Ludwig Wittgenstein, com sua teoria semântica, Martin Heidegger,

Leia mais

Manual de Identidade Visual Santinvest Sistema Financeiro. Santinvest sistema financeiro

Manual de Identidade Visual Santinvest Sistema Financeiro. Santinvest sistema financeiro Manual de Identidade Visual Sistema Financeiro Projeto de Programação Visual Manual de Identidade Visual Cliente: Sistema Financeiro 1. Introdução... 2 2. Uso da Marca... 3 3. Conceituação... 4 4. Construtivo

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN 60004 1º PERÍODO TOTAL DE ENCONTROS: 20 SEMANAS SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS 1 UNIDADE I UMA ANÁLISE DA

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Ficha de Disciplina Ano Lectivo 2010/2011

Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Ficha de Disciplina Ano Lectivo 2010/2011 (DESCRITOR) Estabelecimento de Ensino Unidade Orgânica Plano de Estudos Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciência Política Área Científica Unidade Curricular Equipa Docente Pré-Requisitos

Leia mais

8 Semiótica, Ideologia e Retórica

8 Semiótica, Ideologia e Retórica 8 Semiótica, Ideologia e Retórica As linguagens estão fundamentadas em esquemas perceptivos. Assim sendo, os processos perceptivos também fazem parte dos estudos semióticos. Além disso, a semiótica estuda

Leia mais

A SEMIÓTICA E O PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA DA COCA-COLA RESUMO

A SEMIÓTICA E O PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA DA COCA-COLA RESUMO A SEMIÓTICA E O PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA DA COCA-COLA José Galdino dos Santos Neto 1 Faculdade Reinaldo Ramos Glauco Fernandes Machado 2 Universidade Federal de Alagoas RESUMO

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo

Linguagens Formais e Autômatos. Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Linguagens Formais e Autômatos Conceitos Básicos Prof. Anderson Belgamo Introdução Teoria das Linguagens Formais Originariamente desenvolvida na década de 1950. Objetivo inicial: desenvolver teorias relacionadas

Leia mais

Texto encontrado em: http://tecnicaspsicoterapeuticas.vilabol.uol.com.br/semiologia.html (Texto não assinado)

Texto encontrado em: http://tecnicaspsicoterapeuticas.vilabol.uol.com.br/semiologia.html (Texto não assinado) Texto encontrado em: http://tecnicaspsicoterapeuticas.vilabol.uol.com.br/semiologia.html (Texto não assinado) 2- CONCEITOS IMPORTANTES. 2.1- SEMIOLOGIA. É a ciência geral dos signos, que estuda todos os

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I (CÓD. ENUN60004) PERÍODO: 1 º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 20 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

Teoria do Conhecimento:

Teoria do Conhecimento: Teoria do Conhecimento: Investigando o Saber O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer,

Leia mais

Uma mancha no telejornalismo policial: leitura semiótica do uso do borrão sobre a imagem

Uma mancha no telejornalismo policial: leitura semiótica do uso do borrão sobre a imagem Uma mancha no telejornalismo policial: leitura semiótica do uso do borrão sobre a imagem Jocélio de OLIVEIRA 1 Resumo Neste artigo analisamos o uso do borrão de imagens no telejornalismo policial a partir

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE

ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE Elisa Maria PIVETTA UFSM/UFSC, Brasil elisa@cafw.ufsm.br Daniela Satomi SAITO IFSC/UFSC, Brasil daniela.saito@gmail.com Carla da

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo

Leia mais