Divisão da filosofia peirciana

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Divisão da filosofia peirciana"

Transcrição

1 Filosofia peirciana

2 Divisão da filosofia peirciana A Filosofia peirciana é dividida em três ramos: 1. Fenomenologia (filosofia do fenômeno: tal como ele pode ser) 2. Ciências Normativas (filosofia do fenômeno: tal como ele deve ser) Estética (sentimento: admirável) Ética (conduta: boa, justa) Lógica (pensamento: correto) Gramática especulativa (classificação dos tipos de signo com os quais o pensamento age) Lógica crítica (estudo dos modos de raciocínio) Retórica especulativa/metodêutica (estudo dos métodos) 3. Metafísica (filosofia do ser, tal como ele é)

3 Fenomenologia

4 Fenômeno [...] por faneron eu entendo o total coletivo de tudo aquilo que está de qualquer modo presente na mente, sem qualquer consideração se isto corresponde a qualquer coisa real ou não

5 Tarefa da fenomenologia Não compete à Fenomenologia inventariar categorias como modos de ser da realidade, mas da aparência; do modo como esta possível realidade é, por nós, experienciada quotidianamente. Também não compete a esta ciência aquilo que é particular na experiência, visto que o que a entretecerá é um modo geral de ser que permeia toda experiência.

6 Categorias fenomenológicas Primeiridade Secundidade Terceiridade

7 Primeiridade A primeira categoria traz em si a ideia de primeiro, que está associada à de liberdade. Livre é aquilo que não tem outro atrás de si determinando suas ações. Experiência interna à mente, imediata: alheia ao tempo, ao espaço e a qualquer outro (tudo é vivido como parte de uma unidade ou totalidade) É uma CONSCIÊNCIA QUALITATIVA, por meio da qual experienciamos: as meras qualidades (cores, texturas, sons, odores, movimentos etc.) em si mesmas, como algo da ordem do sentimento (e não, ainda, da percepção); sem qualquer referência a um corpo, ou materialidade externa à mente.

8 Secundidade Estamos no terreno da segunda categoria, quando àquela unidade na mente, segue-se uma CONSCIÊNCIA DE DUALIDADE, dada por algo que se percebe e, portanto, que é externo (segundo) em relação a essa mente. [...] a qualidade é apenas uma parte do fenômeno, visto que, para existir, a qualidade tem de estar encarnada numa matéria. Equivale à experiência de ação e reação: mente interna Aparente (possível, potencial) indefinido (fluido) x outro (alter) Existente (atualizado/tornado ato). definido (concreto)

9 Terceiridade A terceira categoria traz a ideia de um terceiro mediador entre o primeiro e o segundo. a experiência de mediar entre duas coisas traduz-se numa experiência de síntese, numa consciência sintetizadora. Esta CONSCIÊNCIA SINTETIZADORA interpõe, entre o primeiro e o segundo, uma ideia geral. Isso equivale a: Generalização Representação Significação Pensamento Cognição Aprendizado

10 Semiótica geral Tem como objeto de estudo a consciência sintetizadora, generalização, pensamento... Isso envolve o interesse sobre como essa consciência interpreta: (1) A consciência qualitativa: pensamento sobre sentimento (2) A consciência perceptiva: pensamento sobre percepção (3) A si mesma: pensamento sobre pensamento

11 Mediação Peirce chamou de mediação o processo geral do pensamento, quando a consciência sintetizadora coloca um 3º para representar um 1º e um 2º. Toda mediação, segundo ele, gera uma relação triádica, que ele chamou de signo triádico

12 Signo triádico Um signo é aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para alguém. O signo peirciano enlvolve três elementos correlatos: O signo em si, ou aquilo que representa. O objeto, ou aquele algo que é representado. O interpretante, ou a representação (o que é interpretado). SIGNO OBJETO INTERPRETANTE

13 Ex: imagem de uma casa popular como signo 1 2 3

14 Semiose Um signo, segundo Peirce, pode ser uma relação potencial (caso em que sentimos ou percebemos sem interpretar) ou atualizada (tornada ato) pela mente (caso em que essa interpreta o signo). Semiose é o nome dado à ação de um signo em uma mente. Para que a semiose aconteça deve haver, portanto, um INTÉRPRETE, que coloca o signo em ação

15 Semiose como um processo contínuo A cada semiose o intérprete não apenas atualiza (torna ato) a ideia que se tem do objeto em um intepretante; este (o intepretante) torna-se signo, pois estabelece (ele mesmo), uma nova relação com o objeto, que tende a ser interpretada em outra semiose. Por meio da semiose, portanto, as ideias (signos) evoluem. SIGNO OBJETO INTERPRETANTE S O I S O I S O I

16 Ex: imagem da casa reinterpretada... CASA 1 2 Uma CASA, por exemplo, além de um objeto físico, é um objeto semiótico e, como tal, é algo que continua a ser interpretado ao longo de toda sua vida. O uso que se faz dela, e que altera o físico, é o modo como essa interpretação se torna perceptível. 3

17 Ex: Nossa ideia do planeta Terra Considere a evolução da nossa ideia da Terra. Essa tem sido atualizada conforme aumenta a nossa experiência com ela, à medida que nossos signos são colocados em teste pela experiência.

18 Signo e linguagem 1 2 Com qual linguagem? Nossas interpretações podem ser atualizadas na forma imaterial do pensamento, mas Se queremos comunicá-las aos outros, precisamos de uma linguagem;

19 Imagem como signo As imagens são linguagem à medida que as utilizamos para exteriorizar e comunicar nossos sentimentos, percepções e pensamentos. Percebê-las e interpretá-las é um modo de ler o mundo.

20 Redes semióticas e o consenso As linguagens atualizam externamente aquilo que pensamos; ver externamente nosso próprio pensamento é, de um lado, um importante passo para a evolução do próprio pensamento. De outro, viabiliza a comunicação interpessoal e, consequentemente, amplifica os colaboradores das semioses; As redes semióticas viabilizam, por sua vez, as ideias de consenso entre uma comunidade de pesquisadores.

21 O consenso dos estilos HUMANISMO Os estilos são exemplos de ideias de consenso na história das imagens.

22 A semiose infinita e o objeto Para que um signo seja gerado em uma mente, deve haver algo externo a essa mente que é a causa primeira do signo. Esse algo é o objeto na realidade. O objeto real é diferente do objeto talcomo representado no signo; pois o signo o representa apenas sob certo aspecto ou modo. Além disso, o objeto real é dinâmico, uma vez que está sujeito às transformações da evolução. Por essa razão, toda semiose sobre a realidade tende ao infinito.

23 Representação realista da figura humana: uma semiose infinita O S I

24 2 objetos As noções de objeto real e objeto tal como representado no signo, estão em dois conceitos peircianos: Objeto dinâmico: o objeto externo ao signo (que existe fora dele e anteriormente a ele). Sua natureza não pertence à instância da representação; como todo o real, tem alteridade em relação às representações. Objeto Imediato: o objeto apresentado no signo. O objeto lógico; depende daquele aspecto do objeto que foi captado pelo signo e que lhe dá fundamento.

25 2 objetos A ideia de objeto real é extremamente importante para a ciência, que busca uma representação eficiente da realidade. A ciência busca representar leis gerais de comportamento da realidade, mas, não lida diretamente com essas leis; seu contato é sempre com ocorrências particulares da lei. Ex.: lei da gravidade

26 3 intepretantes No âmbito do interpretante, também, Peirce propõe distinguir entre: Interpretante Imediato: tudo aquilo que um signo pode realizar independente de uma mente, está em um nível, ainda, possível, potencial. Interpretante dinâmico: ocorre quando uma mente particular de fato interpreta um signo, atualiza uma síntese entre tantas possíveis. Interpretante final: está ligado à noção de que cada mente individual atualiza as potencialidades do signo apenas em parte; cabe a uma comunidade de investigadores chegar a um grau de intepretação mais elevado da realidade (ainda que apenas ideal, nunca definitivo, dado que a realidade evolui).

27 Interpretante imediato o caso das artes visuais Toda obra de arte é, parafraseando Umberto Eco, aberta. Nos aproximamos da sua interpretabilidade por meio de um estudo das possíveis relações que uma mente de um intérprete poderá fazer entre os elementos formais da obra (cores, linhas, texturas, luz) e entre a obra e seus objetos. O grau de abertura varia conforme o caso. A informalidade da arte contemporânea torna suas obras mais indeterminadas do que outras:

28 Intepretante dinâmico o caso das imagens artes visuais Cada um de nós é, em si, um intérprete e está apto a atualizar o significado de uma obra de arte. Para atingir uma interpretação responsável, todavia, devemos buscar atingir as competências daquilo que Umberto Eco chamou de leitor modelo (ensaio O leitor-modelo, presente no livro Lector in fabula). Para Eco o leitor deve: ter consciência de que todo texto é econômico e vive da cooperação leitor; tornar-se ativo na atualização do texto, construir hipóteses de intepretação.

29 Intepretante final o caso das imagens artes visuais Nem um indivíduo pode, sozinho, chegar a um interpretante final de um texto. O ideal do interpretante final é compartilhado por grupos ou redes ou comunidades de investigadores. Interpretantes finais no âmbito das artes visuais são consensos estabelecidos por historiadores, críticos de arte, teóricos da arte, filósofos da arte... O que todos nós podemos é participar ativamente desses grupos por meio de nossas próprias pesquisas ou ter acesso às pesquisas publicadas sobre temas específicos nessa área.

30 Diagrama da semiose SIGNO Interpretante dinâmico (interpretação) Objeto imediato Interpretante imediato Fundamento Objeto dinâmico (realidade) Interpretante final (Verdade) Com base no diagrama apresentado por Santaella em O que é semiótica, São Paulo: Perspectiva, 1985.

31 3 tipos de fundamento A definição do que dá fundamento aos signos para agirem como tal resultou da consideração peirciana de que todo signo resulta da experiência de uma mente com algo mais ou menos real. E de que tudo (ou quase tudo) o que afeta a mente possui: 1. qualidades (cor, brilho, opacidade, amargor, doçura, textura, qualidade sonora...); 2. singularidades: tudo o que existe se materializa de um modo particular, específico, singular; 3. generalidade: tudo o que de fato conhecemos deve pertencer a uma classe de coisas, com as quais mantém certas características em comum.

32 3 tipos de fundamento O modo como essas coisas aparecem à mente dá origem ao fundamento do signo, que pode ser de três tipos : 1º qualidades resultam em qualisignos 2º singularidades resultam em sinsignos 3º regularidades resultam em legisignos

33 1º quali-signo 1º qualisignos: meras qualidades do signo que afetam a percepção, estimulando-a a relacionar experiências distantes no tempo e no espaço, contudo, semelhantes entre si porque partilham das mesmas qualidades. O objeto da percepção é, nesses casos, vago, indefinido, mera possibilidade. O objeto do signo, nesse caso, é sempre resultado de uma relação de semelhança entre signo e objeto.

34 Associação por similaridade Todo signo tem certas qualidades, as quais têm o poder de remeter a mente a objetos que têm qualidades semelhantes; As relações por similaridade fluem na nossa mente, equivalem às primeiras impressões que temos das coisas, à livre associação dos sonhos.

35 2º sin-signo 2º sinsignos: características singulares do signo que afetam a percepção e que determinam um vínculo específico entre o que é percebido e um fato ou evento concreto no espaço-tempo. O objeto do signo é, nesses casos, algo singular, individual, particular. O objeto do signo, nesse caso, independe de relações de semelhança entre signo e objeto; é determinado pela relação de contiguidade.

36 Relações por contiguidade Todas as imagens materiais (visíveis) têm certas singularidades e podem remeter a um objeto que é a causa de tais marcas da existência. assim, uma impressão digital é causada pelo indivíduo em particular que deixou aquela marca; outros tipos de impressão também deixam marcas que remetem à sua matriz, a exemplo das gravuras; a fumaça remete ao fogo.

37 3º legi-signo 3º legisignos: características de lei, elementos gerais do signo que afetam a percepção, estimulando-a a relacionar eventos distantes no tempo e no espaço, contudo, convencionalmente vinculados, porque seu comportamento está submetido ao mesmo conceito, convenção, ou lei. O objeto do signo é, nesses casos, esse algo geral, da ordem da lei, conceitual. O objeto do signo, nesse caso, independe tanto de relações de semelhança quanto de contiguidade entre signo e objeto; é determinado por convenção.

38 Relações convencionais Toda imagem, à medida que pertence a uma cultura, contém elementos gerais que permitem classificá-la. Assim, toda imagem funciona como uma espécie de réplica ou caso particular de um tipo (geral), de uma classe de coisas, ou conceito, cujo significado é estabelecido arbitrariamente e mantido por convenção dentro da cultura. Cruz cristã. CASA CASAMENTO Cruz Vermelha internacional BRINCADEIRA

39 3 tipos de fundamento da imagem (signo) 1º qualidades (cores, texturas...) resultam em qualisignos 2º singularidades (marcas, registros...) resultam em sinsignos 3º regularidades (elementos gerais...) resultam em legisignos

40 3 tipos de relação entre imagem (signo) e seu(s) objeto(s) Relações de similaridade são icônicas Relações de contiguidade são indiciais Consideram-se: Índices genuínos relações resultantes de contato físico (ex.: retrato fotográfico) Índices degenerados Relações resultantes de relação referencial (ex.: retrato pintado) Relações por convenção são simbólicas

41 Tricotomias dos interpretantes IMEDIATO EMOCIONAL DINÂMICO ENERGÉTICO FINAL LÓGICO

42 Tricotomia do interpretante dinâmico Dentre os três níveis de interpretante (imediato, dinâmico e final), o dinâmico é aquele que funciona em uma relação de comunicação particular; é o mesmo que uma intepretação. A relação do signo com o interpretante dinâmico subdivide-se em: - Emocional: qualidades de sentimento - tensão... serenidade - preocupação... alívio... - Energético: esforço físico ou mental - reações automáticas (instintivas, a uma ordem) - esforço de pensar... -Lógico: aciona uma regra interpretativa - raciocínios lógicos em geral...

43 Tricotomias dos interpretantes IMEDIATO EMOCIONAL DINÂMICO FINAL ENERGÉTICO LÓGICO Rema: sugestão, possibilidade Dicente: afirmação, negação Argumento: relação entre ideias por meio do raciocínio

44 Ticotomia do interpretante lógico Remático: PODE SER Quando a relação entre signo e objeto é uma mera semelhança, o objeto é uma possibilidade e o interpretante também é uma possibilidade Dicente: É / NÃO É Quando a relação entre signo e objeto é uma contiguidade, o objeto é um existente ou um fato e o interpretante uma informação sobre essa existência ou fato Argumental: DEVE SER (SE, ENTÃO...) Quanto a relação entre signo e objeto é uma convenção, o objeto é um caso dessa convenção e o interpretante é aquilo que a convenção determina que o objeto seja.

45 Tricotomias peircianas Tricotomias I II III Categorias REPRESENTAMEN em si Relação ao OBJETO Relação ao INTERPRETANTE PRIMEIRIDADE QUALI-SIGNO ÍCONE (semelhança) SECUNDIDADE SIN-SIGNO ÍNDICE (contiguidade) TERCEIRIDADE LEGI-SIGNO SÍMBOLO (convenção) REMA (pode ser) DICENTE (é/não é) ARGUMENTO (deve ser)

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

Percurso para uma análise semiótica

Percurso para uma análise semiótica Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos

Leia mais

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007.

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Caio Anderson Ramires Cepp A obra aqui resenhada se refere à pesquisa de mestrado produzido

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. SP: Pioneira, 2004. Teorias dos signos UNEB Lidiane Lima A TEORIA DOS SIGNOS: Três origens: EUA (1), Europa Ocidental e União Soviética

Leia mais

2. Semiótica e Engenharia Semiótica

2. Semiótica e Engenharia Semiótica 2. Semiótica e Engenharia Semiótica Neste capítulo serão revistos alguns conceitos fundamentais da teoria dos signos de Peirce (1960, 1993, 1998) e da teoria da engenharia semiótica, de Souza (2005a, 2005b).

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

ECO, Umberto. A estrutura ausente

ECO, Umberto. A estrutura ausente FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo

Leia mais

resenhas texto, som, imagem, hipermídia

resenhas texto, som, imagem, hipermídia resenhas texto, som, imagem, hipermídia Como as linguagens significam as coisas ANA MARIA GUIMARÃES JORGE Teoria Geral dos Signos. Como as Linguagens Significam as Coisas de Lucia Santaella. São Paulo:

Leia mais

SEMIÓTICA ENQUANTO CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO: A NECESSIDADE FORMAL DA CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO EM PEIRCE

SEMIÓTICA ENQUANTO CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO: A NECESSIDADE FORMAL DA CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO EM PEIRCE SEMIÓTICA ENQUANTO CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO: A NECESSIDADE FORMAL DA CATEGORIA DA REPRESENTAÇÃO EM PEIRCE Paulo Henrique Silva Costa (FAPEMIG/UFSJ) Mariluze Ferreira de Andrade e Silva (Orientadora/DFIME/UFSJ)

Leia mais

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXWYZ0123456789!?@%$ A palavra semiótica (do grego σημειωτικός (sēmeiōtikos) literalmente "a ótica dos sinais"), é a ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos

Leia mais

PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA

PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA Joeliton Chagas Silva i Adjane da Costa Tourinho e Silva ii Eixo temático 6- Educação e Ensino de Ciências

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL SCHUMACHER, Andressa 1 RESUMO: A cada quarto anos é realizada a Copa do Mundo FIFA de futebol. Cada

Leia mais

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Elisete Altafim (Graduanda em Moda UEM) Marcela Zaniboni Campos (Graduanda em Moda UEM) Evandro

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de Cd-rom.

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de Cd-rom. Semiótica aplicada à análise de imagens em história Ana Cristina Teodoro da Silva (UEM/DFE) Encarar imagens como fontes de pesquisa causa impacto. A percepção de que estamos dialogando com linguagens não

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Estudo Semiótico investigativo das cartas de Tarot 1

Estudo Semiótico investigativo das cartas de Tarot 1 Estudo Semiótico investigativo das cartas de Tarot 1 LIMA, C. A. F. 2 Cavalcante, D. F. C. 3 Faculdade Nordeste Fanor Devry, Fortaleza, CE RESUMO O objetivo desse artigo é compreender a transformação de

Leia mais

De Neologismo a Símbolo

De Neologismo a Símbolo De Neologismo a Símbolo Carolina Akie Ochiai Seixas LIMA 1 UFMT/MeEL Resumo: Este texto aborda a questão do neologismo no campo semântico da informática, o que nos permite fazer algumas inferências a respeito

Leia mais

Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.)

Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.) Resenha Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.) Társila Moscoso BORGES 1 No livro Semiótica Aplicada Lúcia Santaella fala do crescimento do número de linguagens

Leia mais

Linguística Computacional Interativa

Linguística Computacional Interativa 1 Linguística Computacional Interativa Linguagem Natural em IHC: possibilidades a explorar Aula de 13 de novembro de 2012 2 Um mergulho rápido na praia da Semiótica O signo peirceano: acesso mediado ao

Leia mais

A semiótica como uma ferramenta do design

A semiótica como uma ferramenta do design A semiótica como uma ferramenta do design 1 Profª. MSc. Taís de Souza Alves 1 (UEMG/Ubá) Resumo: A relação entre design e semiótica pode ser percebida nos conceitos de alguns produtos que remetem à interpretação

Leia mais

RESENHA SOBRE LIVRO Topologia da ação mental: introdução à teoria da mente, de Ana Maria Guimarães Jorge

RESENHA SOBRE LIVRO Topologia da ação mental: introdução à teoria da mente, de Ana Maria Guimarães Jorge RESENHA SOBRE LIVRO Topologia da ação mental: introdução à teoria da mente, de Ana Maria Guimarães Jorge por Maria Amelia de Carvalho (UNESP-Marilia) O livro Topologia da ação mental: introdução à teoria

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

FALLEN PRINCESSES: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA FALLEN PRINCESSES: A SEMIOTIC ANALYSIS

FALLEN PRINCESSES: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA FALLEN PRINCESSES: A SEMIOTIC ANALYSIS Cadernos de Semiótica Aplicada Vol. 11.n.2, dezembro de 2013 Publicação SEMESTRAL ISSN: 1679-3404 FALLEN PRINCESSES: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA FALLEN PRINCESSES: A SEMIOTIC ANALYSIS Maria do Livramento da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN (Vigência a partir do segundo semestre de 2007) Fase Cód. Disciplinas Pré- Requisito Créditos Carga Horária 01 Integração ao Ensino Superior 1 18 02 Oficinas de Integração

Leia mais

II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA

II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA 1. O que é semiótica e semiologia? A semiótica é uma filosofia cientifica da linguagem. Seu campo de estudo trata dos signos e dos processos significativos e da maneira como

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso The Semiotic in Product Communication Industry: a Case Study SILVA, Ramon Martins; Bolsista PET Design; Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes. Maria Luciana Garcia Cunha 1

Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes. Maria Luciana Garcia Cunha 1 Uma análise da semiótica peirciana, aplicada ao anúncio da Associação Desportiva para Deficientes Maria Luciana Garcia Cunha 1 Resumo Este artigo visa aplicar as teorias semióticas peircianas, assim como

Leia mais

Pontificia Universidade Católica, Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica, SP, Brasil b

Pontificia Universidade Católica, Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica, SP, Brasil b Bittencourt neto, l.h. Um Estudo em Publicidade: As Diferenças nos Signos Visuais Entre Propagandas do Início dos Séculos XX e XXI 1 A Study on Advertisement: Differences on Visual Signs in Advertisement

Leia mais

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER. Prof.: Jean Carlo Mendes

BANCO DE DADOS MODELAGEM ER. Prof.: Jean Carlo Mendes BANCO DE DADOS MODELAGEM ER Prof.: Jean Carlo Mendes carlomendes@yahoo.com.br http://www.jeancarlomendes.com.br - Entidades - Conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se manter informações

Leia mais

Palavras-Chave: Semiótica, Semiótica Peirceana, publicidade infantil;

Palavras-Chave: Semiótica, Semiótica Peirceana, publicidade infantil; A SEMIÓTICA NA PUBLICIDADE INFANTIL: UMA ANÁLISE DA CAMPANHA PUBLICITÁRIA NOS TRILHOS DA MARCA LILICA RIPILICA 1 Prof. Dra. Carmen Cristiane Borges Losano (IFSUDESTE-MG) Prof. Me. Glaucia Maria Pinto Vieira

Leia mais

5. O percurso metodológico

5. O percurso metodológico 5. O percurso metodológico 5. O percurso metodológico 76 5. O percurso metodológico 5.1. Etapas e procedimentos metodológicos 5.2. Percurso para a leitura e análise da semiose no design nas cidades digitais

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DA INTRODUÇÃO Á GEOMETRIA DO LIVRO DE 5 A SÉRIE DA COLEÇÃO: IDÉIAS E RELAÇÕES

ANÁLISE SEMIÓTICA DA INTRODUÇÃO Á GEOMETRIA DO LIVRO DE 5 A SÉRIE DA COLEÇÃO: IDÉIAS E RELAÇÕES GREGÓRIO ANTÔNIO CONSTANTINO ANÁLISE SEMIÓTICA DA INTRODUÇÃO Á GEOMETRIA DO LIVRO DE 5 A SÉRIE DA COLEÇÃO: IDÉIAS E RELAÇÕES Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Ciências da Linguagem como requisito

Leia mais

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista transdisciplinary journal of semiotics Olhares 1 Almeida, Amanda Mota; aluna do curso de graduação em Design da Universidade de São Paulo amandamotaalmeida@gmail.com

Leia mais

Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1

Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1 Produções Multicódigos e o Conceito de Signo Genuíno em Peirce 1 Francisco José Paoliello Pimenta Resumo Este trabalho analisa uma aparente limitação das produções multicódigos em termos de sua efetividade,

Leia mais

ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT

ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT ESTRATÉGIA DE REPRESENTAÇÃO EM PROJETO DE LOGOTIPIA: LEITURA SEMIÓTICA DA MARCA GRÁFICA UNO/FIAT Bruno Indalêncio de Campos (UFSC) 1 Richard Perassi Luiz de Sousa (UFSC) 2 Milton Luiz Horn Vieira (UFSC)

Leia mais

SEMIÓTICA: UMA LEVE INTRODUÇÃO

SEMIÓTICA: UMA LEVE INTRODUÇÃO SEMIÓTICA: UMA LEVE INTRODUÇÃO Por Eufrásio Prates* A pretensão de apresentar a Semiótica nestas poucas páginas pode ter resultado em reprováveis simplificações. Um campo de conhecimento tão amplo e complexo

Leia mais

Palavras-chave: Rihanna, Cd Anti, Semiótica, Interpretante

Palavras-chave: Rihanna, Cd Anti, Semiótica, Interpretante Análise Semiótica da capa do Cd Anti da cantora pop Rihanna¹ Cristiane Turnes Montezano² Francisco Paoliello Pimenta³ Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO Esse artigo pretende analisar através dos

Leia mais

O ÍCONE E A POSSIBILIDADE DE INFORMAÇÃO THE ICON AND THE POSSIBILITY OF INFORMATION

O ÍCONE E A POSSIBILIDADE DE INFORMAÇÃO THE ICON AND THE POSSIBILITY OF INFORMATION O ÍCONE E A POSSIBILIDADE DE INFORMAÇÃO THE ICON AND THE POSSIBILITY OF INFORMATION Solange Silva Moreira 1 E-mail: sol.si@uol.com.br Comente este artigo no blog Ebibli = http://encontros-bibli-blog.blogspot.com/

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

A MATEMÁTICA COMO LINGUAGEM: UM OLHAR SEMIÓTICO PARA A DISCIPLINA ESCOLAR E SEU ENSINO

A MATEMÁTICA COMO LINGUAGEM: UM OLHAR SEMIÓTICO PARA A DISCIPLINA ESCOLAR E SEU ENSINO PUEBLOS INDÍGENAS Y PROCESO REVOLUCIONARIO EN VENEZUELA 109 A MATEMÁTICA COMO LINGUAGEM: UM OLHAR SEMIÓTICO Gilmara Aparecida Vieira Ogawa * Maria Ogécia Drigo ** RESUMO: Relatamos resultados de uma pesquisa

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA Érica Ramos Moimaz 1 (ericamoimaz@bol.com.br) Ana Heloísa Molina 2 (ahmolina@uel.br) Resumo: O objetivo deste texto é pensar como

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Fundamentos em Organização da Informação Professora: Lillian Alvares QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946)

Simbolismo e Realidade (1925) Fundamentos da Teoria do Signo (1938) Signos Linguagem e Comportamento (1946) Charles Morris (1901-1979) clássico da semiótica cuja influência no desenvolvimento da história da semiótica foi decisiva nos anos 30 e 40 raízes na semiótica de Peirce, no behaviorismo, no pragmatismo

Leia mais

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

Análise semiótica da campanha Águas de março 1. Rafael Bulegon LOVI 2 Hans Peder BEHLING 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

Análise semiótica da campanha Águas de março 1. Rafael Bulegon LOVI 2 Hans Peder BEHLING 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC Análise semiótica da campanha Águas de março 1 Rafael Bulegon LOVI 2 Hans Peder BEHLING 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO Este trabalho teve como objetivo analisar quatro tipos de peças

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Semiótica P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Semiótica P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Semiótica P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Outras Expressões Além da Língua Outras Expressões

Leia mais

5. Análise Semiótica de Alguns Elementos da Interface do Windows XP

5. Análise Semiótica de Alguns Elementos da Interface do Windows XP 5. Análise Semiótica de Alguns Elementos da Interface do Windows XP Análise semiótica é o exame cuidadoso das diversas facetas de um signo. Em outras palavras, é o exame das características e relações

Leia mais

8 Semiótica, Ideologia e Retórica

8 Semiótica, Ideologia e Retórica 8 Semiótica, Ideologia e Retórica As linguagens estão fundamentadas em esquemas perceptivos. Assim sendo, os processos perceptivos também fazem parte dos estudos semióticos. Além disso, a semiótica estuda

Leia mais

Conceito como signo: elemento semiótico para análise e mediação da informação

Conceito como signo: elemento semiótico para análise e mediação da informação Conceito como signo: elemento semiótico para análise e mediação da informação El concepto como signo: elemento semiótico para el análisis y mediación de información Concept is a sign: a semiotic element

Leia mais

Anais UM ESTUDO EM PUBLICIDADE: AS DI ERENÇAS NOS SIGNOS VISUAIS ENTRE PROPAGANDAS DO INÍCIO DOS SÉCULOS XX E XXI

Anais UM ESTUDO EM PUBLICIDADE: AS DI ERENÇAS NOS SIGNOS VISUAIS ENTRE PROPAGANDAS DO INÍCIO DOS SÉCULOS XX E XXI UM ESTUDO EM PUBLICIDADE: AS DI ERENÇAS NOS SIGNOS VISUAIS ENTRE PROPAGANDAS DO INÍCIO DOS SÉCULOS XX E XXI Levy Henrique BITTENCOURT NETO 1 - nikolai.streisky@gmail.com Miguel Luiz CONTANI 2 - contani@sercomtel.com.br

Leia mais

Ghrebh Revista de Comunicação, Cultura e Teoria da Mídia issn

Ghrebh Revista de Comunicação, Cultura e Teoria da Mídia issn HIPERMÍDIA, ATIVISMO E NOVOS HÁBITOS por Francisco José Paollielo Pimenta 1 (Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora paoliello@acessacom) Resumo: Apresentam se aqui resultados

Leia mais

estudos semióticos

estudos semióticos estudos semióticos www.fflch.usp.br/dl/semiotica/es issn 1980-4016 semestral novembro de 2011 vol. 7, n o 2 p. 102 109 Analise semiótica da imagem de uma cadeira Julio Monteiro Teixeira * Luana Marinho

Leia mais

Investigações em Ensino de Ciências V16(2), pp , 2011

Investigações em Ensino de Ciências V16(2), pp , 2011 OS NÍVEIS DE REPRESENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA E AS CATEGORIAS DA SEMIÓTICA DE PEIRCE (The levels of representation in de teaching of chemistry and the categories of Peirce s semiotics) Edson José Wartha

Leia mais

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Susana Vieira UFSC, Departamento de Expressão Gráfica Vieira.su@gmail.com Diego Spagnuelo UFSC, Departamento de Expressão

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Estudos da semiótica na Ciência da Informação: relatos de. interdisciplinaridades

Estudos da semiótica na Ciência da Informação: relatos de. interdisciplinaridades Estudos da semiótica na Ciência da Informação: relatos de Camila Monteiro de Barros Mestre em Ciência da Informação (Universidade Federal de Santa Catarina). Doutora em Linguística (Université Laval, Canadá).Professora

Leia mais

Design como comunicação: uma abordagem semiótica

Design como comunicação: uma abordagem semiótica Design como comunicação: uma abordagem semiótica Prof. Dr. Vinicius Romanini, ECA/USP (viniroma@gmail.com) A etimologia da palavra design já revela a natural proximidade entre design e a teoria dos signos.

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática

Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática Apontamentos sobre possíveis contribuições da semiótica de charles anders peirce na educação matemática Resumo Gefferson Luiz dos Santos Rosana Figueiredo Salvi Este artigo aborda possíveis conexões entre

Leia mais

Galáxia E-ISSN: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil

Galáxia E-ISSN: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Brasil Galáxia E-ISSN: 1982-2553 aidarprado@gmail.com Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Brasil Monteiro Borges, Priscila Os sinsignos icônicos nas 66 classes de signos: uma análise semiótica da fonte

Leia mais

A categoria peirceana da primeiridade no comercial audiovisual do perfume Flora, da Gucci

A categoria peirceana da primeiridade no comercial audiovisual do perfume Flora, da Gucci 191 Eduarda Barbosa DUARTE A categoria peirceana da primeiridade no comercial audiovisual do perfume Flora, da Gucci Eduarda Barbosa Duarte 1 Resumo: A Semiótica se constitui como a ciência de toda e qualquer

Leia mais

RELAÇÕES SEMIÓTICAS NA FILOSOFIA PEIRCEANA: FENÔMENO, SIGNO E COGNIÇÃO

RELAÇÕES SEMIÓTICAS NA FILOSOFIA PEIRCEANA: FENÔMENO, SIGNO E COGNIÇÃO RELAÇÕES SEMIÓTICAS NA FILOSOFIA PEIRCEANA: FENÔMENO, SIGNO E COGNIÇÃO THIEN SPINELLI FERRAZ 1 RESUMO: Neste artigo buscaremos compreender como a filosofia desenvolvida por C. S. Peirce (1838-1914) concebe

Leia mais

Mapas temáticos e gráficos

Mapas temáticos e gráficos Mapas temáticos e gráficos Tipos de representações gráficas Mapas temáticos: representam os diversos fenômenos sociais e naturais. Gráficos expressam numericamente os mesmos fenômenos, facilitando o entendimento.

Leia mais

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO E INTERPRETANTE NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA THE TRICHOTOMIES OF PEIRCE IN THE TOY ART REFERENT: REPRESENTAMEN, OBJECT AND INTERPRETER IN

Leia mais

Peircean Semiotics. Semiótica Peirciana

Peircean Semiotics. Semiótica Peirciana Luciana Vieira UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense Criciúma, Brasil Lucianavieira42@yahoo.co.br Abstract Under the light of Charles Sanders Peirce s semiotic studies, more exactly his three universal

Leia mais

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

"O verdadeiro é o todo." Georg Hegel

O verdadeiro é o todo. Georg Hegel "O verdadeiro é o todo." Georg Hegel Hegel: o evangelista do absoluto By zéck Biografia Georg Wilhelm F. Hegel (1770-1831) 1831) Nasceu em Stuttgart. Foi colega de Schelling. Influências Spinoza, Kant

Leia mais

Análise de imagens: paradigmas, duplicidades e tricotomias 1. Kamila UBERTO 2 Hans Peder BEHLING 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

Análise de imagens: paradigmas, duplicidades e tricotomias 1. Kamila UBERTO 2 Hans Peder BEHLING 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul Chapecó - SC 31/05 a 02/06/2012 Análise de imagens: paradigmas, duplicidades

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens. Edição especial - 20 anos da Pós-Graduação. em Design da PUC - Rio

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens. Edição especial - 20 anos da Pós-Graduação. em Design da PUC - Rio Transversalidade Design Linguagens Edição especial - 20 anos da Pós-Graduação em Design da PUC - Rio Raquel Ponte Lucy Niemeyer Matrizes de linguagem e pensamento como análise da identidade televisiva

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo **

Education and Cinema. Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Educação e Cinema Education and Cinema Valeska Fortes de Oliveira * Fernanda Cielo ** Rosália Duarte é professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, da PUC do Rio de

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

RESPOSTAS DA 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS

RESPOSTAS DA 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS SEMIÓTICA E SISTEMAS INTELIGENTES Tiago Agostinho de Almeida RESPOSTAS DA 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Morris de certa forma é um retrocesso fundamental da tradição peirceana. Enquanto Peirce concebeu uma

Leia mais

estudos semióticos

estudos semióticos estudos semióticos www.fflch.usp.br/dl/semiotica/es issn 1980-4016 semestral novembro de 2009 vol. 5, n o 2 p. 60 69 Visualização científica vs interpretação científica: uma leitura semiótica Rozélia de

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem e manual adoptado 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

A semiótica de Peirce em imagem-tempo

A semiótica de Peirce em imagem-tempo A semiótica de Peirce em imagem-tempo Rafael Wagner dos Santos Costa 1 Resumo A apropriação dos conceitos semióticos efetuada por Deleuze no desenvolvimento de suas imagens-tempo é o ponto central deste

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO. Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi

O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO. Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi Resumo: Focaliza-se neste texto a teoria semiótica como instrumento facilitador do entendimento das linguagens que cercam os seres

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 7 semestres. Prof. Dr. Paulo de Tarso Mendes Luna Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 12/CGRAD/2015 de 09/09/2015 Fornecer meios para formação de profissionais capazes para atuar em ambientes dinâmicos plurais, atendendo necessidades

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo:

Podemos representar a relação existente entre as entidades de um relacionamento 1:1 através do conjunto abaixo: MÓDULO 10 MODELAGEM DE DADOS II Os relacionamentos devem ser enquadrados em três grandes grupos para que possam cumprir a finalidade de expressar a semântica das associações entre as entidades. As três

Leia mais

Análise semiótica da campanha Feito para você do Banco Itaú 1

Análise semiótica da campanha Feito para você do Banco Itaú 1 Análise semiótica da campanha Feito para você do Banco Itaú 1 Isabella Cristina ROSLINDO 2 Marcos WOLF 3 Hans Peder BEHLING 4 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO Este trabalho a princípio

Leia mais

O USO DOS CONCEITOS DE HIPOÍCONES E DE LEGISIGNOS DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA A ANÁLISE DE MARCAS GRÁFICAS

O USO DOS CONCEITOS DE HIPOÍCONES E DE LEGISIGNOS DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA A ANÁLISE DE MARCAS GRÁFICAS Versão completa do poster apresentado no 11º P&D Design 2014 - Gramado, que será publicado na forma de Resumo nos anais do evento. Apresentado dia 01/10/2014 Gramado RS De 30 de setembro a 2 de outubro

Leia mais

Simples Simplesmente : Uma Análise Peirceana da Campanha McDonald s 1

Simples Simplesmente : Uma Análise Peirceana da Campanha McDonald s 1 Simples Simplesmente : Uma Análise Peirceana da Campanha McDonald s 1 Andre Luiz B da SILVA 2 Pontifica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO Mediante a um vazio latente do consumidor

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. MATEMÁTICA 7º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR MATEMÁTICA 7º Ano OBJETIVOS ESPECÍFICOS TÓPICOS SUBTÓPICOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período - Multiplicar e dividir números inteiros. - Calcular o valor de potências em que

Leia mais