Candidatura à Certificação Fairtrade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Candidatura à Certificação Fairtrade"

Transcrição

1 15 pt Candidatura à Certificação Fairtrade Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 16/01/2015 Distribuição: Público

2 Tabela de Conteúdo 1 Propósito Área de candidatura Quem precisa de se candidatar à certificaçãofairtrade? Candidaturas para uso da Marca FAIRTRADE Candidaturas adicionais / extensão de escopo Definições Contato FLOCERT Equipe de Candidatura Responsabilidade do candidato / Requisitos de certificação Escopo Fairtrade Requisitos Fairtrade Custos Processo de candidatura guia passo a passo A FLOCERT envia o dossier de candidatura O candidato submete um pedido formal de certificação à FLOCERT A FLOCERT avalia a candidatura A FLOCERT comunica o resultado da avaliação da candidatura Auditoria inicial e certificação Preparação para a auditoria inicial Fatura da taxa de certificação e agendamento da auditoria Certificação para produtores Certificação comercial Certificação de pequenos licenciados Direito de apelo Descontinuação da candidatura Recandidaturas Recandidatura após a certificação negada Recandidatura após uma perda da certificação devido a não-conformidade/ não pagamento das taxas de certificação / perda da certificação voluntária VERSION: 15 / PAGE 2 OF 13

3 8 Candidaturas para extensão de escopo Extensão de escopo para produtores Extensão de escopo para comerciantes Referências Histórico de Alterações VERSION: 15 / PAGE 3 OF 13

4 1 Propósito Este documento descreve como as candidaturas à certificação Fairtrade e as questões relacionadas com o sistema (de certificação) Fairtrade podem ser submetidas à FLOCERT e como são processadas. 2 Área de candidatura O processo descrito neste documento aplica-se a solicitações e candidaturas exclusivamente relacionadas com a certificação Fairtrade. Ele pretende oferecer uma visão do processo de candidatura completo, incluindo as candidaturas relacionadas com a extensão de escopo da certificação Fairtrade. O processo descrito neste documento deve ser seguido pelo candidato, bem como pelos funcionários da FLOCERT responsáveis pelo manuseio e avaliação da candidatura. 2.1 Quem precisa de se candidatar à certificaçãofairtrade? Todos os operadores (produtores e comerciantes) que desejam cultivar, processar, manufaturar, comprar e vender produtos de acordo com as condições de Fairtrade precisam candidatar-se à certificação Fairtrade. Outros operadores que recebam ou manuseiem Prêmios Fairtrade devem, igualmente, candidatar-se à certificação Fairtrade. Salienta-se que os comerciantes que obtiveram a certificação Fairtrade podem fornecer produtos Fairtrade somente de operadores que também detenham um certificado da FLOCERT. É obrigação do respectivo comerciante verificar se os seus fornecedores cumprem este requisito. Os operadores que manuseiem produtos já rotulados e embalados com a marca FAIRTRADE para o consumidor não precisam candidatar-se à certificação Fairtrade. Isto exclui operadores que manuseiem produtos perecíveis ou não prontos para o consumo tais como fruta fresca, flores, vinho a granel, etc. 2.2 Candidaturas para uso da Marca FAIRTRADE A FLOCERT não dá permissão para uso da Marca FAIRTRADE. Para utilizar a marca FAIRTRADE em um produto acabado, cada passo na cadeia de abastecimento deve ser certificado conforme os Critérios Fairtrade e um contrato de licença válido deve ser mantido com uma Organização Nacional Fairtrade ou com o Fairtrade Internacional. Os interessados em usar a Marca FAIRTRADE em produtos acabados devem consultar a Organização Fairtrade responsável pelo mercado onde estão localizados. Para mais informações, por favor, consulte o endereço web do Fairtrade internacional Os interessados em usar a Marca FAIRTRADE em produtos não acabados ou em materiais promocionais devem consultar o Fairtrade internacional no 2.3 Candidaturas adicionais / extensão de escopo A FLOCERT exige uma candidatura adicional para operadores que desejam entender o escopo da sua atividade Fairtrade com produtos adicionais, organizações-membro / propriedades / plantações / entidades adicionais e/ou funções comerciais adicionais. Por favor, consulte o capítulo 8 para mais informações. VERSION: 15 / PAGE 4 OF 13

5 3 Definições Critérios Fairtrade: Os Critérios Fairtrade, que incluem os Critérios Genéricos Fairtrade e os Critérios Específicos de Produtos Fairtrade, são um conjunto de requisitos que os produtores e comerciantes devem satisfazer para poderem obter a certificação Fairtrade. Organização Nacional Fairtrade: Membro integral da Fairtrade Internacional responsável pelo licenciamento, marketing, desenvolvimento de negócios e sensibilização numa determinada área geográfica. Organização Fairtrade de Marketing: Uma organização contratada pelo Fairtrade Internacional para o marketing, desenvolvimento de negócios e conscientização em uma definida área geográfica. O Fairtrade Internacional continua a ser responsável pelo licenciamento nesses territórios. Critérios de conformidade: Os critérios de conformidade traduzem os requisitos dos Critérios Fairtrade e as políticas de certificação da FLOCERT em pontos de controle verificáveis. Esses critérios são avaliados no processo de certificação para determinar a conformidade com os Critérios Fairtrade e com os requisitos de certificação. FLO ID: Número único de identificação atribuído pela FLOCERT a todos os operadores Fairtrade. A existência de um FLO ID não significa necessariamente que um operador é certificado. ID de Candidatura: Número de identificação temporário que é atribuído para seguir as candidaturas antes de ser atribuído um FLO ID. Categoria de produto: Refere-se à classificação dos critérios de produto Fairtrade, tal como fruta fresca, cacau, café, etc. Tipo de produto: Sempre deriva diretamente de um critério de produto Fairtrade e descreve os diferentes produtos sintetizados dentro de uma categoria de produto. Plantação: Uma empresa agrícola estruturalmente dependente de trabalho contratado. Uma plantação é uma única propriedade que pode dispor de um ou vários locais de produção, mas apenas uma gestão e administração central. Multi-plantação: São empresas que dependem estruturalmente do trabalho contratado e são compostas por plantações com administrações independentes, mas uma administração central é responsável pelas condições de trabalho dos funcionários em todas as plantações. Organização de Pequenos Produtores 1º grau: Uma organização produtora de 1º grau descreve uma Organização de Pequenos Produtores cujos membros legais são exclusivamente pequenos agricultores individuais. Organização de Pequenos Produtores 2º/3º grau: Organizações produtoras de 2º ou 3º grau descreve uma Organização de Pequenos Produtores cujos membros legais são exclusivamente organizações afiliadas de 1º / 2º grau. Pequeno licenciado: Entidade a quem o Fairtrade Internacional ou uma Organização Nacional Fairtrade concedeu o direito de utilizar a Marca Fairtrade e que age em conformidade com os critérios definidos pela Política de Pequenos Licenciados da FLOCERT. Entidade adicional: Qualquer entidade que inclua, mas não se limite a, locais adicionais e subcontratados que estão envolvidos com os produtos Fairtrade de um operador e cujas atividades são controladas pelo operador pela propriedade ou por contrato. VERSION: 15 / PAGE 5 OF 13

6 4 Contato FLOCERT Equipe de Candidatura A FLOCERT terá satisfação em fornecer qualquer informação básica sobre a certificação Fairtrade. A equipe de candidaturas opera de acordo com regiões e pode ser contatada diretamente para fins de assistência por meio dos seguintes endereços de correio eletrônico: Ásia (incl. Ilhas do Pacífico), Austrália e Nova Zelândia: América do Sul e Central (inclui Caribe): África (inclui Palestina e Oriente Médio): Europa e América do Norte: 5 Responsabilidade do candidato / Requisitos de certificação O candidato é responsável por procurar informação (do site da FLOCERT ou diretamente da equipe de candidaturas) sobre o escopo Fairtrade e por informar-se acerca dos requisitos que devem ser cumpridos para adquirir e manter a certificação Fairtrade. A FLOCERT destaca esta responsabilidade particularmente por não realizar reembolsos das taxas de candidatura pagas (ver capítulo 6). 5.1 Escopo Fairtrade As candidaturas à certificação Fairtrade apenas podem ser aceitas para produtos incluídos no escopo Fairtrade definido pelo Fairtrade Internacional. O escopo Fairtrade é composto por: 1. O produto para o qual a certificação é solicitada 2. O país onde o produto é cultivado / comercializado 3. A estrutura da organização / empresa solicitante da certificação Fairtrade Para solicitar o dossier de candidatura, por favor envie um para a equipe de candidatura ou insira sua solicitação no nosso web site É possível submeter solicitações para extensão do escopo da certificação à Unidade de Critérios no Fairtrade Internacional. Para mais informações, veja Standards Setting the Standards 5.2 Requisitos Fairtrade Para obter a certificação Fairtrade, os candidatos devem passar numa auditoria inicial com sucesso, o que significa que todos os critérios de conformidade relevantes devem ser cumpridos. Para minimizar o risco de reprovação na auditoria inicial, a FLOCERT aconselha todos os candidatos a familiarizarem-se com os requisitos dos Critérios Fairtrade e com os Critérios de Conformidade da FLOCERT que daí derivam antes de submeterem uma candidatura oficial. Todos os Critérios Fairtrade, incluindo os requisitos, estão disponíveis no site do Fairtrade Internacional: Standards Os Critérios de Conformidade da FLOCERT estão disponíveis no site da FLOCERT Favor contatar diretamente a FLOCERT caso hajam mais questões ou dificuldades para compreender a informação disponibilizada online. VERSION: 15 / PAGE 6 OF 13

7 6 Custos Para a coordenação e avaliação da sua candidatura, a FLOCERT exige o pagamento de uma taxa de candidatura. A taxa de candidatura cobre a gestão da candidatura e, portanto, é independente do resultado da avaliação. Essa não será reembolsada, mesmo no caso da candidatura ou certificação serem recusadas. Custos adicionais podem existir para comerciantes de algodão, relacionados com a avaliação de indicadores sociais. Quando uma candidatura é submetida à FLOCERT para múltiplas funções comerciais ou múltiplos produtos, a taxa de candidatura é cobrada apenas uma vez. Quando uma candidatura é submetida à FLOCERT para organizações multiestrutura, por exemplo multiplantações ou organizações de pequenos produtores de 2º/3º grau, a taxa de candidatura é cobrada apenas uma vez. Todas as taxas de candidatura e certificação incorridas durante a certificação em curso são descritas nas listas de taxas da FLOCERT, publicadas no site da FLOCERT: 7 Processo de candidatura guia passo a passo 7.1 A FLOCERT envia o dossier de candidatura Mediante pedido, a equipe de candidaturas da FLOCERT atribui um ID de Candidatura e envia um dossier de candidatura que inclui: um questionário de candidatura modelos adicionais de documentos relacionados com o questionário de candidatura informação sobre a certificação e requisitos Fairtrade, incluindo os custos envolvidos e um contrato de certificação que regulamenta os direitos e as responsabilidades contratuais 7.2 O candidato submete um pedido formal de certificação à FLOCERT Ao enviar o questionário de candidatura preenchido, o candidato formalmente solicita uma certificação Fairtrade da FLOCERT. Como tal, é muito importante que o questionário de candidatura esteja assinado. Conforme salientado no questionário, documentos adicionais devem ser anexados, incluindo comprovante de pagamento da taxa de candidatura. Os questionários enviados somente são considerados para avaliação uma vez que o pagamento da taxa de candidatura seja confirmado. Solicita-se aos candidatos que indiquem o ID de Candidatura atribuído como referência no questionário de candidatura e quando o pagamento da taxa de candidatura é efetuado. 7.3 A FLOCERT avalia a candidatura Mediante a recepção do pagamento da taxa de candidatura, a equipe de candidaturas da FLOCERT inicia a avaliação da candidatura. O objetivo é avaliar a possibilidade teórica de certificação de um candidato e inclui a verificação das informações do questionário e documentos, para fins de integridade e consistência. Os dados do candidato são introduzidos na base de dados da certificação FLOCERT e atribuído um FLO ID que virá substituir o ID de candidatura anterior. O candidato pode começar negociações Fairtrade apenas após o recebimento da Permissão para Comercializar ou do seu certificado Fairtrade da FLOCERT (ver capítulo 7.5). 7.4 A FLOCERT comunica o resultado da avaliação da candidatura Caso a candidatura demonstre que, a princípio, o candidato é certificável e caso o conjunto de documentos exigido esteja completo e consistente, a candidatura é aceita. A aceitação é comunicada ao candidato no período de 30 dias. Após esta comunicação, o candidato receberá dados de acesso ao portal web de VERSION: 15 / PAGE 7 OF 13

8 certificação FLOCERT. Neste portal o candidato pode informar-se acerca do agendamento da auditoria inicial e, mais tarde, sobre os resultados da auditoria. 7.5 Auditoria inicial e certificação É essencial compreender o que a certificação Fairtrade envolve e implica nos anos seguintes à aplicação bem sucedida. Explicações e informações detalhadas sobre a auditoria e o processo de certificação da FLOCERT estão incluídas nos procedimentos de certificação FLOCERT (CERT Certification SOP) conforme publicado na página web da FLOCERT: Preparação para a auditoria inicial Fatura da taxa de certificação e agendamento da auditoria Após a confirmação de uma candidatura, a FLOCERT irá (exceto no caso de Pequenos Licenciados) emitir uma fatura que cobre a taxa de certificação inicial (ver capítulo 6) Certificação para produtores Após o recebimento do pagamento da taxa de certificação inicial, o candidato será contatado para agendar a auditoria inicial, cujos resultados permitirão à FLOCERT determinar se deve conceder a certificação Fairtrade ou não. A Permissão para Comercializar" será emitida caso nenhuma não conformidade maior seja identificada durante a auditoria inicial. A Permissão para Comercializar é intermediária, uma autorização temporária para iniciar negociações sob condições Fairtrade. Este status é concedido aos candidatos para facilitar as primeiras vendas Fairtrade da respectiva cadeia comercial. No encerramento bem sucedido de todas as não-conformidades regulares, de acordo com os prazos admissíveis mencionados no CERT Certification SOP e dentro do período de validade da Permissão para Comercializar, será emitido um certificado Fairtrade para o operador. Caso a FLOCERT identifique que um produtor candidato iniciou negócios Fairtrade antes de ter recebido a Permissão para Comercializar ou um certificado de Fairtrade, a) o candidato e também seu comprador serão cobrados da taxa de certificação anual com base prorata vezes dois referindo-se à data da primeira transação Fairtrade (no entanto, não mais que 5000 EUR), caso o comprador também seja um comerciante candidato realizando negócios Fairtrade antes de ter recebido sua Permissão para Comercializar ou b) se o comerciante já é certificado, o produtor candidato será cobrado da taxa de certificação anual sobre uma base pró-rata multiplicada dois referindo-se à data da primeira operação de Fairtrade (no entanto, não mais que 5000 EUR) Certificação comercial Após o pagamento da taxa de certificação inicial, os comerciantes recebem uma Permissão para Comercializar preliminar com validade de nove meses (favor consultar o para informações sobre certificação Pequenos Licenciados). A Permissão para Comercializar é intermediária, uma autorização temporária para iniciar negociações sob condições Fairtrade. Está vinculado as seguintes condições: Dentro de aproximadamente 6 meses o status de conformidade com os Critérios Fairtrade devem ser verificados durante uma auditoria inicial no local. O comércio está limitado às categorias de produtos conforme indicado durante a fase de candidatura. Somente após uma auditoria inicial bem sucedida, é concedida a certificação de produtos Fairtrade e o cliente recebe um certificado Fairtrade. Caso a FLOCERT identifique que um comerciante candidato iniciou negócios Fairtrade antes de ter recebido a Permissão para Comercializar, nenhuma Permissão para Comercializar pode ser emitida até que o candidato tenha sido auditado. Cabe à FLOCERT decidir se a auditoria será realizada no local ou fora dele. A auditoria no local é cobrada nos mesmos moldes da auditoria de acompanhamento. Caso o candidato tenha adquirido produtos de um fornecedor certificado, estes produtos não podem ser vendidos VERSION: 15 / PAGE 8 OF 13

9 como Fairtrade. Se a FLOCERT identificar que foram comercializados produtos Fairtrade antes da Permissão para Comercializar ser emitida, o comerciante será cobrado da taxa de certificação anual sobre uma base pró-rata multiplicada dois, remetendo à data da primeira transação Fairtrade, mas a taxa não excederá 5000 EUR. É importante notar que a Permissão para Comercializar não será emitida no caso de recandidaturas quando as não-conformidades maiores não foram resolvidas. Neste caso, uma auditoria será realizada antes da certificação e nenhum comércio pode ocorrer até que a Permissão para Comercializar ou o certificado Fairtrade seja emitido. Os custos envolvidos para fazer essa auditoria deverão ser pagos pelo cliente em recandidatura Certificação de pequenos licenciados Durante a fase de candidatura, os pequenos licenciados receberão uma fatura para a taxa de certificação da FLOCERT. Após o pagamento da taxa de certificação e apresentação dos outros documentos de candidatura, o pequeno comerciante licenciado receberá uma Permissão para Comercializar preliminar válida por 3 anos. Somente depois de uma auditoria inicial bem sucedida no ano 6, é concedida a certificação de produtos Fairtrade e o cliente recebe um certificado Fairtrade. O mesmo procedimento descrito acima para os comerciantes que começam negócios Fairtrade antes de ter recebido a Permissão para Comercializar será aplicado no caso de pequenas licenciados. Informações detalhadas sobre a certificação de Pequenos Licenciados estão incluídas na Política de Pequenos Licenciados (veja os documentos explicativos no a lista de taxas de Pequenos Licenciados, bem como o procedimento de certificação FLOCERT (CERT Certification SOP) conforme publicado no site da FLOCERT A FLOCERT só concederá a certificação Fairtrade aos candidatos quando todas as não-conformidades tiverem sido resolvidas. Após uma decisão de certificação positiva, a FLOCERT confirmará a certificação Fairtrade emitindo um certificado Fairtrade válido. Para obter informação mais detalhada sobre o processo de manuseio e solução de não-conformidades, bem como sobre as razões pelas quais a FLOCERT pode recusar a certificação Fairtrade, favor consultar o procedimento de certificação da FLOCERT (CERT Certification SOP) publicado no site da FLOCERT: Caso uma certificação seja recusada, os clientes poderão trabalhar nas nãoconformidades e candidatar-se novamente num momento posterior (ver capítulo 7.8). 7.6 Direito de apelo Caso os candidatos não concordem com uma avaliação ou com a decisão de certificação tomada pela FLOCERT, eles têm o direito de apelo ou pedir uma revisão da avaliação. Este direito também se aplica caso um candidato discorda da decisão tomada pela FLOCERT no pedido formal de candidatura. Para mais informações, favor consultar o Procedimento de Apelo & Revisão oficial da FLOCERT (QM Appeals&Review SOP) publicado no site da FLOCERT: 7.7 Descontinuação da candidatura Candidatos que já pagaram a taxa de candidatura: Uma candidatura será descontinuada caso o candidato explique claramente que não deseja mais ser certificado ou a empresa / organização deixe de existir. A FLOCERT descontinuará a candidatura em 12 meses a partir da data do pagamento da taxa de candidatura caso o candidato não apresente todos os documentos de candidatura necessários dentro deste prazo. No entanto, o candidato pode restabelecer a sua candidatura dentro de um período de 12 meses a partir da data de descontinuação fornecendo todos os documentos pendentes e, neste caso, não será obrigado a pagar uma segunda taxa de candidatura. Se o cliente candidata-se após 12 meses da data de descontinuação da candidatura, ele terá que recomeçar a fase de candidatura e pagar a taxa. Quando o processo de candidatura foi concluído e uma taxa de certificação inicial faturada, no entanto, o cliente não paga esta fatura dentro de 12 meses a contar da data da fatura, a FLOCERT descontinuará a candidatura. Se o cliente desejar restabelecer a candidatura dentro de 12 meses a partir da data da descontinuação, a fatura da taxa de certificação inicial deverá ser paga antes que a auditoria inicial possa ser agendada. Caso o cliente candidate-se após 12 meses da data de descontinuação da candidatura, ele VERSION: 15 / PAGE 9 OF 13

10 terá que começar a fase de candidatura novamente e pagar a taxa de candidatura e a taxa de certificação inicial antes que a auditoria inicial possa ser agendada. 7.8 Recandidaturas Recandidatura após a certificação negada Os clientes que tiveram a certificação negada depois que a auditoria inicial foi realizada, podem recandidatar-se mas conforme as seguintes condições: O cliente não precisa pagar a taxa de candidatura e apresentar os documentos de candidatura caso a recandidatura seja feita dentro de 12 meses após a certificação negada. Se o cliente quer recandidatarse após esse período, precisa pagar a taxa de candidatura novamente e enviar todos os documentos de candidatura atualizados. O cliente receberá uma fatura da taxa de certificação inicial e, mediante o pagamento, a auditoria inicial será agendada Recandidatura após uma perda da certificação devido a não-conformidade/ não pagamento das taxas de certificação / perda da certificação voluntária Os clientes que tenham perdido a certificação Fairtrade por não-conformidades com os critérios Fairtrade, não pagamento das taxas de certificação ou perda da certificação voluntariamente podem recandidatar-se para a certificação Fairtrade, mas se aplicam as seguintes condições: Caso o cliente recandidate-se dentro de 12 meses após a perda da certificação, ele será redirecionado ao respectivo Analista de Certificação (favor observar o CERT Certification SOP para mais informações). Se o cliente quer recandidatar-se após esse período, precisa pagar a taxa de candidatura novamente e quaisquer taxas pendentes anteriores à perda da certificação, e enviar todos os documentos de candidatura atualizados. Após a conclusão do processo de candidatura, o cliente é redirecionado ao Analista de Certificação responsável que irá planejar a auditoria. 8 Candidaturas para extensão de escopo Os clientes já certificados podem desejar estender o escopo da sua certificação. Isto é possível a qualquer altura do ciclo de certificação, mas os clientes, nos casos seguintes, necessitam candidatar-se à FLOCERT e receber a aprovação antes de efetivamente realizar negócios Fairtrade sob uma extensão de escopo. 8.1 Extensão de escopo para produtores Os produtores que detenham um certificado Fairtrade devem informar ao analista de certificação sobre seu desejo de estender o escopo da certificação e receber a aprovação caso desejem: Acrescentar um novo produto à sua atividade Fairtrade: Isto está especialmente relacionado com novas categorias de produtos mas, também, vários tipos de produtos precisam de uma permissão especial mesmo que o produtor já esteja cultivando um produto na mesma categoria de produto. Produtores devem verificar com a FLOCERT se um novo produto precisa efetivamente de ser aprovado. Acrescentar uma nova organização-membro / plantação / propriedade à sua atividade Fairtrade: Esta seção aplica-se somente às organizações de pequenos produtores de 2º e 3º grau ou a empresas multi-plantações que limitaram a sua certificação Fairtrade a um número selecionado de organizaçõesmembro / propriedades afiliadas. Não se aplica a estruturas de plantações únicas ou àquelas estruturas múltiplas em que todas as organizações / propriedades fazem parte dos negócios Fairtrade. Acrescentar uma nova função / serviço comercial: Produtores certificados podem candidatar-se para adicionar a função de comerciante ao seu certificado caso exportem produtos certificados Fairtrade em nome de outras entidades certificadas e/ou se eles compram produtos de outros produtores certificados. O processo para candidatar-se a extensão de escopo será o seguinte: VERSION: 15 / PAGE 10 OF 13

11 1. O produtor envia a solicitação de extensão de escopo para o analista de certificação FLOCERT aplicável. 2. Dentro de 5 dias úteis, a FLOCERT verifica se o produto / organização-membro / plantação adicional se enquadra no escopo Fairtrade e é teoricamente certificável. 3. O analista de certificação avalia a necessidade de uma auditoria física antes da alteração do escopo da certificação para assegurar a conformidade com os requisitos Fairtrade. 4. Não se cobra qualquer taxa pela extensão de escopo no momento do envio da candidatura a FLOCERT. No entanto, a taxa de certificação aplicável é cobrada juntamente com a próxima fatura anual do cliente (detalhes podem ser encontrados na lista de taxas da FLOCERT conforme publicada no site da FLOCERT: 5. Se o produto solicitado estiver fora do escopo da certificação Fairtrade ou a nova organização-membro / plantação não for certificável, a candidatura para a extensão de escopo é recusada. 6. Se o produto solicitado estiver dentro do escopo da certificação Fairtrade e a nova organização-membro / plantação for certificável, a extensão de escopo é: aprovada, com base na avaliação conduzida sem que haja uma auditoria prévia no local e confirmada por um certificado alterado. O novo produto / organização-membro / plantação será auditado durante a próxima auditoria normal do cliente. OU com base na avaliação conduzida, considera-se necessária uma auditoria física antes de se tomar a decisão final. Neste caso, o analista de certificação irá solicitar uma auditoria adicional que cubra o novo produto / organização-membro / plantação / função comercial. Esta auditoria será cobrada da mesma forma que uma auditoria de acompanhamento. A FLOCERT tomará a decisão final sobre a extensão de escopo com base nos resultados da auditoria. Mediante uma auditoria bem-sucedida, o produto / organização-membro / plantação / função comercial adicional será incluído no certificado Fairtrade existente. 7. A FLOCERT confirmará a extensão de escopo enviando um certificado Fairtrade alterado para o produtor. O produtor somente tem autorização para cultivar e comercializar o novo escopo sob condições Fairtrade quando tiver recebido esse certificado FLOCERT alterado. A validade do certificado Fairtrade original permanece inalterada e o ciclo de certificação regular será mantido. 8. Produtores certificados que estenderem seu escopo de certificação para incluir a função comercial comerciante: Será cobrado um adicional de 15% da taxa de certificação anual dos produtores para cobrir os custos de realização da auditoria de comerciantes adicional em sua próxima auditoria regular (detalhes podem ser encontrados na lista de taxas FLOCERT conforme publicado no site da FLOCERT: Se um produtor começou a comprar produtos certificados Fairtrade de outras entidades certificadas e/ou iniciou a comercialização de produtos Fairtrade em nome de outras entidades certificadas antes de receber um certificado Fairtrade alterado ou uma Permissão para Comercializar que indique a sua segunda função comercial como comerciante, será cobrada a taxa de certificação anual em uma base pro-rata multiplicada por dois referindo-se a data da primeira transação Fairtrade, no entanto, não mais que 5000 EUR. 8.2 Extensão de escopo para comerciantes Os comerciantes que detenham um certificado Fairtrade devem informar ao analista de certificação sobre seu desejo de estender o escopo da certificação e receber a aprovação caso desejem: Acrescentar uma nova categoria de produto à sua atividade Fairtrade. Acrescentar uma entidade adicional à sua atividade Fairtrade. Acrescentar uma nova função à sua atividade Fairtrade. O processo para candidatar-se a extensão de escopo será o seguinte: 1. O comerciante envia a candidatura para a extensão de escopo para o analista de certificação FLOCERT aplicável. VERSION: 15 / PAGE 11 OF 13

12 2. Dentro de 5 dias úteis, a FLOCERT verifica se a categoria de produto / entidade / função adicional se enquadram no escopo Fairtrade e é teoricamente certificável. 3. Não se cobra qualquer taxa pela extensão de escopo no momento do envio da candidatura a FLOCERT (exceto na avaliação do indicador social no caso dos clientes de algodão). No entanto, a taxa de certificação aplicável para um produto / entidade adicional será cobrada juntamente com a próxima fatura anual do cliente (detalhes podem ser encontrados na lista de taxas da FLOCERT conforme publicada no site da FLOCERT: 4. Se a solicitação estiver fora do escopo Fairtrade, a candidatura para a extensão de escopo é recusada. 5. Se o produto solicitado estiver dentro do escopo Fairtrade, a extensão de escopo é aprovada pela FLOCERT sem auditoria física e confirmada por um certificado Fairtrade alterado. A extensão de escopo será auditada durante a próxima auditoria regular. O comerciante somente terá autorização para realizar negócios Fairtrade sob o novo escopo quando tiver recebido a confirmação da FLOCERT e um certificado Fairtrade alterado. A validade do certificado Fairtrade original permanece inalterada e o ciclo de certificação regular será mantido. 9 Referências Procedimento de Certificação da FLOCERT (CERT Certification SOP) Questionário de Candidatura para Comerciantes Questionário de Candidatura para Produtores Lista de Taxas para Comerciantes e Produtores conforme publicado no site da FLOCERT Procedimento de Apelação & Revisão da FLOCERT (QM Appeals&Review SOP) Política de Pequenos Licenciados (TC SmallLicenseePolicy ED) Documento Explicativo de Escopo da Certificação (CERTScopeOfCertification ED) VERSION: 15 / PAGE 12 OF 13

13 10 Histórico de Alterações Versão Autor / Revisor Data de aprovação Alterações 10 N. Xeller Primeira versão 11 Y. Chaturvedi procedimento para comercialização antes da emissão do PtT mais detalhado / conceito de PtT para os produtores introduzido / 7.7 circunstâncias sob as quais uma candidatura pode ser interrompido alterada 12 N. Sood definição para "Application ID" adicionada / nenhuma taxa cobradas para candidaturas adicionais (mas para a avaliação do indicador social no caso dos operadores de algodão) / 7.8 condição para atender a recandidatura após perda do certificado 13 H. Rossouw Informações gerais atualizadas (por exemplo, endereço de ) / atualizado 2.2 Uso da Marca FAIRTRADE / atualizado em candidaturas de pequenos licenciados / 7.8 procedimento atualizado para recandidatura após perda do certificado e certificação negada / procedimento atualizado para solicitar extensões de escopo 14 D. Rosado H. Rossouw 15 T. Glammert- Kuhr Atualizado 7.8 Re-candidaturas Links corrigidos Em Adicionado o limite de EUR para taxas de comercialização antes da certificação/ptt Custos: Excluída a quantia da taxa de candidatura VERSION: 15 / PAGE 13 OF 13

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 -

MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT. - Lançamento Janeiro 2013 - MANUAL ECERT FERRAMENTA DE BUSCA POR OPERADOR PARA CLIENTES CERTIFICADOS FLO-CERT - Lançamento Janeiro 2013 - BUSCA POR OPERADOR A ferramenta de Busca por Operador no portal web Ecert substitui as Páginas

Leia mais

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO CONTRATO DE CERTIFICAÇÃO entre FLO-CERT GMBH E DENOMINAÇÃO LEGAL DO CLIENTE PARTES (1) FLO-CERT GmbH, criada e registada em Bonn, Alemanha, com o número de empresa 12937, com sede em Bonner Talweg 177,

Leia mais

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores

Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores 26 pt Sistema de Tarifas para Organizações de Pequenos Produtores Documento explicativo Efetivo conforme: 01/01/2015 Distribuição: Externa Índice 1 Introdução... 3 1.1 Definições... 3 2 Taxa de candidatura...

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Documento Explicativo 1

Documento Explicativo 1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS FAIRTRADE E FAIRMINED PARA OURO DE MINERAÇÃO ARTESANAL E EM PEQUENA ESCALA, INCLUINDO METAIS PRECIOSOS ASSOCIADOS Documento Explicativo 1 Versão

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes

Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Sean Hawkey Criterio do Comercio Justo Fairtrade para Comerciantes Versão atual: 01.03.2015 v1.1 Data prevista para a revisão completa: 2020 Contato para comentários: standards-pricing@fairtrade.net Para

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

POLÍTICA SOBRE faturamento e cobranças para os Hospitais da Sutter Health

POLÍTICA SOBRE faturamento e cobranças para os Hospitais da Sutter Health Data efetiva: 1/12/1998 Data final aprovada: 01/3/2007 Data de revisão: 26/10/2015 Nova data de revisão: 26/10/2018 Proprietário: Patrick McDermott, Vice-Presidente de Ciclo de Receitas Área da política:

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público

PC MeeiroPolicy ED 13 pt. Meeiropolicy. Documento Explicativo. Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público 13 pt Meeiropolicy Documento Explicativo Válido a partir de: 26/04/2010 Distribuição: Público Índice 0 Propósito... 3 1 Área de candidatura... 3 2 Norma... 3 3 Terminologia para o uso deste documento:...

Leia mais

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA POLÍTICA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Maio 2012 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance Rede de Agricultura Sustentável (RAS): Conservación y Desarrollo, Equador Fundación Interamericana de Investigación

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED MARKETPLACE: GUIA DOS PRIMEIROS PASSOS Acabo de registrar a minha empresa no site Rainforest Alliance Certified TM Marketplace. E agora? Parabéns! Ao registrar a sua empresa

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações

Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações Declaração de privacidade Configurador Web de Instalações A sua privacidade é importante para nós, Lexmark International Serviços de Assistência e Marketing, Unipessoal, Lda. Reconhecemos a sua necessidade

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Frutas Frescas (Exceto Bananas) e Vegetais Frescos DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 18.06.2008 Substitui

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. CONCESSÃO DA CERTIFICAÇÃO... 4 6. ACOMPANHAMENTO E RENOVAÇÃO DA

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS

TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS TERMOS E CONDIÇÕES DA AQUIPELAGO BUSINESS Usando ARQUIPELAGOBUSINESS.COM (incluindo www.arquipelagobusiness.com e seus subdomínios relacionados, serviços e outros sites e ferramentas ligadas ao arquipelagobusinnes.com

Leia mais

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No IBM BRASIL - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda. Av. Pasteur, 138/146 - Rio de Janeiro - RJ CEP 22296-900 Tel.: (21) 2132-5252 Internet: WWW.IBM.COM.BR CNPJ: 33.372.251/0001-56 Anexo para Produtos e Serviços

Leia mais

Protocolo de Certificação

Protocolo de Certificação Protocolo de Certificação Versão 4.0 - Julho de 2015 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO

MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO MODELOS DE PLANEAMENTOS E DE RELATÓRIOS DE COMERCIO JUSTO Estes modelos podem ajudá-lo a cumprir com os requisitos da seção 4.1.1-4.1.10 sobre Potencial de Desenvolvimento e os requisitos de relatórios

Leia mais

Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados

Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados Descrição de Serviço Serviço de controle e recuperação de notebook e Serviço de exclusão remota de dados Visão geral do Serviço A Dell tem a satisfação de oferecer o Serviço de controle e recuperação de

Leia mais

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt

1/6 Public_ChangeLog TC FO 8.2 pt Modificações nos Critérios de conformidade para comerciantes, versão 8.2 em vigor a partir de 15 de Dezembro de 2015 Changes Referência Aplicável a: CC No. FLOCERT Critério de Conformidade Rank 1 Rank

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda.

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Os seguintes termos e condições aplicam-se ao Serviço de Cadastro e Certificação de

Leia mais

Critérios de Comércio Justo

Critérios de Comércio Justo FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL Critérios de Comércio Justo para Algodão em Caroço DE Organizações de Pequenos Produtores Versão Atual: 01.07.08 Substitui as versões anteriores de: 01.05.2006

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação SCS Global Services Manual Manual de Certificação Fair Trade USA V2.0 Versão Português 2000 Powell Street, Ste. 600, Emeryville, CA 94608 USA +1.510.452.8000 main +1.510.452.8001 fax www.scsglobalservices.com

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Vegetais de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011_v1.1 Data esperada para a próxima revisão: 2016 Envie seus comentários e perguntas para: standards@fairtrade.net

Leia mais

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO

CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS DE COMÉRCIO JUSTO PARA Nozes e Sementes Oleaginosas DE Organizações de Pequenos Produtores PARTE A Critérios Genéricos de Comércio Justo para Organizações

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES

FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL FUNDO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTORES 1. Sua organização: Nome da sua organização: Grau de sua organização (1º, 2º, 3º): Número de identificação FLO-CERT (FLO

Leia mais

1.3 "Instituição", as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar;

1.3 Instituição, as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar; Termos e Condições Estes Termos e Condições entrarão em vigor no momento em que o formulário de registro for aceito pela LAISRA Ltd. A aceitação da sua reserva entrará em vigor quando enviarmos a você

Leia mais

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos

22 de Fevereiro de 2013. Formação a Técnicos Autárquicos 22 de Fevereiro de 2013 Formação a Técnicos Autárquicos Certificações Internacionais Certificação AA1000 (Accountability 1000) É uma norma que define as melhores práticas para prestação de contas para

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Documento Explicativo

Documento Explicativo Decisão de Preço do Suco de Laranja 13 de junho de 2013 Visão Geral O Comitê de Critérios tomou uma decisão em relação ao projeto de Revisão de Preços do Suco de Laranja. O resultado disso é que novos

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Organização Perry Johnson Registrars, Inc.

Organização Perry Johnson Registrars, Inc. 1 Organização A (PJR), é uma empresa norte-americana de certificação, que atua de acordo com as normas Internacionais da Qualidade. Fundada por Perry L. Johnson em 1994, a (PJR), é especialista na área

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena

Spam Manager. Guia do Administrador da Quarentena Spam Manager Guia do Administrador da Quarentena Guia do Administrador da Quarentena do Spam Manager Versão da documentação: 1.0 Avisos legais Avisos legais Copyright Symantec Corporation 2013. Todos os

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Este Adendo de Validação de Integração de Aplicativos (este "Adendo") é firmado entre você e a Oracle do Brasil Sistemas Limitada. As definições usadas no

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO.

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO. SUSE Linux Enterprise Software Development Kit 11 SP3 Contrato de Licença de Software do SUSE LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO COMPRAR, INSTALAR E/OU USAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES), VOCÊ

Leia mais

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014

FLOCERT GmbH Lista Pública de Critérios de Conformidade - Certificação Comercial. www.flocert.net. NSF Checklist TC 6.8 PT-PT 10 Jul 2014 FLOCERT GmbH Lista Pública de s de Conformidade - Certificação Comercial Os critérios de Conformidadesão estabelecidos pela FLO-CERT para traduzir os requisitos dos s de Fairtrade e da FLO-CERT em pontos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão

Certificação de Sistemas de Gestão Página: 1 de 7 1 - Introdução Fundado em 1828, o Bureau Veritas (BV) é uma organização multinacional cujos serviços abrangem a classificação, verificação e inspecção de navios, aviões, materiais e equipamentos,

Leia mais

Política de Privacidade da Fieldglass

Política de Privacidade da Fieldglass Política de Privacidade da Fieldglass Histórico de revisão Histórico de revisão do documento Revisão Data Resumo de alterações Autor(es) 1 Fevereiro de 2014 Política de privacidade alinhada com padrões

Leia mais

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO

CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO Documento EUREPGAP Contrato de Sub-licenciamento e Certificação (V2.3) Pag. 1 de 6 CONTRATO DE SUB-LICENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO para a participação como Parte Interessada de Mercado na estrutura do Sistema

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions

IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5. Guia do Cúram Deductions IBM Cúram Social Program Management Versão 6.0.5 Guia do Cúram Deductions Nota Antes de usar essas informações e o produto suportado por elas, leia as informações em Avisos na página 21 Revisado: Março

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827

Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Página 1 de 5 Certificação de Válvulas Industriais NBR-15827 Informações para Preenchimento 1. Este questionário refere-se exclusivamente para solicitações de proposta dos serviços de Certificação de Produtos

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Açúcar de Cana de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 29.08.2011 Substitui a versão anterior de: 01.05.2011 Data esperada para a próxima revisão: 2012 Envie

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 15 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

Política de Privacidade amaiseducacao.org

Política de Privacidade amaiseducacao.org Política de Privacidade amaiseducacao.org Este documento contém as práticas de privacidade para o site de amaiseducacao.org. Este site é de propriedade e operado por ou em nome de amaiseducacao.org ("A+").

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

Rastreamento de Fatura de Fornecedor da Rhodia. Guia do Usuário

Rastreamento de Fatura de Fornecedor da Rhodia. Guia do Usuário Rastreamento de Fatura de Fornecedor da Rhodia Guia do Usuário 1 Índice: I) Introdução ao Portal de Rastreamento de Fatura de Fornecedor da Rhodia a) Boas-vindas b) Obtenção de Acesso c) Necessidades do

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior

Incentivos a Microempresas do Interior Incentivos a Microempresas do Interior Saiba como se candidatar Para que servem estes incentivos? Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões com problemas de interioridade,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 02.10 Normas Nacionais de Desminagem Acreditação de Organizações de Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax:

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais