TEORIA DO AGENTE-PRINCIPAL O ESFORÇO DO AGENTE COMBINADO COM OUTRAS VARIÁVEIS NÃO OBSERVÁVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DO AGENTE-PRINCIPAL O ESFORÇO DO AGENTE COMBINADO COM OUTRAS VARIÁVEIS NÃO OBSERVÁVEIS"

Transcrição

1 TEORIA DO AGENTE-PRINCIPAL O ESFORÇO DO AGENTE COMBINADO COM OUTRAS VARIÁVEIS NÃO OBSERVÁVEIS IAN DOBBS (2000, p ) E BSZ (2000, CAP. 15) ECONOMIA DOS RECURSOS HUMANOS NOTAS DE AULA PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO

2 A Compensação por Incentivos The term incentive pay conjures up images of piece rate, commissions, and cash bonus plans, with the employee being paid on the basis of some measure of output. Broadly speaking however, any compensation plan, either explicit or implicit, that rewards employees for good performance (or punishes them for poor performance) can appropriately be considered incentive compensation. Rewards do not have be monetary they consist of anything that employees value. The fundamental purpouse of incentive pay is to increase shareholder value by motivating value-adding effort on the part of employees. A closely related purpose is to reinforce the firm s value creation formulas and strategic objetives... The important question is how to design an incentive plan whose benefits outweigh its potencial disadvantages. Brickley, Smith, Zimmermann e Willett (2003, p. 209) 2

3 A Compensação por Incentivos Os problemas de incentivo existem porque os conflitos de interesse entre os agentes (empregados) e o principal (empregador). Tais problemas podem ser resolvidos quando as ações são facilmente observáveis (ou quando a informação é simétrica). As firmas podem observar as ações mais eficientes tomadas pelos agentes e paga-los somente se aquelas ações são tomadas. 3

4 A Compensação por Incentivos Contudo, na maioria das situações, as ações dos agentes não são observáveis a um abaixo custo (há assimetria de informações). Neste caso as firmas podem motivar os agentes através de incentivos de compensação. 4

5 A Compensação por Incentivos Os problemas de incentivo surgem porque a maioria dos custos de exercer o esforço são incorridos pelos empregados (agentes), enquanto que a maioria dos ganhos vai para os empregadores (principal). 5

6 Aumento no Pagamento por Incentivos Figure 2: HRM Practices in Large Firms, Incentive Pay Individual Incentives More than 20% of Em ployees Have Individual Incentives Gains haring More than 20% of Em ployees Have Gains haring Skill-bas ed Pay More than 20% of Em ployees Have Skilled Based Pay (Source: Lawler, Mohrman, and Ledford, 1995; Lawler, Mohrman, and Benson, 2001)) 6

7 A Teoria da Agência - A teoria do agente-principal, assume que os indivíduos são criativos, mas egoístas e maximizadores de utilidade; - A teoria da agência reconhece que nas relações hierárquicas os principais são apenas parcialmente capazes de observar o comportamento e a produtividade de seus subordinados (agentes) e portanto, eles fazem face ao problema de moral hazard (hidden action). 7

8 A Relação de Agência [(Jensen & Meckling (1976)] We define an agency relationship as a contract under which one or more persons the principal(s) engage another person the agent to perform some service on their behalf which involves delegating some decision making autority to the agent. If both parties to the ralationship are utility maximizers, there is good reason to believe that the principal can limit divergences from his interest s by establishing appropriate incentives for the agent and by incurring monitoring costs designed to limit the aberrant activities of the agent. 8

9 A Relação de Agência [(Jensen & Meckling (1976)] Since the relationship between the stockholders and managers of a corporation fits the definition of a pure agency relationship, it should come as no surprise to discover that the issues associate with the separation of ownership and control in the modern diffuse ownership corporation are intimately associated with the general problem of agency. 9

10 Os Custos de Agência são Reais Agency costs are as real as any other costs. The level of agency cost depend, among other thing, on statutory and commom law and human ingenuity in devising contracts. Both the law and the sophistication of contracts relevant to the modern corporations are the products of a historical process in which there where strong incentives for individuals to minimize agency costs. More over, there were alternative organizational forms available, and oortunities to invent new ones. Whatever its shorthcoming, the corporation has thus far survived the market test against potential alternatives. Jensen & Meckling (1976) 10

11 Michael Jensen e a Teoria da Agência A agency theory explica como as relações humanas inevitavelmente levam a conflitos de interesse. É simples de entender se você for casado, tiver um parceiro, for sócio de alguém... Em qualquer ocasião em que duas pessoas ou mais tentam se engajar em esforços cooperativos, inevitavelmente vai surgir algum conflito. É um fato da vida inerente às relações humanas quando elas exigem cooperação entre as partes. No caso das empresas, em especial nas de capital aberto, isso costuma acontecer entre os executivos responsáveis pela gestão e os acionistas. Tento entender os custos resultantes desses conflitos e como eles podem ser controlados e reduzidos. Há muitos benefícios no esforço cooperativo. A saída é estruturar as relações para que os conflitos sejam mitigados. 11

12 Os Custos de Agência 1- gastos de monitoramento pelo principal (monitoring costs); 2- custo de implantação e adesão aos mecanismos de controle (bonding costs); 3- perda residual (residual loss) refere-se a riqueza perdida pelos acionistas em função do comportamento inadequado dos agentes. Os custos de agência surgem em qualquer situação que envolva um esforço cooperativo por duas ou mais pessoas mesmo se não houver uma relação clara de agente-principal. 12

13 Teoria da Agência Um problema de agência ocorre quando: -Os desejos ou objetivos do principal e dos agentes estão em conflitos e é caro e dificil monitorar o comportamento dos agentes. -Os conflitos de agência têm sua origem na pulverização do capital das corporações e na consequente separação entre propriedade e gestão, bem como na relação entre acionistas minoritários e majoritários numa firma. 13

14 A Origem dos Conflitos de Agência Os conflitos e os custos de agência se manifestam quando, por exemplo, se dá a separação entre a propriedade e a gestão e quando se estabelece um conflito de interesses entre eles, principalmente num contexto de assimetria de informação. 14

15 A Origem dos Conflitos de Agência Acionistas (principais) Foco: - Decisões financeiras; - Alocação de recursos; - Carteiras com retorno máximo; - Diversificação do risco. Gestores (Agentes) Foco: - Decisões empresariais; - Domínio do negócio; -Conhecimento da gestão; - Estratégia e Operações. Relação de Agência: Decisões que maximizam a riqueza dos acionistas (principais) X Decisões que maximizam os interesses dos gestores (agentes) 15

16 Teoria do Agente-Principal Definição Informação assimétrica Moral hazard Custos de monitoramento Principal Uma parte que delega a outra para desempenhar alguma tarefa que irá beneficiar a outra parte. O principal contrata uma agente para executar tal tarefa. O principal sabe que o agente têm informação superior. O principal incorre em custos para ter certeza que o agente está agindo de modo apropriado. a. Restrição orçamentária, auditoria; b. participação nos lucros, stock options e planos de incentives similares para alinhar os autointeresses dos agentes como os interesses do principal. Agente A parte que executa a tarefa contratada e que irá beneficiar o principal. O principal delega uma determinada autoridade ao agente para que este execute as tarefa contratada. O agente têm informação superior O agente pode agir de modo não apropriado ou não aprovado pelo principal corpo mole, fraude etc. Os agentes também se beneficiam das atividades de monitoramento, tal como a auditoria, visto que tais mecanismos lhes permitem demonstrar sua efetividade e cobrar por isto. 16

17 Modelo Geral de Agente-Principal Proprietário (Principal) Pagamento por serviços Serviços Administração Corporativa (Agente) Custos de agência 17

18 O Problema de Agência The agency problem is an essential element of the so-called contractual view of the firm, developed by Coase (1937), Jensen and Meckling (1976), and Fama and jensen (1983). The essence of the agency problem is the separation of management and finance, or in more standard terminology - of owernership and control. An entrepreneur, or a manager, raises funds from investors either to put them to productive use or to cash out his holdings in the firm. The financiers need the manager needs the financiers funds, since he either does not have enough capital of his own to invest or else wants to cash out his holdings. But how can financiers be sure that, once they sink their funds, they get anything but a worthless piece of paper back from the manager? The agency problem in thsi context refers to the difficulties financiers have in assuring that their funds are not expropriate or washed onm unattractive projects. Shleifer and Vishny (1997, p ) 18

19 Modelo de Agente-Principal e o Papel da Governança Corporativa A governança corporativa cuida do alinhamento dos interesses numa relação agente-principal. Quando ocorrem conflitos de agência, a governança envolve-se com a mobilização de forças de controle, interna e externas, voltadas para a harmonização de interesses entre as apartes. 19

20 O conflito principal agente e sua resolução PRINCIPAL AGENTE MECANISMOS DE GOVERNANÇA DESEMPENHO CONTROLES EXTERNOS 20

21 A Teoria da Agência Um dos problemas mais comuns de agência surge quando o produto de um indivíduo depende não somente do seu próprio esforço, mas também de outros fatores, alguns dos quais podem ser mensuráveis, mas outros não. 21

22 Origens da Teoria da Agência Berle and Means (1932): The Modern Corporation Pratt and Zeckhauser (1985): Principals and Agents Arrow (1985): The Economics of Agency Levinthal (1988): Agency Models of Organizations Jensen and Meckling (1976): Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs, and Capital Structure 22

23 Ross (1973) Importantes papers sobre a teoria do agente-principal Mirrless (1974) Stiglitz (1974, 1975) Grossman & Hart (1983) 23

24 Berle e Means (1932): A Moderna Sociedade por Ações Argumentam que a separação da propriedade do controle produz uma condição onde os interesses dos proprietários e administradores geralmente diverge e que existe um poder discricionários dos administradores. 24

25 As Corporações Modernas e a Separação entre Propriedade e Controle Berle & Means (1932) A Moderna Sociedade Anônima e a Propriedade Privada Foram os primeiros a especificar e identificar a assimetria de informação com um problema para a administração das empresas quando havia a separação entre a propriedade e o controle das empresas o que hoje em dia denominamos como o problema do agenteprincipal (um problema clássico de assimetria de informação). 25

26 As Corporações Modernas e a Separação entre Propriedade e Controle e os Problemas de Agência Mas será que há alguma razão para supor que os indivíduos que controlam uma sociedade anônima moderna também queiram movimenta-la no interesse dos proprietários? A resposta a essa questão depende do grau em que os interesses próprios dos indivíduos que dispõe do controle possam coincidir com os interesses dos proprietários e, a medida que divirjam, a resposta depende dos entraves ao uso do poder estabelecido por condições políticas, econômicas e sociais. Berle e Means (1932, p. 124) 26

27 As Corporações Modernas e a Separação entre Propriedade e Controle e os Custos de Agência A separação entre propriedade e controle produz uma situação na qual os interesses do proprietário e os do executivo podem divergir e muitas vezes divergem realmente e muitas restrições, que antes limitavam o uso do poder, desaparecem. Berle e Means (1932, p. 36) 27

28 As Corporações Modernas e a Separação entre Propriedade e Controle e os Custos de Agência O controle físico dos meios de produção é entregue, num grau crescente, a grupos centralizados que administram a propriedade supostamente, mas não necessariamente em benefício dos acionistas. O poder sobre a propriedade industrial tem se afastado da propriedade usufrutuária ou numa linguagem menos técnica do direito legal de desfrutar seus benefícios. Berle e Means (1932, p. 37) 28

29 Pratt e Zeckhauser (1985): Agentes e Principais Dada a assimetria de informação os agentes geralmente conhecem mais sobre suas tarefas do que os principais nós não podemos esperar que qualquer firma ou organização funcione do mesmo modo que se a informação fosse sem custos ou que os incentivos dos principais e agentes estivessem alinhados. 29

30 Pratt e Zeckhauser (1985): Agentes e Principais As perdas de agência são mais severas qunado os interesses econômicos ou os valores econômicos dos principais e agentes divergem substancialmente, a os custos de monitoração são elevados. Os benefícios econômicos de qualquer redução nos custos de agência serão divididos pelos principais e agentes na maioria das situações de mercado. 30

31 Pratt e Zeckhauser (1985): Agentes e Principais O principal e o agente têm um interesse econômico comum em definir uma estrutura de incentivos e monitoração que produza resultados econômicos os mais próximos do que seriam produzidos se o custos de monitoração e a informação fossem sem custos. 31

32 Arrow (1985): Teoria da Agência Distingue dois tipos de problemas de agência: Hidden action models (moral hazard): - Moral hazard and observability (Holmstrom, 1979) Hidden information models (adverse selection) The market for lemons - (Akerlof, 1970) 32

33 Levinthal (1988): Agency Models of Organizations Provê uma instigante perspectiva segundo a qual o paradigma da agência pode ser visto como uma resposta neoclássica as questões levantadas muitos anos antes por March e Simon (1958) e Cyert e March (1963) referentes ao comportamento de uma organização de agentes autointeressados cojm objetivos conflitantes num mundo de informação incompleta. 33

34 Importância do Tempo Levinthal (1988): Agency Models of Organizations Levinthal (1988) nota que a repetição de uma relação de agência ao longo do tempo tende a melhorar sua eficiência. Quando a relação de agência se repete ao longo do tempo, os efeitos da incerteza tendem a ser reduzidos e o comportamento disfunfional é mais acuradamente relvelado, aliviando então o problema de moral hazard. 34

35 Levinthal (1988): Agency Models of Organizations Modelos multi-agentes e contratos de torneio (Tournament contracts) Levinthal (1988) sustenta que o risco imposto a um agente pode ser reduzido baseando-se o desempenho individual relativo ao desempenho de outros agentes que fazem face a estados de natureza similares. Por exemplo, em torneios (tournaments), a recompensa é função da classificação do desempenho relativo dos outros agentes. 35

36 Teoria da Agência Jensen e Meckling (1976) desenvolveram uma teoria da firma baseada sobre a teoria da agência. A teoria da agência é uma ramo da economia relacionado com o comportamento do principal e seus agentes. 36

37 Teoria da Agência Principal deve prover incentivos de modo que os administradores tomem ações no melhor interesse do principal e então monitorem os resultados. Incentivos incluem, stock options, participação nos lucros e resultados, e bônus. 37

38 O objeto da teoria do agente-principal [cf. Stiglitz (1988, p )] A literatura principal-agente está preocupada com o fato de como um indivíduo, o principal (digamos o empregador), pode estruturar um sistema de compensação (um contrato), o qual motive um outro indivíduo, seu agente (o empregado), a agir no interesse do principal. A origem do termo principal-agente é devido a Ross (1973) na AER. 38

39 O modelo básico de agente-principal [MS & PC, cap.2] os pressupostos da análise alto aceita A2 N P A1 Esforço não observado baixo contrato rejeita 39

40 O modelo básico de agente-principal [MS & PC, cap.2] os pressupostos da análise P estrutura um contrato A aceita (ou rejeita) A oferta um esforço não verificável N determina o estado do mundo Resultado e pay-offs 40

41 O modelo básico de agente-principal [MS & PC, cap.2] os pressupostos da análise o problema do principal O problema de principal-agente é um tipo de problema que envolve um esforço que não pode ser monitorado e medido pelo principal e, portanto, não pode ser diretamente recompensado. A solução para este tipo de problema, como veremos, está em se requerer algum tipo de alinhamento de interesses de ambas as partes (principal e o agente). 41

42 Exemplo de problema principal-agente: acionistas e administradores Os proprietários de uma firma são os acionistas que adquiriram ações como um investimento ou simplesmente investidores que adquiriram participações em fundos mútuos ou pensionistas que investiram em firmas. A maioria dos investidores está interessada na maximização do valor se seus investimentos, o qual se traduz na maximização de suas renda (valor da ação e dividendos). 42

43 Mecanismos que reduzem os problemas de principal agente 1) Mercado de aquisição hostil Mecanismos que reduzem os problemas de principal agente a) externos b) internos 2) Mercado de trabalho competitivo para executivos 3) Relatórios contábeis fiscalizados externamente 1) Conselho de administração 2) Sistema de remuneração 3) Estrutura de propriedade 43

44 Mecanismos que reduzem os problemas de principal agente Os sistema de remuneração - os contratos de incentivo e remuneração são mecanismo que buscam alinhar os interesses dos executivos e dos acionistas, especialmente quando os executivos tomam muitas decisões cujo custo de monitoração, medição e desempenho são de difícil execução por parte dos acionistas e do conselho de administração. 44

45 Mecanismos que reduzem os problemas de principal agente 1) Salário base; Componentes básicos de um sistema de Remuneração Por incentivos 2) Bônus atrelado ao desempenho contábil; 3) Stock options; 4) Planos de incentivos de longo prazo baseados na contabilidade em vários anos 45

46 A TEORIA DA AGÊNCIA: O MODELO DE DOBBS (2000)

47 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) (i) suponha que um agente despenda um esforço em conjunção com outros fatores, estes aleatórios, para determinar o nível de produto (Q). Portanto, o produto produzido, somente em parte é devido ao esforço do agente. (1) Q = e + v média - E (v) = 0 variância - var (v) = 2 e = esforço exercido pelo agente > 0 47

48 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) (ii) o principal é assumido ser incapaz de observar o esforço do agente (ou seja, há um problema de hidden action que irá gerar um problema de moral hazard por parte do agente), que deseja maximizar o seu lucro líquido esperado, escolhendo um produto relacionando a estrutura de pagamento de incentivos do agente. 48

49 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) (iii) aqui assumimos que o principal é neutro ao risco e o agente avesso ao risco. Isto significa que o principal faz face a um dilema (trade-off ), adicionado uma comissão ou um pagamento por peça a estrutura de remuneração, aumenta-se o incentivo do agente a despender esforço, o qual aumenta o produto, mas também torna o seu pagamento mais arriscado. 49

50 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) A aversão ao risco do agente significa que um elevado salário médio deve ser pago ao agente que faz face a um emprego arriscado, em termos de remuneração. Em outras palavras, é necessário pagar um salário médio mais elevado para compensar o agente pelo maior risco associado com o pagamento de incentivo. 50

51 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) (iv) assumimos que o agente tem um nível de utilidade reserva Ur (abaixo do qual ele escolhe encontrar um emprego em qualquer lugar). Ur = salário reserva do agente. 51

52 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) (v) o principal (P) somente observa o produto e, portanto, ele somente pode compensar o agente com base no seu produto corrente (observado); 52

53 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) Aqui, por simplificação analítica, nós nos concentramos nos esquemas de pagamento lineares. Assim, temos que ao agente [A] é ofertado um esquema de pagamento (um esquema de incentivo) no qual o pagamento Y varia com o produto, isto é: (2) Y = o + 1Q 53

54 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL - O problema para o principal é selecionar as constantes o e 1 a fim de maximizar os lucros esperados do principal [E( )]. o representa o pagamento básico; 1 representa o pagamento por incentivo; se 1 = 0, temos que o salário do agente será fixo. 54

55 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL (vi) o principal é capaz de vender o seu produto (Q) a um preço fixo [p]. (vii) o lucro líquido do principal é dado por: (3) = p.q Y (viii) o lucro esperado do principal é dado por: (4) E( ) = p.e(q) E[Y] 55

56 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL De (1) temos que: E(Q) = E [ e + v] = e pois E(v)= 0 e (5) E(Y) = E = ( o + 1Q) (6) E(Y) = E ( o + 1 e) 56

57 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL Portanto, o lucro esperado é dado por: (7) E( ) = [(p - 1) e]

58 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL (ix) em qualquer problema do tipo agenteprincipal, o primeiro passo é obtermos a resposta ótima do agente a uma dada estrutura de recompensas oferecidas pelo principal, P; 58

59 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL (x) seja a função utilidade do agente: (8) U= uo E(Y) u1 var(y) e 2 Esta função de utilidade média-variância utilizada também em mercados financeiros sugere que a renda média aumenta a utilidade do agente a uma taxa uo enquanto a variância da renda reduz a utilidade a uma taxa u1 e a mesma diminui também com o esforço exercido (e). 59

60 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL Seja: var (Y) = var ( o + 1Q) 2 var (Y) = 1 var (Q) 2 2 var (Y) = 1 var ( e + v) = 1 var (v) 2 2 var (Y) = 1 60

61 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL - A utilidade do agente pode ser escrita usando E(Y) e var (Y) como: U = uo ( e) u1 1 - e (9) Os parâmetros 0 e 1 são tomados como sendo dados pelo agente, visto que são parte do contrato oferecidos pelo principal. O pressuposto da separabilidade aditiva para ao utilidade do agente implica que sua aversão ao risco não varia com o esforço que ele oferta. 61

62 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO AGENTE (xi) O problema do agente é o de decidir se trabalha ou não para o principal (isto é, se aceita ou não o contrato proposto) e qual o nível de esforço a ser alocado na execução das tarefas. É assumido que o agente possui uma utilidade reserva Ur. Portanto, o agente irá escolher um nível de esforço e > 0 somente se isto produzir uma utilidade U Ur. 62

63 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO AGENTE - se o agente escolher um nível positivo de esforço, então temos que a condição de primeira ordem deve prevalecer para o esforço. Assim, temos que: uo 1 2e = 0 uo 1 = 2e U/ e = uo 1 2e = 0 e* = (uo 1)/2 (10) 63

64 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO AGENTE Para satisfazer a equação de participação do problema, temos que a seguinte condição deve prevalecer: 2 2 U* = uo ( o + 1e*) u1 1 - e* Ur (11) 64

65 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO AGENTE Se o agente aceita o contrato de trabalho, a equação acima nos diz que o agente é induzido a exercer mais esforço quanto quanto maior for o pagamento por peça (isto é, quanto maior for 1), quanto mais importante for a renda para o agente (isto é, quanto maior for uo) e quanto mais o esforço aumentar o produto ( ). (12) e/ uo > 0 ; e/ 1> 0 ; e/ > 0 65

66 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) NOVAMENTE O O PROBLEMA DO PRINCIPAL - O problema do principal é o de maximizar o lucro esperado sujeito a restrição de que o contrato salarial oferecido ao agente (A) permita a ele, na escolha do nível ótimo de esforço (e*), atingir, no mínimo, o seu nível de utilidade reserva. Portanto, o objetivo do principal é o de maximizar seus lucros esperados sujeito a restrição de que o contrato oferecido ao agente lhe permita escolher e*. 66

67 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL Formalmente temos que o problema do principal é o seguinte: (13) Max E( ) = (p- 1) e - o s.a U* = uo( o + 1 e*) u1 1 - e* Ur (14) Assim, o contrato ótimo irá manter o agente com o seu nível de utilidade reserva, satisfazendo a restrição de participação e ao mesmo tempo a restrição de incentivo. 67

68 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL Substituindo e* tanto na função objetivo como na restrição de participação e formando uma função de Lagrange, temos que: L = E( ) + 2 (U* - Ur) 2 2 = (p- 1) e* - o + [ o uo ( o + 1e*) u1 1 - e* - Ur) = (p- 1) * [uo 1 /2] - o + 68

69 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL O principal tem como variáveis de escolha o e 1, portanto, as condições de primeira ordem para um máximo são tais que: L/ o = -1 + uo = 0 = 1/uo L/ 1=(uo /2) (p-2 1) + [ uo u1 1 - uo 1/2 ] = 0 69

70 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL Substituindo que: = (1/uo), simplificando e resolvendo para 1, temos * = p/ [1+ (4u1 / uo ) ] Isto implica que o esforço implícito realizado por A é dado pela substituição de 1 em e* =uo 1 / 2, o que resulta em: e* = uo p/ 2 [1+ (4u1 / uo ) ] 70

71 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL A ANÁLISE DE 1* * = p/ [1+ (4u1 / uo ) ] 1* - indica o grau de sensibilidade do pagamento dos agentes ao produto, quanto maior for 1*, mais relacionado estará o pagamento ao produto produzido pelo agente. 71

72 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL A ANÁLISE DE 1* (i) 1* será maior quanto mais avesso ao risco for o agente [quanto mais alto o valor de uo, menor o valor de u1]; (ii) 1* será maior quanto menor for a variação aleatória, isto é, quanto menor for o risco que o agente estiver correndo por aceitar e firmar tal contrato, no que diz respeito as variações de sua remuneração; 72

73 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL A ANÁLISE DE 1* (iii) 1* será maior quanto mais o produto responder ao esforço do agente, isto é, quanto maior for ; 73

74 A TEORIA DA AGÊNCIA PRESSUPOSTOS DO MODELO DE DOBBS (2000) O PROBLEMA DO PRINCIPAL A ANÁLISE DE 1* E SUAS IMPLICAÇÕES NA DETERMINAÇÃO DOS INCENTIVOS Assim vemos que: (i) quanto mais avesso ao risco for o agente, maiores serão suas preferências por um salário fixo (estável); (ii) a solução ótima para o modelo de agente principal é uma solução de second best. 74

75 A TEORIA DA AGÊNCIA E INCENTIVOS UMA AVALIAÇÃO - os modelos de agente-principal como os vistos acima sugerem que, se apropriadamente estruturados, os incentivos podem melhorar o desempenho de uma organização; - os modelos analíticos de agente principal são úteis na medida em que mostram quais são os dilemas envolvidos na estruturação de incentivos para as empresas; 75

76 A TEORIA DA AGÊNCIA E INCENTIVOS UMA AVALIAÇÃO Os modelos de agência sugerem que pela estruturação apropriada, os incentivos de pagamento podem melhorar o desempenho de uma organização. Contudo, existem sérias dificuldades com a implementação de tais esquemas na prática. 76

77 A TEORIA DA AGÊNCIA E INCENTIVOS UMA AVALIAÇÃO Em empregos que envolvem muitas tarefas, se somente um subconjunto de elementos são explicitamente recompensados através de pagamentos por incentivos, então o indivíduo irá tender a se concentrar sobre aqueles aspectos do trabalho e exercer pouco esforço sobre aqueles aspectos que não são monitorados. 77

78 A TEORIA DA AGÊNCIA E INCENTIVOS UMA AVALIAÇÃO Isto sugere então que os pagamentos de incentivo tendem a funcionar melhor para empregos simples (onde as tarefas envolvidas podem ser monitoradas e recompensadas na estrutura de pagamento e pode ser contra-produtivo em tarefas complexas que envolvem diversos procedimentos onde o produto de importantes elementos no trabalho são difíceis de medir). 78

79 Exemplo BSZ (cap.15)

80 Exemplo BSZ (cap.15) - Aqui consideramos um único período, onde há um empregador (principal) que deseja que o empregado (agente) trabalhe em seu benefício; - o principal é neutro ao risco e o agente é avesso ao risco; - o produto do agente é função do seu esforço e de um nível aleatório v (com média zero e 2 variância ( ) 80

81 Exemplo BSZ (cap.15) Q = e + v O termo v (termo randômico) reflete o fato de que ele pode afetar o produto e que está fora do controle do agente. Quanto maior for a variância, mais provável é que o produto experimente grandes choques. 81

82 Exemplo BSZ (cap.15) A divisão ótima dos riscos sugere que há benefícios em ter o principal fazendo frente aos riscos (ou em outras palavras assumindo os riscos) e que pague ao agente um salário fixo. Por exemplo, o agente pode concordar em ofertar um esforço [ê] e ser pago um salário fixo w por exercer seu esforço. 82

83 Exemplo BSZ (cap.15) O principal iria receber a diferença entre o valor do produto e o salário pago. = ( ê + v) w Contudo, há aqui um problema de incentivos com este arranjo, se não se puder observar nem o esfoço do agente ê e nem v. O agente tem o incentivo de concordar com o esforço ê, mas exercer um esforço menor. O principal irá tender a observar um menor nível de produto quando o agente faz corpo mole, contudo, devido ao problema de ação oculta (hidden action), o agente sempre pode afirmar que este resultado observado foi devido a sua má sorte, isto é que v foi negativo. 83

84 Exemplo BSZ (cap.15) os contratos de incentivo lineares - é possivel prover o agente com incentivos nos quais parte de seus rendimentos se baseiem sobre o produto realizado, isto é: W = wo + Q 0 1 wo= $1000 = 0,2 Q = $100e + v - produto 2 C(e) = e - custo do esforço 84

85 Exemplo BSZ (cap.15) os contratos de incentivo lineares O contrato de compensação é dado por: W = $ ,2 ($100e + v) Um contrato ótimo implica em que BMg = CMg, assim, temos que: B/ e = C/ e 20 = 2 e e* = 10 85

86 $ Exemplo BSZ (cap.15) os contratos de incentivo lineares 2 C= e W= e ê = 10 e 86

87 Exemplo BSZ (cap.15) os contratos de incentivo lineares W= e $ W= e W= e C= e 2 0 ê = 10 ê`= 15 e 87

88 Exemplo BSZ (cap.15) Os contratos de incentivo lineares - Mudanças nos salários fixos resultam apenas em mudanças ou deslocamentos paralelos na compensação, mas não implicam numa mudança do nível ótimo de esforço; 88

89 Exemplo BSZ (cap.15) os contratos de incentivo lineares - Um salário fixo mais elevado não provê incentivos para trabalhar mais duro, visto que ele não afeta os benefícios marginais do esforço do agente. - Contudo, quando os incentivos ou o coeficiente de incentivo aumenta, o agente tende a selecionar níveis mais elevados de esforço. 89

90 Exemplo BSZ (cap.15) Os contratos de incentivo lineares A análise da figura nos mostra que os pagamentos elevados não proveêm incentivos a menos que os mesmos estejam relacionados a um bom desempenho (maior esforço). 90

91 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 1 - quando o valor do produto é sensível ao esforço do empregado ou ao esforço adicional; 2 - quando o agente não é muito avesso ao risco; 3 - quando o risco que está fora do controle do agente é baixo; 91

92 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 4 - quando as respostas dos agentes ao aumento dos incentivos é elevada; 5 - o produto do agente pode ser medido a um baixo custo. 92

93 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 1 - A sensibilidade do valor do produto ( ) ao esforço adicional do empregado equivale neste modelo a produtividade marginal do agente. Um elevado valor de ( ) implica que os incentivos de pagamento, ceteris paribus, é efetiva porque os benefícios de motivar o esforço são elevados; 93

94 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 2 - uma elevada aversão ao risco do agente implica custos elevados de uma divisão ineficientes de riscos e então, reduz a propensão a usar-se incentivos de pagamento aos agentes; 94

95 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 3 - O nível de risco que está além do controle do agente também é um fator que afeta o uso dos incentivos. Quando o nível de riscos é baixo, o produto é determinado principalmente pelo esforço do agente e assim faz sentido pagar-se elevados níveis de compensação por incentivo. Mas quando os riscos são elevados, a compensação por incentivos impõe altos custos para uma divisão ineficiente dos riscos. 95

96 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 4 - O quarto fato que afeta o uso de pagamentos por incentivo é quanto do esforço adicional que o agente exerce como incentivo é aumentado. Se o agente não responde aos aumentos de incentivo, altos incentivos impõe mais riscos sobre o agente enquanto induzem pouco ou nenhum esforço adicional. Portanto, haveria poucas razões para prover-se pagamentos por incentivos. 96

97 Fatores que favorecem os pagamentos por incentivo 5 - Quanto mas caro for medir o produto do agente, menor a probabilidade de que será oferecido pagamentos por incentivo. 97

98 Controvérsia sobre os efeitos de pagamento por incentivos Alfie Kohn (1993). Why Incentive Plans Cannot Work. HBR (sept-oct): G. Baker (1993). Rethinking Rewards. HBR (nov-dec):

99 Controvérsia sobre os efeitos de pagamento por incentivos Os argumentos de que os planos de compensação motivam os agentes, embora sejam aceitos por muitos economistas, há controvérsias sobre sua efetividade. 99

100 Controvérsia sobre os efeitos de pagamento por incentivos Uma das principais críticas é que as compensações monetárias não motivam as pessoas. Este argumento, contudo, parece ser inconsistente com algumas evidências recentemente acumuladas na qual os incentivos monetários afetaram de modo dramático o comportamento dos agentes. 100

101 Controvérsia sobre os efeitos de pagamento por incentivos Um segundo argumento com relação ao papel do pagamento por incentivos é que é difícil (se não impossível) estruturar planos de compensação por incentivos efetivos. Este argumento parece estar correto, pois a estruturação e o desenvolvimento de incentivos apropriados, na prática, raramente é algo fácil. Contudo, o ponto importante é termos em conta que tais planos podem ser estruturados onde os benefícios forem maiores que os custos 101

102 Controvérsia sobre os efeitos de pagamento por incentivos A teoria econômica dos incentivos, do agente principal e da assimetria de informação, tem a intenção de prover insigths sobre como os administradores podem estruturar contratos ótimos que maximizem o valor da firma e maximizem a função utilidade dos agentes num contexto de conflito de interesses (agente-principal) e assimetria de informação (hidden action moral hazard). 102

103 Estudo de casos sobre incentivos

104 Estudo de casos sobre incentivos Du Pont BSZ (2000, p.368) Allen-Edmont Shoes Company BSZ (2000, p.378) IBM-Brasil (BSZ, 2000, p.386) Rodman Case Besanko, Dravone & Shanley (2000, p ) 104

105 O Caso de Dennis Rodman [Besanko, Dravone & Shanley (2000, p.509)] 105

106 O Caso de Dennis Rodman [Besanko, Dravone & Shanley (2000,p.509)] No verão de 1997, o gerente geral do Chicago Bulls, Jerry Krause, negociou um novo contrato para Dennis Rodman. A temporada anterior havia sido muito tumultuada para Rodman. Ele havia sido o principal roboteiro na NBA em rebotes por jogo, mas ele também foi o que mais cometeu faltas, desqualificações e obteve suspensões. 106

107 O Caso de Dennis Rodman [Besanko, Dravone & Shanley (2000,p.509)] Muitos torcedores do Chicago Bulls achavam que ele ira uma má influência para o time nos payoffs e quando o Chicago Bulls venceu o seu quinto campeonato, apesar do seu jogo errático, alguns pensaram que o Bulls não deveria renovar com Dennis Rodman. 107

108 O Caso de Dennis Rodman [Besanko, Dravone & Shanley (2000, p.509)] Jerry Krause renovou com Rodman e ofereceu a ele um contrato com incentivos. Rodman receberia um salário base de US$ 4,5 milhões, com o potencial para dobrar até US$ 9,0 milhões se ele cumprisse certos incentivos. A maioria dos incentivos que Rodman deveria cumprir foram de caráter individual e não estavam relacionados ao desempenho do time. Muitos dos incentivos comportamentais estipulavam que ele não deveria ter problemas que o levassem a suspensões desqualificações como no ano anterior. 108

109 O Caso de Dennis Rodman [Besanko, Dravone & Shanley (2000, p.509)] Ninguém pode saber ao certo se os incentivos foram a causa do sucesso de Rodman na temporada de , mas Dennis Rodman foi virtualmente um jogador exemplar em Ele não somente reduziu significativamente suas faltas, ele não bateu nos câmeras e nada que o sujeitasse a uma suspensão. Como conseqüência, ele acabou recebendo a maior parte dos incentivos de seu contrato e acabou sendo também o líder dos rebotes na NBA. O contrato de Rodman ilustra um caso da teoria da agência, a qual estuda o uso de incentivos financeiros para motivar os trabalhadores. 109

110 O Caso Allen-Edmont Shoes Company BSZ (2000, p.378) & WSJ (1993, march, 4)

111 O Caso Allen-Edmont Shoes Company BSZ (2000, p.378) & WSJ (1993, march, 4) Allen-Edmont Shoes Company é um fabricante de sapatos de alta qualidade. Por muitos anos ela pagou seus funcionários com base no produto individual através de um sistema de pagamento por peças [piece rate]. Em 1990, contudo, seguindo os conselhos de experts em qualidade, a companhia abandonou o seu sistema de pagamentos por peça e começou a pagar seus trabalhadores com base num salário fixo por hora. 111

112 O Caso Allen-Edmont Shoes Company BSZ (2000, p.378) & WSJ (1993, march, 4) A intenção era encorajar os empregados a se esforçar sobre a qualidade e no trabalho de equipe, com a idéia de que eles iriam trabalhar duro (work harder) porque eles estariam mais felizes com o trabalho. 112

113 O Caso Allen-Edmont Shoes Company BSZ (2000, p.378) & WSJ (1993, march, 4) 113

Economia dos Recursos Humanos

Economia dos Recursos Humanos Disciplina oferecida ao Curso de MBE Executivo (5ª edição) do Programa de Pós Graduação em Economia da UFRGS. Economia dos Recursos Humanos Professor Responsável: Giácomo Balbinotto Neto. Objetivo: A economia

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL- EXPONENCIAL 1

APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL- EXPONENCIAL 1 Moisés de Andrade Resende Filho ISSN 1679-1614 APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL- EXPONENCIAL 1 Moisés de Andrade Resende Filho 2 Resumo - O modelo

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Isabel Mendes 2007-2008 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O que até agora

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

A REMUNERAÇÃO DE EXECUTIVOS BASEADA EM OPÇÕES DE AÇÕES INDEXADAS AO IBOVESPA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA

A REMUNERAÇÃO DE EXECUTIVOS BASEADA EM OPÇÕES DE AÇÕES INDEXADAS AO IBOVESPA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA 1 Área Temática: FINANÇAS A REMUNERAÇÃO DE EXECUTIVOS BASEADA EM OPÇÕES DE AÇÕES INDEXADAS AO IBOVESPA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA AUTORA ELIZABETH KRAUTER Bolsista do CNPq ekrauter@usp.br Resumo

Leia mais

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship

Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship 67 Uma análise comparativa entre a Teoria da Agência e a Stewardship (A comparative analysis between the Agency Theory and Stewardship) Angelo Antonio Davis de Oliveira Nunes e Rodrigues 1 1 Centro Universitário

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF:

DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (www.ea.ufrgs.br) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MICROECONOMIA DA REGULAÇÃO PROF: Giácomo Balbinotto Neto (Prof.

Leia mais

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Demanda de Moeda por Precaução Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Principais Modelos *Whalen (1966), QJE *Miller & Orr (1966), QJE Weinrobe (1972) SEJ Tsiang, S. C. (1969).

Leia mais

ASSIMETRIA DA INFORMAÇÃO E FALHAS DE MERCADO

ASSIMETRIA DA INFORMAÇÃO E FALHAS DE MERCADO ASSIMETRIA DA INFORMAÇÃO E FALHAS DE MERCADO André Marques, Bruno Castanho de Lima, Caio César Franqueira e Edisom Iuji Onodera 1 RESUMO Frequentemente, o vendedor de determinado produto conhece mais a

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Instituto de Educação Continuada Curso: Gestão Estratégica da Comunicação SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA B Mônica

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA SÓCIO-FUNDADOR DIREZIONE CONSULTORIA EMPRESARIAL PROFESSOR

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

GESTÃO BASEADA NO VALOR: COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE DE COOPERATIVAS DE LATICÍNIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. RESUMO

GESTÃO BASEADA NO VALOR: COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE DE COOPERATIVAS DE LATICÍNIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. RESUMO GESTÃO BASEADA NO VALOR: COMPETITIVIDADE E SUSTENTABILIDADE DE COOPERATIVAS DE LATICÍNIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Oscar Tupy Manuel Carmo Vieira Sérgio Novita Esteves Eli Schfiller Luiz Carlos Takao Yamaguch

Leia mais

APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL-EXPONENCIAL

APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL-EXPONENCIAL APLICAÇÕES E IMPLICAÇÕES DO MODELO PRINCIPAL-AGENTE À LUZ DE SUA FORMULAÇÃO LINEAR-NORMAL-EXPONENCIAL Autoria: Moisés de Andrade Resende Filho, Aureliano Angel Bressan RESUMO O modelo principal-agente

Leia mais

ARCABOUÇO TEÓRICO PARA OS ESTUDOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES À TEORIA DA AGÊNCIA

ARCABOUÇO TEÓRICO PARA OS ESTUDOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES À TEORIA DA AGÊNCIA ARCABOUÇO TEÓRICO PARA OS ESTUDOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA: OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES À TEORIA DA AGÊNCIA ENSAIO ADMINISTRAÇÃO GERAL Laíse Ferraz Correia Doutoranda em Administração no CEPEAD/NUFI/CAD/UFMG.

Leia mais

Critérios de avaliação de seguradoras

Critérios de avaliação de seguradoras Critérios de avaliação de seguradoras Junho/2004 Francisco Galiza, Consultor e Mestre em Economia (FGV) Catedrático em Rating e Estatísticas Gerenciais (ANSP) Consultor e Sócio da Empresa Rating das Seguradoras

Leia mais

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

Finanças Corporativas

Finanças Corporativas 1-1 Finanças Corporativas Prof. Edson de Oliveira Pamplona www.iepg.unifei.edu.br/edson 1 1-2 Finanças Corporativas Sumário 1. Conceitos e objetivos de Finanças Corporativas. Modalidades de organização.

Leia mais

RESUMO. Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

RESUMO. Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. RESUMO UMA ANÁLISE DA SEPARAÇÃO ENTRE A PROPRIEDADE E A GESTÃO NAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO BRASILEIRAS 1 Luana Zanetti Trindade 2 luanazanetti@fearp.usp.br Sigismundo Bialoskorski Neto 3 sig@usp.br Universidade

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Fatores determinantes da estrutura de capital

Fatores determinantes da estrutura de capital JAN. FEV. MAR. 2006 ANO XII, Nº 44 17-22 INTEGRAÇÃO 17 Fatores determinantes da estrutura de capital HERBERT KIMURA* Resumo De acordo com as premissas da teoria estabelecida por Modigliani e Miller, a

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5)

Pension Fund Investment Strategy in Brazil. Ms. Solange Vieira. (Room Document N 28, Session 5) Pension Fund Investment Strategy in Brazil Ms. Solange Vieira (Room Document N 28, Session 5) System Overview Public % Private % Total Assets ( R$ milhões) 116.895 63 68.182 37 185.077 Workers 601.514

Leia mais

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO * "We cannot solve our problems with the same thinking we used when we created them." Albert

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

TEORIA DA FIRMA: COMPORTAMENTO DOS ADMINISTRADORES, CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE

TEORIA DA FIRMA: COMPORTAMENTO DOS ADMINISTRADORES, CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE TEORIA DA FIRMA: COMPORTAMENTO DOS ADMINISTRADORES, CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE RESUMO Este artigo integra elementos da teoria da agência, da teoria dos direitos de propriedade e da teoria

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo ESBOÇO 1. Risco 2. Risco de Fluxo de Caixa 3. Risco da Taxa de Re-investimento 4. Risco da taxa de juros 5. Risco do poder de compra 6. Retornos e

Leia mais

Artigo TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE BAUMOL 7/22/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1

Artigo TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA - DEMANDA POR MOEDA - O MODELO DE BAUMOL 7/22/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO 1 DEMANDA POR MOEDA POR TRANSAÇÃO O MODELO DE BAULMOL (1952) TEORIA DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO DEMANDA POR MOEDA POR TRANSAÇÃO O MODELO DE BAULMOL (1952) Artigo BAUMOL, W,S.

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

CEAV Macroeconomia. Introdução. Prof.: Antonio Carlos Assumpção CEAV Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia : Dornbusch,

Leia mais

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO PPGE/UFRGS SELEÇÃO ADVERSA E O COLAPSO DO MERCADO DE CRÉDITO O MODELO DE MANKIW (1986) O MODELO DE MANKIW (1986) Bibliografia: MANKIW, N.G. (1986). The Allocation of Credit and Financial

Leia mais

Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777

Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777 Análise de Investimentos Disciplina: Projeto Supervisionado MS777 Aluno: Clésio Henrique da Silva RA:059815 Orientador Prof. Dr. Laércio Luis Vendite Campinas, 18 novembro de 2009 Sumário Introdução...

Leia mais

FISCAL DECENTRALIZATION AND CONTROL OF PUBLIC EXPENDITURE. Marcos Nóbrega. Visiting Scholar Harvard Law School April/08

FISCAL DECENTRALIZATION AND CONTROL OF PUBLIC EXPENDITURE. Marcos Nóbrega. Visiting Scholar Harvard Law School April/08 FISCAL DECENTRALIZATION AND CONTROL OF PUBLIC EXPENDITURE Marcos Nóbrega Visiting Scholar Harvard Law School April/08 FISCAL DECENTRALIZATION AND CONTROL OF PUBLIC EXPENDITURE Descentralization no Brasil,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONCEITOS PARA REVISÃO Este capítulo introduz vários conceitos novos que serão usados através do texto. Duas idéias deverão ser mantidas em mente enquanto

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA: CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE

GOVERNANÇA CORPORATIVA: CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE GOVERNANÇA CORPORATIVA: CUSTOS DE AGÊNCIA E ESTRUTURA DE PROPRIEDADE Richard Saito FGV-EAESP E-mail: richard.saito@fgv.br Alexandre Di Miceli da Silveira FEA-USP E-mail: alexfea@usp.br INTRODUÇÃO A estrutura

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

MEDIDAS DE PERFORMANCE COMO DETERMINANTES DE REMUNERAÇÃO DOS GESTORES: MÉRITOS DO GESTOR OU CARACTERÍSTICAS DO SETOR?

MEDIDAS DE PERFORMANCE COMO DETERMINANTES DE REMUNERAÇÃO DOS GESTORES: MÉRITOS DO GESTOR OU CARACTERÍSTICAS DO SETOR? MEDIDAS DE PERFORMANCE COMO DETERMINANTES DE REMUNERAÇÃO DOS GESTORES: MÉRITOS DO GESTOR OU CARACTERÍSTICAS DO SETOR? Flávia Zóboli DALMACIO Universidade de São Paulo e FUCAPE (Brasil) Amaury José REZENDE

Leia mais

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários

Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Sistemas de Financiamento de Seguro de Depósitos: Comentários Jean Roy, HEC-Montreal 1 IADI 2006, Rio de Janeiro Introdução Muito embora os sistemas financeiros tenham se beneficiado enormemente do progresso

Leia mais

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 17, Informação Assimétrica::EXERCÍCIOS 1. Muitos consumidores consideram uma marca conhecida como um sinal de qualidade e, por isso, estarão dispostos a pagar um preço mais

Leia mais

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS

INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS INTRODUÇÃO À ECONOMIA:CONCEITOS E PRINCÍPIOS OBJETIVOS: Apresentar conceitos importantes para entender a Ciência Econômica; Discorrer sobre os princípios que envolvem a tomada de decisões dos indivíduos.

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing

Principais constrangimentos dos actuais modelos de Pricing Mário Trinca Quando existem uma multiplicidade de Produtos / Serviços, oferecidos a diferentes segmentos de clientes, através de diversos canais de distribuição, em várias geografias, nunca é fácil responder

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato

Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade. Lupércio França Bessegato Tomada de Decisão e Distribuições de Probabilidade Lupércio França Bessegato Introdução Roteiro Tabela de Retorno e Árvore de Decisão Critérios para Tomada de Decisão Exemplos de Aplicação Referências

Leia mais

Agenda. Backgrounds. Diferenciação para o sucesso. Discussões

Agenda. Backgrounds. Diferenciação para o sucesso. Discussões Agenda Backgrounds Déficit de mão de obra Approach tradicional Mudança de paradigma: Proposta de valor do colaborador Diferenciação para o sucesso 5 estratégias: objetivos, marca, comportamento, ambiente,

Leia mais

Questões Verdadeiro/Falso

Questões Verdadeiro/Falso Bertolo Exercícios Complementares Capítulo 01 1 Questões Verdadeiro/Falso 1. A responsabilidade de um proprietário único está limitada à quantia do seu investimento na empresa. Resposta: Dificuldade:Fácil

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO INTRODUÇÃO

UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO INTRODUÇÃO ENSAIO UMA CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DE OPÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DOS CUSTOS MÁXIMOS DE AGÊNCIA RESUMO Herbert Kimura (*) Alexandre Carlos Lintz (**) Alberto Sanyuan Suen (***) O artigo apresenta uma metodologia

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável

Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Taking ESG into account Podemos evoluir para uma Economia Sustentável Investimentos Sustentáveis - O que é material para a análise e decisão de investimentos? Dos princípios aos indicadores chaves de performance

Leia mais

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano Núcleo de Inovação Comportamento Humano Inovativo Comportamento Humano Inovativo em uma organização é resultado da interação de

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira A Função Financeira MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão A Função (Financeira) Gestão Financeira: Decisões Financeiras Estruturais: 1.

Leia mais

PRIVATE EQUITY COMO FONTE DE RECURSOS PARA A EMPRESA BRASILEIRA: CONCEITUAÇÃO TEÓRICA E PERSPECTIVA PRÁTICA

PRIVATE EQUITY COMO FONTE DE RECURSOS PARA A EMPRESA BRASILEIRA: CONCEITUAÇÃO TEÓRICA E PERSPECTIVA PRÁTICA PRIVATE EQUITY COMO FONTE DE RECURSOS PARA A EMPRESA BRASILEIRA: CONCEITUAÇÃO TEÓRICA E PERSPECTIVA PRÁTICA João Neiva de Figueiredo, Ph.D. Professor do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas,

Leia mais

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 9 Jogos e Assimetria Informacional Prof. Antonio Carlos Assumpção Observações sobre jogos, assimetria Informacional Teoria dos Jogos Supondo que meus concorrentes sejam racionais e

Leia mais

A Teoria Econômica da Prática Médica

A Teoria Econômica da Prática Médica A Teoria Econômica da Prática Médica Prof. Giácomo Balbinotto Neto Economia da Saúde UFRGS Bibliografia Recomendada Cap. 15 Cap. 9 & 10 Cap. 3 (p.75-92) e Cap. 5 2 Introdução Nesta aula focamos o médico

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT

PROCESSO DE VENDAS. FALCE, Ricardo de Carvalho. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT PROCESSO DE VENDAS FALCE, Ricardo de Carvalho. GARCIA, Isabelle Penha. GOMES, Guilherme Martins. MELLO, Karoline de Almeida. Discente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Eficácia limitada FINANÇAS. por Adriana Wilner FGV-EAESP

Eficácia limitada FINANÇAS. por Adriana Wilner FGV-EAESP FINANÇAS Eficácia limitada Os escândalos financeiros envolvendo grandes corporações trouxeram para o primeiro plano a necessidade de maior vigilância sobre o comportamento de empresas e de seus principais

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 Joseellen Maciel Sousa2 Introdução O ambiente mundial esta passando por um profundo processo de transformação decorrente do alto grau de competitividade

Leia mais

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 2. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 Quero iniciar com um modelo com dois

Leia mais

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo Política de Troca de Brocas de Perfuração Autor Crystal Ball Sumário Quando perfurando certos tipos de terrenos, a performance de uma broca de perfuração diminui com o tempo devido ao desgaste. Eventualmente,

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

PORQUE NÃO HÁ SEPARAÇÃO ENTRE PROPRIEDADE E CONTROLE EM UMA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL? Thomaz Fronzaglia

PORQUE NÃO HÁ SEPARAÇÃO ENTRE PROPRIEDADE E CONTROLE EM UMA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL? Thomaz Fronzaglia 1 PORQUE NÃO HÁ SEPARAÇÃO ENTRE PROPRIEDADE E CONTROLE EM UMA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL? Thomaz Fronzaglia RESUMO A questão da separação entre propriedade e controle é importante em cooperativas agrícolas,

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003.

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. CVM BRASIL O modelo capitalista baseado na economia de mercado

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Excedente do consumidor e equação de Slutsky Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Estrutura da aula 1 Consumo contingente 2 Utilidade esperada

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

CONFLITO DE AGÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES COOPERATIVAS: UM ENSAIO TEÓRICO

CONFLITO DE AGÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES COOPERATIVAS: UM ENSAIO TEÓRICO CONFLITO DE AGÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES COOPERATIVAS: UM ENSAIO TEÓRICO Conflito de agência em organizações cooperativas... 63 Agency conflict in cooperative organizations: a theoretical approach RESUMO A

Leia mais

Stock Options: Principais Determinantes da sua Atribuição

Stock Options: Principais Determinantes da sua Atribuição Ana Isabel Morais Gestão Stock Options: Principais Determinantes da sua Atribuição As stock options têm vindo assumir um papel cada vez mais importante na estrutura financeira das entidades. O número e

Leia mais

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013

Reunião APIMEC 2013. São Paulo, 19 de dezembro de 2013 Reunião São Paulo, 19 de dezembro de Importante O presente material tem caráter somente informacional. Não constitui uma oferta ou solicitação de investimento em qualquer fundo aqui mencionado ou quaisquer

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais