PÉ DIABÉTICO I - GENERALIDADES:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PÉ DIABÉTICO I - GENERALIDADES:"

Transcrição

1 I - GENERALIDADES: PÉ DIABÉTICO Os problemas relacionados ao pé diabético são as causas mais frequentes de internação entre os pacientes diabéticos. Aproximadamente 10% da população com idade acima de 65 anos tem DIABETES MELITO, e nesse grupo o risco de amputação é de 1% por ano. 7 à 8% da população total tem DIABETES MELITO e 2/3 de todas as amputações não traumáticas de MMII estão relacionadas á complicações da DM. Cerca de 60 á 70 % dos diabéticos após 10 anos da doença apresentam algum grau de neuropatia periférica. A abordagem deve ser multidisciplinar com nutricionista,endocrinologista,cirurgião geral,cirurgião plástico,enfermeira especialista,infectologista,... II NEUROPATIA: 1

2 Lembrar que o diabetes é uma doença sistêmica! 1) A neuropatia é a causa das principais complicações do pé diabético.a deficiência de insulina leva a não metabolização do açúcar e depósito de sorbitol no vasavasorum do nervo causando a neuropatia.pode ser 2

3 => Sensitiva: Mais importante.começa após 8-10 anos de doença.manifesta-se por perda da capacidade protetora plantar e teste do monofilamento positivo.alterações somatossensitivas mínimas s/ alterações do sistema nervoso autônomo ou anestesia total da parte medial da tíbia distal(perda somática) Pelo menos 05 pontos são pesquisados com o monofilamento e testa-se a veracidade das informações colocando e às vezes não colocando o monofilamento.o melhor monofilamento é o 5.07/10mg e ele é colocado contra o pé e não passando no pé. Os sentidos vibratórios e de posição são inicialmente perdidos inicialmente deixando o paciente sem saber onde seu pé está no espaço. => Autonômica: Ocorre perda da capacidade termoreguladora do pé com alterações da sudorese levando á um membro seco com pele quebradiça e inchado(perda autônoma). O sangue não passa pelos capilares, e sim por um Shunt AV deixando uma área isquêmica e alterando a termoregulação do pé, alteração de pêlos e fâneros Portanto neste caso o paciente dissocia o membro acometido do corpo pois a propriocepção está perdida desde o início(criará pontos específicos que sofrerào pressão levando a ulceração). 3

4 Biomecânica O pico de pressão reduz no retropé e médiopé e aumenta na cabeça do 1º MTT(impulso final do hálux na marcha).os locais mais comuns de ulceração é no antepé ( cabeça dos mtt ou a IF do hálux).em 30% dos pacientes com ulcerações plantares no antepé,arterosclerose das art fibulares e tibiais contribuem para prolongar a vida da lesão. => Motora:A doença compromete a m.intríseca do pé levando á deformidades principalmente no antepé(dedos em garra, martelo, hálux valgo ou varo, etc),limitação da força do T.Aquiles e diminuição da dorsiflexão tornozelo e mediopé. Dorsiflexão limitada (<10º VN 20-25º) Varismo do pé Dedos em garra 2) A vasculopatia é no paciente diabético é responsável pela dor e gangrena e divide-se em : 4

5 => Macroangiopatia: doença ATEROSCLERÓTICA OCLUSIVA, acomete mais frequentemente a Artéria Poplítea Distal e Tibial. A aterosclerose é encontrada em até 50% dos pacientes diabéticos com mais de 10 anos de evolução da doença. => Microangiopatia : corresponde á uma espessamento da camada íntima dos capilares e arteríolas do pé levando á um défict de difusão(dificuldade de passagem dos nutrientes para o espaço extra vascular) e não de oclusão. III EXAME FÍSICO: => Pele: observar aspectos tróficos como coloração(normal, pálida o cianótica),ausência de pêlos, temperatura(aumenteada ou diminuída). => Exame vascular: graduação(presente, diminuído ou ausentes) da palpação do pulso da art tibial posterior e pedioso(art dorsal do pé). Outros testes para avaliação vascular: - Tempo de enchimento venoso: paciente em decúbito dorsal eleva o membro acometido com o joelho á 45º. Em seguida o paciente senta-se e observa o tempo de enchimento de uma determinada veia(pediosa) : normal(< 20 seg), anormal(> 20 seg, corresponde á insuficiência arterial) - Tempo de enchimento capilar: pressão digital na pele plantar do hálux por 05 seg e a volta á cor original deve-se dar em 05 seg(circulação normal) => Exame neurológico: reflexo patelar, aquileu, testes motores c/ e s/ resitência para os músculos do pé e tornozelo. Avaliação da sensibilidade utilizando monofilamentos de náilon posicionados perpendicular á pele e pressionados até que se curve (método de 5

6 Semmes Weinstein). Avaliação da propriocepção com diapasão nas regiões maleolares e dorsal do pé. Após análise vascular e neurológica,classifica-se o pé diabético: IV - CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER: Wagner desenvolveu um sistema de classificação para úlceras plantares diabéticas e um algoritmo para o tto.ele afirma que o índce isquêmico derivado das pressões do fluxo doppler cosntitui um teste básico essencial para prever a cicatrização da úlcera, bem como para prever a cicatrização de amputação se necessária. Grau 0 pele intacta mas deformidades ósseas produzem um pé em risco. Grau I ulcera superficial localizada Grau II úlcera profunda até o tendão,osso, ligamento ou articulação. Grau III abcesso profundo,osteomielite Grau IV gangrena de dedos ou antepé. Grau V gangrena do pé inteiro A finalidade desta classificação é esclarecer o prognóstico e plano de tto subjacente.entretanto os graus de condições patológicas associadas dificultam a padronização de procedimentos *úlcera plantar é sinal de hiperpressão mecânica em local de sensibilidade diminuída =>além da classificação de Wagner, utilizamos o índice isquêmico ou sistólico: É a relação entre a pressão no tornozelo e a braquial. <1 doença vascular periférica Entre 0,45 e 1 boa perspectiva de cicatrização <0,45 encaminhar ao cirurgião vascular A relação tornozelo/braço >0,6 / pressão absoluta do tornozelo >= 70mmHg ou pressão absoluta do dedo >=40mmHg são indicadores que uma amputação parcial do pé deve cicatrizar-se desde que a calcificação das paredes arteriais não estejam falsificando estes valores. 6

7 Classificação de BRODSKY - Classificação mais recente e não inclui gangrena. Grau 0 pele intacta, mas representa lesão pré ulcerativa, com eritema,calo e possível hemorragia intradérmica. Grau I úlcera de pele de espessura total,mas não ultrapassa tecido subcutâneo Grau II até o tendão e cápsula articular, mas nem a articulação e nem o osso visíveis. Grau III osso e articulação expostos = osteomielite ou pioartrose. O pé ulcerado sem pulsos necessita pelo menos de um doppler,cirurgião vascular periférico e laboratório.o índice isquêmico pode ser útil( se valores confiáveis) Qualquer úlcera de antepé <= 3cm com bons pulsos podálicos pode ser tratada com gesso contato total,mesmo com osteomielite ( se área pequena de osso).a úlcera do retropé não é tão boa quanto a do antepé para cicatrizar, porém cicatriza se pulso tibial posterior presente 7

8 e forte.requer GCT, porém sem carga total. Antibioticoterapia usado se abscesso drenado, celulite presente ou osteomielite/pioartrose precedidos por culturas.um parecer do infectologista pode ser necessário.a infecção no pé diabético tem 2 características principais:é polimicrobiana(4,8 a 5,8 bactérias) e mais abrangente do que aparenta,não costuma dar febre e sinais flogísticos podem não aparecer. As espécies proteus e enterocci são as aeróbicas mais encontradas Requerem muitos debridamentos quando comparadas as infectadas somente com stafilococos aureus Osteomielite por contigüidade stafilos e streptococos são os mais encontrados e em mais de 50% casos tem bacilos gram - - proteus,klebsiela,escherichia e pseudomonas Teste do probe coloca-se um probe na ferida, se tocar no ossso = osteomielite.não precisa de exame confirmatório e eimplica tto cirúrgico. A oxigenioterapia sistêmica hiperbárica(osh) pode ajudar no tto, assim como a terapia de pressão negativa. 8

9 Diagnóstico da osteomielite RX 7-10 dias osteopenia TC desvantagem pelo pouco contraste com as partes moles RM padrão ouro.visualiza a medula óssea e menos falso-positivo. Deformidades fixas do pé devem ser corrigidas para prevenir a formação de úlceras.nem mesmo um calo pode ser ignorado pois representa ponto de hiperpressão localizada. Correção de dedos em garra nas MTF e IF Artrodese da IF do hálux Ressecção da cabeça de 1 ou + MTT Alongamento T.Aquiles melhor tto isolado para ulceração recorrente do antepé com irrigação boa V - TRATAMENTO: => Grau 0: pele íntegra.o objetivo é previnir o aparecimento de úlceras mediante uso de palmilhas e medidas médico educacionais ao paciente e familiares, como: nunca andar descalço, examinar os pés todos os dias, evitar queimaduras com banhos de água morna ou bolsas térmicas, lavar os pés diariamente, etc. => Grau I: ulcera superficial,sem infecção.o objetivo é o aliviar a pressão mecânica na área ulcerada mediante: repouso no leito com curativos diários, palmilhas moldadas respeitando as áreas de pressão, botas gessadas leves sem carga ou gesso de contato total(gct) com dedos descobertos ou encobertos. Vantagens do GCT: - distribui a pressão mecânica por toda a região plantar 9

10 - diminui o edema intersticial (GCT funciona como uma bomba venosa ) -trocado de 07 á 10 dias(sendo desnecessários curativos diários) - Após a epitelização da úlcera (retorno ao grau 0) o tratamento é complementado com o uso de palmilhas adequadas protegendo os pontos de pressão. => Grau II: ulceras mais profundas atingindo tendão,cápsula articular,lig ou fáscia ou osso.preconiza-se o mesmo tratamento para o grau I (GCT com cicatrização mestimada para 6-8 sem) porém se houver recidiva ou dificuldade de fechamento mesmo com o gesso fechado pode ser necessário uma eventual correção cirúrgica das deformidades fixas(ostectomias,ressecção cabeça metatarsal,descompressão n.tibial,etc.) => Grau III : úlcera com infecção ativa,abcesso,osteomielite pioartrose.o tratamento é cirúrgico mediante internamento e drenagem e desbridamento amplo(remoção de todo tecido infectado ou necrótico seja partes moles ou ósseas). Faz-se a cultura com antibiograma 10

11 de secreção da região mais profunda da úlcera.usa penicilina + aminoglicosídeo até a cultura chegar. As lesões devem ser deixadas abertas e novos desbridamentos podem ser necessários.osso infectado deve ser excisado Após controlado o quadro infeccioso o pé é reclassificado como tipo I ou II e tratado de maneira adequada. Pode-se optar pelo fechamento retardado, granulação por 2º intenção ou fechamento com GCT até a epitelização da pele. =>Grau IV: gangrena do antepé.a amputação é a regra e divide-se em níveis: dedos(s), raio(s), transmetatarsal, desarticulação tarsometatarsal(lisfrank), desarticulação no mediopé(chopart), desarticulação no tornozelo(syme). Caso a gangrena seja seca, sem infecção, e limitada pode-se até aguardar a mumificação e a consequente auto amputação(a área necrótica funciona como um curativo biológico aguardando a granulação).gangrena seca pode aguardar a amputação natural após mimificação,contudo se infecção ampitação aberta.índice sistólico > 0,45 permite amputação tipo SYME que tem a vantagem: Manter comprimento do membro 11

12 Utiliza coxim do calcâneo como parte do apoio Fácil prostetização Desvantagens: Problemas no coto Retardo de cicatrização e úlceras por deficiência proprioceptiva Amputações até o antepé(lisfranc) permitem boa marcha e calçados.a do mediopé(chopart) produzem coto de difícil protetização,sendo preferível fazer tipo Syme. => Grau V:gagrena de todo o pé.amputação abaixo, ao nível ou acima do joelho, dependerá do estado vascular. Em algumas situações deve ser feita em caráter de urgência evitando que o paciente apresente septicemia, choque séptico, insuficiência renal aguda, etc. * A amputação em um estágio evita uma segunda cirurgia, mas não permite fechar a pele.a amputação em 2 estágios necessita de um 2º procedimento(3-5dias após), porém menos complicações com a ferida e hospitalização. MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA EVITAR A EVOLUÇÃO DA INFECÇÃO NO PÉ DIABÉTICO: 1. A necrose tissular é removida. 2. Tecido infectado é aberto, providenciando rapidamente uma drenagem. 3. Deve-se entrar inicialmente com antibióticos de alto espectro, até obter o resultado da cultura da ferida (a partir daí fazse uma antibiocoterapia mais específica). 4. A isquemia deve ser diagnosticada sem a necessidade de exames invasivos pois: 12

13 Se a circulação estiver normal (pulsos palpáveis), observa se há NEUROPATIA Se a circulaçào estiver comprometida (pulsos não palpáveis) será um importante fator de obstrução 5.Quando a Artéria Femoral ou Tibial estão ocluídas é conveniente fazer uma ARTERIOGRAFIA, para demonstrar o estado das artérias do pé. ARTROPATIA NEUROPÁTICA (Pé de Charcot) I GENERALIDADES: A fratura neuropática pode ser o primeiro sinal de diabetes ainda não diagnosticado..corresponde á uma perda da integridade estrutural do arcabouço ósseo do pé levando á uma deformidade por colapso(principalmente na art tarsometatarsiana).comumente vista em pés diabéticos seguida da neurossífilis e seringomielia. Também é vista na hanseníase, mielodisplasia, paraplegia e alcoolismo. II FISIOPATOLOGIA: 13

14 Postula-se que ocorra uma perda do controle autônomo da vascularização levando á um aumento do fluxo sanguíneo(até 5 vezes o normal) de repouso que resulta em uma osteopenia(aumento da absorção óssea). Este quadro associado á insultos mecânicos( de pequena energia) em um pé neuropático pode levar á dissolução óssea. O colapso pode ocorrer no tarso,especialmente a art. Tarsometatarsal o antepé luxa-se ou subluxa-se lateralmente produzindo antepé abduzido,retropé em valgo secundário, flexão plantar do tálus e retropé e eventualmente gastrocsóleo contraído.pode ocorrer antepé aduzido(tto mais complicado,porém menos freqüente que o aduzido).gesso bem moldado previnem essas deformidades. O colapso do navicular com graus variados de dissolução do osso pode ser tratado com gesso, sem carga.em outros casos a proeminência óssea(em geral a cuboídea) é tão assustadora que deve ser excisada da planta do pé.remover a massa até ver a art calcaneocuboídea seja exposta e cubóide ressecado dorsal ao calcâneo. III QUADRO CLÍNICO: O indício clínico característico da neuropatia é o calor e edema 14

15 localizados,desproporcional ao trauma.esse achado é precussor da fase inflamatória.a cintilografia óssea é positiva nesta fase.não tem dor. 25% NÃO DIAGNOSTICADO NA FASE INICIAL Nos pés acometidos o antepé está em abdução(subluxação lateral), retropé valgo com flexão plantar do talus e contração do gastro sóleo. A cintilografia óssea com tecnécio mostram as primeiras alterações.eletromiogranma podem mostar comprometimento nervoso,especialmente o nervo sural e fibrilação do músculo com redução ds potenciais de ação.se nesta fase o pé for imobilizado e restrita a carga, a lesão pode regredir sem deformidades. O sistema de classificação e estadiamento útil é o de EICHENHOLTZ,baseado em achados radiográficos, em vez de clínicos. Estágio 0 pé em risco diabético com neuropatia que sofreu trauma fechado com ou sem fratura.estão incluídos os insensíveis ao monofilamento 5,07,radiografias negativas ou osteoporose. Estágio I edema,eritema e calor unilaterais,rx mostra fragmentação óssea,subluxação,luxação de articulações. Estágio II - edema,eritema e calor regridem - início da reparação;rx mostra coalesceñcias de pequenos fragmentos de fratura e absorção de finos detritos ósseos. Estágio III continuidade do processo de resolução.ausência ou edema mínimos,eritema ou 15

16 calor aumentados;rx mostra consolidação e remodelação da fratura. Classificação de Brodsky classificação anatômica de lesões neuroartropáticas Tipo I 60-70%casos.Localizada no medipé e raramente associada a instabilidade crônica.proeminências ósseas plantares e mediais. 16

17 Tipo II 20%.Acomete o retropé.caracteriza-se por instabilidade e requer tempo prolongad para a consolidação óssea. Tipo IIIA envolve o tornozelo instabilidade grave e requer muito tempo para a consolidação. Tipo IIIB acomete o calcâneo geralmente com fratura-avulsão patológica do tub posterior com pé plano progressivo e incompetência do T.Aquiles. IV DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL - Gota,osteomielite e celulite fazem parte do diagnóstico diferencial na fase inicial. V TRATAMENTO: Se fratura ou fratura-luxação depende do estágio clínico,características radiográficas,presença de luxação ou subluxação,magnitude das deformidades. Conservador imobiloização,elevação do membro retirada da carga até que chegue ao estádio III ou consolidação, chegando a sem com carga parcial por mais 6 meses. 17

18 No estagio inflamatório agudo o pé é imobilizado em gesso fechado(sem sustentação de peso) até a regressão do quadro, evitando assim a deformidade significativa. No caso de deformidade em abdução do antepé utiliza-se um gesso fechado após redução e fixação percutânea. Cirúrgico Antes de operar orientar bem o paciente sob as complicações pós op e insucessos. Artrodeses(procedimentos de salvação) sempre complementado com imobilização sem carga por sem e carga parcial por mais 6 meses. Abordagem da equipe multidisciplinar. Higroma plantar - No colapso do navicular o cubóide forma uma protuberância óssea devendo ser excisado Pós op examinar a ferida em 72-96hs e eum novo aparelho gessado de descarga é aplicado sobre um curativo macio.mantém sem peso por 4-8 sem.um sapato moldado ou órtese tornozelo com montantes é aplicada. Bibliografia Turek,Sizínio,Campbell vol 4 PÉ DIABÉTICO I - GENERALIDADES: Os problemas relacionados ao pé diabético são as causas mais frequentes de internação entre os pacientes diabéticos. Aproximadamente 10% da população com idade acima de 65 anos tem DIABETES MELITO, e nesse grupo o risco de amputação é de 1% por ano. Além disso é importante ressaltar que 7 à 8% da população total tem 18

19 DIABETES MELITO e 2/3 de todas as amputações não traumáticas de MMII estão relacionadas á complicações da DM. Cerca de 60 á 70 % dos diabéticos após 10 anos da doença apresentam algum grau de neuropatia periférica. II - PATOGÊNESE: 1) A neuropatia é a causa das principais complicações do pé diabético.pode ser => Sensitiva: alterações somatossensitivas mínimas s/ alterações do sistema nervoso autônomo ou anestesia total da parte medial da tíbia distal(perda somática) => Autonômica: e ausência completa de sudorese levando á um membro seco, descamativo e inchado(perda autônoma). Portanto neste caso o paciente dissocia o membro acometido do corpo pois a propriocepção está perdida desde o início(criará pontos específicos que sofrerào pressão levando a ulceração). Os locais mais comuns de ulceração são a cabeça dos mtt ou a art if do hálux. Conseqüentemente a infecção(polimicrobiana) se desenvolverá de maneira rápida e progressiva sem causar tantos sinais e sintomas. Os pacientes tomam conhecimento da infecção devido a drenagem da secreção purulenta e o forte odor. => Motora: fraqueza ou paralisia da musculatura intríseca do pé levando á deformidades principalmente no antepé(dedos em garra, martelo, hálux valgo ou varo, etc) seguido do mediopé. 2) A vasculopatia é no paciente diabético é responsável pela dor e gangrena e divide-se em : => Macroangiopatia: doença ATEROSCLERÓTICA OCLUSIVA, acomete mais frequentemente a Artéria Poplítea Distal e Tibial. A aterosclerose é encontrada em até 50% dos pacientes diabéticos com mais de 10 anos de evolução da doença. => Microangiopatia : corresponde á uma espessamento da camada íntima dos capilares e arteríolas do pé levando á um défict de difusão(dificuldade de passagem dos nutrientes para o espaço extra vascular) e não de oclusão. III EXAME FÍSICO: => Pele: observar aspectos tróficos como coloração(normal, pálida o cianótica),ausência de pêlos, temperatura(aumenteada ou diminuída). => Exame vascular: graduação(presente, diminuído ou ausentes) da palpação do pulso tibial posterior e pedioso. Outros testes para avaliação vascular: - Tempo de enchimento venoso: paciente em decúbito dorsal eleva o membro acometido com o joelho á 45º. Em seguida o pciente senta-se e observa o tempo de enchimento de uma determinada veia(pediosa) : normal(< 20 seg), anormal(> 20 seg, corresponde á insuficiência arterial) - Tempo de enchimento capilar: pressão digital na pele plantar do hálux por 05 seg e a volta á cor original deve-se dar em 05 seg(circulação normal) => Exame neurológico: reflexo patelar, aquileu, testes motores c/ e s/ resitência para os músculos do pé e tornozelo. Avaliação da sensibilidade utilizando monofilamentos de náilon posicionados perpendicular á pele e pressionados até que se curve (método de Semmes Weinstein). Avaliação da propriocepção com diapasão nas regiões maleolares e dorsal do pé. IV - CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER: 19

20 V - TRATAMENTO: => Grau 0: o objetivo é previnir o aparecimento de úlceras mediante uso de palmilhas e medidas médico educacionais ao paciente e familiares, como: nunca andar descalço, examinar os pés todos os dias, evitar queimaduras com banhos de água morna ou bolsas térmicas, lavar os pés diariamente, etc. => Grau I: o objetivo é o aliviar a pressão mecânica na área ulcerada mediante: repouso no leito com curativos diários, palmilhas moldadas respeitando as áreas de pressão, botas gessadas leves sem carga ou gesso de contato total(gct) com dedos descobertos ou encobertos. Vantagens do GCT: - distribui a pressão mecânica por toda a região plantar - diminui o edema intersticial (funciona como uma bomba venosa ) - trocado de 07 á 10 dias(sendo desnecessários curativos diários) Após a epitelização da úlcera (retorno ao grau 0) o tratamento é complementado com o uso de palmilhas adequadas protegendo os pontos de pressão => Grau II: preconiza-se o mesmo tratamento para o grau I, porém se houver recidiva ou dificuldade de fechamento mesmo com o gesso fechado pode ser necessário uma eventual correção cirúrgica das deformidades fixas => Grau III : tratamento é cirúrgico mediante drenagem e desbridamento amplo(remoção de todo tecido infectado ou necrótico seja partes moles ou ósseas). Faz-se a cultura com antibiograma de secreção da região mais profunda da úlcera. As lesões devem ser deixadas abertas e novos desbridamentos podem ser necessários. Após controlado o quadro infeccioso o pé é reclassificado como tipo I ou II e tratado de maneira adequada. Pode-se optar pelo fechamento retardado, granulação por 2º intenção ou fechamento com GCT até a epitelização da pele. => Grau IV: a amputação é a regra e divide-se em níveis: dedos(s), raio(s), transmetatarsal, desarticulação tarsometatarsal(lisfrank), desarticulação no mediopé(chopart), desarticulação no tornozelo(syme). Caso a gangrena seja seca, sem infecção, e limitada pode-se até aguardar a mumificação e a consequente auto amputação(a área necrótica funciona como um curativo biológico aguardando a granulação). => Grau V: amputação abaixo, ao nível ou acima do joelho, dependerá do estado vascular. Em algumas situações deve ser feita em caráter de urgência evitando que o paciente apresente septicemia, choque séptico, insufici~encia renal aguda, etc. MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA EVITAR A EVOLUÇÃO DA INFECÇÃO NO PÉ DIABÉTICO: 1. A necrose tissular é removida. 2. Tecido infectado é aberto, providenciando rapidamente uma drenagem. 3. Deve-se entrar inicialmente com antibióticos de alto espectro, até obter o resultado da cultura da ferida (a partir daí faz-se uma antibiocoterapia mais específica). 4. A isquemia deve ser diagnosticada sem a necessicace de exames invasivos pois: Se a circulação estiver normal (pulsos palpáveis), observa se há NEUROPATIA Se a circulaçào estiver comprometida (pulsos não palpáveis) será um importante fator de obstrução 5.Quando a Artéria Femoral ou Tibial estão ocluídas é conveniente fazer uma ARTERIOGRAFIA, para demonstrar o estado das artérias do pé. ARTROPATIA NEUROPÁTICA (Pé de Charcot) I GENERALIDADES: 20

21 Corresponde á uma perda da integridade estrutural do arcabouço ósseo do pé levando á uma deformidade por colapso(principalmente na art tarsometatarsiana).comumente vista em pés diabéticos seguida da neurossífilis e seringomielia. Também é vista na hanseníase, mielodisplasia, paraplegia e alcoolismo. II FISIOPATOLOGIA: Postula-se que ocorra uma perda do controle autônomo da vasculatura levando á um aumento do fluxo sanguíneo de repouso que resulta em uma osteopenia(aumento da absorção óssea). Este quadro associado á insultos mecânicos( de pequena energia) em um pé neuropático pode levar á dissolução óssea. III QUADRO CLÍNICO: O quadro clínico inicial é ausência de dor, calor e tumefação desproporcional ao grau de lesão. Nos pés acometidos o antepé está em abdução(subluxação lateral), retropé valgo com flexão plantar do talus e contração do gastro sóleo. A cintilografia óssea com tecnécio mostram as primeiras alterações. IV TRATAMENTO: No estagio inflamatório agudo o pé é imobilizado em gesso fechado(sem sustentação de peso) até a regressão do quadro, evitando assim a deformidade significativa. No caso de deformidade em abdução do antepé utiliza-se um gesso fechado após redução e fixação percutânea. No colapso do navicular o cubóide forma uma protuberância óssea devendo ser excisado PÉ DIABÉTICO I - GENERALIDADES: Os problemas relacionados ao pé diabético são as causas mais frequentes de internação entre os pacientes diabéticos. Aproximadamente 10% da população com idade acima de 65 anos tem DIABETES MELITO, e nesse grupo o risco de amputação é de 1% por ano. Além disso é importante ressaltar que 7 à 8% da população total tem DIABETES MELITO e 2/3 de todas as amputações não traumáticas de MMII estão relacionadas á complicações da DM. Cerca de 60 á 70 % dos diabéticos após 10 anos da doença apresentam algum grau de neuropatia periférica. II - PATOGÊNESE: 1) A neuropatia é a causa das principais complicações do pé diabético.pode ser => Sensitiva: alterações somatossensitivas mínimas s/ alterações do sistema nervoso autônomo ou anestesia total da parte medial da tíbia distal(perda somática) 21

22 => Autonômica: e ausência completa de sudorese levando á um membro seco, descamativo e inchado(perda autônoma). Portanto neste caso o paciente dissocia o membro acometido do corpo pois a propriocepção está perdida desde o início(criará pontos específicos que sofrerào pressão levando a ulceração). Os locais mais comuns de ulceração são a cabeça dos mtt ou a art if do hálux. Conseqüentemente a infecção(polimicrobiana) se desenvolverá de maneira rápida e progressiva sem causar tantos sinais e sintomas. Os pacientes tomam conhecimento da infecção devido a drenagem da secreção purulenta e o forte odor. => Motora: fraqueza ou paralisia da musculatura intríseca do pé levando á deformidades principalmente no antepé(dedos em garra, martelo, hálux valgo ou varo, etc) seguido do mediopé. 2) A vasculopatia é no paciente diabético é responsável pela dor e gangrena e divide-se em : => Macroangiopatia: doença ATEROSCLERÓTICA OCLUSIVA, acomete mais frequentemente a Artéria Poplítea Distal e Tibial. A aterosclerose é encontrada em até 50% dos pacientes diabéticos com mais de 10 anos de evolução da doença. => Microangiopatia : corresponde á uma espessamento da camada íntima dos capilares e arteríolas do pé levando á um défict de difusão(dificuldade de passagem dos nutrientes para o espaço extra vascular) e não de oclusão. III EXAME FÍSICO: => Pele: observar aspectos tróficos como coloração(normal, pálida o cianótica),ausência de pêlos, temperatura(aumenteada ou diminuída). => Exame vascular: graduação(presente, diminuído ou ausentes) da palpação do pulso tibial posterior e pedioso. Outros testes para avaliação vascular: - Tempo de enchimento venoso: paciente em decúbito dorsal eleva o membro acometido com o joelho á 45º. Em seguida o pciente senta-se e observa o tempo de enchimento de uma determinada veia(pediosa) : normal(< 20 seg), anormal(> 20 seg, corresponde á insuficiência arterial) - Tempo de enchimento capilar: pressão digital na pele plantar do hálux por 05 seg e a volta á cor original deve-se dar em 05 seg(circulação normal) => Exame neurológico: reflexo patelar, aquileu, testes motores c/ e s/ resitência para os músculos do pé e tornozelo. Avaliação da sensibilidade utilizando monofilamentos de náilon posicionados perpendicular á pele e pressionados até que se curve (método de 22

23 Semmes Weinstein). Avaliação da propriocepção com diapasão nas regiões maleolares e dorsal do pé. IV - CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER: V - TRATAMENTO: => Grau 0: o objetivo é previnir o aparecimento de úlceras mediante uso de palmilhas e medidas médico educacionais ao paciente e familiares, como: nunca andar descalço, examinar os pés todos os dias, evitar queimaduras com banhos de água morna ou bolsas térmicas, lavar os pés diariamente, etc. => Grau I: o objetivo é o aliviar a pressão mecânica na área ulcerada mediante: repouso no leito com curativos diários, palmilhas moldadas respeitando as áreas de pressão, botas gessadas leves sem carga ou gesso de contato total(gct) com dedos descobertos ou encobertos. Vantagens do GCT: - distribui a pressão mecânica por toda a região plantar - diminui o edema intersticial (funciona como uma bomba venosa ) - trocado de 07 á 10 dias(sendo desnecessários curativos diários) Após a epitelização da úlcera (retorno ao grau 0) o tratamento é complementado com o uso de palmilhas adequadas protegendo os pontos de pressão 23

24 => Grau II: preconiza-se o mesmo tratamento para o grau I, porém se houver recidiva ou dificuldade de fechamento mesmo com o gesso fechado pode ser necessário uma eventual correção cirúrgica das deformidades fixas => Grau III : tratamento é cirúrgico mediante drenagem e desbridamento amplo(remoção de todo tecido infectado ou necrótico seja partes moles ou ósseas). Faz-se a cultura com antibiograma de secreção da região mais profunda da úlcera. As lesões devem ser deixadas abertas e novos desbridamentos podem ser necessários. Após controlado o quadro infeccioso o pé é reclassificado como tipo I ou II e tratado de maneira adequada. Pode-se optar pelo fechamento retardado, granulação por 2º intenção ou fechamento com GCT até a epitelização da pele. => Grau IV: a amputação é a regra e divide-se em níveis: dedos(s), raio(s), transmetatarsal, desarticulação tarsometatarsal(lisfrank), desarticulação no mediopé(chopart), desarticulação no tornozelo(syme). Caso a gangrena seja seca, sem infecção, e limitada pode-se até aguardar a mumificação e a consequente auto amputação(a área necrótica funciona como um curativo biológico aguardando a granulação). => Grau V: amputação abaixo, ao nível ou acima do joelho, dependerá do estado vascular. Em algumas situações deve ser feita em caráter de urgência evitando que o paciente apresente septicemia, choque séptico, insufici~encia renal aguda, etc. MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA EVITAR A EVOLUÇÃO DA INFECÇÃO NO PÉ DIABÉTICO: 1. A necrose tissular é removida. 2. Tecido infectado é aberto, providenciando rapidamente uma drenagem. 3. Deve-se entrar inicialmente com antibióticos de alto espectro, até obter o resultado da cultura da ferida (a partir daí faz-se uma antibiocoterapia mais específica). 4. A isquemia deve ser diagnosticada sem a necessicace de exames invasivos pois: Se a circulação estiver normal (pulsos palpáveis), observa se há NEUROPATIA 24

25 Se a circulaçào estiver comprometida (pulsos não palpáveis) será um importante fator de obstrução 5.Quando a Artéria Femoral ou Tibial estão ocluídas é conveniente fazer uma ARTERIOGRAFIA, para demonstrar o estado das artérias do pé. NEUROPÁTICA (Pé de Charcot) ARTROPATIA I GENERALIDADES: Corresponde á uma perda da integridade estrutural do arcabouço ósseo do pé levando á uma deformidade por colapso(principalmente na art tarsometatarsiana).comumente vista em pés diabéticos seguida da neurossífilis e seringomielia. Também é vista na hanseníase, mielodisplasia, paraplegia e alcoolismo. II FISIOPATOLOGIA: Postula-se que ocorra uma perda do controle autônomo da vasculatura levando á um aumento do fluxo sanguíneo de repouso que resulta em uma osteopenia(aumento da absorção óssea). Este quadro associado á insultos mecânicos( de pequena energia) em um pé neuropático pode levar á dissolução óssea. III QUADRO CLÍNICO: O quadro clínico inicial é ausência de dor, calor e tumefação desproporcional ao grau de lesão. Nos pés acometidos o antepé está em abdução(subluxação lateral), retropé valgo com flexão plantar do talus e contração do gastro sóleo. A cintilografia óssea com tecnécio mostram as primeiras alterações. 25

26 IV TRATAMENTO: No estagio inflamatório agudo o pé é imobilizado em gesso fechado(sem sustentação de peso) até a regressão do quadro, evitando assim a deformidade significativa. No caso de deformidade em abdução do antepé utiliza-se um gesso fechado após redução e fixação percutânea. No colapso do navicular o cubóide forma uma protuberância óssea devendo ser excisado. 26

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 2 Sumário 1. Úlcera Venosa...3 1.2 Conceito 1.3 Fisiopatologia. 1.4 Manifestações

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Entre as complicações crônicas do diabetes mellitus (DM), as úlceras de pés

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha

Sinovite transitória do quadril. Osteomielite. Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do quadril Artrite séptica Osteomielite Dr Marcio Cunha Sinovite transitória do Quadril É a principal causa de claudicação na criança! Principal diagnóstico diferencial para artrite

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto DOR NA PERNA EM ATLETAS Ricardo Yabumoto São raros os relatos de prevalência das fraturas de estresse por esporte específico ( 10% de todas as lesões esportivas) 4,7% a 15,6% das lesões entre corredores.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Dagma Costa Enfermeira saúde da criança e adolescente Pollyane Silva Enfermeira saúde do adulto Roberta Tirone Enfermeira saúde do idoso Residencia Integrada multiprofissional

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

Manual de Adaptações de Palmilhas e Calçados

Manual de Adaptações de Palmilhas e Calçados MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica Área Técnica de Dermatologia Sanitária Manual de Adaptações de Palmilhas e Calçados Série J. ; n. 1 Brasília - DF 2002

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PONTO-FINAL CUO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DERIÇÃO: Cursos presenciais Vale 3,0 pontos para a Revalidação do TEOT PROGRAMAÇÃO: OSTEONECROSE DA CABEÇA BELÉM/ PA 18.05.2007 SEXTA-FEIRA 20:00-20:20

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO CADERNO DE PROVAS Cargo Nº. DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO Domingo, 4 de dezembro de 2011. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 ANTES

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE Resumo Diabetes Melittus é uma doença crônica que poderá acometer

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor, em setembro de 2009

Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor, em setembro de 2009 CAUSAS DA DOR EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS Resumo dos slides apresentados na Palestra realizada na Escola Bahiana de Medicina pelo Prof. Edilberto A. S. Oliveira, como convidado no Simpósio da Dor,

Leia mais

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 Francéli Marcon Garcia 2 Mara Inês Baptistella Ferão 3 RESUMO O referente

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

Propedêutica: Tripé Propedêutico: Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia.

Propedêutica: Tripé Propedêutico: Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia. Prof André Montillo Ordem de Procedimentos com o Objetivo de Diagnosticar Corretamente e Definir o Tratamento Adequado de uma Patologia. Tripé Propedêutico: Anamnese Exame Físico Exames Complementares

Leia mais

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo Articulação sinovial do tipo gínglimo As extremidades inferiores da Tíbia e Fíbula formam um entalhe onde se ajusta a tróclea do Tálus, que tem forma de roldana. Tálus

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM 1 ALMEIDA, Pâmela Batista 1 BUDÓ, Maria de Lourdes Denardin 2 SILVEIRA, Celso Leonel 3 ROSA, Adonias Santos 4 SILVA, Silvana Oliveira 5 SILVA, Silvana

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé

Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé Grande parte dos problemas nos pés são causados por calçados mau adaptados.

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011

REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES. Frederico Cavalheiro Março 2011 REUNIÃO TEMÁTICA ANGIOGRAFIA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE PATOLOGIA ISQUÉMICA MEMBROS INFERIORES Frederico Cavalheiro Março 2011 INTRODUÇÃO Doença vascular periférica, pode corresponder a qualquer entidade

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

NEUROLOGIA. Profa Vanessa C Costa da Silva

NEUROLOGIA. Profa Vanessa C Costa da Silva NEUROLOGIA Profa Vanessa C Costa da Silva CONTEÚDO: SNC Sistema piramidal Sistema extrapiramidal SNP Paralisia facial Esclerose lateral amiotrófica Distrofia muscular Síndrome de Brown-Sequard Lesão medular

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Reabilitação Pós-amputação

Reabilitação Pós-amputação Reabilitação Pós-amputação Nelson De Luccia INTRODUÇÃO Considerando que as amputações associadas às doenças vasculares periféricas são praticadas em grande maioria nos membros inferiores, 4 o conceito

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO DA PREVENÇÃO AO TRATAMENTO DAS FERIDAS NEM SEMPRE SE ACERTA, MAS SEMPRE SE APRENDE... PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO RELATO DE CASO AF: n.d.n. ID: masculino, 39 anos, branco, casado, natural e procedente

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO

AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO livro: AMPUTAÇÃO E RECONSTRUÇÃO NAS DOENÇAS VASCULARES E NO PÉ DIABÉTICO autor: Nelson De Luccia editora Revinter - 2005, São Paulo CPAM - CENTRO DE PRESERVAÇÃO E APAPTAÇÃO DE MEMBROS AV. SÃO GUALTER,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

ÓRTESES DE MÃOS. ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir.

ÓRTESES DE MÃOS. ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir. ÓRTESES DE MÃOS ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir. O que é Órtose: é um dispositivo utilizado para suportar, imobilizar um segmento durante a fase de recuperação, ou para corrigir

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN

HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN Amanda Letícia J. Andreazzi Giselle Alcântara Mota Tatiane Pangone Villarino tatianevillarino@hotmail.com Paula Sandes Leite

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério grupoquadrilhuc@hotmail.com Conceito É uma doença degenerativa crônica caracterizada

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata. Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008

Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata. Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008 Tecnologias Atuais para o Tratamento de Feridas Hidrogel Hidrocolóide e Espuma com Prata Prof. Antonio Marinho UERJ/ABAH/UFRJ Ano: 2008 Hidrogéis Definição/ação: São redes tridimensionais de polímeros

Leia mais

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO Mário Yoshihide Kuwae 1, Ricardo Pereira da Silva 2 INTRODUÇÃO O antebraço e cotovelo apresentam características distintas quanto a cobertura cutânea, nas lesões

Leia mais