FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J /

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09"

Transcrição

1 Uberaba, 23 de março de 2012 Gabarito da Prova Prática do Processo Seletivo Interno para o cargo de Enfermeiro Possíveis diagnósticos de Enfermagem com seus respectivos planejamentos: 01) Integridade da pele prejudicada relacionada a fator mecânico (adesivos que arrancam os pêlos e ferem a pele), idade extrema, circulação alterada e redução de sensibilidade secundária a neuropatia diabética associada a úlcera varicosa em região póstero-lateral de MIE. Restaurar a integridade cutânea Realizar procedimentos para manter a área da lesão limpa; Evitar edema gravitacional elevando os MMII; Evitar o trauma dos MMII; Aliviar a pressão exercida pelas roupas de cama; Retirar obstáculos do trajeto do cliente de modo que suas pernas não sofram colisão; Evitar compressas aquecidas, sacos de água quente e banhos quentes; Estimular o cliente a retomar gradualmente a deambulação; Acautelar o cliente para evitar cruzar as pernas ou hiperflexionar o joelho Encorajar a higiene meticulosa e a hidratação da pele; Trocar o uso de esparadrapo por micropore, a fim de se evitar lesões na pele. 02) Mobilidade física prejudicada relacionada a desconforto e dor em úlcera de MIE associada à amplitude limitada de movimento, dificuldade para virar-se, marcha lenta e arrastada. Melhorar a mobilidade física Encorajar o cliente a se mover enquanto estiver no leito, virar frequentemente de um lado para outro e exercitar os MMSS para manter o tônus e a força musculares;

2 Administrar analgésicos antes de atividades agendadas, visando ajudar o cliente a participar de forma mais confortável; Ajudá-lo a virar-se e na deambulação, quando necessário. 03) Dor crônica relacionada à úlcera varicosa em região póstero-lateral de MIE (intensifica ao curativo) associada a relato verbal, evidência observada de comportamento de proteção e expressão facial. Avaliar a intensidade da dor Tranquilizar o cliente dizendo-lhe que a dor é real e o auxiliará a lidar com ela; Avaliar e registrar a dor e suas características: localização, qualidade, freqüência e duração; Administrar analgésicos conforme prescrição; Procurar prescrições adicionais quando necessário; Ensinar estratégias adicionais ao cliente para aliviar a dor e o desconforto: distração, mudança de decúbito; Monitorizar SSVV; Manipular cuidadosamente a região ulcerada ao curativo 04) Déficit potencial de autocuidado relacionado a falta de informações adequadas sobre o diabetes. Obter controle ótimo da glicose, desempenhar atividades de autocuidado para evitar complicações a curto e longo prazo e demonstrar comprometimento com o tratamento e a dieta. Orientar sobre a importância de uma dieta balanceada e fracionada, pobre em carboidratos; Avaliar conhecimentos sobre o diabetes e a adesão ao plano de cuidados; Avaliar ressecamentos e rachaduras na pele diariamente; Prevenir lesões nos pontos de pressão; Atentar para lesões orais, sangramentos e infecções; Inspecionar diariamente os pés; limpar com água morna e sabão. Secar e hidratar; Elevar os calcanhares e evitar pressão nos mesmos ao sentar-se; Evitar andar descalço, usar calçados confortáveis e cortar as unhas retas cuidadosamente;

3 Monitorar a glicose sanguinea (HGT) e administrar a insulina e hipoglicemiantes orais prescritos; Informar sobre a doença, sinais e sintomas, complicações a curto e longo prazo, tratamento e fatores de risco; Reservar tempo para ouvir o paciente a fim de reduzir sua ansiedade. 05) Risco para infecção relacionado a conhecimento insuficiente para evitar exposição a patógenos, exposição ambiental a patógenos aumentada, defesas primárias inadequadas (pele rompida) e doença crônica ( HA e diabetes mellitus) Manter o cliente sem infecção Manter técnica asséptica nas mudanças do curativo; Inspecionar a úlcera quanto a eritema em bordas, pontos hemorrágicos, características da secreção e odor; Monitorar SSVV diariamente; Administrar antibióticos EV, conforme indicado; Estimular o uso de saco plástico ao banho para proteger a úlcera. 06) Conhecimento deficiente para a HA relacionado à ausência de esquemas terapêuticos medicamentoso, relativos à doença, em domicílio associado a verbalização do problema, diz ter parado de tomar medicação há alguns anos. Fazer o cliente compreender a patologia e seu tratamento, estimular o autocuidado e manter a ausência de complicações. Orientar o cliente sobre a importância do uso regular dos medicamentos prescritos e das medidas de controle, tais como: restrição de sódio e lipídeos, aumento da ingesta de frutas e vegetais, atividades física regular e evitar o fumo; Avaliar sintomas sugestivos de complicações da HA; Monitorizar a PA; Explicar os possíveis efeitos colaterais da medicação prescrita

4 07) Padrão de sono perturbado relacionado a barulho, iluminação, despertares causados por outros, restrição física e dor em úlcera varicosa associado a despertares prolongados e três ou mais despertares durante a noite. Melhorar o padrão de sono/repouso Promover esquemas de conforto para a hora de dormir, como, por exemplo, banho morno e massagem, leite morno; Reduzir o barulho e luz; Encorajar a ficar em posição confortável; Administrar analgésico conforme prescrito antes de dormir 08) Perfusão tissular periférica ineficaz relacionada à redução do fluxo venoso associada a edema em MIE, claudicação e cicatrização. Diminuir a congestão venosa Elevar os membros acima do nível do coração; Desencorajar ficar em pé parado ou sentado por períodos prolongados; Encorajar a deambulação; Encorajar a prevenção de roupas e acessórios constritivos; Prevenir contra cruzar as pernas; Avaliar edemas 09) Risco para volume de líquidos deficiente relacionado a estado hipermetabólico, medicação (diuréticos), extremos de idade e poliúria. Manter o volume de líquidos adequados. Avaliar turgor cutâneo e membranas mucosas; Monitorar o balanço hídrico; Manter uma ingesta hídrica adequada;

5 Pesar diariamente; Investigar mudanças no estado mental/sentidos; Avaliar a presença de edema Implementação: É o início e a conclusão das ações necessárias à consecução dos resultados, definidos durante o estágio de planejamento. Envolve a comunicação do plano a todos os participantes do atendimento ao cliente. As intervenções podem ser executadas por membros da equipe de saúde, pelo cliente ou por sua família. O plano de cuidados é utilizado como um guia. A enfermeira prossegue na coleta de dados sobre a condição do cliente e sua interação com o ambiente. A implementação inclui também o registro do atendimento ao cliente em documentos adequados. Esta documentação confirma que o plano de cuidados é executado, e pode ser utilizada como um instrumento de avaliação da eficácia do plano. Avaliação: Corresponde à última fase do processo de enfermagem. Trata-se de uma fase sempre em processo que determina o quanto às metas de cuidados foram alcançadas. A enfermeira avalia o progresso do cliente, institui, caso necessário, medidas corretivas e revisa o plano de cuidados de enfermagem. Prof. João Ulisses Ribeiro Presidente da Funepu

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932.

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932. Evitar a infecção A infecção é uma complicação grave que pode ocorrer por ter as defesas diminuídas. Prevenir também depende de si. Cumpra as regras de higiene e as indicações fornecidas pela Equipa do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO Úlcera de Pressão Também conhecida como escara ou úlcera de decúbito. É definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (subcutâneo, músculo,

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Diagnóstico de Enfermagem e a Taxonomia II da North American Nursing Diagnosis Association NANDA MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Taxonomia I A primeira taxonomia da NANDA foi

Leia mais

REABILITAÇÃO CARDÍACA

REABILITAÇÃO CARDÍACA REABILITAÇÃO CARDÍACA Reabilitação cardíaca Reabilitação de pacientes cardíacos: atividades necessárias para assegurar as melhores condições físicas, sociais e mentais possíveis, de maneira que eles sejam

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM RADIOTERAPIA Janaina Pereira dos Santos Enfermeira do Centro de Radioterapia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Especialista em Pediatria e Neonatologia Especialização

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo.

Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Guia Ourofino de limpeza dos ouvidos de cães e gatos. Seguindo estas dicas, você protege e ainda dá carinho ao seu amigo. Manter limpos os ouvidos de cães e gatos, além de contribuir para sua saúde e bem-estar,

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital?

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? Cartilha de Segurança do PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? CARO PACIENTE, Esta Cartilha foi desenvolvida para orientá-lo sobre

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

BELPELE. Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g. Belpele_AR011113_Bula Paciente

BELPELE. Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g. Belpele_AR011113_Bula Paciente BELPELE Farmoquímica S/A GEL 3 mg/g BULA PACIENTE BELPELE adapaleno APRESENTAÇÕES: Gel adapaleno 3 mg/g (0,3%) embalagem contendo bisnaga com 30g. VIA TÓPICA USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO:

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Ag Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso

Leia mais

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

Acompanhamento. Sejam bem-vindos. 7 dias 1 mês 2 meses 3 meses 6 meses 1 ano

Acompanhamento. Sejam bem-vindos. 7 dias 1 mês 2 meses 3 meses 6 meses 1 ano Acompanhamento Sejam bem-vindos Nós desenvolvemos este guia para ajudá-lo a se preparar para a alta de sua criança. Muitas famílias acreditam que aprendendo e conversando antes da alta hospitalar de sua

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM

PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM - SAE é uma metodologia científica que vem sendo cada vez mais implementada na prática assistencial, conferindo maior segurança aos pacientes, melhora da qualidade

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum Hemodiálise Uma breve introdução Avitum O que é hemodiálise? Na hemodiálise, um rim artificial (hemodialisador) é usado para remover resíduos, substâncias químicas extras e fluido de seu sangue. Para colocar

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO

CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira CUIDADOS A TER COM O ANIMAL GERIÁTRICO O que devo fazer para garantir um envelhecimento com qualidade de vida ao meu animal?

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC PROCESSO: Cuidados com RN graves e/ou instáveis PROCEDIMENTO Manuseio Mínimo com Recém-nascido (RN) Grave ou Instável (CUIDADOS 1) Responsável pela execução: Equipe multiprofissional da UTI Neonatal Data

Leia mais

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA

CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA CUIDADOS NO DOMICILIO COM CATETER VESICAL DE DEMORA Mateus Antonio de Oliveira Calori 1 Paula de Cássia Pelatieri 2 RESUMO Sondagem vesical de demora é um procedimento invasivo que tem por objetivo o esvaziamento

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO PROBLEMAS CAUSADOS PELO DIABETES MELLITUS CORAÇÃO: Doença arterial coronariana e risco de infarto do miocárdio RINS: Nefropatia CÉREBRO: Acidente vascular cerebral

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO Saranádia Caeira Serafim 18, Ruth Nobre de Brito 1, Francisca Talita de Almeida Oliveira

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12. 16,44 km PLANILHA DE TREINO. Semana de treino para melhora da capacidade pulmonar.

SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12. 16,44 km PLANILHA DE TREINO. Semana de treino para melhora da capacidade pulmonar. SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 40 42 42 LONGO 5 X (6min CL / 2min CA) Trabalho muscular 6 X (5 min CL / 2 min Caminhada) Trabalho muscular 6 km CL (Pace) 5,13km (8'/km) 5,31 km (8'24"/km) 6

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS

CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS CURSO AVANÇADO DE MANUTENÇÃO DA VIDA EM QUEIMADURAS OBJETIVOS Diferenciar entre queimaduras de espessura parcial e total. Descrever o procedimento para a escarotomia do tórax e de extremidade. Discutir

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a edema macular secundário a oclusão da veia retiniana (OVR) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio

RAPILAX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Solução Oral Gotas 7,5 mg/ml picossulfato de sódio RAPILAX picossulfato de sódio APRESENTAÇÃO Solução oral contendo: 7,5 mg/ml de picossulfato de sódio em frasco

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

O QUE ESPERAR DA CONSULTA

O QUE ESPERAR DA CONSULTA Manual do Paciente Manual do paciente O QUE ESPERAR DA CONSULTA O sucesso e a segurança do procedimento cirúrgico dependem de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde,

Leia mais

A equipe que cuidará de seu filho. Sejam bem-vindos

A equipe que cuidará de seu filho. Sejam bem-vindos Sejam bem-vindos Nós desenvolvemos este guia para ajudá-lo a se preparar para a operação de sua criança. Muitas famílias acreditam que aprendendo e conversando sobre o que esperar do tratamento pode ajudar

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Conclusões científicas Tendo em conta o relatório de avaliação do PRAC sobre o RPS para

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. Serviço de Cirurgia Cardíaca. Manual do paciente, revisado em 2011. Introdução

Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. Serviço de Cirurgia Cardíaca. Manual do paciente, revisado em 2011. Introdução Hospital Universitário Clementino Fraga Filho Serviço de Cirurgia Cardíaca Manual do paciente, revisado em 2011. Introdução O serviço de Cirurgia Cardiovascular do Hospital Universitário Clementino Fraga

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Composição: Cada comprimido de VENORUTON contém 500 mg de rutosídeo. Excipientes: macrogol e estearato de magnésio. MODELO DE TEXTO DE BULA VENORUTON rutosídeo Forma farmacêutica e apresentações: Comprimidos. Embalagem contendo 20 comprimidos. Cápsulas. Embalagem contendo 20 cápsulas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição:

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA AULA 14 Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho O QUE É MANUTENÇÃO? é o termo usado para abordar a forma pela qual as organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO!

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! MAIO, MÊS DO CORAÇÃO MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! 12 A 31 DE MAIO DE 2008 EXPOSIÇÃO ELABORADA PELA EQUIPA DO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA, COORDENADA PELA ENFERMEIRA MARIA JOÃO PINHEIRO. B A R R

Leia mais

Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso. Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido

Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso. Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso Equilíbrio Dinâmico Capacidade de manter o corpo em equilíbrio

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX BORDER AG

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX BORDER AG VERSÃO 01 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX BORDER AG Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Border Ag REF: Mepilex Border Sacrum Ag 18x18cm (382090), Mepilex Border Sacrum Ag 23x23cm (382490), Mepilex

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Mecanismos de Prevenção de Quedas do Paciente

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Mecanismos de Prevenção de Quedas do Paciente Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Mecanismos de Prevenção de Quedas do Paciente Elaborado por: Luizita Henckemaier, Janeide Freitas Mello, Jeane Wechi,

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO MANUAL DO CUIDADOR PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO 3 GUIA PRÁTICO ILUSTRADO Aumente a sua qualidade de vida e a do idoso dependente também! REDE REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Siga

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES DE AUTOCUIDADO DA PESSOA PORTADORA DE DIABETES MELLITUS TIPO 2.

ESCALA DE AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES DE AUTOCUIDADO DA PESSOA PORTADORA DE DIABETES MELLITUS TIPO 2. ESCALA DE AVALIAÇÃO DAS CAPACIDADES DE AUTOCUIDADO DA PESSOA PORTADORA DE DIABETES MELLITUS TIPO 2. INSTRUÇÕES: Leia cada afirmação para o (a) entrevistado(a) e circule o número apropriado, que indica

Leia mais

Manual do Usuário BT200

Manual do Usuário BT200 Manual do Usuário BT200 INFORMAÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Por favor, mantenha este manual em local seguro para referência. 1. É importante que se leia todo este manual antes de montar e utilizar o equipamento.

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

AROMATERAPIA. - Ciclos da Vida - Câncer - Stress - Dificuldade de aprendizado

AROMATERAPIA. - Ciclos da Vida - Câncer - Stress - Dificuldade de aprendizado AROMATERAPIA - Ciclos da Vida - Câncer - Stress - Dificuldade de aprendizado CICLOS DA VIDA A versatilidade da aromaterapia, aliada à natureza delicada do tratamento, a torna adequada a todos os estágios

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Informações sobre a cirurgia

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Informações sobre a cirurgia CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA Informações sobre a cirurgia P: A RINOSSEPTOPLASTIA DEIXA CICATRIZES? R: Certos narizes permitem que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos,

Leia mais

Lesões ligamentares do tornozelo Resumo de diretriz NHG M04 (segunda revisão,agosto 2012)

Lesões ligamentares do tornozelo Resumo de diretriz NHG M04 (segunda revisão,agosto 2012) Lesões ligamentares do tornozelo Resumo de diretriz NHG M04 (segunda revisão,agosto 2012) Janneke Belo, Pieter Buis, Rogier van Rijn, Evelien Sentrop-Snijders, Sicco Steenhuisen, Clara Wilkens, Roeland

Leia mais

Artroplastia (prótese) total de joelho

Artroplastia (prótese) total de joelho Artroplastia (prótese) total de joelho A prótese do joelho está indicada quando o joelho apresenta quadro de artrite (artrose) moderada à grave ou por ou por limitação de atividades simples, como caminhar

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho

Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho PÓS-OPERATÓRIO Exercícios pós-operatórios iniciais após cirurgia de joelho Estes exercícios são importantes para aumentar a circulação em seus pés e pernas e prevenir coágulos sanguíneos. Eles também são

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a Degenerescência Macular relacionada com a Idade (DMI) neovascular (húmida) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis Este caderno

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg

Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos. 50 e 100 mg Aglucose acarbose EMS S/A. Comprimidos 50 e 100 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aglucose acarbose USO ORAL USO ADULTO APRESENTAÇÕES Comprimidos 50 mg: Caixa contendo 4, 30 e 60 comprimidos. Comprimidos

Leia mais

Protocolo para Gerenciamento de Exposição ao Berílio

Protocolo para Gerenciamento de Exposição ao Berílio Protocolo para Gerenciamento de Exposição ao Berílio Tradução da publicação original Beryllium Health Management Guidelines (Versão 1) Associação Brasileira do Alumínio - ABAL Janeiro de 2008 IAI Beryllium

Leia mais

REGISTROS DE ENFERMAGEM

REGISTROS DE ENFERMAGEM REGISTROS DE ENFERMAGEM MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ) Conceito: Os registros efetuados pela equipe de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) têm a finalidade essencial

Leia mais

MANUAL DO ALUNO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ENFERMAGEM

MANUAL DO ALUNO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ENFERMAGEM MANUAL DO ALUNO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ENFERMAGEM APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de fornecer as informações necessárias para o melhor desempenho nas atividades em campo de estágio

Leia mais