Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:"

Transcrição

1 Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em conjunto, um médico e um profissional de enfermagem. A partir do preenchimento desta ficha e com as informações obtidas nela, é que será classificado o grau de risco de cada pé separadamente, e será feita a orientação específica para cada caso, além de estabelecidas as medidas terapêuticas necessárias. Sendo assim, o preenchimento correto de tal formulário é fundamental para o acompanhamento adequado do paciente e da evolução de sua doença. FICHA : Frente 1 - Matrícula no Programa de Diabetes Mellitus (PDM): Este dado é fundamental, pois todo paciente diabético deve estar inscrito no Programa de Diabetes da sua Unidade, caso contrário providenciar sua inscrição na própria unidade. 2 - Município de Atendimento: Anotar o Município no qual o paciente está sendo efetivamente atendido. 3 - Unidade: Preencher o nome completo da Unidade de Atendimento 4 - Número: Anotar o número da Unidade de Atendimento (se houver). 5 - Nome (do paciente): O nome do paciente deve estar completo e ser escrito cuidadosamente para uma identificação perfeita. 6 - Data: Anotar a data inicial do atendimento. Sempre que o paciente tiver alta, sofrer alguma alteração importante no exame físico, sofrer algum procedimento maior, internar-se ou abandonar o tratamento, no próximo atendimento será aberta nova ficha com a respectiva data. 7 - Endereço (do paciente): Anotar o endereço completo de moradia do paciente. 8 - Município de Origem (do paciente): Lançar o Município de moradia do paciente 9 - Telefone de Contato: Anotar o telefone da residência ou de contatos para localização do paciente 10 - Prontuário: Ao iniciar o atendimento na Unidade, o paciente receberá um número de prontuário local, que deverá constar em todas as fichas de seguimento. Se houver possibilidade as fichas de acompanhamento deverão fazer parte de uma unidade especial do prontuário.

2 11 - Data de Nascimento: Informar a data com dd/mm/aaaa. Este dado nos permite avaliar a prevalência de diabetes em relação à faixa etária dos pacientes Sexo: Importante tanto na avaliação epidemiológica como na prevalência do diabetes em homens e mulheres. Marcar M para o sexo masculino e F para o sexo feminino Diabetes: Informa se o paciente já tem o diagnóstico de diabetes firmado. Em casos de dúvida, o paciente deverá ser encaminhado para confirmação do diagnóstico, preferencialmente na própria unidade Ano do diagnóstico: É de extrema importância a informação de quanto tempo o paciente tem conhecimento de que é diabético, pois as complicações ocasionadas pela doença são dependentes do tempo de exposição do indivíduo às taxas elevadas de glicemia Tempo de Diagnóstico: Calcular e anotar o tempo entre o diagnóstico do DM e a data de preenchimento da ficha.. Importante, pois a existência e a gravidade das complicações tem relação com o tempo de doença Peso: Pesar e anotar o peso em Kg no momento do preenchimento da ficha. Dado importante epidemiologicamente e para calcular o IMC e a Filtração Glomerular Altura: Medir e anotar a altura, em metros, no momento do preenchimento da ficha. Dado importante epidemiologicamente e para calcular o IMC Creatinina: A mensuração da creatinina plasmática é um método que reflete o estado da função renal. Os diabéticos sem controle glicêmico adequado sofrem precocemente e com maior intensidade de lesões nos glomérulos renais (unidade de filtração renal). A mensuração anual da creatinina e sua utilização na Fórmula de Cockcroft-Gault permitem o acompanhamento da Taxa de Filtração Glomerular com um diagnóstico mais precoce da Insuficiência Renal Crônica (IRC) e um tratamento consequentemente mais adequado. Veja na Apostila mais detalhes sobre a IRC do diabético, sua classificação e as ações a serem adotadas Filtração Glomerular: Calculada pela aplicação da Fórmula de Cockcroft-Gault. Seu resultado gera ações específicas de gerenciamento (veja na apostila) para o estadiamento, classificação e orientação dos diabéticos com lesão renal. (140 - idade em anos) X peso em kg FG = X 0,85( mulheres) 72 X valor da creatinina

3 20 - IMC (Índice de Massa Corporal): Ajuda na classificação do grau de obesidade do paciente. Os obesos tem maior facilidade de desenvolver e mais dificuldade de controlar o diabetes. É calculado pela divisão do peso em Kg pela altura, em metros, ao quadrado. Graus de Obesidade pelo IMC: Abaixo do peso = < que 18,5 Peso normal = 18,5 a 24,9 Sobrepeso = 25 a 29,9 Obesidade Grau I = 30 a 34,9 Obesidade Grau II = 35 a 35,9 Obesidade Grau III = > que 40 (Obesidade mórbida) 21 - Circunferência Abdominal: O excesso de peso pode ser agravado, em termos de risco para a saúde, pelo acúmulo de gordura na região abdominal. Isso vale mesmo para indivíduos com IMC normal. Os valores máximos, considerados para um risco aceitável, são 88 cm para mulheres e 102 cm para homens Hipoglicemiante oral: A informação do uso de hipoglicemiante oral fornece dados à Secretaria de Saúde sobre a quantidade de pacientes que usam estes medicamentos, possibilitando assim o planejamento das compras e avaliação dos custos destas drogas Micose: Quando presentes informar o Local: onicomicose (nas unhas) ou micose interdigital. As micoses estão relacionadas com complicações infecciosas nos pés. Deve-se providenciar com urgência o tratamento das lesões. O diabético tem maior facilidade de ter micose nos pés Insulina: Informar o uso de insulina, usada por pacientes que requerem um controle glicêmico mais rigoroso, têm maior custo e devem ser acompanhados em unidades específicas, com Pólos de Insulina (Link). Pacientes dependentes de insulina também têm maior índice de complicações do que aqueles não-insulino dependentes Hipertensão Arterial: A prevalência de hipertensão arterial sistêmica aumenta no paciente diabético e este deve ser estimulado a manter esta doença sob controle. É muito mais alta a presença de complicações entre os diabéticos que também são hipertensos Tabagismo: Intimamente relacionado à aterosclerose, o tabagismo deve ser combatido com persistência, explicando-se ao paciente todas as complicações e efeitos do fumo sobre a circulação. 27- Etilismo: O etilismo é muito comum e prevalece em homens. Deve ser lembrado que o álcool também é uma importante causa de neuropatia periférica, podendo piorar as complicações do diabetes Amputação: As amputações são freqüentes e a incidência de novas amputações é elevada. A existência de

4 amputação anterior muda o prognóstico e a classificação do grau de risco do pé. Anotar sempre a existência, o membro e o nível da amputação anterior (Local) Vacina Antitetânica atualizada: Tal informação é importante pois todos os pacientes devem estar devidamente vacinados para o tétano. Pacientes diabéticos que sofrerem lesões em que há risco de contaminação pela referida doença e não estiverem devidamente vacinados deverão ser encaminhados para Unidades de Referência e receber soro antitetânico Sensibilidade ao Teste de Monofilamento: Deve ser realizado em todo paciente diabético o teste de monofilamento plantar de 10 gramas para uma correta avaliação da sensibilidade e o diagnóstico da presença ou não de neuropatia sensitiva. Marcar com X na figura (da direita) os locais em que a sensibilidade ao teste de monofilamento for ausente. A existência de neuropatia sensitiva altera o grau de risco do pé e piora o prognóstico do Pé Diabético 31 - Deformidade: Anotar todas as deformidades encontradas, porém somente serão consideradas para a classificação de risco as deformidades decorrentes da neuropatia diabética (quadro de deformidades). Anotar sempre Qual e o Local das deformidades, considerando apenas as mais importantes Hiperceratose: Quando presentes anotar onde estão localizadas (pododáctilos; região plantar do ante-pé; calcanhar; etc.) - Local 33 - Infecção local: A presença de infecção piora bastante o prognóstico do Pé diabético. Nunca deve ser negligenciada e é fundamental que seja tratada o mais precocemente possível. Dependendo da gravidade e da extensão da infecção ela poderá ser tratada na Unidade Primária, ou o paciente ser encaminhado para o Pólo Secundário ou Terciário (este último nos casos de infecções extensas e graves que necessitem de internação imediata) Calçado adequado? O uso de calçados inadequados é um dos fatores mais importantes para o surgimento de lesões nos pés de pacientes diabéticos. O exame do calçado é tão importante quanto o dos pés, pois nele observamos as deformidades presentes devido aos pontos de pressão Úlceras: O aparecimento da úlcera no paciente diabético muda a história natural da doença e é um indicativo de risco muito aumentado de amputação. As úlceras que importam na classificação são aquelas decorrentes do comprometimento neuro-vascular do Pé Diabético. Úlceras de Estase (Venosas) não são consideradas para a classificação de risco. Anotar o local em que se encontram na figura da da direita na ficha e suas características no verso. Úlceras diabéticas já cicatrizadas devem ser anotadas e têm influência na classificação do grau de risco do pé, pois representam pontos de maior pressão, hiperceratose e menor vascularização Retinopatia: As lesões microvasculares da retina nos diabéticos englobam tanto a estenose como o enfraquecimento da parede dos vasos causando microaneurismas. Esses microaneurismas podem

5 romper-se e sangrar, gerando hemorragias e infiltração de gordura que podem levar ao bloqueio da visão (Retinopatia exudativa), e as oclusões vasculares podem levar a neoformações vasculares que também podem causar a perda da visão (Retinopatia proliferativa). Os diabéticos têm um risco 25 vezes maior de perderem a visão que os não diabéticos e a retinopatia atinge 75% dos diabéticos com mais de 20 anos de doença. Essa complicação também é causada pelo controle precário do Diabetes e o seu diagnóstico precoce propicia um tratamento adequado com a fotocoagulação. Nos diabéticos Tipo 2 os exames periódicos devem se iniciar logo após o diagnóstico do DM pois os pacientes, normalmente, já estão com níveis de glicemia alterados há algum tempo e devem ser realizados a cada 12 meses, no mínimo Necrose/Gangrena: A existência de áreas ou segmentos do membro já com necrose seca ou com gangrena indica um sofrimento tissular maior e exige uma atenção redobrada. Quando seca e restrita a 1 ou 2 pododáctilos isolados classifica o risco em 3D e indica o encaminhamento imediato ao Pólo Secundário. A presença de necrose seca extensa ou de gangrena úmida deve orientar a classificação do risco em 3E e exige o imediato encaminhamento à emergência de referência. Anotar se em MID ou MIE e se Localizada ou Extensa Pulsos: Os pulsos arteriais devem ser sempre verificados. Sua ausência ou diminuição indica a existência de doença arterial oclusiva, interferindo fortemente no prognóstico da doença. A dúvida ou a ausência de pulsos deve originar um encaminhamento aos Pólos Secundários. Deve-se marcar individualmente a presença dos pulsos pediosos e tibiais posteriores de ambos os pés. A presença de um dos dois pulsos (pedioso ou tibial posterior) em cada membro geralmente já é suficiente para manter uma perfusão adequada do pé, não sendo necessário obrigatoriamente que ambos os pulsos (pedioso e tibial posterior) estejam presentes num mesmo membro inferior. Não esquecer que na avaliação da circulação deve ser observada também a temperatura e a coloração dos pés, além do enchimento capilar. Pés com pulsos pedioso ou tibial posterior presentes podem apresentar frialdade, palidez ou cianose de pododáctilos em conseqüência de uma microangiopatia Classificação do Grau de Risco: É fundamental uma correta classificação do grau de risco do Pé Diabético pois ela permite que se crie uma rotina adequada e protocolada de prevenção, acompanhamento, tratamento e encaminhamento dos pacientes de acordo com o grau de risco do pé em questão. (vide quadro de graus de risco) 40 - Conduta: Caso esteja sendo realizado curativo, este deve ser anotado na ficha quanto ao tipo de curativo e a freqüência com que estão sendo realizados. Anotar também se estão sendo usados antibióticos. Em caso de resposta afirmativa, anotar o nome da droga, a dose e o tempo previsto de uso. Tais informações permitem que diferentes profissionais sigam a mesma conduta no acompanhamento do paciente e que seja feito um planejamento de compra do referidos medicamentos para atender as necessidades das Unidades de Saúde e de seus pacientes Destino do Paciente: Deve ser anotado o destino do paciente, se ele foi encaminhado para algum acompanhamento/tratamento específico dentro da própria ou de outra Unidade de Saúde, se abandonou o tratamento ou teve alta. Tais dados, além de permitirem um melhor acompanhamento de cada caso

6 clínico, proporcionam também informações para que a Secretaria de Saúde saiba das reais necessidades, produtividade, pontos críticos e possíveis falhas a serem corrigidas dentro de cada Unidade de Saúde ou de determinados setores dentro das mesmas. É considerado abandono o não comparecimento do paciente por mais de 3 meses às avaliações marcadas e convocações. 42 Condições de Encaminhamento/Alta: Anote sempre as condições clínicas do paciente na ocasião do encaminhamento/alta. 43 Data da Alta/Encaminhamento/Abandono: Anote sempre a data do desligamento do paciente do acompanhamento em sua Unidade. FICHA : Verso Ficha de acompanhamento da evolução de úlceras em Pé Diabético. Marcar sempre as colunas verticais da seguinte forma: 1 - Data: Anotar a data com dd/mm/aaaa das observações feitas referentes à úlcera. 2 - Dimensões: Anotar sempre o maior diâmetro transversal e o maior diâmetro longitudinal da úlcera em centímetros. Esse dado é importante para o acompanhamento da evolução da úlcera. 3 - Profundidade: Anotar S para úlceras superficiais (que atingem apenas a derme); P para úlceras profundas (que atinjam tecidos abaixo da derme); e O para úlceras profundas que atinjam o osso. 4 - Aspecto de fundo: A presença de odor fétido em uma úlcera é extremamente sugestivo de infecção. Portanto, devese anotar a presença de odor fétido com F e de odor não fétido com NF. Deve-se também anotar o tipo de fundo da úlcera da seguinte forma: N para fundo necrótico; F para fundo com fibrina; G para fundo com tecido de granulação; H quando há hipergranulação do fundo; M para fundo misto. 5 - Necessidade de desbridamento: A frequência com que são realizados os desbridamentos é útil para avaliar a evolução da úlcera. Deve-se marcar S em caso de desbridamento realizado na respectiva data e N caso não tenha sido realizado tal procedimento. 6 - Degermante e uso de agentes tópicos empregados:

7 Anotar os tipos de produtos tópicos usados no tratamento da úlcera. Tal informação é útil para se estabelecer uma rotina na realização dos curativos e para que a equipe de saúde, através da observação deste dado juntamente com os outros da tabela, possa observar a evolução da lesão com o uso de diferentes tipos de produto e sempre optar pelo que apresenta melhor resultado para o referido paciente. 7 Rubrica: Deve haver sempre a rubrica do profissional que preencheu a tabela para a identificação e contato com o mesmo em caso de dúvidas na interpretação dos dados anotados.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014)

Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Doença arterial periférica Resumo de diretriz NHG M13 (segunda revisão, fevereiro 2014) Bartelink MEL, Elsman BHP, Oostindjer A, Stoffers HEJH, Wiersma Tj, Geraets JJXR. traduzido do original em holandês

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 Francéli Marcon Garcia 2 Mara Inês Baptistella Ferão 3 RESUMO O referente

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib

PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves. Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA LEVE: COMO ACOMPANHAR E QUANDO INTERROMPER COM SEGURANÇA? Eliane Alves Serviço do Prof. Marcelo Zugaib PRÉ-ECLÂMPSIA Conceito Desenvolvimento de hipertensão após a 20ª semana de gestação,

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) OBJETIVOS DO APRENDIZADO SOBRE DAP 1. Aprender a DIANOSTICAR a doença 2. Identificar e tratar adequadamente os FATORES

Leia mais

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO Adelita Iatskiu (UNICENTRO), Amanda Constantini (UNICENTRO), Carolina G. de Sá (UNICENTRO), Caroline M. Roth ((UNICENTRO), Cíntia C. S. Martignago (UNICENTRO),

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 A confecção de acessos vasculares definitivos para hemodiálise (FAV) tornou-se um dos principais procedimentos realizados pelos cirurgiões vasculares em todo o mundo.

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Protocolos de Nutrição Clínica

Protocolos de Nutrição Clínica 1 Protocolos de Nutrição Clínica Teresina PI 2012 Sumário 2 1 Introdução... 02 2 Protocolo de Assistência Nutricional para Pacientes Internados... 03 3 Protocolo Mínimo de Avaliação Nutricional... 05 4

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde

Coordenação da Atenção Básica. Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Coordenação da Atenção Básica Manual de Orientação para a Unidade Básica de Saúde Secretaria Municipal da Saúde São Paulo 2006 manual_remedio_nova_versao.indd 1 31/1/2006 09:51:20 Prefeito José Serra Secretária

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE PACIENTES PORTADORES DE LESÕES/FERIDAS TEXTO EXPLICATIVO

FICHA DE CONTROLE DE PACIENTES PORTADORES DE LESÕES/FERIDAS TEXTO EXPLICATIVO FICHA DE CONTROLE DE PACIENTES PORTADORES DE LESÕES/FERIDAS TEXTO EXPLICATIVO A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese ( entrevista e exame físico) do paciente na sala

Leia mais

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde

CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. Secretaria da Área da Saúde CAMPANHA DE DIABETES E HIPERTENSÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Secretaria da Área da Saúde Anita Salvadori Randi Mestre em Enfermagem Maria Socorro Feitosa Borsio Mestre em Enfermagem Ana Rita

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE PACIENTES DIABÉTICOS PARA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE PACIENTES DIABÉTICOS PARA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DE PACIENTES DIABÉTICOS PARA PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES Carolina Gomes de Sá (ICV-UNICENTRO), Daniele Karine Ruthes (ICV- UNICENTRO), Thiago da Silva Lemos (ICV-UNICENTRO),

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

fundação portuguesa de cardiologia Nº. 12 Dr. João Albuquerque e Castro REVISÃO CIENTÍFICA: [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL] fundação portuguesa de cardiologia TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE ANEURISMAS DA AORTA ABDOMINAL Nº. 12 REVISÃO CIENTÍFICA: Dr. João Albuquerque e Castro [CIRURGIA VASCULAR DO CENTRO HOSPITALAR LISBOA CENTRAL]

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 Matias Nunes Frizzo 2, Paula Caitano Fontela 3, Eliane Roseli Winkelmann 4. 1 Pesquisa realizada no Departamento de Ciências da Vida - Curso de Farmácia

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA I Curso de Pneumologia na Graduação DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO Carlos Alberto de Assis Viegas Universidade de Brasília Faculdade de Medicina da Bahia

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos.

MODELO DE BULA. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. MODELO DE BULA Endronax alendronato de sódio FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES ENDRONAX (alendronato de sódio) 70 mg é apresentado em caixas contendo 4 comprimidos. USO ADULTO Via oral Composição: Cada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta a concessão de insumos e monitoramento da Glicemia Capilar aos portadores de Diabetes Mellitus (DM) Art. 1.º Fica aprovada concessão de insumos

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

SISTEMA HILUM HOSPITAIS

SISTEMA HILUM HOSPITAIS SISTEMA HILUM HOSPITAIS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - HOSPITAIS A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro e intercâmbio

Leia mais

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória.

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Como Superar a Disfunção Erétil (DE) e a Ejaculação Precoce (EP). Maximen Urologia Especializada O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Mensagem Importante

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC. Edema. Bárbara Ximenes Braz. barbaraxbraz@hotmail.

Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC. Edema. Bárbara Ximenes Braz. barbaraxbraz@hotmail. Universidade Federal do Ceara Programa de Educação Tutorial - PET Medicina UFC Edema Bárbara Ximenes Braz barbaraxbraz@hotmail.com Edema Excesso de líquido acumulado no espaço intersticial ou no interior

Leia mais

A Importância da Avaliação e Manejo do Pé Diabético na Prevenção de Incapacidades

A Importância da Avaliação e Manejo do Pé Diabético na Prevenção de Incapacidades A Importância da Avaliação e Manejo do Pé Diabético na Prevenção de Incapacidades Jumara Espindola dos Santos I / Luiza Helena de Oliveira Cazola II Palavras-chave: Diabetes Mellitus. Pé Diabético. Visita

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)...

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)... Betnovate valerato de betametasona Capilar FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: BETNOVATE Capilar é uma solução transparente, levemente viscosa, contendo 17-valerato de betametasona a 0,1% p/p. O veículo

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09 Uberaba, 23 de março de 2012 Gabarito da Prova Prática do Processo Seletivo Interno para o cargo de Enfermeiro Possíveis diagnósticos de Enfermagem com seus respectivos planejamentos: 01) Integridade da

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 011 / 2011 Assunto: Curso de podologia para leigos ministrado por Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira Podiatra sobre a realização de "Curso de Aperfeiçoamento

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

LINHA GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL

LINHA GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE LINHA GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL CURITIBA PR 2014 GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ Beto Richa SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO

Leia mais

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) O TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ANA CLÁUDIA LIMA RODRIGUES, KARINA FEITAL E VANESSA DINIZ DO NASCIMENTO 1. Introdução O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) inclui estratégias

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

Osteoporose Prevenção e Tratamento

Osteoporose Prevenção e Tratamento Osteoporose Prevenção e Tratamento ANDRÉA ASCENÇÃO MARQUES Abril 2013 amarques@reumahuc.org Osteoporose É uma doença onde existe baixa densidade óssea microarquitetura do osso. e deterioração da Osso com

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA Jeferson Santos Araujo 1 Lucialba Maria Silva dos Santos 1 Ralrizônia Fernandes Sousa 1 Silvio Éder Dias

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira

COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira NOSSA HISTÓRIA... LOGÍSTICA Dois Centro Cirúrgicos (Ala Oeste e Ala Lane) 05 Salas Ala Lane (01 Sala de Parto, 01 Sala

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais