Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados. Versão 1.0"

Transcrição

1 Ajuda On-line - Sistema de Central de Materiais Esterilizados Versão 1.0

2 Sumário Central de Materiais Esterilizados 3 1 Manual... de Processos - Central de Materiais Esterilizados 4 Fluxos do... Processo de Esterilização 5 Movimentações... dos Instrumentais 5 2 Configurações... 6 Funcionamento Tabelas Tipos de... Embalagens 10 Tipos de... Instrumentais (Ciclo) 13 Tipos de... Caixas Cirúrgicas 16 Tipo de Esterilização Cadastro... de Máquinas Esterilizadoras 20 Cadastro... da Localidade do Arsenal 23 Motivo de... Cancelamento 26 Composição... de Kits 29 Composição... de Caixas Cirúrgicas 34 4 Movimentações Expurgo Desinfecção Preparo Esterilização Digitação... dos Testes 58 Arsenal Entrada Saída Devolução Inventário Geração... de Planilha de Inventário 69 6 Consultas Localização... de Instrumentais 72 Procedimentos... CBHPM 74 Registro... de Erros na Esterilização 76 2

3 1 Central de Materiais Esterilizados Possibilita ao usuário efetuar o controle da movimentação de instrumentais na Central de Materiais Esterilizados (CME), durante todos os processos de esterilização, bem como sua guarda no arsenal. Além disso, controla a sua movimentação ao sair da CME para utilização nas demais unidades do hospital. 3

4 1.1 Manual de Processos - Central de Materiais Esterilizados OBJETIVO: Este manual revê os conceitos e os procedimentos relativos à utilização do sistema do Módulo Central de Materiais Esterilizados, procurando orientar e esclarecer as necessidades de informação dos nossos clientes e usuários. SISTEMAS RELACIONADOS: Os sistemas com os quais o Módulo de Gerenciamento de Esterilização possui relacionamento são: o Manutenção o Global o Patrimônio o Centro Cirúgico e Obstétrico o Diretoria Clínica o Almoxarifado PROCESSOS RELACIONADOS: o Processo de Expurgo o Processo de Desinfecção o Processo de Preparo o Processo de Esterilização o Processo de Entrada e Saída do Arsenal 4

5 1.1.1 Fluxos do Processo de Esterilização Movimentações dos Instrumentais 5

6 1.2 Configurações Funcionamento ACESSO RÁPIDO Selecionando o Centro de Custo CME Relacionamento de Centro de Custo com a Localidade Configurações de Funcionamento CME 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar ao usuário configurar os parâmetros de funcionamento do sistema, para definir seu modo de utilização. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Manutenção / Tabelas / Localidades 4. PROCEDIMENTOS Definindo Centro de Custo - CME Selecionar o setor para o qual será efetuada a configuração da central de esterilização. Contudo, esse campo não é obrigatório, afim de evitar impactos nos hospitais que não possuem mais de uma central de esterilização; Caso o setor informado não exista ou já tenha sido selecionado anteriormente na configuração, será exibida uma mensagem impedindo a continuidade do processo. Esse mesmo procedimento ocorrerá para as localidades que não existam ou já tenham sido selecionadas. Aba Relacionamento de Centro de Custo - CME Selecionar o código do centro de custo e da localidade aos quais estarão associados os setores de Expurgo, Desinfecção, Preparo, Esterilização, Arsenal e o local Externo; 6

7 Aba Geral Indicar se o sistema de esterilização será utilizado no hospital. Caso esteja indicado o valor "SIM", o Centro Cirúrgico fará a solicitação das caixas cirúrgicas diretamente a CME (Central de Materiais Esterilizados), com base no tipo de caixa cadastrado. Do contrário, com o valor "NÃO" a integração entre estes setores não existirá; Informar a quantidade de dias para apresentar, via relatório, os instrumentais, as caixas e os kits que perderão o prazo de validade da esterilização (quantidade de dias antes do vencimento); Indicar se os instrumentais terão localização específica no arsenal (corredor, armário/box, prateleira). Caso seja indicada a opção "SIM", o usuário deverá informar a localização do instrumental no momento de sua entrada no arsenal. Este controle é indicado para as Centrais de Materiais esterilizados com grande número de caixas cirúrgicas e kits. Selecionando a opção "NÃO" os instrumentos não terão um lugar específico para serem alocados; Selecionar se a CME que irá controlar as entradas dos instrumentais no expurgo, se estiver configurado "SIM", só será permitida a entrada dos instrumentais, após a checagem e a confirmação dos mesmos, validando as quantidades por tipos (subclassificação). Do contrário, será permitida a entrada dos instrumentais sem validação; Determinar se a CME controlará a entrada de notas fiscais de serviços externos de esterilização. Desta forma, ao informar a opção "SIM", torna-se obrigatório o controle da Nota Fiscal (NF) de serviços realizadas externamente. Do contrário, com o valor "NÃO" é opcional ao usuário efetuar tal controle. Este controle existe pois, no caso das esterilizações realizadas fora do hospital, a nota fiscal do serviço pode vir para a CME e esta fazer seu lançamento ou ser enviada para o setor financeiro. Indicar se será obrigatória a identificação do colaborador, através do número de matrícula, código de barra do crachá ou outro tipo numérico de identificação, no momento de utilização do sistema; 7

8 Informar se será identificado na movimentação do arsenal o colaborador que está transitando com os instrumentais para entrega nos setores; Informar a porta na qual será instalada a impressora de código de barras, geralmente LPT1 ou COM2; Selecionar a tela na qual será realizada a conferência de instrumentais, podendo ser: preparo ou expurgo; Determinar se a entrada de composição do kit para o arsenal será automática ou não; Indicar se a baixa de kit's de produtos para setor será automática. Caso a opção "SIM" esteja marcada, o sistema habilitará o campo respectivo logo abaixo para que seja efetuada a seleção do estoque para o qual será dada a baixa do produto. Do contrário, com o valor "NÃO" o sistema não efetua a baixa de forma automática; Informar o caminho da impressora que emitirá automaticamente o relatório final da esterilização. Dica Importante Pode haver mais de uma Central de Esterilização cadastrada na configuração da CME relacionadas a diferentes setores; A Central de Materiais Esterilizados CME é subdividida em vários locais, onde serão desempenhadas atividades específicas, tais como: expurgo, desinfecção, preparo, esterilização e arsenal. Na configuração do sistema é possível associar cada atividade a um local específico e a um setor, possibilitando o maior controle dos processos. Quando for realizada a mudança de fases de um instrumental (expurgo -> desinfecção -> preparo ->, etc.) o sistema atualizará automaticamente, no cadastro de bens, a informação quanto à localização do instrumental, com base nas configurações efetuadas nesta tela; A localidade Externo é utilizada por hospitais que terceirizam o processo de esterilização. Nestes casos, durante a realização da esterilização, os instrumentais constam no centro 8

9 de custos da CME Externo, no entanto, fisicamente fora do hospital (fornecedor); Existem três situações possíveis nas operações de esterilização externa. A primeira delas ocorre quando o hospital faz um contrato com o prestador do serviço de esterilização no próprio hospital e fica estabelecido que será pago um valor fixo mensal, independentemente da quantidade enviada para esterilizar no período. Outra situação é a cobrança a cada envio de instrumentais. Neste caso, cada remessa enviada é acompanhada por uma nota fiscal do serviço. Por fim, o acerto pode ser feito para o envio normal dos instrumentais para esterilizar e, no fim do período, será emitida uma única nota fiscal, referente aos serviços prestados no período. Baseado nestas situações a CME poderá controlar, ou não, a entrada de notas fiscais no sistema. Se estiver indicado "SIM", ao receber os instrumentais de uma esterilização externa o colaborador da CME digita a nota fiscal no sistema colocando como previsão para pagamento no Financeiro. Por ocasião da esterilização, podem ser efetuados três tipos de testes, quais sejam, teste biológico, teste químico e teste físico. O objetivo dos mesmos é verificar o sucesso e a eficácia da esterilização. Estes testes são exigidos pela Vigilância Sanitária e pela Secretaria de Saúde. Caso o hospital esteja configurado para utilizar o Sistema de Esterilização, as solicitações de kits e caixas cirúrgicas feitas pelo Módulo Centro Cirúrgico serão realizadas utilizando os cadastros da CME. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Estas telas, realizam a movimentação dos instrumentais nesses processos, para os setores lançados na tela de funcionamento. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Devolução VEJA TAMBÉM Composição de Caixas Cirúrgicas Localização de Instrumentais 9

10 1.3 Tabelas Tipos de Embalagens ACESSO RÁPIDO Cadastrando os Tipos de Embalagens 1. OBJETIVO DA TELA Permitir ao usuário efetuar o cadastro dos tipos de embalagens que serão utilizados na Central de Materiais Esterilizados (CME), no momento da esterilização de instrumentais. Como exemplo: papel cirúrgico, plástico cirúrgico, campo cirúrgico. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Embalagens 3. PRÉ-REQUISITO Não existem pré-requisitos. 4. PROCEDIMENTOS Cadastrando os Tipos de Embalagens Informar a descrição do tipo de embalagem; Indicar se o tipo de embalagem em referência está ativo no sistema. Esses tipos de embalagens deverão ser selecionadas de acordo com a capacidade do autoclave e o prazo de validade da esterilização do instrumento será variável, de acordo com a embalagem e a normatização de cada hospital; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 10

11 Dica Importante A embalagem garante a esterilização, pois funciona como um indicador de que o instrumental foi devidamente esterilizado. As embalagens mais baratas são usadas para itens com alto giro, visto que elas possuem prazo de validade da esterilização menor. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, utiliza um dos tipos de embalagens acondicionamento do instrumental do kit. cadastradas no sistema para Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Esta tela, utiliza um dos tipos de embalagens acondicionamento do instrumental da caixa cirúrgica. cadastradas no sistema para Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Tabelas / Tipos de Embalagens 11

12 VEJA TAMBÉM Tipos de Instrumentais Tipo de Esterilização 12

13 1.3.2 Tipos de Instrumentais (Ciclo) ACESSO RÁPIDO Cadastrando os Tipos de Instrumentais 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar o cadastro dos tipos de instrumentais que existem no hospital. Nesse cadastro deverá ser informada a temperatura ideal para cada tipo de instrumental e o tempo necessário para sua esterilização. Como Exemplo: louça, cerâmica, acrílico, plástico, emborrachados, metálicos. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Instrumentais (Ciclo) 3. PRÉ-REQUISITO Não existem pré-requisitos. 4. PROCEDIMENTOS Cadastrando os Tipos de Instrumentais Informar a descrição do tipo do instrumental; Determinar o tempo de esterilização do instrumental, em segundos; Informar a temperatura ideal para a esterilização, em graus, na máquina esterilizadora; Indicar se o instrumental em referência é de testes; Indicar se o tipo de instrumental em referência está ativo no sistema; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 13

14 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, utiliza um dos tipos de instrumentais cadastrados no sistema para composição do kit. Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Esta tela, utiliza um dos tipos de embalagens cadastradas no sistema para composição da caixa cirúrgica. Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Tabelas / Tipos de Instrumentais 14

15 VEJA TAMBÉM Tipos de Caixas Cirúrgicas Desinfecção 15

16 1.3.3 Tipos de Caixas Cirúrgicas ACESSO RÁPIDO Cadastrando as Caixas Cirúrgicas 1. OBJETIVO DA TELA Permitir ao usuário cadastrar os tipos de caixa cirúrgica existentes na organização, para que sejam utilizadas de forma mais ágil pela Central de Materiais Esterilizados (CME). 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Caixas Cirúrgicas 3. PRÉ-REQUISITO Não existem pré-requisitos. 4. PROCEDIMENTOS Efetuando o cadastro das Caixas Cirúrgicas Informar a descrição do tipo da caixa cirúrgica; Determinar a descrição resumida do tipo da caixa cirúrgica; Indicar o tempo médio do processo de esterilização, em horas, para esse tipo de caixa cirúrgica. Essa informação será importante no momento do agendamento da cirurgia; Informar o volume de produção por tipo de caixa; Descrever ou selecionar o tipo de cirurgia; Quantidade de componentes da caixa cirúrgica; Quantidade de componentes inativos da caixa cirúrgica; Indicar se o tipo de caixa cirúrgica em referência está ativo ou não, no sistema; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 16

17 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, utiliza um dos tipos de caixas cirúrgicas cadastradas no sistema para composição da caixa cirúrgica. Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas VEJA TAMBÉM Composição de Kits 17

18 1.3.4 Tipo de Esterilização ACESSO RÁPIDO Cadastrando os Tipo de Esterilização 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar o cadastro dos tipos de esterilizações no sistema. O tipo de esterilização será caracterizado pela forma como os diversos itens da organização são preparados para utilização nos procedimentos cirúrgicos. A esterilização poderá ocorrer à "Vapor Úmido", por "Aquecimento", entre outros. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipo de Esterilização 3. PRÉ-REQUISITO Não existem pré-requisitos. 4. PROCEDIMENTOS Cadastrando os tipo de esterilizações Informar a descrição do tipo de esterilização a ser cadastrado; Selecionar se o tipo de esterilização está ativo ou não, no sistema; Salvar as informações cadastradas para que o sistema possa gerar o código do tipo de esterilização. 18

19 5. SAÍDAS Integração e Impactos Nesta tela, os tipos de esterilização cadastrados serão selecionados para indicar qual a esterilização realizada pela máquina esterilizadora. Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro de Máquinas Esterilização Nas telas a seguir, o tipo de esterilização será utilizado para determinar a que esterilização o instrumental deverá ser submetido. Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kit's Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas VEJA TAMBÉM Tipos de Embalagens Tipos de Instrumentais (Ciclo) 19

20 1.3.5 Cadastro de Máquinas Esterilizadoras ACESSO RÁPIDO Registrando as Máquinas 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar o cadastro das máquinas que serão utilizadas apenas para esterilização dos instrumentais na Central de Materiais Esterilizados (CME). Tais equipamentos deverão ser anteriormente cadastrados na tabela de Bens Patrimoniais. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro de Máquinas Esterilizadoras 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipo de Instrumentais (Ciclo) Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Esterilização Almoxarifado / Tabelas / Kits Patrimônio / Gerenciamento / Cadastro de Bens Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Registrando as Máquinas Selecionar o código do bem patrimonial a ser cadastro como máquina esterilizadora; Determinar o tipo do bem, podendo ser: Interno ou Externo. A opção "Interno", refere-se a esterilizações realizadas no próprio hospital e a opção "Externo", é utilizada para esterilizações efetuadas fora do hospital (terceirizadas); Indicar o setor responsável pela esterilização da máquina cadastrada; Determinar o kit de produtos que será utilizado. O kit será baixado automaticamente no setor, contudo, essa baixa só acontecerá se estiver configurada na tela "Funcionamento"; Selecionar se a máquina esterilizadora está ou não ativa; Informar o tipo de esterilização correspondente a máquina cadastrada, como por exemplo: vapor úmido; Indicar o tipo de instrumentais, como por exemplo: cerâmica, emborrachado, entre outros; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 20

21 Observação A autoclave é uma máquina que tem a finalidade de esterilizar instrumentos usando vapor sob pressão, destruindo os microorganismos, bactérias, vírus, entre outros. O Sterrad efetua a esterilização de materiais termo sensíveis, que não podem ser submetidos a altas temperaturas. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, utiliza uma das máquinas esterilizadoras cadastradas no sistema conforme setor principal informado. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Esta tela, utiliza uma das máquinas esterilizadoras cadastradas no sistema para efetuar a digitação dos testes. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Digitação dos Testes Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Tabelas / Equipamentos Esterilizadores 21

22 VEJA TAMBÉM Desinfecção Preparo 22

23 1.3.6 Cadastro da Localidade do Arsenal ACESSO RÁPIDO Cadastrando as Localidades 1. OBJETIVO DA TELA Permite ao usuário efetuar o cadastro dos corredores, dos armários/boxes e das prateleiras do arsenal na Central de Materiais Esterilizados (CME), para melhor localização dos instrumentais. Os instrumentais serão posteriormente relacionados a uma localização, essa relação ocorre na tela "Entrada no Arsenal". 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro da Localidade do Arsenal 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Cadastrando as Localidades Informar o corredor, a prateleira e o armário/box onde serão armazenados os instrumentais no arsenal da CME; Determinar o setor principal responsável pela localização; Indicar se a localização informada está ativa ou não, no sistema; 23

24 Saiba Mais O Arsenal é uma sala localizada na CME para armazenamento dos instrumentais após a esterilização. Caso esteja indicado na tela "Configuração" que, no arsenal, cada instrumental terá uma localização especificada, será obrigatória a informação da localidade de armazenamento das composições na entrada dos instrumentais. O botão, permite a emissão das etiquetas para o Arsenal; Salvar as informações cadastradas, para que o sistema gere o código da Localidade do Arsenal. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Estas telas, realizam a movimentação dos instrumentais nos processos de entrada, saída e devolução, respectivamente, para os setores lançados na tela de funcionamento. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Devolução Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Tabelas / Localidades do Arsenal 24

25 VEJA TAMBÉM Desinfecção Preparo 25

26 1.3.7 Motivo de Cancelamento ACESSO RÁPIDO Cadastrando os Motivos de Cancelamento 1. OBJETIVO DA TELA Cadastrar os possíveis motivos para o cancelamento das passagens de fases na Central de Materiais Esterilizados (CME) e das entregas aos setores dos instrumentais esterilizados. Ao cancelar uma movimentação de kit ou caixa, ela retorna à fase anterior. Não retorna um único instrumental e sim todo o conjunto. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Motivo do Cancelamento 3. PRÉ-REQUISITO Não existem pré-requisitos. 4. PROCEDIMENTOS Cadastrando os motivos para cancelamento Informar a descrição do motivo de cancelamento; Indicar se o motivo de cancelamento em referência está ativo ou não, no sistema; Salvar os dados cadastrados para finalizar o processo. 26

27 Dica Importante O cadastro dos motivos de cancelamento é importante por permitir ao usuário ou à gerência da CME obter estatísticas de cada instrumental. Como exemplo, quantas vezes o equipamento quebrou em um determinado período. O cancelamento pode ser tanto de movimentações internas da CME, como das movimentações em que a CME atende solicitações dos demais setores do hospital. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Estas telas, realizam a movimentação dos instrumentais nos processos de expurgo, desinfecção, preparo, esterilização, entrada, saída e devolução no arsenal, informando um dos motivos de cancelamentos cadastrados no sistema. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / arsenal / Devolução Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Tabelas / Motivos de Cancelamento Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Cancelamento de 27

28 Movimentações VEJA TAMBÉM Tipos de Instrumentais 28

29 1.3.8 Composição de Kits ACESSO RÁPIDO Composição de Kit's Cadastro dos Instrumentais dos Kit's 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar a composição dos kits que serão utilizados pelo hospital. Os kits são instrumentais acondicionados em uma embalagem específica, utilizados em procedimentos cirúrgicos, nos setores de emergência ou nas demais unidades do hospital. O kit poderá ser composto de um ou mais instrumentais, podendo ser movimentado e controlado através do código de barras. O cadastro do kit é importante para o controle da movimentação dos instrumentos. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição dos Kits 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Embalagens Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipo de Instrumentais (Ciclo) Patrimônio / Gerenciamento / Cadastro de Bens Diretoria Clínica / Tabelas / Prestador Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Composição dos Kit's Informar a descrição da composição do kit; Informar a descrição resumida do kit, utilizada quando da impressão da etiqueta de código de barras; Selecionar o código do tipo de embalagem para o kit; É possível indicar o setor principal responsável pelo kit; Observação 29

30 Apenas será possível visualizar, inserir ou alterar a composição de uma caixa cirúrgica, os usuários que tiverem acesso ao setor principal cadastrado na tela "Configurações", relacionado com o setor na tela "Usuários por Unidade de Internação" onde a unidade de internação estiver em branco. Selecionar o código do prestador (campo exclusivo para instrumentais que pertençam a prestadores e não ao hospital), contudo essa informação não é obrigatória. A Central de Materiais Esterilizados (CME) controla a movimentação dos instrumentais de prestadores através do código do kit, permitindo sua localização no hospital, bem como o controle dos custos relativos à esterilização destes instrumentais; Selecionar o código do tipo do instrumental do kit; Os campos Arsenal, Corredor, Prateleira e Armário/Box, apenas estarão habilitados se a configuração "Entrada de composição automática para o Arsenal?", estiver marcada com o valor "SIM". Dessa forma, no momento da entrada do instrumental, será necessário informar a que arsenal ele pertence. Do contrário, os campos ficarão desabilitados; Informar o prazo de validade após a esterilização do kit, em dias (quantidade de dias que o instrumental estará esterilizado); Determinar a quantidade de itens da composição do kit (esse campo só estará habilitado se o instrumental pertencer a um prestador); Indicar se será controlada a quantidade de esterilizações do kit. Se "SIM", haverá um controle das vezes em que o instrumental foi esterilizado, no limite informado no campo "Qdte de Esterilizações", ou seja, chegando ao número informado, o kit não poderá mais ser utilizado. Caso o usuário opte por "NÃO" a quantidade de esterilizações não será controlada; Informar o número de vezes que o kit poderá ser esterilizado. Esse campo apenas será habilitado se houver controle de quantidade de esterilizações, ou seja se no campo descrito no item acima, o usuário tiver marcado o valor "SIM"; Indicar se o kit está ativo ou não, no sistema; Pressionar o botão para selecionar a imagem correspondente ao kit; Na janela "Imagem", o usuário poderá ainda adicionar uma nova imagem acionando o botão ou alterar a imagem do item através do botão necessário ainda marcar o campo, caso o usuário deseje associar a imagem ao kit. Para retornar à tela principal basta acionar o botão 30. É ;

31 Instrumentais Informar o número da plaqueta (número gravado no instrumental - Bem Patrimonial). O sistema traz automaticamente o código e a descrição do instrumental; Indicar se o instrumental em referência está ativo ou não, no kit; Pressionar o botão para selecionar a imagem correspondente ao kit; Na janela "Imagem", o usuário poderá ainda adicionar uma nova imagem acionando o botão ou alterar a imagem do item através do botão necessário ainda marcar o campo. É, caso o usuário deseje associar a imagem ao kit. Para retornar à tela principal basta acionar o botão ; Salvar as informações cadastradas. O botão uma lista dos instrumentais que compõem o kit. permite a emissão de 31

32 Dica Importante Quando ocorrer a inativação do kit, seus componentes poderão ser relacionados a outro kit. Vale salientar que devem ser criados kits para todos os instrumentais, mesmo aqueles que são utilizados individualmente, tendo em vista que todos os instrumentais sairão do CME numa embalagem. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Estas telas, realizam a movimentação dos instrumentais nos processos de Expurgo, Desinfecção, Preparo, Esterilização, Entrada, Saída e Devolução no Arsenal, com as composições cadastradas no sistema. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída 32

33 Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / arsenal / Devolução Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Movimentações / Expurgo VEJA TAMBÉM Composição de Caixas Cirúrgicas 33

34 1.3.9 Composição de Caixas Cirúrgicas ACESSO RÁPIDO Composição de Caixas Cirúrgicas Caixa Cirúrgica Instrumentais 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar a configuração das caixas cirúrgicas que serão utilizadas pelo hospital. A caixa cirúrgica tem como finalidade acondicionar instrumentais que serão utilizados numa cirurgia. Nessa tabela será possível efetuar o cadastro das caixas cirúrgicas e relacionar os itens que a compõem. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Embalagens Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Instrumentais Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Tipos de Caixas Cirúrgicas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestador Patrimônio / Tabelas / Cadastro de Bens Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Essa tela pode ser subdividida em 3 partes: Composição de Caixas Cirúrgicas, Caixa Cirúrgica e Instrumentais. Sendo elas descritas a seguir: Composição de Caixas Cirúrgicas Inserir a descrição da composição da caixa a ser cadastrada; Informar a descrição resumida da caixa, que será utilizada no momento de impressão da etiqueta de código de barras; Selecionar o código do prestador (esse campo deve ser preenchido quando o instrumental pertencer ao prestador e não ao hospital), portanto essa informação não é obrigatória. A Central de Materiais Esterilizados (CME) controla a movimentação dos instrumentais de 34

35 prestadores através do código da caixa cirúrgica, permitindo sua localização no hospital, bem como o controle dos custos relativos à esterilização destes instrumentais; Determinar o tipo de embalagem, bem como o tipo de caixa cirúrgica para a composição; Poderá informar o setor principal (configurado na tela "Funcionamento") que será responsável; Selecionar o tipo de instrumental da caixa, como por exemplo: Cerâmica, Acrílico, entre outros; Informar o prazo de validade após a esterilização da caixa cirúrgica, em dias (quantidade de dias que o instrumental estará esterilizado); Determinar a quantidade de itens da composição da caixa (esse campo só estará habilitado se o instrumental pertencer a um prestador); Indicar se será controlada a quantidade de esterilizações da caixa. Se "SIM", haverá um controle das vezes em que o instrumental foi esterilizado, no limite informado no campo "Qdte de Esterilizações", ou seja, chegando ao número informado, a caixa não poderá mais ser utilizada. Caso o usuário não queira controlar a quantidade de esterilizações, deve selecionar a opção "NÃO"; Informar o número de vezes que a caixa poderá ser esterilizada. Esse campo apenas será habilitado se houver controle de quantidade de esterilizações, ou seja, se no campo descrito no item acima, o usuário tiver marcado o valor "SIM"; Indicar se o kit está ativo ou não, no sistema; Acionar o botão cadastrada. para selecionar uma imagem correspondente a caixa cirúrgica Na janela "Imagem", o usuário poderá ainda adicionar uma nova imagem acionando o botão ou alterar a imagem do item através do botão necessário ainda marcar o campo. É, caso o usuário deseje associar a imagem à caixa. Para retornar à tela principal basta acionar o botão ; Gravar os dados cadastrados para finalizar o processo. Caixa Cirúrgica Informar o número da plaqueta que identificará a caixa cirúrgica (número gravado no instrumental - Bem Patrimonial). O sistema traz automaticamente o código e a descrição da caixa; 35

36 Instrumentais Informar o número da plaqueta (número gravado no instrumental - Bem Patrimonial). O sistema traz automaticamente o código e a descrição do instrumental; Indicar se o instrumental em referência está ativo ou não, na caixa; Pressionar o botão para selecionar a imagem correspondente ao instrumental; Na janela "Imagem", o usuário poderá ainda adicionar uma nova imagem acionando o botão ou alterar a imagem do item através do botão necessário ainda marcar o campo. É, caso o usuário deseje associar a imagem à caixa. Para retornar à tela principal basta acionar o botão ; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. O botão Cirúrgicas. 36 permite a emissão do relatório de Composição de Caixas

37 Observações Importantes Uma vez desativada a caixa, seus componentes poderão ser relacionados a outra caixa. Uma caixa cirúrgica individualmente, é considerada um instrumental (invólucro). A importância de relacionar uma caixa cirúrgica ao tipo de embalagem é permitir o controle da quantidade de embalagem utilizada e possibilitar a apuração dos custos. A CME (Central de Materiais Esterilizados) pode controlar a movimentação das caixas de prestadores (caixa composta pelo instrumental pertencente ao prestador) através do código delas. Caso o instrumental ou a caixa cirúrgica vierem esterilizados direto do fornecedor, serão dispensados para o setor e não será controlado pela CME. Apenas será possível visualizar, inserir ou alterar a composição de uma caixa cirúrgica, os usuários que tiverem acesso ao setor principal cadastrado na tela "Configurações", relacionado com o setor na tela "Usuários por Unidade de Internação" onde a unidade de internação estiver em branco. 37

38 5. SAÍDAS Integração e Impactos Estas telas, realizam a movimentação dos instrumentais nos processos de Expurgo, Desinfecção, Preparo, Esterilização, Entrada, Saída e Devolução no Arsenal, com as composições cadastradas no sistema. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / arsenal / Devolução Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Movimentações / Expurgo 38

39 VEJA TAMBÉM Composição de Kits 39

40 1.4 Movimentações Expurgo ACESSO RÁPIDO Processo de Expurgo Limpeza de Kits Expurgo de Caixa Cirúrgica Cancelamento de Expurgo 1. OBJETIVO DA TELA Registrar as entradas de instrumentais no setor de expurgo da Central de Materiais Esterilizados (CME). Nesse setor, os instrumentais passam pelo processo de limpeza e lavagem das impurezas, tais como sangue, resíduos de tecidos, entre outros. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Processo de Expurgo Informar o setor principal responsável pela movimentação de expurgo (limpeza). Esse setor deverá ser configurado na tela "Funcionamento", inclusive quanto a sua localidade. Existem algumas situações que impedem a continuação do processo de limpeza, bem como uma configuração que influência diretamente no funcionamento desta tela; Saiba Mais Impedimentos do Processo de Limpeza Caso o setor informado não exista ou não esteja configurado na tela "Funcionamento", ou 40

41 ainda tenha sido informado incorretamente ou se não for informado nenhum setor, o sistema apresentará mensagem de impedimento; Configurações de Funcionamento Caso a configuração na tela "Funcionamento", que se refere ao relacionamento com o centro de custo da CME, esteja configurado para as movimentações de expurgo e o setor informado na tela de movimentação esteja diferente do que foi configurado, não será necessário informar o colaborador. Essa informação apenas será obrigatória se o setor informado for o mesmo do setor configurado no relacionamento; É possível ainda ter obrigatoriedade ou não quanto a informação do código do colaborador. Caso a opção "SIM" seja selecionada, no campo "Informar a identificação do colaborador?", nas telas de movimentação ficará obrigatória a informação do colaborador. Indicar o código de identificação do colaborador. Caso esse código seja informado incorretamente, o sistema exibirá uma mensagem impedindo o processo; Determinar o número da plaqueta do instrumental ou selecionar o número da composição do kit ou da caixa cirúrgica que está entrando no setor de expurgo. Ao informar o número da plaqueta, o sistema trará o número da composição e os instrumentais que a compõem. Se for selecionado o número da composição ou caixa cirúrgica, o sistema trará a sua descrição e a relação dos instrumentais que a compõem; Os campos referentes aos "Instrumentais da Composição" serão automaticamente após a seleção da composição do kit ou caixa cirúrgica; preenchidos Configuração da Entrada de Kits e Caixas Cirúrgicas no Expurgo Existem configurações na tela "Funcionamento" que modifica o processo de controle da entrada dos kits e caixas cirúrgicas no setor de expurgo, estes processos serão descritos a seguir: Kit's Caso o expurgo esteja configurado para controlar a entrada dos instrumentais Caso o expurgo esteja configurado para controlar a entrada dos instrumentais, deve-se marcar o campo para indicar que os instrumentais foram devidamente conferidos. Dessa forma, o sistema efetuará a seleção automática de todos os itens. Do contrário, caso o campo não seja marcado, não será possível salvar o processo de limpeza; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. Caso o expurgo esteja configurado para "Não" controlar a entrada dos instrumentais O campo processo. ficará desabilitado. Basta apenas salvar os dados para finalização do 41

42 Dica Importante Ao selecionar um kit, o botão ficará desabilitado. Esse botão só ficará habilitado quando na seleção de uma caixa cirúrgica. Caixa Cirúrgica Caso o expurgo esteja configurado para controlar a entrada dos instrumentais Caso o expurgo esteja configurado para controlar a entrada dos instrumentais, deve-se marcar o campo para indicar que os instrumentais foram devidamente conferidos; Acionar o botão para visualizar detalhadamente os instrumentais que formam a composição da caixa informada e confirmar o instrumental individualmente; Após esse processo, o sistema marcará automaticamente o campo ; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. Ao acionar o botão é possível visualizar a imagem correspondente ao Kit ou Caixa cirúrgica, caso exista imagem vinculada ao item selecionado. Se não existir imagem para o item, o sistema exibirá uma mensagem de alerta informando ao usuário que não existe nenhuma imagem cadastrada para o instrumental; O botão permite ao usuário efetuar o cancelamento da movimentação na fase de "Expurgo". Após pressionar esse botão, o sistema apresentará uma janela para a seleção do motivo de cancelamento; 42

43 Na janela "Cancelamento", basta acionar o botão para que o sistema exiba a janela "Listagem dos Motivos de Cancelamento" para selecionar o motivo de cancelamento desejado. Depois de selecionar uma opção o usuário deverá acionar o botão ; Dessa forma, o usuário será direcionado novamente à janela "Cancelamento", nela deverá acionar o botão para confirmar o motivo do cancelamento; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. Observação Se for detectada a falta de um instrumental, a composição não poderá mudar de fase, como por exemplo, passar do Expurgo para a Desinfecção. Caso a ausência do instrumental seja definitiva, o usuário poderá deixá-lo inativo e substituí-lo por outro instrumental ou ainda inativar a composição e utilizar os instrumentais componentes de outros kits ou caixas cirúrgicas. 5. SAÍDAS Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Movimentações / Expurgo 43

44 VEJA TAMBÉM Desinfecção Preparo Esterilização 44

45 1.4.2 Desinfecção ACESSO RÁPIDO Configurações de Funcionamento Iniciando a Desinfecção 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar o registro as movimentações de entrada de materiais no setor de Desinfecção da Central de Materiais Esterilizados (CME). Nesse setor os instrumentais passam pelo processo de aplicação de produtos para desinfecção. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Configurações de Funcionamento Existem algumas configurações na tela "Funcionamento" que impactam diretamente no desempenho desta, tais configurações serão descritas a seguir: É necessário efetuar a configuração do setor responsável pela CME e ainda o relacionamento do centro de custo da CME com as movimentações de desinfecção; Indicar se o colaborador será informado ou não, nas telas de movimentação. Caso negativo, a informação de um colaborador não será obrigatória. Lembrando que essa configuração é realizada por setor. Exemplo: se o setor "6 - Informática" configurar na CME quanto a obrigatoriedade de informar o colaborador, todas as vezes que o setor for lançado será necessário informá-lo. Iniciando a Desinfecção Informar o setor principal responsável pela movimentação de desinfecção. Esse setor deverá ser configurado na tela "Funcionamento", tanto quanto a localidade correspondente a este 45

46 setor; Determinar o número de identificação do colaborador; Informar o número da plaqueta do instrumental ou selecionar o número da composição que está entrando na Desinfecção. Ao informar o número da plaqueta, o sistema trará o número da composição e os instrumentais que a compõem. Se for selecionado o número da composição, o sistema trará a descrição da mesma e a relação dos instrumentais que a compõem; Pressionar o botão para visualizar a imagem correspondente ao kit. Vale salientar que as imagens das composições (caixas e kits) são associadas nas tabelas de Composição de Kits e Composição de Caixas Cirúrgicas e só serão exibidas imagens através desse para os itens que tiverem imagem associada, caso contrário o sistema exibirá uma mensagem informando que o instrumental não possui imagem cadastrada; O botão permite ao usuário efetuar o cancelamento da movimentação na fase de "Expurgo". Após pressionar esse botão, o sistema apresentará uma janela para a seleção do motivo de cancelamento; Na janela "Cancelamento", basta acionar o botão para que o sistema exiba a janela "Listagem dos Motivos de Cancelamento" para selecionar o motivo de cancelamento desejado. Depois de selecionar uma opção o usuário deverá acionar o botão ; Dessa forma, o usuário será direcionado novamente à janela "Cancelamento", nela deverá acionar o botão para confirmar o motivo do cancelamento; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 46

47 5. SAÍDAS Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Movimentações / Desinfecção 47

48 VEJA TAMBÉM Preparo Esterilização 48

49 1.4.3 Preparo ACESSO RÁPIDO Configurações de Funcionamento Iniciando o Preparo 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar o registro das movimentações de entrada de materiais no setor de Preparo da Central de Materiais Esterilizados (CME). As atividades desempenhadas nesse setor são relativas à organização dos instrumentais e à montagem das composições, tendo em vista que até então os instrumentais estão dispersos (sem embalagem e não agrupados). Os kits são acondicionados em suas embalagens e os instrumentais que compõem as caixas cirúrgicas são reunidos e acondicionados nas referidas caixas. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgica Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Configurações de Funcionamento Existem algumas configurações na tela "Funcionamento" que impactam diretamente no funcionamento desta tela, sendo estas descritas a seguir: É necessário efetuar a configuração do setor responsável pela CME, e ainda o relacionamento do centro de custo da CME para as movimentações de preparo; Indicar se o colaborador será informado ou não, nas telas de movimentação. Caso negativo, a informação de um colaborador não será obrigatória. Lembrando que essa configuração é realizada por setor. Exemplo: se o setor "6 - Informática" configurar na CME quanto a obrigatoriedade de informar o colaborador, todas as vezes que o setor for lançado será necessário informá-lo. Iniciando o Preparo 49

50 Informar o setor principal responsável pela movimentação de desinfecção. Esse setor deverá ser configurado na tela "Funcionamento", assim como a sua localidade; Determinar o número de identificação do colaborador; Informar o código de barras do instrumental ou selecionar o número da composição que está entrando no preparo. Ao informar o número da plaqueta, o sistema trará o número da composição e os instrumentais que a compõem. Se for selecionado o número da composição, o sistema trará a descrição da mesma e a relação dos instrumentais que a compõem; Pressionar o botão para visualizar a imagem correspondente ao kit. Vale salientar que as imagens das composições (caixas e kits) são associadas nas tabelas de "Composição de Kits" e "Composição de Caixas Cirúrgicas"; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo. 5. SAÍDAS Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Movimentações / Preparo 50

51 51

52 VEJA TAMBÉM Esterilização Expurgo 52

53 1.4.4 Esterilização ACESSO RÁPIDO Configurações de Funcionamento Iniciando a Esterilização Realizando os Testes Efetuando o Cancelamento da Esterilização 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar ao colaborador registrar as movimentações de entrada de materiais no setor de Esterilização da Central de Materiais Esterilizados (CME). Na Esterilização as composições chegam devidamente agrupadas em embalagens (processo realizado no Preparo). Nesse setor ficam localizadas as máquinas esterilizadoras, por exemplo, autoclave e sterrad. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgica Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro de Máquinas Esterilizadoras Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Configurações de Funcionamento Existem algumas configurações na tela "Funcionamento" que impactam diretamente no funcionamento desta tela, sendo estas descritas a seguir: É necessário efetuar a configuração do setor responsável pela CME e o relacionamento do centro de custo da CME para as movimentações de preparo; Indicar se o colaborador será informado ou não, nas telas de movimentação. Caso negativo, a informação de um colaborador não será obrigatória. Lembrando que essa configuração é 53

54 realizada por setor. Exemplo: se o setor "6 - Informática" configurar na CME quanto a obrigatoriedade de informar o colaborador, todas as vezes que o setor for lançado será necessário informá-lo. Iniciando a Esterilização Informar o setor principal responsável pela movimentação de esterilização. Esse setor deverá ser configurado na tela "Funcionamento", assim como a sua localidade; Determinar o número de identificação do colaborador; Dica Importante Caso a configuração na tela "Funcionamento", que se refere ao relacionamento com o centro de custo da CME, esteja configurado para as movimentações de esterilização e o setor informado na tela de movimentação esteja diferente do que foi configurado, não será necessário informar o colaborador. Essa informação apenas será obrigatória se o setor informado for o mesmo do setor configurado no relacionamento. Selecionar o código da máquina esterilizadora; Indicar o código da composição (kit ou caixa cirúrgica), a qual formará a carga de esterilização; Informar a data de validade da esterilização; Indicar a "Qtd. Instrum." e a "Qtd. Kit/Caixa"; Salvar os dados cadastrados para que o sistema possa gerar o número da carga; Marcar o campo, para confirmar o início do processo de esterilização. Vale salientar que os campos referentes ao teste, apenas ficarão habilitados após a marcação desse campo; Ao final da esterilização será necessário informar o resultado dos testes que determinarão a eficácia ou não, do processo de esterilização. 54

55 Realizando os Testes Para utilizar o processo de pesquisa, é necessário selecionar a carga a ser avaliada por meio dos testes; Marcar o campo, caso tenha sido realizado o teste biológico, para a carga e em seguida indicar se o resultado foi "Sem Conformidade" (esterilização bem sucedida) ou "Com Conformidade" (esterilização mal sucedida). O teste biológico indica que a esterilização foi efetiva, através da inativação de indicadores com contagem prévia de esporos viáveis conhecida. São utilizados bacilos específicos de acordo com o nível de temperatura da esterilização; Informar o lote da ampola do teste biológico; Descrever as observações que se fizerem necessárias a respeito do teste biológico; Marcar o campo, caso tenha sido realizado o teste químico, para a carga e em seguida indicar se o resultado foi "Sem Conformidade" (esterilização bem sucedida) ou "Com Conformidade" (esterilização mal sucedida). Esse teste tem forma de tira de papel e fita adesiva e é a alteração uniforme da cor em todo o papel-teste que indica teste satisfatório; Informar o lote da tira do teste químico; Descrever as observações que se fizerem necessárias a respeito do teste químico; Marcar o campo após o teste físico, realizado pela própria máquina esterilizadora, que utiliza monitores de tempo, temperatura, pressão e emite relatórios impressos computadorizados. Esse teste tem caráter obrigatório; Indicar se o teste físico foi "Bem Sucedido" ou "Mal Sucedido"; Caso o processo de esterilização tenha sido concluído com sucesso, deve-se marcar o campo cancelado;. Do contrário, se algum resultado não foi satisfatório o processo é 55

56 Gravar as informações cadastradas para finalizar o processo de esterilização. O botão permite ao usuário imprimir a etiqueta com o código da composição mais a carga em que o mesmo foi esterilizado, portanto, esta impressão só é realizada após a geração da carga; O botão permite o cancelamento da movimentação na fase de Esterilização. Saiba Mais A Carga é um agrupamento de composições que sofreram o mesmo processo de esterilização. Essa identificação é fundamental para o controle interno da CME e também do próprio hospital, em relação ao controle de infecções hospitalares. 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, realiza a digitação dos testes das esterilizações cadastradas no sistema caso a mesma não tenha sido efetuada na tela de esterilização. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Digitação dos Testes Esta tela, realiza a entrada da composição no arsenal após ter sido efetuada a digitação dos testes. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Consultas Controle de Infecção Hospitalar / Consultas / Central de Esterilização Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Vencimento de Esterilizações 56

57 VEJA TAMBÉM Expurgo Desinfecção 57

58 1.4.5 Digitação dos Testes ACESSO RÁPIDO Digitando os Testes 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar a digitação dos lotes para realização de testes Químico e Biológico. Dessa forma, será necessário ter as informações da carga/lote os produtos testados e validade, o teste físico deve ser marcado como bem sucedido e já ter finalizado a esterilização da carga do lote a ser digitado. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Digitação dos Testes 3. PRÉ-REQUISITO Movimentações Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização 4. PROCEDIMENTOS Consultando um Teste A tela é apresentada em módulo de pesquisa. O usuário deverá seguir os procedimentos abaixo: Informar o código correspondente ao teste desejado e efetuar pesquisa. Caso não tenha sido realizado os testes na tela "Esterilização", informar o lote biológico das ampolas e a observação, caso haja; Informar o lote químico das tiras e observação, caso haja; Os campos referentes a composição do Kit/Caixa Cirúrgica não poderão ser modificados; Caso a carga já esteja liberada para o Arsenal, é necessário marcar o campo ; Salvar as informações cadastradas para finalizar o processo; Caso deseje imprimir etiqueta basta acionar o botão 58.

59 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, realiza a entrada da composição no arsenal após ter sido efetuada a digitação dos testes. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Consultas Controle de Infecção Hospitalar / Consultas / Central de Esterilização VEJA TAMBÉM Esterilização 59

60 1.4.6 Arsenal Entrada ACESSO RÁPIDO Configurações de Funcionamento Realizando a Entrada no Arsenal 1. OBJETIVO DA TELA Permitir o registro das movimentações de entrada de materiais no Arsenal da Central de Materiais Esterilizados (CME). O Arsenal é o local destinado ao armazenamento das composições, após a esterilização, até serem solicitadas por outros setores do hospital. No Arsenal as composições são armazenadas em locais cadastrados na tabela "Localização de Prateleiras". 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Global / Globais / Centro de Custo Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro da Localidade do Arsenal Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento 4. PROCEDIMENTOS Configuração de Funcionamento É possível tornar obrigatória a informação do código da localidade na entrada das composições, desde que a opção "No Arsenal os instrumentos possuem localização específica?", esteja marcada com o valor "SIM". Do contrário, com o valor "NÃO" essa informação será opcional. Realizando a Entrada no Arsenal Informar o setor principal para a entrada do instrumental no arsenal. Esse setor deverá ser 60

61 configurado na tela "Funcionamento", assim como a sua localidade; Determinar o número de identificação do colaborador; Selecionar o código da composição (kit ou caixa cirúrgica), a qual dará entrada no Arsenal. Ao informar a composição, serão listados no quadro "Instrumentais da Composição", os instrumentais dela; Selecionar o código da localidade do Arsenal, onde será guardada a composição. Caso seja informado o setor principal, será listado apenas as localidades que tenha relacionamento com o setor; Ao informar a localidade, será informada automaticamente o corredor e a prateleira; Acionar o botão para selecionar a imagem correspondente ao kit. Vale salientar que as imagens das composições (caixas e kits) são associadas nas tabelas de Composição de Kits e Composição de Caixas Cirúrgicas; Salvar os dados cadastrados para finalizar o processo. Dica Importante Com a confirmação da entrada da composição no Arsenal, sua localização é atualizada automaticamente no cadastro de bens do hospital. Tal localização é definida na tela de configurações do sistema. 61

62 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela, realiza a saída dos instrumentais do arsenal. Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Relação de Prestadores no Arsenal Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Produção por Fase VEJA TAMBÉM Devolução Saída do Arsenal 62

63 Saída ACESSO RÁPIDO Configurações para o Funcionamento Efetuando a Saída no Arsenal 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar ao colaborador registrar e controlar as movimentações de saída de materiais do Arsenal da Central de Materiais Esterilizados (CME) para outros setores do hospital. As composições armazenadas no Arsenal poderão ser distribuídas para o Centro Cirúrgico, Unidades de Internação, Ambulatórios, entre outros. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Manutenção / Tabelas / Localidades Global / Globais / Centro de Custo Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Configurações Central de Materiais Esterilizados / Configurações / Funcionamento Movimentações Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada 4. PROCEDIMENTOS Configurações de Funcionamento Na tela "Funcionamento", é possível configurar se será obrigatória a identificação do colaborador. Caso o valor "SIM" seja selecionado, no momento da movimentação de saída do Arsenal, torna-se obrigatória a informação do código do colaborador que está circulando no hospital com os instrumentais. Do contrário, com o valor "NÃO" essa informação deixa de ser obrigatória. 63

64 Efetuando a saída no Arsenal Informar o setor principal para a saída do instrumental no arsenal. Esse setor deverá ser configurado na tela "Funcionamento", tanto quanto a localidade correspondente; Determinar o número de identificação do colaborador que realizará a saída do instrumental do arsenal; Inserir o código do colaborado que está retirando os instrumentais do arsenal, ou seja, o funcionário responsável pelo transporte dos instrumentais entre a CME e o setor solicitante; Selecionar o código do setor solicitante; Informar a localidade do setor solicitante, para qual o instrumental será transferido; Selecionar o código da composição (kit ou caixa cirúrgica) que terá a saída registrada no Arsenal. Assim, ao informar o código da composição, serão listados no quadro "Instrumentais da Composição", os instrumentais relacionados; Ao informar a composição, automaticamente, é informado o arsenal, corredor, prateleira, armário, data de esterilização e validade da composição; Gravar os dados cadastrados para finalizar o processo. O botão 64 permite a emissão do Recibo de Saída do Arsenal;

65 5. SAÍDAS Integração e Impactos Esta tela realiza a devolução dos instrumentais do arsenal, que por diversos motivos foram encaminhados a outros setores. Central de Materiais esterilizados / Movimentações / Arsenal / Devolução Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Relação de Prestadores no Arsenal VEJA TAMBÉM Desinfecção Esterilização 65

66 Devolução ACESSO RÁPIDO Realizando a Devolução de Instrumentais 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar o registro das movimentações de devolução de materiais ao Arsenal da Central de Materiais Esterilizados (CME). Somente poderão ser devolvidos ao Arsenal os instrumentais que não foram abertos ou utilizados. Quando o motivo da devolução de uma composição for por alguma irregularidade deverá ser encaminhada para o Expurgo. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais esterilizados / Movimentações / Arsenal / Devolução 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Diretoria Clínica / Tabelas / Prestadores Credenciados Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Kits Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Composição de Caixas Cirúrgicas Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Cadastro da Localidade do Arsenal Central de Materiais Esterilizados / Tabelas / Motivos de Cancelamento Movimentações Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída 4. PROCEDIMENTOS Realizando a Devolução de Instrumentais Informar o setor principal para a saída do instrumental no arsenal; Determinar o código de identificação do colaborador que registrará a devolução; Indicar o motivo da devolução das composições; Selecionar o código da composição (kit ou caixa cirúrgica) que terá a devolução registrada no Arsenal. Ao informar a composição, serão listados no quadro "Instrumentais da Composição", os instrumentais relacionados; Ao inserir o código do Arsenal, os campos corredor, prateleira e armário/box serão preenchidos automaticamente; Salvar os dados cadastrados para finalizar o processo de devolução. 66

67 Saiba Mais As composições que estiverem com a embalagem violada ou a validade da esterilização vencida devem ser devolvidas ao Expurgo para nova esterilização. 5. SAÍDAS Relatórios Central de Materiais Esterilizados / Relatórios / Gerencial / Relação de Prestadores no Arsenal 67

68 VEJA TAMBÉM Desinfecção Preparo 68

69 1.5 Inventário Geração de Planilha de Inventário ACESSO RÁPIDO Selecionar Setor para Inventário Gráfico de Bens por Setor Imprimir a Planilha de Inventário 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar a geração da planilha demonstrativa de todo o inventário da empresa. Essa tela apresenta, através de gráficos, a distribuição para a localidade da relação dos bens já cadastrados no sistema. 2. LOCALIZAÇÃO Patrimônio / Inventário / Geração da Planilha do Inventário Central de Materiais Esterelizados / Inventário / Geração da Planilha do Inventário 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Patrimônio / Gerenciamento / Cadastro de Bens Manutenção / Tabelas / Localidade 4. PROCEDIMENTOS Selecionando Setor para Gerar Planilha de Inventário Selecionar a empresa para a qual serão apresentados os setores, localidades e seus bens; Acionar o botão da empresa selecionada. para que o sistema exiba os setores e consequentes pastas 69

70 Representação Gráfica dos Bens por Setor/Localidade Selecionar a pasta relativa ao setor, cujo inventário será gerado; Selecionar uma localidade e pressionar o cursor sobre a sua linha de registro. Dessa forma, o sistema apresentará as seguintes informações: o Código da plaqueta, afixada ao bem alocado na localidade selecionada; o Descrição do bem; o Marca do bem em referência; o E o modelo do bem. O sistema apresentará no grupo de dados "Distribuição dos Bens", as localidades nas quais o bem está alocado e a sua respectiva quantidade. O sistema apresentará, também, um gráfico representando a distribuição proporcional no setor, por localidade; e,ao lado do gráfico, uma listagem resumida com as quantidades totais de bens em cada localidade; 70

71 O usuário poderá efetuar a impressão da planilha para contagem de inventário, pressionando o botão o botão. O sistema exibirá uma janela na tela, na qual o usuário deverá acionar para imprimir relatório ou para voltar. 5. SAÍDAS Não existem saídas. VEJA TAMBÉM Cadastro de Bens Patrimoniais Localidade 71

72 1.6 Consultas Localização de Instrumentais ACESSO RÁPIDO Consultando as Localizações 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar ao usuário efetuar uma consulta da localização dos instrumentais, bem como da sua composição. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais esterilizados / Consultas / Localizações de Instrumentais 3. PRÉ-REQUISITO Movimentações Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / arsenal / Devolução 4. PROCEDIMENTOS Consultando as Localizações Selecionar um ou mais parâmetros de seleção podendo ser: Instrumental, Número da Plaqueta, Código do Setor, Descrição do Setor, Código da Localidade, Descrição da Localidade, Externo (Fornecedor), Descrição do Fornecedor, Código da Composição, Descrição da Composição, Código do Tipo de Caixa Cirúrgica, Descrição do Tipo de Caixa Cirúrgica, Arsenal, Corredor, Prateleira ou Armário/Box; Efetuar a pesquisa; O sistema apresentará todas as informações sobre a localização dos instrumentais na Central de Materiais Esterilizados. Dica Importante 72

73 A localidade Externo existe em função de alguns hospitais, que terceirizam o processo de esterilização enviando seus instrumentais para os prestadores deste tipo de serviço. Sendo assim, os instrumentais ficam localizados temporariamente fora do hospital, no entanto, ainda sob o controle da CME. 5. SAÍDAS Não existem saídas. VEJA TAMBÉM Arsenal 73

74 1.6.2 Procedimentos CBHPM ACESSO RÁPIDO Consultando os Procedimentos 1. OBJETIVO DA TELA Efetuar a consulta dos Procedimentos CBHPM segundo a codificação de relacionamento com a tabela de Procedimento de Faturamento cadastrados no sistema. 2. LOCALIZAÇÃO Faturamento de Convênios e Particulares / Consultas / Procedimentos CBHPM Central de Materiais Esterelizados / Consultas / Procedimentos CBHPM 3. PRÉ-REQUISITO Tabelas Faturamento de Convênios e Particulares / Tabelas / Gerais / Procedimentos Faturamento de Convênios e Pariculares / Tabelas / Gerais / Classificação Hierarquizada - CBHPM / Procedimentos 4. PROCEDIMENTOS Consultando os Procedimentos Determinar parâmetros para pesquisa, podendo ser: código do procedimento CBHPM ou código de registro do procedimento no sistema; Efetuar a consulta; Desta forma, serão apresentados os procedimentos segundo a codificação da tabela hierarquizada CBHPM, de acordo com os critérios de seleção. 74

75 5. SAÍDAS Não existem saídas. VEJA TAMBÉM Procedimentos 75

76 1.6.3 Registro de Erros na Esterilização ACESSO RÁPIDO Consultando os Erros de Esterilização 1. OBJETIVO DA TELA Possibilitar ao usuário consultar erros durante o processo de inserir esterilização, liberação de arsenal, liberação de estoque e liberação de composições. Esses erros são sinalizados via mensagem de alerta e registrados em uma tabela de log, portanto só haverá dados para consulta na ocorrência de erro. 2. LOCALIZAÇÃO Central de Materiais esterilizados / Consultas / Registro de Erros na Esterilização 3. PRÉ-REQUISITO Movimentações Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Expurgo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Desinfecção Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Preparo Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Esterilização Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Entrada Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / Arsenal / Saída Central de Materiais Esterilizados / Movimentações / arsenal / Devolução 4. PROCEDIMENTOS Informar os parâmetros de pesquisa, quais sejam: Código da Esterilização, Lote, Período, Kit composição e/ou o Processo de esterilização; Após informar os parâmetros, efetuar a pesquisa. Dessa forma, o sistema exibirá todas as esterilização compatíveis aos parâmetros informados. 76

77 5. SAÍDAS Não existem saídas. VEJA TAMBÉM Tipo de Esterilização 77

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J Versão 4.8.J Sumário PORT - Módulo de Apoio Portaria 3 1 Manual... de Processos - Portaria 4 Fluxo - Portaria... 5 2 Configurações... 6 Unidades... de Internação 6 Setores Administrativos... 9 Configuração...

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

Agendador de Rotinas

Agendador de Rotinas Agendador de Rotinas Agendamento para Importação de Notas Fiscais É possível parametrizar o agendamento para importação de notas fiscais de entrada, saída e conhecimento de transporte, para todas as empresas

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque. 11.8x. março de 2015. Versão: 5.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Movimentações de Estoque 11.8x março de 2015 Versão: 5.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 3 3 Movimentações de Estoque... 3 4 Parâmetros... 5 5 Cadastros...

Leia mais

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso do "Volume".

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no SAME, utilizando-se do recurso do Volume. Page 1 of 31 184771 Módulo: AMAP - SAME PDA 184771: Controle do Arquivamento de Pastas do SAME. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso

Leia mais

AGENDAMENTO PARA IMPORTAÇÃO DE NOTAS FISCAIS 1. PARÂMETROS DO ESTABELECIMENTO... 2 2. CONFIGURAÇÃO DO AGENDADOR... 3

AGENDAMENTO PARA IMPORTAÇÃO DE NOTAS FISCAIS 1. PARÂMETROS DO ESTABELECIMENTO... 2 2. CONFIGURAÇÃO DO AGENDADOR... 3 AGENDAMENTO PARA IMPORTAÇÃO DE NOTAS FISCAIS SUMÁRIO 1. PARÂMETROS DO ESTABELECIMENTO... 2 2. CONFIGURAÇÃO DO AGENDADOR... 3 3. CONFIGURAÇÕES PARA IMPORTAÇÃO DE NOTAS PARA USUÁRIOS NET... 7 4. PROCEDIMENTOS

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Produtos: Saúde Pró Faturamento Saúde Pró Upload. Versão: 20130408-01

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. Produtos: Saúde Pró Faturamento Saúde Pró Upload. Versão: 20130408-01 Produtos: Saúde Pró Upload Versão: 20130408-01 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 LOGIN... 4 3 VALIDADOR TISS... 7 4 CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... 10 4.1 DADOS CADASTRAIS MATRIZ E FILIAL... 11 4.2 CADASTRO DE

Leia mais

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda

Versão para atualização do Gerpos Retaguarda Versão para atualização do Gerpos Retaguarda A Gerpos comunica a seus clientes que nova versão do aplicativo Gerpos Retaguarda, contendo as rotinas para emissão da Nota Fiscal Eletrônica, já está disponível.

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

Sistema Integrado de Atendimento

Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento. Um sistema moderno, completo e abrangente que modifica a realidade do atendimento de sua empresa, proporcionando maior segurança na tomada

Leia mais

Solicitação de Reposição? FS71.1

Solicitação de Reposição? FS71.1 Como Trabalhar com Solicitação de Reposição? FS71.1 Sistema: Futura Server Caminho: Estoque>Reposição>Reposição Referência: FS71.1 Versão: 2015.9.18 Como Funciona: Esta tela é utilizada para solicitar

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

MÓDULO 3 Cadastros básicos

MÓDULO 3 Cadastros básicos MÓDULO 3 Cadastros básicos Agora que você já conhece o SCAWEB, demonstraremos como realizar os cadastros básicos do HÓRUS. Inicialmente, você precisará acessar o HÓRUS com o email e senha cadastrados no

Leia mais

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material

COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML. Após abrir o sistema, localize o menu no canto superior esquerdo e clique em Movimentação > Entrada Material COMO FAZER ENTRADA DE MATERIAL POR XML Observação: O arquivo XML da nota fiscal deve estar salvo em seu computador. Se o seu fornecedor não enviou o arquivo por e-mail, você pode obter o arquivo pela internet,

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 3.10 Sumário 1 Funções do Emissor... 3 1.1 Aba Inicial... 4 1.2 Aba Sistema... 5 1.2.1 Mensagem Sistema... 5 1.2.2 Extras... 6 1.2.3 Contingência... 6 1.2.4 Execução... 7 1.3

Leia mais

1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO

1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA. Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO 1223o TUTORIAL PRÉ-VENDA Realização: DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO EQUIPE DE DOCUMENTAÇÃO TUTORIAL PRÉ-VENDA NO SYSPDV Casa Magalhães Comércio e Representações Ltda O objetivo deste tutorial é apresentar

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

Espaço do Coordenador

Espaço do Coordenador Espaço do Coordenador Guia de utilização Versão 2.5 PARTE 6: Pedidos de pessoal 2 SUMÁRIO 8.4 PEDIDOS DE PESSOAL... 6 8.4.1 CLT... 7 8.4.2 ESTAGIÁRIO... 17 8.4.3 AUTÔNOMO... 26 8.4.4 VALE ALIMENTAÇÃO/REFEIÇÃO...

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

CDV. GID Desmanches. Manual do Usuário. Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.

CDV. GID Desmanches. Manual do Usuário. Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com. CDV GID Desmanches Manual do Usuário Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário Administração... 1 Favoritos... 12 Fornecedor... 21 Cadastro...

Leia mais

1. Funcionalidades da opção SAC 1

1. Funcionalidades da opção SAC 1 PÓS VENDA 1. Funcionalidades da opção SAC 1 1.1 Avarias 2 1.1.1 Dano no produto em transporte 2 1.1.2 Defeito no produto 2 1.2 Devoluções 4 1.2.1 Devolução Desistência 4 1.2.2 Devolução Não fez o pedido

Leia mais

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO

BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO BAURU 2015 2 BR DOT COM SISPON: MANUAL DO USUÁRIO Manual do usuário apresentado para auxiliar no uso do sistema SisPon. BAURU 2015 3 SUMÁRIO 1 Instalação... 5 1.1 Sispon...

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS

SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SIE - SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS SANTA MARIA FATECIENS 2008 Este manual tem por finalidade apresentar as especificações detalhadas da aplicação de Cadastro de Funcionários,

Leia mais

Manual de Uso do Módulo. MerchFinanças

Manual de Uso do Módulo. MerchFinanças Manual de Uso do Módulo MerchFinanças Bento Gonçalves Julho de 2010 Conteúdo 1. Introdução... 4 2. Menu Cadastros... 5 2.1. Bancos/Contas... 5 2.1.1. Agências... 5 2.1.2. Bancos... 6 2.1.3. Contas... 7

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Manual do Sistema 1 Índice Apresentação... 3 Entrada no sistema... 4 Manual da NFe de Serviços Módulo Tomador... 5 Consultar RPS Recibo Provisório de Serviços... 6 Verificar a Autenticidade de Nota Fiscal... 7 Geração de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.07 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.07 Relatórios...3 Mix de Compra...3 Peças >> Relatórios >> Mix de Compra Peças...3 Mix de Vendas...4 Peças >> Relatórios >> Mix de Venda Peças...4 Tabela de Preços...6 Peças

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

Cobrança Bancária. Contas / Manutenção.

Cobrança Bancária. Contas / Manutenção. Cobrança Bancária Este tutorial objetiva auxiliar os usuários na configuração do sistema para que a emissão de cobrança bancária dos títulos a receber seja feita. Os processos a seguir consistem na geração

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br

GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO (Sistema NFSE) Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br GUIA RÁPIDO DO USUÁRIO () Acesse nossos manuais em: ead.sempretecnologia.com.br Sumário Configurações iniciais... 3 Acessando o sistema... 3 Alterando a senha de acesso... 3 Cadastrando clientes... 4 Cadastrando

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04

FS133.1. Sistema: Futura Server. Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa. Referência: FS133.1. Versão: 2016.07.04 Como Baixar FS133.1 Boletos? Sistema: Futura Server Caminho: Contas a Receber>Boleto>Boleto Baixa Referência: FS133.1 Versão: 2016.07.04 Como Funciona: Esta tela é utilizada para gerar arquivos que informarão

Leia mais

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis.

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. Release 3.83 Resumo das alterações Gerais Contabilidade ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. 1. Corrigido processo de alteração do lançamento contábil em lotes manuais, nos casos

Leia mais

ERP-8115 Nota Fiscal Eletrônica v2.0 (XML) Erro "Elemento inválido" emitido pelo sistema na transmissão da Nota Fiscal Eletrônica.

ERP-8115 Nota Fiscal Eletrônica v2.0 (XML) Erro Elemento inválido emitido pelo sistema na transmissão da Nota Fiscal Eletrônica. Release 3.60 Resumo das alterações Faturamento ERP-6954 Em casos em que o usuário tentar efetivar um pedido de vendas onde um dos produtos encontra-se inativo, o sistema está efetivando normalmente. Para

Leia mais

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Agenda, ASOs, Impressos

Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Agenda, ASOs, Impressos Manual Ilustrado Módulo At. Clínico Agenda, ASOs, Impressos Março 2014 Indíce Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Como utilizar esse material em seus estudos de Atendimento Clínico... 3 3. Introdução...

Leia mais

Parametrização Itens para Movimentação

Parametrização Itens para Movimentação Parametrização Itens para Movimentação Sumário Manutenção Itens... 4 Filtro... 5 Movimentações de Entrada... 8 Movimentações de Saída... 10 Configurações de Inventário de Item... 11 Código de Barras e

Leia mais

Manual do Usuário. Protocolo

Manual do Usuário. Protocolo Manual do Usuário Protocolo Índice de capítulos Parte I - Processos............................... 01 1 - Buscar................................ 01 2 - Listar................................ 02 3 - Abertura..............................

Leia mais

Módulo: M_SOLICITACAO_OS - Cadastro da Ordem de Serviço

Módulo: M_SOLICITACAO_OS - Cadastro da Ordem de Serviço Page 1 of 21 119115 Módulo: M_SOLICITACAO_OS - Cadastro da Ordem de Serviço PDA 119115: Alteração no Cadastro das Ordens de Serviços. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Solicito que a aba "Serviços" da tela de "Cadastro

Leia mais

F O R T A L E Z A MANUAL DO GUIA ON-LINE

F O R T A L E Z A MANUAL DO GUIA ON-LINE MANUAL DO GUIA ON-LINE Bem vindo ao Manual do Guia On-Line, aqui você irá aprender a utilizar esta eficiente ferramenta desenvolvida para facilitar e agilizar o atendimento odontológico. Tela inicial Na

Leia mais

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA

Manual de Instruções ISS WEB SISTEMA ISS WEB. Sil Tecnologia LTDA SISTEMA ISS WEB Sil Tecnologia LTDA Sumário INTRODUÇÃO 3 1. ACESSO AO SISTEMA 4 2. AUTORIZAR USUÁRIO 5 3. TELA PRINCIPAL 6 4. ALTERAR SENHA 7 5. TOMADORES DE SERVIÇO 7 5.1 Lista de Declarações de Serviços

Leia mais

Como cadastrar talões cheques? FS146

Como cadastrar talões cheques? FS146 Como cadastrar talões cheques? FS146 de Sistema: Futura Server Caminho: Conta Corrente>Talão de Cheque Referência: FS146 Versão: 2016.04.11 Como Funciona: Esta tela é utilizada para cadastrar talões de

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1

2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 1 2015 GVDASA Sistemas Patrimônio 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 3 2 REQUISITOS... 3 3 CONFIGURAÇÕES... 3 4 FUNCIONALIDADE... 4 4.1 Registrar Nota de Entrada... 4 4.1.1 Manual (Entrada das informações manualmente)...

Leia mais

Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV

Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV Página 1 Manual Rápido de Registro e Configuração do DJPDV Juliana Rodrigues Prado Tamizou www.djsystem.com.br (15) 3324-3333 Rua Coronel Aureliano de Camargo,973 Centro - Tatuí SP - 18270-170 Revisado

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN.

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN. VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE ACD2016 FINALIZAÇÃO: 10 JUN. 13 04 NOV.2014 FEV. 201313 JUN. 2016 PUBLICAÇÃO: Prezado Cliente, Neste documento estão descritas todas as novidades

Leia mais

Integração da Digitação de Eventos

Integração da Digitação de Eventos Integração da Digitação de Eventos Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 1 1.2. Conhecendo a Plataforma... 3 1.2.1. Seleção da Empresa... 3 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações...

Leia mais

Manual de utilização

Manual de utilização Manual de utilização 1 Índice Calendário... 3 Usuários... 4 Contato... 5 Alterar... 5 Excluir... 5 Incluir... 5 Feriados... 9 Nacionais... 9 Regionais... 9 Manutenção... 9 Obrigações... 9 Obrigações Legais...

Leia mais

Módulo WEB. Guia de acesso rápido usuário

Módulo WEB. Guia de acesso rápido usuário Módulo WEB Guia de acesso rápido usuário Para acessar sua consulta, clique no botão entrar 93 Por usuário Antes de consultar, o usuário deve se identificar digitando sua matrícula e sua senha. Caso a janela

Leia mais

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2 Acessando o SVN Para acessar o SVN é necessário um código de usuário e senha, o código de usuário do SVN é o código de cadastro da sua representação na Ninfa, a senha no primeiro acesso é o mesmo código,

Leia mais

Manual Operacional RIGNER. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email]

Manual Operacional RIGNER. [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] Komunik [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] RIGNER Manual Operacional Gensys Genius System Manual Komunik- Versão 1.0 E-mail: documentacao@geniusnt.com -Telefone:

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA

AR PDV SOLUÇÕES AR CONSULTORIA EM INFORMÁTICA 1 Sumário: 1. AR PDV...02 2. Registro / Login...03 3. Configuração...03 4. Abertura de Caixa...03 5. Registro de Vendas...04 a. Passos para Emissão do Cupom Fiscal...05 b. Inserindo Produtos...06 c. Formas

Leia mais

INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS

INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS INSCRIÇÃO ON- LINE REVEZAMENTOS A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA TÉCNICOS 2015 ABMN Escrito por Julian Romero jromero@abmn.org.br Revisão: 8 March 2015 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA O ACESSO É ATRAVÉS DE LOGIN

Leia mais

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br

Av. Padre Claret, 146 Conj. 503 Centro Esteio/ RS Fone/ Fax: (51) 3033-6663 www.maxce.com.br PARÂMETROS DE LANÇAMENTOS PARAMETRIZAÅÇO PARA O MÉDULO LANÅAMENTOS NO SISTEMA ARQUIVO > LANÅAMENTOS > PARÑMETROS E CONFIGURAÅÖES PREENCHIMENTO DAS GUIAS: 1. GUIA IMPOSTOS: a) Contas relacionadas à apuração

Leia mais

Para cadastrar uma nova conta, clique sobre o botão preencha os campos habilitados.

Para cadastrar uma nova conta, clique sobre o botão preencha os campos habilitados. Contas a Pagar de Condomínio - Sami ERP++ Neste roteiro será explicado os processos de cadastro, controle e quitação das contas a pagar de condomínios. 1. Entrada Contas a Pagar Acesse o Módulo FINANCEIRO

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

Apresentação... 1. 1. Procedimentos iniciais... 1. 2. Novo Pagamento... 4. 3. Manutenção... 5. 4. Assinatura... 6

Apresentação... 1. 1. Procedimentos iniciais... 1. 2. Novo Pagamento... 4. 3. Manutenção... 5. 4. Assinatura... 6 Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 1 2. Novo Pagamento... 4 3. Manutenção... 5 4. Assinatura... 6 5. Baixar pagamentos de borderôs/ cheques... 7 6. Imprimir... 7 7. Estornar... 8 Apresentação

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

Como Funciona: Esta tela é utilizada para cadastrar cheques recebidos de clientes.

Como Funciona: Esta tela é utilizada para cadastrar cheques recebidos de clientes. Como cadastrar Recebidos? FS147 Cheques Sistema: Futura Server Caminho: Conta Corrente>Cadastro de Cheque Recebido Referência: FS147 Versão: 2016.04.11 Como Funciona: Esta tela é utilizada para cadastrar

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO

MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO MANUAL DE INSTALAÇÃO/UTILIZAÇÃO DO PEDIDO ELETRÔNICO 1. INSTALAÇÃO: Antes de iniciar a instalação do pedido eletrônico, entre em contato com o suporte da distribuidora e solicite a criação do código de

Leia mais

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL VERSÃO 359 U N I P A C K NOTA FISCAL ELETRÔNICA CONTENDO ITENS COM CFOP S DISTINTOS RIO DE JANEIRO 25 DE JULHO DE 2013 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 03 2- MOTIVAÇÃO... 03

Leia mais

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I

GERA GESTÃO E CONTROLE DE TÍTULOS: parte I Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Ao acessá-lo pela primeira vez, procure assistir até o final. Caso não consiga, você poderá reiniciar de onde

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

Índice Pagina venda de produtos...03 Desconto em Produtos (Venda)...03 Venda com Entrega...04 Venda Fiado (Promissória)...05 Transferência de

Índice Pagina venda de produtos...03 Desconto em Produtos (Venda)...03 Venda com Entrega...04 Venda Fiado (Promissória)...05 Transferência de Índice Pagina venda de produtos...03 Desconto em Produtos (Venda)...03 Venda com Entrega...04 Venda Fiado (Promissória)...05 Transferência de produtos para uma filial...05 Ajuste de preço de produto...05

Leia mais

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais.

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Explicar as opções disponibilizadas com o recurso Múltiplas filiais. Definir as configurações necessárias para trabalhar

Leia mais

MANUAL WEBDRIVE. webdrive.whirlpool.com.br

MANUAL WEBDRIVE. webdrive.whirlpool.com.br MANUAL WEBDRIVE webdrive.whirlpool.com.br 1 Sumário 1. O Webdrive p. 04 2. Acessando o sistema p. 04 2.1 Esqueci minha senha 2.2 Página principal 2.3 Efetuar logoff 2.4 Criar e alterar Usuários 2.5 Criar

Leia mais

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA AGHOS Versão 01.2011 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. O SISTEMA...4 1.1 Acesso ao Sistema AGHOS:...4 1.2 Teclas de funções do Sistema:...5 1.3

Leia mais

MANUAL SISTEMA AJG/CJF

MANUAL SISTEMA AJG/CJF MANUAL DO SISTEMA AJG/CJF ÍNDICE 1. SEJA BEM VINDO AO AJG... 3 1.1 Seja Bem-Vindo!... 3 2. SOBRE A AJUDA... 4 2.1 Como navegar no ajuda on-line... 4 3. SOBRE O SISTEMA... 5 3.1 Sobre o sistema... 5 3.2

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HERMES 1. Introdução Esse documento tem por objetivo descrever o funcionamento e formas de utilização do módulo de Requisição de Materiais do Sistema de Controle Patrimonial

Leia mais

Conteúdo. 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3. 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3

Conteúdo. 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3. 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3 SPED Fiscal 2013 Conteúdo 1.0 SPED Fiscal Regras Fiscais 2013... 3 1.1 Perfil de apresentação do arquivo digital do SPED Fiscal... 3 2.0 Pré-requisitos para a elaboração do arquivo do SPED FISCAL... 3

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Futura Mobile (Lixeira)? MOB05

Futura Mobile (Lixeira)? MOB05 Como Excluir Pedidos do Futura Mobile (Lixeira)? MOB05 Sistema: Futura Mobile Menu: Lixeira Referência: MOB05 Como Funciona: Este botão é utilizado para excluir pedidos, lista de impressão e reposições

Leia mais

Índice. 1. Registro de Usuários. 2. Acesso ao Sistema. 3. Logar no Sistema. 4. Esquecimento de Senha. 5. Alteração de Senha

Índice. 1. Registro de Usuários. 2. Acesso ao Sistema. 3. Logar no Sistema. 4. Esquecimento de Senha. 5. Alteração de Senha Índice 1. Registro de Usuários 2. Acesso ao Sistema 3. Logar no Sistema 4. Esquecimento de Senha 5. Alteração de Senha 6. Sistema SISAUTO - Sistema de Automonitoramento de Efluentes Líquidos Industriais

Leia mais

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Sumário OBJETIVO...2 INFORMAÇÕES...3 GRUPOS...4 OPERAÇÃO COM PROCESSOS E OFICIOS...5 USUÁRIOS...6 ACESSO...7 1º ACESSO...8 TELA INICIAL DO ACESSO...9 MENU:

Leia mais

ORIENTAÇÕES AO SOLICITANTE

ORIENTAÇÕES AO SOLICITANTE ORIENTAÇÕES AO SOLICITANTE Acessar o Portal da Emprel, através do link: http://www.emprel.gov.br/ e se logar Caso não tenha uma Conta de Usuário, clicar na aba Criar nova conta e preencher os dados. Você

Leia mais

COMUNICADO SIAD 019 /2007 ASSUNTO: Frota Abastecimento no Posto Orgânico Coletivo de Combustível - POC

COMUNICADO SIAD 019 /2007 ASSUNTO: Frota Abastecimento no Posto Orgânico Coletivo de Combustível - POC Órgão/Setor SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rua Bernardo Guimarães, 2731. Tel.: (31) 3290-4600 CEP: 30.180-140 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil CGC: 18.715.607 / 0001-13 Inscrição Estadual:

Leia mais

MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2

MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2 MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO MANUAL EDITOR ESTRUTURADO ELABORAÇÃO DE ESTRUTURA DE DOCUMENTO ADMINISTRADOR Sumário 1 Elaboração de Estrutura de Documento4 11 Cadastrar

Leia mais

Produto : RM TOTVS Folha de Pagamento Bibliotecas RM 11.52.61, 11.53.74, 11.82.33, 11.83.54.

Produto : RM TOTVS Folha de Pagamento Bibliotecas RM 11.52.61, 11.53.74, 11.82.33, 11.83.54. esocial Produto : RM TOTVS Folha de Pagamento Bibliotecas RM 11.52.61, 11.53.74, 11.82.33, 11.83.54. Processo : esocial Subprocesso : N/A Data da publicação : Revisão 1: 15/04/14 Importante Para que os

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 PLANO DE CURSO Como cadastrar um plano de curso?... 3 Como importar um plano de curso?... 4 Como cadastrar o conteúdo programático?... 7 Como cadastrar atividades

Leia mais

Auditoria Financeira

Auditoria Financeira Auditoria Financeira Processo de Uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

FAQ: Parametrização para Contabilização

FAQ: Parametrização para Contabilização TDN > Softwares de Gestão > RM > Recursos Humanos > Administração de Pessoal > FAQ FAQ: Parametrização para Contabilização Produto: Ambiente: RM Unspecified Versão: 11.0 Avaliação A principal finalidade

Leia mais

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós.

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós. O Módulo de Vacina será um divisor de águas dentro da SMS do Salvador. Com a implantação do módulo, as salas de vacinas serão informatizadas, como também alguns de seus processos serão automatizados. Permitirá

Leia mais

Implantação do sistema Condominium

Implantação do sistema Condominium Implantação do sistema Condominium Nesse manual iremos acompanhar o passo a passo para a implantação do sistema, portanto iremos pular algumas telas do cadastro, que deverão ser preenchidas após a implantação

Leia mais