UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010

2 2 Sumário 1. Úlcera Venosa Conceito 1.3 Fisiopatologia. 1.4 Manifestações Clínicas 1.5 Características 1.6 Cuidados 1.7 Tratamento 2 Ulcera Arterial Conceito 2.3 Fisiopatologia 2.4 Manifestações Clínicas 2.5 Características 2.6 Cuidados 2.7 Tratamento 3 Pé diabético Conceito 3.3 Fisiopatologia 3.4 Manifestações Clínicas 3.5 Características 3.6 Cuidados 3.7 Tratamento 4 Ulcera de Pressão Conceito 4.3 Fisiopatologia 4.4 Manifestações Clínicas 4.5 Características 4.6 Cuidados 4.7 Tratamento

3 3 2. Úlcera Venosa Conceito Distúrbios vasculares ocasionam a retenção de sangue, essa estase sanguínea favorece o aparecimento de úlceras venosas. Fisiopatologia A obstrução das válvulas venosas nas pernas, o refluxo do sangue e/ou a deficiência do músculo da panturrilha resulta na insuficiência venosa. O déficit no retorno venoso causa estase sanguínea, onde pequenas veias cutâneas se rompem e os eritrócitos se degeneram ao escaparem para os tecidos vizinhos, deixando os tecidos com uma coloração acastanhada. Manifestações Clínicas Os membros podem apresentar varizes e se caracterizam por um dolorimento e câimbras. Pés e tornozelos podem edemaciar devido a falha no retorno venoso. Características As úlceras se localizam na região do maléolo medial e são de bordas irregulares, a pele se torna espessa e tensa com uma cor vermelho azulada e presença de dermatite. Etiologia As úlceras apresentam várias etiologias, portanto é necessário identificar as características e manifestações clínicas. As úlceras venosas são conseqüência da insuficiência venosa que provoca a estase sanguínea. Cuidados Os cuidados com os pacientes são muito importantes para evitar lesão e ajudar na recuperação e tratamento das úlceras. O paciente deve elevar os membros inferiores quatro vezes por dia durante trinta minutos para facilitar o retorno venoso, evitar calçados e roupas apertados, utilizar meias elásticas de compressão para estimular o retorno venoso, hidratar bem a pele,

4 4 evitando o ressecamento, estimular deambulação de forma gradual para promover o retorno venoso. Tratamento As úlceras devem ser limpas e umidificadas. O tecido desvitalizado deve ser removido para facilitar a cicatrização.é necessário manter uma nutrição equilibrada rica em proteínas, vitaminas C e A, ferro e zinco. Os fatores de risco dever ser reduzidos facilitando assim a cicatrização e evitar possíveis complicações. Após a cicatrização é importante cuidar para que não ocorra um trauma e favorece o aparecimento de novas úlceras. 2. Úlcera Arterial Conceito Lesão provocada pela isquemia relacionada a insuficiência arterial. A insuficiência arterial ocorre devido a formação de ateroma na parede das artérias conhecidas como aterosclerose. Fisiopatologia A aterosclerose é formada por um depósito de lipídeos, carboidratos, tecido fibroso na parede das artérias. A presença de um ateroma provoca o estreitamento da luz das artérias, dificultando o fluxo sanguíneo normal, provocando isquemia e subseqüente, levando a uma necrose do tecido. A lesão ocorre com freqüência nas porções distais comprometendo dedos e pés. Manifestações Clínicas As principais manifestações são claudicação intermitente, ou seja, dores nos membros ao repouso. As úlceras podem ser muito dolorosas, aumentando com a elevação do membro e com o exercício. Características

5 5 gangrena seca. Lesões profundas com bordas irregulares, pele dos artelhos enegrecidas e Etiologia Geralmente as úlceras venosas são conseqüências de uma insuficiência arterial onde uma placa de ateroma que está localizado na extremidade inferior e interrompe o fluxo sanguíneo. A insuficiência arterial pode ser originada em alguns casos de doenças arteriais, como a doença de Buerger. A identificação da úlcera arterial se dá através da observação das manifestações clínicas e caracteristicas No diagnóstico da insuficiência arterial é realizado o exame de medida do índice tornozelo/braquial (ITB). No exame a pressão arterial é medida e é calculado a média entre a pressão diastólica e sistólica. Cuidados Os fatores de risco como: diabetes mellitus,tabagismo,hipertensão, hiperlip idemia devem ser reduzidos. Proteger os membros de um possível trauma e infecção. Tratamento Compressas, loções e absorção de umidade protege os membros do risco de desenvolver infecção. A ferida local deve ser tratada de acordo com o comprometimento. Se houver presença de gangrena seca, esta não deve ser debridada pois age como proteção do tecido subjacente. A isquemia grave pode exigir um procedimento cirúrgico onde a área afetada é amputada. O tratamento farmacológico inclui substâncias trombolíticos, anticoagulantes, vasodilatadores, pentoxifilino e é prescrito por um profissional especializado.

6 6 3. Pé diabético Conceito A insuficiência arterial associada com as neuropatias provoca a perda da função neural e favorece o aparecimento de úlcera diabética conhecida como pé diabético. As neuropatias se dividem em autônoma, sensitiva e motora. Fisiopatologia A falta de sensibilidade é geralmente devido ao comprometimento neuropático do sistema sensitivo que causa a perda de sensibilidade tátil, térmica, dolorosa, a úlcera pode surgir devido a falta de percepção dos pequenos traumas. Na neuropatia motora há fraqueza dos músculos intrínsecos do pé e atrofia, causando flexão e deformação dos dedos que sofrem pressão em determinadas áreas, favorecendo o aparecimento de calos ocasionando o risco de lesões. A neuropatia autônoma resulta em diminuição ou ausência da secreção de suor levando a um ressecamento da pele. Manifestações Clínicas Pela perda de sensibilidade e/ou mal hábito de inspecionar os pés, as fissuras ou lesões podem passar despercebidas. A drenagem, o rubor da perna, o edema ou a gangrena podem ser os primeiros sinais de formação da úlcera diabética. A infecção se instala e o não tratamento pode ocasionar a amputação do membro com o objetivo de evitar a disseminação da infecção.

7 7 Características O pé pode apresentar o rubor, pele seca, calos duros e rígidos. Os artelhos levantados, decorrentes do pé em garra, sofrem lesão devido a pressão exercida sobre eles e pela falta de espaço nos calçados. As características das úlceras variam de acordo com o comprometimento. As úlceras neuropáticas se caracterizam em lesões indolores e circulares nas áreas plantares e geralmente são profundas exudativas, de odor acentuado podendo apresentar infecção. Etiologia O pé diabético é uma das complicações da Diabetes Mellitus. O mal controle e alguns fatores de risco favorecem o desenvolvimento de infecção nas úlceras, sendo que a duração do diabetes por mais de dez anos, a presença de neuropatias, enfermidade vascular, presença de calosidades, deformidades nos pés, história de amputação ou úlceras de pé prévias, idade acima de quarenta anos, calçados inadequados, alcoolismo, tabagismo e má higiene nos pés. Cuidados Os profissionais devem orientar os pacientes sobre o cuidado com os pés e o controle do diabetes. Os pacientes devem ficar atentos a sapatos adequados e confortáveis, evitar temperaturas extremas de frio ou calor, não usar meias e roupas apertadas, lavar e secar bem os pés, usar creme hidratantes nos pés, exceto entre os dedos para evitar umidade, inspecionar e avaliar diariamente os pés, cortar as unhas retas, não andar descalço, não utilizar tesouras, facas e produtos químicos para remover calos, manter o controle da glicemia e do peso corporal e procurar ajuda médica. Tratamento Fazer a limpeza e realizar cobertura adequada observando as características das lesões, usar o método de desbridamento aulolítico ou enzimático para retirar o tecido necrótico, evitar enfaixamento restritivo para não agravar o comprometimento vascular, manter o membro em repouso e usar muletas para auxiliar a deambulação.

8 8 4. Úlcera por pressão Conceito Úlcera por pressão ou úlcera de decúbito são lesões provocadas por pressão mantida sobre uma superfície da pele ocorrendo dano subjacente. Fisiopatologia É causado por pressão, fricção e/ou atrito sobre um tecido mole que se comprime entre uma proeminência óssea e uma superfície externa por um longo tempo. A pressão exercida sobre o capilar move o líquido para fora do capilar e a pressão coloidosmótica plasmática tende a causar osmose e mover o líquido para dentro através da membrana capilar, suas paredes se rompem. O líquido intersticial se desloca e as células entram em contato uma com as outras, rompendo as membranas celulares. O tecido não recebe oxigênio e nutrientes, com isso as células produzem subprodutos tóxicos que vão acarretar acidose tecidual levando ao aumento da permeabilidade da membrana celular, edema e morte celular. Características e Manifestações Clínicas As úlceras são classificadas em estágios de acordo com a profundidade e o comprometimento tecidual. No estágio I, a pele ainda intacta apresenta alterações de temperatura (quente ou fria), tecido mole a palpação, dor e/ou prurido e pele avermelhada. No estágio II, ocorre a perda parcial da pele, comprometendo a epiderme ou derme. Úlcera superficial com presença de bolha ou orifício raso. No estágio III, a espessura da pele está totalmente perdida, envolvendo necrose ou danos em tecidos subcutâneos e apresenta clinicamente um orifício profundo. No estágio IV, a perda e destruição total da espessura da pele, danos ou necrose de músculos, ossos ou estrutura de suporte como tendões e articulações.

9 9 Etiologia O principal fator etiológico das úlceras é a pressão, portanto os níveis excessivos de sobrecarga ou repetitivas forças produzem lesão no tecido ocasionando a privação de oxigênio e nutrientes, desencadeando isquemia tecidual. Cuidados A combinação entre a falta de mobilidade de cognição, motivação para movimentar, fatores relacionados com nutrição e incontinência podem favorecer a ocorrência de úlceras. É importante a educação de pacientes, familiares e cuidadores quanto a melhora da tolerância tissular em relação a pressão com a finalidade de prevenir lesões. Incontinência, limpar a pele após eliminações e em intervalos regulares, utilizando sabonetes e produtos suaves que minimizem a umidade. Evitar puxar ou arrastar o paciente se for necessário movê-lo, utilize lençóis ou outros dispositivos. Evitar massagem vigorosa sobre proeminência óssea. Utilizar cremes hidratantes ou óleos lubrificantes na pele. Se necessário proteger áreas de contato com películas protetoras, filme de poliuretano ou coberturas finas e transparentes que permitam a visualização da área e que diminua a ação de fricção. Mudar de posição a cada duas horas e utilizar almofadas que reduzem a pressão em proeminências ósseas. Respeitar alinhamento postural e anatomia distribuindo o peso corporal. Manter nutrição e oferta de líquidos adequados. Utilizar superfícies de baixa pressão contínua como: espumas em forma de caixa de ovo, colchonete com alterações de ar e espuma que se molde a corpo controlando a temperatura corporal. O paciente deve estar em área de apoio ampla, baixa retenção de umidade que reduza o atrito e a pressão local. Tratamento É necessário avaliar a úlcera, reduzir a pressão, fricção e cisalhamento com o objetivo de ajudar o tratamento da ferida. O tratamento constitui em limpeza do leito com remoção de tecido necrótico, controlar o exudato com coberturas interativas. A infecção deve ser prevenida, considerando os fatores nutricionais, garantindo nutrientes que ajudem na regeneração tissular. O tratamento cirúrgico é indicado para úlcera de estágio II e IV quando não respondem a terapia conservadora. No tratamento cirúrgico com enxertos o leito da

10 10 ferida deve estar livre de necrose e infecção, neste procedimento é retirada de uma porção da pele que é transferida para outro local onde irá adquirir novo suprimento sanguíneo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BORGES,Eline Lima, et al. FERIDAS COMO TRATAR. 2 edição.editora Coopmed. SMELTEZER, Suzanne C e BARE, Brenda G.TRATADO DE ENFERMAGEM MÈDICO CIRÚRGICA. 9 Edição. Volume 2. Editora:Guanabara Koogan.2002

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1.

NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO. Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1. NEUROPATIA DIABETICA E DOENÇA ARTERIAL PERIFERICA O QUE AVALIAR E O QUE PROCURAR PÉ DIABÉTICO Enfermeira Leila Maria Sales Sousa 1 O conceito Infecção, ulceração e a destruição dos tecidos profundos com

Leia mais

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 2008 1 Licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem de Vila Real. Inscrito na Ordem dos Enfermeiros com o número

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO PROBLEMAS CAUSADOS PELO DIABETES MELLITUS CORAÇÃO: Doença arterial coronariana e risco de infarto do miocárdio RINS: Nefropatia CÉREBRO: Acidente vascular cerebral

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09 Uberaba, 23 de março de 2012 Gabarito da Prova Prática do Processo Seletivo Interno para o cargo de Enfermeiro Possíveis diagnósticos de Enfermagem com seus respectivos planejamentos: 01) Integridade da

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO Úlcera de Pressão Também conhecida como escara ou úlcera de decúbito. É definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (subcutâneo, músculo,

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões

Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Centro Hospitalar de Coimbra Hospital dos Covões Hospital de Dia de Diabetes Gabriela Figo - Serviço de Ortopedia 1. Em todo o mundo os Sistemas de Saúde falham na resposta ás necessidades do pé diabético

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Leia mais

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas

Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Reabilitação Pós câncer de mama Assistência às mulheres mastectomizadas Profª Drª Fabiana Flores Sperandio O que é câncer de mama? É uma doença que surge quando células da mama sofrem uma mutação e se

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM

DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM DOENÇAS VENOSAS CRÔNICAS E O CUIDADO DE ENFERMAGEM 1 ALMEIDA, Pâmela Batista 1 BUDÓ, Maria de Lourdes Denardin 2 SILVEIRA, Celso Leonel 3 ROSA, Adonias Santos 4 SILVA, Silvana Oliveira 5 SILVA, Silvana

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Dagma Costa Enfermeira saúde da criança e adolescente Pollyane Silva Enfermeira saúde do adulto Roberta Tirone Enfermeira saúde do idoso Residencia Integrada multiprofissional

Leia mais

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO

bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 RESUMO bahavaliação DOS FATORES DE RISCO ASSOCIADOS À PRESENÇA DE ÚLCERAS DE MEMBROS INFERIORES EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II 1 Francéli Marcon Garcia 2 Mara Inês Baptistella Ferão 3 RESUMO O referente

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

CUIDADOS COM A PELE DO

CUIDADOS COM A PELE DO CUIDADOS COM A PELE DO ENFERMAGEM RECÉM-NASCIDO Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A pele do recém-nascido (RN) apresenta algumas peculiaridades que a

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Avaliação e Cuidados com os Pés de Pessoas com Diabetes Mellitus na Atenção Básica Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Entre as complicações crônicas do diabetes mellitus (DM), as úlceras de pés

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso. Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido

Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso. Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido Quando estamos em pé nosso estrutura é a de um pendulo invertido Equilíbrio é a capacidade de manter o corpo estável em movimento ou em repouso Equilíbrio Dinâmico Capacidade de manter o corpo em equilíbrio

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) OBJETIVOS DO APRENDIZADO SOBRE DAP 1. Aprender a DIANOSTICAR a doença 2. Identificar e tratar adequadamente os FATORES

Leia mais

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores.

Em que situações se deve realizar um eco- doppler arterial dos membros inferiores. O que é um eco- doppler? O eco- doppler, ultrassonografia vascular ou triplex- scan é um método de imagem que se baseia na emissão e reflecção de de ondas de som (ultra- sons). Através deste exame é possível

Leia mais

Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA

Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA Apoio Orientação para pacientes adultos e famílias ANOTAÇÕES As ÚLCERAS por PRESSÃO e escaras são problemas sérios que podem causar dor, levar a uma

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Prevenção de Úlcera por Pressão em ILPIs. Guia para Cuidadores de Idosos

Prevenção de Úlcera por Pressão em ILPIs. Guia para Cuidadores de Idosos Prevenção de Úlcera por Pressão em ILPIs 1 Guia para Cuidadores de Idosos Apresentação 2 3 Um dos principais motivos para o aumento da sobrevida das pessoas idosas é o avanço das ciências médicas, Embora

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE Resumo Diabetes Melittus é uma doença crônica que poderá acometer

Leia mais

cuidado profissional para a pele adulta

cuidado profissional para a pele adulta NATURALMENTE CIÊNCIA cuidado profissional para a pele adulta extracto centelha asiática óleo de prímula extracto de ambiaty óleo de alecrim óleo de groselha preta aloé vera PREVENÇÃO E PROTECÇÃO O CUIDADO

Leia mais

D E R M A T I T E S HISTÓRIA

D E R M A T I T E S HISTÓRIA D E R M A T I T E S As dermatoses ocupacionais, conhecidas como dermatites de contato, manifestam-se através de alterações da pele e decorrem direta ou indiretamente de certas atividades profissionais.

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO

PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO DA PREVENÇÃO AO TRATAMENTO DAS FERIDAS NEM SEMPRE SE ACERTA, MAS SEMPRE SE APRENDE... PROF.DR.JOÃO ROBERTO ANTONIO RELATO DE CASO AF: n.d.n. ID: masculino, 39 anos, branco, casado, natural e procedente

Leia mais

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE

B BRAUN. Askina Calgitrol Ag. Curativo de Alginato e Prata para Feridas. SHARING EXPERTISE Askina Calgitrol Ag Curativo de Alginato e Prata para Feridas. Askina Calgitrol Ag é um curativo desenvolvido pela tecnologia B. Braun que combina a alta capacidade de absorção do alginato de cálcio e

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé

Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé Dez causas de dor nos pés Por Vitor Almeida Ribeiro de Miranda Médico Ortopedista Membro da Associação Brasileira de Cirurgia do Pé Grande parte dos problemas nos pés são causados por calçados mau adaptados.

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo:

Ficha de Controle das Alterações dos Pés de Pacientes Diabéticos. Texto Explicativo: Texto Explicativo: A ficha da sala de curativo deve ser preenchida enquanto se faz a anamnese e o exame físico do paciente na sala de curativos. Se possível, deverão estar presentes e preenchendo-a em

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 Dispõe sobre as competências dos profissionais de enfermagem na prevenção e tratamento das lesões cutâneas. O Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais, no exercício de

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

SPA dos PÉS. Toshihiro Asamura

SPA dos PÉS. Toshihiro Asamura SPA dos PÉS Toshihiro Asamura Logomarca SHIN = NOVO SEI = VIDA HIDRATAÇÃO DOS PÉS HIDRATAÇÃO DOS PÉS Porque Hidratar os Pés Aspecto Beleza Aspecto Saúde HIDRATAÇÃO DOS PÉS Aspecto Beleza Pés bem tratados

Leia mais

Diabetes - Introdução

Diabetes - Introdução Diabetes - Introdução Diabetes Mellitus, conhecida simplesmente como diabetes, é uma disfunção do metabolismo de carboidratos, caracterizada pelo alto índice de açúcar no sangue (hiperglicemia) e presença

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

Úlcera Venosa x Actisorb Plus + Dyna Flex

Úlcera Venosa x Actisorb Plus + Dyna Flex Úlcera Venosa x Actisorb Plus + Dyna Flex Enfª Elisângela Cristina Bardiviesso Empório Médico / Johnson & Johnson Enfª Beatrice Home Care Unimed São José do Rio Preto Dr. Augusto da Silva Unidade Cardiovascular

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932.

ORIENTAÇÕES SOBRE ACESSOS VASCULARES PARA TRATAMENTO DE HEMODIÁLISE. Contactos: Unidade de Hemodiálise: 276300932. Evitar a infecção A infecção é uma complicação grave que pode ocorrer por ter as defesas diminuídas. Prevenir também depende de si. Cumpra as regras de higiene e as indicações fornecidas pela Equipa do

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas.

2. Contra indicações relativas: Pacientes hemodinamicamente instáveis e cirurgias urológicas. Revisão: 10/07/2013 PÁG: 1 CONCEITO Prática de higiene destinada a identificar pacientes em risco de desenvolver infecção da genitália, do trato urinário ou do trato reprodutivo e assegurar conforto físico.

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Alterações ósseas e articulares

Alterações ósseas e articulares Alterações ósseas e articulares Renato Cesar Sacchetto Tôrres Júlio César Cambraia Veado Índice Alterações nutricionais e metabólicas Osteopenia Osteopatia hipertrófica (pulmonar) Hipervitaminose A Osteopatia

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES

URGÊNCIAS VASCULARES TRAUMAS VASCULARES URGÊNCIAS VASCULARES Trauma Trombo-Embolia Infecções Aneurismas Iatrogenia Arterial Venosa Pé Diabético Roto -Roto Os serviços de cirurgia vascular da SES/DF são encontrados nos seguintes hospitais: HBDF

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais