Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação"

Transcrição

1 Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP

2 Em fases que o utente necessite de períodos de acamamento, um bom posicionamento e uma mobilidade adequada, irá facilitar a manutenção da integridade da pele, tal como das amplitudes articulares, da força muscular e do movimento.

3 As úlceras de pressão (úlceras de decúbito, úlceras da pele ou escara) são lesões cutâneas que se produzem em consequência de uma falta de irrigação sanguínea e de uma irritação da pele que reveste uma saliência óssea, nas zonas em que esta foi pressionada contra uma cama, uma cadeira de rodas, uma tala ou outro objecto rígido durante um período prolongado.

4

5 Deve-se ter em atenção: Roupa inapropriada (ex: apertada); Lençóis enrugados; Fricção de sapatos contra a pele; Exposição prolongada à humidade (sudação frequente, urina ou fezes).

6 Pessoas Paralisadas; Pessoas muito debilitadas/acamadas; Pessoas com alterações da sensibilidade, o que pode levar a diminuição da sensação de dor ou incómodo, podendo ser provocadas pela presença de uma ferida, diabetes, lesão de um nervo e outras; Pessoas desnutridas, pois não possuem a camada de gordura protectora das extremidades ósseas.

7 Dor Comichão Desconforto Rubor

8 A prevenção das zonas de pressão depende, do trabalho conjunto de vários profissionais onde se inclui o Fisioterapeuta. Esta prevenção é feita através de: Auto-controlo espelho; Mudanças frequentes de decúbitos/posição (2 em 2 horas); POSICIONAMENTOS; Mobilização passiva ou activa;

9 Camas articuladas; Uso de material anti-escara; Alimentação adequada; Higiene adequada; Cuidados com a roupa.

10 A maioria das úlceras de pressão é evitável e podem ser prevenidas. As superfícies de apoio, sejam camas, colchões ou cushins de cadeiras, têm sido utilizadas durante muitos anos para ajudar a prevenção de úlceras de pressão Prevenir úlceras de pressão evita a dor e desconforto desnecessários e até mesmo a morte

11 Posicionamentos

12 Um posicionamento para ser eficaz, deve: Promover conforto = deve-se adaptar o posicionamento às necessidades do utente, este posicionamento sempre que possível deve ser uma opção conjunta entre o profissional de saúde e o utente; Prevenir alterações da força muscular, movimento e amplitudes articulares = o posicionamento escolhido deve facilitar a mobilidade e mobilização do utente; Prevenir ZONAS DE PRESSÃO. A mudança frequente de decúbitos contribui como estimulo circulatório (movimento), induzindo o alivio constante das zonas de pressão.

13 Zonas mais susceptíveis de pressão

14 Posicionamento em Decúbito Dorsal (Barriga para cima) SEMI-DEPENDENTE Membros superiores ligeiramente abduzidos (afastados); Cotovelos semi-flectidos, dedos ligeiramente abertos e semiflectidos; Tibio-társica em posição neutra (evitar o peso da roupa).

15 TOTALMENTE DEPENDENTE Colocação em posição neutra da cabeça, tronco e membros; 1 almofada na cabeça e ombros; 1 almofada em cada membro superior e membro inferior com ligeira abdução; Evitar o contacto dos calcâneos. Ter em atenção: Curvaturas fisiológicas; Descarga das zonas de pressão; Alívio total das zonas de pressão quando existir o mínimo sinal de alarme;

16 Posicionamento em Decúbito Lateral (Deitado de lado) SEMI-DEPENDENTE Posicionamento funcional da mão; Membro inferior em apoio - anca em extensão, tibio-társica bem posicionada/suportada (atenção ao maléolo externo).

17 TOTALMENTE DEPENDENTE Almofada entre as costas e a cama; Manter o ombro infra-lateral ligeiramente anteriorizado; Suportar a mão infra-lateral na almofada da cabeça; Manter o membro supra-lateral ao nível do ombro; Manter os joelhos em flexão com uma almofada entre os dois. Ter em conta: Cabeça/segmento cervical suportado; Membro superior em apoio; Membro superior contra lateral semi-flectido sobre o tronco ou apoiado numa almofada;

18 Transferências

19 Procedimento Padrão para executar uma Transferência 1- AVALIAÇÃO DO UTENTE Tipo de patologia; Grau de dependência; Condições em que está acamado. 2 - SELECÇÃO DA TRANSFERÊNCIA Tipo de transferência; Número de transportadores; Trajecto; Saber se o utente já fez alguma transferência - como correu;

20 Procedimento Padrão para executar uma Transferência 3 - POSIÇÃO DO EQUIPAMENTO Preparar o espaço; Posição da cama, cadeira, C.R., etc ( + curto + fácil + seguro + funcional); Verificar onde estão os auxiliares de marcha; Verificar a altura das superfícies implicadas na transferência. 4 - INFORMAR O UTENTE E POSICIONÁ-LO Informar: melhora a colaboração do utente; reduz a ansiedade/medo; maior sintonia; Posicionar: melhora a colaboração; diminui o risco de queda; diminui o risco de magoar certas zonas do corpo.

21 Procedimento Padrão para executar uma Transferência 5 - INSTRUÇÕES POSICIONAMENTO DOS AJUDANTES/COMANDOS Só um comanda; Palavras, números; Exemplo: estão prontos? suportar puxar levantar 2 passos para trás parar baixar o utente. 6- CONTACTOS MANUAIS Posição da mão/dedos; Suportar, não agarrar; Mãos suadas!!!! Não; Fazer pressão contra o colchão.

22 Regras As mãos servem de suporte e não devem agarrar os membros por cima (instabilidade e insegurança); Evitar pressão com as extremidades dos dedos, magoar e transmitir medo e insegurança; Durante a elevação do utente, devem ser evitados movimentos de maior amplitude.

23 Selecção da Transferência O utente está consciente ou inconsciente? Onde está o utente? Em que posição está? Para onde vamos transferi-lo? Existem problemas especiais como espasticidade ou flacidez?

24 Selecção da Transferência Todas as articulações têm amplitudes de movimento normais? O utente consegue agarrar, puxar ou empurrar-se com as mãos? O utente tem alguma deficiência auditiva ou visual? Podemos mobilizar o utente sem lhe provocar dor? A pele pode ser tocada nos sítios onde vamos dar suporte para a transferência?

25 Mobilidade no leito

26 Tipo de pegas

27 No início da transferência

28 Tipos de Transferências CLÁSSICA 1 TRANSPORTADOR Transferência utilizada em utentes parcialmente dependentes para: Cama cadeira Cadeira cadeira

29 CLÁSSICA 1 TRANSPORTADOR Transferência utilizada em utentes parcialmente dependentes para: Cama cadeira Cadeira cadeira

30 CLÁSSICA 2 TRANSPORTADORES Transferência utilizada em utentes parcialmente dependentes para: Cama cadeira Cadeira cadeira

31 TRANSFERÊNCIA COM 2 TRANSPORTADORES Transferência utilizada: Cama cadeira Cadeira cadeira

32 Prática

33 Recomendações As transferências devem ser feitas em grupo, quando possível; Estabelecer quem comanda a transferência após definida a estratégia; Depois de toda a equipa informada, as ordens devem ser explicitas identificando bem a situação; A comunicação é fundamental, no sentido de explicar de modo claro e simples a manobra ao utente; Proporcionar uma atitude de segurança/confiança; Explicação dos comandos à equipa, simples e adaptada à situação; Suporte, transmitir conforto e segurança pelo contacto manual.

34 Causas de Acidentes durante uma Transferência Falha na avaliação do peso e tipo de utente a transferir e nº de pessoas requeridas; Utente muito pesado para o nº de transportadores; Segurar demasiado tempo o utente; Acessibilidade dificultada pelo meio circundante ou mobília; Estar muito distante do utente;

35 Causas de Acidentes durante uma Transferência Não haver comunicação com os transportadores ou com o utente; O utente falha na cooperação esperada; Os transportadores não usam roupa adequada à tarefa; Transportadores com alturas muito diferentes; Problemas do transportador (costas, pescoço, ombros).

36 Factores de Influência das Lesões Músculo-Esqueléticas A saúde apresenta uma elevada taxa de Incidência de Lesões Músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho (Doenças profissionais), nomeadamente ao nível das lesões nas costas. Os auxiliares de acção médica são uma das populações em risco de contrair este tipo de patologia.

37 Factores de Influência das Lesões Músculo-Esqueléticas Frequência, força e posturas associadas à transferência e posicionamento dos utentes; Características dos utentes, em particular, as suas limitações e o seu grau de dependência; Conhecimento e aplicação correcta de técnicas para transferência e mobilização de utentes; Existência e uso apropriado dos equipamento de apoio para transferência e mobilização de utentes; Organização do trabalho; Crença de que as lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho fazem parte do trabalho.

38 Obrigado!!

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 2008 1 Licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem de Vila Real. Inscrito na Ordem dos Enfermeiros com o número

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes.

Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Adaptação do trabalho ao homem. Pessoas diferentes Capacidades físicas e mentais diferentes. Tarefas que exijam elevada acuidade visual Visão desfocada e sensação de olhos a arder. Teclar de forma incorrecta

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes

Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Tarefas prescritas de levante, movimentação e transferência de doentes Modo de proceder na preparação da tarefa com o doente (ACSS 2008; Alexandre & Rogante, 2000; Coelho, 2010; Elkin, Perry, & Potter,

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

Acessibilidade, responsabilidade de todos

Acessibilidade, responsabilidade de todos Acessibilidade, responsabilidade de todos APRESENTAÇÃO Programa A Receita É Saúde Gerente Responsável Raul Alves Buarque Ação Cadeira Certa Rui Alberto Fank Edição Jornalista Adroaldo Corrêa Texto Técnico

Leia mais

Dicas para uma boa noite de sono

Dicas para uma boa noite de sono Dicas para uma boa noite de sono Ter uma boa noite de sono é um dos melhores hábitos para melhorar a saúde: fortalece a memória, ajuda a controlar a hipertensão e o diabetes, diminui riscos de doenças

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA

Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA Guia para prevenção de ÚLCERA por PRESSÃO ou ESCARA Apoio Orientação para pacientes adultos e famílias ANOTAÇÕES As ÚLCERAS por PRESSÃO e escaras são problemas sérios que podem causar dor, levar a uma

Leia mais

VIVER COM O SEU NOVO OMBRO

VIVER COM O SEU NOVO OMBRO VIVER COM O SEU NOVO OMBRO VIVER COM O SEU NOVO OMBRO VIVER COM O SEU NOVO OMBRO VIVER COM O SEU NOVO OMBRO A prótese do ombro é uma cirurgia ortopédica complexa, que faz parte das diversas soluções que

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

Prestador de Cuidados

Prestador de Cuidados Prestador de Cuidados DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 (último dia termina

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015

WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015 WORKSHOP Tecnologia na Mobilidade e Posicionamento 19 MAR 2015 1 Seleção de um produto de apoio para a mobilidade e posicionamento: Os fatores que fazem toda a diferença! 2 1. Fatores Influenciadores Qual

Leia mais

Cadeira voltada para trás Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m

Cadeira voltada para trás Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m Cadeira voltada para trás Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+ 0-13 kg 0-12 m 1 !! Obrigado por optar pela BeSafe izi Sleep A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.

Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof. MASSAGEM PARA GESTANTE E SHANTALA Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho SHANTALA

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos

No sentido da marcha. Manual de instruções. Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos No sentido da marcha Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 2-3 15-36 kg 4-12 anos 1 ! Obrigado por optar pela BeSafe izi Up FIX A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS Ano lectivo 2011/2012 Posicionamento e Mobilidade Posicionamento em cadeira de rodas: Acto terapêutico que implica a utilização de diversos

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa Programa de Formação Código - Designação Cuidadores A atitude perante o idoso Local Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Rua Camilo Castelo Branco, N.º4, a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal, Lisboa

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION. (tradução da versão inglesa)

MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION. (tradução da versão inglesa) MANUAL DE UTILIZADOR STARLOCK CUSHION (tradução da versão inglesa) ÍNDICE 1. Sobre este manual 2. A Almofada Starlock a. Avisos b. Componentes Importantes da Starlock c. Utilização i. A quantidade certa

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio.

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio. Definem-se ajudas técnicas, como produtos de apoio, especialmente, produzidos e disponíveis, para prevenir, compensar, monitorizar, aliviar ou neutralizar qualquer impedimento, limitação da actividade

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÕES/ APRESENTAÇÕES 2015

PROGRAMA DE FORMAÇÕES/ APRESENTAÇÕES 2015 PROGRAMA DE FORMAÇÕES/ APRESENTAÇÕES 2015 Reconhecendo que as necessidades na área da mobilidade reduzida e que as respostas a estas necessidades estão em constante evolução, é com muita satisfação que

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a

no sentido da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a no sentido da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 1 9-18 kg 9m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Comfort. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger a sua

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Invacare Softform NOVO

Invacare Softform NOVO Invacare Softform NOVO Conforto e prevenção da escara Invacare Softform é uma nova linha de colchões de alta qualidade, complementada com vários acessórios, preparada para todas as situações. Os colchões

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES

PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES PATOLOGIA DA COIFA DOS ROTADORES DOENÇAS DA COIFA DOS ROTADORES A coifa dos rotadores é um conjunto de

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados

Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados Orientações aos Cuidadores de Pacientes Acamados SUMÁRIO Prezado cuidador....................... 03 Algumas Sugestões Sobre Higiene Bucal e Corporal........ 04 Banho.......................................

Leia mais

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Metodologia do Indoor Cycle Em foco... Década de 80 Inspirado no ciclismo outdoor Simulação de ciclismo outdoor 2 Segurança Características Intensidade,

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol

Bateria de Medidas e Testes. Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol Bateria de Medidas e Testes Centros de Formação de Jogadores Federação Portuguesa de Voleibol 2004 Nota Introdutória A bateria de medidas e testes a ser aplicada nos centros de formação resulta de um conjunto

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde.

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. MANUAL DO LIAN GONG Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. A ginástica Lian Gong (pronuncia-se "liam cum") foi desenvolvida na China, pelo Dr. Zhuang

Leia mais

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a 1 26 27 34 35 16 2 4 3 Manual de utilização 5 6 8 9 7 10 11 12 13 14 15 28 29 36 31 17 30 37 No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1 19 20 21 23 Peso 0-18 kg 18 22 38 39 Idade

Leia mais

Standing Frame Hip Manual de instruções

Standing Frame Hip Manual de instruções Standing Frame Hip Manual de instruções Caro cliente, Gostaríamos de lhe agradecer a confiança demonstrada na compra do nosso produto. Recomendamos que leia este manual de instruções bem como as recomendações

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a

No sentido inverso ao da marcha. Altura 61-105 cm. Peso máximo 18 kg. UN regulation no. R129 i-size. Idade 6m-4a 1 23 2 4 3 Manual de utilização 5 6 7 24 26 8 9 10 11 12 13 14 No sentido inverso ao da marcha Altura 61-105 cm 16 17 18 20 25 Peso máximo 18 kg 15 19 Idade 6m-4a UN regulation no. R129 i-size 21 22 27

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I

I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO A IMPORTÂNCIA DO DESCANSO NA NOSSA VIDA QUAL O COLCHÃO IDEAL? 1. COMO ESCOLHER A MELHOR SOLUÇÃO DE DESCANSO 2. MEDIDAS DE SUPERFÍCIE DE DESCANSO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais