O LIVRO DIDÁTICO COMO FONTE FUNDAMENTAL DE PESQUISA PARA A INVESTIGAÇÃO DO DISCURSO EUGÊNICO NA EDUCAÇÃO ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O LIVRO DIDÁTICO COMO FONTE FUNDAMENTAL DE PESQUISA PARA A INVESTIGAÇÃO DO DISCURSO EUGÊNICO NA EDUCAÇÃO (1946-1961)"

Transcrição

1 1 O LIVRO DIDÁTICO COMO FONTE FUNDAMENTAL DE PESQUISA PARA A INVESTIGAÇÃO DO DISCURSO EUGÊNICO NA EDUCAÇÃO ( ) Célia A. Rocha Estudante de doutorado PPGE da Faculdade de Educação da UFMG Palavras-chave: livro didático eugenia. INTRODUÇÃO Pretendemos neste texto problematizar o manual escolar como fonte de pesquisa histórica e a partir desta questão, descrever alguns procedimentos metodológicos vivenciados em nossa pesquisa de doutorado, em andamento, que mostra a persistência do discurso eugenista (categorias e fundamentos) na educação. Nossa análise enfoca o ensino normal/curso de formação de professores primários de Minas Gerais e examina o discurso eugênico presente nos manuais escolares das disciplinas: ciências naturais, biologia educacional, higiene e puericultura e higiene e educação sanitária, que foram indicadas para este ensino entre 1946 e Poucos são os trabalhos historiográficos que problematizam a questão da eugenia no período pós-guerra, possivelmente devido a crença no suposto desaparecimento da eugenia como ciência e do discurso eugênico da produção científica brasileira. Acreditamos que a permanência da eugenia foi construída e mantida pela educação, quando esta, ao trabalhar o conhecimento científico sobre sexualidade, hereditariedade, genética, anatomia, fisiologia, higiene, biologia, saúde, doença e hábitos mentais sadios, produziu práticas discursivas sobre formas de comportamento, técnicas corporais e morais de ser e de se constituir, cujos objetivos visavam à construção da perfeição humana, o que significaria a repercussão do objetivo máximo da eugenia, a constituição do homem eugênico. Não seria esta uma força educativa da eugenia que continuou circulando na sociedade através da escola? Além da ampla propaganda veiculada pelos eugenistas e higienistas através de panfletos, revistas, jornais etc, não seria o manual escolar um local e veículo privilegiado para a divulgação de uma ciência e para a produção discursiva sobre modos de ser e de agir na sociedade de modo eugênico? Foi pensando a partir desta perspectiva, que tomamos o livro didático como fonte principal de análise do discurso eugênico. Para desenvolver esta análise e compreender o livro didático como documento histórico, recorremos às concepções e orientações de historiadores do livro didático, como Choppin, e estudos de alguns pesquisadores brasileiros, como, Batista, Galvão, Freitag e Bittencourt. Para a compreensão de qual discurso eugênico e como este discurso esteve presente no ensino normal/curso de formação de professores primários (primeiro e segundo ciclos), após 1946, visamos investigar nos livros didáticos: os conteúdos sobre eugenia; as imagens de

2 2 corpo; a presença da eugenia a partir das noções de saúde, raça, hereditariedade, biotipologia e higiene; o processo de adaptação do conhecimento científico e o conteúdo escolhido para ser publicado, no sentido de perceber o modo de escolarização de determinado saber social e científico; o conteúdo que foi instituído oficialmente sobre eugenia; a relação da instituição da eugenia com a formação dos professores primários; a autoria dos livros, no sentido de identificar o sujeito, seu status e o lugar de sua produção. O LIVRO DIDÁTICO COMO FONTE FUNDAMENTAL DE PESQUISA Ao utilizar o manual escolar como fonte para esta investigação, nossa intenção é entender como uma determinada ciência foi apresentada por um meio particular, cuja análise deve considerar sua autoria, seu ambiente de produção, utilização, tiragem e distribuição. Ao escolher o livro didático como fonte fundamental de pesquisa, buscamos compreender nosso objeto de pesquisa de acordo com questões relativas ao livro didático, enquanto objeto cultural e de relações de poder e saber, enquanto local de disputas políticas e de transmissão de saberes. Entretanto, usar o manual escolar ou livro didático como objeto ou fonte principal de pesquisa não é tarefa fácil, pois, exige o deslocamento de análise que ultrapassa o manual escolar, como diz GALVÃO (2007, p. 14), ( ) a pesquisa sobre o livro escolar não pode se restringir aos aspectos internos desse objeto ou mesmo à sua materialidade. Deve incluir, também, outros elementos do circuito do livro, como sua produção e a sua circulação em diferentes contextos. Parece necessário ultrapassar o manual para melhor compreendê-lo. Todo este deslocamento torna a pesquisa com este tipo de fonte, extremamente complexa, principalmente na perspectiva histórica, onde o manual escolar quando utilizado, seja como fonte, seja como objeto de pesquisa exige que sua análise contemple um diálogo tanto com a educação, quanto com a história, a ciência, o social e a cultura. Outras questões que fazem parte desta complexidade de análise envolvem: a seleção dos manuais, sua localização, a dificuldade de acesso a dados sobre sua circulação e produção e a indeterminação de sua própria definição. Quanto à sua conceituação é importante notar a consideração de Batista (1998, p. 222), que afirma que livro didático seria ( ) aquele livro ou impresso empregado pela escola, para desenvolvimento de processo de ensino ou de formação. Este conceito aparentemente simples torna-se extremamente complexo, se considerarmos ( ) a impossibilidade de identificar o livro didático ao objeto livro (BATISTA, 1998, p. 222), evidenciada pelo fato de que existem vários outros suportes de textos usados na escola que assumem formas diferentes que a do livro, como por exemplo, folhas destacáveis, fichas, cadernos, fitas, folhetos etc. Segundo este autor, o que parece unificar estes elementos heterogêneos, é o entendimento de que grande parte deste material pode ser classificada como material impresso. No entanto, esta denominação não deixa de ser problemática, devido a questões ligadas a fenômenos de natureza histórica (BATISTA, 1998). Como primeiro bloco de fenômenos relativos a esta questão o autor cita: a elaboração intensa de apostilas por uma imprensa escolar, a produção pela própria escola do material escolar, utilização de softwares educativos e o uso pela escola de textos que não são impressos, que

3 3 foram utilizados antes e depois da invenção da imprensa. Além disso, também é preciso considerar que: ( ) o texto didático nem sempre se restringe ao texto explicitamente elaborado e reproduzido tendo em vista um destino escolar; destinado ou utilizado pela escola, o texto didático também não é uniforme na maneira como se articula com o trabalho de ensino e com a formação que pretende auxiliar; finalmente, o texto didático possui múltiplas dimensões, entre as quais a de mercadoria. (BATISTA e GALVÃO, 2003, p. 177) Esta problematização e outros fatores acima citados denotam seu caráter efêmero (BATISTA, 1999), assim como também a negligência de diversos profissionais em relação ao livro didático como fonte de pesquisa e como tal, considerado como documento histórico. Esta complexidade de questões que envolvem a análise do livro didático como fonte ou objeto de pesquisa, parece não ter diminuído o interesse e o número de investigações que tratam da temática. Pelo contrário, o que observamos é um aumento considerável de pesquisas, que segundo CHOPPIN (2004, p. 552) teve um impulso considerável desde os anos 60 e, sobretudo a partir dos anos 80. Este autor credita este dinamismo a uma série de fatores que envolvem questões como: o interesse de historiadores ligados à educação; o interesse de inúmeras populações preocupadas em criar ou recuperar uma identidade cultural; o avanço ocorrido em diversos países na história do livro; o avanço nas técnicas de tratamento, difusão e armazenamento de informações; a criação de grupos de pesquisa que estudam o livro e as edições didáticas; o futuro incerto do livro e seu papel na escola frente às inovações tecnológicas na educação; e, também, devido a causas estruturais como: ( ) a complexidade do objeto livro didático, a multiplicidade de suas funções, a coexistência de outros suportes educativos e a diversidade de agentes que ele envolve (CHOPPIN, 2004, p. 552) i. Quando consideramos o livro didático como fonte de pesquisa documental, no âmbito da pesquisa histórica, há uma possibilidade enorme de análises, escolhas, recortes, caminhos, documentos a serem seguidos e utilizados. Dependendo das escolhas que o pesquisador faz, frente à enormidade de possibilidades que o livro didático oferece, ele fará a história do livro ou não, assim como também tratará como objeto de pesquisa, como fonte principal ou apenas como uma das fontes de análise. Desse modo, o livro didático poderá ser estudado de diversos modos: como produto cultural, como mercadoria, como suporte de conhecimentos e métodos, como veículo de valores, ideologias ou culturais (BITTENCOURT, 2004). O tipo de problematização que o pesquisador faz, define segundo BATISTA e GALVÃO (2003), a natureza do trabalho a ser realizado, ou seja, se o trabalho será de natureza predominantemente descritiva, cujo caráter é panorâmico ou terá um aprofundamento maior. No caso desta pesquisa, o discurso do manual didático será analisado como um gênero discursivo, que veicula valores, normas, idéias, comportamentos, mas que também permite compreender a operacionalização da escolarização de determinados saberes científicos. Esta decisão não foi tomada de modo arbitrário, mas fundamentada na constatação de que a eugenia e outros conteúdos raça, higiene, corpo e hereditariedade estavam presentes neste material, como conhecimento científico a ser ensinado. Nosso interesse pelos livros didáticos de ciências naturais, biologia educacional, higiene e puericultura, não tem como objetivo a compreensão da história destas disciplinas, portanto, é preciso esclarecer que não tomamos o livro didático como objeto de pesquisa, mas

4 como fonte documental. Apesar de analisarmos inúmeras outras fontes usadas para entender nosso objeto de pesquisa, o livro didático será nossa principal fonte de análise. Diante desta perspectiva buscamos inicialmente localizar os livros indicados em programas oficiais de ensino e aqueles que continham o conteúdo a ser ministrado conforme regulamentação oficial ii. Este procedimento permitiu a identificação dos livros que seriam usados na pesquisa, assim como também a visualização daquilo que se conservou, existia e que foi usado nas disciplinas de ciências naturais, higiene e puericultura, higiene e educação sanitária e biologia educacional. Estes livros foram catalogados em ficha própria com identificação para título, data, autor, co-autor, edição, editora, série escolar. De posse dessa relação, nos certificamos sobre quais livros podiam ainda ser encontrados e quais seus conteúdos iii. Esta conferência permitiu a reconfiguração da listagem inicial, através da seleção dos livros pelo seguinte critério de identificação: primeiro, escolhemos aqueles indicados pelos programas oficiais; em segundo lugar, escolhemos aqueles que continham conteúdos referentes ao conhecimento sobre raça, hereditariedade, higiene, corpo e a própria palavra eugenia; em terceiro lugar, escolhemos aqueles reeditados várias vezes (e que continham um número maior de exemplares nos acervos a reedição e o número de exemplares conservados podem ser indicativos daqueles que foram mais usados e que tiveram um número grande de publicações); em quarto lugar, escolhemos os livros pelo seu autor e sua produção científica; em quinto e último lugar, selecionamos, logicamente os livros que puderam ser encontrados e que continham alguns dos critérios acima descritos. O texto impresso usado nesta pesquisa, em formato livro, apresenta as seguintes características: são livros produzidos para a escola, com indicação de série e conforme programa escolar; livros que não são produzidos para a escola, mas utilizados por esta; livros que contém conteúdos do programa escolar, escritos por autores de livros adotados nas escolas, mas com características extra-escolares ou paradidáticas e sem informações sobre seu uso e destino; por último, os compêndios, que segundo o parágrafo 1º do DECRETO-LEI nº. 460, de 26 de dezembro de 1945, são os livros que exponham, total ou parcialmente, a matéria das disciplinas constantes dos programas escolares, sendo que estes continham indicação de série para a qual se destinavam. Ao conferir os livros listados, nos deparamos com várias outras dificuldades, ao percebermos que vários livros não traziam uma ou outra das seguintes informações: número de edições publicadas e o ano de publicação, número de tiragem destas edições, informações sobre a autorização concedida pela Comissão do Livro Didático iv para seu uso nas escolas e denominação da série para a qual se destinavam. Esta etapa de conferência foi importante, pois permitiu organizar o material, constatar quais livros traziam o conteúdo que estamos investigando, além disso, serviu para mostrar que nem todos os livros selecionados e existentes contêm as informações que precisamos. Mesmo assim, este contato com os livros reestruturou toda a listagem anterior, onde pudemos excluir diversos livros, acrescentar outros, além de acrescentar também itens importantes na catalogação, como co-autor, imagens, autorização, prefaciador, ilustrador, informações do próprio autor quanto ao uso e destino do livro didático. Quanto à análise do livro didático, esta será feita a partir do entrecruzamento com outras fontes, que envolvem tanto a compreensão do livro, quanto a compreensão da modalidade de ensino para a qual o livro se destina. Entendemos que este procedimento evita uma análise apenas de conteúdo, puramente descritiva. Desse modo, além da consideração das especificidades acerca do uso do livro didático como fonte de pesquisa, citamos algumas 4

5 questões essenciais que vamos considerar na análise, quais sejam: a) a autoria dos livros, no sentido de identificar o sujeito e o lugar de sua produção; b) as imagens; c) a compreensão de que os manuais não são apenas instrumentos de ensino-aprendizagem, mas produtos fabricados e comercializados; d) o processo de adaptação do conhecimento científico e aquilo que foi escolhido para ser publicado, no sentido de perceber o modo de escolarização de determinado saber social e científico; e) os programas, as regulamentações oficiais de ensino; f) a circulação. Estas questões por sua vez, também somente podem ser entendidas se articuladas a outros grupos de fontes documentais, que são: a legislação e outros documentos oficiais, documentos produzidos por instituições científicas da sociedade e outras fontes, como livros científicos, boletins, arquivos de editoras, biografias etc. Antes mesmo da análise, o processo de identificação e seleção destes livros já envolveu a utilização de outras fontes, como por exemplo, os documentos oficiais (leis, portarias, programas escolares). No caso deste estudo, estamos considerando as fontes oficiais referentes à educação emanadas pelo Estado, no período entre 1946 e 1961, como: as leis e decretos federais e estaduais mineiros sobre o ensino normal e programas de ensino das disciplinas utilizadas na análise. A consideração destas fontes é importante para o entendimento do cenário político educacional do período. Segundo FREITAG (1989) é praticamente impossível perceber esta história ou fazer uma análise crítica do livro didático sem considerar o contexto do sistema educacional brasileiro e da política do livro didático no Brasil. Buscamos fazer isto, tanto a partir da documentação oficial advinda do Estado como leis, decretos e programas, quanto de outro tipo de documentação produzida por este e por outras Instituições sociais. Além das leis decretos e programas analisaremos outras duas publicações produzidas pelo Estado. Uma produzida pela Secretaria de Educação de Minas Gerais, a Revista do Ensino e outra produzida pelo INEP, a Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Utilizaremos estas revistas com a intenção de perceber relações estabelecidas entre os discursos, comportamentos educacionais, políticos e científicos, propagados pelas revistas e aquele presentes nos manuais escolares. Por exemplo, na Revista do Ensino v, encontramos a publicação de diversas regulamentações relativas a programas e conteúdos, indicações de livros didáticos a serem adotados pelas escolas, referências, discussão de conceitos e procedimentos e algumas vezes, artigos de pessoas que foram autores de manuais didáticos, como: Henrique Furtado Portugal que, juntamente com José Guerra Pinto Coelho escreveu o livro Biologia Educacional e Higiene. Neste periódico após 1945, acreditávamos que encontraríamos o ideal eugênico expresso de outros modos e não de forma explícita, entretanto, em uma primeira busca, encontramos a palavra eugenia e ideais eugênicos explicitamente e implicitamente expressos. Especificamente, em alguns artigos desta Revista, ideais eugênicos podem ser percebidos referentes à biotipologia e ambiente na constituição do caráter, biometria, higiene física e mental, doença, normalidade, hereditariedade, concepção eugênica e principalmente a propagação da eutenia. Já a Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (RBPE), criada em 1941, divulgava tanto estudos e pesquisas do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, estudos como pesquisas do pensamento pedagógico internacional (MARIANI. 1982). Nesta revista estão presentes artigos de autores de livros didáticos como Antônio de Almeida Júnior, autor de Biologia Educacional e outros. Além de trazer alguns artigos de Renato Kehl um 5

6 dos mais importantes eugenistas brasileiros, traz também outros importantes textos para a problematização e entendimento do nosso objeto de pesquisa. Nossa intenção em pesquisar estas revistas parte do entendimento de que estas, além de conter alguns artigos de autores de manuais escolares, apresentam também conteúdos, presentes nos manuais escolares, como saúde, higiene, biotipologia, hereditariedade, caráter, a serem ministrados ou concebidos, enfim, aplicados de algum modo à educação. E principalmente, nos possibilitam perceber o contexto político-educacional vigente, a partir de artigos nacionais e estrangeiros escritos por intelectuais da educação. Nestes periódicos, encontramos vários artigos que tratam da eugenia na formação do currículo de professores e sobre a higiene, saúde, formação de classes homogêneas, avaliação de caráter e biotipologia, exames de biometria etc. Neste mesmo sentido de análise, pretendemos trabalhar com alguns livros escritos por: Renato Kehl, considerado o maior propagandista da eugenia no Brasil; Afrânio Peixoto, que escreveu sobre a aplicação da ciência eugênica na diminuição da criminalidade hereditária; Roquette-Pinto, que publicou o livro Seixos Rolados Estudos Brasileiros ; Octávio Domingues, que publicou A hereditariedade em face da educação (1929) e Hereditariedade e eugenia, onde defendia uma eugenia positiva e voluntarista por meio da educação, baseada na teoria mendeliana. Todos estes trabalhos refletiram concepções, crenças, divergências, convergências e o mais importante, estas obras ajudaram a solidificar a eugenia enquanto ciência a ser aplicada, difundida e estudada no Brasil. Escolhemos estas fontes devido à importância que desempenharam, enquanto veículos de divulgação da ciência eugênica. Outro grupo de fontes útil para nossa análise é o dos livros, produzidos no período investigado, que desenvolveram ou problematizaram conceitos e questões ligados às categorias de análise da pesquisa, como raça, hereditariedade, higiene, corpo e eugenia. Por exemplo, o livro Herança, raça e sociedade, escrito por L. C. Dunn e Theodosius Dobzhansky e diversos livros de biotipologia educacional. E outras referências bibliográficas citadas por alguns dos próprios autores dos manuais escolares, por exemplo: E. Kretschemer era citado quando o conteúdo desenvolvido era a biotipologia (conseguimos localizar na Biblioteca da PUC-MG a obra Constitución e caráter, 1947); outros biotipologistas citados são: Viola, Bárbara, Pende, Sigaud e Walter Mills; a obra sobre a classificação dos grupos étnicos da população do Brasil, escrita por Roquette Pinto era citada quando o tema desenvolvido era a raça. Neste caso, entendemos ser importante usar esta bibliografia, também como fonte de pesquisa, para uma melhor compreensão da situação científica, política e social em relação ao conhecimento científico presentes nos livros didáticos. Apesar de não usarmos nesta pesquisa, dois outros grupos de fontes que não podemos desconsiderar quando o livro é objeto de pesquisa, são os documentos que constituem os arquivos das editoras e as autobiografias, biografias e romances, conforme indicam BATISTA e GALVÃO (2003). Estas fontes seriam muito importantes no entendimento da circulação e uso dos livros didáticos, assim como também, o entendimento de sua autoria. Segundo BATISTA e GALVÃO (2003), ter acesso aos arquivos das editoras não é uma tarefa fácil, nem todas as editoras disponibilizam seus arquivos para os pesquisadores, é o caso da Editora Francisco Alves, uma das mais importantes do campo editorial de livros didáticos brasileiros. Quanto à questão da autoria dos livros didáticos, não podemos desconsiderar o que Bittencourt (2004) diz, ao fazer um contraponto entre a diferença desta produção no decorrer do século XIX até primeira metade do século XX. Tanto a identificação quanto a diferença na produção foram influenciadas pelas inovações tecnológicas no processo de fabricação do livro. 6

7 7 Isto afetou diversas de suas especificidades como produto cultural, devido a questões como o retorno financeiro que ele traz e o fato de que, neste período, nem sempre o autor do livro é a figura principal de sua produção, pois o processo de fabricação envolve uma equipe de produção etc. Tudo isto influencia, segundo esta autora, na identificação de quem realmente escreveu o texto e isso ajuda a compreender que os manuais não são apenas instrumentos de ensino-aprendizagem, mas produtos fabricados e comercializados. Acreditamos que o período investigado por nós 1942 a 1961, ainda possibilita a identificação da autoria e atuação do autor como sujeito na produção didática. Um exemplo importante, que não pode deixar de ser explicitado é a atuação do educador paulista Carlos Pasquale, autor de livros de ciências naturais, juntamente com Carlos Costa. O livro Ciências naturais, de Carlos Costa e Carlos Pasquale, 1º volume (3ª e 4ª série ginasial), 2ª edição vi, era indicado para o trabalho de ciências na escola vii. Carlos Pasquale, em 1964, substituiu Anísio Teixeira na direção do INEP (MARIANI, 1982). Poderíamos destacar ainda Valdemar de Oliveira, autor de livros de higiene, ciências, biologia, história natural, que além da atuação no magistério, colaborou com artigos publicados no Jornal do Recife e Jornal do Comercio viii e também teve artigos publicados no Boletim de Eugenia ( ). Encontramos informações sobre a atuação de Valdemar de Oliveira, a partir das seguintes obras Valdemar de Oliveira, o homem e o sonho: uma reportagem sentimental, escrito por Leda Rivas (1983) e Vidas que não morrem, escrito por Jorge Fernandes da Silva (1982). Este autor e os outros escreveram livros didáticos, foram catedráticos, atuaram na área educacional de diversos modos, assim como vários outros que serão trabalhados ao longo da pesquisa. Mesmo que o estudo dos autores de livros didáticos não seja o objeto do nosso trabalho, entendemos que é preciso um olhar atento para o autor como sujeito de determinado produto cultural, no caso, o manual escolar. Nesta perspectiva, os autores, de acordo com Bittencourt (2004, p. 481), ( ) mantêm estreita relação com o poder institucional, uma vez que são seguidores dos programas oficiais propostos pela política educacional e principalmente porque estavam no lugar onde este mesmo saber era produzido. A maioria dos autores dos livros analisados neste trabalho assumiu cargos políticos na área médica, religiosa, sanitária, psicológica e educacional, portanto, foram intelectuais que tiveram grande influência na sociedade brasileira, nas áreas médica, educacional e religiosa. Eram formados em medicina, psicologia, teologia, história natural, biologia, sendo algumas destas formações realizadas fora do Brasil. Dentre estes autores, citamos Mário Yahn, Diretor do Instituto Ache e psiquiatra dos Centros de Saúde de São Paulo; Carlos Sá, criador dos Pelotões de Saúde, formado em medicina, professor de medicina e higiene, diretor de vários serviços ligados à saúde pública, no Ceará, Distrito Federal e no Rio de Janeiro; Álvaro Negromonte, padre, diretor do ensino religioso na Arquidiocese do Rio de Janeiro; João de Barros Barreto, professor de higiene, membro de honra da Repartição Sanitária Panamericana, e diretor geral do Departamento Nacional de Saúde ( e ). A análise dos livros escritos por estes autores possibilita o mapeamento da relação estabelecida entre raça, hereditariedade, higiene, corpo e a ciência eugênica e permite também, relacionar esta ciência com o papel da educação.

8 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir da análise do manual escolar e das outras fontes acima citadas, buscaremos informações suficientes para compreender qual discurso eugênico e como este discurso esteve presente no ensino normal/curso de formação de professores primários (primeiro e segundo ciclos), após Ao construir nossa narrativa histórica, sabemos da impossibilidade de compreensão da totalidade da realidade acerca da produção, circulação e uso dos livros escolares. Por isso, tentamos abarcar diversos discursos, de forma a ter acesso a elementos que possibilitem responder as questões centrais da nossa pesquisa, apesar de sabermos o quanto será difícil o acesso a várias das fontes que descrevemos e da complexidade do trabalho que esta variedade de fontes envolve. Enfim, livros, periódicos, programas escolares e leis compõem nosso universo heterogêneo de fontes, onde a partir da análise, pretendemos mapear o discurso da eugenia, com o objetivo de compreender: o que permaneceu, o que modificou, a possível passagem de um discurso eugênico explícito para o implícito, enfim, qual discurso, o modo, o porquê da eugenia na educação normal no período abordado. Para isto, é preciso considerar as contradições morais, éticas, políticas, até mesmo religiosas que se colocaram no período estudado, assim como, é preciso considerar as concepções científicas sobre hereditariedade e genética que circularam e se afirmaram como discursos de verdade a partir deste período, pois, acreditamos que foi neste novo contexto que a eugenia encontrou suas novas bases de sustentação. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Textos, impressos e livros didáticos. In: CAMPELLO, B. S.; CALDEIRA, P. T.; MACEDO, V. A. M. (Orgs.). Formas e expressões do conhecimento Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Escola de Biblioteconomia da UFMG, BATISTA, A. A. G.. A avaliação dos livros didáticos: para entender o programa nacional do livro didático (PNLD). In: Antônio Augusto Gomes Batista; Roxane Rojo. (Org.). Livro didático de língua portuguesa, letramento e cultura da escrita. 1 ed. São Paulo: Mercado das Letras, 2003, v., p BATISTA, Antônio Augusto Gomes; ROXANE, Rojo. Livros escolares no Brasil: a produção científica. In: VAL, Maria da Graça Costa; MARCUSCHI, Beth (Orgs.). Livros didáticos de língua portuguesa: letramento, inclusão e cidadania. Belo horizonte: CEALE; Autêntica, BITTENCOURT, Circe Fernandes. Livro Didático e Conhecimento Histórico: Uma História do Saber Escolar. Tese de Doutorado. Usp, BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Autores e editores de compêndios e livros de leitura ( ). Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.3, p , set./dez., CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores, e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução: Mary del Priore. Brasília: Universidade de Brasília, CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.3, p , set./dez., 2004.

9 9 GALVÃO, A. M. O. ; BATISTA, A. A. G.. Manuais escolares e pesquisa em História. In: Cynthia Greive Veiga e Thaís Nívia de Lima e Fonseca. (Org.). História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p HALLEWELL. Laurence. O livro no Brasil. 2ª edição. Tradução: Maria da Penha Villalobos. Lólio L. de Oliveira e Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: EDUSP, MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 3ª edição. Campinas, SP: Editora Pontes Editora da UNICAMP Termos-chave da análise do discurso. 1ª reimpressão. Tradução: Márcio Venício Barbosa e Maria E. A. T. Lima. Belo Horizonte: Ediotra UFMG, MARIANI, Maria Clara. Educação e Ciências Sociais: O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Publicado em Simon Schwartzman, organizador, Universidades e Instituições Científicas no Rio de Janeiro, Brasília, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), 1982, pp Acessado em: ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, PÊCHEUX, Michel. O discurso - Estrutura ou acontecimento. Tradução: Eni Puccinelli Orlandi. 2 ed. Campinas: Pontes, DOMINGUES, Octavio. A hereditariedade em face da educação. São Paulo: Melhoramentos, (1929).. Hereditariedade e eugenia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, KEHL, Renato. Bíblia da saúde (hygiene). Rio de Janeiro: Liv. F. Alves, Lições de eugenia. Rio de Janeiro: Liv. F. Alves, Melhoremos e prolonguemos a vida: a valorização da vida e a eugenia do homem. Rio de Janeiro: F. Alves, PEIXOTO, Afrânio. Criminologia. Rio de Janeiro: Guanabara, ROQUETTE-PINTO, E. Seixos rolados (estudos brasileiros). Rio de Janeiro: Mendonça, Machado, SERVIÇO ESCOLAR DA EDITORA DO BRASIL S/A. A organização do Ensino secundário no Brasil (legislação programas - metodologia), STEPAN, Nancy. A hora da eugenia - Raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, i Especificamente sobre a descrição e análise do estado da investigação brasileira sobre livros escolares para a educação básica, ver BATISTA, Antônio Augusto e ROJO, Roxane. Livros escolares no Brasil: a produção científica. In VAL, Maria da Graça Costa e MARCUSHI, Beth. Livros didáticos da língua portuguesa: letramento, inclusão e cidadania. Belo Horizonte: CEALE; Autêntica, 2005 e FREITAG, Bárbara. et al. O estado da arte do livro didático no Brasil. Brasília: INEP, ii Fizemos a principio uma pré-seleção dos livros a partir dos sites de busca da Biblioteca Nacional RJ, da Biblioteca da UFMG e da Biblioteca da PUC-MG. Fomos também ao Centro de Referência do Professor em Belo Horizonte-MG e no Setor de Obras Raras da FAE-UFMG. iii Esta foi a primeira grande dificuldade, pois tais obras se encontravam espalhadas nas diversas bibliotecas. Desse modo, decidimos ir primeiramente à Biblioteca Nacional-RJ, local onde se encontra o maior número de obras reunidas num mesmo local. Posteriormente, nas Bibliotecas da UFMG e PUC-MG, continuamos o mesmo procedimento realizado na BN. Algumas obras não foram localizadas, outras foram descobertas no próprio acervo, pois não estavam catalogadas e a constatação de que algumas se encontravam apenas na BN. Acreditamos que este problema é devido a pouca importância que se deu, durante muito tempo ao livro didático como documento histórico, consequentemente não se constituíram acervos apropriados para esta história, o que vemos acontecer apenas recentemente.

10 10 iv De acordo com o estabelecido pelo DECRETO-LEI nº , de 26 de dezembro de v Esta Revista fez parte da estratégia de formação de professores, iniciada e logo desativada temporariamente em 1892, reativada em 1925 e, em decorrência da II Guerra Mundial, desativada em Retorna, de modo irregular, a ser publicada em 1946, tem sua publicação interrompida entre , e finaliza sua publicação em vi Serviço Escolar da Editora do Brasil vii SERVIÇO ESCOLAR DA EDITORA DO BRASIL S/A. A organização do Ensino secundário no Brasil (legislação programas - metodologia), viii RIVAS, Lêda. Valdemar de Oliveira: o homem e o sonho: uma reportagem sentimental. Recife: AIP, SILVA, Jorge Fernandes da. Vidas que não morrem. Recife: Secretaria de Educação. Departamento de Cultura, p

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS.

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. LUCIANO DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O texto pretende discutir a política do livro didático no

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Marcelo Dias Pereira 1 Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Faculdades Integradas de Ribeirão

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA

A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA XVI SIMPÓSIO N ACIONAL DE ENSINO DE F ÍSICA 1 A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA Francisco Sebastião Lopes de Moura (fslmoura@dea.inpe.br) André Muniz Marinho da Rocha (arocha@ipv.cta.br) Antônio Carlos

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática

PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática PO 06: Uma historiografia da Escola Normal Paraense na ótica da disciplina Matemática Cibele Borges de Sousa UFPA cibele39sousa@yahoo.com.br Maria Lúcia Pessoa Chaves Rocha IFPA lucia.rocha@ifpa.edu.br

Leia mais

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados

Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados 1 Pesquisas sobre leitura e biblioteca: um percurso de investigação e seus primeiros achados Renata Aliaga 1 Lilian Lopes Martin da Silva (Grupo ALLE- Alfabetização, Leitura e Escrita Programa de Pós Graduação

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO GLEIDIS ROBERTA GUERRA (CEMEI CLEBERSON DA SILVA - PMM), DEIGLES GIACOMELLI

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES Deneusa Luzia Rodrigues - UNIVILLE Elizabete Tamanini UNIVILLE Programa de Mestrado em Educação - UNIVILLE Resumo:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL Alexandre Soares dos Santos 1. Jose Dorival Gleria 2. Michele Silva Sacardo 3. RESUMO Saber se as dissertações e teses,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Segurança

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais