História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn."

Transcrição

1 História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN Introdução A pesquisa em história da Matemática e em história da Educação Matemática, têm gerado valiosos resultados e apontado novos caminhos e focos de abordagem para a melhoria do processo de formação docente e de aprendizagem na Educação Matemática. Isso possivelmente ocorre porque as reflexões sobre tais estudos evidenciam a importância do processo formativo na superação de obstáculos encontrados na trajetória dos sujeitos da docência em matemática. Um estudo realizado anteriormente por (Mendes, 2008a; 2008b), teve como objetivo agrupar os trabalhos publicados nos Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática realizados entre 1995 e 2007, apontando como as abordagens das pesquisas em ciências humanas e sociais se incorporaram aos estudos relacionados à História da Matemática, originando onze tendências. O trabalho de Mendes (2008a) tomou como referência a produção em história da Matemática e da Educação Matemática presentes nesses Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática, realizados em Recife (1995), Águas de São Pedro (1997), Vitória (1999), Natal (2001), Rio Claro (2003), Brasília (2005), Guarapuava (2007). Os resultados do referido estudo apontaram que há evidências suficientes sobre a consolidação de algumas tendências das pesquisas na área, de acordo com as vertentes investigatórias ligadas à história da Matemática, história no ensino da Matemática e história da Educação Matemática. Ficou evidente, também, que ao longo dos seminários nacionais de história da Matemática, houve um aumento na variedade de abordagens e o surgimento de modalidades mistas de investigação e análise das informações históricas visando descrever com o maior detalhe possível, os caminhos pelos quais a história da Matemática veio seguindo ao longo dos séculos. Sobre a diversidade de fontes na pesquisa historiográfica Muitos estudiosos e pesquisadores das Ciências Humanas e Sociais têm mencionado que nos últimos tempos a narrativa histórica tem sofrido uma nova configuração, principalmente a partir dos estudos das escolas dos annales, marcada pelos trabalhos de Lucien Febvre, Marc Bloch, entre outros (Burke, 1997). Essa nova tendência influenciou áreas como a história, a antropologia, a sociologia, a educação e a história da ciência, de um modo geral, viabilizando a construção de vários trabalhos sobre a historiografia

2 contemporânea da ciência e da tecnologia, incluindo, nesses estudos, a História da Matemática e da Educação Matemática. A partir das mudanças incorporadas à história, esse movimento de construção e ampliação da historiografia das Ciências humanas e Sociais, passou a evidenciar-se por meio de uma rica variedade de expressões e conceitos que adquirem significados diversos conforme o sistema teórico em que se inserem ou conforme a intenção de cada autor. Alguns desses conceitos apontam para a existência de um processo de produção de significados, signos e valores na vida social como gerador de um corpo de idéias característico de um determinado grupo ou classe social. Essas idéias, entretanto, podem ser verdadeiras ou falsas, se manifestando, muitas vezes, como uma agente de legitimação de um poder político dominante, quando apresenta uma comunicação sistematicamente distorcida daquilo que confere certa posição a um sujeito. As manifestações dessas formas de pensamento ocorrem a partir dos interesses sociais, podendo se constituir em uma ilusão socialmente necessária manifestada na informação histórica. São evidenciadas na forma de um veículo de representação pelo qual atores sociais conscientes entendem o seu mundo como um conjunto de crenças orientadas para uma ação em que os indivíduos vivenciam suas relações com uma estrutura social e cuja vivência é convertida em uma realidade natural. Nesse processo de elaboração das verdades evidenciadas pela organização das informações históricas, o historiador vai e vem do presente ao passado, realiza dois movimentos contrários e complementares do presente à origem, da origem ao presente. (REIS, p. 45). A operacionalização dessa dinâmica tem como ponto de partida e de chegada, a verdade histórica como forma de construção e validação de uma realidade que visa dar novo significado ao contexto investigado, quer seja ele, local ou global. A história, portanto, explica o processo de organização da interpretação singular e plural dos fenômenos sociais e culturais de que fala. Todavia, as informações históricas organizadas durante o processo de construção da historiografia se apresentam como uma explicação que nem sempre se evidencia de forma integral, pois cada história generaliza o que é possível, de acordo com o objeto a ser investigado historicamente, das fontes consideradas e dos métodos tomados na construção historiográfica. Há, segundo Schaff (1994, p. 207), vários níveis de generalização como, por exemplo, o nível da descrição individual às interpretações muito gerais da história. Ocorre, então, que os diversos níveis de explicação histórica estão diretamente relacionados aos diversos tipos de generalização. 2

3 Essa afirmação nos leva a concluir que as questões respondidas no processo de investigação histórica estão continuamente apoiadas no processo de continuidade parcial dado à verdade estabelecida por meio das fontes de pesquisa histórica, dos procedimentos investigatórios e dos métodos de descrição e análise estabelecidos. Há necessidade, entretanto de se estabelecer uma abordagem centrada em uma hibridação, uma complementaridade ou uma suplementaridade que viabilize a construção da verdade histórica. A esse respeito Foucault (2000, p. 5), aponta que as descrições históricas se ordenam necessariamente pela atualidade do saber, se multiplicam com suas transformações e não deixam por sua vez, de romper com elas próprias. Para sustentar sua proposição Foucault apresenta como exemplo a matemática afirmando que a matemática retranscreve seu percurso histórico real, no vocabulário das vizinhanças, das dependências, das subordinações das formalizações progressivas, das generalidades que se enredam.... Cada peripécia histórica tem seu nível e sua localização formais. Trata-se de uma análise recorrencial que só pode ser feita no interior de uma ciência constituída, uma vez transposto seu limiar de formalização. (Foucault, 2000, p. 215). Podemos, com isso, admitir a existência de uma incessante busca de reorganização das informações históricas na tentativa de aproximação cada vez mais intima do historiador com a verdade histórica procurada, ou seja, uma tentativa contínua de reprodução escrita, da realidade contada, lembrada, imaginada ou observada por cada indivíduo envolvido na sistematização do momento historiografado. Para Le Goff (1991, p. 13), entretanto, existe uma perigosa disparidade entre a enorme proliferação metodológica na historiografia científica e a sua ausência ao nível dos livros escolares sobre o assunto, pois a maneira como a historiografia se constrói e se modifica, mantém-se ocultada. Vê-se, então, que essa multiplicidade de abordagens para a historiografia, origina uma variedade de fontes de pesquisa que tem como finalidade principal instituir da maneira mais próxima possível do real, as informações históricas, com vistas a transparecer um panorama de continuidade na realidade construída. Tais fontes, na maioria das vezes, surgem nos processos estabelecidos durante a operacionalização das pesquisas nas Ciências Humanas e Sociais como a antropologia, a história e a sociologia. A respeito das relações e implicações das tendências em história da Educação Matemática, consideramos oportuno iniciar nossos comentários sobre esse aspecto, com uma questionamento atribuído a Certeau (1991) quando indaga por que é que a matemática ocupou um lugar da história, ou seja, daquilo que foi, durante muito tempo, o fundamento de identificação e justificação de um poder social. Certeau (1991) afirma que esse fato ocorreu 3

4 porque os critérios de seleção social mudaram. Uma sociedade privilegia, nos seus modos de iniciação, o que é privilegiado no seu funcionamento. Com base nesse questionamento Certeau afirma que a Matemática desempenha atualmente, o papel ocupado anteriormente, pela retórica, o latim e a história. Isso se deve a mudança nos programas escolares. É necessário, entretanto, nos interrogarmos a respeito dos fatores que ocasionaram tais mudanças atribuindo à matemática a função de uma taxonomia socialmente eficaz e à história a figura de narrativas para o serão e para os tempos livres da televisão, narrativas tanto mais manipuláveis quanto dizem respeito a fatos que já deixaram de existir. (Certeau, 1991, pp ). É nessa perspectiva que a pesquisa voltada para a construção de uma historiografia para a Educação Matemática que encontramos uma ampliação do campo referente aos métodos e abordagens de pesquisa nessa área, nos seminários nacionais de história da matemática, bem como nos seminários luso-brasileiros de história da matemática. Nesse sentido, apresentamos a seguir o quadro referente ao número de trabalhos publicados nos anais desses eventos e seu enquadramento em algumas dessas tendências da pesquisa na área. Sobre os textos publicados nos anais dos SNHM Para verificar essas tendências na produção presente nos Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática/SNHM, tomamos os resultados apresentado por Mendes (2008a) e acrescentamos os dados de do VIII SNHM, ocorrido em Belém (2009), por considerarmos necessário ampliar a classificação dos trabalhos publicados nesses eventos de modo que fosse verificar cada um deles e agrupá-los seguindo primeiramente os critérios já estabelecidos nos levantamentos anteriores realizados por Sad (2005) e Mendes (2008a) e excluindo os dados referentes aos congressos luso-brasileiros de história da Matemática. Reorganizamos, então, os dados conforme nos mostra o quadro 1 a seguir: Quadro 1: Trabalhos publicados nos Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática SNHM ( ) Seminários N o de trabalhos N o de trabalhos sobre história N o de trabalhos sobre história da realizados publicados da Matemática Educação Matemática 1 o SNHM o SNHM o SNHM o SNHM o SNHM o SNHM o SNHM º SNHM Total

5 De acordo com a classificação mostrada no quadro 1, é possível perceber claramente que dos 408 trabalhos publicados ao longo dos 9 seminários, 61% referem-se às investigações em História da Matemática. Em nossa análise percebemos que a maioria dos temas ligados a esses trabalhos focam em sua maioria a evolução de algum conceito ou teoria, temas específicos de Matemática, relações entre matemática e outras áreas, aplicações da História da Matemática, História da Matemática nos Livros didáticos, desenvolvimento de produções sobre História da Matemática. Os outros 39% trabalhos publicados centraram-se nas abordagens voltadas para determinados temas que envolvem a história da Educação Matemática. Fizemos uma nova análise acerca dos Anais dos Seminários Nacionais já realizados, quando reagrupamos os trabalhos de acordo com as temáticas dos mesmos, organizando-os em dois eixos: os trabalhos voltados para a pesquisa em História da Matemática e aqueles voltados para a História da Educação Matemática a partir de Mendes (2008a). Percebemos, então, que esses temas mostraram-se relacionados com biografias, memória ou alguma abordagem similar, sempre envolvendo as atividades de algum matemático ou professor de Matemática em contexto histórico de determinada época. A partir dessas duas categorias estabelecidas no quadro 1, reorganizamos os trabalhos em onze subcategorias que emergiram da própria análise dos trabalhos apresentados nos anais dos oito seminários nacionais de história da Matemática: 1. Investigação sobre a vida de matemáticos ou educadores; 2. Investigação sobre a evolução de algum conceito ou teoria; 3. Investigação sobre uma área de conhecimento; 4. Investigação sobre instituições; 5. Investigação sobre o contexto cultural de uma criação; 6. Investigação sobre uma época determinada; 7. Investigação sobre um grupo específico; 8. Investigação sobre as relações da Matemática com outras áreas do conhecimento; 9. Investigação sobre as aplicações da História da Matemática; 10. Investigação sobre livros didáticos; 11. Investigação sobre o desenvolvimento de produções sobre História da Matemática. Para a realização de nossa análise, retomamos os anais dos seminários nacionais já realizados e agrupamos os trabalhos de acordo com as temáticas dos mesmos, organizando-os em dois eixos: os trabalhos voltados para a pesquisa em história da Matemática e aqueles voltados para a história da Educação Matemática. Vejamos, a seguir, os quadros 2 e 3, representativos desses anais, de acordo com os tipos de investigação histórica evidenciadas nos trabalhos publicados. 5

6 Quadro 2: Trabalhos publicados nos anais dos SNHM ( ): abordagens voltadas para a pesquisa em história da Matemática Tipo de pesquisa 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º Total SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM Evolução de algum conceito ou teoria Temas específicos de matemática Relações entre matemática e outras áreas Aplicações da história da matemática História da matemática: Livros didáticos Desenvolvimento de produções sobre história da matemática Total De acordo com as informações mencionadas no quadro 2, analisamos os 250 trabalhos publicados nos Anais, que apresentaram ênfase voltada diretamente para a história da Matemática, localizamos alguns aspectos característicos que nos levaram a agrupá-los conforme os seguintes aspectos: 1. Evolução de algum conceito ou teoria; 2. Temas específicos de Matemática; 3. Relações entre Matemática e outras áreas; 4. Aplicações da História da Matemática; 5. História da Matemática nos Livros didáticos; 6. Desenvolvimento de produções sobre História da Matemática. A respeito desses seis aspectos nosso levantamento inicial aponta que ao longo dos Seminários Nacionais de História da Matemática, 29% dos trabalhos voltaram-se para a evolução de algum conceito ou teoria, 15% referem-se à temas específicos de Matemática, 22% foram a respeito das relações entre Matemática e outras áreas de conhecimento, 17% sobre aplicações da História da Matemática, 9% voltados para a investigação da História da Matemática e os livros didáticos e 8% abordaram aspectos relacionados ao desenvolvimento de produções sobre História da Matemática. De acordo com esses percentuais, foi possível inferirmos que a investigação voltada para a evolução de algum conceito ou teoria, continua sendo uma das prioridades dos estudos apresentados nesses Seminários. A revisão desse percentual de 29% nos possibilitou verificar e induzir que a investigação centrada na evolução histórica de conceitos matemáticos continua a sua consolidação em alguns centros de pesquisas em história da matemática do país. Além disso, percebeu-se que há outros grupos iniciando estudos com esta tendência de investigação histórica, assim como há outros grupos de pesquisa em que tais estudos vêm se consolidando. 6

7 Outra constatação percebida na pesquisa foi que, de acordo com os trabalhos publicados nos Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática, as pesquisas em História da Educação Matemática tiveram um avanço significativo no decorrer dos seminários, com exceção dos trabalhos exclusivamente centrados em história e memória ou história oral. O número de trabalhos referentes a essas duas abordagens nos mostra, ainda, que essas abordagens estavam em uma fase embrionária e, talvez por isso, atreladas às pesquisas em História da Educação Matemática. Identificamos, porém, que foi a partir dos dois últimos seminários que essa tendência começou a se definir melhor constituindo-se em uma tendência específica. O quadro 3, a seguir, mostra como as tendências das pesquisas em história da Educação Matemática se comportaram, de acordo com os trabalhos publicados nos anais dos seminários nacionais de história da Matemática. O referido quadro nos mostra o quanto cada uma das tendências foi avançando no decorrer dos seminários nacionais, com exceção dos trabalhos exclusivamente centrados em história e memória ou história oral que se acentuaram mais nos dois últimos seminários. Quadro 3: Trabalhos publicados nos anais dos SNHM ( ): abordagens voltadas para a pesquisa em história da Educação Matemática Tipo de 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º Total abordagem SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM SNHM Abordagem biográfica História e Memória Historia Oral História das Instituições História das disciplinas Abordagem mista Total Os resultados denotam que ao longo desses seminários houve um total de 39% de trabalhos referentes às abordagens focadas na história da Educação Matemática, o que indica um avanço significativo de inclusão dos referenciais teóricos apoiados na Nova História, no desenvolvimento das pesquisas nesta subárea de pesquisa. Podemos afirmar, ainda, que os 30 trabalhos publicados nos Anais do 1 o SNHM sinalizam que uma diversidade de entrecruzamento de relações no campo da História da Educação Matemática se acentuou, nos levando a concluir que nesse período a maioria dos 7

8 trabalhos apresentados evidenciava o uso de uma abordagem mista de pesquisa, envolvendo duas ou mais tendências conectadas para dar conta dos objetivos das pesquisas. Notamos, também, que nos 38 trabalhos publicados nos Anais do 2º SNHM a abordagem mista continuava sendo uma tendência natural nos trabalhos devido a indefinição clara de uso de uma única tendência por parte dos pesquisadores. Nos Anais do 3º SNHM, os trabalhos publicados apresentam como destaque os estudos voltados para a história das disciplinas, pois acentuadamente essa tendência ficou bem definida nas abordagens metodológicas de pesquisa apresentadas. Nos Anais do 4º SNHM os trabalhos publicados tiveram como destaque a abordagem biográfica com 5 trabalhos e a história das disciplinas com 7, totalizando 12 dos 20 relacionados a essas tendências. Com relação aos trabalhos voltados para a história da Educação Matemática, publicados nos Anais do 5º SNHM, percebemos que as abordagens referentes à história das instituições e à história das disciplinas, corresponderam a 42% e 25% dos 12 trabalhos contidos nos Anais. Nos Anais do 6º SNHM foram publicados 28 trabalhos relacionados a História da Educação Matemática, dos quais se destacaram a história das instituições e a história das disciplinas. Notamos, ainda, que o número de trabalhos centrados em uma abordagem mista foi bastante significativo. Essas três modalidades totalizaram 68% dos 28 trabalhos analisados. Em relação aos trabalhos apresentados no 7º SNHM, nos baseamos no caderno de resumos do referido seminário, de modo a analisar os resumos da categoria comunicaçãoposter. A esse respeito verificamos que dos 32 trabalhos voltados para a História da Educação Matemática, 66% referem-se à história das instituições, história das disciplinas e abordagem mista, todos envolvendo aspectos diretamente voltado para os estudos biográficos mesmo que indiretamente. Sobre os estudos especificamente ligados a história de vida ou biografia, podemos afirmar que apenas 13% dos trabalhos têm essa característica exclusiva. Com relação ao 8º SNHM, realizado em Belém, tomamos como base para quantificação e classificação apenas os trabalhos publicados na modalidade de comunicação científica oral. De um total de 72 trabalhos publicados, 42% referem-se à história da matemática e 58% focaram sobre história da educação matemática Com base na investigação efetivada nos Anais dos Seminários Nacionais de História da Matemática nos foi possível estabelecer alguns pontos conclusivos sobre o itinerário da pesquisa em história da Educação Matemática e os modos de abordagem construídos ou reestruturados nesses 13 anos. 8

9 Houve um crescimento significativo na qualidade dos trabalhos, bem como um acréscimo valioso na variedade de abordagens e na conjunção de tendência de modo a gerar formas mistas de investigação e análise das informações históricas que possam nos levar a tecer um painel mais detalhado dos caminhos pelos quais a pesquisa em história da Matemática seguiu nos últimos 20 anos. Contribuições dessa pesquisa para um estudo centrado na produção da pós-graduação As tendências atuais das pesquisas em história da Matemática, incluindo a história da Educação Matemática e na Educação Matemática têm mostrado algumas modalidades que se caracterizam pela migração conceitual e pela hibridação conceitual, ou seja, as informações são rearranjadas de modo a dar significados aos estudos realizados. Isso significa que há uma reorganização de técnicas e formas de conceber e construir a verdade na história do conhecimento tendo em vista tecer um novo panorama da história em diversos contextos, áreas e épocas. É dessa reorganização metodológica de pesquisa caracterizada por uma bricolagem de técnicas que o historiador traça seus planos de estudos e pesquisas de modo a aproximar-se, o máximo possível, da verdade que pretende instituir no seu percurso historiográfico. Desse movimento surgiu, então, uma série de relações que implicaram nas novas tendências nas pesquisas em história da Matemática. É nessa perspectiva que a pesquisa voltada para a construção de uma historiografia para a Matemática e para a Educação Matemática que encontramos uma ampliação do campo referente aos métodos e abordagens de pesquisa nessa área, nos Seminários Nacionais de História da Matemática, com vistas a iniciar um novo trabalho investigatório, desta vez centrado nos estudos e pesquisas referentes às teses e dissertações produzidas em programas de pós-graduação que envolvem a área de estudos de história da Matemática. O referencial teórico dessa nova pesquisa está apoiado em documentos e estudos que abordam essa questão da pesquisa, da pós-graduação em Educação Matemática. Além disso, utilizamos os referenciais teóricos sob as tendências da pesquisa em Educação Matemática para organizar uma chave de classificação dos trabalhos produzidos. Bibliografia Burke, P. (1997). A escola dos Annales ( ). A revolução francesa da historiografia. Tradução Nilo Odalia. 3ª Reimpressão. São Paulo: editora da UNESP. Burke, P. (Org.). (1992). A escrita da história. Novas perspectivas. Tradução Magda Lopes. 3ª Reimpressão. São Paulo: editora da UNESP. (Coleção Biblioteca Básica). Certeau, M. (1991). A história: uma paixão noiva. In: LE GOFF, Jacques et al. A nova história. Lisboa: edições 70. (Série Lugar da história). 9

10 Duby, G. (1993). A história continua. Tradução Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Fossa, J. A. (Ed.). (2001). Anais. Seminário Nacional de História da Matemática. Rio Claro: SBHMat. Foucault, M. (2000). Arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. Le Goff, J. et al. (1991). A nova história. Lisboa: edições 70. (Série Lugar da história). Mendes, I. A. (2010). Cartografias da produção em História da Matemática no Brasil: um estudo centrado nas dissertações e teses defendidas entre Projeto de Pesquisa. Natal: UFRN. Mendes, I. A. (2008a). Uma radiografia dos textos publicados nos Anais dos SNHM. In: Anais. 11º Seminário Nacional de História da Ciência e Tecnologia. Niterói: SBHC, pp Mendes, I. A. (2008b) Conversas profissionais: memórias de professores e história da Educação Matemática. In: Anais. III Congresso Internacional de Pesquisa (Auto)Biográfica. CR-ROM. Natal: EDUFRN. pp Mendes, I. A.; Chaquiam, M. (Orgs.). (2009). Anais do VIII Seminário Nacional de História da Matemática. CD-ROM. Belém: SBHMat. Nobre, S. R. (Ed.). (1997). Anais. II Seminário Nacional de História da Matemática e II Encontro Luso-Brasileiro de História da Matemática. Rio Claro: UNESP. Pacheco, E. R.; Valente, W. R. (Orgs.). (2007). Caderno de Resumos. VII Seminário Nacional de História da Matemática. Guarapuava: Editora da UNICENTRO. Reis, J. C. (2005). A história entre a filosofia e a ciência. Belo Horizonte: autêntica. Sad, L. A. (Ed.). (2005). Anais. VI Seminário Nacional de História da Matemática. Rio Claro: SBHMat. Schaff, A. (1994). História e verdade. 2. ed. Lisboa: Estampa. Silva, C. M. S. da. (Ed.). (1999). Anais. III Seminário Nacional de História da Matemática. Vitória: EDUFES. Teixeira, M. V.; Nobre, S. R. (2003). Anais. V Seminário Nacional de História da Matemática. Rio Claro: SBHMat. 10

CONTRIBUIÇÕES DAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS EM HISTÓRIA NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ATIVIDADES PRODUZIDAS PARA SALA DE AULA 1

CONTRIBUIÇÕES DAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS EM HISTÓRIA NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ATIVIDADES PRODUZIDAS PARA SALA DE AULA 1 CONTRIBUIÇÕES DAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS EM HISTÓRIA NO ENSINO DA MATEMÁTICA: ATIVIDADES PRODUZIDAS PARA SALA DE AULA 1 Francisco Djnnathan da Silva Gonçalves 2 Albimar Gonçalves de Mello 3 Iran Abreu Mendes

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação

Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação Os Cursos de Licenciatura em Matemática das Universidades em Belém do Pará: da criação à consolidação Alailson Silva de Lira 1 GD5 História da Matemática e Cultura O presente trabalho faz parte da dissertação

Leia mais

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA Autor(es) ALLINE CRISTINA BASSO; LUCCAS ESCHER GUARASEMINI Introdução Dominando a produção histórica de 1880 a 1945, o positivismo

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 1 DOCÊNCIA ONLINE: UM ESTUDO NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Brasília - DF setembro 2014 Omitido para avaliação Instituição email Classe Investigação Científica Setor Educacional Educação Superior Classificação

Leia mais

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-)

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-) A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (195-) META Caracterizar o pensamento historiográfi co de Roger Chartier. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: elencar e explicar os principais aspectos

Leia mais

APRENDENDO A MATEMÁTICA COM A ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ESTUDO DE CASO

APRENDENDO A MATEMÁTICA COM A ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ESTUDO DE CASO APRENDENDO A MATEMÁTICA COM A ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ESTUDO DE CASO Rodrigo Gonçalves Oliveira 1 Universidade Federal de Pelotas rdggoliveira@gmail.com Luana Leal Alves

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior

A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior A influência das Representações Sociais na Docência no Ensino Superior Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital ZAIDAN, Lílian Araújo Ferreira 1 VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira 2 No ensino

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014)

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) MAINARDI, DIVA MARIA DE OLIVEIRA História e Filosofia da Educação Doutoranda Orientador: Prof. Dr. Cesar Romero Amaral

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN)

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) Resumo: Muitas são as pesquisas que nos mostram a importância do uso da história no ensino de matemática, observamos a necessidade de saber se

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA

DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA Bernadete Barbosa Morey Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN bernadetemorey@gmail.com Severino Carlos Gomes Instituto Federal

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997)

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) Aline do Nascimento Cavalcante 1 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1

PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1 199 PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1 FERIOTO, Diego Gomes. 2 RESUMO Apresentaremos resultados parciais da pesquisa que pretende enfatizar a importância dos processos criminais como

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

HISTÓRIA. DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0

HISTÓRIA. DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0 HISTÓRIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0 A ciência psicológica. A constituição da subjetividade. Desenvolvimento e aprendizagem. Transtornos e dificuldades de aprendizagem.

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS Luciana Boemer Cesar 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Palavras-chave: formação de professores, ensino de estatística,

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática

Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática Wanusa Rodrigues Ramos 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Tendo em

Leia mais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais

Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica. sobre linguagens e práticas culturais Tendências contemporâneas nas pesquisas em educação matemática e científica sobre linguagens e práticas culturais Cláudia Regina Flores Suzani Cassiani (organizadoras) Tendências contemporâneas nas pesquisas

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS TERNOS PITAGÓRICOS: UMA FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Georgiane Amorim Silva 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte /PPGEd georgianeamor@hotmail.com Resumo: Considerando

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA Resumo LEITE, Álvaro Emílio UFPR aelfis@yahoo.com.br GARCIA, Nilson Marcos Dias* UTFPR/UFPR nilson@utfpr.edu.br ROCHA, Marcos UFPR

Leia mais

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional.

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional. Resumos SILVA, Samara Mendes Araújo. À luz dos valores religiosos: escolas confessionais católicas e a escolarização das mulheres piauienses (1906 1973). Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações

A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações A ANÁLISE DE CONTEÚDO NA PERSPECTIVA DE BARDIN: do rigor metodológico à descoberta de um caminho de significações Cátia Cilene Farago 1 Eduardo Fofonca 2 Análise de Conteúdo, em edição revista e atualizada,

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO GLEIDIS ROBERTA GUERRA (CEMEI CLEBERSON DA SILVA - PMM), DEIGLES GIACOMELLI

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO ENSINO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PARA ESTUDANTES DE LICENCIATURAS DA UFPA Resumo RODRIGUES, Sônia Eli Cabral UFPA soniaely@ufpa.br PINTO, Ivany Nascimento Ivany.pinto@gmail.com

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO INTERSTÍCIO ENTRE A REPRESENTAÇÃO, A HISTÓRIA E A ARTE.

A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO INTERSTÍCIO ENTRE A REPRESENTAÇÃO, A HISTÓRIA E A ARTE. A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NO INTERSTÍCIO ENTRE A REPRESENTAÇÃO, A HISTÓRIA E A ARTE. Cláudia Regina Flores Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC-Brasil claudiar@ced.ufsc.br RESUMO Esta comunicação tem

Leia mais

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Maria José da Silva Rocha 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática A pesquisa

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CLIMENIA MARIA LACERDA DE OLIVEIRA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Trabalho Docente, Formação de Professores e

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 8: TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL O TRABALHO DO TERAPEUTA OCUPACIONAL SOCIAL: IMPERATIVO DA REFLEXÃO METODOLÓGICA E CONCEITUAL

GRUPO DE TRABALHO 8: TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL O TRABALHO DO TERAPEUTA OCUPACIONAL SOCIAL: IMPERATIVO DA REFLEXÃO METODOLÓGICA E CONCEITUAL GRUPO DE TRABALHO 8: TERAPIA OCUPACIONAL SOCIAL O TRABALHO DO TERAPEUTA OCUPACIONAL SOCIAL: IMPERATIVO DA REFLEXÃO METODOLÓGICA E CONCEITUAL Profa. Dra. Adriana Belmonte Moreira Profa Dra. Denise Dias

Leia mais

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática. Palavras-chave: Formação de Professores. História Oral. História da Educação Matemática

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática. Palavras-chave: Formação de Professores. História Oral. História da Educação Matemática Formação de professores no início da carreira docente que ensinavam matemática em Campo Grande/MS: um olhar para práticas informais entre as décadas de 1980 e 1990. Viviane Ramos Gomes Gaspar 1 GD7 Formação

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP)

Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP) Aspectos Pedagógicos no ensino superior em saúde: relato de experiência do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da Universidade de São Paulo (USP) Oliveira, Tatiane Guimarães Pedroso 1 ; Bastos, Isabella

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

AÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA: PERSPECTIVAS DE BOLSISTAS DO PIBID

AÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA: PERSPECTIVAS DE BOLSISTAS DO PIBID AÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA: PERSPECTIVAS DE BOLSISTAS DO PIBID AZEVEDO, Lenilda Pessoa de - UEPB BORGES, Thayse Costa UEPB FREIRE, Maria do Patrocinio UEPB OLIVEIRA, Flávia Pereira - UEPB TRAJANO,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos MAPEANDO AS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA VINCULADAS AO PROGRAMA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 Patrícia Sandalo PEREIRA Universidade Federal de Mato

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Departamento de Arqueologia Disciplina Museologia Arqueológica Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA Esta disciplina pretende apresentar, discutir e problematizar

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF Introdução Davi Vieira Medeiros; Perola Fátima Valente Simpson Viamonte Com base nas perspectivas atuais propostas

Leia mais

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970)

Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Autor e imagens na Revista Brasileira de Psicanálise (1967 1970) Prof. Me. Roger Marcelo Martins Gomes Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: roger.gomes@usc.br Comunicação Oral Eixo 6 - Memória,

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

Motivação: descrever os motivos que o levaram a realizar a pesquisa

Motivação: descrever os motivos que o levaram a realizar a pesquisa RELATÓRIO DE QUALIFICAÇÃO Elementos pré-textuais Capa Folha de rosto Resumo Sumário Ao relatório de qualificação deverá ser inserido: capa, folha de rosto, resumo, listas (de ilustrações, tabelas, abreviaturas

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais