Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-"

Transcrição

1 Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley-

2 Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos e desiguais tendem a apresentar grandes programas públicos redistributivos. Governo tende a tributar pequena parcela da população para beneficiar ampla parcela desta (faz isto para ganhar votos). Políticas assistenciais e redistributivas no Brasil são fortemente crescentes desde a redemocratização. Isto implicou também em crescente carga tributária no país desde 1988.

3 Pontos básicos a serem detalhados: Forte crescimento da China na primeira década do novo milênio alavancou fortemente o crescimento brasileiro. Combinação virtuosa entre ajuste das contas públicas e reformas microeconômicas (iniciadas na década de 90 e mantidas no novo milênio) permitem ao país aproveitar fortemente esta bonança internacional.

4 Crescimento do produto faz receitas públicas crescerem fortemente. Possível aumentar gastos sociais e implementar ajuste fiscal. Reversão da bonança internacional compromete crescimento econômico. Volta à forte intervenção na esfera econômica compromete também o crescimento do produto potencial. Diminuição do crescimento impacta receitas públicas e compromete ajuste citado (despesas continuam crescendo). Erros na condução da política econômica federal agravam ainda mais este quadro.

5 Produto, população e produto per capita, Brasil e Minas Gerais,

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15 Quadro muda a partir de 2011 (taxa de crescimento médio real, )

16 Déficit nominal do Brasil em percentual do PIB

17 Superávit primário do governo federal como percentual do PIB

18 Três problemas graves relativos às contas públicas federais: Contabilidade criativa relacionada aos empréstimos feitos aos bancos públicos federais. Permite ampliação da dívida bruta ao mesmo tempo que diminui a dívida líquida. Subsídios relativos aos empréstimos fornecidos pelos bancos oficiais aumentam a taxa de juros implícita da dívida pública federal.

19 Dívida dos bancos públicos junto ao tesouro nacional

20

21

22 Subsídios concedidos em diversos programas só são contabilizados no efetivo momento que estes seriam pagos. Problema se concentra em três programas, MCMV, FIES e PSI. Garante forte aumento dos gastos públicos no futuro (mesmo que estes programas sejam descontinuados).

23 Volume (bilhões) de empréstimos do BNDES passível de receberem subsídios públicos

24 Gastos anuais com o FIES

25 Investimento público federal com o MCMV

26 Investimento público federal sem o MCMV

27 Caso de Minas Gerais é bem parecido com o restante do país. Forte crescimento das receitas permite ajuste das contas públicas (ocorre também esforço fiscal). Investimentos estaduais crescem muito com ajuste fiscal. Estado bastante endividado no novo milênio. Ajuste fiscal e crescimento das receitas e do produto permitem forte melhoria nos indicadores da dívida. Estado troca dívida interna (mais cara) por dívida externa (mais barata). Desvalorização do real piora o endividamento do estado. Desaceleração do crescimento nos últimos anos deteriora a situação fiscal do estado.

28 Proporção de déficits ou superávits nas receitas estaduais

29 Relação dívidas estaduais/receitas estaduais

30 Relação dívida estadual/produto estadual

31 Novos endividamentos estaduais (totais e externos), Minas Gerais e Brasil

32 Investimentos públicos estaduais

33 Finanças públicas municipais dos municípios mineiros no novo milênio: Produto municipal per capita em Minas Gerais no novo milênio não converge. Este se tornou mais desigual a partir de As contas públicas municipais per capita, por sua vez, apresentam resultado inverso estas convergem (distribuição fica menos desigual). Alíquotas efetivas destas contas divergem, porém. Do lado das receitas, é claro o esforço arrecadatório empreendido pelos municípios mais pobres. O FPM também ajuda neste processo, mas seu peso é pequeno. Do lado das despesas, a assimetria existente também é pequena (e cadente). Maioria das desigualdades observadas são geradas internamente nas regiões mineiras e não entre estas.

34 180 Produto local per capita, MG=100, Regiões de planejamento mineiras, Central Mata Sul de Minas Triângulo Alto Paranaíba Centro-Oeste de Minas Noroeste de Minas Norte Jequitinhonha/Mucuri Rio Doce

35 Receitas municipais: Bem melhor distribuídas que o produto municipal. Assimetria observada é fortemente determinada pela assimetria existente no produto per capita. Valores per capita convergem no período. Alíquota efetiva diverge. Diferenças intra-regionaisbem mais importantes aqui que na distribuição do produto per capita.

36 Principais receitas municipais: Tributos municipais: ITBI, ISSQN e IPTU. FPM: Fortemente redistributivo (critério básico é a população). Cota-parte do ICMS: Critério de distribuição básico é o VAF.

37 Receitas tributárias municipais: Tanto montantes per capita quanto alíquota efetiva convergem no período. Assimetrias existentes, de todo modo, são muito grandes (aumenta novamente a importância das diferenças interregionais). Forte crescimento do ISSQN no período. Este sai de 32% das receitas tributárias em 2000 para 43% em O IPTU diminui sua participação (de 30% para 24%) e o ITBI também aumenta a sua (de 8% para 11%).

38 Despesas municipais: Resultados bastante similares às receitas municipais (montante per capita convergente, alíquotas efetivas divergente; assimetrias fortemente explicadas pelas assimetrias existentes no produto per capita e assimetrias internas nas regiões bem maiores que aquelas entre as regiões). Gastos de capital seriam mais desiguais que gastos correntes. Ambos convergiram em seu montante per capita e divergiram em suas alíquotas efetivas.

39 Perspectivas para os municípios Situação ruim das contas federais e estaduais. Problemas relativos ao pagamento de mãode-obra (plano de cargos e salários muito generosos). Ajuste fiscal do governo federal sempre impacta estados e municípios (aumento de receitas não compartilhadas). Perspectivas econômicas não são boas.

40 Possibilidades para os municípios Inflação ajuda ajuste (aumento das receitas e inexistência de reajuste nas despesas). Apoio político para ampliação de receitas compartilhadas (reforma tributária). Forte desvalorização do real ajuda produtores de commodities (minério de ferro, soja entre outros). Forte aumento da gasolina e da energia alavanca arrecadação de ICMS.

41 Busca de maior qualificação na prefeitura (elaboração e prestação de contas de projetos). Expansão do ensino superior no estado ajuda (necessário fomentar Central de estágios). Melhoria de cadastros. Alavanca arrecadação de IPTU e ITBI. Melhoria de ambiente de negócios (identificar junto aos empresários locais as necessidades destes). Lei Robin Hood. Alavancagem da cota-parte do ICMS.

42 FIM (Obrigado)

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 69 setembro de 2015 Organização técnica: Maurício José Nunes Oliveira assessor econômico Para entender o déficit orçamentário do Governo 1 Proposta de Orçamento para 2016 Diante

Leia mais

Desmistificando o debate fiscal

Desmistificando o debate fiscal 25 jul 2006 Nº 6 Desmistificando o debate fiscal O equívoco de confundir gasto social com custeio da máquina Por Secretaria de Assuntos Econômicos O resultado das necessidades de financiamento do setor

Leia mais

RECEITAS E DESPESAS MUNICIPAIS EM MINAS GERAIS NA PRIMEIRA DÉCADA DO NOVO MILÊNIO

RECEITAS E DESPESAS MUNICIPAIS EM MINAS GERAIS NA PRIMEIRA DÉCADA DO NOVO MILÊNIO RECEITAS E DESPESAS MUNICIPAIS EM MINAS GERAIS NA PRIMEIRA DÉCADA DO NOVO MILÊNIO Claudio Burian Wanderley * Rútila Maria Soares Gazzinelli Cruz Eduardo Teixeira Leite Felipe Lacerda Diniz Leroy Resumo:

Leia mais

Tributária Bruta

Tributária Bruta Evolução da Carga Tributária Bruta 1990 2009 Setembro de 2010 1 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são instituições autônomas,

Leia mais

Finanças Públicas. Dinâmica da Dívida Pública CAP. 9 GIAMBIAGI

Finanças Públicas. Dinâmica da Dívida Pública CAP. 9 GIAMBIAGI Finanças Públicas Dinâmica da Dívida Pública CAP. 9 GIAMBIAGI 1. INTRODUÇÃO Implicações econômicas: Como a dívida afeta o funcionamento da economia? Quais as consequências de políticas fiscais passadas

Leia mais

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Os números que traduzem as finanças públicas decorrem

Leia mais

5. Política Fiscal e déficit público

5. Política Fiscal e déficit público 5. Política Fiscal e déficit público 5.1 Política fiscal (tributação e gastos) 5.2 conceito de déficit público 5.3 evolução do déficit público no Brasil 5.4 relação entre déficit público, taxa de juros

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Crise Financeira e Finanças Subnacionais em Perspectiva Comparada São Paulo, 2 de Abril de Rafael Barroso Economista, Banco Mundial

Crise Financeira e Finanças Subnacionais em Perspectiva Comparada São Paulo, 2 de Abril de Rafael Barroso Economista, Banco Mundial Crise Financeira e Finanças Subnacionais em Perspectiva Comparada São Paulo, 2 de Abril de 2014 Rafael Barroso Economista, Banco Mundial A crise internacional A crise internacional levou a uma forte desaceleração

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico

Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Programa de Aperfeiçoamento para Carreiras 2015 Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Palestrante: Manoel Carlos de Castro Pires Curso Políticas Públicas

Leia mais

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público - Módulo Básico Profª Drª Fernanda Graziella Cardoso email: fernanda.cardoso@ufabc.edu.br Março/2014

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

Um programa de ajuste incompleto

Um programa de ajuste incompleto O desafio do ajuste fiscal brasileiro FGV/EESP Um programa de ajuste incompleto Felipe Salto* *Assessor econômico do senador José Serra, é economista pela FGV/EESP, mestre em administração pública e governo

Leia mais

Gasto Público Total no Brasil

Gasto Público Total no Brasil Gasto Público Total no Brasil Pelos dados do FMI, Brasil tem uma despesa pública total (inclusive juros) de 40% do PIB. GASTO FISCAL NO BRASIL: crescimento e dilemas Econ. Edilson Aguiais Material Disponível

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

Reforma Tributária e Seguridade Social

Reforma Tributária e Seguridade Social Reforma Tributária e Seguridade Social Audiência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília 31 de março de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária ria Econômicos Sociais

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Título Os governadores e a redução da conta de luz Veículo Revista DC Análise Data 30 Junho 2012 Autor Claudio J. D. Sales

Título Os governadores e a redução da conta de luz Veículo Revista DC Análise Data 30 Junho 2012 Autor Claudio J. D. Sales Título Os governadores e a redução da conta de luz Veículo Revista DC Análise Data 30 Junho 2012 Autor Claudio J. D. Sales Em qualquer país e em qualquer setor econômico é necessário que o sistema tributário

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas:

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas: Páginas: 48 Índice do diário Outros Outros - BALANÇO ANUAL 2015 Página 1 Outros Outros BALANÇO ANUAL 2015 - BA (Poder Executivo) DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial

Leia mais

A Realidade e as Soluções

A Realidade e as Soluções A Realidade e as Soluções para as Finanças do Estado. Governar com responsabilidade Qual a situação financeira em 2015? Situação no Início de 2015 Faltam 5,4 bilhões Isso equivale a 3 folhas de pagamento

Leia mais

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula Valor Econômico 27 de dezembro de 2010 Governo: Gasto adicional de 2,2% do PIB significa que foram transferidos R$ 75 bi a mais em relação a 2002 Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE - DIEESE - REUNIÃO DA DSND Rosane Maia 17 de junho de 2009 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE APRESENTAÇÃO: I - A EXPERIÊNCIA DO OBSERVATÓRIO DE EQUIDADE

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Perfil da economia brasileira nos governos Lula e Dilma 1 A economia brasileira no ciclo de governo

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA 1 ESTIMATIVA DA RECEITA ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA 2013 2014 2015 I. RECEITA CORRENTE 602.587.104 657.307.266

Leia mais

Mineração: maldição ou dádiva? Os modelos pessimista e otimista. Estudos de caso e o exercício da quantificação e da qualificação

Mineração: maldição ou dádiva? Os modelos pessimista e otimista. Estudos de caso e o exercício da quantificação e da qualificação Mineração: maldição ou dádiva? Os modelos pessimista e otimista. Estudos de caso e o exercício da quantificação e da qualificação Maria Amélia Enríquez MME/SGM UFPA/UNAMA A maldição dos recursos naturais

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

O crescimento brasileiro é sustentável?

O crescimento brasileiro é sustentável? O crescimento brasileiro é sustentável? Adalmir Marquetti * RESUMO - O presente texto discute as condições necessárias para a continuidade da retomada do crescimento nos próximos anos. Aponta-se que há

Leia mais

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen

Consultoria. Conjuntura Econômica e Perspectivas Setembro/2016. Juan Jensen Consultoria Conjuntura Econômica e Perspectivas 2017-22 Setembro/2016 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br PIB Confiança segue mostrando recuperação na margem, ainda que nível ainda seja baixo Estamos

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade Social, Educação e Infraestrutura

Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade Social, Educação e Infraestrutura Aspectos Gerais Simplificação do sistema Desoneração tributária Desenvolvimento regional Aspectos específicos Recursos mais estáveis Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade

Leia mais

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº / (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) CIDADE NOVA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 15.862.591/0001-83 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do

Leia mais

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981

Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Taxa de juros e semiestagnação desde 1981 Apresentação preparada para o 13º Forum de Economia da Fundação Getulio Vargas Nelson Marconi 12 de setembro de 2016 Como evoluiu a renda per capita no Brasil?

Leia mais

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º Trimestre de 2011 São Paulo, dezembro de 2010 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

Financiamento do Ensino Superior

Financiamento do Ensino Superior Financiamento do Ensino Superior 8º Seminário Nacional do Reuni Universidades Federais: Consolidação e Expansão 2011-2020 Subsídios para o Plano Nacional de Educação JANEIRO 2010 Ricardo José Grossi Fabrino

Leia mais

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal Aspectos Operacionais Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças Edsonn@fazenda.gov.br Aspectos Operacionais da LC 101 1. Introdução Após a fase de entendimentos

Leia mais

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda Decifrando a economia para superar a crise com Denise Barbosa & Antonio Lacerda EUA produção industrial continua patinando 110 105 Índice base 2007 = 100 100 95 90 85 80 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Principais Pontos da Lei Orçamentária A Lei Orçamentária Anual é a peça de planejamento que detalha quais recursos serão aplicados nos programas de governo,

Leia mais

APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1

APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1 1 APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1 PROF. Ms. Fábio José Esguícero MACROECONOMIA: Ramo da economia que estuda os grandes agregados da economia como PIB, inflação, renda, emprego, consumo, crescimento econômico,

Leia mais

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal

Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Dimensão financeira do desequilíbrio fiscal Geraldo Biasoto Jr I Jornada de Debates sobre a Dívida Pública 20/10/2105 Ministério Público Federal/Ministério Público de Contas SP Quando o fiscal virou financeiro?

Leia mais

COMPETIÇÃO FISCAL E DESIGUALDADES REGIONAIS

COMPETIÇÃO FISCAL E DESIGUALDADES REGIONAIS COMPETIÇÃO FISCAL E DESIGUALDADES REGIONAIS FEDERALISMO E ASPECTOS DA GESTÃO PÚBLICA DO PARÁ Belém-Pará-Brasil Agosto/2005 OBJETIVO Apresentar no contexto do tema Competição Fiscal e Desigualdades Regionais

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE:

CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE: NOVEMBRO DE 2016 1 CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE: 2015-2016 2 Tabela 1: Ceará: Índices de Revisão Geral dos Servidores Públicos Estaduais - 1998 2015 Ano Governo Reajuste (%) Período Inicial da Vigência

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Podem os Estados da Região Sul não contraírem dívidas por quatro anos?

Podem os Estados da Região Sul não contraírem dívidas por quatro anos? Podem os Estados da Região Sul não contraírem dívidas por quatro anos? Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista. 1. Considerações iniciais Este estudo analisa a situação financeira dos Estados da

Leia mais

Sobre a qualidade do superávit primário

Sobre a qualidade do superávit primário Sobre a qualidade do superávit primário Manoel Carlos de Castro Pires * Desde a derrocada do regime de câmbio fixo, em janeiro de 1999, a política macroeconômica brasileira tem se apoiado no tripé câmbio

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Comportamento das Finanças Públicas Estaduais pelo Acima da Linha em 2015

Comportamento das Finanças Públicas Estaduais pelo Acima da Linha em 2015 Comportamento das Finanças Públicas Estaduais pelo Acima da Linha em 2015 Pedro Jucá Maciel Este trabalho busca avaliar o comportamento das finanças públicas estaduais pelo resultado fiscal na metodologia

Leia mais

Resposta Brasileira à Crise Financeira Externa

Resposta Brasileira à Crise Financeira Externa Resposta Brasileira à Crise Financeira Externa Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vergas 15 de Setembro de 2008 Resposta brasileira à crise financeira exterma I. Será que

Leia mais

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015. Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais

Estatísticas Fiscais de Estados

Estatísticas Fiscais de Estados Estatísticas Fiscais de Estados Consolidado Região Norte Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Sudeste Região Sul 2 Gráfico 1 Resultado Primário Consolidado e Regiões Gráfico 2 Resultado Primário,

Leia mais

Economia. Poupança, investimento e sistema financeiro. Introdução à. N. Gregory Mankiw. Tradução da 6a. edição norte-americana

Economia. Poupança, investimento e sistema financeiro. Introdução à. N. Gregory Mankiw. Tradução da 6a. edição norte-americana N. Gregory Mankiw Introdução à Economia Tradução da 6a. edição norte-americana 26 Poupança, investimento e sistema financeiro 2013 Cengage Learning. All Rights Reserved. May not be copied, scanned, or

Leia mais

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS SEMINÁRIO PARA PREFEITOS DO MATO GROSSO Cuiabá junho de 2010 PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor do Observatório de Informações

Leia mais

IMPACTO DO AUMENTO DO ICMS DO ETANOL HIDRATADO PARA A ECONOMIA

IMPACTO DO AUMENTO DO ICMS DO ETANOL HIDRATADO PARA A ECONOMIA IMPACTO DO AUMENTO DO ICMS DO ETANOL HIDRATADO PARA A ECONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO Cinthia Cabral da Costa Joaquim José M. Guilhoto São Paulo, 18 de novembro de 2009 CONSUMO DE ETANOL HIDRATADO E DIFERENCIAL

Leia mais

Comércio Mundial e Brasileiro

Comércio Mundial e Brasileiro EXTENSIVO 2016 Comércio Mundial e Brasileiro Camila Ferreira Década de 1990 Crise econômica mundial e brasileira Neoliberalismo Globalização Especulação Financeira Expansão do crédito fictício BOLHAS Banco

Leia mais

GOVERNO DILMA 1 ( )

GOVERNO DILMA 1 ( ) 1 INÍCIO DA GESTÃO DILMA Manutenção de Mantega na Fazenda Tombini (servidor de carreira) no Bacen Inflação acima do centro da meta (abaixo do teto) Ampla base de apoio político Compromisso de redução dos

Leia mais

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. São Paulo, Novembro/2013 Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Fonte: Ipea

Leia mais

A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010

A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010 A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS E A RECEITA COM ELA AUFERIDA: A SITUAÇÃO EM 2010 (Estudo Técnico nº 174) François E. J. de Bremaeker Salvador, junho de 2012 2 A DÍVIDA ATIVA INSCRITA PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Financiamento Orçamentário

Financiamento Orçamentário Financiamento Orçamentário Glauber P. de Queiroz Ministério do Planejamento SEAFI/SOF/MP Etapa Brasília Março 2016 Oficina XX Financiamento Orçamentário Duração : 04 h Conteúdo: Conceito de Déficit Orçamentário,

Leia mais

Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012

Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012 Proposta orçamentária para 2013 no contexto das finanças estaduais e cenário para 2015 Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista Setembro/2012 Receitas totais previstas para 2013 Em R$ 1.000,00 Especificação

Leia mais

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso

Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Desafios da Lei de Responsabilidade Fiscal José Roberto R. Afonso Seminário O Desafio Fiscal do Brasil INSPER, 7/ 15/ 2015 1 LRF Histórico 1922 - Código de Contabilidade Pública (Decreto 4536) 1964 Lei

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás São Paulo, 27 de setembro de 2016 Sumário 1 2 A crise fiscal

Leia mais

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões

Destaques Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Reunião Pública com APIMEC - SP Resultados 2010 e 4T10 06 de Abril de 2011 Destaques 2010 Abertura de Capital, 100% primária e listagem no Novo Mercado, com captação bruta de R$ 477,9 milhões Receita Bruta

Leia mais

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CPMF 2011 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 IMPACTO DA CPMF NA ECONOMIA 2 Volta da CPMF é uma contribuição IMPOPULAR Tema é bastante impopular para ser tratado em início de Governo. Pesquisa

Leia mais

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015

ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 ICMS: um retrato da economia brasileira em 2015 Pedro Jucá Maciel 1 INTRODUÇÃO O ICMS, imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual,

Leia mais

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014 Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Sumário da Apresentação 1 Análise Macroeconômica Nacional 2 3 4 Análise do Investimento Privado Análise de Cenários

Leia mais

de Empresas e Projetos

de Empresas e Projetos Avaliação de Empresas e Projetos MBA em Finanças as Habilitação Finanças as Corporativas Projeções de Fluxos de Caixa e Taxas de crescimento Processo de análise Análise da performance histórica Projeção

Leia mais

Mensurando a Economia de um País AULA 3

Mensurando a Economia de um País AULA 3 Mensurando a Economia de um País AULA 3 Viceconti; Neves (2006) Dornbusch; Fischer; Startz (2013) 1 http://infograficos.oglobo.globo.com/economia/evolucao-do-pib-1.html 2 PIB e PNB (PIB): dentro dos limites

Leia mais

Evolução das Despesas Federais

Evolução das Despesas Federais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 3 Evolução das Despesas

Leia mais

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Prof. Flávio Riani O descalabro do quadro político brasileiro associado às recentes informações

Leia mais

Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula **

Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula ** Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula ** As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, o que significa

Leia mais

Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas

Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Diagnós0co e Ações Corre0vas para as Contas Públicas Ministro da Henrique Meirelles 30 de maio de 2016 Ministério da Ministério da 2 Diagnós0co: exercício com transparência e realismo A LOA previa, para

Leia mais

Os Estados Membros e os Municípios na Federação Brasileira: Paradoxos do Federalismo no Brasil. Marcelo Neves

Os Estados Membros e os Municípios na Federação Brasileira: Paradoxos do Federalismo no Brasil. Marcelo Neves Os Estados Membros e os Municípios na Federação Brasileira: Paradoxos do Federalismo no Brasil Marcelo Neves Os Estados Membros e os Municípios na Federação Brasileira: Paradoxos do Federalismo no Brasil

Leia mais

C = 0,8Yd i* = 12 T = 0,25Y X = e I = 300 5i Mimp= 50 6e + 0,1Y G = 400 Md= 0,2Y 12i Ms = 160

C = 0,8Yd i* = 12 T = 0,25Y X = e I = 300 5i Mimp= 50 6e + 0,1Y G = 400 Md= 0,2Y 12i Ms = 160 Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia I Professor: Carlos Alberto Período: 2/2013 Segunda Prova Questões 1. Assuma um país pequeno, com taxa de câmbio flexível e perfeita

Leia mais

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec

Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor da Protec Comprometimento dos Recursos Financeiros do Governo com os Juros da Dívida Pública X Insuficientes Recursos para Inovação e Desenvolvimento Tecnológico Apresentação de Fernando Varella Economista e Diretor

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

CADEIA PRODUTIVA DA MODA DE MINAS GERAIS

CADEIA PRODUTIVA DA MODA DE MINAS GERAIS CADEIA PRODUTIVA DA MODA DE MINAS GERAIS 10.094 3,3 bilhões 127.530 15,2% estabelecimentos de atividades de moda em Minas. valor adicionado da moda no estado. pessoas empregadas no setor. do emprego da

Leia mais

FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015

FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015 Estudos Técnicos/CNM dezembro de 2015 FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015 O Fundo de Participação dos Municípios (FPM) apresentou um comportamento incerto ao longo desse ano. Tais incertezas

Leia mais

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário

Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 ApresentAção A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 apresenta a visão do empresário do transporte rodoviário

Leia mais

Minas Gerais. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Minas Gerais (1991, 2000 e 2010)

Minas Gerais. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Minas Gerais (1991, 2000 e 2010) Minas Gerais Em, no estado de Minas Gerais (MG), moravam 19,6 milhões de pessoas, em que uma parcela considerável (8,1%, 1,6 milhões) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 853 municípios,

Leia mais

Variações Patrimoniais Quantitativas

Variações Patrimoniais Quantitativas : 2015 Quantitativas VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 254.357.617,98 IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA 7.926.292,10 IMPOSTOS 7.769.372,44 IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO E A RENDA 3.809.542,30 IMPOSTOS

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 72 outubro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise política e crise econômica no Brasil e suas repercussões no mundo 1 1. A crise econômica

Leia mais

A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro. Julho de 2016

A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro. Julho de 2016 A Crise Fiscal : Desafios e Oportunidades para o Federalismo Brasileiro Julho de 2016 Sumário 1. Breve Histórico 2. Informações Fiscais 3. Possíveis Explicações 4. Grandes Questões 5. Desafios e Oportunidades

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski

Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski Grau de Alavancagem Operacional por Renan Kaminski O Dicas 4blue são vídeos e mini e-books com dicas rápidas e práticas para que você e sua equipe possam aplicar no seu dia a dia. Para ter acesso a todas

Leia mais

O Desafio Fiscal no Brasil e no Mundo

O Desafio Fiscal no Brasil e no Mundo Nº02 Em resposta aos efeitos da crise global de 2008, governos de todo o mundo se engajaram em políticas fiscais ativas, caracterizadas pelo aumento expressivo do déficit público. Isso provocou um rápido

Leia mais

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 4 Comparações Internacionais

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais