Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015."

Transcrição

1 Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015.

2 BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86

3 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29 LC nº 141 CF

4 Regra de Aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde A regra foi definida pela Emenda Constitucional nº. 29/2000 e ratificada pela LC nº 141/2012 e MODIFICADA pela EC 86/2015: União - o montante aplicado no ano anterior corrigido pela variação nominal do PIB. A partir de 2016 a forma de cálculo será alterada para percentuais da Receita Corrente Liquida alcançando em % da RCL. EC 86/2015 Estados - 12% da receita de impostos estaduais. Municípios - 15% da receita de impostos municipais. 4

5 Receitas Vinculadas às ASPS Receitas de Impostos Próprios Estaduais: ICMS, IPVA, ITCMD, IRRF (+) Multa e Juros de Mora, Dívida Ativa e Multas e Juros de Mora e Outros Encargos da Dívida Ativa de Impostos Próprios Estaduais (+) Receitas de Transferências da União: Cota-Parte do FPE, IPI Exportação, ICMS Exportação (Lei Kandir LC 87/96) (-) Transferências Constitucionais e Legais a Municípios ICMS (25%) IPVA (50%) ESTADUAL IPI Exportação (25%) MUNICIPAL Receitas de Impostos Próprios Municipais: IPTU, ISS, ITBI, ITR, IRRF (+) Multa e Juros de Mora, Dívida Ativa e Multas e Juros de Mora e Outros Encargos da Dívida Ativa de Impostos Próprios Municipais (+) Receitas de Transferências da União. Cota-Parte do FPM, ITR, ICMS Exportação (Lei Kandir LC 87/96) (+) Receitas de Transferências do Estado Cota-Parte do ICMS, Cota-Parte do IPVA e Cota-Parte do IPI Exportação 5

6 Conceito de ASPS LC 141 Sejam destinadas às ações e serviços públicos de saúde de acesso universal, igualitário e gratuito; Estejam em conformidade com objetivos e metas explicitados nos Planos de Saúde de cada ente da Federação; e Sejam de responsabilidade específica do setor da saúde, não se aplicando a despesas relacionadas a outras políticas públicas que atuam sobre determinantes sociais e econômicos, ainda que incidentes sobre as condições de saúde da população. Seus recursos sejam movimentados por meios dos respectivos fundos de saúde. 6

7 Alguns exemplos considerados em ASPS Ações de apoio administrativo realizadas pelas instituições públicas do SUS e imprescindíveis à execução das Ações e Serviços Públicos de Saúde; Atenção integral e universal à saúde em todos os níveis de complexidade, incluindo assistência terapêutica e recuperação de deficiências nutricionais; Capacitação do pessoal de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS); Desenvolvimento científico e tecnológico e controle de qualidade promovidos por instituições do SUS; Produção, aquisição e distribuição de insumos específicos dos serviços de saúde do SUS, tais como: imunobiológicos, sangue e hemoderivados, medicamentos e equipamentos médico-odontológicos; Remuneração do pessoal ativo da área de saúde em atividade nas ações de que trata este artigo, incluindo os encargos sociais; Saneamento básico de domicílios ou de pequenas comunidades, dos distritos sanitários especiais indígenas e de comunidades remanescentes de quilombos; e, Vigilância em saúde, incluindo a epidemiológica e a sanitária. Manejo ambiental vinculado diretamente ao controle de vetores de doenças; 7

8 Alguns exemplos NÃO considerados como ASPS Ações de assistência social; Ações e Serviços Públicos de Saúde custeados com recursos distintos dos especificados na base de cálculo definida na Lei Complementar ou vinculados a fundos específicos distintos daqueles da saúde. Assistência à saúde que não atenda ao princípio de acesso universal; Limpeza urbana e remoção de resíduos; Merenda escolar e outros programas de alimentação, ainda que executados em unidades do SUS; Obras de infraestrutura, ainda que realizadas para beneficiar direta ou indiretamente a rede de saúde; Pagamento de aposentadorias e pensões, inclusive dos servidores da saúde; Pagamento de pessoal ativo da área de saúde quando em atividade alheia à referida área; Preservação e correção do meio ambiente, realizadas pelos órgãos de meio ambiente dos entes da Federação ou por entidades não governamentais; Saneamento básico, inclusive quanto às ações financiadas e mantidas com recursos provenientes de taxas, tarifas ou preços públicos instituídos para essa finalidade. 8

9 CONSOLIDADO APLICAÇÃO % EC 29 ESFERA MUNICIPAL - NACIONAL 23 22,5 22,11 22, , , ,5 20,37 20,47 21, Fonte: SIOPS/MS % APLICACAO MUNICIPAL

10 CONSOLIDADO APLICAÇÃO % EC 29 ESFERA MUNICIPAL - CEARÁ 25 24, , ,41 21,64 21, Fonte: SIOPS/MS

11 CONSOLIDADO APLICAÇÃO % EC 29 ESFERA ESTADUAL EC 29 ESTADOS , , , ,87 12,87 12,2 12,4 12,6 12, ,2 13,4 13,6 Fonte: SIOPS/MS EC 29 ESTADOS

12 CONSOLIDADO APLICAÇÃO % EC 29 ESFERA ESTADUAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ ,11 15,51 15, ,77 13, Fonte: SIOPS/MS Ceará

13 Composição do Gasto Público em Saúde Ano R$ (Bilhões) % R$ (Bilhões) % R$ (Bilhões) % R$ (Bilhões) % R$ (Bilhões) % União R$61,97 44,73% R$72,33 45,26% R$80,06 45,25% R$83,05 42,53% R$92,24 42,83% Estado R$37,26 26,90% R$41,49 25,96% R$44,82 25,33% R$52,25 26,76% R$57,37 26,64% Município R$39,29 28,36% R$46,01 28,79% R$52,04 29,41% R$59,97 30,71% R$65,74 30,53% Gasto Publico Total R$138,52 100% R$159,83 100% R$176,92 100% R$195,28 100% R$215,35 100% Fonte: SIOPS/MS SPO e FNS/MS

14 Gastos Públicos em Saúde Município, R$65,74, 30% União, R$92,24, 43% Estado, R$57,37, 27% União Estado Município Fonte: SIOPS/MS SPO e FNS/MS

15 Consolidado de Receitas e Despesas Municipais e Estaduais (R$ Bilhão Correntes) ANO ESTADO MUNICIPIO %(A) R$34,74 R$28,94 Despesa Realizada(B) R$37,26 R$39,29 Aplicação Adicional (B-A) R$2,53 R$10,35 12%(A) R$38,70 R$33,71 Despesa Realizada(B) R$41,49 R$46,01 Aplicação Adicional (B-A) R$2,79 R$12,30 12%(A) R$42,40 R$36,50 Despesa Realizada(B) R$44,82 R$52,04 Aplicação Adicional (B-A) R$2,42 R$15,54 12%(A) R$47,66 R$40,69 Despesa Realizada(B) R$52,25 R$59,97 Aplicação Adicional (B-A) R$4,59 R$19,28 12%(A) R$51,09 R$43,20 Despesa Realizada(B) R$57,37 R$65,74 Aplicação Adicional (B-A) R$6,28 R$22, SOMATORIA APLICAÇAO ADICIONAL R$18,61 R$80,02 Fonte: SIOPS/MS

16 Variação Crescimento Receita e Despesa ( ) Município Estado Receita Despesa Receita Despesa 49% 67% 47% 54% Fonte: SIOPS/MS

17 Gastos Federais (R$ bilhões) União R$100,00 R$92,24 R$90,00 R$80,00 R$72,33 R$80,06 R$83,05 R$70,00 R$61,97 R$60,00 R$50,00 R$40,00 R$30,00 R$20,00 R$10,00 R$ União Fonte: SIOPS/MS SPO e FNS/MS

18 Transferências de Recursos Federais Repasses federais baseados em valor per capita ou valor global. Portaria 204/2007: Regulamenta o financiamento e a transferência dos recursos federais para as ações e os serviços de saúde, na forma de blocos de financiamento. I - Atenção Básica; II - Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar; III - Vigilância em Saúde; IV - Assistência Farmacêutica; V - Gestão do SUS e VI- Investimentos na Rede de Serviços de Saúde

19 Incentivos Financeiros Repasses Federais Este critério se propõe claramente a ser um instrumento para estimular os municípios a desenvolver e expandir as ações e serviços de saúde,entretanto, eleva o comprometimento do orçamento municipal, uma vez que a indução feita pelo incentivos demarca a obrigatoriedade das despesas em saúde em determinadas ações.

20 TRANSFERÊNCIAS FEDERAIS FUNDO A FUNDO A MUNICIPIOS Portaria GM 204 de 29 de janeiro de 2007 BLOCOS 6 COMPONENTES 23 REPASSES INCENTIVOS 195 Fonte: FNS/MS DADOS EXERCÍCIO 2013

21 Repasses federais fundo a fundo realizados a Municípios por Blocos em 2013 NOME DO BLOCO Quantidade de Componentes Quantidade de REPASSES/INCENTIVOS Assistência Farmaceutica 2 6 Atenção Basica 2 35 Gestão do SUS 2 20 Investimento Media e Alta Complexidade 2 72 FAEC =42 Vigilância em Saude 4 25 TOTAL Fonte: FNS/MS DADOS EXERCÍCIO 2013

22 Tese CONASEMS FINANCIAMENTO PÚBLICO E ALOCAÇÃO DE RECURSOS DIRETRIZES: Aumentar os recursos financeiros destinados à saúde Melhorar as formas de alocação de recursos financeiros das três esferas de governo Melhorar a eficiência dos gastos públicos em saúde

23 Carta de Serra Construir, de forma solidária, participativa e responsável, caminhos para viabilizar a aprovação pelo Congresso Nacional da vinculação do percentual de 10% das Receitas Correntes Brutas da União para a saúde, conforme defendido pelo movimento saúde + 10 ; Defender uma reforma tributária equânime que garanta justiça fiscal para os municípios brasileiros;

24 Carta de Serra Firmar pactos interfederativos que priorizem o financiamento tripartite, em especial para a atenção básica, a promoção da saúde e a vigilância em saúde visando ao alcance de modelo de atenção à saúde integral sem fragmentação e a organização da rede de atenção à saúde articulada em ambito municipal, regional e estadual, com responsabilização para o ente que não cumprir;

25 Carta de Serra Pactuar metodologia para o rateio de recursos entre os entes federados, conforme previsão legal da lei Complementar 141, de modo a garantir equidade federativa, em especial nas regioes da Amazonia e do Nordeste;

26 LUTAMOS PARA QUE TODOS POSSAM VIVER MAIS E MELHOR E PARA ISSO PRECISAMOS DE RECURSOS. Gilson Carvalho

27 Muito Obrigado! MAURO GUIMARÃES DIRETOR FINANCEIRO DO CONASEMS PRESIDENTE COSEMS MG

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012

LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 LEI COMPLEMENTAR Nº 141/2012 Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, estados, Distrito Federal e municípios em

Leia mais

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014.

VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS. São Paulo, 21 de março de 2014. VII CONGRESSO BRASILEIRO E VIII CONGRESSO PAULISTA DE POLITICA MEDICA FINANCIAMENTO DO SUS São Paulo, 21 de março de 2014. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação

Leia mais

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde FINANCIAMENTO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Blenda Pereira Assessora Tecnica Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde CONSTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULO DA SEGURIDADE SOCIAL Art. 194. A seguridade social

Leia mais

Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar Considerações. Curitiba, 03 de abril de 2013.

Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar Considerações. Curitiba, 03 de abril de 2013. Fundos Municipais de Saúde e a Lei Complementar 141 - Considerações Curitiba, 03 de abril de 2013. Fundos Especiais Base legal: Arts. 71 a 74 Lei 4.320/64 Art. 71: Constitui fundo especial o produto de

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde O que é o SIOPS? Sistema que coleta, armazena e disponibiliza informações sobre as Receitas Totais e Despesas com Ações e Serviços Públicos

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS:

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Congresso de Secretarias Municipais de Saúde 27º Seminário de Municipalização da Saúde PORTO ALEGRE, 14 DE JULHO DE 2015. BASE LEGAL Constituição

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

Princípios basilares da organização legal do SUS e o contexto atual

Princípios basilares da organização legal do SUS e o contexto atual Princípios basilares da organização legal do SUS e o contexto atual Tema 1: A legislação do SUS: a Lei 141/2012 e o Decreto 7.508/2011 no contexto atual Tema 3: Os Sistemas de Informação: e-sus, SIOPS,

Leia mais

A importância da Lei Complementar 141/2012 na construção das defesas dos municípios

A importância da Lei Complementar 141/2012 na construção das defesas dos municípios A importância da Lei Complementar 141/2012 na construção das defesas dos municípios Constituição Federal 1988 Art. 196 - A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais

Leia mais

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016 PÁGINA 6 Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segundafeira, 28 de março de 2016 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA PORTARIA Nº 50, DE 23 DE MARÇO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA DO, no uso

Leia mais

VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS %

VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS % VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS % 1.1.1.2.02.00.00 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana 4.1.1.1.2.02.00.01 - IPTU - PROPRIO 60 4.1.1.1.2.02.00.02 -

Leia mais

Programa Mais Médicos e Financiamento da Saúde. II Encontro Nacional de Municípios Associação Brasileira de Municípios

Programa Mais Médicos e Financiamento da Saúde. II Encontro Nacional de Municípios Associação Brasileira de Municípios Programa Mais Médicos e Financiamento da Saúde II Encontro Nacional de Municípios Associação Brasileira de Municípios O SUS Cobertura para mais de 100 milhões de brasileiros Até 2020, o SUS abrirá mais

Leia mais

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba UF:Pernambuco SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

Hang out Saúde: Sistema de Orçamento Público em Saúde ( Siops)

Hang out Saúde: Sistema de Orçamento Público em Saúde ( Siops) Hang out Saúde: Sistema de Orçamento Público em Saúde ( Siops) Data: 10/02/2017 Horário: 10:00 Áreas técnicas: Saúde e contabilidade O que é SIOPS? É o sistema de registro eletrônico centralizado das informações

Leia mais

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro

Antigamente... problema crônico de financiamento Elaboração da Emenda Constitucional nº 29 (EC 29) - alterou a Constituição Federal em 13 de setembro FINANCIAMENTO Modelo descentralizado de gestão do SUS: a União é a responsável por distribuir a maior parte dos recursos financeiros para Estados, Municípios e Distrito Federal; Transferência fundo a fundo:

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o É um sistema de acesso público via internet, operacionalizado pelo Fundo Nacional de

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da CF) RECEITAS DO ENSINO Continua (1/5) 1 - RECEITAS DE IMPOSTOS 360.720,00 360.720,00 202.602,88 56,17 1.1 - Receita Resultante do Imposto sobre a Propriedade

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

RREO - ANEXO 12 (LC 141/2012, art. 35) R$ Receitas Realizadas Atualizada Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde

RREO - ANEXO 12 (LC 141/2012, art. 35) R$ Receitas Realizadas Atualizada Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde 1º /2014 RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA (I) Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde (a) (b/a) x 100 1.402.614,83 1.402.614,83 174.351,79 12,43 Imposto Predial e Territorial

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores municipais calculados automaticamente pelo SIOPS após a declaração de dados contábeis, pelos municípios, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL Exercício de 2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL Exercício de 2015 DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS DE IMPOSTOS IMPOSTOS MUNICIPAIS 1.1.1.2..01.00 - Imposto Predial 144.249,75 534.645,90 1.1.1.2...00 - Imposto Territorial 26.271,84 101.2,77 1.1.1.2.04.31.00 - Imposto de Renda

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 75,726 49,571 17,989 17,636 25,3% 7,443 6,135 Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,0% 5,449 5,113 Cultura, Esporte

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 498,465 370,460 139,406 111,902 109,570 50,164 25,8% Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,7% 35,902 33,882 31,716

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 239,596 226,803 207,372 174,885 50,045 17,0% 37,104 23,452 Saneamento Básico Poder Legislativo (Água, Esgoto e Limpeza Urbana) 4,9% 21,327

Leia mais

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde

O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde O SUS LEGAL A partir das leis que ainda não foram cumpridas e que determinam a estrutura e funcionamento do SUS: Propostas do ministério da saúde Brasília, 25/01/2017 Lei 141 Art. 30. Os planos plurianuais,

Leia mais

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS

O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS O SUS EM SÃO PAULO E OS MUNICÍPIOS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 1) FINANCIAMENTO 2) AS ATRIBUIÇÕES DOS MUNICIPIOS 3) RELAÇÕES INTERFEDERATIVAS Audiência Pública ALESP 20/10/2015 Regra de Aplicação

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 09

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 09 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 09 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil

Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil Alternativas para o financiamento da educação básica no Brasil Profª. Me. Manuelina Martins da Silva Arantes Cabral Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/ MS e Vice-presidente da Undime O que apenas

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 145,961 136,354 87,428 47,670 41,220 46,801 29,730 17,723 Saneamento Básico Assistência (Água, Esgoto e Social, Trabalho e Limpeza Urbana)

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA PROF. HÉLDER PACHECO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 LEI 141 1988 1990 1991 1993 1996 2001/2002 2006 2011 2012 NOB NOAS

Leia mais

São Paulo Balancete da Receita Julho/2015 Folha: 1 Prefeitura Municipal de Paranapanema

São Paulo Balancete da Receita Julho/2015 Folha: 1 Prefeitura Municipal de Paranapanema São Paulo Balancete da Receita Julho/2015 Folha: 1 1.0.0.0.00.00.00.00 Receitas Correntes 68.354.025,44 4.701.262,71 40.825.761,37-27.528.264,07 1.1.0.0.00.00.00.00 Receita Tributária 9.998.225,44 424.168,30

Leia mais

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo RECEITA ESTIMADA E DESPESA FIXADA - EDUCAÇÃO APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo IPTU 134.000,00 IRRF

Leia mais

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS

FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS FUNDEB: O QUE MUDA NO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ANÁPOLIS Renato Ribeiro Leite * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Grupo de Pesquisa Qualidade da Educação Básica Grupo

Leia mais

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto SECRETARIA DA SAUDE D Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Darlene Caprari Pires Mestriner Assistente da Secretaria de Saúde Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto 1 PORTARIA

Leia mais

Financiamento da Saúde novos desafios

Financiamento da Saúde novos desafios MINISTÉRIO DA SAÚDE CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Financiamento da Saúde novos desafios Série E. Legislação de Saúde Brasília DF 2009 2007 Ministério da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução

Leia mais

ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013

ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013 RECEITAS E DESPESAS DO ENSINO - PUBLICAÇÃO (ARTIGO 256 DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL) MUNICÍPIO: ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013 RECEITAS ARRECADADAS Acumulado DESPESAS DO ENSINO Aplicação Acumulado

Leia mais

Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram avanços importantes no per

Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram avanços importantes no per Qualidade e Financiamento da Educação Básica Carlos Eduardo Sanches 03/03/2016 Contexto A sistemática de financiamento da educação básica pública não tem acompanhado a evolução das demandas. Aconteceram

Leia mais

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde

Objeto de Aprendizagem. Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objeto de Aprendizagem Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Bases Legais do SUS: Leis Orgânicas da Saúde Objetivo: Apresentar sucintamente a Lei Orgânica de Saúde nº 8080 de 19 de setembro de 1990,

Leia mais

NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE Abril de 2016 HISTÓRICO: A Lei nº 4320/64, em seus artigos 71 a 74, instituiu, dentro das normas do direito público financeiro, os fundos especiais, que constituem

Leia mais

FINANCIAMENTO FEDERAL

FINANCIAMENTO FEDERAL FINANCIAMENTO FEDERAL SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE O art. 198 da CF preconiza que as ações e serviços públicos de saúde - asps integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único organizado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 11/2003. Contém normas a serem observadas pelo Estado e pelos Municípios para assegurar a aplicação dos recursos mínimos destinados ao financiamento das ações e serviços públicos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E REGULAÇÃO URBANA SEPLAN AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA - 2016 Fioravante Batista Ballin Prefeito Municipal Suimar João Bressan Secretário de Planejamento e Regulação Urbana

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas por Área de Governo Ano 2015 Em Milhões de 54,422 42,156 29,334 16,780 9,551 7,301 7,295 6,813 Cultura, Esporte e Turismo 5,1% 6,667

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ FUNDEB. João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃ ÇÃO O BÁSICA: B FUNDEB João o Batista do Nascimento Professor, Filósofo e Economista Especialista em Políticas Públicas. P Marco Legal do Financiamento da Educação Básica Pública.

Leia mais

Congresso das Secretarias Municipais de Saúde 2016 COSEMS/RS. SUS: a conjuntura atual e a gestão que queremos

Congresso das Secretarias Municipais de Saúde 2016 COSEMS/RS. SUS: a conjuntura atual e a gestão que queremos Congresso das Secretarias Municipais de Saúde 2016 COSEMS/RS SUS: a conjuntura atual e a gestão que queremos 13 de julho de 2016 Gestão e Financiamento 1 - Melhorar a gestão e o financiamento da saúde,

Leia mais

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB MILTON DOS REIS SOUZA Técnico Contábil Março/2009 FONTES DE RECURSOS FUNDEB FINANCIAMENTO DO FUNDEB 2009 ESTADOS - ICMS - ITCMD - IPVA - FPE (21,5% do IR e IPI)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO BR 174 KM 107 C.N.P.J. : 04.628.681/000198 RECEITA VALORES ARRECADADOS RECEITA TRIBUTÁRIA (1) 864.597,74 4.871.014,01 IMPOSTOS 860.348,21 4.807.245,87 IPTU Imp. s/ a Prop. Territ. Urbana 114.924,21 216.122,86

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2017 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2017 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA 100000000000 RECEITAS CORRENTES 16.060.924,10 110000000000 RECEITA TRIBUTARIA 295.460,62 111000000000 IMPOSTOS 111200000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 111202000000 IPTU - DO EXERCICIO 111202010000

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências de Saúde Departamento de Saúde Comunitária Disciplina: Saúde Pública I Professor: Walfrido Kühl Svoboda SUS Sistema Único de Saúde OPERACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

Leia mais

Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde 1 Organograma SE/MS Secretaria Executiva ASSESS.

Leia mais

AS FINANÇAS MUNICIPAIS E A REFORMA TRIBUTÁRIA

AS FINANÇAS MUNICIPAIS E A REFORMA TRIBUTÁRIA SEMINÁRIO DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Ribeirão Preto julho de 2017 AS FINANÇAS MUNICIPAIS E A REFORMA TRIBUTÁRIA François E. J. de Bremaeker Gestor do Observatório de Informações Municipais Membro do Núcleo

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FINANCIAMENTO DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA compreendendo os sistemas de ensino federal, estadual e municipal, a Constituição Federal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL - 1988 TÍTULO VIII CAPÍTULO II SEÇÃO II DA SAÚDE Profª. Andréa Paula Enfermeira E-mail - andreapsmacedo@gmail.com Facebook - http://facebook.com/andreapsmacedo Art. 194 A seguridade

Leia mais

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos

Contextualização. Desmonte das iniciativas conduzidas pelos governos federal e estadual no financiamento de programas urbanos Financiamento Municipal e Urbano no Brasil: Uma abordagem analítica Maria Cristina Mac Dowell Diretora de Educação Escola de Administração Fazendária ESAF/MF Urban Research Symposium Brasília, 05 de abril

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2015 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 Exercício de 2015 DEMONSTRAÇÃO DA RECEITA POR CATEGORIA ECONÔMICA 100000000000 RECEITAS CORRENTES 14.567.731,50 110000000000 RECEITA TRIBUTARIA 267.991,50 111000000000 IMPOSTOS 111200000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 111202000000 IPTU - DO EXERCICIO 111202010000

Leia mais

Ministério da Saúde EMENDA 29. Mais Dinheiro e Estabilidade para Saúde. Versão preliminar

Ministério da Saúde EMENDA 29. Mais Dinheiro e Estabilidade para Saúde. Versão preliminar Ministério da Saúde EMENDA 29 Mais Dinheiro e Estabilidade para Saúde Versão preliminar Brasília DF 2002 1 2002. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada

Leia mais

FINANCIAMENTO DA SAÚDE

FINANCIAMENTO DA SAÚDE FINANCIAMENTO DA SAÚDE Garantir a universalidade e integralidade diante de um cenário de restrições orçamentárias e financeiras e alocar recursos de forma equânime num país de tantas desigualdades sociais

Leia mais

Lista Date,

Lista Date, Lista Date, 03.03.2017 Rubrica Classificacao ValorOrcado ValorRealizado RECEITAS CORRENTES 1000000000 110463200 18633143,71 RECEITA TRIBUTÁRIA 1100000000 13714550 1162071,27 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÔNIO

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO

CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO 1 Seminário de Planejamento da Diretoria Executiva Gestão 2017-2021 São Bernardo do Campo, 13 de fevereiro de 2017 Tópicos 1 Conjuntura

Leia mais

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Grazielle David Mestre em Saúde Coletiva/Economia da Saúde Assessora Política do INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos Diretora do CEBES Centro Brasileiro de

Leia mais

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea

Orçamento Público e Financiamento da Saúde. Sérgio Francisco Piola Ipea Orçamento Público e Financiamento da Saúde Sérgio Francisco Piola Ipea São Paulo, 7 de junho de 2010 Cinco pontos importantes 1. Insuficiência de recursos para a saúde pública não é recente; 2. Gastos

Leia mais

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde A Regulamentação 9 anos de tramitação no Congresso Nacional A Lei foi editada com a seguinte estrutura: - Disposições preliminares;

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

Detalhamento da Receita

Detalhamento da Receita Detalha da Receita 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 4.922.905.00 1.1.0.0.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 132.200.00 1.1.1.2.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda 1.1.1.2.02.00 Imposto

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA A Constituição Federal Estabelece a educação como direito social e universal, obrigatório dos 4 aos 17 anos (CF Art. 208 / LDB Art. 4º) Enfatiza a gratuidade

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO

ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO 6 ESTIMATIVAS DE ARRECADAÇÃO PRÓPRIA DOS ESTADOS E MUNICÍPIOS E OS 25% CONSTITUCIONAIS DA EDUCAÇÃO O presente estudo objetivou levantar dados sobre o total de recursos constitucionalmente vinculados à

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br AULA 2 (CF/88 ARTIGOS 196 A0 200) Legislação do SUS - Professora Ana Flávia Alves e-mail: anaflaviaprofessora@yahoo.com Garantido mediante políticas sociais e econômicas. A saúde

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL O DESMANCHE DO SUS PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL 241 - O DESMANCHE DO SUS Proposta de Emenda Constitucional - PEC 241 A PROPOSTA OBJETIVO Alterar a Constituição Federal instituindo um novo Regime Fiscal para os Poderes

Leia mais

Reforma Tributária e Seguridade Social

Reforma Tributária e Seguridade Social Reforma Tributária e Seguridade Social Audiência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília 31 de março de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária ria Econômicos Sociais

Leia mais

RECEITA TRIBUTÁRIA

RECEITA TRIBUTÁRIA 10000000000 RECEITAS CORRENTES 102.390.600,00 11000000000 RECEITA TRIBUTÁRIA 7.454.000,00 11100000000 IMPOSTOS 6.8 11120000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÔNIO E A RENDA 2.280.000,00 11120200000 IMPOSTO SOBRE

Leia mais

Recebido Classificação Descrição No Bimestre Até o Bimestre

Recebido Classificação Descrição No Bimestre Até o Bimestre 1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.315.593,35 8.842.106,89 1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 33.030,61 202.620,37 1.1.1.0.00.00.00.00.00 IMPOSTOS 29.822,35 182.289,31 1.1.1.2.00.00.00.00.00

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A DEZEMBRO 2016 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO

Leia mais

Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério. Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime

Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério. Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime Financiamento da Educação e Atualização do Piso do Magistério Carlos Eduardo Sanches Assessor da Undime Que recursos existem atualmente? 1. Art. 212 CF: aplicação de, no mínimo, 25% da receita resultante

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E NORMAS DE COOPERAÇÃO Audiência Pública em 14/6/16 Na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados Adão Francisco de Oliveira Secretário de Estado da Educação do Tocantins

Leia mais

IRRF sobre o Trabalho R$ 33.225,17 IRRF sobre outros rendimentos R$ ITBI R$ 157.333,95 ISSQN R$ 260.979,91 S U B - T O T A L R$ 461.

IRRF sobre o Trabalho R$ 33.225,17 IRRF sobre outros rendimentos R$ ITBI R$ 157.333,95 ISSQN R$ 260.979,91 S U B - T O T A L R$ 461. Apuracao dos Gastos com SAUDE 1º Quadrimestre 2013 APLICAÇÃO DE RECURSOS NA SAUDE PREFEITURA MUNICIPAL DE LUZ Janeiro, Fevereiro, Março e Abril de 2013 1º Quadrimestre/2013 RECEITA TRIBUTARIA IPTU 364,93

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE O Órgão de Controle Interno do Município de Frederico Westphalen, atendendo ao que determina o art. 113,

Leia mais

A situação da Seguridade Social no Brasil

A situação da Seguridade Social no Brasil A situação da Seguridade Social no Brasil Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados, 16/08/2011 Álvaro Sólon de França Presidente do Conselho Executivo da ANFIP

Leia mais

BEM-VINDO a mais um Curso

BEM-VINDO a mais um Curso BEM-VINDO a mais um Curso Professor Instrutor: JOÃO HENRIQUE MILDENBERGER SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o SIOPE É um sistema de acesso público via internet,

Leia mais

Variações Patrimoniais Quantitativas

Variações Patrimoniais Quantitativas : 2015 Quantitativas VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 254.357.617,98 IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA 7.926.292,10 IMPOSTOS 7.769.372,44 IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO E A RENDA 3.809.542,30 IMPOSTOS

Leia mais

RECEITAS DE CONTRIBUICOES , CONTRIBUICOES SOCIAIS ,71

RECEITAS DE CONTRIBUICOES , CONTRIBUICOES SOCIAIS ,71 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 7.959.410,31 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 358.666,34 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 262.922,72 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 182.921,52

Leia mais

Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL.

Este documento foi assinado digitalmente por AC SERASA SRF ICP-BRASIL. Anexo I - Balanço Orçamentário Page 1 of 1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A OUTUBRO 2010 / BIMESTRE SETEMBRO-OUTUBRO RREO - Anexo I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS AFO II Administração Financeira e Orçamentária - Pública 1 AFO II Administração Financeira e Orçamentária Pública 1º/2013 UNIDADE III ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE - DIEESE - REUNIÃO DA DSND Rosane Maia 17 de junho de 2009 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE APRESENTAÇÃO: I - A EXPERIÊNCIA DO OBSERVATÓRIO DE EQUIDADE

Leia mais

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS SEMINÁRIO PARA PREFEITOS DO MATO GROSSO Cuiabá junho de 2010 PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor do Observatório de Informações

Leia mais

Em Busca do Tempo Perdido. Fernando Rezende

Em Busca do Tempo Perdido. Fernando Rezende Em Busca do Tempo Perdido Fernando Rezende A proposta elaborada em 1963 e o sistema adotado em 1965. 1988: Um tiro no pé - Intenções e Realidade 2013: Um Sistema Tributário sem Qualidades 2015; Em Busca

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL

MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL MODELOS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NO BRASIL Fernando Aith São Paulo, 17 de maio de 2011 Centro de Estudos e Pesquisas em Direito Sanitário - CEPEDISA APRESENTAÇÃO 1. Saúde: Direito de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guarapuava Exercicio de 2016 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Natureza Codigo Especificacao

Prefeitura Municipal de Guarapuava Exercicio de 2016 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Natureza Codigo Especificacao 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 327.198.765,92 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 54.932.798,74 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 46.219.482,29 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A

Leia mais

ARRECADAÇÃO E GASTOS PÚBLICOS

ARRECADAÇÃO E GASTOS PÚBLICOS ARRECADAÇÃO E GASTOS PÚBLICOS FOCO nas CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS Vanderley José Maçaneiro Vice-Presidente de Assuntos Fiscais vanderley@anfip.org.br ANFIP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

Despesas com Saúde e Educação. de Contabilidade

Despesas com Saúde e Educação. de Contabilidade Despesas com Saúde e Educação Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Programa do Módulo 8 Despesas com Educação e Saúde CH: 04 h Conteúdo: Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais