Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos"

Transcrição

1 Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público - Módulo Básico Profª Drª Fernanda Graziella Cardoso Março/2014

2 Estrutura da aula 1. Dados sobre arrecadação do Município de São Paulo 2. Teoria da Tributação 3. Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 2

3 Alguns dados de São Paulo A principal fonte de receita do setor público é a arrecadação tributária. Por exemplo, no caso do município de São Paulo, para o orçamento de 2014, para uma receita estimada de 50 bilhões, a receita tributária (contando IPTU, ITBI, ISS, ICMS, IPVA e IR) estimada é de 29 bilhões. Ainda sobre o município de São Paulo, em 2013, para um total de 38 bilhões de receita, os impostos municipais que representaram a maior fonte de arrecadação foram (fonte: Indicador Paulistano CMSP, janeiro de 2014): 1. ISS, com 10 bilhões; 2. IPTU, com 5,4 bilhões. O ICMS, imposto estadual, é o segundo em termos de impacto arrecadatório relativo no município de São Paulo. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 3

4 Impostos com maior peso relativo nas receitas São Paulo, 2013 e 2014 fonte: SOF/ Indicador Paulistano CMSP, janeiro e fevereiro de 2014 Imposto Valor arrecadado em 2013 Valor esperado em 2014 ISS ICMS IPTU IPVA ITBI IR Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 4

5 Algumas observações Os Estados devem repassar aos municípios: 25% do ICMS, 25% da parcela do IPI transferida pela União aos Estados proporcionalmente ao valor das respectivas exportações de produtos industrializados e 50% do IPVA. Quanto ao IR, pela legislação em vigor, a União deve repassar 21,5% do IR e do IPI para o Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e 22,5% para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A distribuição dos recursos aos Municípios é feita de acordo com o número de habitantes, onde são fixadas faixas populacionais, cabendo a cada uma delas um coeficiente individual. A distribuição dos recursos do FPE deve ser proporcional ao coeficiente individual de participação resultante do produto do fator representativo da população de cada Estado. Os índices de repasse desse fundo são calculados pelo Tribunal de Contas da União, utilizando como fatores a população e o universo da renda per capita. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 5

6 Teoria da tributação Para que um sistema tributário se aproxime do ideal, devem ser levados em consideração os seguintes aspectos: 1. Equidade 2. Progressividade 3. Neutralidade 4. Simplicidade Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 6

7 Equidade Cada indivíduo deve pagar uma contribuição considerada justa. Para definir uma parcela considerada justa, há duas abordagens: 1. Princípio do benefício; 2. Princípio da capacidade de pagamento. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 7

8 Equidade princípio do benefício A contribuição individual deve ser proporcional aos benefícios gerados pelo consumo do bem público. De difícil aplicação, pois as preferências diferem entre os indivíduos. Sua aplicação parcial é possível em situações em que o financiamento do serviço público ocorre diretamente por meio de tarifas ou taxas de utilização. Ex: tarifas de transporte público. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 8

9 Equidade princípio da capacidade de pagamento Permitiria a formulação de uma regra geral de tributação. O ônus tributário deve ser tal que garanta a equidade horizontal e a equidade vertical. Qual seria o melhor indicador para a capacidade de pagamento? Renda? Consumo? Riqueza? No geral, a literatura aponta para as vantagens, em termos de implicações distributivas, da tributação sobre a renda. No entanto, é difícil aplicar um imposto de renda realmente abrangente. É necessária também a adoção de impostos complementares sobre o consumo e a riqueza. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 9

10 Progressividade A progressividade ocorre quando a alíquota de tributação se eleva no mesmo sentido do aumento do nível de renda. Na situação inversa, a regressividade ocorre quando se implica uma contribuição maior à parcela da população de baixa renda relativamente ao segmento de renda mais alta. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 10

11 Neutralidade O sistema tributário não deve provocar distorções indesejáveis na alocação de recursos. Imposto de renda seria neutro, pois reduz, para cada indivíduo, o consumo de forma homogênea. Já o imposto sobre o consumo de determinado bem não seria neutro. Por isso, apesar de não ser neutro, o imposto sobre o consumo pode ser funcional para corrigir falhas de mercado, por exemplo. Ex: maior tributação sobre tabaco e álcool. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 11

12 Simplicidade Referente à facilidade de operacionalização da cobrança do tributo. É importante que o imposto seja de fácil entendimento para quem tiver que pagá-lo. Além disso, a cobrança e a arrecadação do imposto, assim como o processo de fiscalização, não devem representar custos administrativos elevados para o governo. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 12

13 Quem de fato paga os impostos? A existência de impostos altera os preços relativos da economia. Assim, é a resposta dos mercados dos diversos bens e serviços que determinará quem de fato pagará os tributos. Para analisar o impacto, é preciso levar em consideração: 1. Estrutura de mercado; 2. Elasticidade preço da oferta; 3. Elasticidade preço da demanda. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 13

14 Tipos de impostos Impostos diretos: incidem sobre o indivíduo e por isso estão associados à sua capacidade de pagamento. Impostos indiretos: incidem sobre as atividades ou bens, ou seja, sobre consumo, vendas ou posses. As bases de incidência dos impostos são: 1. Renda; 2. Patrimônio; 3. Consumo. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 14

15 Imposto de Renda Incide sobre todas as remunerações: salários, lucros, juros, dividendos e aluguéis. Forma de tributação direta. Classifica-se em: 1. Imposto de renda sobre a pessoa física IRPF. 2. Imposto de renda sobre a pessoa jurídica IRPJ. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 15

16 IRPF Cobrado em base pessoal, com isenções e alíquotas progressivas. As alíquotas do imposto são determinadas segundo as diferentes classes de renda. A renda tributável é o resultado da renda total do contribuinte, deduzida do total de abatimentos despesas médicas, dependentes, etc. Assim, a alíquota efetiva do IR corresponde ao percentual do imposto devido sobre a renda tributável. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 16

17 IRPF Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física para 2014: Até 1.787,77 isento De 1.787,78 até 2.679,29 7,5% De 2.679,29 até 3.572,43 15% De 3.572,43 até 4.463,81 22,5% Acima de 4.463,81 27,5% Fonte: Ministério da Fazenda ( Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 17

18 IRPF Sendo um imposto pessoal, é o que melhor se adequaria aos princípios da equidade e da progressividade. Além disso, impostos retidos na fonte atendem ao critério da simplicidade. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 18

19 Imposto sobre o patrimônio Pode ser cobrado regularmente em função do simples ato de posse de ativos durante um determinado período. Exemplos: IPTU e IPVA. A cobrança também pode ocorrer no momento em que os ativos mudam de propriedade. Exemplo: ITBI. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 19

20 Imposto sobre as vendas Esse imposto indireto pode ser classificado quanto: 1. Amplitude de sua base de incidência: podem ser gerais ou especiais. 2. Estágio do processo de produção e comercialização sobre o qual incide: podem ser cobrados do produtor, do comerciante ou em todas as etapas do ciclo. 3. Forma de apuração da base de cálculo: valor total da transação ou apenas sobre o valor adicionado em cada estágio. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 20

21 Impostos sobre as vendas Em termos de equidade e progressividade, o imposto sobre o consumo não seria o mais indicado. Ele não discrimina as contribuições de acordo com a capacidade de pagamento de cada indivíduo. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 21

22 Impostos sobre as vendas Impostos em cascata versus impostos sobre valor adicionado : 1. O imposto cumulativo prejudica principalmente os produtos que passam por um maior número de etapas de produção e distribuição. 2. O imposto sobre valor adicionado, por ser neutro, é considerado uma forma mais eficiente de tributação. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 22

23 Exemplo 1 impacto do IPTU Para dados de 2008/2010, estimou-se que o pagamento do IPTU absorve em média 0,74% da renda familiar do paulistano (vide Revista CTEO). Para famílias com renda familiar de até R$ 900,00, é de 0,56% em média. Para famílias com renda familiar de R$ 900,00 a R$ 1.800,00, é de 0,67% em média. Para famílias com renda familiar de R$ 1.800,00 a R$ 3.000,00, é de 0,54% em média. Para famílias com renda familiar de mais de R$ 3.000,00, é de 0,77% em média. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 23

24 Exemplo 2 impacto do ISS Para dados de 2008/2010, estimou-se que o pagamento do ISS absorve em média 0,86% da renda familiar do paulistano (vide Revista CTEO). Para famílias com renda familiar de até R$ 900,00, é de 0,63% em média. Para famílias com renda familiar de R$ 900,00 a R$ 1.800,00, é de 0,63% em média. Para famílias com renda familiar de R$ 1.800,00 a R$ 3.000,00, é de 0,88% em média. Para famílias com renda familiar de mais de R$ 3.000,00, é de 0,88% em média. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 24

25 Gasto Público Medida do tamanho do governo. O governo é uma entidade que coleta recursos através de impostos. Em geral, um indivíduo é ao mesmo tempo contribuinte e beneficiário do gasto público. Há algumas funções que são consideradas típicas de governo: Saúde, Educação, Defesa Nacional, Policiamento, Regulação, Justiça e políticas assistenciais. Há outras funções que, dependendo do estágio de desenvolvimento do sistema socioeconômico, são ou podem ser consideradas responsabilidade do governo. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 25

26 Exemplo de indicador de tamanho do governo Retomando exemplo da aula 2 (dados do Banco Mundial sobre gastos governamentais: ZS/countries/all?display=graph Despesa (% do PIB)- pagamentos para as atividades operacionais do governo no fornecimento de bens e serviços. Inclui a remuneração dos empregados (tais como salários e ordenados), juros e subsídios, subvenções, benefícios sociais e outras despesas, como aluguel e dividendos. Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 26

27 Para refletir: qual deve ser o tamanho do governo? Na medida em que o gasto público aumente é importante que ele seja financiado com impostos e/ou com um aumento modesto da dívida pública, a fim de não provocar grandes impactos negativos na economia. Voltamos à discussão da aula anterior: qual deve ser o tamanho do governo? Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 27

28 Referências Giambiagi, Fábio; Além, Ana Cláudia. Finanças Públicas. Rio de Janeiro: Editora Campus, 4ª Edição, 2011, capítulo 1. Indicador Paulistano CMSP, janeiro de 2014 ( Indicador Paulistano CMSP, fevereiro de 2014 ( Ministério da Fazenda Governo Federal ( Estudo CTEO-FIPE Carga Tributária do IPTU para a Família Paulistana, Revista CTEO ( Câmara Municipal de São Paul, jan/dez de Estudo CTEO-FIPE Carga Tributária do ISS para a Família Paulistana, Revista CTEO, Câmara Municipal de São Paulo, jan/dez de Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão do Município de São Paulo ( Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Aula 5: Teoria da Tributação e Gastos Públicos 28

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 4 CONCEITOS DE EQUIDADE E PROGRESSIVIDADE

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 4 CONCEITOS DE EQUIDADE E PROGRESSIVIDADE ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 4 CONCEITOS DE EQUIDADE E PROGRESSIVIDADE Índice 1. Conceitos de equidade e progressividade...3 1.1. Princípio do benefício: impostos específicos... 3 1.2. Princípio

Leia mais

Instrumentos de Política Econômica

Instrumentos de Política Econômica UFRJ / CCJE / IE / CEPP Introdução à Política Macroeconômica Instrumentos de Política Econômica Setor Público e Política Fiscal Giambiagi e Além (caps.1e2) Vasconcellos (cap.15) 01/07/2017 Política Fiscal

Leia mais

Instrumentos de Política Econômica

Instrumentos de Política Econômica UFRJ / CCJE / IE / PPED Teoria Econômica II Instrumentos de Política Econômica Setor Público e Política Fiscal Giambiagi e Além (caps.1e2) Vasconcellos (cap.15) 29/03/17 Política Fiscal Referencial teórico

Leia mais

Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio

Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio Prof. Roberto Quiroga Mosquera 2016 Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio Aspectos econômicos da tributação do capital Tributação elevada Tributação irrisória Capital Eficiência Econômica

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE - DIEESE - REUNIÃO DA DSND Rosane Maia 17 de junho de 2009 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE APRESENTAÇÃO: I - A EXPERIÊNCIA DO OBSERVATÓRIO DE EQUIDADE

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial 1

Planejamento Tributário Empresarial 1 Planejamento Tributário Empresarial 1 Imposto de Renda e proventos de qualquer natureza Do Lucro Arbitrado Pessoa Jurídica Tributada com base no lucro arbitrado Na ocorrência de qualquer das hipóteses

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, 16 de junho de 2008. É preciso eliminar a sistemática de cobrança de tributos por dentro O atual sistema tributário brasileiro não deixa claro para os contribuintes

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Teoria da Tributação

Teoria da Tributação Teoria da Tributação Tributação sobre o Consumo Prof. Luís Eduardo Schoueri 2017/2º Semestre Warm up: retomando a aula anterior A inclusão de um tributo em uma economia de mercado competitivo altera o

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

Unidade II. ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO SistemaTributário e Federativo Brasileiro. Profº Msc. Marco Antonio Dias

Unidade II. ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO SistemaTributário e Federativo Brasileiro. Profº Msc. Marco Antonio Dias Unidade II ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO SistemaTributário e Federativo Brasileiro Profº Msc. Marco Antonio Dias Sistema tributário brasileiro Estudaremos o sistema tributário tá i brasileiro e o

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 498,465 370,460 139,406 111,902 109,570 50,164 25,8% Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,7% 35,902 33,882 31,716

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais

UNIDADE III TRIBUTAÇÃO RECEITA PÚBLICA ORÇAMENTO PÚBLICO. Orçamento Público. Orçamento Público

UNIDADE III TRIBUTAÇÃO RECEITA PÚBLICA ORÇAMENTO PÚBLICO. Orçamento Público. Orçamento Público ORÇAMENTO PÚBLICO UNIDADE III TRIBUTAÇÃO RECEITA PÚBLICA 112 Principais categorias de tributos Do ponto de vista da base econômica, os tributos podem ser classificados em três grandes categorias: Impostos

Leia mais

Reforma Tributária e Seguridade Social

Reforma Tributária e Seguridade Social Reforma Tributária e Seguridade Social Audiência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília 31 de março de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária ria Econômicos Sociais

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 104,392 67,766 14,092 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionistas F

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 104,392 67,766 14,092 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionistas F Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 57,969 48,830 24,525 17,591 15,328 14,518 9,533 8,578 Saneamento Básico Dívida Pública (Água, Esgoto e (Pagamentos de Limpeza Urbana) Financiamentos

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA

EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA JUSTIÇA FISCAL: ESTADO PARA TODOS Arrecadação Tributária e o Financiamento de Ações no Âmbito Social Arquidiocese de Porto Alegre-SAS-Cáritas Arquidiocesana Programa Nacional

Leia mais

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas

O Imposto de Renda das Pessoas Físicas 2º Seminário de Política Tributária O Imposto de Renda das Pessoas Físicas Palestrante Jefferson José Rodrigues Secretaria da Brasília Junho 2005 Quem paga? Como paga? Progressividade Número de faixas

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DE BAIA DA TRAIÇÃO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da CF) RECEITAS DO ENSINO Continua (1/5) 1 - RECEITAS DE IMPOSTOS 360.720,00 360.720,00 202.602,88 56,17 1.1 - Receita Resultante do Imposto sobre a Propriedade

Leia mais

Unidade I. Economia e Gestão do. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Economia e Gestão do. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Economia e Gestão do Setor Público Prof. Maurício Felippe Manzalli Estado De onde surge a palavra? O que essa expressão significa? O que quer representar? Qual a relação entre o Estado e a Qual

Leia mais

5. Política Fiscal e déficit público

5. Política Fiscal e déficit público 5. Política Fiscal e déficit público 5.1 Política fiscal (tributação e gastos) 5.2 conceito de déficit público 5.3 evolução do déficit público no Brasil 5.4 relação entre déficit público, taxa de juros

Leia mais

Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate

Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate Apresentação preparada para a reunião com os Governadores Março - 2007 1 Sistema Tributário e Desenvolvimento A complexidade

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 75,726 49,571 17,989 17,636 25,3% 7,443 6,135 Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,0% 5,449 5,113 Cultura, Esporte

Leia mais

Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate

Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate Reforma Tributária: - Diagnóstico - Objetivos da reforma - Proposta para debate Abril - 2007 1 Sistema Tributário e Desenvolvimento A complexidade e a falta de neutralidade do sistema tributário brasileiro

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 239,596 226,803 207,372 174,885 50,045 17,0% 37,104 23,452 Saneamento Básico Poder Legislativo (Água, Esgoto e Limpeza Urbana) 4,9% 21,327

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO

CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANÇAS PÚBLICAS DE SÃO BERNARDO DO CAMPO 1 Seminário de Planejamento da Diretoria Executiva Gestão 2017-2021 São Bernardo do Campo, 13 de fevereiro de 2017 Tópicos 1 Conjuntura

Leia mais

O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social

O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social Evilásio Salvador Principais Pontos da Reforma A criação do IVA com extinção de 4 tributos: Cofins, Pis,

Leia mais

Direito Tributário. Aula 10. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 10. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 255, ,181 60,231 23,446 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensio Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 145,961 136,354 87,428 47,670 41,220 46,801 29,730 17,723 Saneamento Básico Assistência (Água, Esgoto e Social, Trabalho e Limpeza Urbana)

Leia mais

Aspectos Tributários Software via Download. Raquel do Amaral Santos

Aspectos Tributários Software via Download. Raquel do Amaral Santos Aspectos Tributários Software via Download Raquel do Amaral Santos rasantos@tozzinifreire.com.br Aspectos Gerais - Software Espécies de Software: Software Não Customizado: é aquele produzido em larga escala

Leia mais

de fato, pertencê-la. Como exemplo, pode-se citar os depósitos e as retenções. CLASSIFICAÇÃO LEGAL DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Em conformidade com o Manua

de fato, pertencê-la. Como exemplo, pode-se citar os depósitos e as retenções. CLASSIFICAÇÃO LEGAL DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Em conformidade com o Manua CONTABILIDADE PÚBLICA AULA 01: ELEMENTOS DE CONTABILIDADE GERAL. ASPECTOS GERAIS DE RECEITA E DESPESA PÚBLICA SUPRIMENTO DE FUNDOS E RESTOS A PAGAR TÓPICO 02: RECEITA PÚBLICA VERSÃO TEXTUAL Definição Receita

Leia mais

Reforma Tributária. Antoninho Marmo Trevisan. Gramado,26 de agosto de 2008

Reforma Tributária. Antoninho Marmo Trevisan. Gramado,26 de agosto de 2008 Reforma Tributária Antoninho Marmo Trevisan Gramado,26 de agosto de 2008 Sistema Tributário e Desenvolvimento Pressão Tributária A complexidade e a falta de neutralidade do sistema tributário brasileiro

Leia mais

Tributária Bruta

Tributária Bruta Evolução da Carga Tributária Bruta 1990 2009 Setembro de 2010 1 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são instituições autônomas,

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1

ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1 ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1 CONTEXTO ATUAL Um rápido diagnóstico da situação da saúde pública do Brasil nos mostra a insuficiência crônica de recursos públicos. Em 2010,

Leia mais

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias. Professora Giuliane Torres.

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias.  Professora Giuliane Torres. Direito Tributário Repartição das Receitas Tributárias Professora Giuliane Torres www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br Direito Tributário REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS REPASSE

Leia mais

COMISSÃO MISTA DESTINADA A PROFERIR PARECER À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 670, DE 15 DE MARÇO DE

COMISSÃO MISTA DESTINADA A PROFERIR PARECER À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 670, DE 15 DE MARÇO DE MPV 670 00117 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO MISTA DESTINADA A PROFERIR PARECER À MEDIDA PROVISÓRIA Nº 670, DE 15 DE MARÇO DE 2015. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 670, DE 2015 Altera a Lei nº 11.482, de 31 de maio

Leia mais

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. Marco Legal Vigente Em 25 de março de 2011 o Governo Federal editou a MP 528 que foi convertida na Lei nº 12.469, de 26 de agosto

Leia mais

O SETOR PÚBLICO LEITURA OBRIGATÓRIA

O SETOR PÚBLICO LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 28 O SETOR PÚBLICO Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia, 5ª Edição. São Paulo, Editora Saraiva, 2006. No início do século XX passou-se

Leia mais

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Silvério das Neves Graduado em Contabilidade e Administração pela Universidade Mackenzie. MBA Executivo em Gestão de Negócios pelo INPG. Participou da

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS A PEC apresentada prevê: Extinção de tributos: IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação, Cide- Combustíveis, todos federais; ICMS estadual;

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS

PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA NOTAS EXPLICATIVAS A PEC apresentada prevê: Extinção de tributos: IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação, Cide- Combustíveis, todos federais; ICMS estadual;

Leia mais

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU Contabilidade Avançada Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU E-mail: geovane_camilo@yahoo.com.br OBRIGATORIEDADE Lei 11.638/2007 Empresas capital aberto Modelo

Leia mais

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015.

Financiamento da Saúde. Fortaleza, 15 de maio de 2015. Financiamento da Saúde Fortaleza, 15 de maio de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº 29

Leia mais

Concentração de renda

Concentração de renda economia Concentração de renda Nos últimos seis anos houve uma surpreendente redução da concentração de renda no Brasil. Contudo, as alternativas para a continuidade dessa redução não são favoráveis por

Leia mais

O IPTU NO BRASIL. CONABRASF Brasília 11 de dezembro de Erika Amorim Araujo Consultora em Finanças Públicas

O IPTU NO BRASIL. CONABRASF Brasília 11 de dezembro de Erika Amorim Araujo Consultora em Finanças Públicas O IPTU NO BRASIL CONABRASF Brasília 11 de dezembro de 2008 Erika Amorim Araujo (earaujo@fiscolab.com.br) Consultora em Finanças Públicas Principais Características do IPTU Tributo tipicamente local que

Leia mais

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO

SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO SIMULADOR A ferramenta do Contador. Qual é o melhor regime para sua empresa? SIMPLES NACIONAL versus LUCRO PRESUMIDO Acesse nosso ebook http://www.etecnico.com.br/ https://www.facebook.com/mapaetecnicofiscal

Leia mais

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL!

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! Um dos princípios constitucionais basilares da tributação é o respeito à capacidade contributiva. Este princípio materializa-se na aplicação de

Leia mais

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS SEMINÁRIO PARA PREFEITOS DO MATO GROSSO Cuiabá junho de 2010 PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor do Observatório de Informações

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas...

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas... S u m á r i o Unidade I Teoria Geral dos Tributos Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3 1.1. Conceito de Tributo... 3 1.2. As Espécies Tributárias... 8 Capítulo 2 Os Impostos... 18 2.1. Teoria

Leia mais

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta

Novo Sistema Tributário. Síntese da Proposta 1 SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS (CAE) SUBCOMISSÃO TEMPORÁRIA DA REFORMA TRIBUTÁRIA (CAERT) Relatório Preliminar - Março de 2008 PRESIDENTE: Senador Tasso Jereissati - PSDB - CE VICE-PRESIDENTE:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore

Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas Ano 2015 Em Milhões de 98,393 63,290 12,920 6,813 Folha de Pagamento Servidore Prefeitura Municipal de Tubarão Resumo das Finanças Despesas Realizadas por Área de Governo Ano 2015 Em Milhões de 54,422 42,156 29,334 16,780 9,551 7,301 7,295 6,813 Cultura, Esporte e Turismo 5,1% 6,667

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde O que é o SIOPS? Sistema que coleta, armazena e disponibiliza informações sobre as Receitas Totais e Despesas com Ações e Serviços Públicos

Leia mais

1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1

1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1 1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1 De acordo com a NBC T 3.7 - do Conselho Federal de Contabilidade, a DVA Demonstração de valor Adicionado é conceituada como: A demonstração

Leia mais

Seminário: Cidadania Fiscal para uma nova ordem social Painel 1: "Reforma Tributária e justiça fiscal

Seminário: Cidadania Fiscal para uma nova ordem social Painel 1: Reforma Tributária e justiça fiscal Seminário: Cidadania Fiscal para uma nova ordem social Painel 1: "Reforma Tributária e justiça fiscal Profº Chico Marcelo Economista pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR, Mestre e Doutorando em Economia

Leia mais

Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade Social, Educação e Infraestrutura

Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade Social, Educação e Infraestrutura Aspectos Gerais Simplificação do sistema Desoneração tributária Desenvolvimento regional Aspectos específicos Recursos mais estáveis Aumento de arrecadação Base ampliada para financiamento da Seguridade

Leia mais

Parecer PGFN 202/2013

Parecer PGFN 202/2013 Parecer PGFN 202/2013 Julho de 2013 Aspectos a serem abordados Contextualizando a discussão Entendimento do Parecer PGFN 202/2013 Entendimento divergente Impactos da aplicação do Parecer e pontos não enfrentados

Leia mais

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB MILTON DOS REIS SOUZA Técnico Contábil Março/2009 FONTES DE RECURSOS FUNDEB FINANCIAMENTO DO FUNDEB 2009 ESTADOS - ICMS - ITCMD - IPVA - FPE (21,5% do IR e IPI)

Leia mais

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley- Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley- Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. Objetiva corrigir os desequilíbrios

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 45, de 28 de setembro de 1999. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

O ESTADO PODE SER ENTENDIDO COMO O CONJUNTO DAS RELAÇÕES E CONTRADIÇÕES ECONÔMICAS QUE TRAZEM IMPACTOS DIRETOS E INDIRETOS SOBRE A SOCIEDADE A ESTE

O ESTADO PODE SER ENTENDIDO COMO O CONJUNTO DAS RELAÇÕES E CONTRADIÇÕES ECONÔMICAS QUE TRAZEM IMPACTOS DIRETOS E INDIRETOS SOBRE A SOCIEDADE A ESTE O ESTADO PODE SER ENTENDIDO COMO O CONJUNTO DAS RELAÇÕES E CONTRADIÇÕES ECONÔMICAS QUE TRAZEM IMPACTOS DIRETOS E INDIRETOS SOBRE A SOCIEDADE A ESTE PERTENCENTE. A FORMA DO ESTADO Os Estado pode ter as

Leia mais

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli

Lei nº /14: a tributação dos juros sobre capital próprio. Fernando Mombelli Lei nº 12.973/14: a tributação dos juros sobre capital próprio Fernando Mombelli Conceito de JCP O art. 9º da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995 permite a dedutibilidade dos Juros sobre o Capital

Leia mais

Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre

Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre O montante de tributos arrecadados pela Secretaria da Receita Federal (SRF) alcançou R$ 118,7 bilhões no período de janeiro a abril de 2006, significando

Leia mais

XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico

XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico XVII Simpósio Jurídico ABCE Tributos e Encargos do Setor Elétrico São Paulo, 20.09.2011 CONFIDENCIAL 0 0 Agenda Introdução Carga Tributária do Setor Elétrico Encargos Setoriais Críticas e Desafios Tarifas

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação)

Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação) Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação) Prof. Evilasio Salvador Universidade de Brasília (UnB) Pós-Graduação em Política Social evilasioss@unb.br Fundo Público

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores municipais calculados automaticamente pelo SIOPS após a declaração de dados contábeis, pelos municípios, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe responsável

Leia mais

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. São Paulo, Novembro/2013 Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Fonte: Ipea

Leia mais

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011

ICMS e Federação. Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF. Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação Comissão Finanças e Tributação Câmara dos Deputados - DF Andrea Calabi Secretário da Fazenda de São Paulo 12 de maio de 2011 ICMS e Federação 1 Agenda RECEITAS E A AUTONOMIA DOS ENTES

Leia mais

Revista de Políticas Públicas E-ISSN: Universidade Federal do Maranhão Brasil

Revista de Políticas Públicas E-ISSN: Universidade Federal do Maranhão Brasil Revista de Políticas Públicas E-ISSN: 2178-2865 revistapoliticaspublicasufma@gmail.com Universidade Federal do Maranhão Brasil Cappa, Josmar; de Souza Filho, José Vicente ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO IMPOSTO

Leia mais

Carga Tributária Global no Brasil em 2010

Carga Tributária Global no Brasil em 2010 1 Carga Tributária Global no Brasil em 2010 José Roberto R. Afonso e Kleber Castro Com apoio de: Marcia Monteiro, Taiana Castro, André Castro e Vivan Almeida Setembro de 2011 A crise financeira internacional

Leia mais

Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA)

Rendimentos Recebidos Acumuladamente (RRA) (RRA) TRIBUTAÇÀO DOS RRA EM RELAÇÃO AO ANO-CALENDÁRIO DE RECEBIMENTO: - RRA RELATIVOS AO ANO-CALENDÁRIO DE RECEBIMENTO: Ocorrência/tipos de RRA: REGRA GERAL, JUSTIÇA FEDERAL e JUSTIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Direito Tributário

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Direito Tributário PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Direito Tributário Petterson Rodrigues Cordeiro Andrade TRABALHO DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Controvérsias da Lei nº /2014: Moeda Funcional, JCP e Dividendos. Sergio André Rocha

Controvérsias da Lei nº /2014: Moeda Funcional, JCP e Dividendos. Sergio André Rocha 14/07/2017 Controvérsias da Lei nº 12.973/2014: Moeda Funcional, JCP e Dividendos Sergio André Rocha sergio.andre@sarocha.com.br www.sarocha.com.br Parte I Desoneração de Dividendos Pós IFRS 2 1. Fundamentos

Leia mais

Cartilha de Tributação 2016

Cartilha de Tributação 2016 Cartilha de Tributação 2016 Como funciona o Imposto de Renda incidente sobre Planos de Previdência Complementar *? * Na modalidade de Contribuição Definida ou Variável Conforme a legislação tributária

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Resumão sobre Cooperativismo

Resumão sobre Cooperativismo Resumão sobre Cooperativismo Apresentação Com o intuito de facilitar a compreensão em relação às cooperativas, eu tive a ideia de fazer este resumão. A iniciativa visa, primordialmente, esclarecer e tirar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE & PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE & PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE & PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 1 OBJETIVOS Os elevados valores e riscos envolvidos exigem o melhor dos profissionais da área tributária. O objetivo do curso é preparar para tomar

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E SUSTENTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

TRANSPARÊNCIA E SUSTENTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS III ENCONTRO REGIONAL PAULISTA DE ADMINISTRAÇÕES TRIBUTÁRIAS MUNICIPAIS AFFAZERP / FENAFIM Ribeirão Preto novembro de 2010 TRANSPARÊNCIA E SUSTENTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS François E. J. de Bremaeker Consultor

Leia mais

Exercícios Avançados. Prof. César Rissete Finanças Públicas 55

Exercícios Avançados. Prof. César Rissete Finanças Públicas 55 01. Do ponto de vista das finanças públicas, diz-se, em relação ao princípio do benefício, que: a) cada um deve pagar proporcionalmente às suas condições. b) este princípio é o mais adotado, sendo as despesas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA

AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E REGULAÇÃO URBANA SEPLAN AUDIÊNCIA PÚBLICA LOA - 2016 Fioravante Batista Ballin Prefeito Municipal Suimar João Bressan Secretário de Planejamento e Regulação Urbana

Leia mais

Tributação e Produtividade no Brasil

Tributação e Produtividade no Brasil Tributação e Produtividade no Brasil Janeiro de 2017 Tributos e produtividade Introdução 2 Deficiências na estrutura do sistema tributário afetam a produtividade e a eficiência de várias formas Distorções

Leia mais

Tributos Federais e as Administrações Tributárias Municipais. Henrique Jorge Freitas da Silva

Tributos Federais e as Administrações Tributárias Municipais. Henrique Jorge Freitas da Silva Tributos Federais e as Administrações Tributárias Municipais Henrique Jorge Freitas da Silva Arrecadação Carga Tributária Bruta 2014 e 2015 (R$ bilhões) Componentes 2014 2015 PIB 5.687,31 5.904,33 Arrecadação

Leia mais

Tese: Tributação e Desigualdade: Maior Progressividade para Imposto de Renda Autor: ALLAN MARCEL WARWAR TEIXEIRA

Tese: Tributação e Desigualdade: Maior Progressividade para Imposto de Renda Autor: ALLAN MARCEL WARWAR TEIXEIRA Sumário Apesar da recente aparente redução das desigualdades distributivas no Brasil, diminui a participação da renda do trabalho na formação da renda nacional. A regressividade do sistema tributário,

Leia mais

Efeitos financeiros do Simples

Efeitos financeiros do Simples Efeitos financeiros do Simples Limites de sua utilização frente ao ordenamento jurídico PAULO AYRES BARRETO Simples e Efeitos Financeiros Arrecadação Custo de Conformidade Constituição Federal Lei Complementar

Leia mais

A fixação dos coeficientes do FPM e o Projeto de Lei Complementar PLP-605/2010

A fixação dos coeficientes do FPM e o Projeto de Lei Complementar PLP-605/2010 A fixação dos coeficientes do FPM e o Projeto de Lei Complementar PLP-605/2010 Tópicos da apresentação Competência do TCU (FPM) Cálculo e repartição do FPM (visão geral) Experiência anterior: LC 91/1997

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO RESPONSÁVEL PELO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO E PARECER DO RESPONSÁVEL PELO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO E PARECER DO RESPONSÁVEL PELO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO EXERCÍCIO 2014 RESOLUÇÃO TCE/RS 544/2000, ART. 113 REGULAMENTADO PELA RESOLUÇÃO TCE/RS 962/2012 Art. 2º, inciso II, letra b GESTÃO DE

Leia mais

PLANO DE ENSINO APURAÇÃO E ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL: - Abordagem teórica sobre IPVA, IPTU e ITR. -Elaboração de memória de cálculo do IOF

PLANO DE ENSINO APURAÇÃO E ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL: - Abordagem teórica sobre IPVA, IPTU e ITR. -Elaboração de memória de cálculo do IOF PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade e Planejamento Fiscal e Tributário II Carga Horária: (horas/semestre) 47 horas Semestre Letivo / Turno: 5º semestre noturno Professor:

Leia mais

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes

Simples Nacional 1 Hugo Medeiros de Goes Hugo Medeiros de Goes SIMPLES NACIONAL (2ª parte) De acordo com a Lei Complementar nº 123, de 14/12/2006 (arts. 12 e 88), em 1º de julho de 2007, entra em vigor o Regime Especial Unificado de Arrecadação

Leia mais

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON CONCEITOS ANTECIPAÇÃO E DIFERENCIAL DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS: Art. 4 - Nas operações com mercadorias ou bens considera-se

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL.

Previdência Privada. A tabela a seguir apresenta algumas diferenças entre o FAPI e PGBL. Previdência Privada Modalidades de Previdência Privada Aberta 1) FAPI Fundo de Aposentadoria Programada Individual Inspirado no IRA Individual Retirement Account, dos Estados Unidos, onde o contribuinte

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais