Cultura de Segurança Alimentar conjunto de valores que devem ser seguidos para produzir e fornecer alimentos seguros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura de Segurança Alimentar conjunto de valores que devem ser seguidos para produzir e fornecer alimentos seguros"

Transcrição

1 Mestrado em Engenharia Unidade Curricular Segurança Reforçar a Cultura da Segurança para reduzir as taxas de doenças transmitidas por alimentos Autores: Powell D., Jacob C., Chapman B. Cultura de Segurança conjunto de valores que devem ser seguidos para produzir e fornecer alimentos seguros A segurança alimentar é importante dentro de qualquer organização Susana Gomes Rosário Rocha Joana Rodrigues deve demonstrar, tanto a funcionários como clientes, que está consciente destas questões. Segundo o antigo Presidente da Associação Internacional da Protecção dos Alimentos: Para melhorar o desempenho da segurança alimentar num retalhista ou num restaurante, uma organização com milhares de funcionários, ou numa comunidade local, deve-se alterar o modo como as pessoas fazem as coisas. Deve-se alterar comportamentos. Na verdade, muitas vezes, a segurança alimentar é equivalente a comportamentos. (Yiannas, 2009) Os 5 factores principais para a contribuição de doenças transmitidas por alimentos: Processos inapropriados na confecção alimentar; Temperaturas impróprias durante a armazenagem; Falta de higiene e saneamento por parte dos manipuladores; Contaminação cruzada; Obtenção de alimentos através de fontes pouco seguras. (Organização Mundial de Saúde, 2006) 1

2 da Segurança Segundo Griffith (2000): Cortar com os custos, em detrimento da segurança alimentar Empresa identificada como fonte de intoxicação alimentar Jon Tudor & Son, 2005 Surto causado pela E. coli O157: H7 no país de Gales, Relacionado com o consumo de carnes cozidas fornecidas a escolas, pela empresa John Tudor & Son pessoas ficaram doentes - 31 pessoas foram internadas - Uma criança de 5 anos morreu Danos à identidade da marca que representa; Perdas nas finanças; Falência. Existiram graves violações e incumprimento das normas de segurança, como a não separação da carne crua da cozinhada. Na empresa o objectivo era facturar e poupar. Os empregados tinham reduzidos hábitos de higiene. Por exemplo, algumas carnes com odores, já deterioradas, eram camufladas com especiarias e vendidas. (Pennington, 2009) da Segurança Maple Leaf Foods, Inc.,2008 Produtos Charcutaria Contaminação Listeria monocytogenes Provocou doença a 57 pessoas, e a morte a 22, no Canadá. Resíduos de carnes presas na máquina de corte podem ter alojado Listeria monocytogenes. Origem da contaminação: Fatias de carne do supermercado. Agência Saúde pública do Canadá estabelece ligação entre os produtos produzidos na entidade e um surto de listeriose. Insuficiente administração da empresa e das organizações governamentais antes e após o incidente. Plano de Gestão de Crise. Necessidade da existência de culturas de segurança alimentar numa empresa. da Segurança Corporação de Amendoim da América, 2009 Surto por Salmonella Typhimurium -Um relatório da FDA identificou muitos casos em que o produto foi sujeito a contra-análises até um resultado negativo; -A PCA chegou a enviar produto para clientes, apesar de ter resultados positivos. Departamento da agricultura de Minnesota isolou o surto num recipiente fechado de manteiga de amendoim produzido pela PCA, na Geórgia. Os boletins positivos de Salmonella spp tornaram ainda mais evidente a falta de uma cultura de segurança alimentar na empresa ficaram doentes; -9 morreram, em 46 estados dos EUA e no Canadá. 2

3 Descrição das Condições da PCA Telhado danificado; Janelas abertas sem rede mosquiteira; Matérias-primas de baixa qualidade; Utilização de Lavamãos para a higienização de utensílios; Armazenamento de amendoim cru e torrado no mesmo local; Insuficiente higienização e sistema de esgotos. Apesar destas deficiências, a empresa auditora AIB International atribui classificação de excelência à PCA. (Schmit, 2009) Mudança comportamental da cultura de Segurança Larson, Early, Cloonan, Sugrue, e Parides (2000) Teoria Organizacional Avaliar o efeito da mudança da cultura da lavagem das mãos da equipa A intervenção tornouse uma parte integrante da cultura organizacional, bem como a frequência e método de lavagem das mãos foi melhorado e mantido. A educação e formação dos manipuladores de alimentos é muito importante! Limitações aos programas de treino de manipuladores de alimentos. A avaliação da cultura de segurança alimentar de uma empresa é através da observação das práticas de preparação dos alimentos. Principal benefício da observação é que não depende de acções relatadas. Responsabilidade pessoal Pré requisito Implementação Comportamentos adequados Missão de Segurança Riscos de origem alimentar Comunicação e partilha de informação frequentemente 3

4 Ferramenta de Apoio Fichas de informação: Dirigidas a manipuladores de alimentos Informações específicas e necessidades Informações sobre surtos: - Gráficos e informações prescritivas Ponto essencial: consequências Ferramenta de Apoio Fichas de informação: Influência positiva 4 pontos-chave: Conto de histórias; Diálogo; Surpresa; Contexto. Marketing da Segurança Conclusões Marketing Prática Segurança Partilha de informação dentro da organização e com os clientes é fundamental; Conhecimento claro dos riscos associados aos alimentos e como devem ser tratados; Produção Distribuição Venda Consumidores Dedicar esforços a avaliação dos fornecedores; Manter actuais as informações sobre segurança dos alimentos; Sistema de valores evitar doenças; Comunicar medidas para redução dos riscos e recursos para por em prática; Feedback dos consumidores Sistemas de segurança alimentar eficazes. 4

5 Obrigada pela atenção! 5

Baseado no artigo científico

Baseado no artigo científico Escola Superior Agrária de Coimbra Mestrado em Engenharia Alimentar Segurança Alimentar Baseado no artigo científico Formação de manipuladores de carne em Portugal: Uma pesquisa sobre o conhecimento e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas

Análise de Perigos. Árvore de decisão Q1 Q2 Q3 Q4. Ref.: IP 4 Inspecção à Recepção IP 5 Inspecção à Recepção: Verificação de Temperaturas Análise de s ETAPA: Recepção das matérias-primas s considerados: Biológicos: bactérias patogénicas (forma vegetativa ou esporulada), parasitas e vírus Químicos: micotoxinas, aminas e toxinas naturais,

Leia mais

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS

Unidade de Saúde Pública PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS PREPARAÇÃO E CONFECÇÃO DE ALIMENTOS Os cuidados de higiene durante a preparação e confecção dos alimentos tem como objectivo evitar a sua contaminação e preservar a

Leia mais

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Plano de Controlo Oficial do Leite na RAM (PCOL) Maria Celeste da Costa Bento Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar São Vicente, 19

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR SOUZA M. C; TOLEDO E. A Resumo Este trabalho teve como objetivo identificar

Leia mais

Segurança Alimentar em ambiente de catástrofe natural. SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE DE CATÁSTROFE NATURAL Cap Vet Samuel Migueis

Segurança Alimentar em ambiente de catástrofe natural. SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE DE CATÁSTROFE NATURAL Cap Vet Samuel Migueis SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE DE CATÁSTROFE NATURAL Cap Vet Samuel Migueis As catástrofes naturais são eventos naturais que com maior ou menor frequência, têm vindo a afetar as sociedades por todo o

Leia mais

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos. Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Boas Práticas para a Conservação dos Alimentos Palestrante: Liza Ghassan Riachi CICLO DE PALESTRAS ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Evitar contaminação e DTAs Qualidade do Alimento Proteção da Saúde Contaminação Física

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES

Leia mais

RETIRADA DE PRODUTOS DO MERCADO. Maria Cândida Marramaque ANIL

RETIRADA DE PRODUTOS DO MERCADO. Maria Cândida Marramaque ANIL RETIRADA DE PRODUTOS DO MERCADO Maria Cândida Marramaque ANIL ...algumas crises 1986 1999 2001 UK BE UK 2004 2008 NL IE Alguns custos dos incidentes Podem ser calculados Dificeis de calcular Retirada/recolha

Leia mais

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos

Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas pelos Alimentos IV Ciclo de Conferências de Saúde Pública Veterinária Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Universidade do Porto Porto, 12 de Junho 2010 Sistema de Vigilância das Zoonoses e das Doenças Transmitidas

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições

QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições QUALIDADE DOS ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Alessandra Reis Nutricionista de Qualidade- IBRefeições ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, É AQUELA PREPARADA COM OS CUIDADOS DE HIGIENE E QUE

Leia mais

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817

LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 LISTA DE AVALIAÇÃO PARA CATEGORIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO PORTARIA Nº817 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1.Razão Social: 2. Nome fantasia: 3-Alvará/ Licença sanitária: 4-Inscrição Estadual / Municipal:

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

BRC Sistema de Gestão da Qualidade

BRC Sistema de Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária Licenciatura em Engenharia Alimentar Gestão Qualidade BRC Sistema de Gestão da Qualidade Realizado por: Andreia Rocha nº3526 Liliana Sousa nº3600

Leia mais

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária

Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária SEGURANÇA ALIMENTAR Princípios e Recomendações Maio 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Princípios da segurança alimentar A política de segurança dos alimentos deve basear-se numa

Leia mais

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda

Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII. Prof.: Alessandra Miranda Manutenção e Higienização: Instalações, Alimentos, Equipamentos e Utensílios Aula VIII Prof.: Alessandra Miranda Substâncias Detergentes e Sanitizantes Substâncias Detergentes Uso geral Alcalinos ou clorados

Leia mais

Segurança Alimentar. Maria Cristina Teixeira Santos

Segurança Alimentar. Maria Cristina Teixeira Santos Segurança Alimentar Maria Cristina Teixeira Santos Vectores Determinantes - Fundamentação O direito dos cidadãos a ter uma alimentação saudável, completa, nutricionalmente equilibrada e adequada ao indivíduo

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES

Unidade de Saúde Pública 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES 3. HIGIENE DAS INSTALAÇÕES HIGIENE DAS INSTALAÇÕES Os locais de preparação e serviço de refeições devem ser concebidos por forma a facilitar a sua limpeza e desinfecção adequadas, bem como, reduzir os

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

Síntese do Documento. The European Union summary report on trends and sources of zoonoses, zoonotic agents and food-borne outbreaks in 2015

Síntese do Documento. The European Union summary report on trends and sources of zoonoses, zoonotic agents and food-borne outbreaks in 2015 Síntese do Documento The European Union summary report on trends and sources of zoonoses, zoonotic agents and food-borne outbreaks in 2015 A EFSA e o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças apresentaram

Leia mais

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s)

Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) Legislação do Ministério do Trabalho e Emprego (NR s) http://www.mte.gov.br/ NR 01 Disposições Gerais 02 Inspeção Prévia 03 Embargo ou Interdição TEMA 04 Serviços Especializados em Eng. de Segurança

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

Referência Laboratorial no âmbito das Toxinfecções

Referência Laboratorial no âmbito das Toxinfecções Referência Laboratorial no âmbito das Toxinfecções Alimentares DIA DO INSA Lisboa, 29 de Setembro de 2009 Departamento de Alimentação e Nutrição Centro de Saúde Pública Doutor Gonçalves Ferreira Laboratório

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO Profa. Dra. Marcia Cristina Zago Novaretti Diretora Mestrado Profissional Gestão em Sistemas de Saúde Universidade Nove de Julho Epidemiologia: Eventos Adversos # 1/3

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Índice. 01. Identificação das Partes Interessadas 02. Aspectos Significativos da Responsabilidade Social 03. Objectivos da Responsabilidade Social

Índice. 01. Identificação das Partes Interessadas 02. Aspectos Significativos da Responsabilidade Social 03. Objectivos da Responsabilidade Social Índice 01. Identificação das Partes Interessadas 02. Aspectos Significativos da Responsabilidade Social 03. Objectivos da Responsabilidade Social Identificação das Partes Interessadas 01 O Sistema de Gestão

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão dos Recursos Humanos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão dos Recursos Humanos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Responderam ao questionário os seguintes representantes destas escolas:

Responderam ao questionário os seguintes representantes destas escolas: Relatório acerca dos dados recolhidos com o questionário sobre políticas de protecção ambiental, dirigido a escolas do 2.º e 3.º Ciclos e Ensino Secundário do concelho de Felgueiras Aceitaram responder

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE!

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE! VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO PROGRAMA VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONSUMO DE LEITE IN NATURA PODE CAUSAR RISCOS À SAÚDE! COMÉRCIO DE LEITE IN NATURA PROIBIDO PELAS LEIS: DECRETO LEI N 66.183, DE 05 DE FEVEREIRO

Leia mais

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS

PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS PALESTRA SOBRE CUIDADOS COM A HIGIENE: Melhorar hábitos de higiene. Diminuir índices de contaminação em alimentos PALESTRA SOBRE METODO DE TEMPO E TEMPERTAURAS Importância do controle de tempos e temperaturas.

Leia mais

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião

[ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF. sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária. Resumo e Recomendações da Reunião [ESBOÇO] Reunião Especial da OMS, FAO e UNICEF sobre Principais Comportamentos para o Controlo da Gripe Aviária (de 14 a 16 de Março de 2006) Resumo e Recomendações da Reunião Antecedentes O alastramento

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. SILVA, Vanessa Silva da 1 ; LOPES, Caroline de Paula 1 ; RIBEIRO, Gladis Aver 1 1 Laboratório

Leia mais

Qualidade e segurança alimentar. Ação de capacitação 2017

Qualidade e segurança alimentar. Ação de capacitação 2017 Qualidade e segurança alimentar Ação de capacitação 2017 CONTEÚDOS Segurança alimentar Porquê e para quê? Sistema HACCP pré-requisitos Sistema HACCP Implementação Sistema HACCP Etapas Qualidade vs Segurança

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA

SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA INTRODUÇÃO SEGURANÇA ALIMENTAR NA AVICULTURA Nos dias de hoje, é indiscutível a necessidade do controle da presença de microrganismos nas rações de aves, devido principalmente às mudanças recentes nas

Leia mais

Estabilidade do produto

Estabilidade do produto Estabilidade do produto A estabilidade e a segurança de embutidos cárneos são relacionadas com atividade de água, ph e temperatura de armazenagem Grupos de produtos Aw ph Temperatura de armazenagem Facilmente

Leia mais

CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS

CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS CURSO DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS COM ENFASE EM BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE ALIMENTOS Número de vagas: mínimo 20 e máximo 40 alunos Carga Horária: 20 horas (sendo 15 horas teórico-prático e 05 horas

Leia mais

SALMONELLA SPP. E LISTERIA MONOCYTOGENES, MICRORGANISMOS PATOGÊNICOS EM ALIMENTOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA.

SALMONELLA SPP. E LISTERIA MONOCYTOGENES, MICRORGANISMOS PATOGÊNICOS EM ALIMENTOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA. SALMONELLA SPP. E LISTERIA MONOCYTOGENES, MICRORGANISMOS PATOGÊNICOS EM ALIMENTOS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Paula Paiva dos Anjos¹; Maria Gomes Pereira Gildo¹; Hudson Pimentel Costa¹; Amanda Cavalcante

Leia mais

Investigação de surtos. Romulo Colindres, MD MPH

Investigação de surtos. Romulo Colindres, MD MPH Investigação de surtos Romulo Colindres, MD MPH GSS Nivel I Rio de Janeiro, Brasil 2005 1 Investigação de Surtos Objetivos da palestra: 1. Rever os 10 passos da investigação de um surto 2. Demonstrar os

Leia mais

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS)

Água. Vigilância, Desafios e Oportunidades. Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Água Vigilância, Desafios e Oportunidades Eng.º Paulo Diegues (DGS) Eng.ª Lúcia Melo (DGS) Dr. Vitor Martins (DGS) Situação actual Segundo o relatório da OMS e da UNICEF 1,1 mil milhões de pessoas no planeta

Leia mais

Challenge testing and shelf-life studies

Challenge testing and shelf-life studies Challenge testing and shelf-life studies 20 Junho 2008 Gonçalo Almeida e Tim Hogg Escola Superior de Biotecnologia, Universidade Católica Portuguesa Segurança Alimentar Garantir que os alimentos não apresentam

Leia mais

Advance technique for hamburger quality control

Advance technique for hamburger quality control Técnica avançada para controlar qualidade do hambúrguer Advance technique for hamburger quality control Sumário O maior risco para o consumidor, consequente da ingestão de hambúrguer mal conservado, é

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs. Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E POPs Profª Me. Tatiane da Silva Poló BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BPF Conjunto de medidas que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos Garantir a qualidade sanitária

Leia mais

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008)

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) O ALINHAMENTO ENTRE A ESTRATÉGIA E OS SISTEMAS DE RH: QUESTÕES - CHAVE A CONSIDERAR (Adaptado de Gratton, 1999) O CICLO DE CURTO PRAZO Estabelecimento

Leia mais

Segurança Alimentar. Auditoria (ISO 8408)

Segurança Alimentar. Auditoria (ISO 8408) Segurança Alimentar Auditorias 1 Auditoria (ISO 8408) exame sistemático e independente para determinar se as actividades e resultados relacionados com a qualidade estão de acordo com o esperado e se os

Leia mais

Zona Balcão e Clientes

Zona Balcão e Clientes Operações de Higienização Página 1 de 2 Zona Balcão e Clientes Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Balcão Refrigerador Vitrina Refrig.

Leia mais

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. 3

Introdução. Graduando do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA.   3 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MG Sofia Ferreira Macedo 1, Danielli Carvalho de Oliveira 2, Ana Paula Boroni Moreira 3, Cristiane Sampaio Fonseca 4, Érica

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES

DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES DISTRIBUIÇÃO E EMPRATAMENTO DE REFEIÇÕES Liliana Brandão 2012 CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VERDE OBJECTIVOS Conhecer e aplicar as boas práticas de higiene na distribuição de refeições; Desenvolver as regras

Leia mais

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s

PLANO DE VERIFICAÇÃO PPR s (INCLUINDO PPRO s) E PCC s PCC1 - Lavagem/ desinfecção - Concentração (Etapa 4) (dosagem) do desinfectante ou desinfecção ) E: s microbiológicas a saladas (antes e após desinfecção) Ver Plano de s DSA Boletins de PCC2 Confecção

Leia mais

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE

POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE Revisão 00 POP 1: PARA DESCONGELAMENTO DE CARNE RETIRAR A CARNE DO CONGELADOR COM ANTECEDÊNCIA ; COLOCAR EM UM RECIPIENTE ; DEIXAR DENTRO DA GELADEIRA POR NO MÁXIMO 72 HS. >RESPONSÁVEL: Manipulador. >

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF

6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do DF - SEAGRI 6º Encontro Regional dos Produtores de Maracujá Núcleo Rural Pipiripau Planaltina-DF BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NA PRODUÇÃO DE MARACUJÁ

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GUIA SANITÁRIO PARA NAVIOS DE CRUZEIRO - 2011 ANEXO V Modelo de Manual de Boas Práticas de Fabricação de Alimentos 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMBARCAÇÃO: Nome: Bandeira Imo: Nome do oficial responsável: 2. RECURSOS

Leia mais

A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PROCEDIMENTOS A SEGUIR PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA

A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PROCEDIMENTOS A SEGUIR PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA TIPO DE PRODUTO 1). Pratos cozinhados e sobremesas não préembaladas A. PROCEDIMENTO A ADOTAR PARA ALIMENTOS DOADOS POR GRANDES SUPERFÍCIES PONTO DE RECOLHA TRANSPORTE ENTIDADE RECETORA Declaração de responsabilidade

Leia mais

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s

PLANO DE MONITORIZAÇÃO PPRO s E PCC s 4. Lavagem/ desinfecção (PCC1) - Concentração (dosagem) do desinfectante desinfecção - Realização de uma boa pré-lavagem Conforme N- DSA-9 Em cada desinfecção, para todos os lavagem/ hortícolas e desinfecção

Leia mais

Produtos minimamente processados. Definições, processamento e factores de qualidade.

Produtos minimamente processados. Definições, processamento e factores de qualidade. Produtos minimamente processados. Definições, processamento e factores de qualidade. Margarida Moldão Martins UTL/ISA/DAIAT Terminologia Produtos minimamente processados Produtos hortofrutícolas minimamente

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA

A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA 1 A ÁGUA É UM RECURSO ESCASSO E FUNDAMENTAL PARA A AGRICULTURA NUMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL REDUZIR O RISCO DE POLUIÇÃO DA ÁGUA OS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A PRODUÇÃO

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Esponja Bombril Códigos Internos: Antiaderente Superfícies Delicadas: Unitária 17014 / Embalagem Econômica 17023 Multiuso Limpeza

Leia mais

FEIRAS DE ARTESANATO Vila do Gerês 2017.

FEIRAS DE ARTESANATO Vila do Gerês 2017. REGULAMENTO: O presente regulamento destina-se a regular o funcionamento das FEIRAS DE ARTESANATO Vila do Gerês 2017, cuja Organização da Feira é da responsabilidade da SREventos, Sandra Ribeiro & Eduardo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB

IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB IMPLANTAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE COZINHAS MODELO DE ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB LIMA, Rosana Luís de (1) ; NUNES, Pedro Germano Antonino (2) ; ATHAÍDE, Celene dos Santos (4) ; JÚNIOR, Daniel

Leia mais

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda

Doenças Transmitidas por Alimentos. Prof.: Alessandra Miranda Doenças Transmitidas por Alimentos Prof.: Alessandra Miranda Origem das Doenças Biológica Química Físicas Grupos Vulneráveis Crianças de 0 a 5 anos Mulheres grávidas Doentes e pessoas com baixa imunidade

Leia mais

Plano de Controlo da Produção Primária (PCPP)

Plano de Controlo da Produção Primária (PCPP) Título da Apresentação Plano de Controlo da Produção Primária (PCPP) Substítulo Maria do Rosário Brardo Neves PCPP Quando e Como começaram os controlos na Produção Primária de Vegetais???? (no âmbito da

Leia mais

DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS

DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS ll WORKSHOP DE MICROBIOLOGIA EUROFINS DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS Aromas - conceitos O que são aromas? São substâncias ou misturas com propriedades odoríferas, capazes de conferir, mascarar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Yohanna de Oliveira; Keylha Querino de Farias Lima; Erika Epaminondas

Leia mais

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS

PLANO DE CONTROLE DE VESTIÁRIOS, / / SANITÁRIOS E BARREIRAS SANITÁRIAS Objetivo Responsável pela elaboração Campo de aplicação Cópia confidencial Cópia controlada Folha 1/5 Identificação Descrever o plano de controle higiênico-sanitário dos vestiários, sanitários e barreiras

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 Cartacoat AP1 liq 0050 Página 1 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Cartacoat AP1 liq 0050 nº Material: 236023 nº Material:236023 Código Interno de Produto : 000000362404 Identificação

Leia mais

Norma final da FSMA sobre transporte sanitário de alimentos para consumo humano e animal

Norma final da FSMA sobre transporte sanitário de alimentos para consumo humano e animal O FDA oferece esta tradução como um serviço para um grande público internacional. Esperamos que você a ache útil. Embora a agência tenha tentado obter uma tradução o mais fiel possível à versão em inglês,

Leia mais

Doenças de origem alimentar. alimentar

Doenças de origem alimentar. alimentar Doenças de origem alimentar Definições Intoxicação alimentar Ingestão de alimento contendo toxina produzida pelo microrganismo. Exemplo: Botulismo, estafilococose. Definições Infecção alimentar Ingestão

Leia mais

International Featured Standards. IFS Food. Os caminhos e o sucesso da Certificação IFS

International Featured Standards. IFS Food. Os caminhos e o sucesso da Certificação IFS International Featured Standards IFS Food Os caminhos e o sucesso da Certificação IFS A unidade de Chapecó foi construída em 1970: BRF criada a partir da fusão das empresas Sadia e Perdigão (19/05/2009)

Leia mais

Segurança Alimentar. Grande variedade de alimentos. Cuidados de higiene e saneamento. Descoberta do fogo. Antiguidade. História

Segurança Alimentar. Grande variedade de alimentos. Cuidados de higiene e saneamento. Descoberta do fogo. Antiguidade. História Segurança Alimentar História Antiguidade Grande variedade de alimentos Descoberta do fogo Cuidados de higiene e saneamento doenças relacionadas com alimentos eliminação de m.o. e toxinas inadequados resultavam

Leia mais

3.1 ) Os ingredientes do hambúrguer deverão estar descritos na ficha de apresentação do produto no ato da entrega para os juízes.

3.1 ) Os ingredientes do hambúrguer deverão estar descritos na ficha de apresentação do produto no ato da entrega para os juízes. Bem vindo ao 1 Pepper Jack Master Of Grill - Burgers Edi on Nesta edição do PJMG pequenos amantes da cozinha terão a oportunidade de demonstrar suas habilidades no preparo de hambúrgueres artesanais. Sabemos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL BOAS PRÁTICAS NO PREPARO, MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA NUTRIÇÃO ENTERAL Juliana Magalhães da Cunha Rêgo Nutricionista - UECE Especialista em Nutrição Clínica - UGF Pós-Graduanda em Nutrição e Exercício

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS?

BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS. Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Profa. Simone de Carvalho Balian Depto Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal - VPS? BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E MANIPULAÇÃO BPHM GOOD MANUFACTURING

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PRESUNTO 1. Alcance 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado Presunto.

Leia mais

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais

Segurança Alimentar BRC/IFS/ISO SEGURANÇA ALIMENTAR.

Segurança Alimentar BRC/IFS/ISO SEGURANÇA ALIMENTAR. Segurança Alimentar BRC/IFS/ISO 22000 - SEGURANÇA ALIMENTAR www.paralleldiscover.pt O BRC (British Retail Consortium) foi publicado pela união da cadeia dos supermercados britânicos (British Supermarket

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular TÓPICOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene e Legislação de FASE: 6ª (6HGLA) Alimentos CARGA HORÁRIA 36 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS: 02

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Huambo, Julho 2011 Objectivo & conteúdo da apresentação Esta apresentação é resultado

Leia mais

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Flavia Fernandes Rubino Dilri Scardini Alves Batista Juacyara Carbonelli Campos Lídia Yokoyama Principais objetivos Aplicação da

Leia mais

Como atender às necessidades da produção e do meio ambiente?

Como atender às necessidades da produção e do meio ambiente? Como atender às necessidades da produção e do meio ambiente? Encontre pontos de melhorias e adequações para a sua empresa e diminua gastos com multas ambientais Índice Introdução Tipos de Efluentes e Resíduos

Leia mais

EXPECTATIVAS DO SERVIÇO CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO PARA COM O BLOCO. Maria Helena da Silva Festas Maia

EXPECTATIVAS DO SERVIÇO CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO PARA COM O BLOCO. Maria Helena da Silva Festas Maia EXPECTATIVAS DO SERVIÇO CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO PARA COM O BLOCO Maria Helena da Silva Festas Maia 1- Cumprimento dos protocolos estabelecidos 2 -Cumprimento das práticas recomendadas 3 -Comunicação eficiente

Leia mais

ROUPAS E RESÍDUOS: CIRCUITOS DE SUJOS E LIMPOS. Ana Garrido - GCL PPCIRA Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

ROUPAS E RESÍDUOS: CIRCUITOS DE SUJOS E LIMPOS. Ana Garrido - GCL PPCIRA Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra ROUPAS E RESÍDUOS: CIRCUITOS DE SUJOS E LIMPOS Ana Garrido - GCL PPCIRA Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra QUESTÕES 1. Práticas com roupas e resíduos contribuem para reduzir a infeção? 2. Definir

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB VIDAL, Ana Renally Cardoso 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 2, TEODOSIO, Albert Einstein

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR Melo, H. K.; Toledo, E. A. RESUMO As condições higiênico-sanitárias de cachorro-quente ambulante possuem uma

Leia mais

Unidade Curricular: Análise Matemática I

Unidade Curricular: Análise Matemática I DEPARTAMENTO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS Unidade Curricular: Análise Matemática I DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO - PROGRAMA Curso de 1º Ciclo: ENGENHARIA de TELECOMUNICAÇÕES e INFORMÁTICA (ETI) e ENGENHARIA INFORMÁTICA

Leia mais

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura

Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Segurança Alimentar Uso de proteínas animais transformadas no fabrico de alimentos para animais de aquicultura Direção Geral de Alimentação e Veterinária Esclarecimento 11 /2014 Resumo: O presente esclarecimento

Leia mais

Dimensionamento de equipamentos, móveis e utensílios. Disciplina: Planejamento Físico

Dimensionamento de equipamentos, móveis e utensílios. Disciplina: Planejamento Físico Dimensionamento de equipamentos, móveis e utensílios Disciplina: Planejamento Físico Objetivos da Aula: Conhecer a importância do dimensionamento dos equipamentos em uma UPR; Conhecer a classificação de

Leia mais

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS

PREVENÇÃO NA PREPARAÇÃO DE ALIMENTOS . Como sempre afirmamos em nosso treinamento entender o conceito de prevenção como algo que se aplica apenas ao mundo do trabalho é um grande erro que precisa ser corrigido na cabeça das pessoas. Prevenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS DA CIDADE DE ROLIM DE MOURA RO.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS DA CIDADE DE ROLIM DE MOURA RO. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE RESTAURANTES COMERCIAIS DA CIDADE DE ROLIM DE MOURA RO. SANTINI, V Aluna do curso de Nutrição da UNESC - Cacoal SEIXAS, F. R. F. Professora do curso de Nutrição

Leia mais

Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS

Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS Primeira Edição Jundiaí 2015 Os autores não autorizam a reprodução

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA)

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Disciplina de Saúde Pública DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Francielle Liz Monteiro

Leia mais