Declaração de conflitos de interesses Convidado da. Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Declaração de conflitos de interesses Convidado da. Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008)"

Transcrição

1

2

3 Declaração de conflitos de interesses Convidado da Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008)

4

5 Sommer E, Backhed F Nature Microbiol, 2013

6 Microbiota: Ser humano: Homem (70 kg) Somente 10% dos células são humanas! Floch MH, J Clin Gastroenterol, 2011 Fujimura KE, Expert Rev Infect Ther, 2010

7 Péle Boca Firmicutes Bacteriodetes Actinobacteria Proteobacteria Outros filos Esôfago Bacteriodetes Firmicutes Estômago Vyas U, Ranganathan N Gastroenterol Res Pract, Vagina

8 Boca Aéreas Pele Intestinos Vagina Lee YK & Mazmanian S. Science 2010;330:1768

9 Bactérias de bactérias +50 gêneros, espécies (filos) Leveduras Comensais, simbióticas, patógenas Fungos Anaeróbias 99% : 1% Aeróbias Vírus Substâncias químicas: Eucariotas Enzimas: Bactérias conhecidas Bactérias desconhecidas Neish AS, Gastroenterology 65-80, 2009

10 Gêneros de bactérias com ação benéfica: Lactobacilos e Bifidobactérias Goulet O., Nutr Rev 2015;73:32-40

11 E x p re s s ã o ge n é t i c a Pe s o c o r p o ra l S i s t ema i m u n o lógico Desenvolvimento doenças crônicas: diabetes, câncer Desenvolvimento cérebro, memória, e saúde mental

12 Genética Medicamentos Alimentação Exposição MI Simbiose: Disbiose resistência a infecções modulação imunológica (microbiota e GALT) biodisponibilidade a nutrientes (digestão e absorção) Defensores Agressores manutenção da integridade da mucosa Desequilíbrio da MI (barreira intestinal) MI eubiontes MI patobiontes Neish AS, Gastroenterology 2009;136: Schrezenmeir J & Vrese M, Am J Clin

13 Artrite reumatóide Alterações G I DII Câncer Esofagite Pancreatite aguda Obesidade Osteoporose Esteatose hepática Autismo Depressã o Alteração de humor SII Sommer F, Backhed F, Nature Microbiol 20153

14 Autismo Alergias Encefalopatia hepática Febre familiar mediterrânea Aterosclerose Diabetes Obesidade Fibromialgia

15 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

16 Interferir de forma positiva na composição da microbiota favorecendo maior quantidade e diversidade de bactérias benéficas

17 Dieta Probióticos Prebióticos Simbióticos Transplane fecal (MI)

18 Os microrganismos são essenciais para a vida humana 1877 Louis Pasteur ( ) A TEORIA DOS GÉRMES e suas aplicações na Medicina

19 The prolongation of life Intoxicação a partir da flora intestinal Bactérias putrefativas S u b s t â n c i a s t ó x i c a s Absorvidas pelo intestino a f e t a n d o Élie Metchnikoff, ( ) Nobel de Medicina, 1908 S. N. C. e Sist. vascular Envelhecimento

20 Probiótico Medicamento abordagem natural conceituado como alimento perfil Importante de segurança na prevenção alto e no (imumocompetente) ação tratamento intestinal de fisiológica várias doenças restaura a simbiose

21 Prebióticos Probióticos Simbióticos

22 período x Nº estudos Nível de evidência clínica Meta-análises

23 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

24 60 estudos controlados, pacientes Probióticos: Lactobacillus rhamnosus GG Enterococcus faecium SF 68 Lactobacillus casei Lactobacillus reuteri Reduzem: tempo de diarréia (25h) e período de internação Impacto maior em populações sob risco (recém-nascidos, desnutridos) L. rhamnosus GG inativado = viável

25 13 estudos controlados Probióticos: cepas utilizadas Lactobacillus rhamnosus GG Lactobacillus acidophilus Lactobacillus bulgaricus Bifidobacterium lactis Bifidobacterium longum Streptococcus thermophilus Enterococcus faecium SF 68 Bifidobacterium lactis + Streptococcus thermophilus 0 % pacientes c/ diarreia A redução na frequência de diarreia variou de 50 a 75% % CONTROLE n=78 16% PROBIÓTICO n=80 J Clin Gastroenterol 2005; 39: WGO, diarreia aguda, 2016,

26 19 estudos controlados Probióticos Lactobacillus rhamnosus GG Enterococcus faecium SF 68 Lactobacillus casei Lactobacillus reuteri Bifidobacterium animalis (iogurte) Reduzem o tempo de diarréia ( 24h) e o período de internação Impacto maior em populações sob risco (ex., desnutridos) WGO, diarreia aguda, 2016, Moraes CA, Castro FMM J Bras Med, 2012,41-50

27 Prevenção da diarreia pós-radioterapia Aspecto Placebo n=95 Probiótico (VSL#3) n=95 p Diarreia 55% 38% < 0,001 Diarreia intensa Evacuações/di a 30% 7% < 0,001 12,3 4 4,6 2 < 0,05 Am J Gastroenterology 2002; 97:

28 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

29 Impacto na QV

30 Probióticos: metanálise frequência de evacuação 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Antes probiótico Após probiótico Diário 1 a 2 dias 3 a 4 dias 1xSem < 1xSem Waitzberg DL, et al. Clinical Nutrition 2013;32:27-33

31 Probióticos: metanálise trânsito intestinal e distensão abdominal Tempo de trânsito intestinal em horas Nishida S, Ishikawa et al, Pharmacometrics, Pré- tratamento p<0,05 Pós- tratamento Controle Probiótico

32 Probióticos: metanálise trânsito intestinal e QV p<0,001 p<0,047 nº pacientes com melhora Moayyedi P, Talley NJ, Quigley EM, et al, Gut, 2010,325-32

33 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

34 Filos Controle SII-A SII-C SII-D Gêneros Controle SII-A SII-C SII-D Jeffery IB, et al, Gut. 2012, 81:

35

36 Probióticos no tratamento da SII Melhora global dos sintomas da SII Diminui a dor abdominal da SII Necessita de + estudos para uso na SII Favorável Probióticos Favorável Placebo McFarland LV et al, W J Gastroenterology 2008

37 Dor abdominal em pacientes com SII Dor abdominal: 0 = ausência 10 = máxima Inicial controle probiótico Agrawal et al, Aliment Pharmac Ther 2010

38 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

39 Saudáveis RCU Saudáveis RCU

40 Modulação da resposta imune Microbiota mais antigênica Microbiota menos antigênica Maior estímulo antigênico Imunorregulação anormal Menor estímulo antigênico Imunorregulação estimulada Internat J Food Microbiol 2007; 115: 1 11 Brit J Clin Pharmacol 2008; 65:

41 Modulação da resposta imune E. Coli enteroinvasiva (altamente pró-inflamatória) é detectada mais em pacientes com DII do que em indivíduos normais Redução da Faecalibacterium prausnitzii (filo Firmicuties): importante ação anti-inflamatória Pacientes com DII: há redução da diversidade bacteriana e de sua aderência à mucosa intestinal Joossens et al, Gut 2011;60:

42 B AC TÉRI A RCU C R O H N Proteobacteria Enterobacteriaceae lostridium histolyticum/ lituseburense --- Clostridium occoides/ Eubact. rectale Bacteroides/ Prevotella Bactérias redutoras de sulfato Bifidobacterium Lactobacillus

43 Imunidade de defesa das células da mucosa intestinal contra a microbiota patógena Tolerância imune entre a microbiota comensal e patogênica Equilíbrio da imunidade entre defesa e tolerância Eixo de interação entre hospedeiro e microbiota Abraham C & Medzhitov R

44 Efeito sobre as citoninas 50 Reduz IL-1, TNF, IFN, inos e MMP Aumenta IL IL-10 (pg/mg prot.) Am J Gastroenterol 2010; 96: BOLSITE ANTIBIÓTICO PROBIÓTICO Rifaximina 2g/d + Ciprofloxacina 1g/d VSL #3-18x /dia

45 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

46 IL-1, TNF, IFN, inos (óxido nítrico sintetase) e MMP (metaloproteinases) IL IL-10 (pg/mg prot.) ,5 9,3 0 Rifaximina 2g/d + Ciprofloxacina 1g/d VSL #3-18x /dia BOLSITE ANTIBIÓTICO PROBIÓTICO

47 Diarreias infeciosas Constipação crônica Síndrome do Intestino Irritável Doença Inflamatória Intestinal Bolsite Helicobacter pylori Câncer colorretal Supercrescimento bacteriano Doença Diverticular do Cólon Doença celíaca Colangite esclerosante Cálculos biliares

48 Metanálise 14 estudos controlados Antibióticos + probióticos: aumento do índice de erradicação Probiótico: Bacillus clausii

49 Autismo Alergias Encefalopatia hepática Febre familiar mediterrânea Aterosclerose Diabetes Obesidade Fibromialgia

50 Alergia hereditária: hipersensibilidade a antígenos ambientais p=0,03 Rinite Bronquite Dermatite Óxido Nítrico (ppb) Placebo Lactobacillus GG Sem história de alergia Lancet 2009; 361:

51 Modulação dietéticas Diabetes mellitus Obesidade Ações: - sensação plenitude gástrica - diminui velocidade de esvaziamento gástrico - diminui o peso corporal Hipercolesterolemia Dislipidemias Coronariopatias Vermeire S. Leuvert, Belgium Ações: aumenta secreção insulina diminui absorção glicose modula hormônio GLP-1 Vermeire S. Leuvert, Belgium

52 Depressão Dor Ansiedade Autismo

53 Fatores ambientais: Centrais estresse ansiedade depressão Periféricos gastroenterites medicamentos hábitos de vida Fatores do hospedeiro: genéticos disbiose

54 SNC saudável SNC doente Estado saudável: comportamento, cognição, emoção e nocicepção níveis normais de células inflamatórias e de mediadores microbiota intestinal normal Estresse / Doença: alterações do comportamento, emoção e nocicepção alteração dos níveis normais cél. inflamatórias e mediadores disbiose microbiota intestinal Intestino saudável Intestino doente Elaine Hsiao

55 Bifidobacteria: Atividade antidepressiva (Dinan T.) Probiótico Psicobiótico

56

57 Ratos com características de AUTISMO tratados com Bacteroides fragilis melhoram os comportamentos comunicativos, de ansiedade e sensório-motores.

58

59

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Ciclo de Palestras A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Luciana Mouta de Oliveira PROBIÓTICOS - DEFINIÇÃO Suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que afetam beneficamente

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS Cristiane Maria Barra da Matta Engenheira de Alimentos do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia Professora do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Os benefícios da administração de PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Benefícios dos probióticos. Em humanos, os diversos benefícios para a saúde derivados da toma regular de probióticos - as chamadas

Leia mais

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA

DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA DIA 16.06.2015 (TERÇA-FEIRA) GRAND AUDITÓRIO 08H30 08H50 ABERTURA 08H50 09H20 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ABERTURA O IMPACTO DE METAGENÔMICA NA SAÚDE E NA DOENÇA 09H20 09H50 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Somos o que comemos Alterações a nível de temperamento, níveis de energia, capacidade de raciocínio, impulso sexual e hábitos de sono

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE A lactose é um carboidrato, conhecido popularmente como açúcar do leite. É um dissacarídeo formado por dois açúcares

Leia mais

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal.

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e ao mesmo

Leia mais

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Sessão clínica Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Serviço de Nefrologia 10 Março 2016 Sumário Microbioma Intestinal Microbioma

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Suplementação de Glutamina e Preparo do Intestino para Terapias Intestinais e Sistêmicas

Suplementação de Glutamina e Preparo do Intestino para Terapias Intestinais e Sistêmicas Suplementação de Glutamina e Preparo do Intestino para Terapias Intestinais e Sistêmicas Primeiro Passo da Reconstituição da Saúde Intestinal Glutamina Previne e Trata a Toxicidade Intestinal Induzida

Leia mais

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos Por: Prof.Marco Antônio Lemos Miguel Biólogo, MSc.PhD Centro de Ciências da Saúde, UFRJ Ovas de peixe, enriquecidas com probióticos 46_Animal

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

PROBIÓTICOS: BENEFÍCIOS NA MICROBIOTA INTESTINAL

PROBIÓTICOS: BENEFÍCIOS NA MICROBIOTA INTESTINAL PROBIÓTICOS: BENEFÍCIOS NA MICROBIOTA INTESTINAL Raíssa Costa Freire de Souza¹; Brenda Kelly Cunha Maciel 2 ; Eudiane dos Santos Silva³; Hiarla Correia Wanderley 4 ; Sandra Regina Dantas Baia 5 Faculdade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. Tatiane Ribeiro Vieira dos Santos 1 Daniela de Stefani Marquez 2 Dulcelene Aparecida de Lucena freitas 3 Nayara Ferreira

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

ALTERAÇÕES DO SISTEMA GASTROINTESTINAL NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO: REVISÃO DA LITERATURA

ALTERAÇÕES DO SISTEMA GASTROINTESTINAL NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO: REVISÃO DA LITERATURA ALTERAÇÕES DO SISTEMA GASTROINTESTINAL NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO: REVISÃO DA LITERATURA Laiani Passos Cordeiro(1); Maria Helena de Sousa Medeiros(2); Lídia Santos Sousa(3); Jacqueline Santos da Fonsêca

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

LACTOBACILLUS BULGARICUS

LACTOBACILLUS BULGARICUS Informações Técnicas LACTOBACILLUS BULGARICUS 10 bilhões/g DESCRIÇÃO Lactobacillus bulgaricus é uma bactéria que, devido à sua ação benéfica para o sistema digestivo, costuma ser usada para a produção

Leia mais

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE Ele é rico em nutrientes e probióticos, é extremamente benéfico para a digestão e saúde do intestino, e muitas pessoas consideram ser uma versão mais poderosa do iogurte: 1.

Leia mais

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS Simpósio Latino Americano sobre Fortificação de Alimentos e Suplementos Stefani Faro de Novaes Especialista em Regulação

Leia mais

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)?

Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Visão clínica: desregulação epigenética. Há como reverter o fenótipo (obesidade e crescimento)? Cristiane Kochi Profa Adjunta da FCMSCSP Desnutrição ou ganho ponderal aumentado na gestação PIG GIG DCNT

Leia mais

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças?

O que é doença? Doença é: Como as doenças acontecem? Qual o padrão das doenças? Quais os tipos de doenças? CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE - EACH/USP Disciplina de Fundamentos da Atividade Física Docente responsável: Alex Antonio Florindo (aflorind@usp.br) Roteiro da aula 1. Conceito de doença;

Leia mais

FISIOPATOLOGIA. Diabetes Mellitus, Hipertensão Arterial, Dislipidemia e Infecção

FISIOPATOLOGIA. Diabetes Mellitus, Hipertensão Arterial, Dislipidemia e Infecção FISIOPATOLOGIA Diabetes Mellitus, Hipertensão Arterial, Dislipidemia e Infecção Diabetes Mellitus / HTA / Dislipidemia SÃO DAS MAIORES EPIDEMIAS DA NOSSA ERA A HIPERTENSÃO ARTERIAL NO MUNDO DIABETES MELLITUS

Leia mais

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose

INULINA. Fibra alimentar. Informações Técnicas. CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose Informações Técnicas INULINA Fibra alimentar CAS NUMBER: 9005-80-5 SIMILAR: Oligofrutose (FOS), Polifrutose INTRODUÇÃO A inulina é um nutriente funcional ou nutracêutico, composto por frutose, encontrado

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS NA TERAPIA ANTICÂNCER E O POTENCIAL EFEITO DE FLAVONOIDES NA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL

BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL BIOQUÍMICA E METABOLISMO DOS MICRONUTRIENTES NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL E PARENTERAL Profa. Dra. Maria Rosimar Teixeira Matos Docente do Curso de Nutrição da UECE TERAPIA NUTRICIONAL Suprir as necessidades

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Sistema da Cadeia Agro-Alimentar Ana Pinto de Moura O que é um alimento funcional? Qualquer alimento ou parte de um alimento que por possuir actividade fisiológica/biológica,

Leia mais

Vitafiber Plus. Ação terapêutica:

Vitafiber Plus. Ação terapêutica: Vitafiber Plus O vitafiber plus é uma fibra natural extraído da beterraba açucareira, é rico em fibra solúvel e insolúvel, contendo em sua proporção a quantidade exata que o organismo humano necessita

Leia mais

Trimeb. (maleato de trimebutina)

Trimeb. (maleato de trimebutina) Trimeb (maleato de trimebutina) Bula para paciente Cápsula mole 200 mg Página 1 Trimeb (maleato de trimebutina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Cápsula mole FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS

USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS Fortaleza, 19 de junho de 2012. USO DE ADITIVOS PROBIÓTICOS NA ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS Renato Giacometti Gerente Técnico Imeve Biotecnologia S.A Importância da utilização dos antimicrobianos * Manutenção

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar:

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar: RELATO DE CASO Identificação: V.L.G.E., 38 anos, branca, casada, natural e procedente de Canoas (RS). Motivo da consulta: diarréia e dor abdominal intensa. História da Doença atual: Paciente procurou o

Leia mais

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição glicose

Leia mais

Fernanda S. Bortolon Especialista em Nutrição Oncológica/IEP-Hospital Moinhos de Vento Mestre em Ciências Pneumológicas/UFRGS ferbortolon@gmail.

Fernanda S. Bortolon Especialista em Nutrição Oncológica/IEP-Hospital Moinhos de Vento Mestre em Ciências Pneumológicas/UFRGS ferbortolon@gmail. Nutrição Interdisciplinar no Idoso 3ª CONFERÊNCIA SOBRE O DOSO/ENVELHECIMENTO/BRASIL IDOSO Fernanda S. Bortolon Especialista em Nutrição Oncológica/IEP-Hospital Moinhos de Vento Mestre em Ciências Pneumológicas/UFRGS

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Clínica médica e Geriatria

Clínica médica e Geriatria Sérgio Murilo Clínica médica e Geriatria O que é? Qual o foco? Quero todos os exames. Mais benefício ou prejuízo? Como decidir que condições serão avaliadas e como serão avaliadas? Condições (não o teste)

Leia mais

Dog Star Foods Natural 15kg

Dog Star Foods Natural 15kg Dog Star Foods Natural 15kg Proteína Bruta Extrato Etéreo Matéria Mineral (Mín.) 23% (Mín.) 10% (Máx.) 8% Matéria Fibrosa (Máx.) 4,5% Cálcio (Máx.) 2% Fósforo (Mín.) 1% Cereais Integrais Probióticos Carne

Leia mais

Dra. Natalia Almeida Prado de Oliveira Silva Endocrinologia Infantil associada à Nutrição Funcional Medicina Preventiva CRM SP Pediatria

Dra. Natalia Almeida Prado de Oliveira Silva Endocrinologia Infantil associada à Nutrição Funcional Medicina Preventiva CRM SP Pediatria Alimentação e saúde o que isto tem a ver? CONALCO dezembro 2015 Dra. Natalia Almeida Prado de Oliveira Silva Endocrinologia Infantil associada à Nutrição Funcional Medicina Preventiva CRM SP 136 322 Pediatria

Leia mais

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação Acesse o Portal do Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância English Español Orientações aos Consumidores de Alimentos Consultas Públicas Consolidação Destaques na das Internet Boletim Alimentos

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE PREBIÓTICOS E PROBIÓTICOS COMO AGENTE TERAPÊUTICO NO TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL

A UTILIZAÇÃO DE PREBIÓTICOS E PROBIÓTICOS COMO AGENTE TERAPÊUTICO NO TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL A UTILIZAÇÃO DE PREBIÓTICOS E PROBIÓTICOS COMO AGENTE TERAPÊUTICO NO TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL Pablo Freitas Gonçalves (1); Dêmia Kellyani Eleoterio Veiga (4) Faculdade Maurício de Nassau, Campus:

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

Imunologia. Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides. Bibliografia Básica. Introdução. Tipos de imunidade. Histórico 12/03/2012

Imunologia. Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides. Bibliografia Básica. Introdução. Tipos de imunidade. Histórico 12/03/2012 Bibliografia Básica Imunologia Prof. Dr. Gilson C. Macedo www.ufjf.br/imunologia Introdução Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides Prof: Dr. Gilson C. Macedo Derivado do latim immunitas Refere-se

Leia mais

NOVOS CONCEITOS PREBIÓTICOS (página IV)

NOVOS CONCEITOS PREBIÓTICOS (página IV) NOVOS CONCEITOS PREBIÓTICOS (página IV) O Preocupante estado de saúde da população dos países desenvolvidos foi um dos principais motivos da importante intensificação, desde 2009, das pesquisas sobre a

Leia mais

Células e propriedades gerais do sistema imune

Células e propriedades gerais do sistema imune Células e propriedades gerais do sistema imune O que precisamos? Reconhecer Interagir Eliminar Lembrar PROGENITOR MIELOIDE COMUM Contagem Normal das Células no Sangue Diferenciaçãode MSDC em condiçoes

Leia mais

1. Benefícios da atividade física

1. Benefícios da atividade física 1. Benefícios da atividade física "ATIVIDADE FÍSICA É UM DIREITO DE TODOS E UMA NECESSIDADE BÁSICA" (UNESCO). O ser humano, na sua preocupação com o corpo, tem de estar alerta para o fato de que saúde

Leia mais

Chá Verde. 25 Razões para começar a tomá-lo agora mesmo

Chá Verde. 25 Razões para começar a tomá-lo agora mesmo Chá Verde 25 Razões para começar a tomá-lo agora mesmo O chá verde converteu-se numa bebida cada vez mais popular a nivel mundial devido aos seus poderosos beneficios para a saúde É verdadeiramente assombroso

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO LHUANNA FAGUNDES ALVARENGA

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO LHUANNA FAGUNDES ALVARENGA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO LHUANNA FAGUNDES ALVARENGA FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DO DESEQUILÍBRIO DA MICROBIOTA INTESTINAL EM PACIENTES DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL!

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! 17 de Outubro a 2 de Novembro Exposição promovida pelo Serviço de Ginecologia do HNSR EPE OSTEOPOROSE: O QUE É? Osteoporose significa "osso poroso". É uma doença que se

Leia mais

Os aditivos na alimentação de cães e gatos

Os aditivos na alimentação de cães e gatos Os aditivos na alimentação de cães e gatos Introdução Alimentos para cães e gatos Nutrição + Saúde + Fezes + Segurança alimentar Ananda P. Félix Laboratório de Estudos em Nutrição Canina Universidade Federal

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

1-Digestão, absorção, transporte e excreção de nutrientes

1-Digestão, absorção, transporte e excreção de nutrientes MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Digestão, absorção, transporte e excreção de nutrientes 2-Energia, vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios e carboidratos 4-Doenças do aparelho digestivo I: 4.1 Doenças do

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

FIBRAS: por que consumi-las?

FIBRAS: por que consumi-las? FIBRAS: por que consumi-las? COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL GVEDNT / SUVISA / SES-GO Fibras: por que consumi-las? GOIÂNIA 2014 Autoria Maria Janaína Cavalcante Nunes Daniela Ayumi Amemiya Cássia

Leia mais

Microscópico- resíduos alimentares não

Microscópico- resíduos alimentares não AVALIAÇÃO LABORATORIAL DO SISTEMA DIGESTÓRIO Procedimentos diagnósticos Pesquisa de sangue / Exame coproparasitológico, coprocultura Hematologia e bioquímica Exame radiográfico/ Ultrassonografia Endoscopia

Leia mais

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais O alimento está para a medicina assim como a medicina

Leia mais

Conteúdo Descritivo. Saúde e qualidade de vida da população

Conteúdo Descritivo. Saúde e qualidade de vida da população Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Disciplina: Ciências Naturais PLANIFICAÇÃO ANUAL DO 9º ANO Conteúdo Descritivo Nº de aulas previstas [5'] 1º PERÍODO 36 Apresentação/ acolhimento / considerações

Leia mais

8/24/2012. Química: é a soma de polissacarídeos não amiláceose lignina- celulose, hemicelulose, lignina e PNA solúveis (arabinoxilanas, beta-glicanas)

8/24/2012. Química: é a soma de polissacarídeos não amiláceose lignina- celulose, hemicelulose, lignina e PNA solúveis (arabinoxilanas, beta-glicanas) Química: é a soma de polissacarídeos não amiláceose lignina- celulose, hemicelulose, lignina e PNA solúveis (arabinoxilanas, beta-glicanas) Fisiológica: Componentes da dieta resistentes à degradação por

Leia mais

Geyza Souza Ferreira DISBIOSE INTESTINAL: APLICABILIDADE DOS PREBIÓTICOS E DOS PROBIÓTICOS NA RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA MICROBIOTA INTESTINAL

Geyza Souza Ferreira DISBIOSE INTESTINAL: APLICABILIDADE DOS PREBIÓTICOS E DOS PROBIÓTICOS NA RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA MICROBIOTA INTESTINAL Geyza Souza Ferreira DISBIOSE INTESTINAL: APLICABILIDADE DOS PREBIÓTICOS E DOS PROBIÓTICOS NA RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA MICROBIOTA INTESTINAL Palmas TO 2014 Geyza Souza Ferreira DISBIOSE INTESTINAL:

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr.

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Fortunato Cardoso Recife, 13 de maio de 2015 CONCEITO DIARREIA: Frequência:

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA

MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA MAPEAMENTO DA SAÚDE GASTRINTESTINAL DE MULHERES BRASILEIRAS E SEU IMPACTO SOBRE A QUALIDADE DE VIDA Coordenado por: Parceria: 1. INTRODUÇÃO... 03 2. OBJETIVOS... 05 3. O ESTUDO... 06 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO...

Leia mais

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES)

Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Farmacologia dos Antiinflamatórios Esteroidais (GLICOCORTICÓIDES) Profª Drª Flávia Cristina Goulart Universidade Estadual Paulista CAMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP Mecanismo de

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A, H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): ALERTAMOS QUE OS ÓBITOS RESIDENTES

Leia mais

TREINAMENTO DESCANSO ALIMENTAÇÃO CONTROLE EMOCIONAL

TREINAMENTO DESCANSO ALIMENTAÇÃO CONTROLE EMOCIONAL Sucesso Esportivo: Melhora da Performance TREINAMENTO DESCANSO ALIMENTAÇÃO CONTROLE EMOCIONAL O treinamento é a adoção de estímulos físicos na esperança de uma resposta favorável do organismo. Overreaching

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 320/2014

RESPOSTA RÁPIDA 320/2014 RESPOSTA RÁPIDA 320/2014 ACETILCISTEÍNA, PREDNISOLONA, e ISKEMIL para tratamento de DPOC SOLICITANTE Dra Daniele Viana da Silva Juíza de Direito da comarca de Ervália NÚMERO DO PROCESSO 0005119-73.2014.2013.8.13.0240

Leia mais

DOSE EFEITO DO ETANOL

DOSE EFEITO DO ETANOL Alcoolismo Efeitos Os principais efeitos do álcool ocorrem no sistema nervoso central (SNC), onde suas ações depressoras assemelhamse às dos anestésicos voláteis. Os efeitos da intoxicação aguda pelo etanol

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Fucidine H 20 mg/g + 10 mg/g Creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Ácido fusídico 20 mg/g e Acetato de hidrocortisona 10 mg/g.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE NUTRIÇÃO MESTRADO EM ALIMENTOS, NUTRIÇÃO E SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE NUTRIÇÃO MESTRADO EM ALIMENTOS, NUTRIÇÃO E SAÚDE 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE NUTRIÇÃO MESTRADO EM ALIMENTOS, NUTRIÇÃO E SAÚDE PATRICIA QUADROS DOS SANTOS TRIGUEIRO EFEITO DE UM SIMBIÓTICO NA EVOLUÇÃO DE PACIENTES COM PANCREATITE CRÔNICA:

Leia mais

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE DIABETES Diabetes É uma doença que causa o aumento de açúcar (glicose) no sangue. Quando não é tratada de maneira correta, causa graves problemas principalmente nos

Leia mais

1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova.

1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova. 8º Biologia Leda Aval. Rec. Par. 20/08/12 1. Explique por que o macarrão saiu da base e foi para o topo da nova pirâmide e a atividade física ficou na base da pirâmide nova. A GORDURA DO BEM [...] Em quantidade

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Protistas. Thiago Lins do Nascimento

Protistas. Thiago Lins do Nascimento Protistas 1 Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com Protistas: Características Gerais São seres eucariontes. Os protistas são compostos pelas algas e protozoários. Apresentam muita diversidade

Leia mais

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA

TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA TOP 10 RAZÕES PARA BEBER GEL DE ALOE VERA Gel de Aloe Vera Imagine cortar uma folha de babosa e consumir o gel diretamente da planta. Um produto certificado pela Forever Living, o Aloe Vera Gel está tão

Leia mais