Dor abdominal e flatulência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dor abdominal e flatulência"

Transcrição

1 Dor abdominal e flatulência PATRÍCIA SANTOS, CILÉNIA BALDAIA 2º CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM GASTRENTEROLOGIA SERVIÇO DE GASTRENTEROLOGIA E HEPATOLOGIA DO HOSPITAL DE SANTA MARIA

2 Dor abdominal e flatulência Inespecífico Muito frequente (~50% dos adultos) Maioria síndrome do intestino irritável > Abordagem complexa Tratar e vigiar VS Investigar Referenciar Chey WD et al. JAMA. 2015;313(9):

3 Diagnóstico diferencial Doença intestinal inflamatória Sobrecrescimento bacteriano Intolerância à lactose Doença celíaca Obstipação crónica Disfunção do pavimento pélvico Diverticulose Distúrbios da motilidade intestinal Neoplasia colorretal Fármacos Colite microscópica Síndrome do intestino irritável American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

4 História clínica Tempo de evolução Localização, tipo de dor, irradiação, fatores de agravamento/alívio Sintomas associados (febre, emagrecimento, vómitos, diarreia, obstipação, perdas hemáticas ) Dieta Cirurgias prévias História familiar de doenças intestinais Consumo de álcool/medicação História ginecológica

5 Exame físico Pressão arterial, frequência cardíaca, temperatura Pele e mucosas Auscultação abdominal Palpação abdominal Observação retal com avaliação dos músculos do pavimento pélvico Observação pélvica (nas mulheres com dor abdominal nos quadrantes inferiores)

6 Doenças funcionais do intestino Síndrome do intestino irritável (SII) Obstipação funcional (OF) SII (D ßàO) Diarreia funcional (DF) Flatulência/distensão abdominal funcional (FAF/D) FAF/D OF Doença intestinal funcional inespecífica (DIFI) DF o Obstipação induzida por opiáceos American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

7 Doenças funcionais do intestino-espectro American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

8 Doenças funcionais do intestino diagnóstico História clínica Exame físico Avaliação laboratorial (mínima) Colonoscopia total à apenas quando indicado American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

9 Doenças funcionais do intestino diagnóstico Teste Avaliação laboratorial completa (com função tiroideia) Serologias para doença celíaca Pesquisa de ovos e parasitas nas fezes Ecografia/TC abdominal Teste de intolerância à lactose Teste respiratório para sobrecrescimento bacteriano Colonoscopia total Recomendação Não recomendado (em doentes com sintomas de SII típicos e sem sintomas de alarme) Considerar (se os sintomas persistirem) Dados insuficientes Não recomendada (em doentes com < 50 anos e com sintomas de SII típicos, sem sintomas de alarme) ACG Task Force on IBS. Am J Gastroenterol. 2009; 104(suppl 1):S1-S35

10 Sinais de alarme Início de sintomas após os 50 anos Emagrecimento (> 10% do peso corporal em 3 meses) Retorragias (excluído doença hemorroidária e fístulas) Diarreia noturna Febre História familiar de cancro colo-retal, doença intestinal inflamatória ou doença celíaca Anemia ferropénica Chey WD et al. JAMA. 2015;313(9):

11 Doenças funcionais do intestino diagnóstico Meta-análise de biomarcadores serológicos e fecais para excluir doença intestinal inflamatória (DII) nos doentes com sintomas de SII VS não tem valor PCR de 0,5 mg/dl à < 1% de risco DII Calprotectina fecal 40 à < 1% de risco de DII Menes et al Am J Gastroenterol 2015; 110:

12 American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Brandt LJ et al. Am J Gastroente rol. 2009;104 suppl1:s1-s35. O que mudou??? Critérios de Roma III (2006) Dor abdominal recorrente > 3 dia/mês nos últimos 3 meses + 2 ou mais de Melhoria com a defecação Início associado com alterações na frequência de dejeções Início associado com alterações na forma das fezes Início dos sintomas 6 meses antes de diagnóstico

13 American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Brandt LJ et al. Am J Gastroente rol. 2009;104 suppl1:s1-s35. O que mudou??? Roma III (2006) Dor abdominal recorrente > 3 dia/mês nos últimos 3 meses + 2 ou mais de Melhoria com a defecação Início associado com alterações na frequência de dejeções Início associado com alterações na forma das fezes Início dos sintomas 6 meses antes de diagnóstico

14 American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1 Critérios de Roma IV (2016) Dor abdominal recorrente > 1 dia/semana nos últimos 3 meses Relacionada com a defecação Associado com alterações na frequência de dejeções + 2 ou mais de Associado com alterações na forma das fezes Início dos sintomas 6 meses antes de diagnóstico

15 Reforçam a hipótese de SII Duração dos sintomas (crónicos) Ausência de sinais de alarme Presença de outros distúrbios funcionais 3 tipos diferentes de fezes/semana Urgência defecatória Determinantes psicossociais American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

16 SII subtipos Critérios de Roma IV IBS with constipation (IBS C) IBS with diarrhea (IBS D) IBS with constipation/diarrhea (IBS M) IBS uncalssifiable (SII U) American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

17 Terapêutica depende da gravidade Gestão de ansiedade Fármacos Dieta Alteração do padrão de sono Diagnóstico positivo Psicoterapia Manutenção de cuidados Grave (25%) Moderada (35%) Ligeira (40%) American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

18 SII e a dieta Dieta de eliminação carbohidratos frutose FODMAP glúten American College of Gastroenterology Task Force on Irritable Bowel Syndrome; Lacy EB et al. Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

19 O que são FODMAPs? Carboidratos de fermentação rápida, pouco absorvidos e osmoticamente ativos

20

21 Biesiekierski JR et al. Am J Gastroenterol. 2011;106: Vazquez-Roque MI et al. Gastroenterology.2013;144: SII e restrição de glúten Restrição de glúten pode melhorar os sintomas em alguns doentes com SII 2 estudos prospetivos Doença celíaca excluída Melhoria sintomática global SII Intolerância ao glúten Doença celíaca

22 Terapêutica farmacológica Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

23 Terapêutica farmacológica Am J Gastroenterol. 2016;150 suppl1

24 Linaclotide (Constella ) Efeitos adversos: diarreia, dor abdominal, flatulência, distensão abdominal, cefaleia. Rao et al. Am J Gastroenterol. 2012;107:

25 Rifaximina Sem absorção sistémica Bem tolerado Efeitos adversos: cefaleias e dor abdominal 40,7 vs 31,7% Rifaximina 550 mg durante 2 semanas + 10 semanas Pimentel M et al. N Engl J Med. 2011;364:22-32

26 História: critérios clínicos Dor abdominal em média 1 dia/semana nos últimos e meses, com início dos sintomas há 6 meses, associados com as dejeções ou com alteraçãodos hábitos intestinais. + 2 dos seguintes 3 critérios: Relacionado com as dejeções e/ou associados com alteração na frequência das dejeções e/ou associado com alteração na forma das fezes + Exame objetivo (incluindo exame ano-rectal) e pesquisa de sinais de alarme, avaliação psicossocial + Hemograma e PCR/calprotectina Hábitos intestinais variáveis Urgência defecatória Se presente Colonoscopia Outras indicações para colonoscopia > 50 anos Diarreia aquosa frequente, persistente (exclusão de colite microscópica com biópsias) Ausência de resposta à terapêutica Reforçam a hipótese de SII Ausência de sintomas de alarme e risco familiar Considerar (se indicado) Função tiróideia Serologia para a doença celíaca Pesquisa de ovos e parasitas nas fezes Calprotectina fecal Normal Normal SII Duração dos sintomas Presença de outros distúrbios funcionais Determinantes psicossociais SII-O SII-D SII-M

27 z Obrigada

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr.

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Fortunato Cardoso Recife, 13 de maio de 2015 CONCEITO DIARREIA: Frequência:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença O cancro do colón e reto é um dos cancros mais comuns a nível mundial. A maioria está associada à idade avançada e a fatores dietéticos/ambientais e só uma pequena percentagem está associada a fatores

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares

Funcional - Pressão intracólica aumentada - Motilidade basal e propulsiva aumentada - Lume estreito contracções segmentares Doença Diverticular Fisiopatologia Estrutural - Parede cólica: mucosa, submucosa muscular - circular - longitudinal - Teniae coli serosa - Falsos divertículos - Hipertrofia da camada muscular: da elastina

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DA DIETOTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL. Tatiane Ribeiro Vieira dos Santos 1 Daniela de Stefani Marquez 2 Dulcelene Aparecida de Lucena freitas 3 Nayara Ferreira

Leia mais

Guia Prático MANEJO CLÍNICO DE PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE. Estado de São Paulo Divisão de Dengue e Chikungunya

Guia Prático MANEJO CLÍNICO DE PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE. Estado de São Paulo Divisão de Dengue e Chikungunya Guia Prático MANEJO CLÍNICO DE PACIENTE COM SUSPEITA DE DENGUE Divisão de Dengue e Chikungunya Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac CCD COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS Estado

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES

PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES PRINCÍPIOS PARA O CUIDADO DOMICILIAR POR PROFISSIONAIS DE NÍVEL SUPERIOR - FECALOMA: ABORDAGEM CLÍNICA, PRINCÍPIOS E INTERVENÇÕES Apresentação da Unidade Nesta unidade são abordados conceito, causas e

Leia mais

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22

Leia mais

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser?

Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Como acabar com Dor no estômago. O que pode ser? Se tratando de dor no estômago, é preciso ter seriedade, encontrar a causa é mais complicado do que se pensa. É preciso fazer uma avaliação com um especialista,

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal

Complicações na Doença Inflamatória Intestinal 1 Complicações na Doença Inflamatória Intestinal Esta é uma iniciativa do GEDIIB de favorecer o acesso dos Médicos especialistas em DII a uma forma lúdica de informar seus pacientes sobre aspectos decisivos

Leia mais

Palavras-Chave: Diarreia Aguda MAPA DE REVISÕES. Assinatura do(s) Responsável (eis) Revisão Página(s) Motivo

Palavras-Chave: Diarreia Aguda MAPA DE REVISÕES. Assinatura do(s) Responsável (eis) Revisão Página(s) Motivo Palavras-Chave: Diarreia Aguda Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Carmen Costa Aprovação Diretor do Serviço Dr. Bilhota Xavier Assinatura (s)

Leia mais

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 4º PERÍODO Semana Unidades Curriculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Módulo

Leia mais

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA Nilton C Machado. Professor Adjunto Mary A Carvalho. Professora Assistente Doutora Débora A Penatti. Médica Assistente Mestre Juliana T Dias.

Leia mais

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável DESTINATÁRIOS Médicos do Serviço de Pediatria (UP, EP, CEP) e dos Centros de Saúde da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Cármen Costa ------------------------------- Aprovação Director

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Sessão televoter anemias. Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado

Sessão televoter anemias. Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado Sessão televoter anemias Joana Martins, Manuel Ferreira Gomes António Pedro Machado Investigação do doente com anemia Anemia Anemia VS, PCR Electroforese das Hb Ferro sérico, ferritina CTFF Vitamina B12

Leia mais

Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I. Guiomar Oliveira, MD, PhD

Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I. Guiomar Oliveira, MD, PhD Criança com febre Unidade Curricular Pediatria I Guiomar Oliveira, MD, PhD 1 Sumário: Definição de febre e contextualização Fisiopatologia e clinica da febre Causas da febre Colheita história clínica Tratamento

Leia mais

Brochura de perguntas frequentes para os. Esta brochura contém informação de segurança importante sobre a utilização do medicamento.

Brochura de perguntas frequentes para os. Esta brochura contém informação de segurança importante sobre a utilização do medicamento. KEYTRUDA (pembrolizumab) Brochura de perguntas frequentes para os Profissionais de Saúde Esta brochura contém informação de segurança importante sobre a utilização do medicamento. Este medicamento está

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

MUVINLAX macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio

MUVINLAX macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio MUVINLAX macrogol 3350 + bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio APRESENTAÇÕES Pó para preparação extemporânea sabor limão. Embalagens contendo 20 sachês com 14 g cada. USO ORAL USO

Leia mais

INOVAR, FORMAR, PARA MELHOR CUIDAR PROGRAMA

INOVAR, FORMAR, PARA MELHOR CUIDAR PROGRAMA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ENDOSCOPIA DIGESTIVA INOVAR, FORMAR, PARA MELHOR CUIDAR PROGRAMA SPED WWW.SEMANADIGESTIVA.PT A Semana Digestiva 2017 (SD 2017) vai ter lugar de 7 a 10 de junho no Palácio de Congressos

Leia mais

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Caso Clínico 5 Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Apresentação do caso J.M.G.M.F. Homem, 40 anos de idade, psicólogo, casado e com 4 filhos Antecedente de enxaquecas Ex-fumador

Leia mais

Solução retal. A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas.

Solução retal. A solução é viscosa, incolor e contém pequenas bolhas de ar incorporadas. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO MICROLAX, 450 mg/5 ml + 45 mg/5 ml, Solução retal MICROLAX, 270 mg/3 ml + 27 mg/3 ml, Solução retal 2. Composição qualitativa e quantitativa

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

MUVINLAX (macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio) Libbs Farmacêutica Ltda.

MUVINLAX (macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio) Libbs Farmacêutica Ltda. MUVINLAX (macrogol 3350 + bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio) Libbs Farmacêutica Ltda. pó para preparação extemporânea (13,125 g de macrogol 3350; 0,1775 g de bicarbonato de

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia

Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia 68 Funcional Protocolo Clínico e de Regulação para Dispepsia Fernanda Fernandes Souza Andreza Corrêa Teixeira Ricardo Brandt de Oliveira Jose Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A prevalência

Leia mais

Módulo 1 ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA CÓLICA RENAL 3 OBSERVAÇÃO 4 OPÇÕES TERAPÊUTICAS

Módulo 1 ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA CÓLICA RENAL 3 OBSERVAÇÃO 4 OPÇÕES TERAPÊUTICAS ABORDAGEM E OPÇÕES TERAPÊUTICAS NO DOENTE COM LITÍASE RENAL Módulo 1 Palestrante: Dr. Luis Miguel Abranches Monteiro Urologia Moderador: Prof. Carlos Martins Medicina Geral e Familiar 01 Abril 2017 URO/2017/0010/PTp,

Leia mais

Quais os sintomas da SII?

Quais os sintomas da SII? INTRODUÇÃO A síndrome do intestino irritável é uma doença gastrointestinal funcional comum caracterizada por dor/desconforto abdominal recorrente. Pode afetar qualquer pessoa, mas principalmente mulheres,

Leia mais

Referenciação à Consulta de Reumatologia

Referenciação à Consulta de Reumatologia Referenciação à Consulta de Reumatologia O Serviço de Reumatologia do HSM é responsável pela assistência em ambulatório de doentes com patologia da sua especialidade. Contudo dada a enorme prevalência

Leia mais

Conceitos Básicos de Saúde

Conceitos Básicos de Saúde Conceitos Básicos de Saúde Maio de 2017 Elaborado pela equipa de médicos de família da USF D. Jordão Saúde OMS Estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença Doença

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

Indicações terapêuticas: Obstipação e regulação da consistência fecal.

Indicações terapêuticas: Obstipação e regulação da consistência fecal. Folheto informativo: Informação para o utilizador Agiocur 22 mg/g + 650 mg/g granulado Ispaghula, tegumentos + Ispaghula, sementes Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento,

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 5 - OMS Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde designado pelo Delegado de Saúde Regional da área do Hospital de Referência

Leia mais

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco.

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco. Seu pessoal ImuPro Screen documentos Amostra de ID: 110085 Com esta carta, você receberá seu resultado ImuPro para seu próprio teste de alergia alimentar IgG. Esse relatório laboratorial contém seus resultados

Leia mais

Benestare (policarbofila cálcica)

Benestare (policarbofila cálcica) Benestare (policarbofila cálcica) Medley Farmacêutica Ltda. comprimido revestido 625 mg Benestare policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 625 mg: embalagens com 14 e 30. USO ORAL

Leia mais

Síndrome do Intestino Irritável e Dieta com restrição de FODMAPs

Síndrome do Intestino Irritável e Dieta com restrição de FODMAPs Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Trabalho Final de Mestrado Integrado em Medicina Ano Letivo 2015/2016 Síndrome do Intestino Irritável e Dieta com restrição de FODMAPs Tatiana Filipa Santos

Leia mais

Definir critérios de diagnóstico, prognóstico e tratamento das pneumonias do adulto adquiridas em comunidade.

Definir critérios de diagnóstico, prognóstico e tratamento das pneumonias do adulto adquiridas em comunidade. TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental OBJETIVO - POPULAÇÃO ALVO Definir critérios de

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA CLÍNICA NA ABORDAGEM DA INFECÇÃO PELO H. PYLORI

ANÁLISE DA PRÁTICA CLÍNICA NA ABORDAGEM DA INFECÇÃO PELO H. PYLORI ANÁLISE DA PRÁTICA CLÍNICA NA ABORDAGEM DA INFECÇÃO PELO H. PYLORI - Estudo Pylori HEBDO - Martins, C. (1); Ribeiro, S. (1); Teixeira, C. (1); Cremers, I. (1); Medeiros, I. (2); Glória, L. (3); Vicente,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Xifaxan 200 mg comprimidos revestidos por película Rifaximina APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg

MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg MUVINOR (policarbofila cálcica) Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 500 mg MUVINOR policarbofila cálcica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos com 500 mg de policarabofila base. Embalagens com

Leia mais

Bárbara Ximenes Braz

Bárbara Ximenes Braz Bárbara Ximenes Braz Identificação Sexo masculino 26 anos Universitário Americano Queixa principal Dor abdominal há 1 semana. HDA O paciente apresentou queixa de dor latejante, constante há uma semana,

Leia mais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais

26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais 26ª Reunião, Extraordinária Comissão de Assuntos Sociais Dr. Sandro José Martins Coordenador Geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas Diretoria de Atenção Especializada e Temática Secretaria de

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. 1. O QUE É Lactulose Pharmakern E PARA QUE É UTILIZADO

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. 1. O QUE É Lactulose Pharmakern E PARA QUE É UTILIZADO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lactulose Pharmakern 666,7 mg/ml Xarope Lactulose, líquida Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode

Leia mais

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax Rua do Platão nº. 147 Zambujal 2785 698 São Domingos de Rana Tel. 214 549 200 Fax. 214 549 208 E-mail: anea@anea.org.pt PONTO DE VISTA DE UMA ASSOCIAÇÃO DE DOENTES A ESPONDILITE ANQUILOSANTE, O QUE É?

Leia mais

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al.

17/10/2010. Você tem certeza que isso é suficiente? Mirtallo et al., 2004; Sriram & Lonchyna, 2009; Visser, ANVISA, 2005; DRI Otten et al. ESTRATÉGIAS PARA OTIMIZAR OS BENEFÍCIOS E MINIMIZAR OS RISCOS EM TN Aporte de vitaminas e minerais e Minerais: O Excesso e a Falta na Recuperação do Paciente Helena Sampaio Você tem certeza que isso é

Leia mais

VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA

VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA VÔMITO CONDUTA DIAGNÓSTICA INTRODUÇÃO O vômito está entre os motivos mais comuns de cães serem levados ao médico veterinário. O ato de vomitar envolve três fases: náusea, ânsia de vômito e vômito. Existem

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Diagnóstico da Sindrome do Intestino Irritável?

Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Diagnóstico da Sindrome do Intestino Irritável? Existe Importância na Utilização de Exames de Fisiologia Ano Retal no Is There Importance in the Use of Anorectal Physiologic Tests in the Diagnosis of the Irritable Bowel Syndrome? MARIA AUXILIADORA PROLUNGATTI

Leia mais

RECTAL PAROXYSTICAL PAIN

RECTAL PAROXYSTICAL PAIN RECTAL PAROXYSTICAL PAIN RUTE GONÇALVES SERVIÇO DE PEDIATRIA HOSPITAL DR. NÉLIO MENDONÇA DOR RECTAL Obstipação Fissuras e Abcessos perianais Causas Funcionais D. Hemorroidária Proctite Infecciosa Proctite

Leia mais

Hepatite alcoólica grave: qual a melhor estratégia terapêutica

Hepatite alcoólica grave: qual a melhor estratégia terapêutica Hepatite alcoólica grave: qual a melhor estratégia terapêutica Liana Codes, PhD Hospital Universitário Prof. Edgard Santos, UFBA Unidade de Gastroenterologia e Hepatologia do Hospital Português, Salvador

Leia mais

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Anexo III Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e folheto informativo Nota: Este Resumo das Características do Medicamento, rotulagem e folheto informativo é o resultado

Leia mais

Cancro do cólon e recto. - Estratégia de prevenção e vigilância -

Cancro do cólon e recto. - Estratégia de prevenção e vigilância - XXII Reunião Anual do N.G.H.D Cancro do cólon e recto - Estratégia de prevenção e vigilância - Luísa Glória Hospital de Santarém, EPE Estratégia de prevenção e vigilância Rastreio de CCR Avaliação de indivíduos

Leia mais

Síndrome do intestino irritável: uma Perspectiva Mundial

Síndrome do intestino irritável: uma Perspectiva Mundial World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines Síndrome do intestino irritável: uma Perspectiva Mundial Atualizado em setembro de 2015 Equipe de revisão Eamonn M.M. Quigley EUA (Coordenador) Michael

Leia mais

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e:

SUS A causa mais comum de estenose benigna do colédoco e: USP - 2001 89 - Paciente de 48 anos, assintomática, procurou seu ginecologista para realizar exame anual preventivo. Realizou ultra-som de abdome que revelou vesícula biliar de dimensão e morfologia normais

Leia mais

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho:

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho: Carta Aberta Estimada professora do meu filho: Eu não sou paranóica! Juro que não sou Realmente, eu gostava, quando ele tem manchas na pele, tem tosse ou borbulhas, de pensar que é apenas e apenas isso.

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

Giardíase Giardia lamblia

Giardíase Giardia lamblia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Itaqui Curso de Nutrição Parasitologia Giardíase Giardia lamblia Mestrando : Félix Munieweg felix_muniewe@hotmail.com Classificação taxonômica G. lamblia G. intestinalis

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Transplante fecal na Diarreia Associada ao Clostridium difficile e perspetivas futuras Jorge Fonseca

Transplante fecal na Diarreia Associada ao Clostridium difficile e perspetivas futuras Jorge Fonseca na Diarreia Associada ao Clostridium difficile e perspetivas futuras Jorge Fonseca Curso Anual de Gastrenterologia e Endoscopia Digestiva para Enfermeiros O fim da 2.ª Guerra Mundial trouxe não só a Paz

Leia mais

Workshops 06 de abril de 2017

Workshops 06 de abril de 2017 Workshops 06 de abril de 2017 Workshop 1 Ultra-Sonografia em Assoalho Pélvico / Pelvic Floor US Workshop Coordenador: Dr. Arceu Scanavini Neto Dia e horário: 06 de abril de 2017 08h00 as 16h30 Carga horária:

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

Guia Prático para o Manejo dos Efeitos Adversos de PegIntron

Guia Prático para o Manejo dos Efeitos Adversos de PegIntron Guia Prático para o Manejo dos Efeitos Adversos de PegIntron Practical Guidelines of Toxicity Management Rafael Schmerling Hospital São José Beneficência Portuguesa de São Paulo Peg-Interferon Primário

Leia mais

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787 de 1999. APRESENTAÇÃO Comprimidos 40mg: embalagem contendo 20 ou 500 (Embalagem Hospitalar)

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004)

CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALEIAS (IHS 2004) ENXAQUECAS Enxaqueca sem aura De acordo com a IHS, a enxaqueca sem aura é uma síndroma clínica caracterizada por cefaleia com características específicas e sintomas

Leia mais

91 10 dias após. 96,1 7 e 14 dias após. 96,6 12 dias após dias após

91 10 dias após. 96,1 7 e 14 dias após. 96,6 12 dias após dias após Tabela 1: Giardíase - relação dos s. Parasita Fármaco Esquema Terapêutico Taxa de cura (%) > 98-7 86 14 ; 72 21 Tinidazol 50mg/Kg dose única 91 10 Giardia lamblia 92,6 7 e 14 96,1 7 e 14 96,6 12 80 16

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Mucosolvan 30 mg Comprimido cloridrato de ambroxol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

REVISTA DOENÇA CELÍACA

REVISTA DOENÇA CELÍACA DOENÇA CELÍACA Kerolainy Santos Gonçalves Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Natalia Cristina Barbosa de Abreu Graduanda em Nutrição, Faculdade Integradas de Três Lagoas

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Influenza (gripe) 05/07/2013

Influenza (gripe) 05/07/2013 Influenza (gripe) 05/07/2013 O que é? Doença infecciosa aguda Vírus Influenza A e B Sazonal (outono e inverno) Incubação: 1 a 4 dias Transmissibilidade: Adultos: 24h antes dos sintomas e 24h após febre

Leia mais

Osteomielite Crónica Recorrente Multifocal (OCRM)

Osteomielite Crónica Recorrente Multifocal (OCRM) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Osteomielite Crónica Recorrente Multifocal (OCRM) Versão de 2016 1. O QUE É A OCRM 1.1 O que é? A Osteomielite Crónica Recorrente Multifocal (OCRM) é frequentemente

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

6º Período - Fisioterapia PUC Minas - Belo Horizonte

6º Período - Fisioterapia PUC Minas - Belo Horizonte 6º Período - Fisioterapia PUC Minas - Belo Horizonte COMO POSSO SABER SE A CRIANÇA TEM ALGUM DISTÚRBIO MICCIONAL? VENHA CONOSCO PARA CONHECER UM POUCO MAIS... CAROLINA KESSEN, DANIEL HENRIQUE, DOUGLAS

Leia mais

CASO CLÍNICO. Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012

CASO CLÍNICO. Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012 CASO CLÍNICO Clara Mota Randal Pompeu Faculdade de Medicina - UFC Programa de Educação Tutorial Agosto/2012 Masc., 15 anos. QP: dor abdominal e diarréia HDA: Paciente era hígido até 8 meses antes, quando

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

PYR-PAM UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. DRÁGEA 100 MG

PYR-PAM UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. DRÁGEA 100 MG PYR-PAM (PAMOATO DE PIRVÍNIO) UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. DRÁGEA 100 MG I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PYR-PAM pamoato de pirvínio FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Drágea 100 mg: cartucho

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UniRV NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV O Reitor da UniRV, no uso de suas atribuições legais, na forma do que dispõe

Leia mais

Com o aval científico da: Informação também disponível em

Com o aval científico da: Informação também disponível em Com o aval científico da: Informação também disponível em www.spgp.pt. Serviço Educacional Edição: Brinda HealthCare C/ Valentín Beato 11, 3ºB 28037 Madrid www.brindacm.com Desenho e ilustrações: Equipa

Leia mais

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006

COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA ANDRÉ DE MORICZ CURSO CONTINUADO DE CIRURGIA PARA REWSIDENTES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES 2006 COLECISTITE AGUDA OBJETIVOS 1- Introdução - incidência -definição 2- Etiopatogenia

Leia mais