Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9"

Transcrição

1 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22 Fundamentação teórica...23 Papéis de enfermagem e educação...24 Perspectivas legais...25 Perspectivas éticas...26 Perspectivas culturais...27 O futuro da enfermagem...27 Referências...29 Websites O processo de enfermagem...31 Visão geral...32 Investigação...33 Tipos de investigação...33 Coleta de dados...34 Diagnóstico...36 Definição...37 Processo diagnóstico...37 Taxonomia de diagnósticos de enfermagem da NANDA...38 Planejamento...40 Priorização de diagnósticos...40 Resultados esperados e critérios de resultados...40

2 12 Sumário Intervenções de enfermagem...41 Planos de cuidados de enfermagem...43 Implementação...44 Avaliação...44 Avaliação individual do paciente...44 Avaliação em nível organizacional...46 Conclusão...46 Referências...48 Websites...49 PARTE II Princípios fundamentais dos cuidados de enfermagem 3 Comunicação e documentação...53 Visão geral...54 Comunicação...54 Princípios básicos...54 Enfermagem e processo de comunicação...56 Documentação...59 Objetivo da documentação...59 Princípios da documentação...60 Métodos de documentação...62 Relatório...64 Conclusão...65 Referências Avaliação dos sinais vitais...69 Visão geral...70 Temperatura...72 Termorregulação...72 Variações de temperatura...73 Dicas de procedimentos...73 Pulso...75 Características do pulso...75 Dicas de procedimentos...77 Respirações...78 Características respiratórias...78 Dicas de procedimentos...79 Pressão arterial...81 Variações de pressão arterial...81 Dicas de procedimentos...81 Documentação de sinais vitais...82 Conclusão...84 Referências...86 Websites...86

3 Sumário 13 5 Avaliação da saúde...87 Visão geral...88 História de enfermagem...88 Componentes da história...89 Exame físico...91 Técnicas gerais...91 Preparação para o exame...94 Realização do exame...98 Conclusão Referências Administração de medicação Visão Geral Princípios farmacológicos básicos Farmacocinética Farmacodinâmica Diretrizes legais para administração de medicação Princípios de administração de medicação Paciente certo Medicamento certo Dose certa Via certa Horário certo Documentação certa Processo de enfermagem e administração de medicação Investigação Diagnóstico de enfermagem Planejamento Implementação Avaliação Conclusão Referências Websites Segurança Visão Geral Controle de infecção Ciclo de infecção Estratégias de controle de infecção Assepsia Promoção da saúde Prevenção de lesões e segurança Prevenção de lesões: orientações gerais Prevenção de lesões no ambiente de cuidados de saúde Conclusão Referências Websites...143

4 14 Sumário PARTE III Atendimento das necessidades humanas básicas 8 Integridade da pele Visão geral Estrutura e fisiologia da pele Fatores que influenciam a função da pele Idade Nutrição e hidratação Higiene Ambiente Desvios de saúde Processo de enfermagem e integridade da pele Investigação Diagnóstico de enfermagem Planejamento e implementação Promoção da saúde Prevenção de comprometimento da pele dos pacientes em risco Intervenções para integridade da pele prejudicada Avaliação Conclusão Referências Websites Atividade e mobilidade Visão geral Fisiologia da mobilidade Fatores que influenciam a mobilidade Efeitos da imobilidade O processo de enfermagem e a mobilidade Investigação Diagnósticos de enfermagem Planejamento Implementação Promoção da saúde Intervenções restaurativas Avaliação Conclusão Referências Websites Sensorial e cognitivo Visão geral Fisiologia da função sensorial e cognitiva Recepção sensorial Processamento cognitivo dos estímulos Componentes cognitivos Fatores que influenciam a função sensorial e cognitiva Idade...178

5 Sumário 15 Ambiente Estilo de vida e experiências anteriores Cultura, valores e crenças Desvios de saúde Medicamentos Alteração da função sensorial e cognitiva Alterações sensoriais Alterações cognitivas Processo de enfermagem e função sensorial e cognitiva Investigação Diagnóstico de enfermagem Planejamento e implementação Intervenções para deficiência cognitiva Conclusão Referências Websites Sono e conforto Visão geral Sono e repouso Fisiologia do sono Fatores que influenciam o sono e o repouso Efeitos dos distúrbios do sono O processo de enfermagem e distúrbios do sono/repouso Dor e conforto Fisiologia da dor Tipos de dor Fatores que influenciam o conforto e a dor O processo de enfermagem e a dor Conclusão Referências Websites Oxigenação Visão geral Fisiologia da oxigenação Fatores que influenciam a oxigenação Fatores fisiológicos Idade e estágio do desenvolvimento Fatores ambientais Dieta Estilo de vida Alterações de saúde Alterações na oxigenação Processo de enfermagem e oxigenação Investigação Diagnósticos de enfermagem Planejamento Implementação Avaliação...234

6 16 Sumário Conclusão Referências Websites Nutrição Visão geral Fisiologia da nutrição Nutrientes Processo digestório Fatores que influenciam a nutrição Idade e estágio do desenvolvimento Estilo de vida e cultura Alterações de saúde e intervenções terapêuticas Processo de enfermagem e nutrição Investigação Diagnósticos de enfermagem Planejamento e implementação Avaliação Conclusão Referências Websites Equilíbrio hídrico, eletrolítico e acidobásico Visão geral Fisiologia da regulação hídrica, eletrolítica e acidobásica Líquidos Eletrólitos Equilíbrio acidobásico Fatores que influenciam o equilíbrio hidreletrolítico e acidobásico Ingestão de alimentos e líquidos Fármacos Alterações na saúde Idade Alterações no equilíbrio hidreletrolítico e acidobásico Desequilíbrios hídricos Desequilíbrios eletrolíticos e acidobásicos Processo de enfermagem e o equilíbrio hídrico, eletrolítico e acidobásico Investigação Diagnóstico de enfermagem Planejamento Intervenções de enfermagem Avaliação Conclusão Referências Websites Eliminação urinária Visão geral Fatores que influenciam a eliminação urinária Idade e estágio do desenvolvimento...294

7 Sumário 17 Dieta e ingestão de líquidos Fatores psicossociais Alterações de saúde Intervenções clínicas e cirúrgicas Alterações na eliminação urinária Retenção urinária Incontinência urinária Infecções do trato urinário Desvios urinários Processo de enfermagem e eliminação urinária Intervenções de enfermagem Conclusão Referências Websites Eliminação intestinal Visão Geral Fatores que influenciam a eliminação intestinal Idade e estágio do desenvolvimento Dieta e ingestão de líquidos Atividade e exercícios Fatores psicossociais Intervenções clínicas e cirúrgicas Alterações na eliminação intestinal Constipação Impactação Diarreia Incontinência fecal Flatulência Desvios intestinais Processo de enfermagem e eliminação intestinal Investigação Diagnósticos de enfermagem Planejamento Implementação Conclusão Referências Websites Necessidades psicossociais Visão geral Autoconceito Componentes do autoconceito Fatores de influência Alterações no autoconceito Famílias, papéis e relacionamentos Fatores de influência Alterações nos papéis e relações Sexualidade humana Conceitos básicos...334

8 18 Sumário Fatores de influência Alterações na sexualidade Espiritualidade Fatores de influência Estresse, perda, luto e enfrentamento Estresse e enfrentamento Perda e luto Processo de enfermagem e o atendimento das necessidades psicossociais Investigação Diagnósticos de enfermagem Planejamento Implementação Conclusão Referências Websites Exame final Índice...361

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Ensino Técnico Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

PARTE 1 MUDANÇAS NA TERMINOLOGIA DA NANDA INTERNATIONAL 1 Introdução 3 T. Heather Herdman, RN PhD FNI

PARTE 1 MUDANÇAS NA TERMINOLOGIA DA NANDA INTERNATIONAL 1 Introdução 3 T. Heather Herdman, RN PhD FNI Sumário PARTE 1 MUDANÇAS NA TERMINOLOGIA DA NANDA INTERNATIONAL 1 Introdução 3 T. Heather Herdman, RN PhD FNI O que é novo na edição 2015-2017 do livro Diagnósticos e classificação? 4 Agradecimentos 4

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III PLANO DE CURSO

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR III Código: ENF 205 Pré-requisito: ENF-

Leia mais

Introdução Diretrizes da NANDA International para permissão de copyright Introdução... 41

Introdução Diretrizes da NANDA International para permissão de copyright Introdução... 41 Sumário Introdução... 33 Diretrizes da NANDA International para permissão de copyright... 37 PARTE 1 A Taxonomia da NANDA International Introdução... 41 T. Heather Herdman Colaboradores da Taxonomia dos

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO

CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 PLANO DE ENSINO CURSO: ENFERMAGEM NOITE - BH SEMESTRE: 2 ANO: 2012 C/H: 60 DISCIPLINA: ENFERMAGEM NA SAUDE DO ADULTO I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: Estudar o estado de doença do indivíduo em sua fase adulta. Intervir adequadamente

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Áreas de investigação Edital Normativo 03/2014 A Comissão de Pós-Graduação da Escola de Educação Física, conforme disposto no subitem VIII.11 do Regulamento da Comissão Coordenadora do Programa, baixado

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de HSCG - 11ºano 2015/16 Turma: K Professora: Maria de Fátima Martinho 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Higiene,

Leia mais

Carla Kowalski Marzari

Carla Kowalski Marzari Carla Kowalski Marzari CONSULTA DE ENFERMAGEM Lei do Exercício Profissional A consulta de enfermagem (CE) é uma atividade específica do enfermeiro, conforme decreto Lei n.º 94406 de junho de 1987, sendo

Leia mais

TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO

TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO TRATAMENTO DE FERIDAS E VIABILIDADE TECIDULAR (MAR 2016) PORTO A gestão e tratamento de feridas é um processo complexo e exige a intervenção de uma equipa multidisciplinar. É essencial que os profissionais

Leia mais

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

ERGONOMIA EM ODONTOLOGIA

ERGONOMIA EM ODONTOLOGIA Curso ERGONOMIA EM A GRAMÁTICA EM FUNÇÃO DO TEXTO TOMOGRAFIA CONE BEM APLICADA A ESTRATÉGIAS PARA PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE TRATAMENTO ORTODÔNTICO Técnicas de Biologia Molecular

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Professores: Fabiano Mendes de Menezes e Lívia Fernanda Ferreira Deodato. e-mail: fmmenezes_2@yahoo.com.br

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA E COMPLEMENTAR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO EMENTÁRIO E E COMPLR DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENFERMAGEM 5º PERÍODO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO Assistência de Enfermagem sistematizada a clientes adultos e idosos em

Leia mais

III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO AVALIAÇÃO INICIAL

III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO AVALIAÇÃO INICIAL III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO 26 DE OUTUBRO DE 2012 UCF Materno-Neonatal BM2 CONSULTA DE ENFERMAGEM - TÓPICOS DE REFERÊNCIA AVALIAÇÃO INICIAL Identificação da utente; - Altura (cm) -

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UniRV NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV O Reitor da UniRV, no uso de suas atribuições legais, na forma do que dispõe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL 002/2011 E SEUS ANEXOS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE A PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA, ESTÁGIO OU TRABALHO DE GRADUAÇÃO-2016/1

PROGRAMA DE DISCIPLINA, ESTÁGIO OU TRABALHO DE GRADUAÇÃO-2016/1 PROGRAMA DE DISCIPLINA, ESTÁGIO OU TRABALHO DE GRADUAÇÃO-2016/1 CAMPUS: CURSO: ENFERMAGEM E OBSTRETÍCIA HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: ENFERMAGEM IDENTIFICAÇÃO: 26 CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO

Leia mais

LOCAL DO CURSO: IFPB - CAMPUS PRINCESA ISABEL

LOCAL DO CURSO: IFPB - CAMPUS PRINCESA ISABEL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO

Leia mais

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116 Sumário Detalhado PARTE I Gerenciamento de riscos 21 Capítulo 1 Técnicas de condicionamento 22 A relação entre os fisioterapeutas esportivos e os preparadores físicos 23 Princípios do condicionamento 23

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

PROCESSO DE ENFERMAGEM

PROCESSO DE ENFERMAGEM PROCESSO DE ENFERMAGEM PROCESSO DE ENFERMAGEM: São ações sistematizadas e inter-relacionadas, visando a assistência ao ser humano. É UMA FORMA DE PRESTAR CUIDADOS DE ENFERMAGEM DE FORMA SISTEMÁTICA, RENTÁVEL,

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Componente: Teórica AULA n.º: 1 Turno n.º: 0 Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 Dia 16-09-2014 das 14:00 às 17:00 Local: SJ2C25 - Auditório Nutrição

Leia mais

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes:

As profissões regulamentadas por lei de que trata o parágrafo único, do art. 3º do Regulamento do PROASA são as seguintes: Cartilha O PROASA consiste em disponibilizar aos beneficiários dos planos médico-hospitalares, serviços de Nutricionista e Terapia Ocupacional para atendimento em consultório, bem como, profissionais da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIENCIAS BIOLOGICAS 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Departamento / Setor Departamento de Ciências Fisiológicas Nome da Disciplina FISIOLOGIA HUMANA E

Leia mais

PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM

PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS FILIAL EBSERH PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM Divisão de Enfermagem Serviço de Educação em Enfermagem Enf.ª Ma. Aldenôra Laísa P. Carvalho Cordeiro

Leia mais

A ABORDAGEM HOLÍSTICA DO CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DOENÇA A DE HUNTINGTON

A ABORDAGEM HOLÍSTICA DO CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DOENÇA A DE HUNTINGTON A ABORDAGEM HOLÍSTICA DO CUIDADO DE ENFERMAGEM NA DOENÇA A DE HUNTINGTON Introdução Quando o indivíduo duo se encontra doente, ele pode aceitar ou pode ser imposto um papel dependente. Nessas condições,

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR

HORÁRIOS DE AULAS PARA O ANO LETIVO 2016 CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA - NOVA ESTRUTURA CURRICULAR 4 O. ANO 1 O. SEMESTRE MATUTINO/VESPERTINO - TURMA A 8h00 10h00 10h15 12h15 Psicodiagnóstico: Fundamentos Teóricos e Técnicos Vínculos Amorosos, Conjugalidade e Arranjos Familiares no Contemporâneo Thassia

Leia mais

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em Atualizado em 15.03.2016 Boletim Interno nº 05/2016 1 1. GERAL REITORIA Vice-Reitoria Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Pró-Reitoria

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 horas

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA. CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 horas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR: BACHARELADO

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica)

Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica) Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica) Área de Formação: 729. Serviços de Saúde O Técnico Auxiliar de Saúde, vulgarmente designado por Auxiliar de Ação Médica, é o profissional capacitado

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2011/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2011/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Contabilidade Básica I Contabilidade Básica II Economia (Semipresencial) Economia Brasileira e Contemporânea (Semipresencial) Estágio Supervisionado I Estágio Supervisionado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E MARKETING ESPORTIVO Pres Ed. Física ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRIGENÔMICA: IMPLICAÇÕES PRÁTICAS NA NUTRIÇÃO CLÍNICA E ESPORTIVA

ADMINISTRAÇÃO E MARKETING ESPORTIVO Pres Ed. Física ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRIGENÔMICA: IMPLICAÇÕES PRÁTICAS NA NUTRIÇÃO CLÍNICA E ESPORTIVA Curso Modalida de Área ADMINISTRAÇÃO E MARKETING ESPORTIVO Pres Ed. Física ALIMENTOS FUNCIONAIS E NUTRIGENÔMICA: IMPLICAÇÕES PRÁTICAS NA NUTRIÇÃO CLÍNICA E ESPORTIVA Pres Nutrição ANÁLISES E PROJETOS DE

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos.

DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12. - Processo de trabalho em enfermagem/registros. - Crescimento e desenvolvimento na criança até 2 anos. DATA/TURNO CANDIDATO TEMAS DIA 05/11/12 MANHÃ RENATA MARIA MEDEIROS FREITAS BARBOSA ANDRÉA CLÁUDIA CAMPÊLO MACIEL TERESA KARINY PONTES BARROSO GIRLIANE SILVA DE SOUSA VANESSA DIAS DA SILVA RITA VIANA GOMES

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório 4

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Anexo III Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Nota: As alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia 30 10 40 horas coletivos/ basquete individuais/ atletismo Fundamentos sócioantropológicos Anatomia Humana 40 40 80 horas

Leia mais

REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO

REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO REGISTOS de ENFERMAGEM SUA EVOLUÇÃO Laurinda Miranda Março 2015 Florence Nightingale assumia a importância dos registos e a necessidade de os preservar no sentido de que essa documentação refletisse as

Leia mais

MODELO DE ENFERMAGEM ROPER- LOGAN-TIERNEY: COMER E BEBER/ELIMINAR/HIGIENE

MODELO DE ENFERMAGEM ROPER- LOGAN-TIERNEY: COMER E BEBER/ELIMINAR/HIGIENE Disciplina: Introdução à Ciência da Enfermagem e as Bases Filosóficas do Cuidar MODELO DE ENFERMAGEM ROPER- LOGAN-TIERNEY: COMER E BEBER/ELIMINAR/HIGIENE PESSOAL E VESTIR-SE Prof. Ms. Diego Jorge Maia

Leia mais

A Farmácia no Sistema de Saúde

A Farmácia no Sistema de Saúde A Farmácia no Sistema de Saúde João Silveira 24 de Abril de 2008 A Farmácia O Farmacêutico O Medicamento O Doente Farmacêuticos - Competências 1. I&D, fabrico, qualidade, registo, distribuição e dispensa

Leia mais

CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO

CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO CAPITULOS ESCRITOS EM LIVRO 1. COMA TRATAMENTO - ED. PRADO, F.C., RAMOS,J., VALLE, J.R. EDITORA ARTES MEDICAS - 1993 - SAO PAULO - PAG. 1110-12 2. MOLESTIA HIPERTENSIVA ESPECIFICA DA GRAVIDEZ ( MHEG )

Leia mais

BACHARELADO EM ENFERMAGEM

BACHARELADO EM ENFERMAGEM BACHARELADO EM ENFERMAGEM PRIMEIRO PERÍODO LETIVO Comunicação Oral e Produção de Textos Científicos PRÉ REQUIITO EQUIVALÊNCIA 04 80 1.Português Instrumental 2.Português Instrumental para Produção de Textos

Leia mais

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP Queaofinaldaaulavocêsejacapazde: Discorrer sobre a definição e etapas do processo de enfermagem Descrever ações

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

Enfª Élida Pereira Cabral.

Enfª Élida Pereira Cabral. Enfª Élida Pereira Cabral enfermradioterapia.hc1@inca.gov.br PRINCIPAIS DIAGNÓSTICOS DE NA ÁREA DE RADIOTERAPIA principais diagnósticos de enfermagem na área de radioterapia SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini Bexiga Neurogênica por TRM Alfredo Felix Canalini TRM Mortalidade 1 a guerra 80% Morton (1901) Elsberg (1913) Ludwig Guttmann 1939 1944 (Trueta) 1948 Donald Munro (1947) 2 a guerra 45% Guerra da Coréia

Leia mais

EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda

EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda EDITOR: Ana Forjaz de Lacerda 1ª edição Dezembro 2010 COLABORADORES Ana Forjaz de Lacerda Assistente Hospitalar Graduada, Serviço de Pediatria IPOLFG, EPE Carla Costa Enfermeira Graduada, Serviço de Pediatria

Leia mais

Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração homologada pela Resolução nº 36 CONSEPE, de 12/12/2008).

Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração homologada pela Resolução nº 36 CONSEPE, de 12/12/2008). MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUÇÃO EM NUTRIÇÃO Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação... 40

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação... 40 Língua Portuguesa Ortografia oficial... 19 Acentuação gráfica... 29 Flexão nominal e verbal... 32 Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação... 40 Emprego de tempos, modos e aspectos verbais...

Leia mais

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Ernestânia Chaves Semana no modulo 1a semana 2a semana 3a semana 4a semana Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 05/08/14

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE JANEIRO DE 2013. REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 12/2015-CEPE/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Fisioterapia Traumato-Ortopédica Funcional, modalidade modular,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER

ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA EM SAÚDE DA MULHER INSTITUTO CENTRAL Hospital das Clínicas da Faculdade da Medicina da Universidade de São Paulo Av. Enéas de Carvalho Aguiar n.º 255 CEP 05403-900 São Paulo Brasil ANEXO 1 ESPECIALIZAÇÃO DE FISIOTERAPIA

Leia mais

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão)

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão) Motivo de admissão Controlo sintomas Terminal Descanso Admitido por: DADOS DE ADMISSÃO DO DOENTE DATA DE ADMISSÃO : / / DIAGNÓSTICO PRINCIPAL: METÁSTASES: PROVENIÊNCIA: OUTRAS DOENÇAS RELEVANTES : 1. 2.

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

FACULDADE VERDE NORTE - FAVENORTE

FACULDADE VERDE NORTE - FAVENORTE ESTRUTURA CURRICULAR DE ENFERMAGEM 1º PERÍODO INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM 40 00 40 33:20 ANTROPOLOGIA/SOCIOLOGIA 80 00 80 66:40 FUNDAMENTOS DA SAÚDE 60 00 60 50:00 PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA PESP I METODOLOGIA

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: M 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg Nome do medicamento: LUFTAL MAX Forma farmacêutica: cápsulas Concentrações: 125 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas de 125 mg em embalagem com 10 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013 CURSO: BIOFÍSICA FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST MINISTRANTE: Prof. Drª. Adriana Leandro Camara PÚBLICO ALVO: Alunos da área de saúde: Cursos de Fisioterapia,Nutrição,Terapia Ocupacional,Fonoaudiologia,Enfermagem,Farmácia,Odontologia

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta Aula 2 Partes Interessadas Rosely Gaeta Definição São os indivíduos e grupos capazes de afetar e serem afetados pelos resultados estratégicos alcançados e que possuam reivindicações aplicáveis e vigentes

Leia mais

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel

Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde. Claudia Witzel Determinantes do processo saúde-doença. Identificação de riscos à saúde Claudia Witzel CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA Saúde pode ser definida como ausência de doença Doença ausência de saúde... Saúde é um

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 02/2016 Belo Horizonte, 26 de Janeiro de 2016 GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane Cordeiro Júnior Diretora Maria do Carmo Paixão Rausch Equipe técnica: Cíntia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Morfofisiológica e Comportamento Humano Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais. Comunicação e

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE

1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Título 1. DIVULGAÇÃO DA CARTA DOS DIREITOS DOS USUÁRIOS DO SUS: UM RELATO DE DO PET URGÊNCIA E EMERGÊNCIA NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE Classificação 2.SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM E OS MODELOS ORGANIZACIONAIS:

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO

SEÇÃO 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO SEÇÃO 1 Capítulo 1 IMPORTÂNCIA DO ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E DE SUA PREVENÇÃO 1 Epidemiologia da prevenção do acidente vascular cerebral e urgência do tratamento 2 Introdução / 2 Incidência e prevalência

Leia mais

Sistemas e Serviços de Saúde Plano Nacional de Saúde, Dados Isabel de Souza 2. Isabel de Souza 09 às 13

Sistemas e Serviços de Saúde Plano Nacional de Saúde, Dados Isabel de Souza 2. Isabel de Souza 09 às 13 Posgraduação em Fisioterapia na Saúde da mulher_015 Ano 015 Inicio 16 de janeiro Fim 8 de novembro Mês Dias Introdução e Temas Complementar es à Saúde da Mulher : Sistemas de saúde, Gestão e marketing

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 022/2012-CONSU/UEAP Aprova a matriz curricular do Curso de Especialização em Educação Especial. A Presidente do Conselho Superior

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO O Acompanhamento da Pessoa Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO: O ACOMPANHAMENTO DA PESSOA CATETERISMO CARDÍACO Prática clínica baseada na evidência

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

Organizar a Consulta de Pé Diabético. Ana Luisa Marques da Costa

Organizar a Consulta de Pé Diabético. Ana Luisa Marques da Costa Organizar a Consulta de Pé Diabético Ana Luisa Marques da Costa Se doente diabético, com problema no pé,deve ter acesso a cuidados do pé, por uma equipa multidisciplinar. Avaliação por equipa multidisciplinar

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Fisiologia Humana Código: FAR - 308 Pré-requisito: Anatomia I Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional.

Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Avenida das Acácias, 60, Jardim Pérola D Oeste, 85012-130 Telefone: (42) 3623 3394 / 36235954 Guarapuava / NRE:

Leia mais

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular PARECER TÉCNICO COREN-MA-CPE Nº 20/2015 ASSUNTO: Atendimento de Enfermagem particular em domicilio. 1. Do fato Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG370 Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente

Programa Analítico de Disciplina EFG370 Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE

RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE RESUMO DO PROJETO DE RE-ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SAÚDE/ENFERMAGEM PRÓ-SAÚDE Trata-se de um projeto que procurou implementar a proposta curricular organizado por competência, implantada no Curso de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC DOUTORA RUTH CARDOSO, SÃO VICENTE. Modelo 3C PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 194/10/2016 de 10/06/2016. Processo n 3818/2016 AVISO

Leia mais

Exposição de Motivos

Exposição de Motivos PL /2016 2016.07. Exposição de Motivos O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridades aperfeiçoar a gestão dos recursos humanos e a motivação dos profissionais

Leia mais