MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável"

Transcrição

1 DESTINATÁRIOS Médicos do Serviço de Pediatria (UP, EP, CEP) e dos Centros de Saúde da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Cármen Costa Aprovação Director do Serviço Bilhota Xavier MAPA DE REVISÕES Revisão Página Motivo Data Responsável P0.PED Data: Maio 2006 Página 1 de 7

2 Introdução: Define-se como um aumento da frequência e/ou volume das fezes e diminuição da consistência das fezes: Frequentemente associa-se a vómitos, febre, dor abdominal e recusa alimentar. É auto-limitada, tem uma duração média de 3 a 5 dias, mas pode prolongar-se até 7 dias. Corresponde a um desequilíbrio a nível dos processos de absorção/secreção do intestino e tem como principal risco na criança a desidratação. Causa de elevada morbilidade e mortalidade no mundo é a principal causa de morte, nos países em desenvolvimento e no 1º ano de vida, quando a mãe não amamenta. Etiologia: 50-80% dos casos é viral, sendo a agente mais frequente o Rotavírus. Em 5-10% é bacteriana e neste grupo o agente mais frequente é a Salmonella não- tiphy. 1% de causa parasitária. Diagnóstico: A causa infecciosa é a mais frequente em idades pediátricas, mas importa considerar outras causas de diarreia aguda no diagnóstico diferencial. Causas Cirúrgicas Doença sistémica Inflamatória Alimentar Malabsorção Medicamentosa Idiopática Exemplo Apendicite, invaginação, S. Intestino curto Endócrina (hipertiroidismo), imunodeficiência Doença inflamatória intestinal, D. Hirschprung Alergia ou intolerância alimentar (lactose, HPLV) Fibrose quística, Doença celíaca Antibióticos, colite pseudomembranosa Síndrome de cólon irritável* * frequente em criança ainda com fralda, com restos alimentares nas fezes e com bom estado geral e boa evolução ponderal P0.PED Data: Maio 2006 Página 2 de 7

3 Avaliação clínica: 1º passo: Determinar o grau de desidratação Pesar! Ligeira Moderada Severa** % perda de peso < Estado geral Bom, alerta Irritado Prostrado Sede Normal Sedento Dificuldade beber Olhos Normais Encovados Mto encovados Mucosas Húmidas Secas Mto secas Pele S/ prega cutânea Pregacutânea(Pc) Pc acentuada Dens urinária < >1030 **sinais de colapso: pulso filiforme, extremidades frias/ pele marmoreada, tempo de recoloração cutânea >2seg 2º passo: Explicar o perfil da doença aos pais e tranquilizar. Terapêutica: 1º ponto : Iniciar rehidratação Solução hidroelectrolítica de rehidratação oral (SRO) o Pressupõe a existências de mecanismos de absorção intactos e baseia-se no co-transporte entre glicose e sódio. OMS desenvolve em 1975 a primeira SRO com 90 mmol/l de Na, dirigidos a epidemias de cólera. o Actualmente sabe-se que nos países desenvolvidos a diarreia aguda está associada a perda de sódio entre 30 a 60 mmol/l. Em 1989 a ESPGAN (European Society of Pediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition) recomenda para os países desenvolvidos SRO com 60 mmol/l P0.PED Data: Maio 2006 Página 3 de 7

4 Soluções de Rehidratação Oral (SRO): OMS ESPGHAN Dioralyte Miltina Na ( mmol/l) K (mmol/l) Glicose Osmolaridade NR 230 NR- não referido pelo fabricante Não são recomendadas quaisquer das seguintes bebidas, que se apresenta com a respectiva composição Osmolaridade Na (mmol/l) Coca-cola 469 3,0 Seven-up 388 4,0 Sumo de laranja 587 1,0 Sumo de maçã 694 0,0 P0.PED Data: Maio 2006 Página 4 de 7

5 Se desidratação ligeira Reposição de perdas nas primeiras 4 h Se vómitos: fraccionamento com aumento progressivo de quantidade Reavaliação clínica às 2h Manter SRO para perdas persistentes 10ml/Kg/dejecção diarreica Vómitos não contra-indicam hidratação oral! Exemplo o Criança de 10 Kg o desidratação de 5 % o défice de 500 ml o dar 500 ml em 4h o correponde a 125 ml/h Se desidratação moderada a severa - > 5% ou o Falência da hidratação oral porque não tolera hidratação oral por agravamento do quadro clínico por Incapacidade dos prestadores de cuidados o Idade < 2 meses o Doença de base HOSPITAL P0.PED Data: Maio 2006 Página 5 de 7

6 2º ponto: Alimentação precoce Em 1997 um estudo da ESPGAN Early feeding in Childhood Gasteoenteritis salienta os seguintes aspectos: o Realimentação precoce no final das 4h de rehidratação, com dieta habitual da criança o Dietas hipoproteicas e hipocalóricas agravam a desnutrição e prolongam quadro clínico o Não interromper aleitamento materno o No aleitamento artificial em lactentes bem nutridos manter reconstituição habitual das fórmulas Terapêutica contra-indicada: Drogas anti-diarreicas Loperamida Opiáceos Agentes anticolinérgicos Salicilato de bismuto Lactobacillus Antibióticos A criança não é um adulto pequeno Mensagens chave a passar aos pais: Diarreia aguda na criança é auto-limitada Diarreia permite libertar toxinas É importante tratar a desidratação, não a diarreia Re-hidratação é mais eficaz com SRO SRO não reduz o volume ou a duração da diarreia Anti-diarreicos são contra-indicados e podem ser nocivos Alertar para os sinais de desidratação P0.PED Data: Maio 2006 Página 6 de 7

7 Os nove pilares da terapêutica correcta da diarreia aguda de acordo com a ESPGAN: 1) Usar SRO para a rehidratação 2) Soluções hipotónicas ( Na 60 mmol/l; Glicose mmol/l) 3) Rehidratar nas primeiras 4h 4) Reiniciar alimentação precocemente com dieta habitual 5) Não se justificam fórmulas de leite diluídas 6) Não se justificam fórmulas de leite sem dissacáridos 7) Manter aleitamento materno SEMPRE 8) Manter SRO para perdas persistentes 9) Não administrar medicação desnecessária Adaptado : ESPGHAN Working Group on Acute Diarrhoea P0.PED Data: Maio 2006 Página 7 de 7

DIARRÉIA AGUDA E DESIDRATAÇÃO. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP

DIARRÉIA AGUDA E DESIDRATAÇÃO. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP DIARRÉIA AGUDA E DESIDRATAÇÃO Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP DIARRÉIA AGUDA INTRODUÇÃO É definida como a eliminação súbita s de fezes com

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS REIDRATAÇÃO DE VITELOS NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS A nova solução para diarreias em vitelos Compatível com o leite Boa palatibilidade Correção da acidose, desidratação e hipoglicémia

Leia mais

Protocolo Clínico e de Regulação para Abordagem da Criança com Diarreia Aguda

Protocolo Clínico e de Regulação para Abordagem da Criança com Diarreia Aguda Protocolo Clínico e de Regulação para Abordagem da Criança com Diarreia Aguda 110 Regina M. A. Mattiello Rodrigo José Custódio Wagner A. dos Santos Palmira Cupo INTRODUÇÃO A doença diarreica tem alta prevalência

Leia mais

10anos. Hidratação em Pediatria. Prof. Dr. Mário M. Ferreira Carpi - UNESP - Botucatu

10anos. Hidratação em Pediatria. Prof. Dr. Mário M. Ferreira Carpi - UNESP - Botucatu 1988 1988 1998 10anos Hidratação em Pediatria Prof. Dr. Mário M Ferreira Carpi UTI - Pediátrica - UNESP - Botucatu Desidratação Perda de água e eletrólitos litos não compensada pelo organismo Hidratação

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

APROVADO EM 10-04-2012 INFARMED. Folheto informativo: Informação para o utilizador. UL-250, 250 mg, pó para suspensão oral Saccharomyces boulardii

APROVADO EM 10-04-2012 INFARMED. Folheto informativo: Informação para o utilizador. UL-250, 250 mg, pó para suspensão oral Saccharomyces boulardii Folheto informativo: Informação para o utilizador UL-250, 250 mg, pó para suspensão oral Saccharomyces boulardii Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém

Leia mais

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr.

Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA. MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Real Hospital Português de Beneficência em Pernambuco Real Clínica Médica DIARREIA CRÔNICA MR1Bruna Lima MR2 Mirla de Sá Dr. Fortunato Cardoso Recife, 13 de maio de 2015 CONCEITO DIARREIA: Frequência:

Leia mais

Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral

Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador Fosfomicina Generis 2000 mg Granulado para solução oral. Fosfomicina Generis 3000 mg Granulado para solução oral Leia atentamente este folheto antes de

Leia mais

Rejane Alves. A importância da Vigilância das Doenças. Diarreicas Agudas. Seminário Estadual sobre o Impacto da Seca nas Doenças.

Rejane Alves. A importância da Vigilância das Doenças. Diarreicas Agudas. Seminário Estadual sobre o Impacto da Seca nas Doenças. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar Seminário Estadual sobre o Impacto

Leia mais

Paracetamol Generis pertence a um grupo de medicamentos chamados analgésicos e antipiréticos que ajudam no combate à dor e febre.

Paracetamol Generis pertence a um grupo de medicamentos chamados analgésicos e antipiréticos que ajudam no combate à dor e febre. Folheto informativo: Informação para o utilizador Paracetamol Generis 40 mg/ml Xarope Paracetamol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA

Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA Monitorização de Doenças Diarréicas Agudas MDDA A Doença Diarréica Aguda (DDA) é reconhecida como importante causa de morbimortalidade no Brasil, mantendo relação direta com as: precárias condições de

Leia mais

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Anexo III Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Nota: As alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo

Leia mais

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g

FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A. Gel 10mg/g FOSFATO DE CLINDAMICINA EMS S/A Gel 10mg/g fosfato de clindamicina Medicamento genérico Lei n 9.787 de 1999 APRESENTAÇÕES Gel - Caixa contendo 1 bisnaga de 20g, 25g, 30g ou 45 g USO EXTERNO USO TÓPICO

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA classificação na AIDPI

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA classificação na AIDPI INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA classificação na AIDPI Enfermagem na Atenção Básica 2014 Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo Atendimento da criança doente de 2 meses a 5 anos - AIDPI

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota).

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). FOLHETO INFORMATIVO FLÚOR LACER 3.25 mg/ml Gotas orais, solução (Fluoreto de Sódio) COMPOSIÇÃO Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). 1 ml =

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Doenças veiculadas por água contaminada

Doenças veiculadas por água contaminada Doenças veiculadas por água contaminada FORMAS DE CONTAMINAÇÃO Contato da pele com água contaminada; Ingestão de água contaminada; Ausência de rede de esgoto, falta de água ou práticas precárias de higiene;

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped) Diarreia foi responsável, em

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

FARLAC (lactulose) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Xarope 667mg/mL

FARLAC (lactulose) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Xarope 667mg/mL FARLAC (lactulose) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Xarope 667mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Farlac lactulose APRESENTAÇÃO Xarope Embalagem contendo frasco com 120mL. USO ORAL

Leia mais

Trimeb. (maleato de trimebutina)

Trimeb. (maleato de trimebutina) Trimeb (maleato de trimebutina) Bula para paciente Cápsula mole 200 mg Página 1 Trimeb (maleato de trimebutina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Cápsula mole FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Os benefícios da administração de PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Benefícios dos probióticos. Em humanos, os diversos benefícios para a saúde derivados da toma regular de probióticos - as chamadas

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

DIARREIA e sinais de deshidratação

DIARREIA e sinais de deshidratação DIARREIA e sinais de deshidratação Tenreira Martins Suzanne, Responsavel da formação Diarreia = evacuaçao de fezes liquidas ou pastosas com uma frequencia = ou > 3 X por dia Os sinais de deshidratação

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

HIDRAFIX. Takeda Pharma Ltda. Solução oral concentrada

HIDRAFIX. Takeda Pharma Ltda. Solução oral concentrada BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 HIDRAFIX Takeda Pharma Ltda. Solução oral concentrada cloreto de sódio 2,34 mg/ml cloreto de potássio 1,49 mg/ml citrato de sódio di-hidratado 1,96 mg/ml glicose 19,83 mg/ml

Leia mais

Medicina preventiva em cães

Medicina preventiva em cães Medicina preventiva em cães Os animais saudáveis desempenham um papel muito importante na atividade da clínica durante um tempo de vida médio de 12 anos, o animal é levado à consulta 10 a 15 vezes por

Leia mais

Nota Introdutória. É anónimo e garante-se confidencialidade dos dados.

Nota Introdutória. É anónimo e garante-se confidencialidade dos dados. Nota Introdutória Daniela Filipa Soares Dores, a frequentar o 4º ano de Licenciatura em Enfermagem da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a elaborar um Trabalho

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE)

PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) PLANO DE MANEJO DO DIABETES NA ESCOLA (PMDE) Este plano deve ser preenchido pelos profissionais da saúde responsáveis pelo tratamento do aluno com diabetes juntamente com os pais ou responsáveis. O plano

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

Múcua. super fruto do passado.

Múcua. super fruto do passado. Múcua super fruto do passado. Prof Doutor Pedro Catarino 2ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia Caracterização físicoquímica e bioactiva da polpa do fruto de Adansonia digitata L. Objectivos

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

APROVADO EM 18-01-2004 INFARMED

APROVADO EM 18-01-2004 INFARMED 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Dioralyte, pó para solução oral 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias activas g/saqueta Glicose 3,56 Cloreto de sódio 0,47 Cloreto de potássio 0,30 Citrato

Leia mais

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável

MAPA DE REVISÕES. Revisão Página Motivo Data Responsável DESTINATÁRIOS Médicos do Serviço de Pediatria (EP e CEP) e dos Centros de Saúde da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Raquel Santos, Ângela Pereira, António Cruz ------------------------

Leia mais

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas

Roteiro para o Monitoramento das Doenças Diarréicas Agudas SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136 s/n, Quadra F44, Lotes 22 a 24,

Leia mais

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA

TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM ODONTOPEDIATRIA PROCEDIMENTOS OPERATÓRIOS Profa. Dra. Mariana Braga Isabela Floriano CASCATA DA DOR E INFLAMAÇÃO AINES E o ANTIBIÓTICO?? Prostaglandinas Prostaciclinas Tromboxanas

Leia mais

Hipertensão Arterial Sistêmica

Hipertensão Arterial Sistêmica Hipertensão Arterial Sistêmica Pressão alta merece atenção. o que É HiPerteNsão ArteriAL sistêmica (HAs)? É uma doença crônica caracterizada por níveis elevados e sustentados de Pressão Arterial (PA),

Leia mais

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara

O Valor de Diagnóstico Diagnóstico Precoce e prevenção Antonio Vergara O Valor de Diagnóstico Antonio Vergara O valor de Diagnóstico em beneficio do paciente O Valor do Diagnóstico Valor Clínico O Valor de Diagnóstico Industria dos Diagnósticos Valor de Inovação IVD da despensa

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. FEBRE TIFOIDE CID 10: A 01.0 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO É

Leia mais

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE

Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE Casos Especiais SEED/ SUDE/ DAE - CANE DIABETES Diabetes É uma doença que causa o aumento de açúcar (glicose) no sangue. Quando não é tratada de maneira correta, causa graves problemas principalmente nos

Leia mais

LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg

LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LORATADINA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido de 10mg em embalagens contendo 12 comprimidos.

Leia mais

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex

Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 2º Semestre Semana Unidades Curiculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 Módulo I: M 3 BBPM Aparelho Cardiorrespiratório

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação

Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação Subespecialidade de Gastrenterologia Pediátrica conteúdo funcional, formação e titulação 1. Tipo de trabalho e responsabilidades principais O Gastrenterologista Pediátrico é um médico com formação em Pediatria

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE

REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE REESTRUTURAÇÃO DO PROTOCOLO E O IMPACTO NO RECONHECIMENTO PRECOCE DA SEPSE X MORTALIDADE Autores: Enf. Izabela Tortoza Enf. Luciane Torrano Dr. Marcelo Nunes Superintendência de Recursos Próprios O QUE

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

Diarréia, Desidratação e TRO

Diarréia, Desidratação e TRO Diarréia, Desidratação e TRO ATENÇÃO!! FEBRE MOLEIRA AFUNDADA PELE RESSECADA (quando beliscada, demora muito para voltar ao normal) DIFICULDADE EM URINAR OLHOS AFUNDADOS E SEM LÁGRIMAS VÔMITOS INTENSOS

Leia mais

Diarréia Persistente

Diarréia Persistente SESSÃO CLÍNICA DO INTERNATO DE PEDIATRIA Diarréia Persistente Apresentadores: Cássio Ribeiro Juliana Dias Lediane Moura Lorena Dantas Orientador: Dra. Ângela Mattos Caso Clínico Identificação: - G.H.S.S.,

Leia mais

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS

D e s n u t r i ç ã o. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS D e s n u t r i ç ã o Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS O estado nutricional de uma população é um excelente indicador de sua qualidade de vida, espelhando o modelo

Leia mais

1. O que é Prontolax e para que é utilizado Grupo farmaco-terapêutico: VII 5 c) Laxantes expansores de volume fecal

1. O que é Prontolax e para que é utilizado Grupo farmaco-terapêutico: VII 5 c) Laxantes expansores de volume fecal Folheto informativo: Informação para o doente Prontolax 3.5g pó para suspensão oral Plantago ovata Leia com atenção todo este folheto antes de começar atomar este medicamento, pois contém informação importante

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o doente. Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral. Cobamamida

Folheto informativo: Informação para o doente. Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral. Cobamamida Folheto informativo: Informação para o doente Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral Cobamamida Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Tratamento sintomático da obstipação em crianças com idade entre 6 meses e 8 anos.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Tratamento sintomático da obstipação em crianças com idade entre 6 meses e 8 anos. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Casenlax 500 mg/ml solução oral 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml de produto contém 500 mg de Macrogol 4000. Lista completa

Leia mais

Protovit Plus. Bayer S.A. Solução oral. Polivitamínico sem minerais

Protovit Plus. Bayer S.A. Solução oral. Polivitamínico sem minerais Protovit Plus Bayer S.A. Solução oral Polivitamínico sem minerais Protovit Plus polivitamínico APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo 1 frasco de 20 ml. USO ORAL USO PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml

Leia mais

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho

ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Waldemar Prandi Filho NÁUSEAS VÔMITOS DOR ABDOMINAL LEUCOCITOSE ABDOME AGUDO NA GRAVIDEZ Raro 1/500 Diagnóstico Difícil: Sinais e Sintomas Fisíológicos Alterações Anatômicas e

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO TONSILOTREN 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 comprimido (250 mg) contém: Substâncias activas: Atropinum sulfuricum trit. D5 Hepar

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida.

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. 1 Kalyamon Kids Suspensão Polivitamínico e Poliminerais IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão oral em frasco contendo 250 ml + 1 copo medida. USO ORAL USO PEDIÁTRICO

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar.

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2012 CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. A Coordenação

Leia mais

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV

APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV APRESENTAÇÃO E-PÔSTER DATA: 19/10/16 LOCAL: SALAS PRÉDIO IV TÍTULO E-PÔSTER SALA PRÉDIO IV HORÁRIO RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS NA TERAPIA ANTICÂNCER E O POTENCIAL EFEITO DE FLAVONOIDES NA RECUPERAÇÃO

Leia mais

*Distúrbio do metabolismo de CHO devido ao aumento da demanda por glicose pelos fetos em desenvolvimento nas últimas 6 semanas de gestação

*Distúrbio do metabolismo de CHO devido ao aumento da demanda por glicose pelos fetos em desenvolvimento nas últimas 6 semanas de gestação Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo *Doença metabólica de ovelhas que ocorre durante as últimas semanas de gestação *Caracterizada por hipoglicemia e cetose *Fígado gorduroso e encefalopatia hepática *Sinonímias

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml

cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml cefalexina União Química Farmacêutica Nacional S.A Pó para suspensão oral 250 mg/5 ml cefalexina Medicamento genérico, Lei n 9.787, de 1999. Pó para suspensão oral IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

ATENÇÃO INTEGRADA, COMPONENTE FAMILIAR E COMUNITÁRIO PARA MULHER GRÁVIDA E NO PÓS PARTO

ATENÇÃO INTEGRADA, COMPONENTE FAMILIAR E COMUNITÁRIO PARA MULHER GRÁVIDA E NO PÓS PARTO ATENÇÃO INTEGRADA, COMPONENTE FAMILIAR E COMUNITÁRIO PARA MULHER GRÁVIDA E NO PÓS PARTO Febre ou aquecimento do corpo. Perda de sangue ou outros líquidos através da vagina. Ataques, desmaios ou convulsões.

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

Gastroenterocolite Aguda

Gastroenterocolite Aguda TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Gastroenterocolite Aguda Pronto-atendimento do

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

ABASTECIMENTOS NA MARCHA ATLÉTICA

ABASTECIMENTOS NA MARCHA ATLÉTICA ABASTECIMENTOS NA MARCHA ATLÉTICA 1 Apresentação de Susana Feitor, baseada na sua experiência como atleta de 20km Marcha. 2 MARCHA ATLÉTICA VERSUS CORRIDA (MARATONA) Circuito Condições das bebidas pessoais

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE I Código: ENF 214

Leia mais

LITÍASE URINÁRIA NA CRIANÇA. Vítor Cavadas Serviço de Urologia Centro Hospitalar do Porto

LITÍASE URINÁRIA NA CRIANÇA. Vítor Cavadas Serviço de Urologia Centro Hospitalar do Porto LITÍASE URINÁRIA NA CRIANÇA Serviço de Urologia Centro Hospitalar do Porto 1 de Junho de 2013 Epidemiologia Relativamente rara Endémica: Turquia, Paquistão, Sudeste Asiático, América do Sul Incidência

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO

VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO Cidália Silva 13 de Março de 2015 CONTEÚDOS Enquadramento e Metodologia Grelha de observação Resultados

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

A avaliação na ponta dos dedos

A avaliação na ponta dos dedos Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular Hospital Pulido Valente CHLN Guideline NKF K/DOQUI: Definição do termo, em relação ao acesso vascular Monitorização Exame

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. TAGAMET 400 mg pó para suspensão oral Cimetidina

FOLHETO INFORMATIVO. TAGAMET 400 mg pó para suspensão oral Cimetidina FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. - Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -

Leia mais

Aumento da Temperatura Corporal / Febre

Aumento da Temperatura Corporal / Febre Aumento da Temperatura Corporal / Febre FAQ s (Questões mais frequentes) O que é febre? É o aumento da temperatura corporal Considera-se febre - temperatura axilar superior ou igual a 38ºC É um importante

Leia mais

Gastrium (omeprazol) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsulas 20 mg

Gastrium (omeprazol) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsulas 20 mg Gastrium (omeprazol) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsulas 20 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO GASTRIUM (omeprazol) APRESENTAÇÕES

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

NIDINA EXPERT CONFORT

NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT é uma fórmula especialmente indicada para o tratamento dietético da cólica infantil e de sintomas de desconforto intestinal associados, que deve ser utilizada

Leia mais

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826 PARECER COREN-SP 021/2013 CT PRCI n 100.555 Ticket nº 249.826 Ementa: Indicação e prescrição pelo Enfermeiro de leite artificial e outras fórmulas. 1. Do fato Enfermeira informa que colabora na formulação

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais