Cenário da regulamentação de probióticos no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenário da regulamentação de probióticos no Brasil"

Transcrição

1 Cenário da regulamentação de probióticos no Brasil Renata de Araujo Ferreira Gerência de Registro de Alimentos GEREG/GGALI Junho de 2017

2 Enquadramento de produtos contendo probióticos Probióticos isolados Finalidade: prevenção ou tratamento de doenças humanas Finalidade: funcional ou de saúde Medicamento probiótico (RDC n. 323/2003) Adição a alimentos convencionais Adição a alimentos para fins especiais (Infantis e enterais) Suplementos com adição outros ingredientes Suplementos com vitaminas e minerais Alimento competência agricultura (MAPA) Avaliação de segurança + eficácia (Res. 16 a 19/99) + regularização MAPA Alimento competência Anvisa Registro na Anvisa como alimento com alegação (Res. 18 e 19/99) ou dispensa de registro (Res. 27/10) Avaliação caso a caso no registro do produto (segurança e eficácia ) RDC 43 a 45/11 e RDC 21/15 Registro como alimento com alegação de propriedade funcional (RDC n 18 e 19/99) Probiótico isolado (RDC n. 2/2002)

3 Medicamento probiótico (RDC n. 323/2003) Probiótico: Microrganismo que apresenta efeitos benéficos para o hospedeiro, promovendo o equilíbrio da microbiota normal. Medicamento Probiótico: Medicamento que contém microrganismos vivos ou inativados para prevenir ou tratar doenças humanas por interação com a microbiota ou com o epitélio intestinal ou com as células imunes associadas ou por outro mecanismo de ação 2016: 11 produtos registrados (8 indústrias)

4 Medicamento probiótico (RDC n. 323/2003)

5 Probióticos: alimentos Probiótico: Microrganismos vivos capazes de melhorar o equilíbrio microbiano intestinal produzindo efeitos benéficos à saúde do indivíduo (Resolução RDC n.02/2002). Segurança Eficácia

6 Probióticos: alimentos ALEGAÇÃO DE PROPRIEDADE FUNCIONAL: é aquela relativa ao papel metabólico ou fisiológico que o nutriente ou não nutriente tem no crescimento, desenvolvimento, manutenção e outras funções normais do organismo humano. (Equivalente à alegação de função do Codex)*. ALEGAÇÃO DE PROPRIEDADE DE SAÚDE: é aquela que afirma, sugere ou implica a existência de relação entre o alimento ou ingrediente com doença ou condição relacionada à saúde. (Equivalente à alegação de redução de risco de doenças do Codex)* *Guidelines for Use of Nutrition and Health Claims (CAC/GL )

7 Probióticos: alimentos Adição a alimentos de competência do MAPA Adição em alimentos de competência da Anvisa Uso como suplemento Segurança (Resolução n. 17/99) e Eficácia (Resolução n. 18/99)

8 Probióticos adição a alimentos de competência do MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) Produtos de competência do MAPA que permitem alegações de propriedade funcional relacionadas a probióticos: 1. Petição do assunto: Avaliação de Alimentos com Alegações de Propriedades Funcional e ou de Saúde. 2. Avaliação pelos mesmos critérios. 3. Publicação no DOU e Ofício à empresa e ao MAPA comunicando o resultado da avaliação. Avaliação segurança e eficácia (Res. 17/99 e 19/99). Registro ou atualização do rótulo no MAPA.

9 Probióticos adição a alimentos de competência da Anvisa Produto com RT específico m.o. isolados ou associados RT específico Previsão ou não para uso de alegação no RT da categoria Apresentação definida no RT Avaliação segurança e eficácia (Res. 17/99 e 18/99); Procedimento de regularização definido para a categoria na RDC n. 27/2010: registro ou comunicação. Os regulamentos técnicos (RT) de fórmulas infantis e fórmulas para nutrição enteral citam expressamente a possibilidade de adição de probióticos, mas não permitem a veiculação no rótulo de alegações de propriedade funcional ou de saúde.

10 Probióticos + outros ingredientes suplementos Alegação de propriedade funcional Outros ingredientes não previstos na RDC n.02/02 m.o. isolados ou associados RDC n.19/1999 Apresentação tradicional do alimento, cápsulas, comprimidos, sachês etc. RDC n.27/2010 Registro

11 Probióticos (com ou sem vitaminas e minerais) suplementos Alegação de propriedade funcional Vitaminas e minerais m.o. isolados ou associados RDC n.02/2002 Apresentação: cápsulas, comprimidos, sachês etc. RDC n.27/2010 Registro

12 Probióticos isolados RDC n. 2/02 Resolução RDC n.02/2002: Excluem-se desta categoria: - produtos cuja finalidade de uso indique ação terapêutica ou medicamentosa; - produtos com ação farmacológica preventiva ou curativa definidas, mesmo de origem natural; - alimentos e ingredientes alimentares que contenham ou consistam em organismos geneticamente modificados -OGM.

13 Probióticos isolados RDC n. 2/02 Resolução RDC n.02/2002: As alegações propostas pelo fabricante, são de caráter obrigatório e devem: - Atender o disposto no Regulamento Técnico que Estabelece as Diretrizes Básicas para Análise e Comprovação de Propriedades Funcionais e ou de Saúde Alegadas em Rotulagem de Alimentos. (Resolução n.18/1999); - Estar de acordo com as Políticas de Saúde definidas pelo Ministério da Saúde. (Política Nacional de Alimentação e Nutrição PNAN)

14 Probióticos isolados RDC n. 2/02 Outros requisitos da Resolução RDC n.02/2002: - Aditivos: mesmos para supl. Vit. e Min; - Atendimento aos regulamentos sobre rotulagem geral e nutricional; e - Qualquer informação sobre as propriedades do produto, veiculada por qualquer meio de comunicação, não pode ser diferente daquela aprovada para a rotulagem.

15 Avaliação de probióticos ARCABOUÇO REGULATÓRIO NACIONAL Literatura científica

16 Avaliação de probióticos Identificação e segurança Identificação Depósito em banco de cultura Confirmação que não é OGM Identificação inequívoca da linhagem Segurança (riscos potenciais) Classificação de risco Produção de hemolisina bacteriocinas e outras toxinas Perfil de resistência a antibióticos Estudos em animais Estudos clínicos em humanos Relatos de caso Segurança (riscos observados)

17 Avaliação de probióticos Eficácia Estudo in vitro Estudo em animais Estudos em humanos Revisões sistemáticas com metanálise

18 Avaliação de probióticos Eficácia ESTUDOS CLÍNICOS EM HUMANOS Randomizado, duplo cego e placebo controlado Linhagem devidamente identificada - Dados confrontados com outros achados Produto com composição equivalente à solicitada Desfechos relacionados à alegação solicitada Critérios claros para amostragem e representatividade da população Biomarcadores x desfecho clínico - Dados avaliados com base nas restrições legais (medicamentos x alimentos) Estabilidade do probiótico durante o prazo de validade

19 Avaliação de probióticos - evolução Até 2010 Alegação geral (espécie) Avaliação específica por linhagem e/ ou associação de linhagens diferentes, realizados com o produto final ou equivalente (matriz) 2016 ( ) Desenvolvimento de requisitos mais claros e específicos baseados nos guias Internacionais e conhecimentos científicos atualziados (www.anvisa.gov.br)

20 Probióticos: alimentos BIFIDOBACTERIUM ANIMALIS SUB.LACTIS (8) 20 espécies (56 linhagens diferentes) LACTOBACILLUS PARACASEI (5) LACTOBACILLUS SALIVARIUS (1) BIFIDOBACTERIUM BIFIDUM (4) LACTOBACILLUS FERMENTUM (1) LACTOCOCCUS LACTIS (1) BIFIDOBACTERIUM BREVE (3) LACTOBACILLUS GASSERI (2) PEDIOCOCCUS PENTOSACEUS (1) BIFIDOBACTERIUM LONGUM (6) LACTOBACILLUS HELVETICUS (1) BACILLUS CLAUSII (3) LACTOBACILLUS RHAMNOSUS (6) LACTOBACILLUS JOHNSONNI (1) STREPTOCOCCUS THERMOPHILLUS (1) LACTOBACILLUS ACIDOPHILLUS (6) LACTOBACILLUS PLANTARUM (1) BACILLUS COAGULANS (2) LACTOBACILLUS BULGARICUS (1) LACTOBACILLUS REUTERI (2) -

21 Probióticos: alimentos

22 Avaliação de probióticos Eficácia Quadro Desfechos analisados nas revisões sistemáticas publicadas entre 2015 e 2017 sobre probióticos (n=61) Trânsito e desconforto intestinal Defesa contra patógenos/ infecções antibiotic-associated diarrhea acute rotavirus diarrhea in children infant colic irritable bowel syndrome DCNT Helicobacter pylori and prevention of adverse effects childhood metabolic syndrome Clostridium difficile-associated diarrhea and infections glycaemia, insulin and lipid parameters in patients with overweight or obesity acute gastroenteritis in children patients with obesity-related nonalcoholic fatty liver disease diarrhoeal diseases in children management of diabetes mellitus diarrhoeal diseases in older body weight and body-mass index prevention of upper respiratory tract infections cancer late-onset sepsis in preterm neonates Outros postoperative infections following abdominal surgery potential antioxidants before liver transplantation develop fewer infections central nervous system functions caries and periodontitis Alterations in fecal microbiota (healthy adults) Resposta a alérgenos CD4 counts among people living with HIV atopic dermatitis, hypersensitivy depression and anxiety allergy critical illness allergic rhinitis ulcerative colitis diverticular disease

23 Desenvolvimento de um novo marco regulatório Nova categoria "Suplemento Alimentar : consolidar várias categorias de alimentos (vitaminas e suplementos de minerais, alguns novos ingredientes e alimentos, substâncias bioativas, probióticos, enzimas e alimentos para atletas); Estabelecer os requisitos de composição, qualidade, segurança e rotulagem dos suplementos alimentares (produto destinado a complementar a dieta de indivíduos saudáveis); Definição de probióticos com base em diretrizes internacionais (identificação, segurança e eficácia); Estabelecer uma lista de ingredientes autorizados; Estabelecer uma lista de alegações autorizadas, quando possível; Listas atualizadas por meio de comprovação prévia de segurança e / ou eficácia.

24 Desafios Regulação simplificada, atualizada e consolidada e guias complementares Maior previsibilidade regulatória Processo decisório ágil Controle de qualidade Comunicação ao consumidor Controle pósmercado Produtos seguros e eficazes Informações claras ao consumidor

25 Obrigada Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa SIA Trecho 5 - Área especial 57 - Lote 200 CEP: Brasília - DF Anvisa Atende:

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS Simpósio Latino Americano sobre Fortificação de Alimentos e Suplementos Stefani Faro de Novaes Especialista em Regulação

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

Nova pagina 2. considerando a possibilidade de efeitos benéficos de nutrientes e de substâncias bioativas dos alimentos;

Nova pagina 2. considerando a possibilidade de efeitos benéficos de nutrientes e de substâncias bioativas dos alimentos; RESOLUÇÃO RDC N.º 2, DE 7 DE JANEIRO DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado

Leia mais

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN Alimentos com alegação de propriedades funcionais

Leia mais

Probióticos Definição e critérios de seleção

Probióticos Definição e critérios de seleção Probióticos Definição e critérios de seleção Prof. Flaviano dos Santos Martins Laboratório de Agentes Bioterapêuticos Departamento de Microbiologia ICB-UFMG Definição FAO/WHO micro-organismos vivos que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Ciclo de Palestras A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Luciana Mouta de Oliveira PROBIÓTICOS - DEFINIÇÃO Suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que afetam beneficamente

Leia mais

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Patrícia Ferrari Andreotti Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos GGMED/DIARE/ANVISA Brasília,

Leia mais

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS João Tavares Neto Superintendente de Correlatos e Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

REGISTROS DE FÓRMULAS ENTERAIS Dados, atividades em andamento e dificuldades. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa

REGISTROS DE FÓRMULAS ENTERAIS Dados, atividades em andamento e dificuldades. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa REGISTROS DE FÓRMULAS ENTERAIS Dados, atividades em andamento e dificuldades Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Roteiro da Apresentação Dados sobre pedidos de registro de fórmulas enterais

Leia mais

Perspectiva dos ensaios clínicos

Perspectiva dos ensaios clínicos Regulação de Produtos Biológicos no Brasil Perspectiva dos ensaios clínicos Fanny Nascimento Moura Viana Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária COPEC/GGMED 27 de outubro de 2016 1. Regulamento

Leia mais

Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos

Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos Regulamentação atual de alimentos contendo probióticos Brasília, 30 de novembro de 2015 Competência Lei n. 9782/1999: Art. 8º Incumbe à Agência, respeitada a legislação em vigor, regulamentar, controlar

Leia mais

Panorama Regulatório Brasil versus Mundo

Panorama Regulatório Brasil versus Mundo 15º Evento da Série de Workshops Internacionais Sobre Alimentos Com Alegações de Propriedades Funcionais e/ou de Saúde - Microbioma, Probióticos e Saúde Panorama Regulatório Brasil versus Mundo Daniela

Leia mais

Alimentos Funcionais, Nutracêuticos e Suplementos. Prof. Eduardo Purgatto Disciplina: Produção e Composição de Alimentos 2016

Alimentos Funcionais, Nutracêuticos e Suplementos. Prof. Eduardo Purgatto Disciplina: Produção e Composição de Alimentos 2016 Alimentos Funcionais, Nutracêuticos e Suplementos Prof. Eduardo Purgatto Disciplina: Produção e Composição de Alimentos 2016 Macronutrientes Carboidratos Proteínas Lipídeos Micronutrientes Vitaminas Minerais

Leia mais

Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos

Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos Profa. Elisabeth Neumann Laboratório de Ecologia e Fisiologia de Microrganismos Departamento de Microbiologia/ICB/UFMG Probióticos Micro-organismos

Leia mais

Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos?

Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos? Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos? Na palestra será abordada a importância da ingestão de probióticos e prebióticos para o fortalecimento da saúde humana bem como a diferença entre probióticos

Leia mais

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara II Controvérsias em Infecção Hospitalar - APECIH 11 de junho de 2011 Nós e eles Interação

Leia mais

Aspectos Regulatórios

Aspectos Regulatórios Iº Simpósio Nacional de Combate a Fome Oculta Universidade Federal de Viçosa UFV Viçosa 26 e 27 de Novembro de 2014 Aspectos Regulatórios Prof. Dr. Paulo Cesar Stringheta Professor Titular Livre da UFV

Leia mais

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação Acesse o Portal do Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância English Español Orientações aos Consumidores de Alimentos Consultas Públicas Consolidação Destaques na das Internet Boletim Alimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN Nº 9, DE 17 DE AGOSTO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN Nº 9, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA - IN Nº 9, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a relação de produtos permitidos para dispensação e comercialização em farmácias e drogarias. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

SUPLEMENTOS ALIMENTARES x CONSUMO

SUPLEMENTOS ALIMENTARES x CONSUMO Graduado em Nutrição UnB (2001) Especialista em Nutrição Esportiva Univ. Gama Filho (2007) Sócio-proprietário da Clínica 449 Ponto de Estágio Curricular UnB desde 2011 Praticante de Corrida de Rua e Triatlo

Leia mais

SEGURANÇA DE ALIMENTOS

SEGURANÇA DE ALIMENTOS ANO 02 N 05 2016 informativo sobre SEGURANÇA DE ALIMENTOS ANVISA publica documento de perguntas e respostas sobre a RDC24/2015 Alimentos funcionais Diretrizes da ANVISA para alimentos com propriedades

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 1º DE ABRIL DE 2004 Título: Instrução Normativa nº 1, de 01 de abril de 2004 Ementa não oficial: Ficam definido os procedimentos complementares para aplicação do Decreto n o 4.680, de 24 de abril de 2003, que dispõe sobre

Leia mais

Elaboração dos Processos de Registro e Pós Registro de Alimentos para Nutrição Enteral. GENE Grupo Estratégico de Nutrição Especializada

Elaboração dos Processos de Registro e Pós Registro de Alimentos para Nutrição Enteral. GENE Grupo Estratégico de Nutrição Especializada Elaboração dos Processos de Registro e Pós Registro de Alimentos para Nutrição Enteral GENE Grupo Estratégico de Nutrição Especializada Apresentação Joana Aranha Formada em Engenheira de Alimentos pela

Leia mais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais FARMACOTÉCNICA INTRODUÇÃO À FARMACOTÉCNICA Tópicos abordados: Definições em Farmacotécnica. Classificação dos Medicamentos. Legislação vigente. POSIÇÃO DA FARMACOTÉCNICA ENTRE AS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais: potencialidades do Centro-Oeste Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Alimentos Funcionais O alimento está para a medicina assim como a medicina

Leia mais

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Somos o que comemos Alterações a nível de temperamento, níveis de energia, capacidade de raciocínio, impulso sexual e hábitos de sono

Leia mais

Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar

Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar Agência Nacional de Vigilância Sanitária Coordenação de Articulação Social e Cidadania COACI/GGCOF Inclusão produtiva com segurança sanitária - RDC 49/13 e a regulamentação sanitária para agricultura familiar

Leia mais

Regulamentação da Lei nº , de 2016

Regulamentação da Lei nº , de 2016 PROPOSTAS DE RESOLUÇÕES-RDC PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI Nº 13.305, DE 4 DE JULHO DE 2016. GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 20 DE SETEMBRO DE 2016 INFORMAÇÕES GERAIS: Regulamentação da Lei nº 13.305, de 2016

Leia mais

Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos. Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016

Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos. Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016 Componentes aromatizantes provenientes de espécies botânicas regionais para uso em alimentos Gerência Geral de Alimentos - GGALI Agosto de 2016 Espécies botânicas regionais Processo n. 25351.396498/2013-85;

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS Cristiane Maria Barra da Matta Engenheira de Alimentos do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia Professora do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos

I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV. Fiscalização e Monitoramento de Alimentos I Simpósio de Rotulagem de Alimentos CRQ-IV Fiscalização e Monitoramento de Alimentos Deise Ap. Pinatti Marsiglia Centro de Alimentos Instituto Adolfo Lutz Laboratório Central de Saúde Pública do Estado

Leia mais

Dossiê Técnico RDC nº 36/15

Dossiê Técnico RDC nº 36/15 Dossiê Técnico RDC nº 36/15 Marcella Melo Vergne de Abreu GERÊNCIA DE PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO IN VITRO Itens relacionados no formulário do peticionamento Apresentação comercial Composição Amostra Informações

Leia mais

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia 2014 Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia Desafios Regulatórios Cenário Brasileiro: É membro Codex É membro MERCOSUL Temos 2 órgãos regulatórios:

Leia mais

MACROTEMA DE ALIMENTOS

MACROTEMA DE ALIMENTOS MACROTEMA DE ALIMENTOS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa FÓRMULAS PARA NUTRIÇÃO ENTERAL GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 1ª edição Brasília, 1 de julho de 2017 ELABORAÇÃO Gerência-Geral de Alimentos

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 246, de 5 de setembro de 2016 D.O.U de 6/09/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais

Aula 02. Enem

Aula 02. Enem Aula 02 Enem - 2017 Enem - 2014 Suplementos são, na maioria das vezes, vitaminas, minerais e aminoácidos que completam a alimentação; importante para pessoas com carências nutricionais e também para praticantes

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: Resolução RDC nº 15, de 21 de fevereiro de 2000

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: Resolução RDC nº 15, de 21 de fevereiro de 2000 título: Resolução RDC nº 344, de 13 de dezembro de 2002 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico para a Fortificação das Farinhas de Trigo e das Farinhas de Milho com Ferro e Ácido Fólico, constante

Leia mais

Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP)

Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP) Gerência de Medicamentos Específicos, Fitoterápicos, Dinamizados, Notificados e Gases Medicinais (GMESP) GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS BIOLÓGICOS GERÊNCIA DE MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS, FITOTERÁPICOS,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: RESOLUÇÃO RDC N.º 269, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23/09/05 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE A INGESTÃO DIÁRIA RECOMENDADA (IDR) DE PROTEÍNA, VITAMINAS E MINERAIS" A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros MARCOS VINÍCIUS DE S. LEANDRO Jr. Médico Veterinário Fiscal Federal Agropecuário Ministério da Agricultura,

Leia mais

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Apresentação Noemi Mau Donizeti Cezari Bióloga, 40 anos de atividades de R&D na Indústria de Alimentos,

Leia mais

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio.

Valor Calórico, Carboidratos, Proteínas, Gorduras Totais, Gorduras Saturadas, Colesterol, Fibra Alimentar, Cálcio, Ferro e Sódio. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é o órgão responsável pela regulação da Rotulagem de Alimentos Industrializados. Muitas portarias regulam o que um rótulo deve ou não conter.

Leia mais

Novo FP e Manual de Preenchimento do Novo FP

Novo FP e Manual de Preenchimento do Novo FP Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED) Novo FP e Manual de Preenchimento do Novo FP Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Brasília 10 de Abril de 2017 Considerações gerais

Leia mais

O papel dos prebióticos e probióticos na prática pediátrica. Soraia Tahan Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica UNIFESP

O papel dos prebióticos e probióticos na prática pediátrica. Soraia Tahan Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica UNIFESP O papel dos prebióticos e probióticos na prática pediátrica Soraia Tahan Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica UNIFESP Sociedade Moderna e a Hipótese de Higiene. melhor condição de higiene imunização

Leia mais

Perspectivas Regulatórias e Situação do Brasil. M. Pupin PhD Regulatory & Scientific Affairs Nestlé Brasil Ltda Novembro 2016

Perspectivas Regulatórias e Situação do Brasil. M. Pupin PhD Regulatory & Scientific Affairs Nestlé Brasil Ltda Novembro 2016 Perspectivas Regulatórias e Situação do Brasil M. Pupin PhD Regulatory & Scientific Affairs Nestlé Brasil Ltda Novembro 2016 Registro de Produtos: evolução Foods for infants Packaging (recyclable) Bioactive

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Solicitação de registro dos novos medicamentos

Solicitação de registro dos novos medicamentos Terceiro Congresso das Hepatites Virais Solicitação de registro dos novos medicamentos Ricardo Borges Gerente Geral de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária -ANVISA João Pessoa, 18 de novembro

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

ENUMERAÇÃO DE BACTÉRIAS LÁCTICAS DE LEITES FERMENTADOS COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA, MG

ENUMERAÇÃO DE BACTÉRIAS LÁCTICAS DE LEITES FERMENTADOS COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA, MG 171 ENUMERAÇÃO DE BACTÉRIAS LÁCTICAS DE LEITES FERMENTADOS COMERCIALIZADOS EM VIÇOSA, MG Natália Parma Augusto de Castilho 1, Adriano França da Cunha 2, Felício Alves Motta 1, Eduardo Nogueira Fernandes

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 004/2016/GGTPS/DIREG/ANVISA Objeto: Requisitos para determinar a necessidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 18 de março de 2015 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 18 de março de 2015 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 18 de março de 2015 (OR. en) 7326/15 DENLEG 40 AGRI 140 SAN 76 NOTA DE ENVIO de: Comissão Europeia data de receção: 17 de março de 2015 para: n. doc. Com.: D036607/01

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM

AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM AZEITE DE OLIVA POST CRN3 JOVEM 1. TEXTO O azeite de oliva é obtido do fruto da Oliveira (OIea europea L.), as azeitonas, por prensagem e esmagamento. A oliveira é nativa da parte oriental do mar mediterrâneo.

Leia mais

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos Por: Prof.Marco Antônio Lemos Miguel Biólogo, MSc.PhD Centro de Ciências da Saúde, UFRJ Ovas de peixe, enriquecidas com probióticos 46_Animal

Leia mais

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG.

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. RESUMO Introdução:Nutrição enteral (NE) é definida como alimento para fins especiais, com

Leia mais

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1. Nutrientes 2. Metabolismo dos Macronutrientes 3. Vitaminas 4. Função Fisiológica e Deficiência de Minerais 5. Biodisponibilidade de Minerais 6. Metabolismo de Água e Eletrólitos

Leia mais

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016

Renato Alencar Porto Brasília 23, de junho, de 2016 Desafios e Estratégias adotadas pela ANVISA para promover a convergência regulatória internacional e facilitar a inserção de produtos brasileiros em mercados de interesse. Renato Alencar Porto Brasília

Leia mais

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS Aline Bezerra Moura, Carlos Humberto da Silva Araujo,

Leia mais

Session 1: Brazilian scenario: ingredients, functional foods and health

Session 1: Brazilian scenario: ingredients, functional foods and health Session 1: Brazilian scenario: ingredients, functional foods and health Raul Amaral Rego Coordenador da Plataforma de Inovação Tecnológica ITAL, Campinas, 29 de novembro de 2016 Agenda Mercado consumidor

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 89, de 13 de dezembro de 2004. D.O.U de 17/12/2004 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Alegações de propriedade funcional e de saúde

Alegações de propriedade funcional e de saúde Alegações de propriedade funcional e de saúde Representações que afirmem ou sugiram a existência de uma relação entre o consumo de determinado alimento ou seu constituinte e a saúde podem ser veiculadas

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE RESPOSTA RÁPIDA 386/2013 Assunto: NUTRISON SOYA SOLICITANTE Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora NÚMERO DO PROCESSO 13 008656-8 DATA 26/11/2013 SOLICITAÇÃO Para fins

Leia mais

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira 1 NUTRIÇÃO E SAÚDE DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli 2 GRUPO DE NUTRIÇÃO ALIMENTOS E NUTRIÇÃO II/ FBA 417 Célia Colli Minerais em nutrição Fernando Salvador Moreno Dieta, nutrição

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Cápsulas 100 & 200 mg. Merck S/A

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Cápsulas 100 & 200 mg. Merck S/A FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Cápsulas 100 & 200 mg Merck S/A APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos

Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos João Fernando Albers Koch Zootecnista Doutor em Nutrição Animal P&D Biorigin Brasília/DF Setembro - 2017 Introdução Indústria

Leia mais

Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos

Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos Avanços regulatórios na área de fármacos e medicamentos Varley Dias Sousa, Ph.D Gerente Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos/ GGMED Estrutura organizacional- DIARE/GGMED GGMED COOPI COREC COFAR

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG214 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa

Programa Analítico de Disciplina EFG214 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa 0 Programa Analítico de Disciplina EFG21 Assistência de Enfermagem na Terapia Intravenosa Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 2 Teóricas

Leia mais

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família Meiruze Sousa Freitas Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos

Leia mais

Regulação Sanitária de Medicamentos Específicos

Regulação Sanitária de Medicamentos Específicos Regulação Sanitária de Medicamentos Específicos GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS GERÊNCIA DE MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS, FITOTERÁPICOS, DINAMIZADOS, NOTIFICADOS E GASES MEDICINAIS Juçara Ribeiro Fortaleza

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

MEMORIOL. Comprimidos revestidos

MEMORIOL. Comprimidos revestidos MEMORIOL Comprimidos revestidos MEMORIOL B6 200 glutamina glutamato de cálcio fosfato de ditetraetilamônio cloridrato de piridoxina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos cartucho com 20. VIA ORAL USO ADULTO

Leia mais

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e respostas frequentes sobre descrição da equivalência sal/base na bula na rotulagem de medicamentos

Leia mais

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos MEDICAMENTOS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos 2ª edição Brasília, 18 de setembro de 2017 Gerência de Medicamentos Específicos,

Leia mais

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES Em Animais Domésticos Barbara do Prado Verotti Graduanda de Medicina Veterinária 2011 História da descoberta Muitas culturas da antiguidade

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Declaração de conflitos de interesses Convidado da. Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008)

Declaração de conflitos de interesses Convidado da. Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008) Declaração de conflitos de interesses Convidado da Conselho Federal de Medicina (1595/2000) ANVISA (96 17/12/2008) Sommer E, Backhed F Nature Microbiol, 2013 Microbiota: 10.000.000.000.000 Ser humano:

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 372, de 02 de agosto de 2017 D.O.U de 03/08/2017 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS Documento de Referência Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Regulação da Produção de Alimentos no Brasil A Gerência-Geral Geral de Alimentos ANVISA Claudia Darbelly Cavalieri de Moraes Maio 2010 A transversalidade da regulação da produção de alimentos no Brasil

Leia mais

Requisitos Técnicos e Documentação para Regularização de Produtos Cosméticos

Requisitos Técnicos e Documentação para Regularização de Produtos Cosméticos Ministério da Saúde Gerência-Geral de Cosméticos Requisitos Técnicos e Documentação para Regularização de Produtos Cosméticos Christiane da Silva Coelho Especialista em Regulação e Vig. Sanitária Referências

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. N 36/04 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE ROTULAGEM OBRIGATÓRIA GERAL PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro

Leia mais

Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal

Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal Regulamento sobre a embalagem, rotulagem e propaganda dos produtos destinados à alimentação animal INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 22 de 02/06/2009 RODRIGO DI GIOVANNANTONIO GRAZIANI Auditor Fiscal Federal Agropecuário

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 11/13 DVVSA/DVVSP/CEVS/SESA 10 de dezembro 2013. Comercialização de Chás (alimentos) e Fitoterápicos (medicamentos)

Leia mais

Nova RDC 09/15 para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Nova RDC 09/15 para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Nova RDC 09/15 para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Flávia Regina Souza Sobral COPEC/ANVISA 10/04/2015 Proposta de RDC - Objetivos da Atuação Regulatória: Harmonizar o marco

Leia mais