Corpo humano 1014 células Enzimas - Primeira linha de defesa digestivas (patógenos exógenos ou oportunistas)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corpo humano 1014 células Enzimas - Primeira linha de defesa digestivas (patógenos exógenos ou oportunistas)"

Transcrição

1 20/10/2016 ICB II MICROBIOTA INTESTINAL RESIDENTE Bactérias anaeróbias do trato intestinal M. Sc Aline Ignacio 2016 Funções da microbiota residente Habitat gastrointestinal e seus habitantes Substratos Corpo humano 1014 células Enzimas - Primeira linha de defesa digestivas (patógenos exógenos ou oportunistas) ph Sais biliares - Disponibilização de nutrientes Motilidade (vitamina K, B12, fermentação de polissacarídeos) Muco IgA Defensinas - Tolerância imunológica Trato intestinal Walter and Lee 2011 Interações da microbiota intestinal intestino delgado intestino grosso Volume ph 5 7 Baixa [] sais biliares Peristaltismo reduzido Maior densidade celular Variabilidade * Adaptado de Bischoff (2011) Owen and Mohamadzadeh

2 LINFONODO Gut associated lymphoid tissue ANIMAL CONVENCIONAL ANIMAL GERM FREE Anaeróbio Microrganismos que crescem na ausência de oxigênio livre e que, portanto,utilizamcompostosdiferentesdoo 2 comoaceptorfinal de elétrons Anaeróbiosdo tratointestinal de importância clínica médica Cólon Cocos gram-positivos Bacilos gram-positivos Bacilos gram-negativos BaixastensõesdeO 2 Predomínio de bactérias anaeróbias Filos: Bacteroidetes, Firmicutes, Actinobacteria, Fusobacteriae Verrucomicrobia Peptostreptococcus Peptococcus Clostridium Bacteroides Fusobacterium Porphyromonas Prevotella Walter and Lee 2011 Owen and Mohamadzadeh 2013 Lactobacillus spp. Não esporulados Aerotolerantes Fermentam carboidratos: produção alta de LACTATO ph ótimo 5-6,2 Anaeróbios nos alimentos Contaminação do alimento Intoxicação/Infecção alimentar Habitat: trato intestinal e geniturinario feminino, cavidade oral Raramente provocam doenças; cárie, endocardite, septicemia, abscessos, infecções do trato genital feminino Microrganismos nos alimentos Produção de alimentos 2

3 Lactobacillus e alimentos fermentados Bactérias ácido-lacticas Glicose Consumidos e produzidos há milhares de anos a.c. Produtos: - queijos - iogurtes 2 Piruvato 2Lactato 2 Etanol + 2CO 2 2 Acetil-CoA 2 Acetato Garantem a textura e o sabor do alimento Hexoses são ótimos substratos para fermentação GLICOSE Principal via de fermentação da glicose - GLICÓLISE Inibem o crescimento de outros microrganismos síntese de ácidos e bacteriocinas Bifidobacterium spp. Bacilos gram-positivos não formadores de esporos Anaeróbios estritos Constituintes da microbiota intestinal residente do homem - mais prevalente em crianças 5anos - leite materno Produtor de ácido láctico e ácido acético Probióticos Microrganismos viáveis administrados oralmente que contribuem para o balanço microbiológico intestinal. Mais empregados Suplemento de alimentos: iogurtes, leite fermentado Formulações em cápsulas - diminui ph intestinal: eliminação de patógenos - produção de alimentos fermentados Características - Capazes de sobreviver ao ph ácido do estômago e à bile - Resistentes a antibióticos usados frequentemente Modificação na arquitetura da mucosa Formas de atuação - Impedem a instalação de bactérias patogênicas: competição por sítio de adesão, síntese de ácidos, produção de bacteriocinas - Inibem a síntese de citocinas inflamatórias - Estimulam a síntese de IgA secretória - Regulam a atividade fisiológica dos enterócitos Entretanto, devem ser continuamente ingeridos para promoção de seus efeitos 3

4 Modificação na arquitetura da mucosa Clostridium spp. Esporulados Anaeróbios estritos e aerotolerantes Bastonetes, mas podem ser pleomórficos Algumas espécies apresentam gram-labilidade Imóveis ou flagelo peritríquio Habitat: ubíquos na natureza mas predominam no solo e no trato intestinal de humanos e animais Mandiret al. (2008) Colonizaçãodo trato intestinal Fatores de virulência: produção de toxinas Fermentam carboidratos e aminoácidos NH3, amidas, indol e fenol dificulta a colonização por Bifidobacterium spp. Produzembacteriocinas: antagonizaa colonizaçãode espécies comensais TIPO DE PARTO MULTIPLICAÇÃO EM PROCESSOS INFECCIOSOS Filogenia gênero Clostridium Clostridium perfringens Espécie do gênero mais isolada de amostras clínicas: queimaduras, feridas por traumas, infecções pósabortivas, entre outras. Dupla hemólise em ágar sangue: zona clara interna (teta-toxina) e zona externa (alfa-toxina). α (alfa) θ (teta) Collins et al.,

5 Produz mais de 17 toxinas PRINCIPAIS alfa, beta, epsilon, iota Mionecrose Gangrena gasosa 1 Dano tecidual e contaminação por esporos de C. perfringens tipo A TOXINOTIPO alfa beta epsilon iota A + B C + + D + + E Inflamação, diminuição da oxigenação e Eh Germinação dos esporos Produção de gás e toxinas (alfa) MORTE CELULAR Bolhas de gás C. perfringens tipo A - enterotoxina Contaminação de carnes e frangos Esporulação produção de enterotoxina Gangrena gasosa por C. perfringens Diarreia auto-limitante, Cólicas, Dores abdominais. Clostridium difficile Baixo número de células na microbiota intestinal de humanos (10 4 cel/g fezes). Fatores de virulência - Toxina A: enterotoxina - Toxina B: citotoxina - Toxina binária: citotoxina 5

6 Patogênese ANTIBIÓTICOTERAPIA PROLONGADA Ampicilina, Amoxicilina, Clindamicina, Cefalosporinas Desequilíbrio da microbiota Diarreia associada ao uso de antibióticos AAD (antibiotic-associated diarrhea) Colite pseudomembranosa PMC (pseudomembranous colitis) Patógeno oportunista Bacteroides spp. Citocinasanti-inflamatórias TGF-β e IL-10 Microbiota do colon Resistente a sais biliares Resistentes aos antibióticos e metais pesados Espécies: B. fragilis, B. vulgatus, B. ovatus, B. uniformis, B. caccae, B. thetaiotaomicron, B. eggerthii, B. stercoris. PATOLOGIAS ASSOCIADAS -Abscessos e infecções extra-intestinais - Infecções polimicrobianas -Resistência aos antibióticos: aminoglicosídeos, β-lactâmicos. B. fragilis Aerotolerante infecções extra-intestinais Cápsula polissacaríedeo A (PSA) Enterotoxina B. fragilis (bft) - diarreias Peritonite tuberculosa com lesões esbranquiçadas produzida por B. fragilis. 6

7 Anaeróbios predominantemente orais Peptostreptococcus spp. e Peptococcus spp. cocos gram-positivos Patologias associadas: - Abscessos cerebral e pulmonar - Osteomielite - Infecções endodônticas - Endocardite após procedimento odontológico DÍFÍCIL ISOLAMENTO INFECÇÕES MISTAS PATOGENICIDADE POUCO ESTUDADA Fusobacterium spp. bacilo gram-negativo PATOLOGIAS ASSOCIADAS Abscessos cerebrais; Meningites; e Infecções bucais - Gengivite - Periodontite - GUN (gengivite úlcero-necrosante cancer de cólon Prevotella spp. PERGUNTAS PARA ESTUDO Microbiota residente oral e intestinal Pigmentados Sacarolíticas PATOLOGIAS ASSOCIADAS - Infecções de cabeça e pescoço - Infecções bucais: gengivite, periodontite, perimplantite - Infecções por mordidas de animais 1. Cite três características do trato intestinal que justifique a alta densidade e variabilidade bacteriana encontrada neste local. 2. Explique como bactérias orais podem colonizar trato intestinal. 3. Mencione exemplos de bactérias consideradas probióticos. 4. Você aprendeu o que são probióticos. Agora explique a diferença entre probióticos e prebióticos. 7

8 OBRIGADA! 8

Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas

Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS Bactérias Anaeróbias Gram Negativas e Gram Positivas Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac Bactérias Anaeróbias Gram Negativas Gêneros Porphyromonas

Leia mais

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II

Vigilância Sanitária de Alimentos. Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Vigilância Sanitária de Alimentos Bactérias causadoras de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs)- II Clostridium perfringens Intestino Microbiota normal Solo Água Produto cárneo Clostridium perfringens

Leia mais

15/10/2009. Taxonomia: Família Clostridiacea; Gênero Clotridium ~ 150 espécies. Significado clínico: C. tetani tétano; C. botulinum botulismo;

15/10/2009. Taxonomia: Família Clostridiacea; Gênero Clotridium ~ 150 espécies. Significado clínico: C. tetani tétano; C. botulinum botulismo; UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA PRINCIPAIS BACTÉRIAS ANAERÓBIAS DE INTERESSE CLÍNICO FARMÁCIA E ODONTOLOGIA Clostridium e Bacteroides PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 BGP esporulados

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos

Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos Coprocultura. Identificação de Bacilos Gram-negativos QUESTÕES PARA AS PROVAS; CONTEÚDO DAS AULAS; HORÁRIO DE ATENDIMENTO ON-LINE; blog do professor: http://chicoteixeira.wordpress.com As Enterobacteriaceae

Leia mais

Doenças de origem alimentar. alimentar

Doenças de origem alimentar. alimentar Doenças de origem alimentar Definições Intoxicação alimentar Ingestão de alimento contendo toxina produzida pelo microrganismo. Exemplo: Botulismo, estafilococose. Definições Infecção alimentar Ingestão

Leia mais

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara II Controvérsias em Infecção Hospitalar - APECIH 11 de junho de 2011 Nós e eles Interação

Leia mais

Segunda-feira, 30 de Outubro de Bactérias anaeróbias. Profa. Ana Paula.

Segunda-feira, 30 de Outubro de Bactérias anaeróbias. Profa. Ana Paula. Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006. Bactérias anaeróbias. Profa. Ana Paula. A maioria das infecções causadas por bactérias anaeróbias é diagnosticada clinicamente. Com relação à respiração as bactérias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Ciclo de Palestras A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Luciana Mouta de Oliveira PROBIÓTICOS - DEFINIÇÃO Suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que afetam beneficamente

Leia mais

Microbiologia das águas de alimentação

Microbiologia das águas de alimentação Microbiologia das águas de alimentação Características ecológicas dos meios aquáticos naturais Processos comuns a todas as águas Processos específicos águas superficiais águas marinhas águas subterrâneas

Leia mais

Célula bacteriana. Membrana plasmática Parede celular Cápsula. DNA associado ao mesossomo. Mesossomo

Célula bacteriana. Membrana plasmática Parede celular Cápsula. DNA associado ao mesossomo. Mesossomo Reino Monera Célula bacteriana Mesossomo DNA associado ao mesossomo Membrana plasmática Parede celular Cápsula Enzimas relacionadas com a respiração, ligadas à face interna da membrana plasmática Flagelo

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version

Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus. PDF created with pdffactory Pro trial version Gênero Staphylococcus Gênero Streptococcus TAXONOMIA BACTERIANA FAMÍLIA Gênero Gênero Gênero espécie espécie espécie cepa cepa TAXONOMIA BACTERIANA MICROCOCCACEAE Staphylococcus Micrococcus Stomatococcus

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

Oxidação parcial o que acontece com o piruvato?

Oxidação parcial o que acontece com o piruvato? A glicólise ocorre no citosol das células transforma a glicose em duas moléculas de piruvato e é constituída por uma sequência de 10 reações (10 enzimas) divididas em duas fases. Fase preparatória (cinco

Leia mais

Clostridioses em Bovinos

Clostridioses em Bovinos Clostridioses em Bovinos Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite Várzea Grande, 4 de outubro de 2011 Pedro Paulo Pires pedropaulo@cnpgc.embrapa.br O grupo de infecções e intoxicações

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas

Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Bases ecológicas da resistência bacteriana às drogas Drogas antimicrobianas: mecanismo de ação Um aspecto do controle do crescimento dos microrganismos envolve a utilização de fármacos no tratamento de

Leia mais

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água.

CLOSTRIDIOSES. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses. Clostridioses CLOSTRIDIOSE 22/06/2011. Solo. Vegetais Água. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DISCIPLINA: HIGIENE ANIMAL DOCENTE: JEAN BERG ALVES DA SILVA CLOSTRIDIOSES PRELECIONISTA: MANUELLA DE OLIVEIRA CABRAL ROCHA Etiologia Clostridium ssp. Mais de 150

Leia mais

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012 Animais Monogástricos Digestão e Absorção de Carboidratos Animais monogástricos e ruminantes Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Principais fontes de glicídeos: Polissacarídeos. Amido. Glicogênio. Dextrinas.

Leia mais

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H.

METABOLISMO CELULAR PROCESSOS E MOLÉCULAS ESPECÍFICAS 06/08/2015. Oxidação: ocorre a saída de um átomo H; Redução: envolve o ganho de um átomo H. METABOLISMO CELULAR É o conjunto de reações químicas que ocorrem na célula para que ela possa desempenhar suas atividades. + Pi + Energia As moléculas de não podem ser estocadas, desse modo, as células

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS Cristiane Maria Barra da Matta Engenheira de Alimentos do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia Professora do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

Alternativas Alimentares Para Modular a Microbiota Intestinal de Cães e Gatos

Alternativas Alimentares Para Modular a Microbiota Intestinal de Cães e Gatos Alternativas Alimentares Para Modular a Microbiota Intestinal de Cães e Gatos XV Congresso CBNA Pet Dr. Maria R. C. de Godoy Assistant Professor Department of Animal Sciences Função da Microbiota Gastrointestinal

Leia mais

AULA 03: Nutrição e metabolismo bacteriano

AULA 03: Nutrição e metabolismo bacteriano Microbiologia Básica AULA 03: Nutrição e metabolismo bacteriano Professor Luiz Felipe Leomil Coelho Departamento de Ciências Biológicas E-mail: coelho@unifal-mg.edu.br Objetivos Associar os métodos citados

Leia mais

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana

Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Bactérias Gram negativas de grande relevância em saúde humana Prof. Cláudio Galuppo Diniz GN oportunistas: Infecções endógenas Contaminantes secundários em lesões GN patógenos obrigatórios: Doenças do

Leia mais

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Leandro Nagae Kuritza Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Doenças causadas por bactérias do gênero Clostridium spp. Clostridium botulinum Botulismo; Clostridium perfringens Enterite necrótica; Clostridium

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS

LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS Gênero Clostridium Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac Características Gerais de Clostridium spp. Espécie Doença Transmissão Ação da toxina Microbiota

Leia mais

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula.

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. FERMENTAÇÃO Metabolismo celular 3 É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. Metabolismo celular 4 Anabolismo reacções de síntese de moléculas complexas a partir de moléculas simples.

Leia mais

FIBRAS: por que consumi-las?

FIBRAS: por que consumi-las? FIBRAS: por que consumi-las? COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL GVEDNT / SUVISA / SES-GO Fibras: por que consumi-las? GOIÂNIA 2014 Autoria Maria Janaína Cavalcante Nunes Daniela Ayumi Amemiya Cássia

Leia mais

- Gengivite. Periodontal. Crônica. - Periodontite. Agressiva GENGIVITE

- Gengivite. Periodontal. Crônica. - Periodontite. Agressiva GENGIVITE Formas da Doença Periodontal Microbiologia da Doença Periodontal - Gengivite Crônica - Periodontite Agressiva SAÚDE PERIODONTAL GENGIVITE GENGIVITE PERIODONTITE CRÔNICA PERIODONTITE CRÔNICA PERIODONTITE

Leia mais

DESCOBRINDO O MUNDO MICROBIANO

DESCOBRINDO O MUNDO MICROBIANO Microbiologia Ambiental Aplicada Estudo das bactérias e dos fungos Prof. Dra. Marta Cristina Souza DESCOBRINDO O MUNDO MICROBIANO Em todas as questões humanas há um único fator dominante; o tempo. Para

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos Por: Prof.Marco Antônio Lemos Miguel Biólogo, MSc.PhD Centro de Ciências da Saúde, UFRJ Ovas de peixe, enriquecidas com probióticos 46_Animal

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE Ele é rico em nutrientes e probióticos, é extremamente benéfico para a digestão e saúde do intestino, e muitas pessoas consideram ser uma versão mais poderosa do iogurte: 1.

Leia mais

ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA. Weyne, S.C.

ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA. Weyne, S.C. ECOLOGIA BACTERIANA DA BOCA Weyne, S.C. Doenças Bucais de Maior Prevalência: Doença Cárie, Doença Periodontal e Halitose Desequilíbrios no Ecossistema dos Biofilmes O processo de colonização: aderência

Leia mais

Bacilos Gram positivos

Bacilos Gram positivos Bacilos Gram positivos Bacilo Gram positivos formadores de esporos Bacillus- aeróbios Clostridia- anaeróbios Género Bacillus Género Bacillus Bacilos gram positivos grandes, em cadeias Possuem endosporos

Leia mais

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez UNIP - 2015 Profº Esp. Thomaz Marquez MASTIGAÇÃO INGESTÃO DEGLUTIÇÃO Digestão é o processo de transformar os alimentos em formas possíveis de serem absorvidas pelo organismo. O sistema digestório, que

Leia mais

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino

NUTRIÇÃO E DIETA Doença Inflamatória do Intestino Serviço de Gastrenterologia Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, EPE Diretora: Dra. Maria Antónia Duarte Vera Costa Santos 10 Outubro 2015 TUBO DIGESTIVO Digestão de alimentos Boca Esófago

Leia mais

NUTRIÇÃO E CRESCIMENTO MICROBIANO

NUTRIÇÃO E CRESCIMENTO MICROBIANO CRESCIMENTO MICROBIANO: NUTRIÇÃO E CRESCIMENTO MICROBIANO Em microbiologia, o termo crescimento refere-se a um aumento do número de células e não ao aumento das dimensões celulares. Crescimento Microbiano

Leia mais

Departamento MIP. Horário Turma C: LAb MIP III. Turma D: LAb MIP IV

Departamento MIP. Horário Turma C: LAb MIP III. Turma D: LAb MIP IV CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Plano de Ensino DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina MIP 7103 aplicada a Odontologia Professores da disciplina Departamento

Leia mais

MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA

MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA MORFOLOGIA E ESTRUTURA DA CÉLULA BACTERIANA MICROBIOLOGIA I AULA 2 Profa Cristina Lacerda S Petraro Silva 1- FORMA E ARRANJO A forma: - diz respeito ao formato individual da célula bacteriana -determinada

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS. Professora: Erika Liz INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS FERMENTATIVOS Professora: Erika Liz Características necessárias de microrganismos para aplicação industrial Apresentar elevada eficiência na conversão de nutrientes, de forma a

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Infecção Intestinal/ Coprocultura

Infecção Intestinal/ Coprocultura Microbiologia Clínica Infecção Intestinal/ Coprocultura Carlos Cardoso Biomédico Salvador, 2012 Infecção do Trato Urinário Patogenia Aderência Invasão Toxinas Reação inflamatória Colonização Infecção

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Para que isolar microrganismos? - Conhecer os diferentes tipos microbianos

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Glicólise. Professora Liza Felicori

Glicólise. Professora Liza Felicori Glicólise Professora Liza Felicori Glicose Glicose (combustível metabólico) Fígado: Serve como tampão para manter o nível de glicose no sangue (liberação controlada de glicose) Glicose GLICOGÊNIO Estoque

Leia mais

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS São bactérias que pertencem ao domínio BACTÉRIA. Cocos ou bacilos são Gram positivos não esporulados possuem baixo teor

Leia mais

REINO MONERA (Procariontes)

REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) REINO MONERA (Procariontes) São as células mais simples, chamadas PROCARIONTES. São desprovidas de carioteca e da maioria das organelas (possuem apenas ribossomo). CAPSULA CITOPLASMA

Leia mais

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa

CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa CRESCIMENTO MICROBIANO -mais detalhes- Prof. IVAnéa Crescimento Microbiano CRESCIMENTO MICROBIANO: Em microbiologia, o termo crescimento refere-se a um aumento do número de células e não ao aumento das

Leia mais

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas

Biologia. Alexandre Bandeira (Julio Junior) Membrana e Organelas Membrana e Organelas Membrana e Organelas 1. As funções das células estão relacionadas com sua estrutura e com sua atividade metabólica. Apresenta-se abaixo uma tabela em que estão discriminadas, em porcentagens,

Leia mais

CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza

CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza CITOLOGIA IV (UECE/ENEM) Profa Eduarda de Souza Alimentos e Energia Ligações químicas Metabolismo Metabolismo capacidade de transformar substâncias de acordo com o interesse Anabolismo: produção de novas

Leia mais

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo CIÊNCIAS Prof. Diângelo TABELA PERÍODICA Aula 18 Respiração Celular Respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usadas nos processos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO O trato digestório e glândulas anexas constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo oco que se estende da cavidade

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Conhecendo deu corpo Fisiologia Digestão e Respiração Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br

Leia mais

Anatomia do Sistema Digestório

Anatomia do Sistema Digestório Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões;

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas.

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas. Nome: Nº Ano: 8º Turma: Ensino Fundamental II 2ª Etapa Data: ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO - CIÊNCIAS Profª.: Luciana Cardinali QUESTÃO 1 (MACK - adaptada) Assinale a alternativa correta a respeito do processo

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Fisiologia do Exercício Bioenergética Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Definir Energia Descrever os 3 Sistemas Energéticos Descrever as diferenças em Produção de Energia Bioenergética Estuda

Leia mais

AULA 5: Microrganismos Fermentadores

AULA 5: Microrganismos Fermentadores Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 7 período Disciplina: Microbiologia de Alimentos Professora: Sabrina Dias AULA 5: Microrganismos Fermentadores

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. FEBRE TIFOIDE CID 10: A 01.0 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO É

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA 1 SISTEMA DIGESTÓRIO 2 1 Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 3 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório:

Leia mais

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira

O papel da suplementação na Pecuária Leiteira O papel da suplementação na Pecuária Leiteira Nutrição e Suplementação... São a mesma coisa? Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição / Desnutrição Nutrição É o processo biológico pelo qual

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

Sessão 1 Princípios da conservação e processamento de alimentos biológicos

Sessão 1 Princípios da conservação e processamento de alimentos biológicos Eco new farmers Módulo 7 - Conservação e transformação de alimentos biológicos Sessão 1 Princípios da conservação e processamento de alimentos biológicos Módulo 7 Conservação e transformação de alimentos

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 02 DIGESTÃO DOS ANIMAIS Celulose Ruminante Bactérias Como pode cair no enem A digestão da celulose nos ruminantes ocorre graças às condições especiais existentes no trato digestivo

Leia mais

Fontes de Microrganismos

Fontes de Microrganismos Fontes de Microrganismos Os microrganismos de Interesse Industrial pode ser obtidos: Isolamento de recursos naturais: (solo, água, plantas, etc); Compra em coleções de cultura: (Agricultural Research Service

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

Imunologia. Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides. Bibliografia Básica. Introdução. Tipos de imunidade. Histórico 12/03/2012

Imunologia. Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides. Bibliografia Básica. Introdução. Tipos de imunidade. Histórico 12/03/2012 Bibliografia Básica Imunologia Prof. Dr. Gilson C. Macedo www.ufjf.br/imunologia Introdução Propriedades das Respostas imunes e órgãos linfóides Prof: Dr. Gilson C. Macedo Derivado do latim immunitas Refere-se

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais

ECOLOGIA MICROBIANA DA

ECOLOGIA MICROBIANA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia ECOLOGIA MICROBIANA DA CAVIDADE BUCAL Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac Ecologia

Leia mais

Bárbara Ximenes Braz

Bárbara Ximenes Braz Bárbara Ximenes Braz Identificação Sexo masculino 26 anos Universitário Americano Queixa principal Dor abdominal há 1 semana. HDA O paciente apresentou queixa de dor latejante, constante há uma semana,

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo

15/10/2009. Taxonomia: Grandes bastonetes Gram-positivos em cadeia. Família Baccilaceae; Aeróbios. Gênero Bacillus 235 espécies (incluindo UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE BACTERIOLOGIA NUTRIÇÃO Bacillus e Clostridium Bacillus PROF. RENATA F. RABELLO 2 o SEMESTRE/2009 INTRODUÇÃO Taxonomia: Família Baccilaceae; Gênero Bacillus 235 espécies

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Gliconeogênese. Gliconeogênese. Órgãos e gliconeogênese. Fontes de Glicose. Gliconeogênese. Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia

Gliconeogênese. Gliconeogênese. Órgãos e gliconeogênese. Fontes de Glicose. Gliconeogênese. Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia Gliconeogênese Alexandre Havt Gliconeogênese Fontes de Energia para as Células Definição Via anabólica que ocorre no fígado e, excepcionalmente

Leia mais

Produção de Oligossacarídeos sintetizados a partir de Enzimas, Aplicações e Efeitos Benéficos para a Saúde Humana

Produção de Oligossacarídeos sintetizados a partir de Enzimas, Aplicações e Efeitos Benéficos para a Saúde Humana ENZITEC 2016 XII Seminário Brasileiro de Tecnologia Enzimática Universidade de Caxias do Sul UCS 17 à 20 de Julho de 2016 Produção de Oligossacarídeos sintetizados a partir de Enzimas, Aplicações e Efeitos

Leia mais

Degradação Bioquímica

Degradação Bioquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução A degradação dos polímeros pode acontecer: Em presença de microorganismos (Biodegradação) Na ausência

Leia mais

ÁCIDO LÁCTICO PRODUÇÃO DE ÁCIDO LÁCTICO COMO PRECURSOR DE DERIVADOS QUÍMICOS DE ALTO VALOR AGREGADO

ÁCIDO LÁCTICO PRODUÇÃO DE ÁCIDO LÁCTICO COMO PRECURSOR DE DERIVADOS QUÍMICOS DE ALTO VALOR AGREGADO 1 Workshop sobre o Estado da Arte da Tecnologia de Produção de Etanol: de Olho na Segunda Geração CTBE/CNPEM ÁCIDO LÁCTICO PRODUÇÃO DE ÁCIDO LÁCTICO COMO PRECURSOR DE DERIVADOS QUÍMICOS DE ALTO VALOR AGREGADO

Leia mais

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero a) Que números indicam artérias e veias? b) Que números indicam vasos por onde circulam sangue

Leia mais

Streptococcus 15/10/2009. Staphylococcus. Streptococcus. Enterococcus. Os CGP compõem um grupo de grande importância

Streptococcus 15/10/2009. Staphylococcus. Streptococcus. Enterococcus. Os CGP compõem um grupo de grande importância Universidade Federal Fluminense Streptococcus Os CGP compõem um grupo de grande importância clínica, sendo responsáveis por inúmeras e variadas doenças. Os CGP de maior importância clínica pertencem aos

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98

Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98 Licenciatura em Enfermagem Biofísica e Bioquímica 1º Ano - 1º Semestre 2007/2008 Teste de frequência módulo de Bioquímica 21 Jan 98 Cotação máxima 13,5 valores (A cotação de cada pergunta está indicada

Leia mais

Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012

Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012 Tema: Viver melhor na Terra (48 Blocos) ANO LECTIVO 2011/2012 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS TROCAS NUTRICIONAIS ENTRE O ORGANISMO E O MEIO Nos animais: Alimentos como veículo de nutrientes Como

Leia mais

Membrana e Organelas / Metabolismo Energético

Membrana e Organelas / Metabolismo Energético Membrana e Organelas / Metabolismo Energético Membrana e organelas e Metabolismo energético Biologia 1. Algumas células são capazes de enviar para o meio externo quantidades apreciáveis de produtos de

Leia mais

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS

NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS NUTRIÇÃO DE CÃES E GATOS IMPORTÂNCIA Conhecer fundamentos básicos de nutrição avaliar dietas e alimentos Interações entre nutrientes e o animal Exigências Cães e gatos Quantidade diária de nutrientes Manejo

Leia mais

5/4/2011. Metabolismo. Vias Metabólicas. Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos).

5/4/2011. Metabolismo. Vias Metabólicas. Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos). Metabolismo Vias Metabólicas Séries de reações consecutivas catalisadas enzimaticamente, que produzem produtos específicos (metabólitos). 1 Endergônico Exergônico Catabolismo Durante o catabolismo de carboidratos,

Leia mais

CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito

CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ACADÊMICOS COSEAC-COORDENADORIA DE SELEÇÃO TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2007 e 1 o semestre letivo de 2008 CURSO de NUTRIÇÃO - Gabarito

Leia mais