Artigo Técnico. Pediatria Junho / A função dos probióticos e prebióticos na prática pediátrica. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo Técnico. Pediatria Junho / A função dos probióticos e prebióticos na prática pediátrica. Resumo"

Transcrição

1 Artigo Técnico Pediatria Junho / 2007 A função dos probióticos e prebióticos na prática pediátrica. Estudos mostram que probióticos parecem contribuir para a prevenção da diarréia aguda e da diarréia associada a antibióticos, além de encurtar a duração da diarréia aguda. Prebióticos associam-se com mudança no perfil da microbiota intestinal. Novos estudos devem, no entanto, ser realizados, considerando-se os efeitos clínicos que cada probiótico ou prebiótico possam determinar. Fármaco Sob Patente em estudo: lactobacilos Autoria: MORAIS, M.B.; JACOB, C.M.A. The role of probiotics and prebiotics in pediatric practice. Jornal de Pediatria; 82 (5 Suppl):S Resumo INTRODUÇÃO O termo probiótico foi inicialmente introduzido na literatura médica por Lilly & Stillwell em 1965, referindo-se a organismos vivos que, administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios ao hospedeiro, segundo definição de 2002 do encontro de experts FAO/WHO (Food and Agriculture Organization / World Health Organization (WHO). Alguns critérios são usados para definir um microorganismo como probiótico: 1. origem humana; 2. não patogênico; 3. resistente ao processamento; 4. estabilidade à secreção ácida e biliar; 5. aderência à célula epitelial; 6. capacidade para persistir no trato gastrointestinal; 7. capacidade para influenciar a atividade metabólica local. Os principais microorganismos bacterianos referidos como probióticos são os do gênero Lactobacillus e Bifidobacterium, em adição a Escherichia, Enterococcus e Bacillus. O fungo Saccaromyces boulardii tem também sido considerado como probiótico. Outros microorganismos freqüentemente adicionados ao leite infantil, como Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus não são considerados probióticos, já que não encontram os critérios citados. No que se refere às quantidades adequadas para benefícios à saúde, recomenda-se a dose de 5 bilhões de unidades formadoras de colônias por dia (5x10 9 CFU/dia) por, no mínimo, 5 dias. Apesar disto estudos avaliando efeitos terapêuticos recomendam doses variáveis de 10 6 a 10 9 CFU. Os mecanismos precisos de ação dos probióticos não foram ainda estabelecidos. De acordo com sua própria definição um probiótico deve ser viável no momento do consumo. Após ingestão e contato com ácido gástrico e sais biliares sua viabilidade deve ser mantida. Ainda, probióticos devem aderir à superfície intestinal na qual realizam suas funções, competindo com agentes patógenos e modulando respostas inflamatórias e imunes do hospedeiro. Probióticos não se multiplicam rapidamente e, com isso, não são colonizadores permanentes do tubo digestivo. Microorganismos probióticos mudam positivamente a flora intestinal, inibem o crescimento de bactérias patogênicas, promovem adequada digestão, estimulam a função imune local e aumentam a resistência à infecção. Lactobacilos e bifidobactérias ajudam a manter o balanço saudável da flora intestinal pela produção de componentes orgânicos a partir da fermentação, com formação de ácido lático, peróxido de 1

2 hidrogênio e ácido acético, responsáveis pelo aumento da acidez intestinal, inibindo a proliferação de bactérias com dano potencial ao epitélio intestinal. Bactérias probióticas produzem, também, substâncias conhecidas como bacteriocinas, proteínas metabolicamente ativas que ajudam a destruir microorganismos indesejáveis. Muitas bacteriocinas já foram descritas, incluindo uma substância de baixo peso molecular, reuterina, produzida pela L. reuteri. Tanto lactobacilos quanto bifidobactérias são capazes de produzir estes elementos. Por sua vez, o Lactobacillus rhamnosus GG produz, além de bacteriocinas, um biossurfactante que auxilia em sua própria sobrevivência. Considerando-se que a disponibilidade de nutrientes é um fator limitante para o crescimento bacteriano, a competição por nutrientes é extremamente importante. Esta é maior no cólon distal, visto haver menor quantidade de resíduos alimentares nesta porção, comparativamente ao cólon proximal e intestino delgado. Portanto, o aumento no número de lactobacilos e bifidobactérias não permitiria a proliferação de bactérias patogênicas. Um dos fatores responsáveis pela ação da bactéria patogênica no trato gastrointestinal refere-se a sua capacidade em aderir a receptores específicos da mucosa intestinal. Uma das ações atribuídas aos probióticos, sobretudo lactobacilos, é a capacidade em aderir a estes receptores, não sendo, assim, eliminados pelo peristaltismo e prevenindo bactérias patogênicas como Salmonella typhimurium, Yersinia enterocolitica e Escherichia colli de produzirem seus efeitos enteropatogênicos. Ainda, Lactobacillus plantarum sintetiza adesinas para receptores intestinais que contem manose. Portanto, competem com Escherichia coli que necessita ligar-se às células intestinais através destes receptores para exercer sua atividade patogênica. Efeito imunomodulador O intestino constitui-se no maior órgão linfóide do corpo humano, sendo de importância para as reações imunes, incluindo a presença de anticorpos, como da imunoglobulina A secretora, e de muitas células imunocompetentes dispersas na lâmina própria e epitélio ou organizadas em estruturas bem definidas que executam uma função chave na apresentação antigênica e desenvolvimento da resposta imune a microorganismos e proteínas da dieta. Os efeitos imunes observados dos probióticos incluem aumento no gama-interferon em pacientes com alergia ao leite de vaca e dermatite atópica, provavelmente em decorrência do desvio da resposta imune ao perfil TH1. Assim, a presença destes agentes no trato gastrointestinal pode ajudar com o desenvolvimento de uma resposta de tolerância. Células precursoras hematopoiéticas CD34+ têm sido detectadas em grande número no sangue periférico de pacientes atópicos. Um estudo mostrou uma redução nestas células, em adição à resolução clínica de sintomas nestes pacientes, após o uso de probióticos. Recuperação da permeabilidade intestinal Alguns lactobacilos podem ter algum efeito na expressão do gene mucina, estimulando a produção de muco na mucosa intestinal, contribuindo, assim, para a eficiência da função de barreira da mucosa intestinal. Síntese protéica do trato gastrointestinal Tanto lactobacilos quanto bifidobactérias são capazes de induzir a síntese de proteínas com potencial alergênico no trato gastrointestinal. Este processo pode contribuir para a redução da alergenicidade protéica, minimizando o risco para alergia alimentar. USO DE PROBIÓTICOS NA PRÁTICA CLÍNICA Probióticos e diarréia Desde o início do último século há interesse no uso de probióticos para a prevenção e tratamento da diarréia. No atual contexto, probióticos podem ser considerados como medidas adjuvantes eficientes para o controle e tratamento da diarréia e suas conseqüências. A função dos probióticos na prevenção e tratamento da diarréia pode ser analisada de acordo com três perspectivas: 2

3 Tratamento da diarréia aguda Prevenção da diarréia Prevenção da diarréia associada a antibióticos A função dos probióticos no tratamento da diarréia aguda foi analisada em meta-análise publicada em 2001, com 416 pacientes, mostrando que pacientes tratados com probióticos apresentaram 2.5 vezes menos diarréia com mais de 3 dias de duração após a intervenção comparativamente a pacientes em uso de placebo. No que se refere à duração da diarréia imediatamente após a intervenção, pacientes tratados com probióticos mostraram, em média, duração da diarréia 18.2 horas menos que os controles. No caso de crianças menores com infecção por rotavírus, este valor correspondeu a 24.8 horas, ou seja, em média, duração de 1 dia a menos. Estudo dinamarquês com 69 crianças, com idade de 6 a 36 meses, hospitalizadas por diarréia aguda (embora não desidratadas), identificou rotavírus em 66.7% como causa da infecção. O grupo intervenção recebeu Lactobacillus reuteri e Lactobacillus rhamnosus e o controle, placebo (ambos por 5 dias). A duração da diarréia imediatamente após a intervenção foi de 81.5±37.3 horas no grupo intervenção e de 101.1±47.6 horas no grupo controle, com significância estatística (p=0.07). Por outro lado, ao se considerar somente pacientes incluídos no estudo com duração prévia da diarréia inferior a 60 horas, a duração média da diarréia em 10 crianças que receberam probióticos foi menor (p=0.03) em relação a 18 pacientes que receberam placebo. Concluiu-se que o efeito dos probióticos foi mais pronunciado quando os pacientes os usaram na fase inicial do processo diarréico. No Brasil um estudo avaliou o efeito do Lactobacillus GG na redução das perdas fecais em 124 crianças com diarréia aguda grave associada com desidratação (moderada ou grave em mais de 90% dos pacientes). A duração média da diarréia após a intervenção foi similar (p=0.59) nos grupos que receberam probióticos e placebo. Ainda, as perdas fecais variaram consideravelmente em ambos os grupos, com medianas similares (p=0.81) para ambos os grupos. Um estudo conduzido em Bangladesh avaliou o efeito do Lactobacillus paracasei em 230 meninos com idade entre 6 e 24 meses, com diarréia por menos de 2 dias. O estudo mostrou que o uso de probióticos associou-se com uma redução estatisticamente significante nos seguintes parâmetros de pacientes com diarréia por não rotavírus: perda fecal cumulativa, número de movimentos intestinais, ingestão de solução de reidratação oral e proporção de crianças cuja diarréia se resolveu no sexto dia de intervenção. Por outro lado, nenhum efeito favorável foi observado em crianças com diarréia por rotavírus. A função dos probióticos na prevenção da diarréia foi avaliada através de estudos com crianças hospitalizadas ou na comunidade. Saavedra publicou estudo com 54 crianças hospitalizadas, com idade de 5 a 24 meses, seguidas por até 17 meses. As crianças alimentadas com leite contendo probióticos (B. bifidus e S. thermophilus) tiveram uma incidência menor de diarréia (7%) do que pacientes do grupo controle (31%). Entretanto, um estudo peruano utilizando Lactobacillus GG ou placebo em 204 crianças não revelou qualquer redução na duração dos episódios de diarréia, mas mostrou alguma vantagem para crianças que não foram naturalmente amamentadas. Há na literatura um número maior de estudos sobre prevenção da diarréia associada ao uso de antibióticos. Vanderhoof avaliou 188 crianças que tinham recebido antibióticos para o tratamento de infecções respiratórias combinado com Lactobacillus GG ou placebo. Houve redução estatisticamente significativa na ocorrência de diarréia no grupo probiótico (RR=0.28, com IC95%: ). Um estudo brasileiro avaliou o efeito de uma fórmula de leite contendo Bifidobacterium lactis e Streptococcus thermophilus ou sem probióticos, para a prevenção da diarréia associada ao antibiótico, em 157 crianças com idade entre 6 e 36 meses recebendo antibioticoterapia para infecções respiratórias. A porcentagem de crianças que desenvolveram diarréia nos 30 dias subseqüentes após a implementação do antibiótico correspondeu a 16.3% no grupo que recebeu o leite com probióticos e a 31.2% no grupo controle, com significância estatística. Quatro metaanálises avaliaram a prevenção da diarréia associada a antibióticos com o uso de probióticos. Duas publicadas em 2002 mostraram um risco relativo de 0.36 e 0.40, com IC95% similar, com o limite superior de confiança inferior a 1.0. Com isso, ambos mostraram que o uso de probióticos reduziu o risco de diarréia associada a antibióticos em aproximadamente 2.5 vezes. As duas meta-análises publicadas em 2006, incluindo um número maior de estudos, confirmaram estes valores (0.43 com 3

4 intervalo de confiança de 0.20 e 0.75 e 0.48 com intervalo de confiança de 0.35 e 0.65). Em uma destas meta-análises avaliou-se o princípio da intenção de tratar. Isto não mostrou vantagem no uso de probióticos para a prevenção da diarréia (risco relativo = 1.0 com intervalo de confiança de 0.62 e 1.61). Considerando o subgrupo de 4 estudos nos quais mais de 5 bilhões de CFU/dia de probióticos foi administrada, mostrou-se evidência maior de proteção, caracterizada pelo risco relativo menor e intervalos de confiança mais estreitos. Probióticos e doenças alérgicas A melhoria nas condições de higiene determinando contato reduzido com microorganismos pode ter produzido uma redução na resposta TH1 em detrimento da resposta imune TH2, característico de processos alérgicos. Uma prova disto é que crianças de famílias que adotam um estilo de vida antroposófico, com uso restrito de antibióticos e vacinas e uma dieta orgânica, mostram incidência menor de processos alérgicos, além da presença de uma microbiota intestinal rica em lactobacilos e bifidobactérias. A maioria dos estudos com probióticos avaliou pacientes com eczema atópico. Majamaa & Isolauri avaliaram crianças com eczema atópico e alergia ao leite de vaca e encontraram benefícios à saúde com o uso de L. rhamnosus GG. Estudo finlandês, duplo-cego, com 230 crianças, comparou se o uso de um probiótico, quatro probióticos ou placebo teria efeito adicional no tratamento convencional da dermatite atópica em crianças. Tratamento tópico incluiu hidrocortisona e leite de vaca e derivados foram retirados da dieta, sendo substituídos por hidrolisado protéico. O grupo que recebeu somente um probiótico apresentou vantagem sobre os outros dois grupos quando um mecanismo IgE mediado foi identificado. Surpreendentemente, o uso de quatro probióticos produziu resultados similares aos obtidos com placebo. No que se refere à alergia respiratória dois estudos avaliaram os efeitos do uso de lactobacilos em pacientes alérgicos. Um dos estudos avaliou o uso de Lactobacillus acidophilus em adultos com asma moderada e mostrou redução no número de eosinófilos e aumento no gama-interferon, mas sem qualquer vantagem nos parâmetros clínicos. Outro estudo avaliou adolescentes com alergia a pólen e usou Lactobacillus rhamnosus GG sem achar benefícios à saúde. No que se refere à função dos probióticos na prevenção de doenças atópicas iniciais, um estudo avaliou o uso de Lactobacillus GG em mulheres grávidas ao final do 3º trimestre de gestação e nos primeiros meses de vida das crianças com história familiar de doença atópica. Aos dois anos a proporção de crianças com dermatite atópica foi menor entre aquelas que receberam probióticos em relação as que receberam placebo. Entretanto, o aumento nos níveis de IgE, de imunoglobulinas específicas e de testes cutâneos com resultados positivos foi similar em ambos os grupos. As mesmas crianças que participaram deste estudo foram reavaliadas aos 4 anos e o efeito protetor contra dermatite atópica persistiu. Modelos animais sugerem que o uso de probióticos pode auxiliar com a indução de tolerância oral, prevenindo a resposta TH2. É necessário avaliar melhor os efeitos dos probióticos para o controle e/ou prevenção da doença alérgica, desde que estudos experimentais sugerem que cepas específicas de probióticos podem agir na mucosa intestinal com modulação potencial da resposta alérgica. Segurança do uso de probióticos Estudos têm mostrado que o uso de probióticos em indivíduos saudáveis não aumenta o risco de doenças bacterianas. Até mesmo em pacientes imunossuprimidos este risco é baixo, embora 89 casos de bacteremia induzida por lactobacilos tenham sido registrados, usualmente associados com comorbidades graves prévias. Prebióticos em pediatria Prebióticos incluem fruto-oligossacarídeos, inulina, gluco-oligossacarídeos, galactooligossacarídeos, isomalto-oligossacarídeos, xilo-oligossacarídeos, entre outros. Lactitol, lactulose e lactose não são absorvidos pelo intestino delgado e podem ter um efeito prebiótico no cólon. O primeiro prebiótico é encontrado no leite materno. Oligossacarídeos constituem-se em um dos nutrientes mais abundantes no leite humano. O efeito bifidogênico do leite humano, conhecido desde 1920, foi relacionado aos oligossacarídeos do leite humano em Entretanto, a composição dos oligossacarídeos do leite humano não é a mesma para todas as mães. Assim, visto 4

5 a variabilidade quantitativa e qualitativa dos oligossacarídeos do leite humano pode haver diferenças na microbiota intestinal infantil. Neste contexto a adição de prebióticos às fórmulas infantis permite oferecer um tipo de alimento cuja composição aproxima-se dos carboidratos do leite humano. Estudos têm mostrado que as fórmulas com prebióticos aumentam a quantidade de bifidobactérias e lactobacilos na microbiota de crianças, comparado com aquelas não alimentadas com tais fórmulas. Entretanto, uma formulação fixa de prebióticos não mimetiza as peculiaridades observadas na composição do leite humano. Por esta razão, também considerando as outras vantagens do leite humano, alimentação com amamentação exclusiva deve ser continuamente encorajada. Alguns estudos têm tentado relacionar prebióticos a mecanismos imunes. Algumas propriedades relacionadas à proteção contra infecções, aumento na absorção intestinal de cálcio, entre outras, têm sido descritas como características de prebióticos em estudos experimentais. EXEMPLIFICAÇÃO DE FÓRMULA Lactobacillus rhamnosus sachet A formulação contida neste artigo é apresentada como exemplificação, podendo ser modificada a critério médico. FARMACOLOGIA RESUMIDA: LACTOBACILOS PROBIÓTICOS Fármaco Classe Terapêutica Indicações Principais Lactobacillus rhamnosus...5 bilhões de UFC Excipiente qsp...1 sachet Mande...sachets. Posologia: 1 sachet ao dia ou a critério médico. Lactobacilos Probióticos Suplemento nutricional Terapia das disfunções intestinais; Antagonismo aos patógenos; Normalizar a motilidade intestinal e processo digestivo; Produção de ácidos graxos de cadeia curta; Aumento da absorção de minerais; Aumento da produção de vitaminas; Redução do colesterol; Aumento da imunidade; Tratamento das alergias alimentares. Efeitos Adversos Principais Precauções de Uso Observa-se aumento na flatulência que usualmente desaparece com a continuidade do uso do medicamento. Se este efeito persistir ou piorar o médico ou o farmacêutico devem ser notificados prontamente. Indivíduos sensíveis a produtos lácteos não devem utilizar lactobacillus O paciente deve ser aconselhado a entrar em contato com o médico se o seu estado clínico não melhorar, persistir ou piorar. Se o paciente estiver utilizando o medicamento para tratar diarréia relacionada ao uso de antibióticos, deverá ser orientado a não utilizar o medicamento por mais de dois dias ou na presença de febre alta, a menos que tenha sido prescrito pelo médico. 5

6 Referências: 1. Lactobacilos Probióticos Klaire Laboratories Allergy Research Group (folheto explicativo). 2. Lactobacillus acidophilus. Disponível em:www.kornax.com/acidophilus.htm. Acesso em 03 de maio de Lactobacillus. Disponível em:www.drmirkin.com/nutrition/8279.html. Acesso em 03 de maio de Lactobacillus. Disponível em:www.aap.org/advocacy/releases/apryogurt.htm. Acesso em 03 de maio de Journal of Nutritional Immunology, 2(4): 61-8, Lactobacillus. Disponível em: Acesso em 02 de maio de Artigo Técnico Pediatria é parte integrante do SAP, produto exclusivo da Racine Consultores Ltda. 6

Probióticos Definição e critérios de seleção

Probióticos Definição e critérios de seleção Probióticos Definição e critérios de seleção Prof. Flaviano dos Santos Martins Laboratório de Agentes Bioterapêuticos Departamento de Microbiologia ICB-UFMG Definição FAO/WHO micro-organismos vivos que

Leia mais

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara

PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara PROBIÓTICOS EM PREVENÇÃO DE INFECÇÃO: AFINAL VALE A PENA? Lourdes das Neves Miranda Hospital Geral de Pirajussara II Controvérsias em Infecção Hospitalar - APECIH 11 de junho de 2011 Nós e eles Interação

Leia mais

Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos?

Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos? Por que consumir alimentos Probióticos e prebióticos? Na palestra será abordada a importância da ingestão de probióticos e prebióticos para o fortalecimento da saúde humana bem como a diferença entre probióticos

Leia mais

Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos

Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos Probióticos: do isolamento à formulação de novos produtos Profa. Elisabeth Neumann Laboratório de Ecologia e Fisiologia de Microrganismos Departamento de Microbiologia/ICB/UFMG Probióticos Micro-organismos

Leia mais

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN Alimentos com alegação de propriedades funcionais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA

A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Ciclo de Palestras A IMPORTÂNCIA DOS PROBIÓTICOS NA MICROBIOTA INTESTINAL HUMANA Luciana Mouta de Oliveira PROBIÓTICOS - DEFINIÇÃO Suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que afetam beneficamente

Leia mais

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES

USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES USO DE ANTIBIÓTICOS COMO PROMOTORES DE CRESCIMENTO E SEUS IMPASSES Em Animais Domésticos Barbara do Prado Verotti Graduanda de Medicina Veterinária 2011 História da descoberta Muitas culturas da antiguidade

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi

Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi Efeito da Tecnologia do Consórcio Probiótico (TCP) na eficiência de alimentação e metabólitos séricos em frangos com a Suplementação Bokashi Sumário Os objetivos deste estudo foram testar a eficiência

Leia mais

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS Cristiane Maria Barra da Matta Engenheira de Alimentos do Centro de Pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia Professora do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Amor sem medida CORREIO POPULAR

Amor sem medida CORREIO POPULAR _ESPAÇO GOURMET: rondelle com ricota e nozes é um convite e tanto a, com a inspiração das mammas, reunir a família e praticar os dotes culinários _MOTORPREMIUM: segundo modelo produzido na fábrica da Land

Leia mais

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS

SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS SUPLEMENTOS ALIMENTARES: STATUS DA REGULAMENTAÇÃO NO BRASIL E PERSPECTIVAS FUTURAS Simpósio Latino Americano sobre Fortificação de Alimentos e Suplementos Stefani Faro de Novaes Especialista em Regulação

Leia mais

Saccharomyces boulardii na diarreia infantil

Saccharomyces boulardii na diarreia infantil Atualização em Nutracêuticos 1 na diarreia infantil O tratamento com S. Boulardii proporciona redução do tempo de duração da diarreia aguda em crianças 1. Formulações contendo S. boulardii diminuem significativamente

Leia mais

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA

PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Os benefícios da administração de PROBIÓTICOS AO SEU ANIMAL DE COMPANHIA Benefícios dos probióticos. Em humanos, os diversos benefícios para a saúde derivados da toma regular de probióticos - as chamadas

Leia mais

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE

BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE BENEFÍCIOS DO KEFIR DE LEITE Ele é rico em nutrientes e probióticos, é extremamente benéfico para a digestão e saúde do intestino, e muitas pessoas consideram ser uma versão mais poderosa do iogurte: 1.

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

Conjunto de microrganismos presente na superfície da pele e de algumas mucosas que se instala no indivíduo ao nascimento permanecendo até sua morte.

Conjunto de microrganismos presente na superfície da pele e de algumas mucosas que se instala no indivíduo ao nascimento permanecendo até sua morte. 1 CONCEITO: Conjunto de microrganismos presente na superfície da pele e de algumas mucosas que se instala no indivíduo ao nascimento permanecendo até sua morte. Pele com e sem pelos Pele: Existem vários

Leia mais

Alimentos Prebióticos

Alimentos Prebióticos Alimentos Prebióticos Uso e disponibilidade no mercado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN Ciclo de palestras Palestrante:

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos que realizam a ingestão dos alimentos, sua digestão e a absorção dos produtos resultantes;

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 55/2017

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 55/2017 Empresa: Endereço: Fundaçao Hospitalar Santa Terezinha de Erechim Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 55/2017 Fone: Cidade: Bairro: Cep: Data Abertura: 08/11/2017 09:00:00 Data Emissão: 24/10/2017

Leia mais

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 Lactente vem evoluindo bem, com sinais e sintomas comuns dessa faixa etária Ganho de peso limítrofe. Cólicas e hábito intestinal compatível com aleitamento misto. Pediatra

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017

SISTEMA DIGESTÓRIO. 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 SISTEMA DIGESTÓRIO 8º ano/ 2º TRIMESTRE Prof Graziela Costa 2017 Tubo Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares

Leia mais

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO Fernanda Maria Denck (PIBIC/UEPG), Cheila Roberta Lehnen (Orientadora) e-mail: cheilalehnen@gmail.com, Joao Otávio

Leia mais

FIBRAS: por que consumi-las?

FIBRAS: por que consumi-las? FIBRAS: por que consumi-las? COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL GVEDNT / SUVISA / SES-GO Fibras: por que consumi-las? GOIÂNIA 2014 Autoria Maria Janaína Cavalcante Nunes Daniela Ayumi Amemiya Cássia

Leia mais

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco.

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco. Seu pessoal ImuPro Screen documentos Amostra de ID: 110085 Com esta carta, você receberá seu resultado ImuPro para seu próprio teste de alergia alimentar IgG. Esse relatório laboratorial contém seus resultados

Leia mais

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação

Fale Conosco Mapa do Site Sites de Interesse Perguntas Freqüentes Serviços. Áreas de Atuação Legislação Acesse o Portal do Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância English Español Orientações aos Consumidores de Alimentos Consultas Públicas Consolidação Destaques na das Internet Boletim Alimentos

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Empresa: Endereço: Fundaçao Hospitalar Santa Terezinha de Erechim Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Fone: Cidade: Bairro: Cep: Data Abertura: 08/11/2016 09:00:00 Data Emissão: 25/10/2016

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas URO-VAXOM Lisado bacteriano de Escherichia coli APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas USO ORAL USO ADULTO E/OU PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos

Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos Produtos e especialidades para nutrição animal derivados de microrganismos João Fernando Albers Koch Zootecnista Doutor em Nutrição Animal P&D Biorigin Brasília/DF Setembro - 2017 Introdução Indústria

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS Aline Bezerra Moura, Carlos Humberto da Silva Araujo,

Leia mais

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos

alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos alta tecnologia na produção de pescado enriquecido com probióticos Por: Prof.Marco Antônio Lemos Miguel Biólogo, MSc.PhD Centro de Ciências da Saúde, UFRJ Ovas de peixe, enriquecidas com probióticos 46_Animal

Leia mais

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e do folheto informativo

Anexo III. Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e do folheto informativo Anexo III Alterações às secções relevantes do resumo das características do medicamento e do folheto informativo Nota: Estas alterações às secções relevantes do Resumo das Características do Medicamento

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA

SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO MÓDULO 7 FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestório, responsável pela quebra dos alimentos e absorção dos nutrientes, é composto pelo tubo digestório e pelas glândulas anexas.

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0001 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 13:35 horas do dia 01 de março de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico 033/2012, referente ao processo 2011050019, o Sr(a). Samuel Braga Bonilha,

Leia mais

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea

Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus. Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea Sistema Digestório Boca -Faringe - Esôfago - Estômago - Intestino Delgado - Intestino Grosso Reto - Ânus Glândulas Anexas: Glândulas Salivares Fígado Pâncrea A maioria dos mamíferos mastiga o alimento

Leia mais

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA)

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Disciplina de Saúde Pública DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS (DTA) Francielle Liz Monteiro

Leia mais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais

Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Critério: Saúde/bem-estar: alimentos funcionais Sistema da Cadeia Agro-Alimentar Ana Pinto de Moura O que é um alimento funcional? Qualquer alimento ou parte de um alimento que por possuir actividade fisiológica/biológica,

Leia mais

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal.

Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Fibregum B (Colloïdes Naturels International /França) Todos os benefícios de uma fibra prebiótica, sem provocar o desconforto intestinal. Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e ao mesmo

Leia mais

Antígenos e Imunoglobulinas

Antígenos e Imunoglobulinas Curso: farmácia Componente curricular: Imunologia Antígenos e Imunoglobulinas DEYSIANE OLIVEIRA BRANDÃO Antígenos (Ag) São estruturas solúveis ou particuladas reconhecidas pelo organismo como estranha

Leia mais

APROVADO EM 06-05-2004 INFARMED

APROVADO EM 06-05-2004 INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO APROVADO EM 1 DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Q10 Forte, 30mg, cápsula 2 COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Uma cápsula de Q10 Forte contém 30mg de ubidecarenona

Leia mais

Neutrófilos. Eosinófilos. Basófilos 27/03/2017

Neutrófilos. Eosinófilos. Basófilos 27/03/2017 Neutrófilos São os leucócitos mais abundantes no sangue periférico de adultos. Os neutrófilos maduros são células altamente especializadas no exercício da fagocitose e destruição intracelular de bactérias

Leia mais

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra

BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra BIOQUÍMICA DOS ALIMENTOS: AMIDO RESISTENTE E FIBRAS (aula 2) Patricia Cintra Fibra alimentar - definição No Brasil, o Ministério da Saúde, pela portaria 41 de 14 de janeiro de 1998, da Agência Nacional

Leia mais

Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus mitis, Streptococcus pneumoniae, Klebsiella pneumoniae, Branhamella catarrhalis,

Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus mitis, Streptococcus pneumoniae, Klebsiella pneumoniae, Branhamella catarrhalis, ESTIMORAL lisado bacteriano Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes, Streptococcus mitis, Streptococcus pneumoniae, Klebsiella pneumoniae, Branhamella catarrhalis, Haemophilus influenzae 1) IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg NATURETTI Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg Espécie vegetal e parte da planta utilizada Espécie vegetal: Senna alexandrina Miller (sene), Cassia fistula (cássia). Partes utilizadas:

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA PREVENÇÃO DO CÂNCER: uma atenção para os probióticos, prebióticos e simbióticos na prevenção do câncer de. intestino.

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA PREVENÇÃO DO CÂNCER: uma atenção para os probióticos, prebióticos e simbióticos na prevenção do câncer de. intestino. ALIMENTOS FUNCIONAIS NA PREVENÇÃO DO CÂNCER: uma atenção para os probióticos, prebióticos e simbióticos na prevenção do câncer de intestino. Karoline Carvalho de Souza 1 Daniela De StefaniMarquez 2 Dulcelene

Leia mais

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas)

Imunidade Humoral. Células efectoras: Linfócitos B. (Imunoglobulinas) Imunidade Humoral Células efectoras: Linfócitos B (Imunoglobulinas) Determinantes antigénicos Também conhecidos como epítopos, são porções do antigénio que reúnem aspectos físicos e químicos que favorecem

Leia mais

Nome do medicamento: FORTEVIT Forma farmacêutica: Solução Oral Concentração: 3,00 mg/ml ferro quelato + 0,05 mg/ml cloridrato de piridoxina + 0,80

Nome do medicamento: FORTEVIT Forma farmacêutica: Solução Oral Concentração: 3,00 mg/ml ferro quelato + 0,05 mg/ml cloridrato de piridoxina + 0,80 Nome do medicamento: FORTEVIT Forma farmacêutica: Solução Oral Concentração: 3,00 mg/ml ferro quelato + 0,05 mg/ml cloridrato de piridoxina + 0,80 mg/ml nicotinamida FORTEVIT ferro quelato cloridrato de

Leia mais

Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas

Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas FOLHETO INFORMATIVO LEIA ATENTAMENTE ESTE FOLHETO ANTES DE TOMAR O MEDICAMENTO. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o voltar a ler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Ciência e Tecnologia de Alimentos Campus Rio Pomba Questão 01: Dê o fundamento e as etapas envolvidas no processo de liofilização de alimentos e cite quatro diferenças entre o processo de liofilização e o processo de secagem convencional. Pag. 1 de 15

Leia mais

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA.

VITER C ácido ascórbico. Natulab Laboratório SA. VITER C Natulab Laboratório SA. Solução Oral 200 mg/ml VITER C APRESENTAÇÕES Cartucho contendo frasco com 20 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL

Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL APRESENTAÇÃO Caixa com 20 cápsulas. COMPOSIÇÃO Cada cápsula de

Leia mais

Dieta materna na gestação e lactação na prevenção de doenças alérgicas

Dieta materna na gestação e lactação na prevenção de doenças alérgicas IX Simpósio Internacional de Alergia Alimentar Dieta materna na gestação e lactação na prevenção de doenças alérgicas Fabíola Isabel Suano de Souza Tópicos a serem abordados Introdução Prevenção: gestação

Leia mais

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Sumário SEÇÃO I Capítulo 1 A resposta integrada a uma refeição Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Objetivos / 1 Visão geral do sistema gastrintestinal e de suas

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32.

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE : É uma resposta imunológica exagerada ou inapropriada a um estímulo produzido por um antígeno. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica BULA Terramicina com sulfato de polimixina B (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B -

Leia mais

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância

Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância Ovos Além de poucas calorias, os ovos contêm mais de 12 vitaminas e minerais e ainda uma quantidade nada desprezível de proteínas, substância essencial para a intensa produção de células que acontece no

Leia mais

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo

Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Soluções Naturais e Complementares na terapêutica do Sistema Digestivo Somos o que comemos Alterações a nível de temperamento, níveis de energia, capacidade de raciocínio, impulso sexual e hábitos de sono

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Fucidine H 20 mg/g + 10 mg/g Creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Ácido fusídico 20 mg/g e Acetato de hidrocortisona 10 mg/g.

Leia mais

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente Mupirocina Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g Mupirocina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE mupirocina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de 20 mg/g

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

Omelete de Claras. Opção proteica

Omelete de Claras. Opção proteica Omelete de Claras Opção proteica INTRODUÇÃO O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa para ser utilizada no pós treino, ou até mesmo como uma refeição

Leia mais

Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP). Artigo Técnico Ginecologia Dezembro / 2006 Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP). Estudo dividido em grupos: placebo, metformina,

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos.

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos. BIOMETRIA E ph DO TRATO DIGESTÓRIO DE FRANGOS DE CORTE SOB DESAFIO DE CAMA REUTILIZADA E ALTA DENSIDADE Liliane Heuert (PROVIC/UEPG), Bruno Machado, Kátia Nagano, Shivelly Galetto, Bruna Fittkau, Felipe

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 1 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório: Trato

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

NEOPANTOL. (dexpantenol)

NEOPANTOL. (dexpantenol) NEOPANTOL (dexpantenol) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Pomada dexpantenol 50 mg/g Neopantol - pomada - Bula para o profissional de saúde 1 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NEOPANTOL dexpantenol

Leia mais

06/10/2017. Microbiologia da água

06/10/2017. Microbiologia da água 06/10/2017 Microbiologia da água Água Água potável 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso ao saneamento básico países em desenvolvimento. 1,5 milhões de crianças morrem por ano, tendo como causa as diarréias.

Leia mais

4ª Ficha de Trabalho para Avaliação Biologia (12º ano)

4ª Ficha de Trabalho para Avaliação Biologia (12º ano) 4ª Ficha de Trabalho para Avaliação Biologia (12º ano) Ano Lectivo: 2008/2009 Nome: Nº Turma: CT Curso: CH-CT Data: 06/03/2009 Docente: Catarina Reis NOTA: Todas as Respostas são obrigatoriamente dadas

Leia mais

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu

O papel das fibras nos alimentos. Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O papel das fibras nos alimentos Mestrando: Joel Pimentel de Abreu O que é fibra alimentar As fibras alimentares são compostos vegetais presentes na dieta, como celulose, hemicelulose, pectinas, gomas,

Leia mais

Defesa não Especifica. Realizado por: Ricardo Neves

Defesa não Especifica. Realizado por: Ricardo Neves Defesa não Especifica Realizado por: Ricardo Neves Como se defende o nosso corpo das doenças? Vacinas? Como são feitas? Como funcionam? http://www.theimmunology.com/animations/vaccine.htm Constituição

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE RESPOSTA RÁPIDA 386/2013 Assunto: NUTRISON SOYA SOLICITANTE Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora NÚMERO DO PROCESSO 13 008656-8 DATA 26/11/2013 SOLICITAÇÃO Para fins

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o

Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o A química da Vida Água A superfície da Terra é constituída de três quartos de água, cerca de 70%, a maior parte está concentrada nos oceanos e mares, cerca de 97,5%, o restante 2,5% está concentrado em

Leia mais

NIDINA EXPERT CONFORT

NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT NIDINA EXPERT CONFORT é uma fórmula especialmente indicada para o tratamento dietético da cólica infantil e de sintomas de desconforto intestinal associados, que deve ser utilizada

Leia mais

MUVINLAX macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio

MUVINLAX macrogol bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio MUVINLAX macrogol 3350 + bicarbonato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de potássio APRESENTAÇÕES Pó para preparação extemporânea sabor limão. Embalagens contendo 20 sachês com 14 g cada. USO ORAL USO

Leia mais

TCM PÓ. Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó

TCM PÓ. Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó Informações Técnicas TCM PÓ Triglicerídeo de Cadeia Média em Pó INTRODUÇÃO A matéria-prima TCM em pó é atomizada e microencapsulada. Por se tratar de um processo térmico mais brando, as características

Leia mais

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 5,8 mg/g + 3,9 mg/g

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 5,8 mg/g + 3,9 mg/g NATURETTI Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 5,8 mg/g + 3,9 mg/g Espécie vegetal e parte da planta utilizada Espécie vegetal: Senna alexandrina Miller (sene), Cassia fistula (cássia). Partes utilizadas:

Leia mais

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg

simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg simeticona Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA BATATA YACON NA ALIMENTAÇÃO HUMANA COMO FONTE DE PRÉ-BIÓTICO

UTILIZAÇÃO DA BATATA YACON NA ALIMENTAÇÃO HUMANA COMO FONTE DE PRÉ-BIÓTICO 327 UTILIZAÇÃO DA BATATA YACON NA ALIMENTAÇÃO HUMANA COMO FONTE DE PRÉ-BIÓTICO Marina Oliveira Santana ¹, Cristiane Sampaio Fonseca ², Luiza Carla Vidigal ³. Resumo: As evidências científicas sobre a relação

Leia mais

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD

Sessão clínica. Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação. Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Sessão clínica Doença renal crónica Relação com a flora intestinal e impacto da alimentação Pedro Campos, MD Ana Pires, MD PhD Serviço de Nefrologia 10 Março 2016 Sumário Microbioma Intestinal Microbioma

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE A lactose é um carboidrato, conhecido popularmente como açúcar do leite. É um dissacarídeo formado por dois açúcares

Leia mais

AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL

AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL MODELO DE BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SOLUÇÃO OTOLÓGICA DE AURIS

Leia mais

STATUS SANITÁRIO DOS ANIMAIS DE LABORATÓRIO E PRINCIPAIS DOENÇAS DE INTERESSE EM ANIMAIS DE LABORATÓRIO. Luisa Macedo Braga

STATUS SANITÁRIO DOS ANIMAIS DE LABORATÓRIO E PRINCIPAIS DOENÇAS DE INTERESSE EM ANIMAIS DE LABORATÓRIO. Luisa Macedo Braga STATUS SANITÁRIO DOS ANIMAIS DE LABORATÓRIO E PRINCIPAIS DOENÇAS DE INTERESSE EM ANIMAIS DE LABORATÓRIO Luisa Macedo Braga Classificação Sanitária Fundamentos Microbiota O conjunto de organismos (bactérias,

Leia mais

Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral.

Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral. 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada g contém: Substância Activa: Bromexina (Cloridrato) 9.1 mg Para lista completa de

Leia mais