ANÁLISE DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE RECÔNCAVO, ESTADO DA BAHIA: O GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO TERRITORIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE RECÔNCAVO, ESTADO DA BAHIA: O GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO TERRITORIAL"

Transcrição

1 ANÁLISE DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NO TERRITÓRIO DE IDENTIDADE RECÔNCAVO, ESTADO DA BAHIA: O GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO TERRITORIAL Israel de Oliveira Junior 1 ; Diego Rebouças Costa 2 1 Geógrafo, professor auxiliar do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia (DCHF), Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), 1 Graduando em Geografia, DCHF, UEFS, RESUMO: Por meio deste estudo objetivou-se aplicar técnicas de geoprocessamento na análise de indicadores socioeconômicos no contexto do território de identidade do Recôncavo, para subsidiar as discussões sobre as contradições espaciais baianas e as referentes ao planejamento territorial. Construiu-se um referencial teórico sobre indicadores sociais, planejamento territorial, geoprocessamento, nas circunstâncias da Bahia. Elaborou-se um banco de dados SIG para a inclusão de informações espaciais georreferenciadas, no intuito de aplicar e espacializar os indicadores socioeconômicos, como população absoluta, PIB, PIB per capita, IDH e alfabetização. As classes dos mapas foram definidas pela técnica de quebras naturais, as quais possibilitaram analisar as contradições sociais e econômicas entre os municípios do território. A aplicação dos indicadores por meio das técnicas de geoprocessamento possibilitou averiguar as discrepâncias entre os dados econômicos e sociais entre os municípios do Recôncavo, pois existem aqueles que se posicionam com altos índices econômicos e sociais e outros, entre os menores da Bahia. Há diversas situações contraditórias, que demonstram que o progresso econômico não é acompanhado por desenvolvimento social, como foi o caso de São Francisco do Conde, que possui o alto PIB per capita, mas tem um baixo IDH. PALAVRAS-CHAVE: SIG, contradições socioeconômicas, desigualdades municipais. INTRODUÇÃO: A definição da regionalização território de identidade adotado pelo governo do estado da Bahia no âmbito do Plano Plurianual PPA (BAHIA, 2007, 2011) assimila, teoricamente, princípios básicos da democratização de políticas públicas, como a proposta de descentralização das decisões, da regionalização das ações e da corresponsabilidade na aplicação de recursos, além da execução e avaliação de projetos. Entretanto, passado quase oito anos da configuração regional território de identidade há indícios de permanência das contradições espaciais estaduais. Com isso, por meio deste estudo buscou-se utilizar o Geoprocessamento para aplicar e analisar os indicadores socioeconômicos e diagnosticar os problemas espaciais no contexto baiano do território de identidade Recôncavo e delinear caminhos para o planejamento. O território de identidade Recôncavo localiza-se em torno da Baía de Todos os Santos, estado da Bahia (Figura 1), é integrado por 19 municípios, com uma área de 5,2 mil km 2 e possui uma população de habitantes (IBGE, 2010b). Os municípios do Recôncavo representam uma região marcada por grandes diferenças espaciais desde o início da colonização, apresentando-se com intensa complementaridade econômica e continuidade cultural, resultantes dos efeitos da história colonial que lhe conferem características peculiares e complexas. O território de identidade Recôncavo foi de fundamental importância para a formação e consolidação da economia da Bahia desde o ciclo do pau-brasil até o do petróleo, o que acarretou em impactos nos diversos momentos da urbanização e industrialização baiana, com alterações nas redes integradoras estaduais e nacionais (BOMFIM, 2006). Apesar de estar localizada na região a maior parte do capital formado na Bahia durante os últimos 50 anos, o território de identidade Recôncavo é majoritariamente um bolsão de estagnação econômica, profunda desigualdade e pobreza crítica (BOMFIM, 2006). 63

2 Figura 1 Localização da área de estudo polo regional de Guanambi, estado da Bahia-Brasil MATERIAL E MÉTODOS: A definição do geoprocessamento aponta para o papel dele nas pesquisas geográficas, pois possibilita a produção de informações espacializadas, em função dos métodos, técnicas, conceitos, dados e análises. Para o desenvolvimento deste estudo, buscou-se construir um referencial teórico sobre indicadores sociais (IBGE, 2010c; JANNUZZI, 2001, 2005; MILLÉO, 2005), planejamento territorial (BAHIA, 2007, 2011; BRITO, 2008; BOMFIM, 2006; SILVA; SILVA, 2006), geoprocessamento (LANG; BLASCHKE, 2009; LOBÃO; SILVA, 2013; LONGLLEY et al., 2013; SILVA, 2007) no contexto do estado da Bahia. Concomitantemente, selecionou-se dados e informações sociais para a construção de um banco de dados em ambiente Sistema de Informações Geográfico (SIG), no intuito de aplicar os indicadores sociais. Os principais dados constituíram em formatos vetoriais (shapefile) e alfanuméricos, referentes à demografia, produto interno bruto (PIB), alfabetização (IBGE, 2010b), Índice de desenvolvimento humano IDH (PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO, 2013) e limite político administrativo municipal (IBGE, 2010a). A partir da integração dos dados no SIG, espacializou-se as informações e classificou os mapas com a técnica de quebras naturais, em função de essas diminuírem a variância intra-classes e maximizar a variância entre as classes. Com a construção e finalização dos mapas, analisou-se as informações para reconhecer os impactos das políticas de planejamento territorial baianas no contexto do território de identidade Recôncavo. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Os municípios do território de identidade do Recôncavo com o maior contingente populacional são Santo Antônio de Jesus ( habitantes), Cruz das Almas ( habitantes) e Santo Amaro ( habitantes); os demais municípios possuem população inferior a 43 mil habitantes. A densidade demográfica de grande parte dos municípios é alta, 64

3 destacando-se Cruz das Almas (402,11 hab/km2), Santo Antônio de Jesus (348,21 hab/km 2 ) e Muritiba (323,61 hab/km 2 ); em uma situação oposta têm-se Castro Alves (35,70 hab/km 2 ) e Dom Macêdo Costa (40,16 hab/km 2 ) Figura 2. A taxa populacional entre os 18 e 39 anos dos municípios do território encontra-se acima dos 35%; superior aos 41% é localizada em São Félix, São Francisco do Conde e Santo Antônio de Jesus. Identificou-se que, na região, Cachoeira, Cruz das Almas, Maragogipe, Santo Amaro, Santo Antônio de Jesus, São Francisco do Conde e São Sebastião do Passé possuem o maior número de habitantes entre 18 e 39 anos, nos quais totalizam pessoas nessa faixa etária (Figura 2). No Brasil, a industrialização nacional resultou a partir da aglomeração polarizada (SILVA; SILVA, 2006) o que marcou uma nova divisão territorial do trabalho e redefiniu as relações de poder estabelecidas, em função das necessidades industriais de minérios e petrolíferas. Esse foi o momento que se observou uma maior instalação dos complexos industriais em diversas regiões do país e na Bahia a industrialização alterou profundamente a configuração espacial no Recôncavo, criando uma zona de concentração polarizada de um lado e zonas marginalizadas e atrasadas do outro lado. Nesse momento, inaugurou-se um padrão de organização socioespacial no conjunto Salvador e Recôncavo com o engajamento de trabalhadores no setor formal e no informal, criando também uma contradição entre a modernização emergente Salvador e São Francisco do Conde e a estagnação econômica no restante dos municípios do Recôncavo (BOMFIM, 2006). Alguns municípios de relevância históricocultural, tais como Cachoeira, Santo Amaro, Maragogipe configuram-se com sinais de degradação e estagnação econômicas, pois constituíram áreas de deficiência nos fluxos econômicos e de menos valorização, fatores observáveis nos dados do PIB (Figura 2). Houve uma melhoria em relação ao sistema de transporte rodoviário aproximando as cidades do Recôncavo do mercado de Salvador, mas, inicialmente, para privilegiar os interesses da Petrobras (BRITO, 2008). Tal aproximação tornou os municípios do território mais vulneráveis, assim como o alto contingente populacional de 18 a 39 anos, às variações de emprego, principalmente no agravamento do subemprego rural. Esse fato comprovou a existência das contradições regionais na Bahia, com a crescente modernização de Salvador e uns poucos municípios, em detrimento de outras regiões; os municípios do Recôncavo que possuem economia estática sofrem os efeitos negativos da diminuição de atividades econômicas expressos nos dados do PIB (Figura 2). A melhoria no setor de transporte é notada a partir da década de 1950 com algumas rodovias estaduais sendo asfaltadas com recursos da Petrobrás, por meio do programa de financiamento rodoviário estadual, aplicado para a execução de abertura de estradas (BOMFIM, 2006; BRITO, 2008). Entre as décadas de 1950 e 1970 foram asfaltadas estradas de acesso aos campos de petróleo em várias partes do Recôncavo, ligando-as ao município de Salvador (BRITO, 2008). Dessa maneira, possibilitou um amplo acesso rodoviário entre a capital e as áreas produtoras do Recôncavo e um dinamismo urbano, dando maior acessibilidade aos trabalhadores, comércio e também para escoar a produção (BRITO, 2008). Deve-se salientar que no estado da Bahia o sistema rodoviário predomina de forma quase absoluta em detrimento do sistema ferroviário e hidroviário. Dentre as rodovias mais importantes da rede de integração do Recôncavo destacam-se as BR 101 e BR 116 (Figura 1), fundamentais para escoar a produção industrial e agroindustrial. O Recôncavo configura-se com um aprofundamento das diferenças entre as suas sub-regiões, onde se evidenciou uma concentração industrial ao norte, uma grande diferenciação entre as regiões de exploração agroindustriais e os grandes espaços de pequena produção, como resultado de uma política de industrialização seletiva e concentrada (SILVA; SILVA, 2006). Com a redução da área plantada com a cana-de-açúcar e o fumo houve progressivamente uma desativação do antigo sistema econômico da região. O território de identidade Recôncavo tem vantagens por causa da localização e, consequentemente, pela facilidade em escoar a produção, mesmo assim a sua infraestrutura apresenta condições precárias. Entre os municípios do território, a renda concentra-se em São Sebastião do Conde (Figura 2), que apresenta o maior PIB (3,5 bilhões de reais) e PIB per capita (107,7 mil), devido à exploração de petróleo e gás natural. Em lado oposto encontram-se os demais municípios, todos com PIB inferior a 1,1 bilhões de reais (Figura 2) e PIB per capita abaixo de 12,1 mil reais. Analisou-se, inclusive, que o Recôncavo é marcado por diferenças marcantes no IDH, pois existem municípios que estão entre os primeiros na lista dos melhores índices do estado, como Santo Antônio de Jesus (8ª posição) e Cruz das Almas (9ª posição), e outros posicionados entre os últimos, a exemplo de Cabaceiras do Paraguaçu (249ª posição) (PNUD, 2013) Figura 2. O caso mais evidente de contradição socioespacial identificou-se no município de São Francisco do Conde, onde é encontrado o PIB per capita elevado e IDH médio. Isso indicou que a sociedade não se beneficia das receitas 65

4 arrecadas e que muitas mazelas sociais referentes ao acesso a serviços essências como educação, emprego formal, saúde pública, saneamento, dentre outros, ainda não foram sanadas. A taxa de alfabetização evidenciou, também, as desigualdades socioespaciais do território do Recôncavo, onde há municípios com taxa abaixo de 79,4% (Cabaceiras do Paraguaçu, Castro Alves, Maragogipe, Muniz Ferreira, São Felipe e Varzedo) e outros acima de 86% (Cruz das Almas, Santo Amaro, Santo Antônio de Jesus, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé e Saubara) Figura 2. Figura 2 Indicadores socioeconômicos do território de identidade Recôncavo-Bahia CONCLUSÕES: A aplicação e espacialização dos indicadores sociais por meio de técnicas de geoprocessamento possibilitou analisar problemas socioespaciais baianos refletidos nos baixos índices sociais. Pela análise dos dados do território de identidade Recôncavo percebeu-se as contradições econômicas da região e certa homogeneidade dos baixos índices sociais e econômicos entre alguns municípios que o constitui. Os valores de IDH, taxa de alfabetização e PIB são baixos para grande 66

5 parte dos municípios do Recôncavo, sobretudo para Cabaceiras do Paraguaçu. As discrepâncias dos indicadores socioeconômicos entre os municípios do território convergem para denotar a dificuldade de se estabelecer e aplicar políticas socioeconômicas no âmbito regional. Há contradições entre os indicadores sociais e econômicos no território, ratificando a ideia de que as riquezas econômicas muitas vezes não são transferidas para a população, não resultam em políticas de assistência social e não conduzem ao desenvolvimento social, como foi observado no município de São Francisco do Conde, que possui um alto PIB per capita, todavia um médio IDH. Os dados da pesquisa convergem para afirmar a necessidade de políticas sociais e econômicas mais eficazes nas áreas técnicas, administrativas e financeiras, bem como na melhoria e na ampliação do ensino básico, profissionalizante e superior para região, já que há municípios com baixo índice de alfabetização. REFERÊNCIAS: BAHIA. Plano Plurianual 2008/2011. Salvador: Seplantec, Plano Plurianual 2012/2015. Salvador: Seplantec, BOMFIM, M. V. P. A rede urbana do Recôncavo Baiano e seu funcionamento técnico. Dissertação (Mestrado) Pós-Graduação em Geografia. Instituto de Geociências. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BRITO, C. A Petrobras e a gestão do território no Recôncavo baiano. Salvador: EDUFBA, IBGE. Limite político e administrativo municipal. 2010a. Disponível em: < >. Acesso em: 9 dez Censo demográfico b. Disponível em: < >. Acesso em: 15 jul Indicadores de sustentabilidade ambiental: Brasil Rio de Janeiro: IBGE, 2010c. JANNUZZI, P. M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público. Brasília (DF), v. 56, n. 2, p , Indicadores sociais no Brasil. Campinas: Alinea, 2001 LANG, S.; BLASCHKE, T. Análise da paisagem com SIG. São Paulo: Oficina de Textos, LOBÃO, J. S. B.; SILVA, B. C. N. Análise socioambiental na região semiárida da Bahia: geoprocessamento como subsídio ao ordenamento territorial. Feira de Santana: UEFS Editora, LONGLEY, P. A. et al. Sistema e ciência da informação Geográfica. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, MILLÉO, J. C. A utilização dos indicadores sociais pela Geografia: uma análise crítica. Tese (Doutorado em Geografia) Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil: com dados dos censos 1991, 2000 e Disponível em: < >. Acesso em: 11 jan SILVA, S. B. M.; SILVA, B. C. N. Estudos sobre globalização, território e Bahia. 2. ed. Salvador: EDUFBA, SILVA, X. J. Geoprocessamento em estudos ambientais: uma perspectiva sistêmica. In: MEIRELLES, M. S. P.; CAMARA, G.; ALMEIDA, C. M. Geomática: modelos e aplicações ambientais. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica,

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO ELIANE FÁTIMA BOA MORTE DO CARMO 1 Introdução Após a promulgação da lei 10.639/03 e 11.645/08, passando a ser oficialmente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Elissandro Santana 1 Hiram Fernandes 2 Wendel Henrique 3

INTRODUÇÃO. Elissandro Santana 1 Hiram Fernandes 2 Wendel Henrique 3 A reestruturação urbana em Santo Antônio de Jesus e de Cruz das Almas, Bahia: a instalação dos campi da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e dos loteamentos fechados, como formas de exclusão sócio-espacial.

Leia mais

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras

EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA. distribuição da população e do pib. entre núcleo e periferia. nas 15 principais regiões. metropolitanas brasileiras CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO BRASILIENSE DE ESTUDOS DA ECONOMIA REGIONAL IBRASE EQUILÍBRIOS E ASSIMETRIAS NA distribuição da população e do pib

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

NATAL: Transformações na Ordem Urbana

NATAL: Transformações na Ordem Urbana NATAL: Transformações na Ordem Urbana Observatório das Metrópoles Núcleo RMNatal Editores : Maria do Livramento M. Clementino Observatório das Metrópoles Núcleo Natal Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL

REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL REPRESENTAÇÕES CARTOGRÁFICAS DOS INDICADORES ESTATÍSTICOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE COM DESTAQUE PARA O CONTEXTO DE CORUMBATAÍ DO SUL PAGLIARINI JR., Sérgio Norberto. IC, Fecilcam, Geografia,

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade

REGIÃO NORDESTE. As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade REGIÃO NORDESTE As sub-regiões do Nordeste 2ª unidade NORDESTE Características gerais 9 Estados / 18, 25% do território do Brasil; 2ª maior população regional; Área de colonização mais antiga; A maior

Leia mais

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos

PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013. Colégio Santa Clara Prof. Marcos PRATICANDO EXERCÍCIOS - 2013 Colégio Santa Clara Prof. Marcos Densidade e crescimento demográfico brasileiro (FUVEST 2011) E este mapa, por que que ele difere dos demais? a) Correlacione as informações

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 9º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 9º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 014 015 Planificação anual 9º ano de escolaridade Atividades económicas As Redes e Modos de Transporte e Telecomunicação Atividades económicas Os Serviços A indústria

Leia mais

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções

O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções O uso do gvsig na Identificação de locais estratégicos para instalação de uma loja de confecções Dionísio Costa Cruz Junior dionisiojunior@iquali.com.br (orientador) Ismael Fiuza Ramos maelfiuza@gmail.com

Leia mais

Dinâmica Socioambiental no Centro-Sul Segundo o Grau de Ocupação Humana Y

Dinâmica Socioambiental no Centro-Sul Segundo o Grau de Ocupação Humana Y Dinâmica Socioambiental no Centro-Sul Segundo o Grau de Ocupação Humana Y Palavras-chave: impactos ambientais; taxa de urbanização; IDH; PIB Frederico Cavadas Barcellos Oliveira Sonia Maria M. C. de Green

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

DUQUE DE CAXIAS: seu retrato a partir dos indicadores sócio-econômicos

DUQUE DE CAXIAS: seu retrato a partir dos indicadores sócio-econômicos DUQUE DE CAXIAS: seu retrato a partir dos indicadores sócio-econômicos Gracielle Fernanda do Nascimento Azeredo 1 Bruna de Oliveira Silva 2 Resumo: A exposição decorre de estudo investigativo sobre trabalho

Leia mais

FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA

FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA 1 Ildo Rodrigues Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Ildo_rdliveira@hotmail.com 1.

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA Soluções Integradas para uma Gestão Compartilhada OS ATLAS ELETRÔNICOS E O DESENVOLVIMENTO DO APLICATIVO PARA A PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL TerraViewWeb

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 5 - GEOGRAFIA AGRÁRIA

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 5 - GEOGRAFIA AGRÁRIA Questão n o 1 Conhecimentos Específicos O candidato deverá contemplar em seu texto os seguintes aspectos: Na perspectiva da Geografia Tradicional, até os anos 60 do século XX, período em que se enfatizavam

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1 1. Complete a cruzadinha: I - C II - A III - P IV - I V - T VI - A VII - L VIII I IX - S X - M XI - O I. A lei da oferta e da procura é que determina os valores das mercadorias, pois o sistema capitalista

Leia mais

AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES.

AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES. AS VILAS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA: UMA ANÁLISE DAS REDES. Ana Emília de Quadros Ferraz Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia milaferraz@gmail.com Altemar Amaral Rocha Universidade Estadual

Leia mais

24 GABARITO 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50

24 GABARITO 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 24 GABARITO 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 41. Em 2003, o governo brasileiro propôs mudanças no sistema da Previdência Social que culminaram numa ampliação do tempo de contribuição

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO Ozeias de Almeida Santos Graduando em Geografia Universidade

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS

SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Tema 2 Salvador metropolitana: configuração urbana e mobilidade espacial SALVADOR E SUA REGIÃO METROPOLITANA: MUDANÇAS RECENTES, CONFLITOS E PERSPECTIVAS INSTITUCIONAIS Prof. Dr. Sylvio Bandeira de Mello

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso

Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Conselho Nacional dos Direitos do Idoso Fundo Nacional do Idoso- Regulamentação e operacionalização 27º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE DA FEBRABAN PROMOTOR

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental EIA, COMPERJ Diagnóstico Ambiental SUMÁRIO

Estudo de Impacto Ambiental EIA, COMPERJ Diagnóstico Ambiental SUMÁRIO SUMÁRIO 4.4 MEIO ANTRÓPICO 9 4.4.1 Introdução 9 4.4.2 Área de Influência Estratégica 11 4.4.3 Área de Influência Indireta AII: Região Metropolitana do Rio de Janeiro 24 4.4.4 Área de Influência Regional

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Avaliação das transformações sócioambientais, oriundas da implantação do Complexo Portuário Industrial do Açu.

Avaliação das transformações sócioambientais, oriundas da implantação do Complexo Portuário Industrial do Açu. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL MODALIDADE PROFISSIONAL Avaliação das transformações sócioambientais, oriundas da implantação do Complexo Portuário Industrial

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

Foro Internacional Medamerica 2011

Foro Internacional Medamerica 2011 Foro Internacional Medamerica 2011 EVIDÊNCIAS DE UMA CIDADE MÉDIA: O cenário regional de Vitória da Conquista diante da realidade econômica mundial Josenaldo de Souza Alves Rita Lima Objetivo Contribuir

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

Consultores de Políticas Comunitarias

Consultores de Políticas Comunitarias Documento de Trabalho para a Programação 2014-2020: RESUMO DO DIAGNÓSTICO SOCIOECONÓMICO DA ZONA DE COOPERAÇÃO 16 de outubro de 2013 1. RESUMO DA ANÁLISE DO CONTEXTO ECONÓMICO, SOCIAL E TERRITORIAL DA

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESTADO DO PARANÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Núcleo Regional de Educação de Toledo Colégio Estadual Jardim Gisele Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2015 TRABALHO DOCENTE Estabelecimento

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS

A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Maria Cecília Comegno POR QUE O INTERESSE CRESCENTE POR INDICADORES Retomada do planejamento como instrumento para a ação pública -

Leia mais

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012 São Paulo março de 2012 Rede Urbana Paulista Rede Urbana Paulista O território do Estado de São Paulo caracteriza-se pela presença de várias formas espaciais e de distintas escalas de urbanização. Rede

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores.

DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI. Palavras-Chave: Fronteira, Desenvolvimento Humano, Indicadores. DESENVOLVIMENTO HUMANO NA FRONTEIRA BRASIL/BOLÍVIA E BRASIL/PARAGUAI Jeniffer Fonseca da Silva Jean Carlos da Silva Américo Tito Carlos Machado de Oliveira 1 Aluna do curso de ciências econômicas da UFMS,

Leia mais

Geografia Leituras e Interação

Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação às Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM 31/10/2013 1 Sumário 1 DADOS ESTATISTICOS DE MACAÉ 2 MACAÉ CIDADE DO PETRÓLEO 3 AÇÕES

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação Disciplina: Geografia Trimestre: 1º O Brasil: - A extensão do território brasileiro - A localização do Brasil no continente e no planeta - As fronteiras nacionais (marítimas e terrestres) As regiões brasileiras:

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS

DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS Israel de Oliveira Junior 1, Jocimara Souza Britto Lobão 2 1 Geógrafo, Professor Auxiliar do Depto.

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 7º ANO PROFESSOR: MAGDA e ROSI

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA: DE 1991 A 2010. 1 Introdução

DINÂMICA POPULACIONAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA: DE 1991 A 2010. 1 Introdução DINÂMICA POPULACIONAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA: DE 1991 A 2010 JOHNATHAN DOS SANTOS DE SOUZA 1 RONAN EUSTÁQUIO BORGES 2 Resumo: Esse trabalho tem como objetivo analisar a dinâmica populacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA Perfil de A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE

PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE PORTO ALEGRE DESIGUAL: OS VÁRIOS RETRATOS DE UMA METRÓPOLE Valéria D.Sartori Bassani 1 Introdução Este artigo tem por objetivo apresentar uma descrição sintética socioeconômica da cidade de Porto Alegre,

Leia mais

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS HABILIDADES COMPETÊNCIAS 1. A reestruturação mundial: modos de produção, suas especificidades e

Leia mais

Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo

Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo Aplicação dos Royalties do Petróleo: uma Proposta de Avaliação Qualitativa da Eficácia das Ações de Governo João Alberto Neves S. joaoneves@vm.uff.br UFF Marcelo dos Santos de Oliveira marcelooliveira@criterioauditores.com.br

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL

GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL GEOGRAFIA DAS DESIGUALDADES: PROBREZA ESTRUTURAL E USO DO TERRITÓRIO EM SÃO JOSÉ DA LAJE- AL Antônio Lopes da Silva Neto Universidade Estadual de Alagoas UNEAL netto-loppes@hotmail.com Amistson Lopes da

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Quando olhei a terra ardente...

Quando olhei a terra ardente... Quando olhei a terra ardente... A UU L AL A Nesta aula estudaremos a região Nordeste, identificando suas principais características e sua importância para o país. Para entender suas paisagens, vamos avaliar

Leia mais